SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 75
Baixar para ler offline
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Prof. Nunes
Reações de Eliminação
Prof. Dr. José Nunes da Silva Jr.
Universidade Federal do Ceará
Centro de Ciências
Departamento de Química Orgânica e Inorgânica
Química Orgânica II
1 Atualizado em abr/2017
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
As reações de eliminação são normalmente observadas em compostos com
bons grupos abandonadores para gerar alcenos.
Em uma reação de eliminação, um próton localizado no carbono beta (β) é
removido juntamente com o abandonador, formando uma ligação dupla.
Este tipo de reação é chamado de eliminação beta ou eliminação 1,2.
Reações de EliminaçãoReações de Eliminação
2
substituição
eliminação
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Alcenos podem ser preparados através de reações de eliminação, em que
um próton e um grupo abandonador (LG) são removidos para formar uma
ligação π:
Todas as reações de eliminação exibem pelo menos dois padrões:
(1) transferência de prótons e
(2) perda de um grupo abandonador:
Reações de Eliminação – Possíveis MecanismosReações de Eliminação – Possíveis Mecanismos
3
alceno
Eliminação de H e LG
transferência de
próton
saída do grupo
abandonador
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Cada reação de eliminação apresenta uma transferência de próton, assim
como a saída de um grupo de abandonador.
Mas considere a ordem dos eventos destas duas etapas.
Na figura abaixo, ocorrem simultaneamente, de forma concertada.
Alternativamente, podemos imaginá-los ocorrendo separadamente, de forma
gradual.
Reações de Eliminação – Possíveis MecanismosReações de Eliminação – Possíveis Mecanismos
4
transferência de
próton
saída do grupo
abandonador
transferência de
próton
saída do grupo
abandonador
E2
E1
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Estudos cinéticos mostram que muitas reações de eliminação apresentam
uma cinética de segunda ordem com uma velocidade de reação:
V = K [substrato] [base]
Isto é consistente com um mecanismo concertado em que existe apenas
uma etapa mecanística, envolvendo tanto o substrato como a base. Uma vez
que este passo envolve duas entidades químicas, dizemos ser bimolecular.
Mecanismo E2 - Evidência CinéticaMecanismo E2 - Evidência Cinética
5
transferência de
próton
saída do grupo
abandonador
E2
Eliminação Bimolecular
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E2Mecanismo E2
6
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Na unidade anterior, vimos que a velocidade de um processo SN2 com um
substrato terciário
é geralmente tão lenta que pode ser assumido que o
substrato é inerte sob estas condições de reação.
Portanto, é uma surpresa observar que os substratos terciários sofressem
reações E2 muito rapidamente.
A diferença-chave entre substituição e eliminação é o papel desempenhado
pelo reagente.
Substituição: a reação ocorre quando o reagente atua
como um nucleófilo, atacando o centro eletrofílico,
Eliminação: ocorre quando o reagente atua como uma
base, abstraindo o próton.
Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2
7
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Com um substrato terciário, o impedimento estérico
impede o reagente de funcionar como um nucleófilo a uma
velocidade apreciável,
mas o reagente pode ainda funcionar como uma
base, sem encontrar muito impedimento estérico.
Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2
8
substituição eliminação
Hidróxido atua como um nucleófilo Hidróxido atua como uma base
Um substrato terciário é também
estericamente impedido.
O nucleófilo não pode penetrar e
atacar.
Um próton β pode ser
facilmente abstraído mesmo
que o substrato seja terciário.
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Substratos terciários reagem ais rapidamente que os secundários que, por
sua vez, reagem mais rapidamente que substratos os primários em reações
E2.
Para entender a razão para esta tendência, vamos analisar o diagrama de
energia de um processo de E2.
Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2
9
reatividade aumenta
1o 2o 3o
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2
10
reatividade aumenta
∆G
Coordenada da reação
Estado de transição
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2
11
3o 2o 1o
No estado de transição, uma ligação dupla C=C está se formando.
Para um substrato terciário, o estado de transição exibe uma ligação dupla
parcial que é mais altamente substituída e, portanto, o estado de transição
será de menor em energia.
reatividade aumenta
1o 2o 3o
Estado de
transição
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Em muitos casos, uma reação de eliminação pode produzir mais de um
produto.
Neste exemplo, as posições β não são idênticas,
de modo que a ligação dupla pode se formar em
duas regiões diferentes da molécula.
Ambos os produtos são formados, mas o alceno mais substituído é
geralmente observado como o principal produto:
Regiosseletividade em E2Regiosseletividade em E2
majoritário
12
β β
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Ambos os produtos são formados, mas o alceno mais substituído é
geralmente observado como o principal produto:
A reação é dita ser regiosseletiva.
Regra de ZaitsevRegra de Zaitsev
Em 1875, em seus estudos empíricos, Zaitsev observou que
os alcenos formados em maior quantidade
eram sempre aqueles formados a partir da
remoção dos hidrogênios dos carbonos-β menos
hidrogenados.
13
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
No entanto, muitas exceções foram observadas, e o produto de Zaitsev era o
produto minoritário.
Por exemplo, quando tanto o substrato e a base são estericamente
impedidos,
o alceno menos substituído é o produto principal:
O alceno menos substituído é chamado frequentemente de
produto de Hofmann.
Produto de HofmannProduto de Hofmann
14
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
A distribuição dos produtos (Zaitsev:Hofmann)
é dependente de um número de fatores, e é frequentemente
difícil de se prever.
A escolha de uma base (estericamente impedida) certamente
desempenha um papel importante.
Zaitsev x HofmannZaitsev x Hofmann
15
Zaitsev Hoffman
Distribuição dos produtos de uma reação E2 como uma função da base.
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Identifique o produto majoritário em cada caso.
Br
Cl
16
Zaitsev x HofmannZaitsev x Hofmann
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
O 3-bromopentano tem duas posições β idênticas, assim a regioquímica não
é um problema neste caso. A desprotonação de qualquer posição β produz o
mesmo resultado.
Todavia, neste caso, a estereoquímica deve ser observada porque dois
alcenos estereoisoméricos são possíveis e podem ser obtidos:
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
17
Energia
Livre
(G)
Coordenada da reação
majoritário minoritário
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
No exemplo anterior, a posição β tinha dois prótons diferentes:
Em tal caso, ambos os isômeros cis e trans foram produzidos,
com o isômero trans sendo favorecido.
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
18
majoritário minoritário
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Agora, vamos considerar um caso em que a posição β contém apenas um
próton.
Por exemplo, considere a realização de uma reação eliminação com o
seguinte substrato:
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
19
Por que o outro estereoisômero (Z) possível não é obtido?
(E)
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Para entender a resposta a esta pergunta, devemos explorar o alinhamento
de orbitais no estado de transição.
No estado de transição, uma ligação π está se formando.
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
20
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Portanto, o estado de transição deve envolver a formação de orbitais p que
são posicionados de tal modo que eles possam se sobrepor à medida que se
formam.
os quatro átomos devem estar no mesmo plano: o próton na
posição β, o grupo de saída, e o dois átomos de carbono
que, no final, formarão a ligação π.
devem estar coplanares.
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
21
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Lembre-se que a ligação simples C-C é livre para rodar antes que ocorra a
reação.
Se rodarmos esta ligação, veremos que há duas maneiras de
conseguir um arranjo coplanar:
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
22
anti-coplanar syn-coplanar
girar a ligação C-C
alternada eclipsada
Mais estável
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Podemos ver que a conformação anti-coplanar é alternada, enquanto a
conformação syn-coplanar é eclipsada.
A eliminação através da conformação syn-coplanar iria envolver um estado
de transição de energia mais elevada, como resultado da geometria
eclipsada.
Portanto, a eliminação ocorre mais rapidamente através da conformação
anti-coplanar. De fato, na maioria dos casos, a eliminação ocorre
exclusivamente através da conformação anti-coplanar, o que leva a um
produto estereoisomérico específico.
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
23
anti-coplanar syn-coplanar
alternada eclipsada
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
A exigência de coplanaridade não é inteiramente absoluta.
pequenos desvios de coplanaridade podem ser tolerados. Se o
ângulo diedro entre o próton e o grupo abandonador não é
exatamente 180°, a reação pode ainda prosseguir.
O termo periplanar (em vez de no mesmo plano) é usado para
descrever uma situação em que o próton e o grupo abandonador
são quase coplanares (por exemplo, um ângulo diedro de 178°
ou 179°).
O próton e o grupo abandonador devem ser anti-periplanares.
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
24
anti-coplanar
eliminação
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
O requisito para um arranjo anti-periplanar irá determinar o
estereoisomerismo do produto.
Em outras palavras, o produto estereoisomérico de um processo E2 depende
da configuração do haleto de alquila de partida:
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
25
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
A reação E2 é dita ser estereoespecífica, porque o estereoisomerismo do
produto é dependente do estereoisomerismo do substrato.
A estereoespecificidade de uma reação E2 é relevante apenas quando a
posição β tiver apenas um próton:
Em tal caso, o próton β deve estar arranjado anti-periplanar em relação ao
grupo abandonador, a fim de que a reação ocorra, determinando produto
obtido.
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
26
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
No entanto, quando a posição β tiver dois prótons, então, qualquer um
destes dois prótons pode ser disposto de modo que esteja anti-periplanar
com o grupo abandonador.
Como resultado, serão obtidos os dois produtos estereoisoméricos:
Em tal caso, o alceno mais estável predominará.
Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2
27
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Esteroespecificidade em E2Esteroespecificidade em E2
Conceitos:
28
EstereoespecificidadeEstereosseletividade
Majoritário
Minoritário
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Na seção anterior, exploramos a exigência de que uma reação E2
conformação antiperiplanar.
Esta exigência tem um significado especial quando se lida com cicloexanos
substituídos.
Lembre-se que um anel cicloexânico substituído pode adotar duas
conformações cadeiras diferentes.
Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos
29
Quando Cl é axial, ele pode estar
antiperiplanar com um átomo de
hidrogênio vizinho
Quando Cl é equatorial, ele NÃO
pode estar antiperiplanar com
nenhum dos átomos de hidrogênio
vizinhos
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Portanto, com um anel cicloexânico,
uma reação E2 ocorre apenas a partir de conformação cadeira na
qual o grupo de saída está na posição axial.
Sendo assim, segue-se que uma reação E2
só pode ocorrer quando o grupo abandonador e o próton estiverem
em lados opostos do anel.
Somente os hidrogênios vermelhos poderão ser abstraídos.
Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos
30
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Se não existirem tais prótons, uma reação E2
não pode ocorrer a uma velocidade apreciável.
Este composto não sofrerá E2.
Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos
31
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Este composto tem duas posições β, e cada posição β carrega um próton.
Mas, nenhuma destes prótons pode estar anti-periplanar com o
grupo de saída.
Uma vez que o grupo de saída está na frente do plano, uma
reação E2 só ocorrerá se houver o próton vizinho estiver
atrás do plano.
Veja outro exemplo:
Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos
32
não
observado
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Qual isômero reagirá mais rapidamente em uma reação E2?
Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos
33
Mais estável
Mais estável
Neste caso, um processo E2 só pode ocorrer a partir da conformação cadeira
de maior energia, cuja concentração é pequena no estado de equilíbrio.
Como resultado, o cloreto de mentila será submetido a uma reação E2 mais
lentamente.
cloreto de mentila
cloreto de neomentila
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1Mecanismo E1
Estudos cinéticos mostram que muitas reações de eliminação apresentam
uma cinética de primeira ordem, com uma equação de velocidade que tem
a seguinte forma:
Velocidade = k [substrato]
34
Eliminação Unimolecular
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1Mecanismo E1
35
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 – Efeito do SubstratoMecanismo E1 – Efeito do Substrato
Para as reações E1, a velocidade é muito sensível à natureza do haleto de
alquila de partida.
Haletos terciários reagem mais prontamente. Esta tendência é idêntica à
tendência que se observa em reações SN1, e a razão desta tendência é a
mesma também.
O mecanismo envolve a formação de um intermediário carbocátion, e a
velocidade da reação é dependente da estabilidade da carbocátion.
36
menos
reativo
mais
reativo
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1Mecanismo E1
O mecanismo envolve a formação de um intermediário carbocátion, e a
velocidade da reação é dependente da estabilidade da carbocátion.
37
menos
reativo
mais
reativo
menos
reativo
mais
reativo
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1Mecanismo E1
38
menos
reativo
mais
reativo
substrato 2o substrato 3o
Energia
Livre (G)
Coordenada da reação
Energia
Livre (G)
Coordenada da reação
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1Mecanismo E1
O primeiro passo de um processo de E1 é idêntico ao do primeiro passo de
um processo de SN1.
Em cada processo, o primeiro passo envolve a perda do grupo de saída,
para formar um intermediário carbocátion.
39
Perda de um
Grupo abandonador
Carbocátion
intermediário
nucleófilo
base
Substituição
Eliminação
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1Mecanismo E1
Na parte anterior desta unidade, vimos que um grupo OH é um péssimo
grupo abandonador, e que um reação SN1 pode ocorrer apenas se o grupo
OH for protonado antes, para gerar um melhor grupo de saída:
O mesmo é verdade com um mecanismo E1. Se o substrato é um álcool,
será necessário um ácido forte, a fim de protonar o grupo OH.
O ácido sulfúrico é geralmente utilizado para este propósito:
Reação de desidratação40
calor
grupo abandonador
RUIM
grupo abandonador
EXCELENTE
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RegiosseletividadeMecanismo E1 - Regiosseletividade
Mecanismos E1 exibem uma preferência para o produto regioquímico de
Zaitsev, como foi observado para reações E2. Por exemplo:
O alceno mais substituído (produto Zaitsev ) é o produto principal.
No entanto, existe uma diferença crítica entre os resultados regioquímicos
entre as reações E1 e E2.
alceno mais
substituído
41
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RegiosseletividadeMecanismo E1 - Regiosseletividade
Especificamente, vimos que o resultado regioquímico de uma reação E2
muitas vezes pode ser controlada escolhendo cuidadosamente a base:
estericamente impedida ou não estericamente impedida.
Em contraste, o resultado regioquímico de um processo E1
NÃO pode ser controlado.
O produto Zaitsev geralmente é obtido.
alceno mais
substituído
42
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RegiosseletividadeMecanismo E1 - Regiosseletividade
Identifique o produto majoritário na seguinte reação:
Obtém-se uma mistura
majoritário
43
Abstraindo um próton a partir
desta posição.....
Estes dois desenhos
representam o mesmo produto
Gera este
produto
Abstraindo-se um próton
de uma destas 2 posições
gera o mesmo produto
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - EstereosseletividadeMecanismo E1 - Estereosseletividade
Reações E1 não são estereoespecíficas.
Isto é, elas não necessitam de anti-periplanaridade para que ocorram. No
entanto, as reações são E1 estereosseletivas.
Quando os produtos cis e trans são possíveis, geralmente
verifica-se uma certa preferência para a formação do
estereoisômero trans:
44
calor
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1Mecanismo E1
45
Transferência
de próton
Transferência
de próton
Perda do
grupo abandonador
Transferência
de próton
Transferência
de próton
Perda do
grupo abandonador
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo
O mecanismo E1 envolve a formação de um intermediários de
carbocátions, os quais são susceptíveis a rearranjos, quer através de uma
transferência de hidreto ou de metila.
46
Rearranjo
C+
Transferência
de próton
Perda do
grupo
abandonador
Carbocátion
2o
Carbocátion
3o
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo
47
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo
O mecanismo E1 envolvendo álcoois:
48
Rearranjo
C+
Transferência
de próton
Perda do
grupo
abandonador
Carbocátion
2o
Carbocátion
3o
Transferência
de próton
calor
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo
49
Rearranjo
C+
Transferência
de próton
Perda do
grupo
abandonador
Transferência
de próton
Coordenada da reação
Energia
Livre
(G)
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo
Nos casos em que um rearranjo de carbocátion é possível, esperamos
obter o produto de rearranjo, bem como o produto sem rearranjo.
No exemplo anterior, os seguintes produtos são obtidos:
50
Produtos a partir
do rearranjo
Produtos a partir
de nenhum rearranjo
calor
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo
Outro exemplo:
51
Rearranjo
C+
Transferência
de próton
Perda do
grupo
abandonador Carbocátion
2o
Carbocátion
3o
Transferência
de próton
calor
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
H
CH2
CH2
OH2
+
Álcoois 1os não formam carbocátions (mecanismo E1), pois os
mesmos seriam muito instáveis. Todavia, eles sofrem reações de
desidratação.
É verdade, porém que o mecanismo proposto é diferente.
Acredita-se que um próton é abstraído a partir do íon
alquiloxônio na mesma etapa em que acontece a clivagem
da ligação C-OH2
+, sem a formação do carbocátion.
..
..
H
O
H
íon alquil oxônio
Mecanismo de Desidratação de Álcoois 1osMecanismo de Desidratação de Álcoois 1os
52
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Desenhe o mecanismo para cada um dos processos:
ExercíciosExercícios
53
calor
calor
calor
calor
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
ExercíciosExercícios
Identifique qual dos seguintes métodos é mais eficiente para a produção
do 3,3-dimetilciclohexeno.
Explique sua escolha.
54
calor
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Reações de substituição e eliminação quase sempre
estão em competição entre si.
Para se prever os produtos de uma reação,
é necessário determinar quais são os prováveis
mecanismos que ocorrerão.
Em alguns casos, apenas um mecanismo vai predominar:
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
55
a partir de E2
(único produto)
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Às vezes, há vários produtos possíveis e temos que prever quais serão os
majoritários.
Para alcançar este objetivo, três etapas são necessárias:
1. Determinar a função do reagente.
2. Analisar o substrato e determinar o mecanismo(s) esperado(s).
3. Considerar todas as exigências regioquímica e estereoquímica relevantes.
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
56
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Uma reação de substituição ocorre quando o reagente atua como um
nucleófilo, enquanto uma reação de eliminação ocorre quando o reagente
atua como uma base.
Consequentemente, o primeiro passo em qualquer caso é para
determinar se o reagente é um nucleófilo forte ou fraco e se
trata-se de uma base forte ou uma base fraca.
Nucleofilicidade e basicidade não são os mesmos conceitos.
A nucleofilicidade é fenômeno cinético e refere-se à velocidade
da reação.
A basicidade é um fenômeno termodinâmico e refere-se à
posição de equilíbrio.
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
57
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
A nucleofilicidade refere-se
à velocidade com que um nucleófilo particular irá atacar um
eletrófilo.
Há muitos fatores que contribuem para nucleofilicidade.
Um desses fatores é a carga, a qual é responsável pelo íon
hidróxido ser mais nucleofílico que a água.
NucleofilicidadeNucleofilicidade
58
Nucleófilo
forte
Nucleófilo
fraco
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Outro fator que impacta sobre a nucleofilicidade é a polarizabilidade, que
muitas vezes é ainda mais importante que a carga.
Recorde-se que a polarizabilidade descreve a capacidade de um átomo de
distribuir a sua densidade eletrônica de forma irregular, como resultado de
influências externas.
A polarizabilidade está diretamente relacionada ao tamanho do átomo e,
mais especificamente, ao número de elétrons que se encontram distante do
núcleo.
Um átomo de enxofre é muito grande e tem muitos elétrons que estão
afastados do núcleo, e por isso é altamente polarizável.
A maioria dos halogênios compartilham essa mesma característica. Por
esta razão, o H2S é um nucleófilo muito mais forte do que a H2O:
NucleofilicidadeNucleofilicidade
59
Nucleófilo
forte
Nucleófilo
fraco
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Note que o H2S não tem uma carga negativa, mas é, no entanto, um
nucleófilo forte, porque é altamente polarizável.
A relação entre a polarizabilidade e nucleofilicidade também explica por
que o íon hidreto (H-) do NaH não funciona como um nucleófilo, mesmo que
tenha uma carga negativa.
O íon idreto é extremamente pequeno e não é suficientemente polarizável
para funcionar como um nucleófilo.
Veremos, no entanto, que o íon hidreto funciona como uma base muito
forte.
NucleofilicidadeNucleofilicidade
60
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Ao contrário da nucleofilicidade,
a basicidade não é um fenômeno cinético e não se refere à
velocidade de um processo.
Em vez disso, é um fenômeno termodinâmico e refere-se à posição de
equilíbrio:
Em um processo de transferência de próton,
o equilíbrio favorece a base mais fraca.
BasicidadeBasicidade
Base
forte
Base
fraca
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Há vários métodos para determinar se uma base é forte ou fraca.
Dois desses métodos são:
a) abordagem quantitativa: exige acesso aos valores de pKa.
Especificamente, a força de uma base é determinada pela avaliação do
pKa de seu ácido conjugado.
b) abordagem qualitativa: envolve a utilização de quatro fatores para a
determinação da estabilidade relativa de uma base, contendo uma carga
negativa. Por exemplo, um íon cloreto tem uma carga negativa e um grande
átomo eletronegativo e é, portanto, altamente estabilizado (uma base
fraca).
Note-se que tanto a abordagem quantitativa quanto a abordagem
qualitativa fornecem a mesma previsão: a de que um íon cloreto é uma
base fraca.
BasicidadeBasicidade
62
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
Depois de analisar os principais fatores que contribuem para
nucleofilicidade e basicidade, agora podemos classificar todos os
reagentes em quatro grupos.
I) Apenas nucleófilos: são nucleófilos fortes porque eles são altamente
polarizáveis, mas eles são bases fracas porque o seus ácidos conjugados
são bastante ácidos.
A utilização de um reagente a partir desta categoria significa que uma
reação de substituição está ocorrendo (não ocorre eliminação).
63
Nucleófilos
(apenas)
Bases
(apenas)
Nucleófilos
fortes
Bases
fortes
Nucleófilos
fracos
Bases
Fracas
haletos Nucleófilos enxofre
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
II) Apenas bases: O primeiro reagente desta lista é o íon hidreto. Como
mencionado anteriormente, o íon hidreto não é um nucleófilo, porque não é
suficientemente polarizável. No entanto, é uma base muito forte porque o
seu ácido conjugado (H2) é um ácido muito fraco.
A utilização de um íon hidreto como o reagente indica que a eliminação
ocorra em vez de substituição.
64
Nucleófilos
(apenas)
Bases
(apenas)
Nucleófilos
fortes
Bases
fortes
Nucleófilos
fracos
Bases
Fracas
haletos Nucleófilos enxofre
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
De fato, há muitos reagentes, além de hidreto, que também funcionam
exclusivamente como bases (e não como nucleófilos). Dois exemplos
utilizados são DBN e DBU:
Estes dois compostos são muito semelhantes em estrutura. Quando
qualquer um destes compostos é protonado, a carga positiva resultante é
estabilizada por ressonância.
65
Estabilizado por ressonância
1,5-diazobibiclo[4.3.0]non-5-eno
(DBN)
1,8-diazobibiclo[5.4.0]undec-7-eno
(DBU)
Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
III) Nucleófilos e bases fortes: A terceira categoria contém reagentes que
são nucleófilos fortes e bases fortes. Estes reagentes incluem o hidróxido
(OH-) e os alcóxidos (RO-).
Tais reagentes são geralmente utilizados para processos bimoleculares
(SN2 e E2).
66
Nucleófilos
(apenas)
Bases
(apenas)
Nucleófilos
fortes
Bases
fortes
Nucleófilos
fracos
Bases
Fracas
haletos Nucleófilos enxofre
Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
IV) Nucleófilos e bases fracas: A quarta categoria contém reagentes que
são nucleófilos fortes e bases fracas. Estes reagentes incluem a água (H2O)
e álcoois (ROH).
Estes reagentes são geralmente utilizados para processos unimoleculares
(SN1 e E1).
67
Nucleófilos
(apenas)
Bases
(apenas)
Nucleófilos
fortes
Bases
fortes
Nucleófilos
fracos
Bases
Fracas
haletos Nucleófilos enxofre
Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Fixando....
Identifique a categoria a que o íon fenolato pertence.
(a) nucleófilo forte e base fraca
(b) nucleófilo fraco e base forte
(c) nucleófilo forte e base forte
(d) nucleófilo fraco e base fraca
(a) Nucleófilo muito forte e uma base muito fraca.
Carga: negativa – nucleófilo forte
Basicidade: Fenol é muito ácido. Base conjugada fraca.
Polarizabilidade: oxigênio não é altamente polarizável, mas não é suficientemente
pequeno para torná-lo não nucleofílico
68
Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
Identifique se cada um dos seguintes reagentes seria um nucleófilo forte
ou fraco, e uma base forte ou fraca:
nucleófilo fraco
base fraca
nucleófilo forte
base fraca
nucleófilo forte
base forte
nucleófilo fraco
base fraca
nucleófilo forte
base forte
nucleófilo fraco
base fraca
nucleófilo forte
base forte
nucleófilo fraco
base forte
69
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
Um haleto de alquila e uma base podem reagir através de uma reação de:
substituição eliminaçãoSN1/SN2 E1/E2
Como podemos predizer qual será a principal reação que ocorrerá???
CH3
CH3
H
H
C
CH3
CH3
ClH3C EtOH : HOH
(8:2)
C
CH3
CH3
OHH3C + C
CH3
CH3
OEtH3C
83%
17%
25 o
C
70
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Na seção anterior, nós exploramos o primeiro passo (identificando a
função do reagente).
Nesta seção, vamos agora explorar o segundo passo do processo em que
se analisa o substrato para se identificar qual o mecanismos operantes.
Conforme descrito na seção anterior, há quatro categorias de reagentes.
Para cada categoria, devemos explorar o resultado esperado com um
substrato primário, secundário ou terciário.
Então, vamos resumir toda a informação em um fluxograma mestre.
Vamos começar com os
reagentes que funcionam apenas como nucleófilos.
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
71
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
Quando o reagente funciona exclusivamente como um nucleófilo, somente
reações de substituição ocorrerão.
O substrato vai determinar qual o mecanismo operar.
A velocidade de um processo SN2 pode ser melhorada através da utilização de
um solvente polar aprótico.
72
Nucleófilo
(somente)
Exemplos:
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
Quando o reagente funciona exclusivamente como uma base, somente a
reações de eliminação ocorrerão.
Tais reagentes são geralmente bases fortes, resultando em processos E2.
Este mecanismo não é sensível à obstáculos estéricos e pode ocorrer tanto
para substratos primários, secundários ou terciários.
73
Base
(somente)
Exemplos:
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
Note-se que quando um substrato primário é tratado com um íon alcóxido o
mecanismo SN2 predomina sobre o E2. Há uma notável exceção a esta regra
geral.
Especificamente, o terc-butóxido de potássio é um alcóxido impedido
estereoquimicamente, e favorece E2 sobre SN2, mesmo quando o substrato é
primário.
74
Nucleófilo Base
forte forte
Exemplos:
majoritário
majoritário
minoritário
minoritário
velocidade
DQOI - UFC Prof. Nunes
DQOI - UFC Prof. Nunes
Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação
Estas condições não são práticas para substratos primários e secundários.
Substratos primários geralmente reagem lentamente com nucleófilos fracos e
bases fracas, e substratos secundários produzem uma mistura de muitos
produtos.
É eficaz utilizar um reagente que é tanto uma base fraca quanto um nucleófilo
fraco quando o substrato é terciário. Em tal caso, os caminhos
unimoleculares predominam (SN1 e E1). Uma mistura de produtos de
substituição e eliminação é geralmente obtido, embora o processo E1 seja
frequentemente favorecido a altas temperaturas.75
Exemplos:
não é
prático
não é
prático
Nucleófilo Base
fraco fraca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Gustavo Silveira
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
Liana Maia
 
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenosAula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Gustavo Silveira
 
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Adrianne Mendonça
 
Aula 8 reação de alcenos ii
Aula 8   reação de alcenos iiAula 8   reação de alcenos ii
Aula 8 reação de alcenos ii
day ....
 
Aula 18 teoria da ligacao de valencia
Aula 18   teoria da ligacao de valenciaAula 18   teoria da ligacao de valencia
Aula 18 teoria da ligacao de valencia
Taline Cunha
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Íngrede Silva
 

Mais procurados (20)

Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílica
 
Analise conformacional
Analise conformacionalAnalise conformacional
Analise conformacional
 
Substituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica AromáticaSubstituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica Aromática
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenosAula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
 
Aula 18 20 eliminação
Aula 18 20 eliminaçãoAula 18 20 eliminação
Aula 18 20 eliminação
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
 
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos AromáticosReações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
Reações de Subst. Nucleofïlicas em Compostos Aromáticos
 
Estereoquímica
EstereoquímicaEstereoquímica
Estereoquímica
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
 
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2
 
Compostos de coordenação
Compostos de coordenaçãoCompostos de coordenação
Compostos de coordenação
 
Unidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
Unidade 05 - Introdução às Reações OrgânicasUnidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
Unidade 05 - Introdução às Reações Orgânicas
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Unidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e BasesUnidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e Bases
 
Aula 8 reação de alcenos ii
Aula 8   reação de alcenos iiAula 8   reação de alcenos ii
Aula 8 reação de alcenos ii
 
Aula 18 teoria da ligacao de valencia
Aula 18   teoria da ligacao de valenciaAula 18   teoria da ligacao de valencia
Aula 18 teoria da ligacao de valencia
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Projeções de newman
Projeções de newmanProjeções de newman
Projeções de newman
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 

Semelhante a Reações de Eliminação

14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao
14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao
14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao
Elisabete Feitosa
 
Aula 5 substituição nucleofílica 1
Aula 5  substituição nucleofílica 1Aula 5  substituição nucleofílica 1
Aula 5 substituição nucleofílica 1
Katyuscya Veloso
 
Características e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais EnzimáticaCaracterísticas e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais Enzimática
Aline Paiva
 
Cinetica quimica questoes_objetivas[1]
Cinetica quimica questoes_objetivas[1]Cinetica quimica questoes_objetivas[1]
Cinetica quimica questoes_objetivas[1]
Profª Rosana
 
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílicaHaletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Eduardo Macedo
 

Semelhante a Reações de Eliminação (20)

REAÇÃO ORGÂNICA- ELIMINAÇÃO.pptx
REAÇÃO  ORGÂNICA- ELIMINAÇÃO.pptxREAÇÃO  ORGÂNICA- ELIMINAÇÃO.pptx
REAÇÃO ORGÂNICA- ELIMINAÇÃO.pptx
 
14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao
14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao
14420351 quimica-organica-ii-reacao-eliminacao
 
Substituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica AromáticaSubstituição Eletrofílica Aromática
Substituição Eletrofílica Aromática
 
Reações periciclicas
Reações periciclicasReações periciclicas
Reações periciclicas
 
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2
 
Aula 5 substituição nucleofílica 1
Aula 5  substituição nucleofílica 1Aula 5  substituição nucleofílica 1
Aula 5 substituição nucleofílica 1
 
Aula 5 substituição nucleofílica 1
Aula 5  substituição nucleofílica 1Aula 5  substituição nucleofílica 1
Aula 5 substituição nucleofílica 1
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Aula 11 Reações substituição mecanismo
Aula 11 Reações substituição mecanismoAula 11 Reações substituição mecanismo
Aula 11 Reações substituição mecanismo
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
 
Características Gerais Enzimática
Características Gerais EnzimáticaCaracterísticas Gerais Enzimática
Características Gerais Enzimática
 
Características e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais EnzimáticaCaracterísticas e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais Enzimática
 
Cinetica quimica questoes_objetivas[1]
Cinetica quimica questoes_objetivas[1]Cinetica quimica questoes_objetivas[1]
Cinetica quimica questoes_objetivas[1]
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílicaHaletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
Haletos de alquila: reações de substituição nucleofílica
 
CINÉTICA QUIMICA REVISÃO
CINÉTICA QUIMICA REVISÃOCINÉTICA QUIMICA REVISÃO
CINÉTICA QUIMICA REVISÃO
 

Mais de José Nunes da Silva Jr.

Mais de José Nunes da Silva Jr. (20)

Aula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças IntermolecularesAula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças Intermoleculares
 
Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e NomenclaturaUnidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
 
Unidade 02 - Estereoquímica
Unidade 02 - EstereoquímicaUnidade 02 - Estereoquímica
Unidade 02 - Estereoquímica
 
Unidade 02 - Análise Conformacional
Unidade 02 - Análise ConformacionalUnidade 02 - Análise Conformacional
Unidade 02 - Análise Conformacional
 
Unidade 01 - Teoria Estrutural
Unidade 01 - Teoria EstruturalUnidade 01 - Teoria Estrutural
Unidade 01 - Teoria Estrutural
 
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e NomenclaturaGrupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
 
Grupos Funcionais e Nomenclatura
Grupos Funcionais e NomenclaturaGrupos Funcionais e Nomenclatura
Grupos Funcionais e Nomenclatura
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
Say My Name
Say My NameSay My Name
Say My Name
 
Teoria das práticas CE0880
Teoria das práticas  CE0880Teoria das práticas  CE0880
Teoria das práticas CE0880
 
Teoria das práticas CE0873
Teoria das práticas  CE0873Teoria das práticas  CE0873
Teoria das práticas CE0873
 
Roteiros de Química - Farmácia
Roteiros de Química - FarmáciaRoteiros de Química - Farmácia
Roteiros de Química - Farmácia
 
Roteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica IRoteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica I
 
Estereoquimica - Pós-graduação
Estereoquimica - Pós-graduaçãoEstereoquimica - Pós-graduação
Estereoquimica - Pós-graduação
 
Portfolio 06
Portfolio 06Portfolio 06
Portfolio 06
 
Portfolio 04
Portfolio 04Portfolio 04
Portfolio 04
 
Portfolio 03
Portfolio 03Portfolio 03
Portfolio 03
 
Portfolio 02
Portfolio 02Portfolio 02
Portfolio 02
 
Portfolio 05
Portfolio 05Portfolio 05
Portfolio 05
 
Portfolio 01
Portfolio 01Portfolio 01
Portfolio 01
 

Último

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 

Reações de Eliminação

  • 1. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Prof. Nunes Reações de Eliminação Prof. Dr. José Nunes da Silva Jr. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Química Orgânica e Inorgânica Química Orgânica II 1 Atualizado em abr/2017
  • 2. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes As reações de eliminação são normalmente observadas em compostos com bons grupos abandonadores para gerar alcenos. Em uma reação de eliminação, um próton localizado no carbono beta (β) é removido juntamente com o abandonador, formando uma ligação dupla. Este tipo de reação é chamado de eliminação beta ou eliminação 1,2. Reações de EliminaçãoReações de Eliminação 2 substituição eliminação
  • 3. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Alcenos podem ser preparados através de reações de eliminação, em que um próton e um grupo abandonador (LG) são removidos para formar uma ligação π: Todas as reações de eliminação exibem pelo menos dois padrões: (1) transferência de prótons e (2) perda de um grupo abandonador: Reações de Eliminação – Possíveis MecanismosReações de Eliminação – Possíveis Mecanismos 3 alceno Eliminação de H e LG transferência de próton saída do grupo abandonador
  • 4. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Cada reação de eliminação apresenta uma transferência de próton, assim como a saída de um grupo de abandonador. Mas considere a ordem dos eventos destas duas etapas. Na figura abaixo, ocorrem simultaneamente, de forma concertada. Alternativamente, podemos imaginá-los ocorrendo separadamente, de forma gradual. Reações de Eliminação – Possíveis MecanismosReações de Eliminação – Possíveis Mecanismos 4 transferência de próton saída do grupo abandonador transferência de próton saída do grupo abandonador E2 E1
  • 5. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Estudos cinéticos mostram que muitas reações de eliminação apresentam uma cinética de segunda ordem com uma velocidade de reação: V = K [substrato] [base] Isto é consistente com um mecanismo concertado em que existe apenas uma etapa mecanística, envolvendo tanto o substrato como a base. Uma vez que este passo envolve duas entidades químicas, dizemos ser bimolecular. Mecanismo E2 - Evidência CinéticaMecanismo E2 - Evidência Cinética 5 transferência de próton saída do grupo abandonador E2 Eliminação Bimolecular
  • 6. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E2Mecanismo E2 6
  • 7. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Na unidade anterior, vimos que a velocidade de um processo SN2 com um substrato terciário é geralmente tão lenta que pode ser assumido que o substrato é inerte sob estas condições de reação. Portanto, é uma surpresa observar que os substratos terciários sofressem reações E2 muito rapidamente. A diferença-chave entre substituição e eliminação é o papel desempenhado pelo reagente. Substituição: a reação ocorre quando o reagente atua como um nucleófilo, atacando o centro eletrofílico, Eliminação: ocorre quando o reagente atua como uma base, abstraindo o próton. Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2 7
  • 8. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Com um substrato terciário, o impedimento estérico impede o reagente de funcionar como um nucleófilo a uma velocidade apreciável, mas o reagente pode ainda funcionar como uma base, sem encontrar muito impedimento estérico. Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2 8 substituição eliminação Hidróxido atua como um nucleófilo Hidróxido atua como uma base Um substrato terciário é também estericamente impedido. O nucleófilo não pode penetrar e atacar. Um próton β pode ser facilmente abstraído mesmo que o substrato seja terciário.
  • 9. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Substratos terciários reagem ais rapidamente que os secundários que, por sua vez, reagem mais rapidamente que substratos os primários em reações E2. Para entender a razão para esta tendência, vamos analisar o diagrama de energia de um processo de E2. Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2 9 reatividade aumenta 1o 2o 3o
  • 10. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2 10 reatividade aumenta ∆G Coordenada da reação Estado de transição
  • 11. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Efeito do Substrato - E2Efeito do Substrato - E2 11 3o 2o 1o No estado de transição, uma ligação dupla C=C está se formando. Para um substrato terciário, o estado de transição exibe uma ligação dupla parcial que é mais altamente substituída e, portanto, o estado de transição será de menor em energia. reatividade aumenta 1o 2o 3o Estado de transição
  • 12. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Em muitos casos, uma reação de eliminação pode produzir mais de um produto. Neste exemplo, as posições β não são idênticas, de modo que a ligação dupla pode se formar em duas regiões diferentes da molécula. Ambos os produtos são formados, mas o alceno mais substituído é geralmente observado como o principal produto: Regiosseletividade em E2Regiosseletividade em E2 majoritário 12 β β
  • 13. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Ambos os produtos são formados, mas o alceno mais substituído é geralmente observado como o principal produto: A reação é dita ser regiosseletiva. Regra de ZaitsevRegra de Zaitsev Em 1875, em seus estudos empíricos, Zaitsev observou que os alcenos formados em maior quantidade eram sempre aqueles formados a partir da remoção dos hidrogênios dos carbonos-β menos hidrogenados. 13
  • 14. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes No entanto, muitas exceções foram observadas, e o produto de Zaitsev era o produto minoritário. Por exemplo, quando tanto o substrato e a base são estericamente impedidos, o alceno menos substituído é o produto principal: O alceno menos substituído é chamado frequentemente de produto de Hofmann. Produto de HofmannProduto de Hofmann 14
  • 15. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes A distribuição dos produtos (Zaitsev:Hofmann) é dependente de um número de fatores, e é frequentemente difícil de se prever. A escolha de uma base (estericamente impedida) certamente desempenha um papel importante. Zaitsev x HofmannZaitsev x Hofmann 15 Zaitsev Hoffman Distribuição dos produtos de uma reação E2 como uma função da base.
  • 16. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Identifique o produto majoritário em cada caso. Br Cl 16 Zaitsev x HofmannZaitsev x Hofmann
  • 17. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes O 3-bromopentano tem duas posições β idênticas, assim a regioquímica não é um problema neste caso. A desprotonação de qualquer posição β produz o mesmo resultado. Todavia, neste caso, a estereoquímica deve ser observada porque dois alcenos estereoisoméricos são possíveis e podem ser obtidos: Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 17 Energia Livre (G) Coordenada da reação majoritário minoritário
  • 18. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes No exemplo anterior, a posição β tinha dois prótons diferentes: Em tal caso, ambos os isômeros cis e trans foram produzidos, com o isômero trans sendo favorecido. Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 18 majoritário minoritário
  • 19. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Agora, vamos considerar um caso em que a posição β contém apenas um próton. Por exemplo, considere a realização de uma reação eliminação com o seguinte substrato: Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 19 Por que o outro estereoisômero (Z) possível não é obtido? (E)
  • 20. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Para entender a resposta a esta pergunta, devemos explorar o alinhamento de orbitais no estado de transição. No estado de transição, uma ligação π está se formando. Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 20
  • 21. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Portanto, o estado de transição deve envolver a formação de orbitais p que são posicionados de tal modo que eles possam se sobrepor à medida que se formam. os quatro átomos devem estar no mesmo plano: o próton na posição β, o grupo de saída, e o dois átomos de carbono que, no final, formarão a ligação π. devem estar coplanares. Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 21
  • 22. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Lembre-se que a ligação simples C-C é livre para rodar antes que ocorra a reação. Se rodarmos esta ligação, veremos que há duas maneiras de conseguir um arranjo coplanar: Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 22 anti-coplanar syn-coplanar girar a ligação C-C alternada eclipsada Mais estável
  • 23. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Podemos ver que a conformação anti-coplanar é alternada, enquanto a conformação syn-coplanar é eclipsada. A eliminação através da conformação syn-coplanar iria envolver um estado de transição de energia mais elevada, como resultado da geometria eclipsada. Portanto, a eliminação ocorre mais rapidamente através da conformação anti-coplanar. De fato, na maioria dos casos, a eliminação ocorre exclusivamente através da conformação anti-coplanar, o que leva a um produto estereoisomérico específico. Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 23 anti-coplanar syn-coplanar alternada eclipsada
  • 24. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes A exigência de coplanaridade não é inteiramente absoluta. pequenos desvios de coplanaridade podem ser tolerados. Se o ângulo diedro entre o próton e o grupo abandonador não é exatamente 180°, a reação pode ainda prosseguir. O termo periplanar (em vez de no mesmo plano) é usado para descrever uma situação em que o próton e o grupo abandonador são quase coplanares (por exemplo, um ângulo diedro de 178° ou 179°). O próton e o grupo abandonador devem ser anti-periplanares. Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 24 anti-coplanar eliminação
  • 25. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes O requisito para um arranjo anti-periplanar irá determinar o estereoisomerismo do produto. Em outras palavras, o produto estereoisomérico de um processo E2 depende da configuração do haleto de alquila de partida: Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 25
  • 26. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes A reação E2 é dita ser estereoespecífica, porque o estereoisomerismo do produto é dependente do estereoisomerismo do substrato. A estereoespecificidade de uma reação E2 é relevante apenas quando a posição β tiver apenas um próton: Em tal caso, o próton β deve estar arranjado anti-periplanar em relação ao grupo abandonador, a fim de que a reação ocorra, determinando produto obtido. Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 26
  • 27. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes No entanto, quando a posição β tiver dois prótons, então, qualquer um destes dois prótons pode ser disposto de modo que esteja anti-periplanar com o grupo abandonador. Como resultado, serão obtidos os dois produtos estereoisoméricos: Em tal caso, o alceno mais estável predominará. Esterosseletividade em E2Esterosseletividade em E2 27
  • 28. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Esteroespecificidade em E2Esteroespecificidade em E2 Conceitos: 28 EstereoespecificidadeEstereosseletividade Majoritário Minoritário
  • 29. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Na seção anterior, exploramos a exigência de que uma reação E2 conformação antiperiplanar. Esta exigência tem um significado especial quando se lida com cicloexanos substituídos. Lembre-se que um anel cicloexânico substituído pode adotar duas conformações cadeiras diferentes. Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos 29 Quando Cl é axial, ele pode estar antiperiplanar com um átomo de hidrogênio vizinho Quando Cl é equatorial, ele NÃO pode estar antiperiplanar com nenhum dos átomos de hidrogênio vizinhos
  • 30. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Portanto, com um anel cicloexânico, uma reação E2 ocorre apenas a partir de conformação cadeira na qual o grupo de saída está na posição axial. Sendo assim, segue-se que uma reação E2 só pode ocorrer quando o grupo abandonador e o próton estiverem em lados opostos do anel. Somente os hidrogênios vermelhos poderão ser abstraídos. Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos 30
  • 31. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Se não existirem tais prótons, uma reação E2 não pode ocorrer a uma velocidade apreciável. Este composto não sofrerá E2. Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos 31
  • 32. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Este composto tem duas posições β, e cada posição β carrega um próton. Mas, nenhuma destes prótons pode estar anti-periplanar com o grupo de saída. Uma vez que o grupo de saída está na frente do plano, uma reação E2 só ocorrerá se houver o próton vizinho estiver atrás do plano. Veja outro exemplo: Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos 32 não observado
  • 33. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Qual isômero reagirá mais rapidamente em uma reação E2? Estereoespecificidade em derivados de CicloexanosEstereoespecificidade em derivados de Cicloexanos 33 Mais estável Mais estável Neste caso, um processo E2 só pode ocorrer a partir da conformação cadeira de maior energia, cuja concentração é pequena no estado de equilíbrio. Como resultado, o cloreto de mentila será submetido a uma reação E2 mais lentamente. cloreto de mentila cloreto de neomentila
  • 34. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1Mecanismo E1 Estudos cinéticos mostram que muitas reações de eliminação apresentam uma cinética de primeira ordem, com uma equação de velocidade que tem a seguinte forma: Velocidade = k [substrato] 34 Eliminação Unimolecular
  • 35. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1Mecanismo E1 35
  • 36. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 – Efeito do SubstratoMecanismo E1 – Efeito do Substrato Para as reações E1, a velocidade é muito sensível à natureza do haleto de alquila de partida. Haletos terciários reagem mais prontamente. Esta tendência é idêntica à tendência que se observa em reações SN1, e a razão desta tendência é a mesma também. O mecanismo envolve a formação de um intermediário carbocátion, e a velocidade da reação é dependente da estabilidade da carbocátion. 36 menos reativo mais reativo
  • 37. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1Mecanismo E1 O mecanismo envolve a formação de um intermediário carbocátion, e a velocidade da reação é dependente da estabilidade da carbocátion. 37 menos reativo mais reativo menos reativo mais reativo
  • 38. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1Mecanismo E1 38 menos reativo mais reativo substrato 2o substrato 3o Energia Livre (G) Coordenada da reação Energia Livre (G) Coordenada da reação
  • 39. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1Mecanismo E1 O primeiro passo de um processo de E1 é idêntico ao do primeiro passo de um processo de SN1. Em cada processo, o primeiro passo envolve a perda do grupo de saída, para formar um intermediário carbocátion. 39 Perda de um Grupo abandonador Carbocátion intermediário nucleófilo base Substituição Eliminação
  • 40. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1Mecanismo E1 Na parte anterior desta unidade, vimos que um grupo OH é um péssimo grupo abandonador, e que um reação SN1 pode ocorrer apenas se o grupo OH for protonado antes, para gerar um melhor grupo de saída: O mesmo é verdade com um mecanismo E1. Se o substrato é um álcool, será necessário um ácido forte, a fim de protonar o grupo OH. O ácido sulfúrico é geralmente utilizado para este propósito: Reação de desidratação40 calor grupo abandonador RUIM grupo abandonador EXCELENTE
  • 41. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RegiosseletividadeMecanismo E1 - Regiosseletividade Mecanismos E1 exibem uma preferência para o produto regioquímico de Zaitsev, como foi observado para reações E2. Por exemplo: O alceno mais substituído (produto Zaitsev ) é o produto principal. No entanto, existe uma diferença crítica entre os resultados regioquímicos entre as reações E1 e E2. alceno mais substituído 41
  • 42. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RegiosseletividadeMecanismo E1 - Regiosseletividade Especificamente, vimos que o resultado regioquímico de uma reação E2 muitas vezes pode ser controlada escolhendo cuidadosamente a base: estericamente impedida ou não estericamente impedida. Em contraste, o resultado regioquímico de um processo E1 NÃO pode ser controlado. O produto Zaitsev geralmente é obtido. alceno mais substituído 42
  • 43. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RegiosseletividadeMecanismo E1 - Regiosseletividade Identifique o produto majoritário na seguinte reação: Obtém-se uma mistura majoritário 43 Abstraindo um próton a partir desta posição..... Estes dois desenhos representam o mesmo produto Gera este produto Abstraindo-se um próton de uma destas 2 posições gera o mesmo produto
  • 44. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - EstereosseletividadeMecanismo E1 - Estereosseletividade Reações E1 não são estereoespecíficas. Isto é, elas não necessitam de anti-periplanaridade para que ocorram. No entanto, as reações são E1 estereosseletivas. Quando os produtos cis e trans são possíveis, geralmente verifica-se uma certa preferência para a formação do estereoisômero trans: 44 calor
  • 45. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1Mecanismo E1 45 Transferência de próton Transferência de próton Perda do grupo abandonador Transferência de próton Transferência de próton Perda do grupo abandonador
  • 46. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo O mecanismo E1 envolve a formação de um intermediários de carbocátions, os quais são susceptíveis a rearranjos, quer através de uma transferência de hidreto ou de metila. 46 Rearranjo C+ Transferência de próton Perda do grupo abandonador Carbocátion 2o Carbocátion 3o
  • 47. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo 47
  • 48. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo O mecanismo E1 envolvendo álcoois: 48 Rearranjo C+ Transferência de próton Perda do grupo abandonador Carbocátion 2o Carbocátion 3o Transferência de próton calor
  • 49. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo 49 Rearranjo C+ Transferência de próton Perda do grupo abandonador Transferência de próton Coordenada da reação Energia Livre (G)
  • 50. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo Nos casos em que um rearranjo de carbocátion é possível, esperamos obter o produto de rearranjo, bem como o produto sem rearranjo. No exemplo anterior, os seguintes produtos são obtidos: 50 Produtos a partir do rearranjo Produtos a partir de nenhum rearranjo calor
  • 51. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Mecanismo E1 - RearranjoMecanismo E1 - Rearranjo Outro exemplo: 51 Rearranjo C+ Transferência de próton Perda do grupo abandonador Carbocátion 2o Carbocátion 3o Transferência de próton calor
  • 52. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes H CH2 CH2 OH2 + Álcoois 1os não formam carbocátions (mecanismo E1), pois os mesmos seriam muito instáveis. Todavia, eles sofrem reações de desidratação. É verdade, porém que o mecanismo proposto é diferente. Acredita-se que um próton é abstraído a partir do íon alquiloxônio na mesma etapa em que acontece a clivagem da ligação C-OH2 +, sem a formação do carbocátion. .. .. H O H íon alquil oxônio Mecanismo de Desidratação de Álcoois 1osMecanismo de Desidratação de Álcoois 1os 52
  • 53. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Desenhe o mecanismo para cada um dos processos: ExercíciosExercícios 53 calor calor calor calor
  • 54. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes ExercíciosExercícios Identifique qual dos seguintes métodos é mais eficiente para a produção do 3,3-dimetilciclohexeno. Explique sua escolha. 54 calor
  • 55. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Reações de substituição e eliminação quase sempre estão em competição entre si. Para se prever os produtos de uma reação, é necessário determinar quais são os prováveis mecanismos que ocorrerão. Em alguns casos, apenas um mecanismo vai predominar: Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação 55 a partir de E2 (único produto)
  • 56. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Às vezes, há vários produtos possíveis e temos que prever quais serão os majoritários. Para alcançar este objetivo, três etapas são necessárias: 1. Determinar a função do reagente. 2. Analisar o substrato e determinar o mecanismo(s) esperado(s). 3. Considerar todas as exigências regioquímica e estereoquímica relevantes. Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação 56
  • 57. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Uma reação de substituição ocorre quando o reagente atua como um nucleófilo, enquanto uma reação de eliminação ocorre quando o reagente atua como uma base. Consequentemente, o primeiro passo em qualquer caso é para determinar se o reagente é um nucleófilo forte ou fraco e se trata-se de uma base forte ou uma base fraca. Nucleofilicidade e basicidade não são os mesmos conceitos. A nucleofilicidade é fenômeno cinético e refere-se à velocidade da reação. A basicidade é um fenômeno termodinâmico e refere-se à posição de equilíbrio. Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação 57
  • 58. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes A nucleofilicidade refere-se à velocidade com que um nucleófilo particular irá atacar um eletrófilo. Há muitos fatores que contribuem para nucleofilicidade. Um desses fatores é a carga, a qual é responsável pelo íon hidróxido ser mais nucleofílico que a água. NucleofilicidadeNucleofilicidade 58 Nucleófilo forte Nucleófilo fraco
  • 59. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Outro fator que impacta sobre a nucleofilicidade é a polarizabilidade, que muitas vezes é ainda mais importante que a carga. Recorde-se que a polarizabilidade descreve a capacidade de um átomo de distribuir a sua densidade eletrônica de forma irregular, como resultado de influências externas. A polarizabilidade está diretamente relacionada ao tamanho do átomo e, mais especificamente, ao número de elétrons que se encontram distante do núcleo. Um átomo de enxofre é muito grande e tem muitos elétrons que estão afastados do núcleo, e por isso é altamente polarizável. A maioria dos halogênios compartilham essa mesma característica. Por esta razão, o H2S é um nucleófilo muito mais forte do que a H2O: NucleofilicidadeNucleofilicidade 59 Nucleófilo forte Nucleófilo fraco
  • 60. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Note que o H2S não tem uma carga negativa, mas é, no entanto, um nucleófilo forte, porque é altamente polarizável. A relação entre a polarizabilidade e nucleofilicidade também explica por que o íon hidreto (H-) do NaH não funciona como um nucleófilo, mesmo que tenha uma carga negativa. O íon idreto é extremamente pequeno e não é suficientemente polarizável para funcionar como um nucleófilo. Veremos, no entanto, que o íon hidreto funciona como uma base muito forte. NucleofilicidadeNucleofilicidade 60
  • 61. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Ao contrário da nucleofilicidade, a basicidade não é um fenômeno cinético e não se refere à velocidade de um processo. Em vez disso, é um fenômeno termodinâmico e refere-se à posição de equilíbrio: Em um processo de transferência de próton, o equilíbrio favorece a base mais fraca. BasicidadeBasicidade Base forte Base fraca
  • 62. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Há vários métodos para determinar se uma base é forte ou fraca. Dois desses métodos são: a) abordagem quantitativa: exige acesso aos valores de pKa. Especificamente, a força de uma base é determinada pela avaliação do pKa de seu ácido conjugado. b) abordagem qualitativa: envolve a utilização de quatro fatores para a determinação da estabilidade relativa de uma base, contendo uma carga negativa. Por exemplo, um íon cloreto tem uma carga negativa e um grande átomo eletronegativo e é, portanto, altamente estabilizado (uma base fraca). Note-se que tanto a abordagem quantitativa quanto a abordagem qualitativa fornecem a mesma previsão: a de que um íon cloreto é uma base fraca. BasicidadeBasicidade 62
  • 63. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade Depois de analisar os principais fatores que contribuem para nucleofilicidade e basicidade, agora podemos classificar todos os reagentes em quatro grupos. I) Apenas nucleófilos: são nucleófilos fortes porque eles são altamente polarizáveis, mas eles são bases fracas porque o seus ácidos conjugados são bastante ácidos. A utilização de um reagente a partir desta categoria significa que uma reação de substituição está ocorrendo (não ocorre eliminação). 63 Nucleófilos (apenas) Bases (apenas) Nucleófilos fortes Bases fortes Nucleófilos fracos Bases Fracas haletos Nucleófilos enxofre
  • 64. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade II) Apenas bases: O primeiro reagente desta lista é o íon hidreto. Como mencionado anteriormente, o íon hidreto não é um nucleófilo, porque não é suficientemente polarizável. No entanto, é uma base muito forte porque o seu ácido conjugado (H2) é um ácido muito fraco. A utilização de um íon hidreto como o reagente indica que a eliminação ocorra em vez de substituição. 64 Nucleófilos (apenas) Bases (apenas) Nucleófilos fortes Bases fortes Nucleófilos fracos Bases Fracas haletos Nucleófilos enxofre
  • 65. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes De fato, há muitos reagentes, além de hidreto, que também funcionam exclusivamente como bases (e não como nucleófilos). Dois exemplos utilizados são DBN e DBU: Estes dois compostos são muito semelhantes em estrutura. Quando qualquer um destes compostos é protonado, a carga positiva resultante é estabilizada por ressonância. 65 Estabilizado por ressonância 1,5-diazobibiclo[4.3.0]non-5-eno (DBN) 1,8-diazobibiclo[5.4.0]undec-7-eno (DBU) Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
  • 66. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes III) Nucleófilos e bases fortes: A terceira categoria contém reagentes que são nucleófilos fortes e bases fortes. Estes reagentes incluem o hidróxido (OH-) e os alcóxidos (RO-). Tais reagentes são geralmente utilizados para processos bimoleculares (SN2 e E2). 66 Nucleófilos (apenas) Bases (apenas) Nucleófilos fortes Bases fortes Nucleófilos fracos Bases Fracas haletos Nucleófilos enxofre Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
  • 67. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes IV) Nucleófilos e bases fracas: A quarta categoria contém reagentes que são nucleófilos fortes e bases fracas. Estes reagentes incluem a água (H2O) e álcoois (ROH). Estes reagentes são geralmente utilizados para processos unimoleculares (SN1 e E1). 67 Nucleófilos (apenas) Bases (apenas) Nucleófilos fortes Bases fortes Nucleófilos fracos Bases Fracas haletos Nucleófilos enxofre Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
  • 68. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Fixando.... Identifique a categoria a que o íon fenolato pertence. (a) nucleófilo forte e base fraca (b) nucleófilo fraco e base forte (c) nucleófilo forte e base forte (d) nucleófilo fraco e base fraca (a) Nucleófilo muito forte e uma base muito fraca. Carga: negativa – nucleófilo forte Basicidade: Fenol é muito ácido. Base conjugada fraca. Polarizabilidade: oxigênio não é altamente polarizável, mas não é suficientemente pequeno para torná-lo não nucleofílico 68 Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade
  • 69. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Nucleofilicidade x BasicidadeNucleofilicidade x Basicidade Identifique se cada um dos seguintes reagentes seria um nucleófilo forte ou fraco, e uma base forte ou fraca: nucleófilo fraco base fraca nucleófilo forte base fraca nucleófilo forte base forte nucleófilo fraco base fraca nucleófilo forte base forte nucleófilo fraco base fraca nucleófilo forte base forte nucleófilo fraco base forte 69
  • 70. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação Um haleto de alquila e uma base podem reagir através de uma reação de: substituição eliminaçãoSN1/SN2 E1/E2 Como podemos predizer qual será a principal reação que ocorrerá??? CH3 CH3 H H C CH3 CH3 ClH3C EtOH : HOH (8:2) C CH3 CH3 OHH3C + C CH3 CH3 OEtH3C 83% 17% 25 o C 70
  • 71. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Na seção anterior, nós exploramos o primeiro passo (identificando a função do reagente). Nesta seção, vamos agora explorar o segundo passo do processo em que se analisa o substrato para se identificar qual o mecanismos operantes. Conforme descrito na seção anterior, há quatro categorias de reagentes. Para cada categoria, devemos explorar o resultado esperado com um substrato primário, secundário ou terciário. Então, vamos resumir toda a informação em um fluxograma mestre. Vamos começar com os reagentes que funcionam apenas como nucleófilos. Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação 71
  • 72. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação Quando o reagente funciona exclusivamente como um nucleófilo, somente reações de substituição ocorrerão. O substrato vai determinar qual o mecanismo operar. A velocidade de um processo SN2 pode ser melhorada através da utilização de um solvente polar aprótico. 72 Nucleófilo (somente) Exemplos:
  • 73. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação Quando o reagente funciona exclusivamente como uma base, somente a reações de eliminação ocorrerão. Tais reagentes são geralmente bases fortes, resultando em processos E2. Este mecanismo não é sensível à obstáculos estéricos e pode ocorrer tanto para substratos primários, secundários ou terciários. 73 Base (somente) Exemplos:
  • 74. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação Note-se que quando um substrato primário é tratado com um íon alcóxido o mecanismo SN2 predomina sobre o E2. Há uma notável exceção a esta regra geral. Especificamente, o terc-butóxido de potássio é um alcóxido impedido estereoquimicamente, e favorece E2 sobre SN2, mesmo quando o substrato é primário. 74 Nucleófilo Base forte forte Exemplos: majoritário majoritário minoritário minoritário velocidade
  • 75. DQOI - UFC Prof. Nunes DQOI - UFC Prof. Nunes Substituição x EliminaçãoSubstituição x Eliminação Estas condições não são práticas para substratos primários e secundários. Substratos primários geralmente reagem lentamente com nucleófilos fracos e bases fracas, e substratos secundários produzem uma mistura de muitos produtos. É eficaz utilizar um reagente que é tanto uma base fraca quanto um nucleófilo fraco quando o substrato é terciário. Em tal caso, os caminhos unimoleculares predominam (SN1 e E1). Uma mistura de produtos de substituição e eliminação é geralmente obtido, embora o processo E1 seja frequentemente favorecido a altas temperaturas.75 Exemplos: não é prático não é prático Nucleófilo Base fraco fraca