SlideShare uma empresa Scribd logo
Física e Química A 20 de Maio de 2014
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 2
ÍNDICE
Objetivos ……………………………………………………………………………………………………………………………........ 3
Introdução teórica …….……………………………………………………………………………………………….……………. 4
Questões pré-laboratoriais .…………………………………………………………….…………………………………....... 5
Material e reagentes .………………………………………………………………………………….…………………………… 6
Procedimento experimental ..…….…………………..……………………………………………………………………….. 7
Resultados ……………………………………………………………………………..…………………………………………………. 8
Interpretação dos resultados ………………………………………………………………………………………………….. 9
Questões pós-laboratoriais ……………………………………………………………………………………………………. 11
Bibliografia ……………………………………………………………………………………………………………..…...……....... 13
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 3
OBJETIVOS
 Conhecer a utilidade da série eletroquímica no caso dos metais e a sua importância para
o conhecimento da oxidação de determinados metais, de modo a podermos aplicar
esses conhecimentos no dia-a-dia.
 Compreender o porquê de nem todos os metais poderem ser usados como recipientes e
canalizações e o porquê de os cascos dos barcos serem revestidos a zinco.
 Compreender a ação das diferentes soluções em contacto com os diferentes metais.
 Consolidar os conhecimentos dados nas aulas teóricas tais como as reações redução-
-oxidação (redox) e as respetivos poderes redutores/oxidantes registados na Série
Eletroquímica.
 Aprofundar o conhecimento das diferentes técnicas laboratoriais e respetivos materiais.
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 4
INTRODUÇÃO TEÓRICA
 Uma reação de oxidação-redução (redox) é uma reação onde existe transferência de
eletrões entre duas espécies químicas. Esta reação é o resultado de uma oxidação e de
uma redução.
 Um elemento diz-se oxidado quando houve um aumento da carga desse elemento
químico. Exemplo: Fe (s) + 2H+
(aq)  Fe2+
(aq) + H2 (g). Neste exemplo o ferro sofreu
oxidação pois viu a sua carga aumentar de Fe para Fe2+
(cedeu dois eletrões).
 Um elemento diz-se reduzido quando houve uma diminuição da sua carga. Exemplo:
Fe (s) + 2H+
(aq)  Fe2+
(aq) + H2 (g). Neste caso o hidrogénio foi reduzido pois viu a
sua carga diminuir de 2H+
para H2 (recebeu dois eletrões).
 Uma espécie química só pode ser reduzida se existir outra no meio que, e entretanto, se
oxide. A esta espécie química que se oxida chama-se espécie redutora, uma vez que ao
oxidar-se, obriga a que a outra se reduza. Uma espécie diz-se oxidante se obriga a que a
outra se oxide.
 As reações redox podem ser generalizadas em A + B+
A+
+ B.
 Admite-se por par conjugado oxidação-redução espécies com o mesmo elemento
químico que diferem no respetivo estado de oxidação.
 Certos metais têm mais tendência a oxidar (Potássio, Sódio, Cálcio, Alumínio, etc.),
enquanto que outros tendem a reduzir-se, sendo mais resistentes à oxidação (Ouro,
Prata, Cobre, etc.).
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 5
QUESTÕES PRÉ-LABORATORIAIS
 Todas as soluções deverão ter a mesma concentração? Justifica.
Sim, porque desta maneira, não haverá interferência nos resultados. Por exemplo: ter 10
mL de ácido clorídrico com uma concentração de 1 mol dm-3
e 10 mL do mesmo ácido
com uma concentração de 5 mol dm-3
. O segundo terá muito maior efeito do que o
primeiro porque tem uma concentração 5 vezes maior. Assim, se houver soluções com
maior concentrações do que outras, haverá interferência nos resultados, pelo que se
definiu que todas as soluções usadas nesta atividade experimental teriam 0,1 mol dm-.3
.
 Será que os ácidos atacam os metais? Justifica.
Sim, os ácidos tem forte poder oxidante. Um exemplo disso é o ácido nítrico (HNO3) que
oxida quase todos os metais, devido a ser um ácido forte. A corrosão causada pelo ácido
nítrico é total, pelo que o sal formado está no seu mais alto estado de oxidação. Este ácido
misturado com o ácido clorídrico consegue corroer até mesmo o ouro, um dos metais com
menor tendência para oxidar. Assim, verifica-se que os ácidos atacam os metais e alguns,
até os mais difíceis, como o ouro.
Fig. 1 – Até mesmo o ouro pode ser corroído, através da aqua
regia, uma mistura do ácido nítrico e do ácido clorídrico.
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 6
MATERIAL E REAGENTES
Material:
• Pipeta de Pasteur
• Placa de microanálise
• Luvas de látex
Reagentes:
• Solução aquosa de nitrato de magnésio – Mg2+
• Solução aquosa de nitrato de zinco – Zn2+
• Solução aquosa de nitrato de alumínio – Al3+
• Solução aquosa de nitrato de cobre – Cu2+
• Ácido Clorídrico - HCl
• Magnésio
• Zinco
• Alumínio
• Cobre
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 7
PROCEDIMENTO
1º - Identificar e etiquetar cada fila e coluna de concavidades da placa de microanálise de
modo a que cada pedaço metálico possa estar em contacto com diferentes soluções.
2º - Colocar cinco amostras de cada metal numa fila da placa de microanálise.
3º - Adicionar com a ajuda da pipeta de Pasteur as soluções e o ácido clorídrico nas
respetivas concavidades da placa de microanálise.
4º - Aguardar cerca de 30 minutos.
5º - Observar as reações ocorridas e registar os resultados.
Fig. 2 – Esquematização da reação redução-oxidação na placa de microanálise.
HClZn2+
Cu
Cu2+
Mg2+
Mg
Al3+
Zn
Al
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 8
RESULTADOS
Os resultados observados podem ser devidamente registados no seguinte quadro:
Solução
Metal
Al3+
Mg2+
Cu2+
Zn2+
HCl
Al Não reagiu. Reagiu. Reagiu.
Reage mais
tarde, no
entanto
violentamente.
Mg Reagiu.
Reagiu. Houve
corrosão.
Reagiu.
Reagiu. Houve
formação de
bolhas e
corrosão.
Cu Não reagiu. Não reagiu. Não reagiu. Não reagiu.
Zn Não reagiu. Não reagiu.
Reagiu. Houve
mudança da
cor da solução.
Reage
imediatamente
e corrói até se
dissolver.
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 9
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS
Nas cinco concavidades da placa de microanálise ocorreram diversas reações de redução-
oxidação (redox) entre as soluções aquosas e ácido clorídrico e os diferentes pedaços de
metais, no entanto em alguns casos não houve qualquer tipo de reação. As reações
ocorridas podem ser traduzidas nas seguintes equações químicas:
Nitrato de Alumínio:
 Magnésio: 2Al3+
(aq) + 3Mg (s)  2Al (s) + 3Mg2+
(aq)
 Cobre: Não reage.
 Zinco: Não reage.
Nitrato de Magnésio:
 Alumínio: Não reage.
 Cobre: Não reage.
 Zinco: Não reage.
Nitrato de Cobre:
 Alumínio: 3Cu2+
(aq) + 2Al (s)  3Cu (s) + 2Al3+
(aq)
 Magnésio: Cu2+
(aq) + Mg (s)  Cu(s) + Mg2+
(aq)
 Zinco: Cu2+
(aq) + Zn(s)  Cu(s) + Zn2+
(aq)
Nitrato de Zinco:
 Alumínio: 3Zn2+
(aq) + 2Al (s)  3Zn (s) + 2Al3+
(aq)
 Magnésio: Zn2+
(aq) + Mg (s)  Zn (s) + Mg2+
(aq)
 Cobre: Não reage.
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 10
Ácido Clorídrico:
 Alumínio: 2Al (s) + 6HCl (aq)  2AlCl3 (aq) + 2H2 (g)
 Magnésio: Mg (s) + 2HCl (aq)  MgCl2 (aq) + H2 (g)
 Cobre: Não reagiu.
 Zinco: Zn (s) + 2HCl (aq)  ZnCl2 (aq) + H2 (g)
Estas reações ocorreram todas com a mesma temperatura (cerca de 20º C) com a mesma
pressão e com a soluções de concentração igual (0,1 mol dm-3
). Cada pedaço metálico
deve ter medidas semelhantes e não ser constituído por nenhuma liga. As soluções
também devem ter volumes idênticos. A concavidade onde irá ocorrer a reação deverá ser
de pequenas dimensões para deste modo acelerar a reação.
Através da tabela de resultados supra apresentada, pode-se estabelecer uma ordem de
tendências, tanto para a oxidação como para a redução, dos respetivos metais:
O hidrogénio pode ser integrado nesta série eletromagnética, uma vez que é um elemento
constituinte do ácido clorídrico (HCl), estando presente sob a forma do seu ião H+
. Em
todos as três reações ele ganha 1 eletrão sendo reduzido e vendo, consequentemente, a
sua carga diminuída. Esta série eletromagnética vai exatamente ao encontro da série
eletromagnética representada no manual “11Q“ da Texto Editores na página 150 (fig. 69).
Este facto revela que a atividade foi bem sucedida.
Magnésio
Alumínio
Zinco
Hidrogénio
Cobre
Mg2+
Al3+
Zn2+
H+
Cu2+
Mg
Al
Zn
H
Cu
Tendênciaparaoxidação
Tendênciapararedução
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 11
Fig. 3 – Estátua de D. José I em bronze,
uma liga metálica de cobre e estanho que
foi oxidada pelo o oxigénio do ar.
Fig. 4 – O cobre é uma boa opção
para as canalizações.
QUESTÕES PÓS-LABORATORIAIS
1. Através da observação e interpretação dos resultados obtidos, estamos agora
preparados para poder responder às questões-problema colocadas no início da
atividade:
a) Porque razão nem todos os metais
podem ser usados como recipientes?
Os metais quando em contacto com outras
substâncias químicas, podem eventualmente
reagir, oxidando. A oxidação é o aumento da
sua carga elétrica através da cedência de
eletrões. Esta perda de eletrões leva a que esse
metal se deteriore, acabando por corroer por
completo o metal. Assim sendo, as
embalagens têm de ser constituídas por outras
matérias (plástico, fibras, etc.) ou por metais cuja
tendência para oxidar seja muito reduzida (ouro, prata, cobre, etc.)
b) Que metais se devem utilizar nas canalizações?
Tanto as canalizações domésticas, como as industriais contactam com diferentes tipos de
produtos que podem lentamente corroer as
canalizações. Nas habitações domésticas, as
canalizações estão sujeitas a detergentes como
lixívia ou amoníaco, o vinagre ou o limão, produtos
cujo nível de acidez é elevado. Estas devem assim
estar preparadas para o contexto. Como visualizamos
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 12
na atividade, o cobre não reagiu com o ácido clorídrico, pelo que seria uma boa opção
para tal finalidade.
c) Porque se protegem os cascos metálicos dos navios com zinco?
Os cascos dos navios são geralmente feitos de aço, uma liga metálica de ferro e carbono.
Esta liga é facilmente oxidada pela oxigénio presente na água do mar. Assim sendo os
navios rapidamente irão corroer, sendo muito dinheiro desperdiçado. Para evitar o
desperdício de materiais e de dinheiro, os cascos são revestidos por um metal cuja
tendência para oxidar é maior do que a do aço. Esse metal chama-se metal de sacrifício,
pois serve para que este seja corroído em primeiro lugar, mantendo o aço intacto. Assim, a
vida de um navio é aumentada drasticamente. O zinco tem maior tendência a oxidar do
que o ferro por exemplo, pelo que irá corroer primeiro do que o ferro.
2. Qual dos metais usados poderia ser usados como contentor de qualquer das
soluções usadas? Justifica.
O cobre sem dúvida, pois, como ficou registado na tabela de resultados, o cobre não
reagiu com nenhuma das soluções aquosas (Mg2+
; Al3+
; Zn2+
), nem mesmo com o ácido
clorídrico, pelo que não haveria oxidação do mesmo, mantendo-se inalterado.
3. Qual das soluções dos sais poderá ser guardada em recipiente de qualquer destes
metais? Justifica.
A solução aquosa de magnésio, porque, conforme se verifica na tabela com o registo dos
resultados, essa solução não reagiu com nenhum dos metais devido à sua baixa tendência
para redução. Assim, essa solução poderá ser armazenada num recipiente de qualquer dos
metais analisados, pois não haverá nenhuma reação química de redução-oxidação (redox).
Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Física e Química A 13
BIBLIOGRAFIA
(http://www.resumos.net/fisicoquimica.html) – Visitado a 16/05/2014 às 22:39
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Oxirredu%C3%A7%C3%A3o) – Visitado a 16/05/2014 às 23:46
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Rea%C3%A7%C3%A3o_redox) – Visitado a 17/05/2014 às 00:08
(http://pt.scribd.com/doc/124149518/APL-2-4) – Visitado a 17/05/2014 às 15:34
(http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido) – Visitado a 17/05/2014 às 17:22
(http://images.google.pt/) – Fonte das imagens – Visitado a 17/05/2014 às 19:54
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Metal_de_sacrif%C3%ADcio) – Visitado a 17/05/2014 às 21:13
(http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_n%C3%ADtrico) – Visitado a 17/05/2014 às 22:23
VENTURA, Graça; FIOLHAIS, Manuel; FIOLHAIS, Carlos; PAIVA, João; FERREIRA, António José – 11Q,
Química; 1ª ed. Lisboa. Texto Editores, 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
Emília Maij
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
Joana Margarida
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Alexandre R
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
ameliapadrao
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Paula Oliveira Cruz
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
Catarina Castro
 
Síntese de Aspirina
Síntese de AspirinaSíntese de Aspirina
Síntese de Aspirina
Luís Rita
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
António Fernandes
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Marisa Ferreira
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
sin3stesia
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
António Fernandes
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Actividade Laboratorial - Produção de Pão
Actividade Laboratorial - Produção de PãoActividade Laboratorial - Produção de Pão
Actividade Laboratorial - Produção de Pão
Bioworld12
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 

Mais procurados (20)

AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Síntese de Aspirina
Síntese de AspirinaSíntese de Aspirina
Síntese de Aspirina
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Actividade Laboratorial - Produção de Pão
Actividade Laboratorial - Produção de PãoActividade Laboratorial - Produção de Pão
Actividade Laboratorial - Produção de Pão
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 

Semelhante a Série Eletroquímica: O Caso dos Metais

Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Jessica Amaral
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Lucas Valente
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Lucas Valente
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Paola Botelho
 
Feqoxred q5
Feqoxred q5Feqoxred q5
Feqoxred q5
Bruno Pinto
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
Alberto Pethrus
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
Celestino Silva
 
Eletroquimica1
Eletroquimica1Eletroquimica1
Eletroquimica1
Catarina Moura
 
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
lizatoria1
 
Experimento 9 - Eletroquímica
Experimento 9   -  EletroquímicaExperimento 9   -  Eletroquímica
Experimento 9 - Eletroquímica
Silvanildo Macário
 
íNdice
íNdiceíNdice
íNdice
carollina_12
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Erica Souza
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOSRELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
Ezequias Guimaraes
 
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
Marcela Mousquer
 
Apsa serie electroquimica[1]
Apsa  serie electroquimica[1]Apsa  serie electroquimica[1]
Apsa serie electroquimica[1]
Rosa Sousa
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
Larissa Cadorin
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
Cursos Profissionalizantes
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
cris_bastardis
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
Flavio Cardoso Reis
 

Semelhante a Série Eletroquímica: O Caso dos Metais (20)

Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Feqoxred q5
Feqoxred q5Feqoxred q5
Feqoxred q5
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
 
Eletroquimica1
Eletroquimica1Eletroquimica1
Eletroquimica1
 
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
1._A_quimica_do_hidrogenio.docxnnnnnnnnn
 
Experimento 9 - Eletroquímica
Experimento 9   -  EletroquímicaExperimento 9   -  Eletroquímica
Experimento 9 - Eletroquímica
 
íNdice
íNdiceíNdice
íNdice
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOSRELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
 
O ciclo do cobre
O ciclo do cobreO ciclo do cobre
O ciclo do cobre
 
Apsa serie electroquimica[1]
Apsa  serie electroquimica[1]Apsa  serie electroquimica[1]
Apsa serie electroquimica[1]
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
 

Mais de Vitor Peixoto

Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Vitor Peixoto
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimento
Vitor Peixoto
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
Vitor Peixoto
 
S. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da GalafuraS. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da Galafura
Vitor Peixoto
 
Novas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xxNovas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xx
Vitor Peixoto
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Vitor Peixoto
 
Organização mundial de saúde
Organização mundial de saúdeOrganização mundial de saúde
Organização mundial de saúde
Vitor Peixoto
 
Absorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiaçãoAbsorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiação
Vitor Peixoto
 
Violação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanosViolação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanos
Vitor Peixoto
 
Cultura londrina
Cultura londrinaCultura londrina
Cultura londrina
Vitor Peixoto
 
Sentido da vida
Sentido da vidaSentido da vida
Sentido da vida
Vitor Peixoto
 
Confucionismo
ConfucionismoConfucionismo
Confucionismo
Vitor Peixoto
 
Alcoolismo
AlcoolismoAlcoolismo
Alcoolismo
Vitor Peixoto
 
Bilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - AzevinhoBilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - AzevinhoVitor Peixoto
 
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - AtmosferaA Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
Vitor Peixoto
 

Mais de Vitor Peixoto (15)

Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimento
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
S. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da GalafuraS. Leonardo da Galafura
S. Leonardo da Galafura
 
Novas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xxNovas correntes artísticas no início do século xx
Novas correntes artísticas no início do século xx
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Organização mundial de saúde
Organização mundial de saúdeOrganização mundial de saúde
Organização mundial de saúde
 
Absorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiaçãoAbsorção e emissão de radiação
Absorção e emissão de radiação
 
Violação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanosViolação dos direitos humanos
Violação dos direitos humanos
 
Cultura londrina
Cultura londrinaCultura londrina
Cultura londrina
 
Sentido da vida
Sentido da vidaSentido da vida
Sentido da vida
 
Confucionismo
ConfucionismoConfucionismo
Confucionismo
 
Alcoolismo
AlcoolismoAlcoolismo
Alcoolismo
 
Bilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - AzevinhoBilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
Bilhete de Identidade Vegetal - Azevinho
 
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - AtmosferaA Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
 

Último

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 

Série Eletroquímica: O Caso dos Metais

  • 1. Física e Química A 20 de Maio de 2014
  • 2. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 2 ÍNDICE Objetivos ……………………………………………………………………………………………………………………………........ 3 Introdução teórica …….……………………………………………………………………………………………….……………. 4 Questões pré-laboratoriais .…………………………………………………………….…………………………………....... 5 Material e reagentes .………………………………………………………………………………….…………………………… 6 Procedimento experimental ..…….…………………..……………………………………………………………………….. 7 Resultados ……………………………………………………………………………..…………………………………………………. 8 Interpretação dos resultados ………………………………………………………………………………………………….. 9 Questões pós-laboratoriais ……………………………………………………………………………………………………. 11 Bibliografia ……………………………………………………………………………………………………………..…...……....... 13
  • 3. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 3 OBJETIVOS  Conhecer a utilidade da série eletroquímica no caso dos metais e a sua importância para o conhecimento da oxidação de determinados metais, de modo a podermos aplicar esses conhecimentos no dia-a-dia.  Compreender o porquê de nem todos os metais poderem ser usados como recipientes e canalizações e o porquê de os cascos dos barcos serem revestidos a zinco.  Compreender a ação das diferentes soluções em contacto com os diferentes metais.  Consolidar os conhecimentos dados nas aulas teóricas tais como as reações redução- -oxidação (redox) e as respetivos poderes redutores/oxidantes registados na Série Eletroquímica.  Aprofundar o conhecimento das diferentes técnicas laboratoriais e respetivos materiais.
  • 4. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 4 INTRODUÇÃO TEÓRICA  Uma reação de oxidação-redução (redox) é uma reação onde existe transferência de eletrões entre duas espécies químicas. Esta reação é o resultado de uma oxidação e de uma redução.  Um elemento diz-se oxidado quando houve um aumento da carga desse elemento químico. Exemplo: Fe (s) + 2H+ (aq)  Fe2+ (aq) + H2 (g). Neste exemplo o ferro sofreu oxidação pois viu a sua carga aumentar de Fe para Fe2+ (cedeu dois eletrões).  Um elemento diz-se reduzido quando houve uma diminuição da sua carga. Exemplo: Fe (s) + 2H+ (aq)  Fe2+ (aq) + H2 (g). Neste caso o hidrogénio foi reduzido pois viu a sua carga diminuir de 2H+ para H2 (recebeu dois eletrões).  Uma espécie química só pode ser reduzida se existir outra no meio que, e entretanto, se oxide. A esta espécie química que se oxida chama-se espécie redutora, uma vez que ao oxidar-se, obriga a que a outra se reduza. Uma espécie diz-se oxidante se obriga a que a outra se oxide.  As reações redox podem ser generalizadas em A + B+ A+ + B.  Admite-se por par conjugado oxidação-redução espécies com o mesmo elemento químico que diferem no respetivo estado de oxidação.  Certos metais têm mais tendência a oxidar (Potássio, Sódio, Cálcio, Alumínio, etc.), enquanto que outros tendem a reduzir-se, sendo mais resistentes à oxidação (Ouro, Prata, Cobre, etc.).
  • 5. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 5 QUESTÕES PRÉ-LABORATORIAIS  Todas as soluções deverão ter a mesma concentração? Justifica. Sim, porque desta maneira, não haverá interferência nos resultados. Por exemplo: ter 10 mL de ácido clorídrico com uma concentração de 1 mol dm-3 e 10 mL do mesmo ácido com uma concentração de 5 mol dm-3 . O segundo terá muito maior efeito do que o primeiro porque tem uma concentração 5 vezes maior. Assim, se houver soluções com maior concentrações do que outras, haverá interferência nos resultados, pelo que se definiu que todas as soluções usadas nesta atividade experimental teriam 0,1 mol dm-.3 .  Será que os ácidos atacam os metais? Justifica. Sim, os ácidos tem forte poder oxidante. Um exemplo disso é o ácido nítrico (HNO3) que oxida quase todos os metais, devido a ser um ácido forte. A corrosão causada pelo ácido nítrico é total, pelo que o sal formado está no seu mais alto estado de oxidação. Este ácido misturado com o ácido clorídrico consegue corroer até mesmo o ouro, um dos metais com menor tendência para oxidar. Assim, verifica-se que os ácidos atacam os metais e alguns, até os mais difíceis, como o ouro. Fig. 1 – Até mesmo o ouro pode ser corroído, através da aqua regia, uma mistura do ácido nítrico e do ácido clorídrico.
  • 6. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 6 MATERIAL E REAGENTES Material: • Pipeta de Pasteur • Placa de microanálise • Luvas de látex Reagentes: • Solução aquosa de nitrato de magnésio – Mg2+ • Solução aquosa de nitrato de zinco – Zn2+ • Solução aquosa de nitrato de alumínio – Al3+ • Solução aquosa de nitrato de cobre – Cu2+ • Ácido Clorídrico - HCl • Magnésio • Zinco • Alumínio • Cobre
  • 7. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 7 PROCEDIMENTO 1º - Identificar e etiquetar cada fila e coluna de concavidades da placa de microanálise de modo a que cada pedaço metálico possa estar em contacto com diferentes soluções. 2º - Colocar cinco amostras de cada metal numa fila da placa de microanálise. 3º - Adicionar com a ajuda da pipeta de Pasteur as soluções e o ácido clorídrico nas respetivas concavidades da placa de microanálise. 4º - Aguardar cerca de 30 minutos. 5º - Observar as reações ocorridas e registar os resultados. Fig. 2 – Esquematização da reação redução-oxidação na placa de microanálise. HClZn2+ Cu Cu2+ Mg2+ Mg Al3+ Zn Al
  • 8. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 8 RESULTADOS Os resultados observados podem ser devidamente registados no seguinte quadro: Solução Metal Al3+ Mg2+ Cu2+ Zn2+ HCl Al Não reagiu. Reagiu. Reagiu. Reage mais tarde, no entanto violentamente. Mg Reagiu. Reagiu. Houve corrosão. Reagiu. Reagiu. Houve formação de bolhas e corrosão. Cu Não reagiu. Não reagiu. Não reagiu. Não reagiu. Zn Não reagiu. Não reagiu. Reagiu. Houve mudança da cor da solução. Reage imediatamente e corrói até se dissolver.
  • 9. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 9 INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Nas cinco concavidades da placa de microanálise ocorreram diversas reações de redução- oxidação (redox) entre as soluções aquosas e ácido clorídrico e os diferentes pedaços de metais, no entanto em alguns casos não houve qualquer tipo de reação. As reações ocorridas podem ser traduzidas nas seguintes equações químicas: Nitrato de Alumínio:  Magnésio: 2Al3+ (aq) + 3Mg (s)  2Al (s) + 3Mg2+ (aq)  Cobre: Não reage.  Zinco: Não reage. Nitrato de Magnésio:  Alumínio: Não reage.  Cobre: Não reage.  Zinco: Não reage. Nitrato de Cobre:  Alumínio: 3Cu2+ (aq) + 2Al (s)  3Cu (s) + 2Al3+ (aq)  Magnésio: Cu2+ (aq) + Mg (s)  Cu(s) + Mg2+ (aq)  Zinco: Cu2+ (aq) + Zn(s)  Cu(s) + Zn2+ (aq) Nitrato de Zinco:  Alumínio: 3Zn2+ (aq) + 2Al (s)  3Zn (s) + 2Al3+ (aq)  Magnésio: Zn2+ (aq) + Mg (s)  Zn (s) + Mg2+ (aq)  Cobre: Não reage.
  • 10. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 10 Ácido Clorídrico:  Alumínio: 2Al (s) + 6HCl (aq)  2AlCl3 (aq) + 2H2 (g)  Magnésio: Mg (s) + 2HCl (aq)  MgCl2 (aq) + H2 (g)  Cobre: Não reagiu.  Zinco: Zn (s) + 2HCl (aq)  ZnCl2 (aq) + H2 (g) Estas reações ocorreram todas com a mesma temperatura (cerca de 20º C) com a mesma pressão e com a soluções de concentração igual (0,1 mol dm-3 ). Cada pedaço metálico deve ter medidas semelhantes e não ser constituído por nenhuma liga. As soluções também devem ter volumes idênticos. A concavidade onde irá ocorrer a reação deverá ser de pequenas dimensões para deste modo acelerar a reação. Através da tabela de resultados supra apresentada, pode-se estabelecer uma ordem de tendências, tanto para a oxidação como para a redução, dos respetivos metais: O hidrogénio pode ser integrado nesta série eletromagnética, uma vez que é um elemento constituinte do ácido clorídrico (HCl), estando presente sob a forma do seu ião H+ . Em todos as três reações ele ganha 1 eletrão sendo reduzido e vendo, consequentemente, a sua carga diminuída. Esta série eletromagnética vai exatamente ao encontro da série eletromagnética representada no manual “11Q“ da Texto Editores na página 150 (fig. 69). Este facto revela que a atividade foi bem sucedida. Magnésio Alumínio Zinco Hidrogénio Cobre Mg2+ Al3+ Zn2+ H+ Cu2+ Mg Al Zn H Cu Tendênciaparaoxidação Tendênciapararedução
  • 11. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 11 Fig. 3 – Estátua de D. José I em bronze, uma liga metálica de cobre e estanho que foi oxidada pelo o oxigénio do ar. Fig. 4 – O cobre é uma boa opção para as canalizações. QUESTÕES PÓS-LABORATORIAIS 1. Através da observação e interpretação dos resultados obtidos, estamos agora preparados para poder responder às questões-problema colocadas no início da atividade: a) Porque razão nem todos os metais podem ser usados como recipientes? Os metais quando em contacto com outras substâncias químicas, podem eventualmente reagir, oxidando. A oxidação é o aumento da sua carga elétrica através da cedência de eletrões. Esta perda de eletrões leva a que esse metal se deteriore, acabando por corroer por completo o metal. Assim sendo, as embalagens têm de ser constituídas por outras matérias (plástico, fibras, etc.) ou por metais cuja tendência para oxidar seja muito reduzida (ouro, prata, cobre, etc.) b) Que metais se devem utilizar nas canalizações? Tanto as canalizações domésticas, como as industriais contactam com diferentes tipos de produtos que podem lentamente corroer as canalizações. Nas habitações domésticas, as canalizações estão sujeitas a detergentes como lixívia ou amoníaco, o vinagre ou o limão, produtos cujo nível de acidez é elevado. Estas devem assim estar preparadas para o contexto. Como visualizamos
  • 12. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 12 na atividade, o cobre não reagiu com o ácido clorídrico, pelo que seria uma boa opção para tal finalidade. c) Porque se protegem os cascos metálicos dos navios com zinco? Os cascos dos navios são geralmente feitos de aço, uma liga metálica de ferro e carbono. Esta liga é facilmente oxidada pela oxigénio presente na água do mar. Assim sendo os navios rapidamente irão corroer, sendo muito dinheiro desperdiçado. Para evitar o desperdício de materiais e de dinheiro, os cascos são revestidos por um metal cuja tendência para oxidar é maior do que a do aço. Esse metal chama-se metal de sacrifício, pois serve para que este seja corroído em primeiro lugar, mantendo o aço intacto. Assim, a vida de um navio é aumentada drasticamente. O zinco tem maior tendência a oxidar do que o ferro por exemplo, pelo que irá corroer primeiro do que o ferro. 2. Qual dos metais usados poderia ser usados como contentor de qualquer das soluções usadas? Justifica. O cobre sem dúvida, pois, como ficou registado na tabela de resultados, o cobre não reagiu com nenhuma das soluções aquosas (Mg2+ ; Al3+ ; Zn2+ ), nem mesmo com o ácido clorídrico, pelo que não haveria oxidação do mesmo, mantendo-se inalterado. 3. Qual das soluções dos sais poderá ser guardada em recipiente de qualquer destes metais? Justifica. A solução aquosa de magnésio, porque, conforme se verifica na tabela com o registo dos resultados, essa solução não reagiu com nenhum dos metais devido à sua baixa tendência para redução. Assim, essa solução poderá ser armazenada num recipiente de qualquer dos metais analisados, pois não haverá nenhuma reação química de redução-oxidação (redox).
  • 13. Atividade Prático Laboratorial 2.4. Série Eletroquímica: O Caso dos Metais Física e Química A 13 BIBLIOGRAFIA (http://www.resumos.net/fisicoquimica.html) – Visitado a 16/05/2014 às 22:39 (http://pt.wikipedia.org/wiki/Oxirredu%C3%A7%C3%A3o) – Visitado a 16/05/2014 às 23:46 (http://pt.wikipedia.org/wiki/Rea%C3%A7%C3%A3o_redox) – Visitado a 17/05/2014 às 00:08 (http://pt.scribd.com/doc/124149518/APL-2-4) – Visitado a 17/05/2014 às 15:34 (http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido) – Visitado a 17/05/2014 às 17:22 (http://images.google.pt/) – Fonte das imagens – Visitado a 17/05/2014 às 19:54 (http://pt.wikipedia.org/wiki/Metal_de_sacrif%C3%ADcio) – Visitado a 17/05/2014 às 21:13 (http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_n%C3%ADtrico) – Visitado a 17/05/2014 às 22:23 VENTURA, Graça; FIOLHAIS, Manuel; FIOLHAIS, Carlos; PAIVA, João; FERREIRA, António José – 11Q, Química; 1ª ed. Lisboa. Texto Editores, 2012.