SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Superior Técnico
Lisboa, 12 de Março de 2015
Química Orgânica
Reações ácido-base para separação de compostos orgânicos
1ª Sessão
2ª Sessão
79613 | Ana Rafaela Saraiva 78680 | Luís Rita
2
Objetivos
Separar 3 compostos que se encontram misturados numa única solução, recorrendo às suas
propriedades ácido-base. Para tal, utilizaram-se técnicas como a decantação, filtração e
secagem. Avaliação final da pureza de cada um dos compostos, com base no seu ponto de
fusão.
Procedimento Experimental
Materiais Utilizados1
1. NaOH;
2. HCl;
3. Erlenmeyer;
4. Ampola decantação;
8
1 - Lista dos materiais, mais importantes, utilizados em cada fase deste trabalho
laboratorial.
4
6
7
5. Solução mistura (Mist.);
6. Proveta 250 ml;
7. Proveta 25 ml.
3
AB | PT |NFConsiderações Gerais
AB – ácido benzóico
NF – naftaleno
PT – p-toluidina
1|2
I
3
Objetivo inicial passou por separar o ácido benzóico da restante mistura. Para tal adicionou-se
25 ml de NaOH (Fig. III) à ampola de decantação, que já continha 150 ml da mistura das 3
substâncias em clorofórmio (Fig. II). Feito isto, tapou-se a ampola, agitou-se (durante mais ou
menos 1 minuto) e retirou-se a fase orgânica para um erlenmeyer, previamente identificado
com a letra M (Mistura), Fig. IV. Por outro lado, a fase aquosa foi transferida para um outro
erlenmeyer, este identificado como
AB (Ácido Benzóico). Repetiu-se este
processo 3 vezes, até que todo o
ácido acabou por ficar guardado no
recipiente correspondente. Todo
este processo exigiu certos cuidados
(para além dos habituais, usar
óculos, bata e luvas),
nomeadamente, realizar todos estes
passos na hotte. Um dos outros
objetivos do trabalho era também a
extração de p-toluidina da mesma
solução original. Para tal, realizou-se
exatamento o mesmo procedimento anteriormente descrito, com exceção de um dos passos,
em que em vez de se adicionar NaOH à mistura, adicionou-se HCl. E acabou-se por extrair a p-
toluidina para um erlenmeyer identificado como PT.
×3
……. 150 ml
Mist.
……. 25 ml
NaOH/HCl (3 M)
1 min.
3 min.
Fase Org.
Fase Aq.
M
AB | PT |NF
II
III IV
V
Avisos presentes nas imagens desta fase
Antes de colocar a mistura na ampola de decantação, verificar se a torneira da
mesma se encontra na posição horizontal (fechada).
Aquando da remoção do conteúdo da ampola, mantê-la destapada.
4
Materiais Utilizados
8. HCl;
9. NaOH;
10. Balde;
11. Gelo;
12. Medidor pH;
13. Vareta;
14. Fúnil de Buchner;
15. Papel filtro;
16. Kitasato;
17. Bomba de vácuo;
18. Noz;
19. Mangueira.
Após se ter retirado o ácido benzóico da mistura de componentes, colocou-se de imediato no
interior de um balde com gelo, de modo a que a sua temperatura baixasse e a filtração que se
fará mais à frente tenha maior taxa de sucesso. Terminado este ponto, adicionou-se 100 ml de
HCl ao ácido benzóico (quantidade suficiente para tornar a solução bastante ácida (pH=1). A
medição de pH foi feita recorrendo a um
papel de pH e a uma escala que associava
as diferentes cores ao grau de acidez da
solução, cor obtida: vermelho). Por fim,
iniciou-se a filtração. Este foi um processo
bem mais demoroso (em parte, devido à
falta de aspiradores de vácuo funcionais
existentes no laboratório), no entanto, tal
como todos os anteriores, completo com
sucesso. Começou-se por humedecer a
superfície do fúnil de Buchner com água e
posteriormente fixar o filtro à superfície
do mesmo (o mais centralizado possível). De seguida, verteu-se o ácido benzóico para o filtro e
esperou-se até que a fase líquida escorresse na totalidade para o kitasato. No entanto, ao fim
de alguns minutos, e ao ritmo a que o processo se estava a desenrolar, difícilmente a aula
terminaria com o processo completo. Assim, foi imperativa a utilização de uma bomba de
vácuo, que acabou por permitir uma filtração completa precocemente. No final, pôde-se
14
16
AB
V
V
VI
V
5
verificar a presença de algum ácido (benzóico) no kitasato, o que permite concluir, logo à
partida, que o rendimento do processo estará longe do ideal.
A filtração do p-toluidina foi muito semelhante. O único ponto distinto no desenrolar desta
fase (relativamente à filtração do ácido benzóico), foi a adição de NaOH à solução presente no
erlenmeyer e no interior do balde a baixas temperaturas. Enquanto que para a separação do
primeiro composto utilizou-se primeiro NaOH e só depois HCl, desta vez foi o inverso. Pelo que
obteve-se uma solução final extremamente alcalina (pH=14).
17
19
18
AB | PT
VII
V
6
Materiais Utilizados
20. Balança digital;
21. Espátula;
22. Frascos (comuns);
23. MgSO4.
Finalmente, procedeu-se a remoção do ácido
benzóico e p-toluidina acumulados à superfície
do filtro (Fig. VIII). Com o auxílio de uma
espátula e um pouco de paciência (de modo a
que não se contaminásse a amostra final, com
vestígios de papel de filtro), lentamente
encheram-se 2 frascos com o nosso produto
final. Estes mesmos acabaram por ser
colocados num exsicador, de modo a que ambos os compostos pudessem ser secos (o método
de funcionamento deste aparelho é muito simples: existe uma
camada de sílica no fundo do recipiente, após terem sido
colocados todos os frascos de todos os grupos criou-se vácuo
no interior, pelo que a água acabou por abandonar os
compostos; detalhe importante: os frascos estão tapados com
papel e não com a respetiva tampa). O que contém p-toluidina
foi previamente pesado para mais tarde calcular o rendimento
do processo (Fig. IX).
Quanto ao naftaleno que se encontrava ainda na mesma solução de clorofórmio, foi-lhe
adicionado MgSO4, de modo a que fosse possível extrair o máximo de água possível da
mistura. O que é, deveras essencial,
uma vez que pretende-se obter
naftaleno tão puro quanto possível.
21
22
20
VIII
V
IX
V
X
AB | PT |NF
7
Materiais Utilizados
24. Balão de fundo redondo;
25. Fúnil plástico;
26. Papel de filtro pregueado;
27. Evaporador rotativo;
28. Bomba de vácuo.
Este passo marca o início da 2ª sessão. No final
da atividade anterior juntou-se MgSO4 (anidro) à
solução de clorofórmio e naftaleno, agora, este
mesmo composto hidratado fora removido,
obtendo-se assim um solução com menor
quantidade de água. Para tal, filtrou-se o
conteúdo do frasco da última aula, recorrendo a
um papel de filtro pregueado e a um fúnil de
laboratório comum. A filtração foi realizada para um balão de fundo redondo (no interior da
hotte, uma vez que existia uma elevada concentração de clorofórmio e por ser irritante para as
vias respiratórias), cujo destino final será o evaporador rotativo.
Esta fase foi realizada por uma assistente de laboratório, que amávelmente destilou a solução
de naftaleno e clorofórmio. Isto deveu-se essencialmente, ao facto de se encontrar disponível
um número muito limitado de aparelhos e, por isso mesmo, acabou por representar uma
medida de economização de tempo. Esta destilação apenas foi possível devido a uma
diferença acentuada entre os pontos de ebulição dos 2 compostos (clorofórmio e naftaleno,
∆T = 156,8 ℃). O procedimento foi o
seguinte: prendeu-se o balão com a
mistura de substâncias ao aparelho; ligou-
se o mesmo; ajustou-se a velocidade de
rotação, para os níveis desejados;
paralelamente a bomba de vácuo esteve a
funcionar para acelerar o processo; água à
temperatura ambiente encontrava-se a
circular no condensador, com o intuito de
passar o composto com menor ponto de
NF
24
25
XI
V
XII
V
Paralelamente,
pesou-se o frasco
onde o naftaleno
será colocado,
após o final da sua
purificação.
8
ebulição do estado gasoso ao líquido. As elevadas temperaturas iniciais que asseguraram a
passagem ao estado gasoso do clorofórmio foram conseguidas recorrendo a um
compartimento cheio de água quente, onde o balão se encontrou parcialmente mergulhado.
Pormenor importante, as altas rotações a que o balão esteve sujeito permitiram aquecer mais
rapidamente o composto, muito graças a um aumento de área de contato entre a superfície
aquecida do balão e a substância interior. Montagem encontra-se na figura abaixo.
NF
28
XIII
V
27
9
Materiais Utilizados
29. Erlenmeyer 500 ml;
30. Placa aquecimento elétrica;
31. Centros de ebulição (pedaços de porcelana);
32. Carvão ativado;
33. Espátula;
Paralelamente ao procedimento anterior, dissolveu-se o ácido
benzóico obtido na sessão anterior, numa pequena quantidade de
água (da torneira). Inseriram-se também alguns centros de
ebulição (pequenos pedaços de porcelana) à solução, com o
objetivo de prevenir um sobreaquecimento repentino da mesma
(Fig. XIV). Uma vez que a importância de obter um composto
extremamente puro era relativa, e o facto desta medida não vir a
ter um grande impacto na pureza do mesmo, optou-se por não
utilizar água destilada. Uma medida, compreensível, tomada com
o intuito de reduzir os custos da experiência.
Para aumentar o grau de solubilidade da água, decidiu-se aquecê-la, recorrendo a uma placa
de aquecimento elétrica. Como à partida, colocou-se uma quantidade de H2O generosa, não
foi necessário adicionar mais, no entanto este foi outro ponto que mereceu alguma atenção.
Para esta atividade em específico, o procedimento que se
segue não é absolutamente essencial, uma vez que estamos a
trabalhar com água e AB, no entanto decidiu-se adicionar uma
pequena quantidade de carvão ativado, de modo a que este
inibisse a libertação de vapores durante o aquecimento (a
caraterística físico-química que mais contribui para esta
capacidade é o seu elevado grau de porosidade). Por fim,
aguardou-se até que o ácido
benzóico se apresentasse
totalmente dissolvido (Fig. XV).
29
29
30
AB
XV
XIV
V
10
Materiais Utilizados
34. Alguidar;
35. H2O;
36. Fúnil;
37. Filtro de pregas;
38. Bico de Bunsen;
39. Elevador;
40. Pinça.
Antes de se proceder à filtração
do ácido benzóico, aqueceu-se o
filtro recorrendo a um bico de
Bunsen. A filtração teve de ser
realizada num intervalo de tempo
muito curto, de modo a prevenir a
recristalização do ácido no
decorrer do processo (Fig. XVI).
Alguns dos principais cuidados a
ter nesta fase foram: garantir que o bico de Bunsen se encontrava desligado (mesmo não
sendo o AB inflamável, esta acabou por representar uma medida de preparação para futuros
trabalhos laboratoriais, onde iremos trabalhar com compostos orgânicos); manusear a pinça,
com a qual se verteu o que se encontrava no interior do erlenmeyer para o fúnil, com alguma
precaução. Uma vez que, tal como o erlenmeyer, o que se encontrava no interior estava a
temperaturas bastante
elevadas.
Concluído este processo,
transferiu-se o mesmo
erlenmeyer para um
alguidar cheio de gelo, de
modo a que a temperatura
do mesmo, possibilitasse a
recristalização do ácido
(Fig. XVII).
AB
39
37
36
34
35
XVI
XVII
11
Materiais Utilizados
41. Fúnil de Buchner;
42. Papel de filtro;
43. Bomba de vácuo;
44. Mangueira;
45. Kitasato;
46. Garra;
47. Noz;
48. Suporte universal;
49. Balança digital.
Concluído o processo de arrefecimento,
seguiu-se, previsivelmente, a filtração (Fig.
XVIII). Tal como é habitual, recorreu-se a uma
bomba de vácuo para acelerar o processo. Esta
encontrava-se conectada ao kitasato através
de uma entrada lateral do mesmo. Assim, tornou-se possível reduzir a pressão no interior do
kitasato e promover uma filtração mais eficiente.
Observou-se a perda de algum ácido benzóico, o que nos
permite concluir à partida, que o rendimento estará, de
certa forma, afastado do valor unitário.
Concluída esta filtração, retirou-se o ácido benzóico
acumulado no filtro (Fig. XX), para um frasco
previamente pesado (etapa importante, que permitirá
um cálculo posterior do rendimento, Fig. XXI), que
acabou por ser colocado num exsicador (método de
funcionamento descrito anteriormente).
AB
41
44
45
46
48
49
XVIII
XIX XX
XXI
12
Materiais Utilizados
50. Alguidar;
51. H2O;
52. Fúnil de Buchner;
53. Balança digital;
54. Bomba de vácuo;
55. Mangueira;
56. Noz;
57. Garra;
58. Suporte universal.
Retomando o processo incial de isolamento do naftaleno
(isolamento do AB e do naftaleno, levados a cabo na
segunda sessão do trabalho experimental, foram realizados
em paralelo), prosseguiu-se para a filtração.
Antes de se realizar o processo de filtração, foi necessário garantir que o naftaleno se
encontrava a uma temperatura suficientemente baixa, para tal utilizou-se o mesmo alguidar
referenciado anteriormente. Após a adição de 5 ml de etanol ao naftaleno, realizou-se a
filtração do composto. Esta decorreu tal como a descrita no passo anterior, assim sendo não
haverá necessidade de a explicar uma vez mais.
Tal como se pode verificar, a adição de etanol e a posterior filtração da solução, representaram
uma alteração à técnica inicial prevista
pelo protocolo. Alteração esta, que nos
permitiu aumentar os níveis de pureza
do naftaleno. A importância da adição
de etanol, em vez de água, é a seguinte:
compostos orgânicos presentes na
solução apenas podem ser dissolvidos
num solvente apolar.
O naftaleno foi também transferido para
um pequeno frasco, previamente
pesado, cujo destino final foi o
exsicador.
NF
52
XXIII
XXII
13
XXIV
14
1SemanaDepois
Materiais Utilizados
59. Medidor pontos de fusão;
60. Balança digital;
61. Tubo plástico comprido;
O último passo deste trabalho laboratorial (realizado 1 semana após a conclusão do último
procedimento descrito, consistiu, invariavelmente, na pesagem final de cada um dos frascos
(contendo cada uma das substâncias no interior) e posterior determinação do ponto de fusão,
não só do ácido benzóico e do naftaleno, mas também de um outro composto isolado no início
da experiência – p-toluidina (esta última medição permitiu avaliar qualitativamente o grau de
pureza dos compostos isolados). Uma vez que logo após a conclusão do isolamento, os 3
compostos ainda se apresentavam bastante hidratados, foi necessário aguardar 1 semana até
que a concentração de H2O se encontrasse a níveis aceitáveis para continuar/concluir a
experiência levada a cabo.
Pesagem
Pesaram-se os frascos e calcularam-se as massas de ácido benzóico, p-toluidina e naftaleno
presentes no interior dos mesmos.
Utilizando a seguinte fórmula: 𝑚 𝐶𝑜𝑚𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 = 𝑚 𝐹𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜+𝐶𝑜𝑚𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 − 𝑚 𝐹𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜
A partir destes dados e dos disponíveis inicialmente, pôde-se calcular o rendimento da
experiência para cada uma das substâncias.
AB | PT | NF
15
1SemanaDepois
Medição do ponto de fusão
Antes de mais, foi importante verificar se o aparelho registava uma
temperatura próxima à ambiente, para não corromper os valores
das medições. Caso a temperatura se encontrasse a níveis
aceitáveis, então todas as condições estavam reunidas para dar
início à medição. Retirou-se um pouco de amostra para o interior
de um tubo cilíndrico plástico, e com o auxílio de um outro tubo
comprido, fez-se a amostra descer. Passou-se então, à medição do
ponto de fusão. Colocou-se o tubo, com a amostra no interior, no
medidor de pontos de fusão e ajustou-se a escala do aparelho para
um aumento gradual da temperatura para 0,5 ˚/min. Terminou-se a
medição em 5 minutos! O aparelho já tinha alguma idade, o que
poderá justificar, o facto de a rapidez de aquecimento ter sido bem
superior à marcada inicialmente (o professor já tinha alertado para
isto, por isso mesmo a medição decorreu sem problemas de maior
importância). Obteve-se um valor, provavelmente sem um grande
grau de fiabilidade, uma vez que a medição assentou, na
observação humana e num aparelho que, aparentemente, já não se
encontrava a 100%. No entanto, há que destacar a relativa
proximidade do ponto de fusão da PT obtido ao valor tabelado. Por
outro lado, os pontos de fusão do AB e do NF foram medidos já
com um instrumento novo e mais preciso.
AB | PT | NF
61
XXIII
XXIII
XXIII
16
3
Tabela de Resultados
4|5
Rendimento Extração
Antes de efetuarmos o cálculo do rendimento dos 3 compostos da mistura, é necessário
determinar as massas dos compostos purificados obtidos. Para isso fez-se a diferença entre as
massas dos recipientes com os compostos (depois de terem sido colocados 1 semana no
exsicador para remover a fase aquosa que restava) e as massas dos recipientes vazios.
Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) (1)
A massa inicial presente em cada solução de 150 ml era de 2g. Assim sendo, calcula-se da
seguinte forma:
Ƞ (rendimento) =
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔)
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙 (𝑔)
∗ 100 (2)
Ácido benzóico
Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) = 31.772 - 31.348 = 0.424 g
Ƞ (rendimento) =
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔)
2
∗ 100 ≃21%
p-toluidina
Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) = 32.892 - 31.900 = 0.992 g
Produtos Massa obtida (g) Ƞ extração (%) pftab (˚C) pfexp (˚C)
Ácido benzóico 0.424 21 122.1[2] 130
p – toluidina 0.992 50 43[3] 37
Naftaleno 1.328 66 80.35[4] 81
3
4|5
17
Ƞ (rendimento) =
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔)
2
∗ 100 ≃50%
Naftaleno
Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) = 21.654 - 20.326 = 1.328 g
Ƞ (rendimento) =
𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔)
2
∗ 100 ≃66%
Analisando os valores dos rendimentos obtidos conclui-se que, de um modo geral, os
rendimentos são baixos, à exceção do naftaleno que se obteve um valor bem mais
aceitável.
Razões que justificam o baixo rendimento do ácido benzóico:
 Na extração do ácido benzóico a partir da mistura de p-toluidina, ácido benzóico e
naftaleno em clorofórmio com uma solução aquosa de NaOH, pode ter ficado alguma
quantidade de ácido benzóico na mistura, apesar do processo de remoção da fase
aquosa ter sido realizado 3 vezes.
 Momentos antes das filtrações a vácuo pode ter-se perdido alguma quantidade de AB
nas paredes do erlenmeyer (apesar de o erlenmeyer ter sido sempre limpo com água
fria para tentar remover-se o máximo de ácido benzóico possível) e também pode ter
ficado alguma quantidade no filtro após a realização da filtração, na passagem do
ácido benzóico para os frascos.
 No final das 2 filtrações a vácuo verificou-se a presença de ácido benzóico no kitasato
(pode ter passado através do filtro), sendo este um fator de grande importância para a
diminuição do rendimento.
 Poderá, também, ter-se perdido algum AB, aquando da filtração no funil aquecido com
camisa de água.
No caso da p-toluidina, o seu rendimento é de 50%, superior ao do ácido benzóico. Como a
sua extração e filtração foi semelhante à do ácido benzóico, com a exceção da filtração
num funil aquecido (outro fator que poderá ter contribuído com algumas perdas de AB), a
diminuição do rendimento deveu-se às mesmas razões.
Por fim, o naftaleno possui o rendimento mais satisfatório, 66%. O naftaleno sofreu
diferentes processos que os outros compostos. Foi isolado, filtrado num filtro normal e
destilado num evaporador rotativo até à secura. Razões que podem ter baixado o
rendimento do naftaleno são:
18
-Na filtração parte do naftaleno pode ter ficado contido juntamente com o sulfato de
magnésio anidro no filtro.
-O rendimento da destilação no evaporador rotativo também não é de 100%.
Pontos de Fusão e Pureza
A temperatura de fusão de uma substância pura a uma determinada pressão é um valor
caraterístico dessa substância, pelo que constitui um método de avaliação do seu grau de
pureza. Assim sendo, foram calculados experimentalmente os pontos de fusão do ácido
benzóico, p-toluidina e naftaleno para que se pudessem retirar conclusões (qualitativas) acerca
da pureza das amostras, comparando os pontos de fusão teóricos com os experimentais.
Em relação ao ácido benzóico, o ponto de fusão obtido (130 ˚C) encontra-se relativamente
próximo do tabelado (122.1˚C). Calculando o erro relativo obtém-se um valor de 6.5%, pelo
que se conclui que a amostra possuía poucas impurezas.
No caso da p-toluidina o ponto de fusão teórico é 43˚C e obteve-se experimentalmente o valor
37˚C. O erro relativo é de 14%, portanto a amostra continha algumas impurezas que têm um
ponto de fusão inferior ao da p-toluidina, daí o ponto fusão obtido ser inferior ao tabelado.
Por fim, no naftaleno constata-se que a amostra é extremamente pura, uma vez que o valor
obtido (81˚C) e o tabelado (80.35˚C) praticamente não diferem. O erro relativo é de 0.8% logo
a amostra encontra-se com um elevado grau de pureza e praticamente não contém impurezas.
É de referir que o ácido benzóico sofreu ainda um processo de recristalização cujo objetivo é
purificar o composto. O que justifica uma proximidade superior entre os pontos de fusão
teóricos e tabelados do AB em relação à p-toluidina. Neste caso, o naftaleno acabou por ser o
composto mais puro, pelo que se pode concluir que a utilização do evaporador rotativo é um
fator preponderante para o isolamento deste tipo de compostos.
6
19
Mecanismos das reações ácidos-base envolvidas
Os mecanismos de reação de extração e purificação encontram-se representados nas
equações (3) a (6).
A primeira extração é a do ácido benzóico através da reação com hidróxido de sódio (base)
ocorrendo a seguinte reação ácido-base:
𝑁𝑎𝐻𝑂 (𝑎𝑞) + 𝐶6 𝐻5 𝐶𝑂𝑂𝐻(𝑎𝑞) → 𝑁𝑎𝐶6 𝐻5 𝐶𝑂𝑂 (𝑎𝑞) + 𝐻2 𝑂(𝑙) (3)
Ao adicionar-se ácido clorídrico à fase orgânica ocorre uma nova reação ácido-base que
permite a extração de p-toluidina.
𝐻𝐶𝑙 (𝑎𝑞) + 𝐶6 𝐻4(𝐶𝐻3)𝑁𝐻2(𝑎𝑞) → 𝐶6 𝐻4(𝐶𝐻3)𝑁𝐻3
+
𝐶𝑙−(𝑎𝑞) (4)
Precipitação da fase aquosa contendo o sal de ácido benzóico com uma solução de HCl:
C6H5COONa(aq)+HCl(aq) → C6H5COOH(s)+NaCl(aq) (5)
Por fim, precipitação da fase aquosa contendo o sal da p-toluidina com uma solução de NaOH:
7
20
C6H4(CH3)NH3
+
Cl-
(aq)+NaOH(aq) →C6H4CH3NH2(s)+NaCl(aq)+H2O(l) (6)
Estrutura de composto aromático menos ácido do que o ácido benzóico
Relativemente à acidez de um composto, quanto mais estável for a base conjugada, mais forte
será o ácido e a estabilização da base pode ser feita tendo em conta vários fatores:
-Carga negativa num elemento eletronegativo;
-Deslocalizando a carga por outros átomos de carbono ou ainda melhor por átomos
eletronegativos, entre ourtos fatores.
Tendo em conta que quanto maior for a deslocalização da carga negativa, mais forte é o ácido
conjugado pois a base fica mais estável, para obtermos um composto aromático menos ácido
que o ácido benzóico, a carga negativa tem de ser menos deslocalizada ou tem de se encontrar
deslocalizada por átomos menos eletronegativos.
O ácido benzóico possui duas estruturas de ressonância que se encontram representadas na
figura 1, em que a carga negativa é deslocalizada por 2O.
Representação das estruturas de ressonância do ácido benzóico.
Um composto aromático menos ácido que o ácido benzóico, é por exemplo, o apresentado na
figura 2 em que houve substituição do grupo carboxilo (COOH) pelo grupo OH. Este composto
tem 4 estruturas de ressonância e há deslocalização da carga negativa por 10 e 3C.
Representação das estruturas ressonância do fenol.
Apesar de a base conjugada do fenol possuir mais estruturas de ressonância que no caso da
base conjugada do ácido carboxílico, no ácido carboxílico a carga deslocaliza-se entre átomos
XXIV
XXV
8
21
de oxigénio, mais eletronegativos que o carbono, estabilizando melhor a base que no caso da
base conjugada do fenol.
De facto, ao comparar-se os pka’s dos dois compostos verifica-se que no fenol (pKa=9.99[5]) e
no ácido carboxílico (pKa=4.21[3]), confirmando assim que o fenol é menos ácido que o ácido
carboxílico.
Estrutura anilina mais básica
Em relação à basicidade de um composto, quanto mais estável for a base, mais forte é o ácido
conjugado e mais fraca é a base.
Neste caso pretende-se uma anilina mais básica que a p-toluidina, isto é uma anilina em que a
sua base seja menos estável que a da p-toluidina.
Uma anilina mais básica que a p-toluidina, encontra-se representada na figura 3 e corresponde
à benzilamina.
Estrutura da benzilamina.
A benzilamina é uma base mais forte que a p-toluidina pois a sua base é menos estável, uma
vez que não há estabilização por ressonância. (O carbono que se liga ao N é sp3
).
O grupo CH3 da p-toluidina tem um efeito indutivo dador de eletrões pelo que estabiliza a base
e faz com que se torne mais fraca.
Como uma base mais fraca tem um ácido conjugado mais forte é de prever que o pka da p-
toluidina seja inferior ao da benzilamina, o que de facto se verifica uma vez que o pka da
toluidina e da benzilamina são, respetivamente, 5.17 [7] e 9.33 [8].
XXVI
9
22
Bibliografia
Simão D et al., 2ºsemestre 2014/2015, Química Orgânica-Guia de Laboratórios, IST
Departamento de Engenharia Química
[2]http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_benzoico
[3]http://pt.wikipedia.org/wiki/Toluidina
[4]http://pt.wikipedia.org/wiki/Naftalina
[5]http://pt.wikipedia.org/wiki/Fenol
[6]http://200.156.70.12/sme/cursos/EQU/EQ18/modulo1/aula0/06_canela/05_propriedades.
htm
[7]http://www.iq.usp.br/wjbaader/qfl2345/Capitulo_1%273_QFL%202345.pdf
[8]http://pt.wikipedia.org/wiki/Benzilamina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Extracao acido-base
Extracao acido-baseExtracao acido-base
Extracao acido-base
Lucas Valente
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Erica Souza
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
Adrianne Mendonça
 
Recristalização acido benzoico.
Recristalização acido benzoico.Recristalização acido benzoico.
Recristalização acido benzoico.
Michele Netseb
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Ana Morais Nascimento
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Karen Pirovano
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
arceariane87
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
Dianna Grandal
 
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
aifa230600
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Gabriela Begalli
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Jessica Amaral
 
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1   tensão superficial 1 - relatório diandraPrática 1   tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandra
Rafaela Campos de Souza
 
Relatorio analitica ii_04
Relatorio analitica ii_04Relatorio analitica ii_04
Relatorio analitica ii_04
Fabiane Sousa Bento
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
Paulo George
 
Relatorio cromatografia
Relatorio   cromatografiaRelatorio   cromatografia
Relatorio cromatografia
nildeci nascimento
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
Ezequias Guimaraes
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
José Nunes da Silva Jr.
 

Mais procurados (20)

Extracao acido-base
Extracao acido-baseExtracao acido-base
Extracao acido-base
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Recristalização acido benzoico.
Recristalização acido benzoico.Recristalização acido benzoico.
Recristalização acido benzoico.
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
 
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatorio 5
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1   tensão superficial 1 - relatório diandraPrática 1   tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandra
 
Relatorio analitica ii_04
Relatorio analitica ii_04Relatorio analitica ii_04
Relatorio analitica ii_04
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
Relatorio cromatografia
Relatorio   cromatografiaRelatorio   cromatografia
Relatorio cromatografia
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 

Destaque

Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
Alex Junior
 
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Profª Cristiana Passinato
 
Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)
Anne Carolina Vieira Sampaio
 
Reações ácido base
Reações ácido baseReações ácido base
Reações ácido base
Francisco Moura
 
Prática 01
Prática 01Prática 01
Prática 01
Sayonara Caribé
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
Nai Mariano
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
EEB Francisco Mazzola
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Ácidos e bases
Ácidos e basesÁcidos e bases
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
Rui Oliveira
 
Apostila de compostos aromáticos
Apostila de compostos aromáticosApostila de compostos aromáticos
Apostila de compostos aromáticos
carlosrbd
 
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica GeralSandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
Profª Cristiana Passinato
 
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Escola Pública/Particular
 
Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
Marcela Abreu
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
Profª Alda Ernestina
 
Saúde e Condição Física
Saúde e Condição FísicaSaúde e Condição Física
Saúde e Condição Física
Luís Rita
 
NBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - Classificação
NBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - ClassificaçãoNBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - Classificação
NBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - Classificação
marcelabarquet
 
Titulação/ Acid-base volumetry
Titulação/ Acid-base volumetryTitulação/ Acid-base volumetry
Titulação/ Acid-base volumetry
Zara Hoffmann
 
Síntese de Aspirina
Síntese de AspirinaSíntese de Aspirina
Síntese de Aspirina
Luís Rita
 
Química orgânica - Isomeria
Química orgânica - IsomeriaQuímica orgânica - Isomeria
Química orgânica - Isomeria
Francisco Ivanildo
 

Destaque (20)

Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
 
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
Sandrogreco Gabarito%20da%20 Lista%20de%20exerc%E Dcios%202%20 %20 Q.%20 Org%...
 
Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)
 
Reações ácido base
Reações ácido baseReações ácido base
Reações ácido base
 
Prática 01
Prática 01Prática 01
Prática 01
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04
 
Ácidos e bases
Ácidos e basesÁcidos e bases
Ácidos e bases
 
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
 
Apostila de compostos aromáticos
Apostila de compostos aromáticosApostila de compostos aromáticos
Apostila de compostos aromáticos
 
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica GeralSandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
 
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2
 
Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
 
Saúde e Condição Física
Saúde e Condição FísicaSaúde e Condição Física
Saúde e Condição Física
 
NBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - Classificação
NBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - ClassificaçãoNBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - Classificação
NBR ABNT 10004 - Resíduos Sólidos - Classificação
 
Titulação/ Acid-base volumetry
Titulação/ Acid-base volumetryTitulação/ Acid-base volumetry
Titulação/ Acid-base volumetry
 
Síntese de Aspirina
Síntese de AspirinaSíntese de Aspirina
Síntese de Aspirina
 
Química orgânica - Isomeria
Química orgânica - IsomeriaQuímica orgânica - Isomeria
Química orgânica - Isomeria
 

Semelhante a Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos

Síntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzeno
Síntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzenoSíntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzeno
Síntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzeno
Luís Rita
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimica
EdvaldoAmaro1
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
marcosp08
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
marcosp08
 
Apostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativaApostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativa
Sayonara Silva
 
Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2
Itamar Juliana
 
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
marciojosefariasdasi
 
Cinética quimica de reações
Cinética quimica de reaçõesCinética quimica de reações
Cinética quimica de reações
Elisama Cella
 
Adição de ácido clorídrico no meio reacional
Adição de ácido clorídrico no meio reacionalAdição de ácido clorídrico no meio reacional
Adição de ácido clorídrico no meio reacional
Anderson Lima
 
53º cbq acido teraftalico r0575 1
53º cbq acido teraftalico r0575 153º cbq acido teraftalico r0575 1
53º cbq acido teraftalico r0575 1
sergioviroli
 
Manual orsat std
Manual orsat stdManual orsat std
Manual orsat std
zetec10
 
Manual orsat std
Manual orsat stdManual orsat std
Manual orsat std
zetec10
 
Manual orsat rev_00
Manual orsat rev_00Manual orsat rev_00
Manual orsat rev_00
zetec10
 
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
Marcela Mousquer
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
Leandro Da Paz Aristides
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
Leandro Da Paz Aristides
 
Quimica analitica -Valdo
 Quimica analitica -Valdo Quimica analitica -Valdo
Quimica analitica -Valdo
Rock Dellura
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Rodrigo Miguel
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h cl
Leandra Alencar
 
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
Anne Carolina Vieira Sampaio
 

Semelhante a Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos (20)

Síntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzeno
Síntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzenoSíntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzeno
Síntese de 1,4 di-t-butil-2,5-dimetoxibenzeno
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimica
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Apostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativaApostila qa quantitativa
Apostila qa quantitativa
 
Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2
 
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
7- sintese de dibenzilidenoacetona.pptx
 
Cinética quimica de reações
Cinética quimica de reaçõesCinética quimica de reações
Cinética quimica de reações
 
Adição de ácido clorídrico no meio reacional
Adição de ácido clorídrico no meio reacionalAdição de ácido clorídrico no meio reacional
Adição de ácido clorídrico no meio reacional
 
53º cbq acido teraftalico r0575 1
53º cbq acido teraftalico r0575 153º cbq acido teraftalico r0575 1
53º cbq acido teraftalico r0575 1
 
Manual orsat std
Manual orsat stdManual orsat std
Manual orsat std
 
Manual orsat std
Manual orsat stdManual orsat std
Manual orsat std
 
Manual orsat rev_00
Manual orsat rev_00Manual orsat rev_00
Manual orsat rev_00
 
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
 
Quimica analitica -Valdo
 Quimica analitica -Valdo Quimica analitica -Valdo
Quimica analitica -Valdo
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h cl
 
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
 

Mais de Luís Rita

Using Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | Presentation
Using Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | PresentationUsing Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | Presentation
Using Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | Presentation
Luís Rita
 
Machine Learning for Building a Food Recommendation System
Machine Learning for Building a Food Recommendation SystemMachine Learning for Building a Food Recommendation System
Machine Learning for Building a Food Recommendation System
Luís Rita
 
INSaFLU | Innovation and Entrepreneurship Report
INSaFLU | Innovation and Entrepreneurship ReportINSaFLU | Innovation and Entrepreneurship Report
INSaFLU | Innovation and Entrepreneurship Report
Luís Rita
 
Smarty | Smart Screen
Smarty | Smart ScreenSmarty | Smart Screen
Smarty | Smart Screen
Luís Rita
 
RCar | Robots for All!
RCar | Robots for All!RCar | Robots for All!
RCar | Robots for All!
Luís Rita
 
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]
Luís Rita
 
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]
Luís Rita
 
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]
Luís Rita
 
Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas
 Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas
Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas
Luís Rita
 
Radiation Physics Laboratory – Complementary Exercise Set
Radiation Physics Laboratory – Complementary Exercise SetRadiation Physics Laboratory – Complementary Exercise Set
Radiation Physics Laboratory – Complementary Exercise Set
Luís Rita
 
Espetroscopia γ
Espetroscopia γEspetroscopia γ
Espetroscopia γ
Luís Rita
 
Detetor Geiger-Müller
Detetor Geiger-MüllerDetetor Geiger-Müller
Detetor Geiger-Müller
Luís Rita
 
Advising Healthcare Organizations
Advising Healthcare OrganizationsAdvising Healthcare Organizations
Advising Healthcare Organizations
Luís Rita
 
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in HealthcareThe Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
Luís Rita
 
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in HealthcareThe Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
Luís Rita
 
Extracorporeal Artificial Organs - Kidney & Lungs
Extracorporeal Artificial Organs - Kidney & LungsExtracorporeal Artificial Organs - Kidney & Lungs
Extracorporeal Artificial Organs - Kidney & Lungs
Luís Rita
 
Implantable Medical Devices in the Eyes
Implantable Medical Devices in the Eyes Implantable Medical Devices in the Eyes
Implantable Medical Devices in the Eyes
Luís Rita
 
Foreign - Body Reaction
Foreign - Body ReactionForeign - Body Reaction
Foreign - Body Reaction
Luís Rita
 
Cells’ Mechanotransduction – Molecular Mechanisms
Cells’ Mechanotransduction – Molecular MechanismsCells’ Mechanotransduction – Molecular Mechanisms
Cells’ Mechanotransduction – Molecular Mechanisms
Luís Rita
 
Mechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal Alloy
Mechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal AlloyMechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal Alloy
Mechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal Alloy
Luís Rita
 

Mais de Luís Rita (20)

Using Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | Presentation
Using Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | PresentationUsing Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | Presentation
Using Deep Learning to Identify Cyclists' Risk Factors in London | Presentation
 
Machine Learning for Building a Food Recommendation System
Machine Learning for Building a Food Recommendation SystemMachine Learning for Building a Food Recommendation System
Machine Learning for Building a Food Recommendation System
 
INSaFLU | Innovation and Entrepreneurship Report
INSaFLU | Innovation and Entrepreneurship ReportINSaFLU | Innovation and Entrepreneurship Report
INSaFLU | Innovation and Entrepreneurship Report
 
Smarty | Smart Screen
Smarty | Smart ScreenSmarty | Smart Screen
Smarty | Smart Screen
 
RCar | Robots for All!
RCar | Robots for All!RCar | Robots for All!
RCar | Robots for All!
 
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Thesis]
 
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Extended Abstract]
 
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]
Community Finding with Applications on Phylogenetic Networks [Presentation]
 
Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas
 Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas
Espetros de Absorção Eletrónica de Cianinas
 
Radiation Physics Laboratory – Complementary Exercise Set
Radiation Physics Laboratory – Complementary Exercise SetRadiation Physics Laboratory – Complementary Exercise Set
Radiation Physics Laboratory – Complementary Exercise Set
 
Espetroscopia γ
Espetroscopia γEspetroscopia γ
Espetroscopia γ
 
Detetor Geiger-Müller
Detetor Geiger-MüllerDetetor Geiger-Müller
Detetor Geiger-Müller
 
Advising Healthcare Organizations
Advising Healthcare OrganizationsAdvising Healthcare Organizations
Advising Healthcare Organizations
 
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in HealthcareThe Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
 
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in HealthcareThe Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
The Role of Internet-of-Things (IoT) in Healthcare
 
Extracorporeal Artificial Organs - Kidney & Lungs
Extracorporeal Artificial Organs - Kidney & LungsExtracorporeal Artificial Organs - Kidney & Lungs
Extracorporeal Artificial Organs - Kidney & Lungs
 
Implantable Medical Devices in the Eyes
Implantable Medical Devices in the Eyes Implantable Medical Devices in the Eyes
Implantable Medical Devices in the Eyes
 
Foreign - Body Reaction
Foreign - Body ReactionForeign - Body Reaction
Foreign - Body Reaction
 
Cells’ Mechanotransduction – Molecular Mechanisms
Cells’ Mechanotransduction – Molecular MechanismsCells’ Mechanotransduction – Molecular Mechanisms
Cells’ Mechanotransduction – Molecular Mechanisms
 
Mechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal Alloy
Mechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal AlloyMechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal Alloy
Mechanisms in Aqueous Solution for Corrosion of Metal Alloy
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 

Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos

  • 1. Instituto Superior Técnico Lisboa, 12 de Março de 2015 Química Orgânica Reações ácido-base para separação de compostos orgânicos 1ª Sessão 2ª Sessão 79613 | Ana Rafaela Saraiva 78680 | Luís Rita
  • 2. 2 Objetivos Separar 3 compostos que se encontram misturados numa única solução, recorrendo às suas propriedades ácido-base. Para tal, utilizaram-se técnicas como a decantação, filtração e secagem. Avaliação final da pureza de cada um dos compostos, com base no seu ponto de fusão. Procedimento Experimental Materiais Utilizados1 1. NaOH; 2. HCl; 3. Erlenmeyer; 4. Ampola decantação; 8 1 - Lista dos materiais, mais importantes, utilizados em cada fase deste trabalho laboratorial. 4 6 7 5. Solução mistura (Mist.); 6. Proveta 250 ml; 7. Proveta 25 ml. 3 AB | PT |NFConsiderações Gerais AB – ácido benzóico NF – naftaleno PT – p-toluidina 1|2 I
  • 3. 3 Objetivo inicial passou por separar o ácido benzóico da restante mistura. Para tal adicionou-se 25 ml de NaOH (Fig. III) à ampola de decantação, que já continha 150 ml da mistura das 3 substâncias em clorofórmio (Fig. II). Feito isto, tapou-se a ampola, agitou-se (durante mais ou menos 1 minuto) e retirou-se a fase orgânica para um erlenmeyer, previamente identificado com a letra M (Mistura), Fig. IV. Por outro lado, a fase aquosa foi transferida para um outro erlenmeyer, este identificado como AB (Ácido Benzóico). Repetiu-se este processo 3 vezes, até que todo o ácido acabou por ficar guardado no recipiente correspondente. Todo este processo exigiu certos cuidados (para além dos habituais, usar óculos, bata e luvas), nomeadamente, realizar todos estes passos na hotte. Um dos outros objetivos do trabalho era também a extração de p-toluidina da mesma solução original. Para tal, realizou-se exatamento o mesmo procedimento anteriormente descrito, com exceção de um dos passos, em que em vez de se adicionar NaOH à mistura, adicionou-se HCl. E acabou-se por extrair a p- toluidina para um erlenmeyer identificado como PT. ×3 ……. 150 ml Mist. ……. 25 ml NaOH/HCl (3 M) 1 min. 3 min. Fase Org. Fase Aq. M AB | PT |NF II III IV V Avisos presentes nas imagens desta fase Antes de colocar a mistura na ampola de decantação, verificar se a torneira da mesma se encontra na posição horizontal (fechada). Aquando da remoção do conteúdo da ampola, mantê-la destapada.
  • 4. 4 Materiais Utilizados 8. HCl; 9. NaOH; 10. Balde; 11. Gelo; 12. Medidor pH; 13. Vareta; 14. Fúnil de Buchner; 15. Papel filtro; 16. Kitasato; 17. Bomba de vácuo; 18. Noz; 19. Mangueira. Após se ter retirado o ácido benzóico da mistura de componentes, colocou-se de imediato no interior de um balde com gelo, de modo a que a sua temperatura baixasse e a filtração que se fará mais à frente tenha maior taxa de sucesso. Terminado este ponto, adicionou-se 100 ml de HCl ao ácido benzóico (quantidade suficiente para tornar a solução bastante ácida (pH=1). A medição de pH foi feita recorrendo a um papel de pH e a uma escala que associava as diferentes cores ao grau de acidez da solução, cor obtida: vermelho). Por fim, iniciou-se a filtração. Este foi um processo bem mais demoroso (em parte, devido à falta de aspiradores de vácuo funcionais existentes no laboratório), no entanto, tal como todos os anteriores, completo com sucesso. Começou-se por humedecer a superfície do fúnil de Buchner com água e posteriormente fixar o filtro à superfície do mesmo (o mais centralizado possível). De seguida, verteu-se o ácido benzóico para o filtro e esperou-se até que a fase líquida escorresse na totalidade para o kitasato. No entanto, ao fim de alguns minutos, e ao ritmo a que o processo se estava a desenrolar, difícilmente a aula terminaria com o processo completo. Assim, foi imperativa a utilização de uma bomba de vácuo, que acabou por permitir uma filtração completa precocemente. No final, pôde-se 14 16 AB V V VI V
  • 5. 5 verificar a presença de algum ácido (benzóico) no kitasato, o que permite concluir, logo à partida, que o rendimento do processo estará longe do ideal. A filtração do p-toluidina foi muito semelhante. O único ponto distinto no desenrolar desta fase (relativamente à filtração do ácido benzóico), foi a adição de NaOH à solução presente no erlenmeyer e no interior do balde a baixas temperaturas. Enquanto que para a separação do primeiro composto utilizou-se primeiro NaOH e só depois HCl, desta vez foi o inverso. Pelo que obteve-se uma solução final extremamente alcalina (pH=14). 17 19 18 AB | PT VII V
  • 6. 6 Materiais Utilizados 20. Balança digital; 21. Espátula; 22. Frascos (comuns); 23. MgSO4. Finalmente, procedeu-se a remoção do ácido benzóico e p-toluidina acumulados à superfície do filtro (Fig. VIII). Com o auxílio de uma espátula e um pouco de paciência (de modo a que não se contaminásse a amostra final, com vestígios de papel de filtro), lentamente encheram-se 2 frascos com o nosso produto final. Estes mesmos acabaram por ser colocados num exsicador, de modo a que ambos os compostos pudessem ser secos (o método de funcionamento deste aparelho é muito simples: existe uma camada de sílica no fundo do recipiente, após terem sido colocados todos os frascos de todos os grupos criou-se vácuo no interior, pelo que a água acabou por abandonar os compostos; detalhe importante: os frascos estão tapados com papel e não com a respetiva tampa). O que contém p-toluidina foi previamente pesado para mais tarde calcular o rendimento do processo (Fig. IX). Quanto ao naftaleno que se encontrava ainda na mesma solução de clorofórmio, foi-lhe adicionado MgSO4, de modo a que fosse possível extrair o máximo de água possível da mistura. O que é, deveras essencial, uma vez que pretende-se obter naftaleno tão puro quanto possível. 21 22 20 VIII V IX V X AB | PT |NF
  • 7. 7 Materiais Utilizados 24. Balão de fundo redondo; 25. Fúnil plástico; 26. Papel de filtro pregueado; 27. Evaporador rotativo; 28. Bomba de vácuo. Este passo marca o início da 2ª sessão. No final da atividade anterior juntou-se MgSO4 (anidro) à solução de clorofórmio e naftaleno, agora, este mesmo composto hidratado fora removido, obtendo-se assim um solução com menor quantidade de água. Para tal, filtrou-se o conteúdo do frasco da última aula, recorrendo a um papel de filtro pregueado e a um fúnil de laboratório comum. A filtração foi realizada para um balão de fundo redondo (no interior da hotte, uma vez que existia uma elevada concentração de clorofórmio e por ser irritante para as vias respiratórias), cujo destino final será o evaporador rotativo. Esta fase foi realizada por uma assistente de laboratório, que amávelmente destilou a solução de naftaleno e clorofórmio. Isto deveu-se essencialmente, ao facto de se encontrar disponível um número muito limitado de aparelhos e, por isso mesmo, acabou por representar uma medida de economização de tempo. Esta destilação apenas foi possível devido a uma diferença acentuada entre os pontos de ebulição dos 2 compostos (clorofórmio e naftaleno, ∆T = 156,8 ℃). O procedimento foi o seguinte: prendeu-se o balão com a mistura de substâncias ao aparelho; ligou- se o mesmo; ajustou-se a velocidade de rotação, para os níveis desejados; paralelamente a bomba de vácuo esteve a funcionar para acelerar o processo; água à temperatura ambiente encontrava-se a circular no condensador, com o intuito de passar o composto com menor ponto de NF 24 25 XI V XII V Paralelamente, pesou-se o frasco onde o naftaleno será colocado, após o final da sua purificação.
  • 8. 8 ebulição do estado gasoso ao líquido. As elevadas temperaturas iniciais que asseguraram a passagem ao estado gasoso do clorofórmio foram conseguidas recorrendo a um compartimento cheio de água quente, onde o balão se encontrou parcialmente mergulhado. Pormenor importante, as altas rotações a que o balão esteve sujeito permitiram aquecer mais rapidamente o composto, muito graças a um aumento de área de contato entre a superfície aquecida do balão e a substância interior. Montagem encontra-se na figura abaixo. NF 28 XIII V 27
  • 9. 9 Materiais Utilizados 29. Erlenmeyer 500 ml; 30. Placa aquecimento elétrica; 31. Centros de ebulição (pedaços de porcelana); 32. Carvão ativado; 33. Espátula; Paralelamente ao procedimento anterior, dissolveu-se o ácido benzóico obtido na sessão anterior, numa pequena quantidade de água (da torneira). Inseriram-se também alguns centros de ebulição (pequenos pedaços de porcelana) à solução, com o objetivo de prevenir um sobreaquecimento repentino da mesma (Fig. XIV). Uma vez que a importância de obter um composto extremamente puro era relativa, e o facto desta medida não vir a ter um grande impacto na pureza do mesmo, optou-se por não utilizar água destilada. Uma medida, compreensível, tomada com o intuito de reduzir os custos da experiência. Para aumentar o grau de solubilidade da água, decidiu-se aquecê-la, recorrendo a uma placa de aquecimento elétrica. Como à partida, colocou-se uma quantidade de H2O generosa, não foi necessário adicionar mais, no entanto este foi outro ponto que mereceu alguma atenção. Para esta atividade em específico, o procedimento que se segue não é absolutamente essencial, uma vez que estamos a trabalhar com água e AB, no entanto decidiu-se adicionar uma pequena quantidade de carvão ativado, de modo a que este inibisse a libertação de vapores durante o aquecimento (a caraterística físico-química que mais contribui para esta capacidade é o seu elevado grau de porosidade). Por fim, aguardou-se até que o ácido benzóico se apresentasse totalmente dissolvido (Fig. XV). 29 29 30 AB XV XIV V
  • 10. 10 Materiais Utilizados 34. Alguidar; 35. H2O; 36. Fúnil; 37. Filtro de pregas; 38. Bico de Bunsen; 39. Elevador; 40. Pinça. Antes de se proceder à filtração do ácido benzóico, aqueceu-se o filtro recorrendo a um bico de Bunsen. A filtração teve de ser realizada num intervalo de tempo muito curto, de modo a prevenir a recristalização do ácido no decorrer do processo (Fig. XVI). Alguns dos principais cuidados a ter nesta fase foram: garantir que o bico de Bunsen se encontrava desligado (mesmo não sendo o AB inflamável, esta acabou por representar uma medida de preparação para futuros trabalhos laboratoriais, onde iremos trabalhar com compostos orgânicos); manusear a pinça, com a qual se verteu o que se encontrava no interior do erlenmeyer para o fúnil, com alguma precaução. Uma vez que, tal como o erlenmeyer, o que se encontrava no interior estava a temperaturas bastante elevadas. Concluído este processo, transferiu-se o mesmo erlenmeyer para um alguidar cheio de gelo, de modo a que a temperatura do mesmo, possibilitasse a recristalização do ácido (Fig. XVII). AB 39 37 36 34 35 XVI XVII
  • 11. 11 Materiais Utilizados 41. Fúnil de Buchner; 42. Papel de filtro; 43. Bomba de vácuo; 44. Mangueira; 45. Kitasato; 46. Garra; 47. Noz; 48. Suporte universal; 49. Balança digital. Concluído o processo de arrefecimento, seguiu-se, previsivelmente, a filtração (Fig. XVIII). Tal como é habitual, recorreu-se a uma bomba de vácuo para acelerar o processo. Esta encontrava-se conectada ao kitasato através de uma entrada lateral do mesmo. Assim, tornou-se possível reduzir a pressão no interior do kitasato e promover uma filtração mais eficiente. Observou-se a perda de algum ácido benzóico, o que nos permite concluir à partida, que o rendimento estará, de certa forma, afastado do valor unitário. Concluída esta filtração, retirou-se o ácido benzóico acumulado no filtro (Fig. XX), para um frasco previamente pesado (etapa importante, que permitirá um cálculo posterior do rendimento, Fig. XXI), que acabou por ser colocado num exsicador (método de funcionamento descrito anteriormente). AB 41 44 45 46 48 49 XVIII XIX XX XXI
  • 12. 12 Materiais Utilizados 50. Alguidar; 51. H2O; 52. Fúnil de Buchner; 53. Balança digital; 54. Bomba de vácuo; 55. Mangueira; 56. Noz; 57. Garra; 58. Suporte universal. Retomando o processo incial de isolamento do naftaleno (isolamento do AB e do naftaleno, levados a cabo na segunda sessão do trabalho experimental, foram realizados em paralelo), prosseguiu-se para a filtração. Antes de se realizar o processo de filtração, foi necessário garantir que o naftaleno se encontrava a uma temperatura suficientemente baixa, para tal utilizou-se o mesmo alguidar referenciado anteriormente. Após a adição de 5 ml de etanol ao naftaleno, realizou-se a filtração do composto. Esta decorreu tal como a descrita no passo anterior, assim sendo não haverá necessidade de a explicar uma vez mais. Tal como se pode verificar, a adição de etanol e a posterior filtração da solução, representaram uma alteração à técnica inicial prevista pelo protocolo. Alteração esta, que nos permitiu aumentar os níveis de pureza do naftaleno. A importância da adição de etanol, em vez de água, é a seguinte: compostos orgânicos presentes na solução apenas podem ser dissolvidos num solvente apolar. O naftaleno foi também transferido para um pequeno frasco, previamente pesado, cujo destino final foi o exsicador. NF 52 XXIII XXII
  • 14. 14 1SemanaDepois Materiais Utilizados 59. Medidor pontos de fusão; 60. Balança digital; 61. Tubo plástico comprido; O último passo deste trabalho laboratorial (realizado 1 semana após a conclusão do último procedimento descrito, consistiu, invariavelmente, na pesagem final de cada um dos frascos (contendo cada uma das substâncias no interior) e posterior determinação do ponto de fusão, não só do ácido benzóico e do naftaleno, mas também de um outro composto isolado no início da experiência – p-toluidina (esta última medição permitiu avaliar qualitativamente o grau de pureza dos compostos isolados). Uma vez que logo após a conclusão do isolamento, os 3 compostos ainda se apresentavam bastante hidratados, foi necessário aguardar 1 semana até que a concentração de H2O se encontrasse a níveis aceitáveis para continuar/concluir a experiência levada a cabo. Pesagem Pesaram-se os frascos e calcularam-se as massas de ácido benzóico, p-toluidina e naftaleno presentes no interior dos mesmos. Utilizando a seguinte fórmula: 𝑚 𝐶𝑜𝑚𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 = 𝑚 𝐹𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜+𝐶𝑜𝑚𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 − 𝑚 𝐹𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜 A partir destes dados e dos disponíveis inicialmente, pôde-se calcular o rendimento da experiência para cada uma das substâncias. AB | PT | NF
  • 15. 15 1SemanaDepois Medição do ponto de fusão Antes de mais, foi importante verificar se o aparelho registava uma temperatura próxima à ambiente, para não corromper os valores das medições. Caso a temperatura se encontrasse a níveis aceitáveis, então todas as condições estavam reunidas para dar início à medição. Retirou-se um pouco de amostra para o interior de um tubo cilíndrico plástico, e com o auxílio de um outro tubo comprido, fez-se a amostra descer. Passou-se então, à medição do ponto de fusão. Colocou-se o tubo, com a amostra no interior, no medidor de pontos de fusão e ajustou-se a escala do aparelho para um aumento gradual da temperatura para 0,5 ˚/min. Terminou-se a medição em 5 minutos! O aparelho já tinha alguma idade, o que poderá justificar, o facto de a rapidez de aquecimento ter sido bem superior à marcada inicialmente (o professor já tinha alertado para isto, por isso mesmo a medição decorreu sem problemas de maior importância). Obteve-se um valor, provavelmente sem um grande grau de fiabilidade, uma vez que a medição assentou, na observação humana e num aparelho que, aparentemente, já não se encontrava a 100%. No entanto, há que destacar a relativa proximidade do ponto de fusão da PT obtido ao valor tabelado. Por outro lado, os pontos de fusão do AB e do NF foram medidos já com um instrumento novo e mais preciso. AB | PT | NF 61 XXIII XXIII XXIII
  • 16. 16 3 Tabela de Resultados 4|5 Rendimento Extração Antes de efetuarmos o cálculo do rendimento dos 3 compostos da mistura, é necessário determinar as massas dos compostos purificados obtidos. Para isso fez-se a diferença entre as massas dos recipientes com os compostos (depois de terem sido colocados 1 semana no exsicador para remover a fase aquosa que restava) e as massas dos recipientes vazios. Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) (1) A massa inicial presente em cada solução de 150 ml era de 2g. Assim sendo, calcula-se da seguinte forma: Ƞ (rendimento) = 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔) 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙 (𝑔) ∗ 100 (2) Ácido benzóico Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) = 31.772 - 31.348 = 0.424 g Ƞ (rendimento) = 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔) 2 ∗ 100 ≃21% p-toluidina Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) = 32.892 - 31.900 = 0.992 g Produtos Massa obtida (g) Ƞ extração (%) pftab (˚C) pfexp (˚C) Ácido benzóico 0.424 21 122.1[2] 130 p – toluidina 0.992 50 43[3] 37 Naftaleno 1.328 66 80.35[4] 81 3 4|5
  • 17. 17 Ƞ (rendimento) = 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔) 2 ∗ 100 ≃50% Naftaleno Massa obtida (g) = Massa total (g) - Massa recipiente (g) = 21.654 - 20.326 = 1.328 g Ƞ (rendimento) = 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 𝑜𝑏𝑡𝑖𝑑𝑎 (𝑔) 2 ∗ 100 ≃66% Analisando os valores dos rendimentos obtidos conclui-se que, de um modo geral, os rendimentos são baixos, à exceção do naftaleno que se obteve um valor bem mais aceitável. Razões que justificam o baixo rendimento do ácido benzóico:  Na extração do ácido benzóico a partir da mistura de p-toluidina, ácido benzóico e naftaleno em clorofórmio com uma solução aquosa de NaOH, pode ter ficado alguma quantidade de ácido benzóico na mistura, apesar do processo de remoção da fase aquosa ter sido realizado 3 vezes.  Momentos antes das filtrações a vácuo pode ter-se perdido alguma quantidade de AB nas paredes do erlenmeyer (apesar de o erlenmeyer ter sido sempre limpo com água fria para tentar remover-se o máximo de ácido benzóico possível) e também pode ter ficado alguma quantidade no filtro após a realização da filtração, na passagem do ácido benzóico para os frascos.  No final das 2 filtrações a vácuo verificou-se a presença de ácido benzóico no kitasato (pode ter passado através do filtro), sendo este um fator de grande importância para a diminuição do rendimento.  Poderá, também, ter-se perdido algum AB, aquando da filtração no funil aquecido com camisa de água. No caso da p-toluidina, o seu rendimento é de 50%, superior ao do ácido benzóico. Como a sua extração e filtração foi semelhante à do ácido benzóico, com a exceção da filtração num funil aquecido (outro fator que poderá ter contribuído com algumas perdas de AB), a diminuição do rendimento deveu-se às mesmas razões. Por fim, o naftaleno possui o rendimento mais satisfatório, 66%. O naftaleno sofreu diferentes processos que os outros compostos. Foi isolado, filtrado num filtro normal e destilado num evaporador rotativo até à secura. Razões que podem ter baixado o rendimento do naftaleno são:
  • 18. 18 -Na filtração parte do naftaleno pode ter ficado contido juntamente com o sulfato de magnésio anidro no filtro. -O rendimento da destilação no evaporador rotativo também não é de 100%. Pontos de Fusão e Pureza A temperatura de fusão de uma substância pura a uma determinada pressão é um valor caraterístico dessa substância, pelo que constitui um método de avaliação do seu grau de pureza. Assim sendo, foram calculados experimentalmente os pontos de fusão do ácido benzóico, p-toluidina e naftaleno para que se pudessem retirar conclusões (qualitativas) acerca da pureza das amostras, comparando os pontos de fusão teóricos com os experimentais. Em relação ao ácido benzóico, o ponto de fusão obtido (130 ˚C) encontra-se relativamente próximo do tabelado (122.1˚C). Calculando o erro relativo obtém-se um valor de 6.5%, pelo que se conclui que a amostra possuía poucas impurezas. No caso da p-toluidina o ponto de fusão teórico é 43˚C e obteve-se experimentalmente o valor 37˚C. O erro relativo é de 14%, portanto a amostra continha algumas impurezas que têm um ponto de fusão inferior ao da p-toluidina, daí o ponto fusão obtido ser inferior ao tabelado. Por fim, no naftaleno constata-se que a amostra é extremamente pura, uma vez que o valor obtido (81˚C) e o tabelado (80.35˚C) praticamente não diferem. O erro relativo é de 0.8% logo a amostra encontra-se com um elevado grau de pureza e praticamente não contém impurezas. É de referir que o ácido benzóico sofreu ainda um processo de recristalização cujo objetivo é purificar o composto. O que justifica uma proximidade superior entre os pontos de fusão teóricos e tabelados do AB em relação à p-toluidina. Neste caso, o naftaleno acabou por ser o composto mais puro, pelo que se pode concluir que a utilização do evaporador rotativo é um fator preponderante para o isolamento deste tipo de compostos. 6
  • 19. 19 Mecanismos das reações ácidos-base envolvidas Os mecanismos de reação de extração e purificação encontram-se representados nas equações (3) a (6). A primeira extração é a do ácido benzóico através da reação com hidróxido de sódio (base) ocorrendo a seguinte reação ácido-base: 𝑁𝑎𝐻𝑂 (𝑎𝑞) + 𝐶6 𝐻5 𝐶𝑂𝑂𝐻(𝑎𝑞) → 𝑁𝑎𝐶6 𝐻5 𝐶𝑂𝑂 (𝑎𝑞) + 𝐻2 𝑂(𝑙) (3) Ao adicionar-se ácido clorídrico à fase orgânica ocorre uma nova reação ácido-base que permite a extração de p-toluidina. 𝐻𝐶𝑙 (𝑎𝑞) + 𝐶6 𝐻4(𝐶𝐻3)𝑁𝐻2(𝑎𝑞) → 𝐶6 𝐻4(𝐶𝐻3)𝑁𝐻3 + 𝐶𝑙−(𝑎𝑞) (4) Precipitação da fase aquosa contendo o sal de ácido benzóico com uma solução de HCl: C6H5COONa(aq)+HCl(aq) → C6H5COOH(s)+NaCl(aq) (5) Por fim, precipitação da fase aquosa contendo o sal da p-toluidina com uma solução de NaOH: 7
  • 20. 20 C6H4(CH3)NH3 + Cl- (aq)+NaOH(aq) →C6H4CH3NH2(s)+NaCl(aq)+H2O(l) (6) Estrutura de composto aromático menos ácido do que o ácido benzóico Relativemente à acidez de um composto, quanto mais estável for a base conjugada, mais forte será o ácido e a estabilização da base pode ser feita tendo em conta vários fatores: -Carga negativa num elemento eletronegativo; -Deslocalizando a carga por outros átomos de carbono ou ainda melhor por átomos eletronegativos, entre ourtos fatores. Tendo em conta que quanto maior for a deslocalização da carga negativa, mais forte é o ácido conjugado pois a base fica mais estável, para obtermos um composto aromático menos ácido que o ácido benzóico, a carga negativa tem de ser menos deslocalizada ou tem de se encontrar deslocalizada por átomos menos eletronegativos. O ácido benzóico possui duas estruturas de ressonância que se encontram representadas na figura 1, em que a carga negativa é deslocalizada por 2O. Representação das estruturas de ressonância do ácido benzóico. Um composto aromático menos ácido que o ácido benzóico, é por exemplo, o apresentado na figura 2 em que houve substituição do grupo carboxilo (COOH) pelo grupo OH. Este composto tem 4 estruturas de ressonância e há deslocalização da carga negativa por 10 e 3C. Representação das estruturas ressonância do fenol. Apesar de a base conjugada do fenol possuir mais estruturas de ressonância que no caso da base conjugada do ácido carboxílico, no ácido carboxílico a carga deslocaliza-se entre átomos XXIV XXV 8
  • 21. 21 de oxigénio, mais eletronegativos que o carbono, estabilizando melhor a base que no caso da base conjugada do fenol. De facto, ao comparar-se os pka’s dos dois compostos verifica-se que no fenol (pKa=9.99[5]) e no ácido carboxílico (pKa=4.21[3]), confirmando assim que o fenol é menos ácido que o ácido carboxílico. Estrutura anilina mais básica Em relação à basicidade de um composto, quanto mais estável for a base, mais forte é o ácido conjugado e mais fraca é a base. Neste caso pretende-se uma anilina mais básica que a p-toluidina, isto é uma anilina em que a sua base seja menos estável que a da p-toluidina. Uma anilina mais básica que a p-toluidina, encontra-se representada na figura 3 e corresponde à benzilamina. Estrutura da benzilamina. A benzilamina é uma base mais forte que a p-toluidina pois a sua base é menos estável, uma vez que não há estabilização por ressonância. (O carbono que se liga ao N é sp3 ). O grupo CH3 da p-toluidina tem um efeito indutivo dador de eletrões pelo que estabiliza a base e faz com que se torne mais fraca. Como uma base mais fraca tem um ácido conjugado mais forte é de prever que o pka da p- toluidina seja inferior ao da benzilamina, o que de facto se verifica uma vez que o pka da toluidina e da benzilamina são, respetivamente, 5.17 [7] e 9.33 [8]. XXVI 9
  • 22. 22 Bibliografia Simão D et al., 2ºsemestre 2014/2015, Química Orgânica-Guia de Laboratórios, IST Departamento de Engenharia Química [2]http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_benzoico [3]http://pt.wikipedia.org/wiki/Toluidina [4]http://pt.wikipedia.org/wiki/Naftalina [5]http://pt.wikipedia.org/wiki/Fenol [6]http://200.156.70.12/sme/cursos/EQU/EQ18/modulo1/aula0/06_canela/05_propriedades. htm [7]http://www.iq.usp.br/wjbaader/qfl2345/Capitulo_1%273_QFL%202345.pdf [8]http://pt.wikipedia.org/wiki/Benzilamina