SlideShare uma empresa Scribd logo
Abordagem humanística da
administração e decorrências
da teoria das relações humanas
Componentes: Eder Carlos
Elder Vale
Jair Silva
Maria Emilia
Tiago Garcia
Natal, abril de 2007
Características
 Ênfase nas pessoas
 Preocupação com o homem e seu
grupo social (dos aspectos técnicos
e formais para os aspectos
psicológicos e sociológicos)
 Psicologia do trabalho: análise do
trabalho e adaptação do trabalhador
ao trabalho; e ,ainda, a adaptação
do trabalho ao trabalhador.
Origens da Teoria das Relações
Humanas
 A necessidade de se humanizar e
democratizar a Administração
 O desenvolvimento das ciências
humanas
 As idéias da filosofia pragmática de
Jonh Dewey
 As conclusões da experiência de
Hawthorme
A experiência de Hawthorne
 Primeira Fase
 Estudados dois grupos de trabalho
 Segunda Fase
 Terceira Fase
A experiência de Hawthorne
 Conclusões
 O nível de produção é resultante da
integração social
 Comportamento social dos empregados
 Recompensas e sanções sociais
 Grupos informais
 Relações humanas
 Importância do conteúdo do cargo
 Ênfase nos aspectos emocionais
A Civilização Industrializada e o
Homem
 O trabalho é uma atividade
tipicamente grupal
 O Operário não reage como
individuo isolado, mas como
membro de um grupo social
 A tarefa básica da Administração é
formar uma elite capaz de
compreender e de comunicar
A Civilização Industrializada e o
Homem
 Passamos de uma sociedade estável
para uma sociedade adaptável
 O ser humano é motivado pela
necessidade de “estar junto”, de
“ser reconhecido”
 A civilização industrializada traz
como conseqüência a desintegração
dos grupos
A Teoria das Relações Humanas
trouxe uma nova linguagem para a
Administração
 Motivação
 Liderança
 Comunicação
 Organização Informal
 Dinâmica de Grupo
Influência da Motivação Humana
 Teoria de Lewin
 Baseia-se em duas suposições
fundamentais:
 O comportamento humano é derivado da
totalidade de fatos coexistentes
 Esses fatos coexistentes constituem um
campo dinâmico, no qual cada parte do
campo depende de uma inter-relação com
as demais outras partes
Influência da Motivação Humana
 Teoria de Lewin
 C = f(P,M)
onde:
C- comportamento
f- resultado da interação
entre pessoa (P) e o meio ambiente
(M) a sua
Volta.
Influência da Motivação Humana
 Necessidades humanas básicas
 Três níveis de motivação
 Necessidades Fisiológicas
 Necessidades primárias,vitais ou vegetativas
 São inatas e instintivas
 As necessidades são:
alimentação,sono,satisfação sexual
 Necessidades Auto-Realização
 Necessidades mais elevadas
 Impulso de realizar o próprio potencial e
estar em contínuo autodesenvolvimento
Influência da Motivação Humana
 Necessidades humanas básicas
 Necessidades Psicológicas
 Secundárias e exclusivas do homem
 Adquiridas no decorrer da vida
 Principais Necessidades Psicológicas:
Segurança íntima, participação,autoconfiança
Influência da Motivação Humana
 Ciclo Motivacional
Influência da Motivação Humana
 Frustração e Compensação
Influência da Motivação Humana
 Moral e Clima Organizacional
Liderança
 Liderança como um fenômeno de
influencia interpessoal.
 Liderança como um processo de redução
da incerteza de grupo.
 Liderança como uma relação funcional
entre líder e subordinados.
 Liderança como um processo em função
do líder, dos seguidores e de variáveis da
situação.
Liderança
 Teorias sobre liderança
 Teoria de Traços de Personalidade
 Traços físicos:
 Traços intelectuais.
 Traços sociais
 Traços relacionados a tarefas
Liderança
 Teorias sobre liderança
 Teoria sobre Estilos de Liderança
 Liderança Autocrática
 Liderança Liberal
 Liderança Democrática
 Teoria Situações de Liderança
Comunicação
 Troca de informações entre pessoas
 Os humanistas mostraram que as
comunicações dentro das organizações
são terrivelmente falhas e alertaram os
administradores a:
 Assegurarem a participação das pessoas na
solução dos problemas.
 Incentivarem franqueza e confiança entre
indivíduos e grupos nas empresas.
Comunicação
 A comunicação é uma atividade
admistrativa que tem dois propósitos
principais.
 Proporcionar informação e compreensão
necessárias para que as pessoas possam se
conduzir em suas tarefas.
 Proporcionar atitudes que provam motivação,
cooperação e satisfação nos cargos.
 Esses dois propósitos promovem um ambiente
que conduz a um espírito de equipe e a um
melhor desempenho nas tarefas.
Organização Informal
 Relação de coesão ou de
antagonismo
 Status
 Colaboração espontânea
 A possibilidade da oposição à
organização informal
Organização Informal
 Padrões de relações e atitudes
 Mudanças de níveis e alterações dos
grupos informais
 A organização informal transcende a
organização formal
 Padrões de desempenho nos grupos
informais
Organização Informal
 Origens da organização informal
 São 4 fatores que condicionam os
grupos informais:
 interesses comuns
 A interação provocada pela própria
organização formal
 A flutuação do pessoa na empresa
 Períodos de lazer
Dinâmica de Grupo
 Idéia criada por Kurt Lewin.
 Introduziu o conceito de equilíbrio
”quase-estacionário” : o campo de
forças existentes dentro dos grupos
conduzem a processos de auto-
regulação e manutenção do
equilíbrio.
Dinâmica de Grupo
 O que é um grupo?
 Não é apenas um conjunto de pessoas,
mas a interação dinâmica entre
pessoas que se percebem
psicologicamente como membros do
grupo
 Outras Características: Um objetivo
comum, uma estrutura dinâmica de
comunicações e uma coesão interna
Dinâmica de Grupo
 Portanto,
“Dinâmica de grupo é a soma
dos interesses do componentes do
grupo e que pode ser ativada por
meio de estímulos e motivações no
intuito de maior harmonia e melhor
relacionamento humano.”
Apreciação Critica da Teoria das
Relações Humanas
 Oposição cerrada à Teria Clássica
 Inadequada visualização dos problemas
das relações industriais
 Concepção ingênua e romântica do
operário
 Limitação do campo experimental
 Parcialidade das conclusões
 Ênfase nos grupos informais
 Enfoque manipulativo das relações
humanas
Conclusão
 A Escola das Relações humanas
abriu nos horizontes à teoria
administrativa em duas orientações:
 Equação Humana
 Novo Papel do Administrador
Referências
 CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à
Teoria Geral da Administração. São
Paulo – Campus, 2004.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
Sabrina Suellen
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
Mara Izidoro
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
guest3ebb133
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
Rafael Evans
 
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas DanielTeoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
lupajero
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
Prof. Leonardo Rocha
 
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃOCONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
Francisco Pereira
 
Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
admetz01
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
carlossono
 
Cultura e clima organizacional aula1
Cultura e clima organizacional aula1Cultura e clima organizacional aula1
Cultura e clima organizacional aula1
Nome Sobrenome
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
alemartins10
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
Eliseu Fortolan
 

Mais procurados (20)

Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas DanielTeoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃOCONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
CONCEITOS BÁSICOS DE GESTÃO
 
Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
 
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
 
Cultura e clima organizacional aula1
Cultura e clima organizacional aula1Cultura e clima organizacional aula1
Cultura e clima organizacional aula1
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
 

Destaque

Humanista
HumanistaHumanista
Teoria rh.
Teoria rh.Teoria rh.
Teoria rh.
Claudio Meira
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
Silvia Marina Anaruma
 
Aula7
Aula7Aula7
Para ler a caritas in veritate
Para ler a caritas in veritatePara ler a caritas in veritate
Para ler a caritas in veritate
Faculdade de Teologia UCP
 
Modelo japonês de administração
Modelo japonês de administraçãoModelo japonês de administração
Modelo japonês de administração
Leonardo Hideki Anagusko
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Deysiane Cunha
 
Abordagem Humanista
Abordagem HumanistaAbordagem Humanista
Abordagem Humanista
Ines Santos
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
César de Souza
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
Carol Messias
 
Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06
Cleber de Jesus
 
Revit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilares
Revit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilaresRevit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilares
Revit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilares
Jonathan Guedes
 
Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01
Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01
Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01
Ester Sá
 
Abordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações HumanasAbordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações Humanas
George Maia
 
Dinámicas de grupo
Dinámicas de grupoDinámicas de grupo
Dinámicas de grupo
Universidad Madero
 
Power point 2010 avançado - denis katko - apostila
Power point 2010   avançado - denis katko - apostilaPower point 2010   avançado - denis katko - apostila
Power point 2010 avançado - denis katko - apostila
Denis Katko
 
Power point 2010
Power point 2010Power point 2010
03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo
03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo
03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo
Debora Miceli
 
Aula 4 adm administração clássica
Aula 4 adm   administração clássicaAula 4 adm   administração clássica
Aula 4 adm administração clássica
PMY TECNOLOGIA LTDA
 

Destaque (20)

Humanista
HumanistaHumanista
Humanista
 
Teoria rh.
Teoria rh.Teoria rh.
Teoria rh.
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Para ler a caritas in veritate
Para ler a caritas in veritatePara ler a caritas in veritate
Para ler a caritas in veritate
 
Modelo japonês de administração
Modelo japonês de administraçãoModelo japonês de administração
Modelo japonês de administração
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Abordagem Humanista
Abordagem HumanistaAbordagem Humanista
Abordagem Humanista
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01
 
Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06Relações humanas Aula 06
Relações humanas Aula 06
 
Revit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilares
Revit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilaresRevit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilares
Revit 2013 pt_construir_o_modelo_paredes_portas_janelas_pilares
 
Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01
Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01
Aula5necessidadeshumanasbsicas 140619091607-phpapp01
 
Abordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações HumanasAbordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações Humanas
 
Dinámicas de grupo
Dinámicas de grupoDinámicas de grupo
Dinámicas de grupo
 
Power point 2010 avançado - denis katko - apostila
Power point 2010   avançado - denis katko - apostilaPower point 2010   avançado - denis katko - apostila
Power point 2010 avançado - denis katko - apostila
 
Power point 2010
Power point 2010Power point 2010
Power point 2010
 
03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo
03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo
03. Debora Miceli - Imagens da Organização: A organização como organismo
 
Aula 4 adm administração clássica
Aula 4 adm   administração clássicaAula 4 adm   administração clássica
Aula 4 adm administração clássica
 

Semelhante a Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações humanas

Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Adriely Negrine Azevedo
 
Inaê Duarte Valente
Inaê Duarte ValenteInaê Duarte Valente
Inaê Duarte Valente
InaDuarteValente
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
rafaelpouzada
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanas
guestf9582a
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
digosdigos
 
Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
guest06f340
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733
Antonio Diniz
 
Capitulo iv a motivação
Capitulo iv   a motivaçãoCapitulo iv   a motivação
Capitulo iv a motivação
carlossono
 
Curso Gestão de Pessoas nas Organizações
Curso Gestão de Pessoas nas OrganizaçõesCurso Gestão de Pessoas nas Organizações
Curso Gestão de Pessoas nas Organizações
Rapport Assessoria
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
Élida Tavares
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
Miguel Neves
 
Aula MotivaçãO Humana
Aula MotivaçãO HumanaAula MotivaçãO Humana
Aula MotivaçãO Humana
eloychaves
 
Conceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalhoConceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalho
Maria Domingas de Souza
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
Cursos Profissionalizantes
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
Leon Pires
 
Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho
ThuanyPessanha
 
Ipes de setembro
Ipes de setembroIpes de setembro
Ipes de setembro
pensamentosiracema
 
Resenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações HumanasResenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações Humanas
admetz01
 
Comportamentoorganizacional
ComportamentoorganizacionalComportamentoorganizacional
Comportamentoorganizacional
marioedsonminillo
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Rui Loureiro
 

Semelhante a Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações humanas (20)

Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
 
Inaê Duarte Valente
Inaê Duarte ValenteInaê Duarte Valente
Inaê Duarte Valente
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanas
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
 
Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733
 
Capitulo iv a motivação
Capitulo iv   a motivaçãoCapitulo iv   a motivação
Capitulo iv a motivação
 
Curso Gestão de Pessoas nas Organizações
Curso Gestão de Pessoas nas OrganizaçõesCurso Gestão de Pessoas nas Organizações
Curso Gestão de Pessoas nas Organizações
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
 
Aula MotivaçãO Humana
Aula MotivaçãO HumanaAula MotivaçãO Humana
Aula MotivaçãO Humana
 
Conceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalhoConceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalho
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
 
Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho
 
Ipes de setembro
Ipes de setembroIpes de setembro
Ipes de setembro
 
Resenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações HumanasResenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações Humanas
 
Comportamentoorganizacional
ComportamentoorganizacionalComportamentoorganizacional
Comportamentoorganizacional
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 

Mais de Eder Nogueira

COBIT 5
COBIT 5 COBIT 5
COBIT 5
Eder Nogueira
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
Eder Nogueira
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YIIDETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
Eder Nogueira
 
Títulos de Renda Fixa
Títulos de Renda FixaTítulos de Renda Fixa
Títulos de Renda Fixa
Eder Nogueira
 
HIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da InflaçãoHIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da Inflação
Eder Nogueira
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do Dever
Eder Nogueira
 
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULLProjeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Eder Nogueira
 
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLARPROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
Eder Nogueira
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTESATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
Eder Nogueira
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAISATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
Eder Nogueira
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOSAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
Eder Nogueira
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLAAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
Eder Nogueira
 
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISOCERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
Eder Nogueira
 
Ferramentas Colaborativas
Ferramentas ColaborativasFerramentas Colaborativas
Ferramentas Colaborativas
Eder Nogueira
 
Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam
Eder Nogueira
 
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
Eder Nogueira
 
Padrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto MediatorPadrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto Mediator
Eder Nogueira
 
JAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORKJAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORK
Eder Nogueira
 
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
Eder Nogueira
 
JavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão GeralJavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão Geral
Eder Nogueira
 

Mais de Eder Nogueira (20)

COBIT 5
COBIT 5 COBIT 5
COBIT 5
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YIIDETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
 
Títulos de Renda Fixa
Títulos de Renda FixaTítulos de Renda Fixa
Títulos de Renda Fixa
 
HIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da InflaçãoHIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da Inflação
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do Dever
 
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULLProjeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
 
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLARPROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTESATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAISATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOSAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLAAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
 
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISOCERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
 
Ferramentas Colaborativas
Ferramentas ColaborativasFerramentas Colaborativas
Ferramentas Colaborativas
 
Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam
 
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
 
Padrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto MediatorPadrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto Mediator
 
JAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORKJAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORK
 
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
 
JavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão GeralJavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão Geral
 

Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações humanas

  • 1. Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações humanas Componentes: Eder Carlos Elder Vale Jair Silva Maria Emilia Tiago Garcia Natal, abril de 2007
  • 2. Características  Ênfase nas pessoas  Preocupação com o homem e seu grupo social (dos aspectos técnicos e formais para os aspectos psicológicos e sociológicos)  Psicologia do trabalho: análise do trabalho e adaptação do trabalhador ao trabalho; e ,ainda, a adaptação do trabalho ao trabalhador.
  • 3. Origens da Teoria das Relações Humanas  A necessidade de se humanizar e democratizar a Administração  O desenvolvimento das ciências humanas  As idéias da filosofia pragmática de Jonh Dewey  As conclusões da experiência de Hawthorme
  • 4. A experiência de Hawthorne  Primeira Fase  Estudados dois grupos de trabalho  Segunda Fase  Terceira Fase
  • 5. A experiência de Hawthorne  Conclusões  O nível de produção é resultante da integração social  Comportamento social dos empregados  Recompensas e sanções sociais  Grupos informais  Relações humanas  Importância do conteúdo do cargo  Ênfase nos aspectos emocionais
  • 6. A Civilização Industrializada e o Homem  O trabalho é uma atividade tipicamente grupal  O Operário não reage como individuo isolado, mas como membro de um grupo social  A tarefa básica da Administração é formar uma elite capaz de compreender e de comunicar
  • 7. A Civilização Industrializada e o Homem  Passamos de uma sociedade estável para uma sociedade adaptável  O ser humano é motivado pela necessidade de “estar junto”, de “ser reconhecido”  A civilização industrializada traz como conseqüência a desintegração dos grupos
  • 8. A Teoria das Relações Humanas trouxe uma nova linguagem para a Administração  Motivação  Liderança  Comunicação  Organização Informal  Dinâmica de Grupo
  • 9. Influência da Motivação Humana  Teoria de Lewin  Baseia-se em duas suposições fundamentais:  O comportamento humano é derivado da totalidade de fatos coexistentes  Esses fatos coexistentes constituem um campo dinâmico, no qual cada parte do campo depende de uma inter-relação com as demais outras partes
  • 10. Influência da Motivação Humana  Teoria de Lewin  C = f(P,M) onde: C- comportamento f- resultado da interação entre pessoa (P) e o meio ambiente (M) a sua Volta.
  • 11. Influência da Motivação Humana  Necessidades humanas básicas  Três níveis de motivação  Necessidades Fisiológicas  Necessidades primárias,vitais ou vegetativas  São inatas e instintivas  As necessidades são: alimentação,sono,satisfação sexual  Necessidades Auto-Realização  Necessidades mais elevadas  Impulso de realizar o próprio potencial e estar em contínuo autodesenvolvimento
  • 12. Influência da Motivação Humana  Necessidades humanas básicas  Necessidades Psicológicas  Secundárias e exclusivas do homem  Adquiridas no decorrer da vida  Principais Necessidades Psicológicas: Segurança íntima, participação,autoconfiança
  • 13. Influência da Motivação Humana  Ciclo Motivacional
  • 14. Influência da Motivação Humana  Frustração e Compensação
  • 15. Influência da Motivação Humana  Moral e Clima Organizacional
  • 16. Liderança  Liderança como um fenômeno de influencia interpessoal.  Liderança como um processo de redução da incerteza de grupo.  Liderança como uma relação funcional entre líder e subordinados.  Liderança como um processo em função do líder, dos seguidores e de variáveis da situação.
  • 17. Liderança  Teorias sobre liderança  Teoria de Traços de Personalidade  Traços físicos:  Traços intelectuais.  Traços sociais  Traços relacionados a tarefas
  • 18. Liderança  Teorias sobre liderança  Teoria sobre Estilos de Liderança  Liderança Autocrática  Liderança Liberal  Liderança Democrática  Teoria Situações de Liderança
  • 19. Comunicação  Troca de informações entre pessoas  Os humanistas mostraram que as comunicações dentro das organizações são terrivelmente falhas e alertaram os administradores a:  Assegurarem a participação das pessoas na solução dos problemas.  Incentivarem franqueza e confiança entre indivíduos e grupos nas empresas.
  • 20. Comunicação  A comunicação é uma atividade admistrativa que tem dois propósitos principais.  Proporcionar informação e compreensão necessárias para que as pessoas possam se conduzir em suas tarefas.  Proporcionar atitudes que provam motivação, cooperação e satisfação nos cargos.  Esses dois propósitos promovem um ambiente que conduz a um espírito de equipe e a um melhor desempenho nas tarefas.
  • 21. Organização Informal  Relação de coesão ou de antagonismo  Status  Colaboração espontânea  A possibilidade da oposição à organização informal
  • 22. Organização Informal  Padrões de relações e atitudes  Mudanças de níveis e alterações dos grupos informais  A organização informal transcende a organização formal  Padrões de desempenho nos grupos informais
  • 23. Organização Informal  Origens da organização informal  São 4 fatores que condicionam os grupos informais:  interesses comuns  A interação provocada pela própria organização formal  A flutuação do pessoa na empresa  Períodos de lazer
  • 24. Dinâmica de Grupo  Idéia criada por Kurt Lewin.  Introduziu o conceito de equilíbrio ”quase-estacionário” : o campo de forças existentes dentro dos grupos conduzem a processos de auto- regulação e manutenção do equilíbrio.
  • 25. Dinâmica de Grupo  O que é um grupo?  Não é apenas um conjunto de pessoas, mas a interação dinâmica entre pessoas que se percebem psicologicamente como membros do grupo  Outras Características: Um objetivo comum, uma estrutura dinâmica de comunicações e uma coesão interna
  • 26. Dinâmica de Grupo  Portanto, “Dinâmica de grupo é a soma dos interesses do componentes do grupo e que pode ser ativada por meio de estímulos e motivações no intuito de maior harmonia e melhor relacionamento humano.”
  • 27. Apreciação Critica da Teoria das Relações Humanas  Oposição cerrada à Teria Clássica  Inadequada visualização dos problemas das relações industriais  Concepção ingênua e romântica do operário  Limitação do campo experimental  Parcialidade das conclusões  Ênfase nos grupos informais  Enfoque manipulativo das relações humanas
  • 28. Conclusão  A Escola das Relações humanas abriu nos horizontes à teoria administrativa em duas orientações:  Equação Humana  Novo Papel do Administrador
  • 29. Referências  CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. São Paulo – Campus, 2004.