SlideShare uma empresa Scribd logo
Teoria de Relações Humanas
Lembrando das variáveis de estudo da Teoria Geral das Organizações Tarefa Pessoas Estrutura Tecnologia Ambiente Organização
Cenário da Administração  Pré-TRH
Duas teorias Taylor (e: Gilbreth, Emerson, Ford) Fayol (e: Gulick, Urwick, Moonev) Administração Científica Teoria Clássica Ênfase nas tarefas Ênfase na estrutura Aumentar a eficiência da empresa através do aumento de eficiência em nível operacional Aumentar a eficiência através da forma e disposição dos órgãos componentes da organização e de suas inter-relações estruturais Abordagem Clássica da Administração
CRÍTICAS 1. Mecanicismo:  Tratou a organização como “um arranjo rígido e estático de peças”, como uma máquina, num sentido puramente mecânico, desprezando os aspectos humanos. 2. Superespecialização do operário:  Em busca da produtividade, indicava a especialização do operário, dividindo e subdividindo as tarefas, de forma a executá-las, de maneira padronizada, transformando o trabalhador num verdadeiro autômato. 3. Visão microscópica do homem:  Através de uma concepção negativista do homem (era preguiçoso, ineficiente etc.) e da constante busca por uma produtividade cada vez maior, Taylor esqueceu qualquer outro aspecto, tratando o trabalho do homem como um processo acessório da máquina. 4. Ausência de comprovação científica:  Em suas afirmativas, utilizou pouca pesquisa e experimentação científica; seu método é empírico e concreto, e os resultados apresentados são apenas evidentes, porém, sem nenhuma comprovação. 5. Abordagem incompleta da organização:  Abordou apenas os aspectos formais da organização, não considerando a organização informal e os aspectos humanos, ignorando a vida social interna, as interações, etc.
CRÍTICAS 6. Limitação no campo de aplicação:  Suas observações limitaram-se ao campo da produção (fábrica), não levando em consideração outros aspectos da empresa, como os financeiros, os comerciais, etc. 7. Abordagem prescritiva e normativa:  Caracterizada pela preocupação em prescrever princípios normativos que deveriam ser aplicados em determinadas circunstâncias, tratou “o como a empresa deveria funcionar” e não buscou explicar seu funcionamento. 8. Abordagem de sistema fechado:  Tratou apenas dos problemas internos, esquecendo a existência de influências externas, como o meio ambiente em que está situada a empresa, o sistema em vigor, etc. O pioneirismo de Taylor, sua dedicação e seu valor jamais poderão ser esquecidos. Através de sua obra, tivemos uma base inicial para chegarmos hoje a  uma administração rica em teorias , cientificamente apresentadas, vencendo os desafios sempre crescentes do mundo moderno.
Teoria das Relações Humanas Principal autor: Elton Mayo Ênfase:  O homem e seu grupo social, aspectos psicológicos e sociológicos
Origens e Cenário ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A Experiência de Hawthorne (1927 - 1932) ,[object Object],[object Object],[object Object]
Conclusões da Experiência de Hawthorne ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Idéias defendidas pela Teoria das Relações Humanas: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Conflito social na sociedade industrial: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A ORGANIZAÇÃO É COMPOSTA DE: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Novo vocabulário para a Teoria Administrativa Motivação Liderança Comunicação Dinâmica de grupo....
Decorrências da Teoria das Relações Humanas
Motivação Humana Necessidades ou motivos :  são forças conscientes ou inconscientes que levam o indivíduo a determinado comportamento. Motivação :  se refere ao comportamento que é causado por necessidade, dentro do indivíduo, e que é dirigido aos objetivos que podem satisfazer suas necessidades. Satisfeita uma necessidade, surge outra em seu lugar, e assim por diante, contínua e infinitamente. As necessidades motivam o comportamento humano dando-lhe direção e conteúdo...
 
1. Necessidades fisiológicas  -  ligadas à sobrevivência do indivíduo: alimentação, sono, segurança, satisfação sexual. Uma vez satisfeitas essas necessidades, são necessárias outras formas de estímulo à motivação do operário. 2. Necessidades psicológicas -  ajustamento e tranqüilidade social, necessidade de participação, calor humano, autoconfiança, afeição, amor, carinho. 3. Necessidades de auto-realização -  necessidades mais elevadas, que se referem ao fato de cada pessoa realizar o seu potencial e estar em constante auto-desenvolvimento. Necessidades humanas básicas:
Moral e Atitude ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Moral Elevado Moral Baixo MORAL:  decorrência do estado  motivacional provocado pela satisfação  ou não satisfação das  necessidades individuais
Ciclo Motivacional Equilíbrio Estímulo ou Incentivo Necessidade Tensão Comportamento ou Ação Satisfação A motivação no sentido psicológico, é a tensão persistente que leva o indivíduo a alguma forma de comportamento visando a satisfação de uma ou mais determinadas necessidades
Frustração e Compensação Equilíbrio Estímulo ou Incentivo Necessidade Tensão Comportamento ou Ação BARREIRA ,[object Object]
Motivação Desejo Receio Meta Apesar de variarem as necessidades e os valores sociais de indivíduo para indivíduo, produzindo diferentes padrões de comportamento, o processo que dinamiza o comportamento é semelhante.
Componentes da motivação IMPULSO OBJETIVO Processo interno que incita à ação. Influenciado pelo ambiente externo. Efeito redutor ou saciante. Após ser suficientemente atingido, o motivo deixa de orientar o comportamento.
Motivação humana é cíclica Satisfação de algumas necessidades é temporal e passageira. É um processo contínuo de resolução de problemas e satisfação de necessidades a medida que surgem. Necessidade/tensão Frustração Compensação Resolução
Liderança ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Teorias sobre Liderança Teoria de traços de personalidade  - Características marcantes de personalidade possuídas pelo líder. Teorias sobre estilos de liderança  - Maneiras e estilos de se comportar adotadas por líder. Teorias situacionais sobre liderança -  Adequação do comportamento do líder às circunstâncias da situação.
Organização Informal ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
Larissa Estevão
 
Aula 16 Motivação
Aula 16  MotivaçãoAula 16  Motivação
Aula 16 Motivação
Luiz Siles
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
A teoria de sistemas
A teoria de sistemasA teoria de sistemas
A teoria de sistemas
Tiago Maboni Derlan
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
PUC Minas
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
Hélia
 
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Eder Nogueira
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do TrabalhoBreve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Michelli Godoi
 
A Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações HumanasA Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações Humanas
henrique42
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
admetz01
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
Jose Silvio Damacena Damacena
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
Ignacio San Martín Manosalva
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
lupajero
 
Poder nas organizações slides
Poder nas organizações   slidesPoder nas organizações   slides
Poder nas organizações slides
Psicologia_2015
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
Debora Miceli
 
Evolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias AdministrativasEvolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias Administrativas
William Costa
 
Teoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregorTeoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregor
Chaque Júnior
 

Mais procurados (20)

Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 
Aula 16 Motivação
Aula 16  MotivaçãoAula 16  Motivação
Aula 16 Motivação
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
A teoria de sistemas
A teoria de sistemasA teoria de sistemas
A teoria de sistemas
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
 
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
 
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do TrabalhoBreve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
 
A Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações HumanasA Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações Humanas
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
 
Poder nas organizações slides
Poder nas organizações   slidesPoder nas organizações   slides
Poder nas organizações slides
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
 
Evolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias AdministrativasEvolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias Administrativas
 
Teoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregorTeoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregor
 

Destaque

Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas DanielTeoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
lupajero
 
EBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverança
EBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverançaEBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverança
EBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverança
Andre Nascimento
 
Relações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No TrabalhoRelações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No Trabalho
Thiago de Almeida
 
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula VeraTeoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
edgarklein
 
Teoria das relações humanas
Teoria das relações humanasTeoria das relações humanas
Teoria das relações humanas
Rafael Butruce
 
Teoria RH
Teoria RHTeoria RH
Teoria RH
admetz01
 
Teoria das relacoes humanas
Teoria das relacoes humanasTeoria das relacoes humanas
Teoria das relacoes humanas
Almelye
 
4 escola de relacoes humanas
4   escola de relacoes humanas4   escola de relacoes humanas
4 escola de relacoes humanas
Isabella Couto Reis
 
Experiência de hawthorne
Experiência de hawthorneExperiência de hawthorne
Experiência de hawthorne
marilia.leo
 
Precursores de Jesus - Wilma Badan
Precursores de Jesus - Wilma BadanPrecursores de Jesus - Wilma Badan
Precursores de Jesus - Wilma Badan
Wilma Badan C.G.
 
Aula De Administracao Marco 2010
Aula De Administracao   Marco 2010Aula De Administracao   Marco 2010
Aula De Administracao Marco 2010
themis dovera
 
PERSEVERANÇA
PERSEVERANÇAPERSEVERANÇA
PERSEVERANÇA
José Roberto Cordeiro
 
Lição de perseverança
Lição de perseverançaLição de perseverança
Lição de perseverança
Grupo Espírita Mensageiros
 
Ebd perseverança mais que vencedor
Ebd     perseverança mais que vencedorEbd     perseverança mais que vencedor
Ebd perseverança mais que vencedor
Ney Bellas
 
Confiança e perseverança amigos inseparaveis
Confiança e perseverança amigos inseparaveisConfiança e perseverança amigos inseparaveis
Confiança e perseverança amigos inseparaveis
Marcos De Oliveira Leite
 
Tabagismo em Portugal 2012
Tabagismo em Portugal 2012Tabagismo em Portugal 2012
Tabagismo em Portugal 2012
Mgfamiliar Net
 
UMA LIÇÃO DE PERSISTÊNCIA – GERANDO SONHOS E CONCEBENDO MILAGRES
UMA LIÇÃO DE   PERSISTÊNCIA –  GERANDO  SONHOS E CONCEBENDO MILAGRESUMA LIÇÃO DE   PERSISTÊNCIA –  GERANDO  SONHOS E CONCEBENDO MILAGRES
UMA LIÇÃO DE PERSISTÊNCIA – GERANDO SONHOS E CONCEBENDO MILAGRES
Abelhinha Preciosa
 
RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1
guestaaea96
 
Lição de Perseverança Com os Pássaros
Lição de Perseverança Com os PássarosLição de Perseverança Com os Pássaros
Lição de Perseverança Com os Pássaros
Adilson P Motta Motta
 

Destaque (20)

Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas DanielTeoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
 
EBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverança
EBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverançaEBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverança
EBD Revista Palavra e Vida 1T2015.Aula 8.A vigilância com perseverança
 
Relações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No TrabalhoRelações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No Trabalho
 
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula VeraTeoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
 
Teoria das relações humanas
Teoria das relações humanasTeoria das relações humanas
Teoria das relações humanas
 
Teoria RH
Teoria RHTeoria RH
Teoria RH
 
Teoria das relacoes humanas
Teoria das relacoes humanasTeoria das relacoes humanas
Teoria das relacoes humanas
 
Escola de Relações Humanas
Escola de Relações HumanasEscola de Relações Humanas
Escola de Relações Humanas
 
4 escola de relacoes humanas
4   escola de relacoes humanas4   escola de relacoes humanas
4 escola de relacoes humanas
 
Experiência de hawthorne
Experiência de hawthorneExperiência de hawthorne
Experiência de hawthorne
 
Precursores de Jesus - Wilma Badan
Precursores de Jesus - Wilma BadanPrecursores de Jesus - Wilma Badan
Precursores de Jesus - Wilma Badan
 
Aula De Administracao Marco 2010
Aula De Administracao   Marco 2010Aula De Administracao   Marco 2010
Aula De Administracao Marco 2010
 
PERSEVERANÇA
PERSEVERANÇAPERSEVERANÇA
PERSEVERANÇA
 
Lição de perseverança
Lição de perseverançaLição de perseverança
Lição de perseverança
 
Ebd perseverança mais que vencedor
Ebd     perseverança mais que vencedorEbd     perseverança mais que vencedor
Ebd perseverança mais que vencedor
 
Confiança e perseverança amigos inseparaveis
Confiança e perseverança amigos inseparaveisConfiança e perseverança amigos inseparaveis
Confiança e perseverança amigos inseparaveis
 
Tabagismo em Portugal 2012
Tabagismo em Portugal 2012Tabagismo em Portugal 2012
Tabagismo em Portugal 2012
 
UMA LIÇÃO DE PERSISTÊNCIA – GERANDO SONHOS E CONCEBENDO MILAGRES
UMA LIÇÃO DE   PERSISTÊNCIA –  GERANDO  SONHOS E CONCEBENDO MILAGRESUMA LIÇÃO DE   PERSISTÊNCIA –  GERANDO  SONHOS E CONCEBENDO MILAGRES
UMA LIÇÃO DE PERSISTÊNCIA – GERANDO SONHOS E CONCEBENDO MILAGRES
 
RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1
 
Lição de Perseverança Com os Pássaros
Lição de Perseverança Com os PássarosLição de Perseverança Com os Pássaros
Lição de Perseverança Com os Pássaros
 

Semelhante a Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica

Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Adriely Negrine Azevedo
 
Aula7
Aula7Aula7
AULA 08.pdf
AULA 08.pdfAULA 08.pdf
AULA 08.pdf
RosineiaSantos8
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
carlossono
 
Aula10
Aula10Aula10
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tga
ramalho01
 
Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
guest06f340
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733
Antonio Diniz
 
Teorias da Gestão
Teorias da GestãoTeorias da Gestão
Teorias da Gestão
Maria Simões
 
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfAula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
vitoraugustomb
 
segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao
guest680ed0
 
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
RosineiaSantos8
 
Resumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGAResumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGA
Mario Costa
 
3042176.ppt
3042176.ppt3042176.ppt
3042176.ppt
NetoMelo12
 
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre RolimTGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
CRA - MG
 
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma SinteseTGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
Pedro Luis Moraes
 
Aula 2 adminis
Aula 2 adminisAula 2 adminis
Aula 2 adminis
Marluce Filipe
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
Cursos Profissionalizantes
 
Visão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador EscolarVisão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador Escolar
Danielle Souza
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
Leon Pires
 

Semelhante a Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica (20)

Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
AULA 08.pdf
AULA 08.pdfAULA 08.pdf
AULA 08.pdf
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tga
 
Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733
 
Teorias da Gestão
Teorias da GestãoTeorias da Gestão
Teorias da Gestão
 
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfAula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
 
segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao
 
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
 
Resumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGAResumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGA
 
3042176.ppt
3042176.ppt3042176.ppt
3042176.ppt
 
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre RolimTGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
TGA e o Comportamento Organizacional - Adm. Alexandre Rolim
 
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma SinteseTGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
 
Aula 2 adminis
Aula 2 adminisAula 2 adminis
Aula 2 adminis
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
 
Visão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador EscolarVisão Humanística do Administrador Escolar
Visão Humanística do Administrador Escolar
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
 

Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica

  • 2. Lembrando das variáveis de estudo da Teoria Geral das Organizações Tarefa Pessoas Estrutura Tecnologia Ambiente Organização
  • 4. Duas teorias Taylor (e: Gilbreth, Emerson, Ford) Fayol (e: Gulick, Urwick, Moonev) Administração Científica Teoria Clássica Ênfase nas tarefas Ênfase na estrutura Aumentar a eficiência da empresa através do aumento de eficiência em nível operacional Aumentar a eficiência através da forma e disposição dos órgãos componentes da organização e de suas inter-relações estruturais Abordagem Clássica da Administração
  • 5. CRÍTICAS 1. Mecanicismo: Tratou a organização como “um arranjo rígido e estático de peças”, como uma máquina, num sentido puramente mecânico, desprezando os aspectos humanos. 2. Superespecialização do operário: Em busca da produtividade, indicava a especialização do operário, dividindo e subdividindo as tarefas, de forma a executá-las, de maneira padronizada, transformando o trabalhador num verdadeiro autômato. 3. Visão microscópica do homem: Através de uma concepção negativista do homem (era preguiçoso, ineficiente etc.) e da constante busca por uma produtividade cada vez maior, Taylor esqueceu qualquer outro aspecto, tratando o trabalho do homem como um processo acessório da máquina. 4. Ausência de comprovação científica: Em suas afirmativas, utilizou pouca pesquisa e experimentação científica; seu método é empírico e concreto, e os resultados apresentados são apenas evidentes, porém, sem nenhuma comprovação. 5. Abordagem incompleta da organização: Abordou apenas os aspectos formais da organização, não considerando a organização informal e os aspectos humanos, ignorando a vida social interna, as interações, etc.
  • 6. CRÍTICAS 6. Limitação no campo de aplicação: Suas observações limitaram-se ao campo da produção (fábrica), não levando em consideração outros aspectos da empresa, como os financeiros, os comerciais, etc. 7. Abordagem prescritiva e normativa: Caracterizada pela preocupação em prescrever princípios normativos que deveriam ser aplicados em determinadas circunstâncias, tratou “o como a empresa deveria funcionar” e não buscou explicar seu funcionamento. 8. Abordagem de sistema fechado: Tratou apenas dos problemas internos, esquecendo a existência de influências externas, como o meio ambiente em que está situada a empresa, o sistema em vigor, etc. O pioneirismo de Taylor, sua dedicação e seu valor jamais poderão ser esquecidos. Através de sua obra, tivemos uma base inicial para chegarmos hoje a uma administração rica em teorias , cientificamente apresentadas, vencendo os desafios sempre crescentes do mundo moderno.
  • 7. Teoria das Relações Humanas Principal autor: Elton Mayo Ênfase: O homem e seu grupo social, aspectos psicológicos e sociológicos
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Novo vocabulário para a Teoria Administrativa Motivação Liderança Comunicação Dinâmica de grupo....
  • 15. Decorrências da Teoria das Relações Humanas
  • 16. Motivação Humana Necessidades ou motivos : são forças conscientes ou inconscientes que levam o indivíduo a determinado comportamento. Motivação : se refere ao comportamento que é causado por necessidade, dentro do indivíduo, e que é dirigido aos objetivos que podem satisfazer suas necessidades. Satisfeita uma necessidade, surge outra em seu lugar, e assim por diante, contínua e infinitamente. As necessidades motivam o comportamento humano dando-lhe direção e conteúdo...
  • 17.  
  • 18. 1. Necessidades fisiológicas - ligadas à sobrevivência do indivíduo: alimentação, sono, segurança, satisfação sexual. Uma vez satisfeitas essas necessidades, são necessárias outras formas de estímulo à motivação do operário. 2. Necessidades psicológicas - ajustamento e tranqüilidade social, necessidade de participação, calor humano, autoconfiança, afeição, amor, carinho. 3. Necessidades de auto-realização - necessidades mais elevadas, que se referem ao fato de cada pessoa realizar o seu potencial e estar em constante auto-desenvolvimento. Necessidades humanas básicas:
  • 19.
  • 20. Ciclo Motivacional Equilíbrio Estímulo ou Incentivo Necessidade Tensão Comportamento ou Ação Satisfação A motivação no sentido psicológico, é a tensão persistente que leva o indivíduo a alguma forma de comportamento visando a satisfação de uma ou mais determinadas necessidades
  • 21.
  • 22. Motivação Desejo Receio Meta Apesar de variarem as necessidades e os valores sociais de indivíduo para indivíduo, produzindo diferentes padrões de comportamento, o processo que dinamiza o comportamento é semelhante.
  • 23. Componentes da motivação IMPULSO OBJETIVO Processo interno que incita à ação. Influenciado pelo ambiente externo. Efeito redutor ou saciante. Após ser suficientemente atingido, o motivo deixa de orientar o comportamento.
  • 24. Motivação humana é cíclica Satisfação de algumas necessidades é temporal e passageira. É um processo contínuo de resolução de problemas e satisfação de necessidades a medida que surgem. Necessidade/tensão Frustração Compensação Resolução
  • 25.
  • 26. Teorias sobre Liderança Teoria de traços de personalidade - Características marcantes de personalidade possuídas pelo líder. Teorias sobre estilos de liderança - Maneiras e estilos de se comportar adotadas por líder. Teorias situacionais sobre liderança - Adequação do comportamento do líder às circunstâncias da situação.
  • 27.