SlideShare uma empresa Scribd logo
QQuuíímmiiccaa ddooss CCoommppoossttooss 
ddddeeee CCCCoooooooorrrrddddeeeennnnaaaaççççããããoooo
O que é um composto de coordenação? 
 Compostos formados por um íon metálico de transição (na maioria dos 
casos) envolvido por átomos, moléculas ou grupos de átomos (ligantes). 
 Para que um ligante possa participar de um 
complexo é fundamental que o mesmo 
contenha pares eletrônicos disponíveis para 
carga do 
complexo 
efetuar ligações coordenadas. 
 Um complexo pode ser catiônico, aniônico 
ou neutro. 
Neutros: [Ni(CO)4] 
Iônicos: [Fe(CN)6]K4, [Cu(H2O)4]SO4 
X+/- 
n 
n+/- 
ligantes 
íon metálico 
contraíon
Metais de Transição 
“um elemento com elétrons de valência d- ou f-” 
um metal do bloco d ou do bloco f 
bloco d: elementos de transição 
elementos transição interna: bloco f
Distribuição eletrônica nos átomos dos metais de transição 
Sc 
Ti 
V 
Cr 
3d 4s 4p 
[Ar]3d14s2 
[Ar]3d24s2 
[Ar]3d34s2 
[Ar]3d54s1 Mn 
Fe 
Co 
Ni 
Cu 
Zn 
3d 4s 
[Ar]3d54s2 
[Ar]3d64s2 
[Ar]3d74s2 
[Ar]3d84s2 
[Ar]3d104s1 
[Ar]3d104s2
Números de elétrons d 
[Ar]3d54s2 [Ar]3d104s1 
1º. Quantos elétrons estão contidos nos metais d? 
- Contagem na tabela períódica Mn = 7 elétrons Cu = 11 elétrons 
2º. Quantos elétrons foram perdidos? - estado de oxidação 
Mn (VII) = 7 elétrons perdidos Cu(II) = 2 elétrons perdidos 
3º. Quantos elétrons sobram? - subtração 
Mn (VII) = 7-7 = zero elétrons d = d0 Cu(II) = 11-2 = 9 elétrons d = d9 
RReeggrraa: Os elétrons s são os primeiros a serem perdidos 
elétrons de valência em um metal de transição = elétrons d
Exercício: Quantos elétrons d tem o metal? 
complexo Nox de L Nox do M nº elétrons d 
[Cr2O7]2- - 2 +6 d0 
[[MMnnOO4]]-- -- 22 ++77 dd00 
[Ag(NH3)2]+ 0 +1 d10 
[Ti(H2O)6]3+ 0 +3 d1 
[Co(en)3]3+ 0 +3 d6 
[PtCl2(NH3)2] - 1, 0 +2 d8 
[V(CN)6]4- - 1 +2 d3 
[Fe(ox)3]3- - 2 +3 d5 
NHH 2 2N 
O O 
-O O-ox 
en = 
=
Ligação Coordenada 
Cada ligante doa um par de elétrons para a ligação com o centro metálico: 
 
H N  
H 
  
 
 
  
H 
 
+ F  
B  F 
 
  
F 
F 
  
 
 
F B  F 
 
 
  
 
 
 H N H 
F 
F B F 
H N H 
  
H 
H 
NH3 
BF3 H3N 
_ 
 BF3 
= ligação coordenada ou dativa 
L 
L 
L 
L 
L 
L
Sidwick 1927 - modelo de ligação 
Exemplo: [Co(NH3)6]3+ 
“base de Lewis 
NH3 
  
3+ 
  
6 + Co3+ 
H 
N 
H 
H 
H3N 
“ácido de Lewis 
NH3 
NH3 
H3N 
NH3
Complexos ou Compostos de Coordenação 
Ácido de 
Lewis + 
1 ou mais 
bases de 
Lewis 
= ccoommpplleexxoo 
ácido de Lewis = átomo ou íon central (receptor de pares de elétrons) 
bbaasseess ddee LLeewwiiss == lliiggaanntteess oouu moléculas neutras ou íons negativos 
agentes complexantes (doadores 
de pares de elétrons) 
H2O, NH3, CO Cl-, OH-, CN-
Alfred Werner 
Teoria de Werner (1893) 
Prêmio Nobel 1913 
 reação entre cloreto de cobalto(III) e amônia = compostos de diferentes 
cores e comportamento diferente frente a íons Ag+. 
+ Ag+ = 3 mols AgCl 
+ Ag+ = 2 mols AgCl 
+ Ag+ = 1 mol AgCl 
+ Ag+ = 0 mol AgCl 
CoCl3.6NH3 amarelo 
CoCl3.5NH3 púrpura 
CoCl3.4NH3 verde 
CoCl3.3NH3
Teoria de Werner (1893) 
1. O metal está em um estado de oxidação particular (valência primária) 
2. O composto tem um número de coordenação (valência secundária). 
3. Os ligantes estão coordenados ao metal via uma ligação que parece com 
uma ligação covalente. 
[Co(NH3)6]Cl3 
3+ 
[Co(NH3)5Cl]Cl2 
2+ 
[Co(NH3)4Cl2]Cl 
+ 
[Co(NH3)3Cl3] 
3 moles AgCl 2 moles AgCl 1 mol AgCl 0 mol AgCl
Fórmula Empírica 
Medidas de condutividade 
Condutividade (C = 0,001 
mol/L) 
Formulação de Werner 
Não Eletrólitos 
PtCl4.2NH3 3,52 [Pt(NH3)2Cl4] (trans) 
PtCl4.2NH3 6,99 [Pt(NH3)2Cl4] (cis) 
Eletrólitos 1:1 
NaCl 123,7 ------- 
PtCl4.3NH3 96,8 [Pt(NH3)3Cl3]Cl 
PtCl4.NH3.KCl 106,8 K[Pt(NH3)Cl5] 
Eletrólitos 1:2 ou 2:1 
CaCl2 260,8 ------- 
CoCl3.5NH3 261,3 [Co(NH3)5Cl]Cl2 
CoBr3.5NH3 257,6 [Co(NH3)5Br]Br2 
CrCl3.5NH3 260,2 [Cr(NH3)5Cl]Cl2 
PtCl4.4NH3 228,9 [Pt(NH3)4Cl2]Cl2 
PtCl4.2KCl 256,8 K2[PtCl6] 
Eletrólitos 1:3 ou 3:1 
LaCl3 393,5 ------- 
CoCl3.6NH3 431,6 [Co(NH3)6]Cl3 
CrCl3.6NH3 441,7 [Cr(NH3)6]Cl3 
PtCl4.5NH3 404,0 [Pt(NH3)5Cl]Cl3
Teoria de Werner 
Explicação para a ligação nos complexos baseada nos ensaios: 
Medidas de condutividade 
[Cr(H2O)6]3+ 3Cl- [Cr(H2O)5Cl]2+ 2Cl- [Cr(H2O)4Cl2]+ Cl- 
Existência de 2 tipos de valência: 
1) valência primária (dissociável) 
2) valência secundária (não dissociável) 
Ligações iônicas 
cátion complexo – ânion 
Ligação coordenativa 
ligante – átomo ou íon metálico
O que é interessante 
sobre os complexos de 
atividade 
biológica 
aplicações 
médicas 
estados de 
oxidação 
metais de transição?? 
número de 
cor 
geometria coordenação comportamento 
magnético
Tipos de ligantes 
 Os ligantes podem apresentar mais de um átomo com elétrons 
disponíveis para formar ligações coordenadas. 
O termo ligante aplica-se somente a grupos ligados a um íon metálico. Os 
ligantes podem ser: 
Monodentado um átomo doador por ligante 
Bidentado 
dois átomos doadores por ligante 
Tridentado três átomos doadores por ligante 
Multidentado muitos átomos doadores por ligante 
Ligante quelato: um ligante com ligações ao mesmo centro metálico com 
mais de um átomo doador
Ligantes monodentados neutros e aniônicos 
Quando um ligante se encontra ligado ao átomo central através de um 
único átomo doador. 
amônia 
 
 
C O monóxido de 
carbono 
CN-cianeto 
 
C N  
Ph 
fenil 
 
 
NH3 
H2O 
água 
PPh3 
fosfina 
  
P 
NO-nitroso 
 
N O  
isocianato NCS - 
 
S C N   
N C S 
 tiocianato SCN-OH 
O H - 
hidróxido 
haleto X hidreto H
Ligantes bidentados 
 quando um ligante se encontra ligado ao átomo central através de 
dois átomos doadores. 
1,2-diaminoetano = 
etilenodiamina = en 
2,2'-bipiridina 
bpy 
H2N NH2   
  
N N 
  
  
1,2-difenilfosfinaetano 
dppe 
Ph2P PPh2   
  
N N 
  
  
1,10-fenantrolina 
phen 
acetato = ac- 
H3C 
O 
O 
- 
O O 
- 
O O 
oxalato = ox2-
Ligantes tridentados 
 quando um ligante se encontra ligado ao átomo central através de 
três átomos doadores. 
dietilenotriamina: dien H2N NH NH2 
      
Ligantes tetradentados: 4 átomos doadores 
N 
NH 
N HN 
porfinpiridina 
N 
NH 
N HN 
N 
N 
N 
N 
NH2 
ftalocianamida 
NH2 
N 
NH2 
tris(2-aminoetil)amina 
tren
Ligantes multidentados 
tetraânion do ácido etilenodiaminatetraacético: EDTA 
- N N 
- 
O 
O 
- 
O 
- 
O 
O O 
O 
O O 
Hexadentado 
O 
O N 
M 
O N 
O 
O 
O 
O 
[Co(EDTA)]-
Os ligantes que estão diretamente ligados ao átomo ou íon central 
formam um complexo de esfera interna. 
No entanto, os íons complexos podem associar-se 
eletrostaticamente a ligantes aniônicos, sem o deslocamento dos 
ligantes já presentes. O produto desta associação é chamado de 
complexo de esfera externa ou par iônico. 
Os complexos nos quais um metal se encontra lliiggaaddoo aa uumm úúnniiccoo 
tipo de grupo doador (ligante) são conhecidos como complexos 
homolépticos. Ex.: [Co(NH3)6]+3 
Os complexos nos quais um metal se encontra ligado a mais de um 
tipo de ligante são conhecidos como complexos heterolépticos. Ex.: 
[Co(NH3)4Cl2]+
número de coordenação = o número de ligantes que envolvem o átomo do 
metal. 
Por exemplo: no complexo 
[Co(NH3)6]Cl3, o número de 
NH3 
  
3+ 
Número de Coordenação 
coordenação é 6, pois existem 6 
moléculas de amônia ligadas ao íon 
cobalto(III). 
Os ligantes representados fora dos 
colchetes (Cl-) não fazem parte do 
número de coordenação. 
H3N 
CCoo 
NH3 
NH3 
H3N 
NH3 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
3 Cl-
Número de Coordenação (NC) e Geometria 
princípio da eletroneutralidade 
tamanho dos ligante 
configuração mais estável dos orbitais d 
Nos compostos de coordenação, os elementos de transição 
podem exibir NC que variam de 2 a 12. No entanto, os mais 
comuns são 4, 5 e 6.
Número de coordenação 2 
Os complexos com NC=2 são lineares e praticamente se restringem 
aos cátions: Cu+, Ag+, Au+ e Hg+2, todos com configuração d10. 
Ex.: [CuCl2]-; [Ag(NH3)2]+; [AuCl2]- e HgCl2. 
[Au(CN)2]- 
180º 
[AgCl2]- 
180º 
[CuCl2]- 
180o
Número de coordenação 3 
a coordenação tripla é rara entre os complexos metálicos. Aparece 
normalmente em complexos com ligantes volumosos, como o amideto 
[N(Si(CH3)3)2]-. Estes complexos exibem geometria trigonal planar. 
Ex.: M{[N(Si(CH3)3)2]-}3, M= Fe, Cr 
CN 
CN 
[HgI3]- 
120o 
[Cu(CN)2]- Cu 
C 
N 
Cu 
CN 
C 
N 
Cu 
C 
N 
Cu 
CN 
C 
N 
n
Número de coordenação 4 
Este tipo de coordenação é encontrada em um grande número de 
compostos e podem apresentar geometria tetraédrica ou quadrática. 
Os complexos com geometria tetraédrica ocorrem com metais que não 
possuam configuração d8 (ou s1d7). Os complexos quadráticos são 
característicos dos metais de transição com configuração d8. 
Geometria tetraédrica 
Geometria quadrado planar 
109o 
90o 
[PtCl4]2- 
[AuBr4]- 
[Co(CN)4]2- 
 átomo central for pequeno e os 
ligantes forem grandes (tais como Cl-, 
Br- e I-) ou oxoânions. 
[CoCl4]2- 
[MnO4]- 
[NiCl4]2- 
TiCl4 
[CuCl4]2- 
[Zn(NH3)4]2+
Cisplatina [PtCl2(NH3)2] 
Pt(II) quadrado planar 
Número de coordenação 4 
cis-isômero 
primeiro de uma série de compostos de 
coordenação de platina usados como drogas anti-câncer 
: (Platinol-AQ) 
 tratamento de câncer por quimioterapia: são utilizados complexos 
cis de Pt por conseguirem se ligar ao DNA e ter efeito terapêutico.
Número de coordenação 5 
 A geometria de complexos penta-coordenados se situa entre bipirâmide 
trigonal e pirâmide quadrada. 
Pirâmide quadrada 
90o 
Bipirâmide trigonal 
90o 
120o 
axial 
equatorial 
 A conversão entre isômeros com conformação de bipirâmide trigonal faz 
com que um par de ligantes em posição equatorial passe a ocupar posições 
axiais e vice-versa: Pseudorrotação de Berry
Número de coordenação 5 
 A diferença de energia entre as duas formas (bipirâmide trigonal e pirâmide 
quadrada) é tão pequena, que o [Ni(CN)5]3- existe com as duas simetrias no 
mesmo cristal. 
É comum a existência de formas intermediárias.
Número de coordenação 6 
são numerosos entre os complexos. Sua geometria é octaédrica, mas 
algumas vezes apresenta-se distorcida. É o arranjo mais comum para 
metais com configuração d0-d9. Ex.: [Cr(NH3)6]+3 (d3); Mo(CO)6 (d6); 
[Fe(CN)6]-3 (d5) 
Geometria octaédrica 
Geometrica trigonal prismática 
Sc(OH2)6]3+ 
[Cr(NH3)6] 
3+ 
do metais 
WMe6 
[Mo(CO)6] 
[Fe(CN)6]4-
Número de coordenação 6
Exemplos de Complexos de metais de transição 
Rubi; Corundum 
Al2O3 com impurezas de Cr3+ 
Safira; Corundum 
Al2O3 com impurezas de 
Fe2+ e Ti4+ 
Centro metálico octaédrico 
Número de coordenação 6 
Esmeralda; Beryl 
AlSiO3 contendo Be com impurezas de Cr3+
Hemoglobina 
O2 
N 
N 
N 
N 
OH2C 
Fe 
N R 
OH2C 
Carrega o oxigênio no sangue 
Complexo de metal de transição Fe-Profirina 
Íon Fe(II) coordenação octaédrica 
Número de coordenação 6
Número de coordenação 7 
Octaédro mono-encapuzado 
[WBr3(CO)4)]- 
(distorcido) 
Bipirâmidal pentagonal 
D5h 
[ZrF7]3- 
Prisma trigonal tetragonal/e 
encapuzado 
[TaF7]2- 
comum em metais d mais pesados com altos nox
Número de coordenação 8 
antiprisma quadrado Na3[Mo(CN)8] 
Dodecaédro 
(nBu4N)3[Mo(CN)8] 
Número de coordenação 9 
Prisma trigonal tri-encapuzado 
[ReH9]2-
COMPLEXOS POLIMETÁLICOS 
São complexos que contém mais de um átomo metálico. Em alguns 
casos, os átomos metálicos são unidos através de ligantes em ponte; em 
outros, há ligação direta metal-metal; e ainda em outros ocorrem ambos 
os tipos de ligação. 
O termos “cluster metálico” é reservado aos complexos com ligação 
direta metal-metal. Quando nenhuma ligação metal-metal está presente, 
os complexos polimetálicos são conhecidos como “complexos gaiola”.
COMPLEXOS QUELATOS E COM LIGANTES EM PONTE 
Os ligantes polidentados podem produzir um “quelato” (termo grego para garra), 
um complexo no qual um ligante forma um anel que inclui o átomo metálico. Um 
exemplo é o ligante bidentado etilenodiamino, que forma um anel de cinco 
membros quando ambos os átomos de N se prendem ao mesmo átomo 
metálico. 
Efeito quelato: complexos com ligantes quelantes possuem maiores 
constantes de estabilidade que seus análogos que não contenham este tipo 
de ligante. O principal fator responsável pelo aumento na estabilidade é a 
entropia do sistema.
A hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio no sangue, é também 
uma espécie que contém anéis quelatos, em que o ligante polidentado é um 
derivado da molécula da porfirina. 
O grau de tensão de um ligante quelante frequentemente é expresso em termos 
do “ângulo de mordida”, o ângulo L-M-L no anel quelato. 
Os ligantes quelantes são usados como sequestradores de íons metálicos na 
indústria têxtil e de alimentos e também no tratamento de envenenamentos por 
metais pesados. Ex.: EDTA
Ligantes em ponte: faz a conexão entre dois átomos metálicos. Em 
geral, são ligantes monodentados que possuem esta função como os 
cloretos e hidretos. 
Au 
Cl Cl 
Cl 
Cl 
Au 
Cl Cl 
Ligantes ambidentados: são ligantes com átomos doadores 
diferentes. Por exemplo, o íon tiocianato NCS- pode se ligar a um 
átomo metálico pelo N, para dar complexos isotiocianatos, ou pelo S, 
para dar complexos tiocianatos.
Praticando um pouco
Representação e nomenclatura 
Nomenclatura segundo norma da IUPAC 
 Composto de coordenação apresenta, normalmente um metal de 
transição ao qual se coordenam ligantes, que podem ser iguais ou 
diferentes. 
Complexo pode ser uma espécie neutra ou um íon (cátion ou ânion). 
Fórmula química do complexo colocada entre colchetes 
[[CCoo((NNHH3)6]]CCll3
Representação e nomenclatura 
 Dentro dos colchetes escreve-se o símbolo do metal (átomo central) 
e depois os seus ligantes na seguinte ordem: 
1º. ligantes negativos (aniônicos) 
2º. ligantes neutros (moléculas) 
[CoCl2(NH3)4]+: ligante cloreto (negativo) foi escrito antes do ligante 
amônia (neutro). 
Ligantes positivos (catiônicos) são muito raros, mas, caso exista, deverá 
ser escrito por último, após os demais ligantes.
Nomenclatura 
Ligantes Neutros 
Quando espécies químicas se encontram como ligantes de compostos de 
coordenação, estes ligantes geralmente recebemnomes especiais. 
Espécie Nome da espécie Nome do ligante 
H2O água aqua 
NHNH3 amônio amin ou amino 
3 CO monóxido de carbono carbonil 
NO monóxido de nitrogênio nitrosil 
O2 oxigênio dioxigênio 
N2 nitrogênio dinitrogênio 
H2 hidrogênio hidro
Nomenclatura 
Ligantes Aniônicos 
 Quando estes íons funcionam como ligantes, a terminação ETO é 
substituída por O 
Espécie Nome da espécie Nome do ligante 
F- fluoreto fluoro 
Cl- cloreto cloro 
Br- brometo bromo 
I- iodeto iodo 
CN- cianeto ciano
Nomenclatura 
Outros ligantes aniônicos 
Espécie 
Nome da espécie Nome do ligante 
H- hidreto hidrido 
OH- hidróxido hidroxo 
O- 2 
óxido ooxxoo 
2- peróxido peroxo 
O2 
- amideto amido 
NH2 
N3- nitreto nitreto 
N- 3 
azido azido 
NH2- imido imido
Nomenclatura 
Oxiânions 
Espécie Nome da espécie Nome do ligante 
- sulfato sulfato 
SO4 
CH3COO- acetato acetato 
- acetilacetonato acetilacetonato 
CH3COCHCOCH3 
2- oxalato oxalato ou oxalo 
C2O4
Nomenclatura 
Ligantes Ambidentados 
 Estes íons são assim chamados porque podem se ligar ao metal de duas 
maneiras, através de átomos diferentes. 
Espécie Nome da espécie Ligante Nome do ligante 
SCN- tiocianato -- SSCCNN-- ttiioocciiaannaattoo 
SCN- tiocianato - NCS- isotiocianato 
- nitrito - ONO- nitrito 
NO2 
- nitrito - NO2 
NO2 
- nitro
Ligantes catiônicos 
Espécie Nome da espécie Nome do ligante 
+ amônio amônio 
+ hidrazínio hidrazínio 
Outros ligantes 
NH4 
H3NNH2 
Espécie Nome da espécie Nome do ligante 
P(C6H5)3 trifenilfosfina trifenilfosfina (PPh3)* 
NH2CH2CH2NH2 etilenodiamina etilenodiamina (en) 
C5H5N piridina piridina (Py)
Nomenclatura de complexos catiônicos e neutros 
 inicia-se pelo contra íon (espécie representada fora dos colchetes), se 
houver. 
 depois se escreve os nomes dos ligantes, em ordem alfabética: o nome 
deve ser inteiro, sem separação por espaços ou hífens. 
 quando existirem vários ligantes iguais, usa-se o prefixo di, tri, tetra, penta, 
hexa etc. 
 por último coloca-se o nome do metal (átomo central), seguido pelo seu 
estado de oxidação, em algarismos romanos e entre parênteses. 
 em complexos catiônicos, é freqüente o uso da palavra ÍON no começo do 
nome. Exemplo: íon tetraminodiclorocobalto(III), porém pode ser omitido.
Nomenclatura de complexos catiônicos e neutros 
 Para determinar o número de oxidação do metal basta somar as cargas 
internas (ligantes dentro dos colchetes), considerando que os ligantes 
neutros (moléculas), têm nº de oxidação = zero. 
[CoCl2(NH3)4]+ = tetramindiclorocobalto(III) 
Nox do cobalto: Co + 2 Cl- + 4 NH3 = +1; Co -2 + 0 = +1; Co = +3 
[Co(NO2)(NH3)5](NO3)2 = nitrato de pentaminnitrocobalto(III) 
Nox do cobalto: Co + NO2 
- + 5 NH3 = +2; Co -1 + 0 = +2; Co = +3 
[Ni(CO)4] = tetracarbonilníquel(0) 
Nox do níquel: Ni + 4 CO = 0; Ni + 0 = 0; Ni = 0
Nomenclatura de complexos aniônicos 
 A nomenclatura dos complexos aniônicos é feita da mesma forma, sendo 
o metal acrescido da terminação ATO. 
[Ni(CN)4]2- = tetracianoniquelato(II) 
Nox do níquel: Ni + 4 CN- = - 2; Ni - 4 = - 2; Ni = +2 
[Fe(CN) 6]3- = hexacianoferrato(III) 
Nox do ferro: Fe + 6 CN- = - 3; Fe - 6 = - 3; Fe = +3 
Complexo neutro: 
[Pt(Py)4][PtCl4] = tetracloroplatinato(II) de tetrapiridinoplatina(II) 
Nox da platina: 2 Pt + 4 Py + 4 Cl- = 0 2 Pt + 0 - 4 = 0 Pt = +2
Metal ome do metal no complexo aniónico 
Alumínio Aluminato 
Cobalto Cobaltato 
Cobre Cuprato 
Crómio Cromato 
Chumbo Plumbato 
Estanho Estanato 
FFeerrrroo FFeerrrraattoo 
Manganês Manganato 
Molibdénio Molibdato 
Níquel Niquelato 
Ouro Aurato 
Prata Argentato 
Tungsténio Tungstato 
Zinco Zincato
Nomenclatura de complexos com ligantes em ponte 
 complexos com ligantes em ponte: normalmente usa-se a letra grega μ 
(mi) para indicar um ligante em ponte. 
 quando esse ligante (L) está ligado a partes iguais (M - L - M), usa-se 
prefixos como bis, tris, tetraquis etc para indicar o número de partes 
iguais existentes. 
NH2 
(en) Co(en)2 2Co (SO4)2 
OH 
sulfato de μ-amido-μ-hidroxo-bis[etilenodiaminacobalto(III)] 
Nox do Co: 2 Co + 2 en + NH2 
- + OH- = + 4; 2 Co + 0 -1 -1 =+ 4; Co = +3
Nomenclatura segundo norma da IUPAC 
Prefixo (nº de 
ligantes) + Nome do 
ligante + Nome do metal (+ 
terminação) 
nº de oxidação do 
metal + 
Nomenclatura - Resumo 
Ordem no nome: nomeia-se os ligantes em ordem alfabética independentemente 
da carga. 
Ordem na fórmula: metal + ligantes: 1º. aniônico, 2º neutro. Prefixos: bi, tri, tetra, 
penta, hexa. 
Terminação: Para complexos neutros ou catiônicos= nome do metal inalterado. 
Para complexos aniônicos = adiciona –se ao nome do metal a terminação ato. 
Número de oxidação do metal = é indicado em algarismos romano
Nomenclatura - Resumo 
Nomes usuais 
Nome do ligante: alguns recebem nomes especiais: NH = amin; Cl- = cloro; H O = 
3 2aqua; F- = fluoro; CN- = ciano; CO = carbonil; NO = nitrosil. 
[Co(en)3]3+ = tris(etilenodiamina)cobalto(III) 
bis, tris, tetrakis, hexakis (para indicar o número de partes iguais existentes no 
complexo).
Nomenclatura - Exemplos 
OH 
OH 
OH 
Co(NH3)3 (NH3)3Co 
3+ 
μ-trihidroxo-bis[triaminocobalto(III)] 
Nox do Co: 2 Co + 6 NH3 + 3 OH- = + 3; 2 Co + 0 - 3 =+ 3; Co = + 3 
NH2 
(NH Fe(CN)2(CO)2 3)4Co Cl2 
O 
cloreto de μ -amido-μ-oxodicarbonildicianoferrato(III)tetraminocobalto(III)
Nomenclatura - Exemplos 
[Cd(SCN)4] 2+ = Tetratiocianatocádmio(II) 
[Zn(NCS)4] 2+ = Tetraisotiocianatozinco(II) 
[(NH3 )5 Cr -OH- Cr(NH3 )5 ] Cl5 
= Cloreto de μ-hidroxo-bis[pentaminocromo(III) 
NH4 [Co(SO3)2(NH3)4] = Tetraaminodissulfitocobaltato(III) de amônio 
Cis - [PtCl2(Et3P)2] = Cis-diclorodi(trietilfosfino)platina (II)
Nomenclatura - Exemplos 
[Co(H2O)6]2+ = hexaaquacobalto(III) 
[CoCl4]2- = tetraclorocobaltato(II) 
[Ni(CO)4] = tetracarbonilníquel(0) 
[Ag(NH3)2]+ = diaminprata(I) 
[Al(OH) ]- = tetrahidroxialuminato(III) 
4[Co(ONO)(NH3)5]2+ = pentaaminnitritocobalto(III) ONO- = nitrito 
NCS- =isotiocianato e SCN- = tiocianato 
NO2- = nitro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Analise conformacional
Analise conformacionalAnalise conformacional
Analise conformacional
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestradoAula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
Juno Dio
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
Profª Alda Ernestina
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
paramore146
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
Augusto Sérgio Costa Souza
 
Química analítica qualitativa p1
Química analítica qualitativa   p1Química analítica qualitativa   p1
Química analítica qualitativa p1
Danielle Cruz
 
Teste chama 2014
Teste chama 2014Teste chama 2014
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
José Nunes da Silva Jr.
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
Léo Morais
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
Ezequias Guimaraes
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
Joyce Fagundes
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
Adrianne Mendonça
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redoxAula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redox
Janaina Leitinho
 
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Carlos Alberto Santos
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e NomenclaturaGrupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
José Nunes da Silva Jr.
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Analise conformacional
Analise conformacionalAnalise conformacional
Analise conformacional
 
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestradoAula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Química analítica qualitativa p1
Química analítica qualitativa   p1Química analítica qualitativa   p1
Química analítica qualitativa p1
 
Teste chama 2014
Teste chama 2014Teste chama 2014
Teste chama 2014
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
 
Aula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redoxAula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redox
 
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e NomenclaturaGrupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
Grupos Funcionais - Estrutura e Nomenclatura
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 

Semelhante a Complexos aula 1 (1)

Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
João Paulo Costa
 
Complexo ayala introcomplex
Complexo ayala introcomplexComplexo ayala introcomplex
Complexo ayala introcomplex
aleciam18
 
Compostos de Coordenação
 Compostos de Coordenação Compostos de Coordenação
Compostos de Coordenação
l t
 
Aula16
Aula16Aula16
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_dAula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
Benedito Roberto de Alvarenga Junior
 
Equilíbrio e Titulometria de Complexação.pdf
Equilíbrio e Titulometria de Complexação.pdfEquilíbrio e Titulometria de Complexação.pdf
Equilíbrio e Titulometria de Complexação.pdf
wbsp1996
 
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASQUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
Portal NE10
 
Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
Estruturas de Lewis
Estruturas de LewisEstruturas de Lewis
Estruturas de Lewis
Carlos Eduardo
 
Estruturas de Lewis
Estruturas de LewisEstruturas de Lewis
Estruturas de Lewis
Carlos Eduardo
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
Nathan Felix Raposo
 
125
125125
127
127127
Ligações química
Ligações químicaLigações química
Ligações química
Hugo Cruz Rangel
 
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa   j.d. leeQuímica inorgânica não tão concisa   j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
Rê Magna
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
Nai Mariano
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Cybele Sobrenome
 
geometria e isomeria.pdf
geometria e isomeria.pdfgeometria e isomeria.pdf
geometria e isomeria.pdf
Tamara tavares
 
Pré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POPPré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POP
Rodrigo Oliveira
 
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdfUFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
silvvaluizz
 

Semelhante a Complexos aula 1 (1) (20)

Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 
Complexo ayala introcomplex
Complexo ayala introcomplexComplexo ayala introcomplex
Complexo ayala introcomplex
 
Compostos de Coordenação
 Compostos de Coordenação Compostos de Coordenação
Compostos de Coordenação
 
Aula16
Aula16Aula16
Aula16
 
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_dAula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
Aula 6 __a_qu_mica_dos_organomet_licos_do_bloco_d
 
Equilíbrio e Titulometria de Complexação.pdf
Equilíbrio e Titulometria de Complexação.pdfEquilíbrio e Titulometria de Complexação.pdf
Equilíbrio e Titulometria de Complexação.pdf
 
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASQUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
 
Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013
 
Estruturas de Lewis
Estruturas de LewisEstruturas de Lewis
Estruturas de Lewis
 
Estruturas de Lewis
Estruturas de LewisEstruturas de Lewis
Estruturas de Lewis
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
125
125125
125
 
127
127127
127
 
Ligações química
Ligações químicaLigações química
Ligações química
 
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa   j.d. leeQuímica inorgânica não tão concisa   j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
 
geometria e isomeria.pdf
geometria e isomeria.pdfgeometria e isomeria.pdf
geometria e isomeria.pdf
 
Pré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POPPré-prova dos mais bagual Química POP
Pré-prova dos mais bagual Química POP
 
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdfUFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
 

Mais de imperador Bruno Lafaeti

Catálise 1 introdução
Catálise   1 introduçãoCatálise   1 introdução
Catálise 1 introdução
imperador Bruno Lafaeti
 
quântica computacional
quântica computacionalquântica computacional
quântica computacional
imperador Bruno Lafaeti
 
Geometria plana mestre_miyagi_editora_xyz
Geometria plana mestre_miyagi_editora_xyzGeometria plana mestre_miyagi_editora_xyz
Geometria plana mestre_miyagi_editora_xyz
imperador Bruno Lafaeti
 
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq351662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
imperador Bruno Lafaeti
 
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq351662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
imperador Bruno Lafaeti
 
Química fis-qui - ii - simulada - 10-1
Química   fis-qui - ii - simulada - 10-1Química   fis-qui - ii - simulada - 10-1
Química fis-qui - ii - simulada - 10-1
imperador Bruno Lafaeti
 

Mais de imperador Bruno Lafaeti (6)

Catálise 1 introdução
Catálise   1 introduçãoCatálise   1 introdução
Catálise 1 introdução
 
quântica computacional
quântica computacionalquântica computacional
quântica computacional
 
Geometria plana mestre_miyagi_editora_xyz
Geometria plana mestre_miyagi_editora_xyzGeometria plana mestre_miyagi_editora_xyz
Geometria plana mestre_miyagi_editora_xyz
 
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq351662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
 
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq351662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
51662608 eletrodos-de-1ª-2ª-3ª-classe-fq3
 
Química fis-qui - ii - simulada - 10-1
Química   fis-qui - ii - simulada - 10-1Química   fis-qui - ii - simulada - 10-1
Química fis-qui - ii - simulada - 10-1
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 

Complexos aula 1 (1)

  • 1. QQuuíímmiiccaa ddooss CCoommppoossttooss ddddeeee CCCCoooooooorrrrddddeeeennnnaaaaççççããããoooo
  • 2. O que é um composto de coordenação? Compostos formados por um íon metálico de transição (na maioria dos casos) envolvido por átomos, moléculas ou grupos de átomos (ligantes). Para que um ligante possa participar de um complexo é fundamental que o mesmo contenha pares eletrônicos disponíveis para carga do complexo efetuar ligações coordenadas. Um complexo pode ser catiônico, aniônico ou neutro. Neutros: [Ni(CO)4] Iônicos: [Fe(CN)6]K4, [Cu(H2O)4]SO4 X+/- n n+/- ligantes íon metálico contraíon
  • 3. Metais de Transição “um elemento com elétrons de valência d- ou f-” um metal do bloco d ou do bloco f bloco d: elementos de transição elementos transição interna: bloco f
  • 4. Distribuição eletrônica nos átomos dos metais de transição Sc Ti V Cr 3d 4s 4p [Ar]3d14s2 [Ar]3d24s2 [Ar]3d34s2 [Ar]3d54s1 Mn Fe Co Ni Cu Zn 3d 4s [Ar]3d54s2 [Ar]3d64s2 [Ar]3d74s2 [Ar]3d84s2 [Ar]3d104s1 [Ar]3d104s2
  • 5. Números de elétrons d [Ar]3d54s2 [Ar]3d104s1 1º. Quantos elétrons estão contidos nos metais d? - Contagem na tabela períódica Mn = 7 elétrons Cu = 11 elétrons 2º. Quantos elétrons foram perdidos? - estado de oxidação Mn (VII) = 7 elétrons perdidos Cu(II) = 2 elétrons perdidos 3º. Quantos elétrons sobram? - subtração Mn (VII) = 7-7 = zero elétrons d = d0 Cu(II) = 11-2 = 9 elétrons d = d9 RReeggrraa: Os elétrons s são os primeiros a serem perdidos elétrons de valência em um metal de transição = elétrons d
  • 6. Exercício: Quantos elétrons d tem o metal? complexo Nox de L Nox do M nº elétrons d [Cr2O7]2- - 2 +6 d0 [[MMnnOO4]]-- -- 22 ++77 dd00 [Ag(NH3)2]+ 0 +1 d10 [Ti(H2O)6]3+ 0 +3 d1 [Co(en)3]3+ 0 +3 d6 [PtCl2(NH3)2] - 1, 0 +2 d8 [V(CN)6]4- - 1 +2 d3 [Fe(ox)3]3- - 2 +3 d5 NHH 2 2N O O -O O-ox en = =
  • 7. Ligação Coordenada Cada ligante doa um par de elétrons para a ligação com o centro metálico: H N H H + F B F F F F B F H N H F F B F H N H H H NH3 BF3 H3N _ BF3 = ligação coordenada ou dativa L L L L L L
  • 8. Sidwick 1927 - modelo de ligação Exemplo: [Co(NH3)6]3+ “base de Lewis NH3 3+ 6 + Co3+ H N H H H3N “ácido de Lewis NH3 NH3 H3N NH3
  • 9. Complexos ou Compostos de Coordenação Ácido de Lewis + 1 ou mais bases de Lewis = ccoommpplleexxoo ácido de Lewis = átomo ou íon central (receptor de pares de elétrons) bbaasseess ddee LLeewwiiss == lliiggaanntteess oouu moléculas neutras ou íons negativos agentes complexantes (doadores de pares de elétrons) H2O, NH3, CO Cl-, OH-, CN-
  • 10. Alfred Werner Teoria de Werner (1893) Prêmio Nobel 1913 reação entre cloreto de cobalto(III) e amônia = compostos de diferentes cores e comportamento diferente frente a íons Ag+. + Ag+ = 3 mols AgCl + Ag+ = 2 mols AgCl + Ag+ = 1 mol AgCl + Ag+ = 0 mol AgCl CoCl3.6NH3 amarelo CoCl3.5NH3 púrpura CoCl3.4NH3 verde CoCl3.3NH3
  • 11. Teoria de Werner (1893) 1. O metal está em um estado de oxidação particular (valência primária) 2. O composto tem um número de coordenação (valência secundária). 3. Os ligantes estão coordenados ao metal via uma ligação que parece com uma ligação covalente. [Co(NH3)6]Cl3 3+ [Co(NH3)5Cl]Cl2 2+ [Co(NH3)4Cl2]Cl + [Co(NH3)3Cl3] 3 moles AgCl 2 moles AgCl 1 mol AgCl 0 mol AgCl
  • 12. Fórmula Empírica Medidas de condutividade Condutividade (C = 0,001 mol/L) Formulação de Werner Não Eletrólitos PtCl4.2NH3 3,52 [Pt(NH3)2Cl4] (trans) PtCl4.2NH3 6,99 [Pt(NH3)2Cl4] (cis) Eletrólitos 1:1 NaCl 123,7 ------- PtCl4.3NH3 96,8 [Pt(NH3)3Cl3]Cl PtCl4.NH3.KCl 106,8 K[Pt(NH3)Cl5] Eletrólitos 1:2 ou 2:1 CaCl2 260,8 ------- CoCl3.5NH3 261,3 [Co(NH3)5Cl]Cl2 CoBr3.5NH3 257,6 [Co(NH3)5Br]Br2 CrCl3.5NH3 260,2 [Cr(NH3)5Cl]Cl2 PtCl4.4NH3 228,9 [Pt(NH3)4Cl2]Cl2 PtCl4.2KCl 256,8 K2[PtCl6] Eletrólitos 1:3 ou 3:1 LaCl3 393,5 ------- CoCl3.6NH3 431,6 [Co(NH3)6]Cl3 CrCl3.6NH3 441,7 [Cr(NH3)6]Cl3 PtCl4.5NH3 404,0 [Pt(NH3)5Cl]Cl3
  • 13. Teoria de Werner Explicação para a ligação nos complexos baseada nos ensaios: Medidas de condutividade [Cr(H2O)6]3+ 3Cl- [Cr(H2O)5Cl]2+ 2Cl- [Cr(H2O)4Cl2]+ Cl- Existência de 2 tipos de valência: 1) valência primária (dissociável) 2) valência secundária (não dissociável) Ligações iônicas cátion complexo – ânion Ligação coordenativa ligante – átomo ou íon metálico
  • 14. O que é interessante sobre os complexos de atividade biológica aplicações médicas estados de oxidação metais de transição?? número de cor geometria coordenação comportamento magnético
  • 15. Tipos de ligantes Os ligantes podem apresentar mais de um átomo com elétrons disponíveis para formar ligações coordenadas. O termo ligante aplica-se somente a grupos ligados a um íon metálico. Os ligantes podem ser: Monodentado um átomo doador por ligante Bidentado dois átomos doadores por ligante Tridentado três átomos doadores por ligante Multidentado muitos átomos doadores por ligante Ligante quelato: um ligante com ligações ao mesmo centro metálico com mais de um átomo doador
  • 16. Ligantes monodentados neutros e aniônicos Quando um ligante se encontra ligado ao átomo central através de um único átomo doador. amônia C O monóxido de carbono CN-cianeto C N Ph fenil NH3 H2O água PPh3 fosfina P NO-nitroso N O isocianato NCS - S C N N C S tiocianato SCN-OH O H - hidróxido haleto X hidreto H
  • 17. Ligantes bidentados quando um ligante se encontra ligado ao átomo central através de dois átomos doadores. 1,2-diaminoetano = etilenodiamina = en 2,2'-bipiridina bpy H2N NH2 N N 1,2-difenilfosfinaetano dppe Ph2P PPh2 N N 1,10-fenantrolina phen acetato = ac- H3C O O - O O - O O oxalato = ox2-
  • 18. Ligantes tridentados quando um ligante se encontra ligado ao átomo central através de três átomos doadores. dietilenotriamina: dien H2N NH NH2 Ligantes tetradentados: 4 átomos doadores N NH N HN porfinpiridina N NH N HN N N N N NH2 ftalocianamida NH2 N NH2 tris(2-aminoetil)amina tren
  • 19. Ligantes multidentados tetraânion do ácido etilenodiaminatetraacético: EDTA - N N - O O - O - O O O O O O Hexadentado O O N M O N O O O O [Co(EDTA)]-
  • 20. Os ligantes que estão diretamente ligados ao átomo ou íon central formam um complexo de esfera interna. No entanto, os íons complexos podem associar-se eletrostaticamente a ligantes aniônicos, sem o deslocamento dos ligantes já presentes. O produto desta associação é chamado de complexo de esfera externa ou par iônico. Os complexos nos quais um metal se encontra lliiggaaddoo aa uumm úúnniiccoo tipo de grupo doador (ligante) são conhecidos como complexos homolépticos. Ex.: [Co(NH3)6]+3 Os complexos nos quais um metal se encontra ligado a mais de um tipo de ligante são conhecidos como complexos heterolépticos. Ex.: [Co(NH3)4Cl2]+
  • 21. número de coordenação = o número de ligantes que envolvem o átomo do metal. Por exemplo: no complexo [Co(NH3)6]Cl3, o número de NH3 3+ Número de Coordenação coordenação é 6, pois existem 6 moléculas de amônia ligadas ao íon cobalto(III). Os ligantes representados fora dos colchetes (Cl-) não fazem parte do número de coordenação. H3N CCoo NH3 NH3 H3N NH3 3 Cl-
  • 22. Número de Coordenação (NC) e Geometria princípio da eletroneutralidade tamanho dos ligante configuração mais estável dos orbitais d Nos compostos de coordenação, os elementos de transição podem exibir NC que variam de 2 a 12. No entanto, os mais comuns são 4, 5 e 6.
  • 23. Número de coordenação 2 Os complexos com NC=2 são lineares e praticamente se restringem aos cátions: Cu+, Ag+, Au+ e Hg+2, todos com configuração d10. Ex.: [CuCl2]-; [Ag(NH3)2]+; [AuCl2]- e HgCl2. [Au(CN)2]- 180º [AgCl2]- 180º [CuCl2]- 180o
  • 24. Número de coordenação 3 a coordenação tripla é rara entre os complexos metálicos. Aparece normalmente em complexos com ligantes volumosos, como o amideto [N(Si(CH3)3)2]-. Estes complexos exibem geometria trigonal planar. Ex.: M{[N(Si(CH3)3)2]-}3, M= Fe, Cr CN CN [HgI3]- 120o [Cu(CN)2]- Cu C N Cu CN C N Cu C N Cu CN C N n
  • 25. Número de coordenação 4 Este tipo de coordenação é encontrada em um grande número de compostos e podem apresentar geometria tetraédrica ou quadrática. Os complexos com geometria tetraédrica ocorrem com metais que não possuam configuração d8 (ou s1d7). Os complexos quadráticos são característicos dos metais de transição com configuração d8. Geometria tetraédrica Geometria quadrado planar 109o 90o [PtCl4]2- [AuBr4]- [Co(CN)4]2- átomo central for pequeno e os ligantes forem grandes (tais como Cl-, Br- e I-) ou oxoânions. [CoCl4]2- [MnO4]- [NiCl4]2- TiCl4 [CuCl4]2- [Zn(NH3)4]2+
  • 26. Cisplatina [PtCl2(NH3)2] Pt(II) quadrado planar Número de coordenação 4 cis-isômero primeiro de uma série de compostos de coordenação de platina usados como drogas anti-câncer : (Platinol-AQ) tratamento de câncer por quimioterapia: são utilizados complexos cis de Pt por conseguirem se ligar ao DNA e ter efeito terapêutico.
  • 27. Número de coordenação 5 A geometria de complexos penta-coordenados se situa entre bipirâmide trigonal e pirâmide quadrada. Pirâmide quadrada 90o Bipirâmide trigonal 90o 120o axial equatorial A conversão entre isômeros com conformação de bipirâmide trigonal faz com que um par de ligantes em posição equatorial passe a ocupar posições axiais e vice-versa: Pseudorrotação de Berry
  • 28. Número de coordenação 5 A diferença de energia entre as duas formas (bipirâmide trigonal e pirâmide quadrada) é tão pequena, que o [Ni(CN)5]3- existe com as duas simetrias no mesmo cristal. É comum a existência de formas intermediárias.
  • 29. Número de coordenação 6 são numerosos entre os complexos. Sua geometria é octaédrica, mas algumas vezes apresenta-se distorcida. É o arranjo mais comum para metais com configuração d0-d9. Ex.: [Cr(NH3)6]+3 (d3); Mo(CO)6 (d6); [Fe(CN)6]-3 (d5) Geometria octaédrica Geometrica trigonal prismática Sc(OH2)6]3+ [Cr(NH3)6] 3+ do metais WMe6 [Mo(CO)6] [Fe(CN)6]4-
  • 31. Exemplos de Complexos de metais de transição Rubi; Corundum Al2O3 com impurezas de Cr3+ Safira; Corundum Al2O3 com impurezas de Fe2+ e Ti4+ Centro metálico octaédrico Número de coordenação 6 Esmeralda; Beryl AlSiO3 contendo Be com impurezas de Cr3+
  • 32. Hemoglobina O2 N N N N OH2C Fe N R OH2C Carrega o oxigênio no sangue Complexo de metal de transição Fe-Profirina Íon Fe(II) coordenação octaédrica Número de coordenação 6
  • 33. Número de coordenação 7 Octaédro mono-encapuzado [WBr3(CO)4)]- (distorcido) Bipirâmidal pentagonal D5h [ZrF7]3- Prisma trigonal tetragonal/e encapuzado [TaF7]2- comum em metais d mais pesados com altos nox
  • 34. Número de coordenação 8 antiprisma quadrado Na3[Mo(CN)8] Dodecaédro (nBu4N)3[Mo(CN)8] Número de coordenação 9 Prisma trigonal tri-encapuzado [ReH9]2-
  • 35. COMPLEXOS POLIMETÁLICOS São complexos que contém mais de um átomo metálico. Em alguns casos, os átomos metálicos são unidos através de ligantes em ponte; em outros, há ligação direta metal-metal; e ainda em outros ocorrem ambos os tipos de ligação. O termos “cluster metálico” é reservado aos complexos com ligação direta metal-metal. Quando nenhuma ligação metal-metal está presente, os complexos polimetálicos são conhecidos como “complexos gaiola”.
  • 36. COMPLEXOS QUELATOS E COM LIGANTES EM PONTE Os ligantes polidentados podem produzir um “quelato” (termo grego para garra), um complexo no qual um ligante forma um anel que inclui o átomo metálico. Um exemplo é o ligante bidentado etilenodiamino, que forma um anel de cinco membros quando ambos os átomos de N se prendem ao mesmo átomo metálico. Efeito quelato: complexos com ligantes quelantes possuem maiores constantes de estabilidade que seus análogos que não contenham este tipo de ligante. O principal fator responsável pelo aumento na estabilidade é a entropia do sistema.
  • 37. A hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio no sangue, é também uma espécie que contém anéis quelatos, em que o ligante polidentado é um derivado da molécula da porfirina. O grau de tensão de um ligante quelante frequentemente é expresso em termos do “ângulo de mordida”, o ângulo L-M-L no anel quelato. Os ligantes quelantes são usados como sequestradores de íons metálicos na indústria têxtil e de alimentos e também no tratamento de envenenamentos por metais pesados. Ex.: EDTA
  • 38. Ligantes em ponte: faz a conexão entre dois átomos metálicos. Em geral, são ligantes monodentados que possuem esta função como os cloretos e hidretos. Au Cl Cl Cl Cl Au Cl Cl Ligantes ambidentados: são ligantes com átomos doadores diferentes. Por exemplo, o íon tiocianato NCS- pode se ligar a um átomo metálico pelo N, para dar complexos isotiocianatos, ou pelo S, para dar complexos tiocianatos.
  • 40. Representação e nomenclatura Nomenclatura segundo norma da IUPAC Composto de coordenação apresenta, normalmente um metal de transição ao qual se coordenam ligantes, que podem ser iguais ou diferentes. Complexo pode ser uma espécie neutra ou um íon (cátion ou ânion). Fórmula química do complexo colocada entre colchetes [[CCoo((NNHH3)6]]CCll3
  • 41. Representação e nomenclatura Dentro dos colchetes escreve-se o símbolo do metal (átomo central) e depois os seus ligantes na seguinte ordem: 1º. ligantes negativos (aniônicos) 2º. ligantes neutros (moléculas) [CoCl2(NH3)4]+: ligante cloreto (negativo) foi escrito antes do ligante amônia (neutro). Ligantes positivos (catiônicos) são muito raros, mas, caso exista, deverá ser escrito por último, após os demais ligantes.
  • 42. Nomenclatura Ligantes Neutros Quando espécies químicas se encontram como ligantes de compostos de coordenação, estes ligantes geralmente recebemnomes especiais. Espécie Nome da espécie Nome do ligante H2O água aqua NHNH3 amônio amin ou amino 3 CO monóxido de carbono carbonil NO monóxido de nitrogênio nitrosil O2 oxigênio dioxigênio N2 nitrogênio dinitrogênio H2 hidrogênio hidro
  • 43. Nomenclatura Ligantes Aniônicos Quando estes íons funcionam como ligantes, a terminação ETO é substituída por O Espécie Nome da espécie Nome do ligante F- fluoreto fluoro Cl- cloreto cloro Br- brometo bromo I- iodeto iodo CN- cianeto ciano
  • 44. Nomenclatura Outros ligantes aniônicos Espécie Nome da espécie Nome do ligante H- hidreto hidrido OH- hidróxido hidroxo O- 2 óxido ooxxoo 2- peróxido peroxo O2 - amideto amido NH2 N3- nitreto nitreto N- 3 azido azido NH2- imido imido
  • 45. Nomenclatura Oxiânions Espécie Nome da espécie Nome do ligante - sulfato sulfato SO4 CH3COO- acetato acetato - acetilacetonato acetilacetonato CH3COCHCOCH3 2- oxalato oxalato ou oxalo C2O4
  • 46. Nomenclatura Ligantes Ambidentados Estes íons são assim chamados porque podem se ligar ao metal de duas maneiras, através de átomos diferentes. Espécie Nome da espécie Ligante Nome do ligante SCN- tiocianato -- SSCCNN-- ttiioocciiaannaattoo SCN- tiocianato - NCS- isotiocianato - nitrito - ONO- nitrito NO2 - nitrito - NO2 NO2 - nitro
  • 47. Ligantes catiônicos Espécie Nome da espécie Nome do ligante + amônio amônio + hidrazínio hidrazínio Outros ligantes NH4 H3NNH2 Espécie Nome da espécie Nome do ligante P(C6H5)3 trifenilfosfina trifenilfosfina (PPh3)* NH2CH2CH2NH2 etilenodiamina etilenodiamina (en) C5H5N piridina piridina (Py)
  • 48. Nomenclatura de complexos catiônicos e neutros inicia-se pelo contra íon (espécie representada fora dos colchetes), se houver. depois se escreve os nomes dos ligantes, em ordem alfabética: o nome deve ser inteiro, sem separação por espaços ou hífens. quando existirem vários ligantes iguais, usa-se o prefixo di, tri, tetra, penta, hexa etc. por último coloca-se o nome do metal (átomo central), seguido pelo seu estado de oxidação, em algarismos romanos e entre parênteses. em complexos catiônicos, é freqüente o uso da palavra ÍON no começo do nome. Exemplo: íon tetraminodiclorocobalto(III), porém pode ser omitido.
  • 49. Nomenclatura de complexos catiônicos e neutros Para determinar o número de oxidação do metal basta somar as cargas internas (ligantes dentro dos colchetes), considerando que os ligantes neutros (moléculas), têm nº de oxidação = zero. [CoCl2(NH3)4]+ = tetramindiclorocobalto(III) Nox do cobalto: Co + 2 Cl- + 4 NH3 = +1; Co -2 + 0 = +1; Co = +3 [Co(NO2)(NH3)5](NO3)2 = nitrato de pentaminnitrocobalto(III) Nox do cobalto: Co + NO2 - + 5 NH3 = +2; Co -1 + 0 = +2; Co = +3 [Ni(CO)4] = tetracarbonilníquel(0) Nox do níquel: Ni + 4 CO = 0; Ni + 0 = 0; Ni = 0
  • 50. Nomenclatura de complexos aniônicos A nomenclatura dos complexos aniônicos é feita da mesma forma, sendo o metal acrescido da terminação ATO. [Ni(CN)4]2- = tetracianoniquelato(II) Nox do níquel: Ni + 4 CN- = - 2; Ni - 4 = - 2; Ni = +2 [Fe(CN) 6]3- = hexacianoferrato(III) Nox do ferro: Fe + 6 CN- = - 3; Fe - 6 = - 3; Fe = +3 Complexo neutro: [Pt(Py)4][PtCl4] = tetracloroplatinato(II) de tetrapiridinoplatina(II) Nox da platina: 2 Pt + 4 Py + 4 Cl- = 0 2 Pt + 0 - 4 = 0 Pt = +2
  • 51. Metal ome do metal no complexo aniónico Alumínio Aluminato Cobalto Cobaltato Cobre Cuprato Crómio Cromato Chumbo Plumbato Estanho Estanato FFeerrrroo FFeerrrraattoo Manganês Manganato Molibdénio Molibdato Níquel Niquelato Ouro Aurato Prata Argentato Tungsténio Tungstato Zinco Zincato
  • 52. Nomenclatura de complexos com ligantes em ponte complexos com ligantes em ponte: normalmente usa-se a letra grega μ (mi) para indicar um ligante em ponte. quando esse ligante (L) está ligado a partes iguais (M - L - M), usa-se prefixos como bis, tris, tetraquis etc para indicar o número de partes iguais existentes. NH2 (en) Co(en)2 2Co (SO4)2 OH sulfato de μ-amido-μ-hidroxo-bis[etilenodiaminacobalto(III)] Nox do Co: 2 Co + 2 en + NH2 - + OH- = + 4; 2 Co + 0 -1 -1 =+ 4; Co = +3
  • 53. Nomenclatura segundo norma da IUPAC Prefixo (nº de ligantes) + Nome do ligante + Nome do metal (+ terminação) nº de oxidação do metal + Nomenclatura - Resumo Ordem no nome: nomeia-se os ligantes em ordem alfabética independentemente da carga. Ordem na fórmula: metal + ligantes: 1º. aniônico, 2º neutro. Prefixos: bi, tri, tetra, penta, hexa. Terminação: Para complexos neutros ou catiônicos= nome do metal inalterado. Para complexos aniônicos = adiciona –se ao nome do metal a terminação ato. Número de oxidação do metal = é indicado em algarismos romano
  • 54. Nomenclatura - Resumo Nomes usuais Nome do ligante: alguns recebem nomes especiais: NH = amin; Cl- = cloro; H O = 3 2aqua; F- = fluoro; CN- = ciano; CO = carbonil; NO = nitrosil. [Co(en)3]3+ = tris(etilenodiamina)cobalto(III) bis, tris, tetrakis, hexakis (para indicar o número de partes iguais existentes no complexo).
  • 55. Nomenclatura - Exemplos OH OH OH Co(NH3)3 (NH3)3Co 3+ μ-trihidroxo-bis[triaminocobalto(III)] Nox do Co: 2 Co + 6 NH3 + 3 OH- = + 3; 2 Co + 0 - 3 =+ 3; Co = + 3 NH2 (NH Fe(CN)2(CO)2 3)4Co Cl2 O cloreto de μ -amido-μ-oxodicarbonildicianoferrato(III)tetraminocobalto(III)
  • 56. Nomenclatura - Exemplos [Cd(SCN)4] 2+ = Tetratiocianatocádmio(II) [Zn(NCS)4] 2+ = Tetraisotiocianatozinco(II) [(NH3 )5 Cr -OH- Cr(NH3 )5 ] Cl5 = Cloreto de μ-hidroxo-bis[pentaminocromo(III) NH4 [Co(SO3)2(NH3)4] = Tetraaminodissulfitocobaltato(III) de amônio Cis - [PtCl2(Et3P)2] = Cis-diclorodi(trietilfosfino)platina (II)
  • 57. Nomenclatura - Exemplos [Co(H2O)6]2+ = hexaaquacobalto(III) [CoCl4]2- = tetraclorocobaltato(II) [Ni(CO)4] = tetracarbonilníquel(0) [Ag(NH3)2]+ = diaminprata(I) [Al(OH) ]- = tetrahidroxialuminato(III) 4[Co(ONO)(NH3)5]2+ = pentaaminnitritocobalto(III) ONO- = nitrito NCS- =isotiocianato e SCN- = tiocianato NO2- = nitro