SlideShare uma empresa Scribd logo
Componentes: Eder Carlos
Elder Vale
Jair Ricardo
Maria Emilia
Tiago Garcia
Certificação Para
Qualidade: Iso
IFRN
TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE
NATAL, MARÇO DE 2008
Contexto
 Competitividade;
 Inovações tecnológicas a serviço das empresas;
 Redefinição política da indústria;
 Necessidade de se preparar para os desafios do
futuro;
Contexto
 Adaptação das atividades de uma empresa em
relação ao seu ambiente de atuação;
 Necessidade de novos modelos na organização da
produção e gestão;
 Aprimoração para agir com sucesso;
Aprimoração
 Melhoria em:
 Produtividade;
 Eficiência;
 Eficácia;
 Excelência;
 Competitividade;
 Sucesso;
 Gerência pela qualidade total;
Modelo de Gestão pela Qualidade
Total
 Surge como resposta a um ambiente econômico
cada vez mais competitivo;
 Forma de ação administrativa;
 Principal foco das atividades da empresa: qualidade
de produtos e serviços;
 Permanente e de longo prazo;
 Alcance da satisfação do cliente;
Modelo de Gestão pela Qualidade
Total
 Melhoria contínua dos produtos e serviços;
 Necessita participação de todos os membros
da empresa;
 Segundo a ISO:
 “GQT é uma abordagem de gestão para uma
organização, centrada na qualidade, baseada na
participação de todos os seus membros, focando
no sucesso a longo prazo através da satisfação
dos clientes, e benefícios para todos os membros
da organização e para a sociedade.
Dois Enfoques para a GQT
 Segundo Ishikawa (1990), podem ser dois
enfoques para a GQT:
 Pequena qualidade: características importantes
para os clientes;
 Grande qualidade: Satisfação comum de várias
pessoas, grupos, e comunidades envolvidos na
vida de uma organização;
Dois Enfoques para a GQT
 Pequena qualidade vem como conseqüência da
grande qualidade;
 Não só satisfação do cliente, mas também:
 Redução de custos operacionais;
 Minimização de perdas;
 Otimização do uso dos recursos;
Métodos da GQT
 Plano de ação;
 Barreiras e auxílios;
 Benchmarking;
 Brainstorming;
 Engenharia simultânea;
 Estimativa de custo;
 Custo da qualidade;
 Análise das necessidades do cliente;
Métodos da GQT
 Modelo cliente/fornecedor;
 Questionário cliente/fornecedor;
 Ciclo de Deming/Shewhart;
 Projeto de experimentos;
 Entrevista;
 Votação múltipla;
 Técnica de grupo nominal;
 Desdobramento da função da qualidade;
 Controle estatístico do processo.
Benefícios
 Melhorias na qualidade do produto;
 Melhorias na qualidade do projeto;
 Redução de perdas e custos de operação;
 Maior satisfação dos empregados em relação
ao seu trabalho e à empresa;
 Redução dos estrangulamentos das linhas
de produção;
Benefícios
 Aprimoramento dos métodos e testes de
inspeção;
 Otimização do tempo de realização de
tarefas;
 Programas de manutenção preventiva;
 Geração de dados relevantes para o
marketing da empresa;
 Entre outros...
Benefícios para Competividade
 Produtos e serviços
 Livres de defeito;
 Produtos confiáveis;
 Entrega confiável;
 Atividades
 Indicadores de qualidade;
 Confiabilidade;
 Prazos ;
 Flexibilidade;
 Sincronização das estratégias de competição com
produção;
BPF – Boas práticas de Fabricação
(GMP – Good Manufacturing
Practices)
 Programa iniciado na Inglaterra, no final dos
anos 60, iniciou-se como programa voluntário
para a indústria e hoje é de adoção
obrigatória, de acordo com o RDC 275 de
21/10/02, da ANVISA
 É um conjunto de ações que objetiva
especialmente a qualidade, segurança de
uso, eficácia nos produtos.
BPF – Boas práticas de Fabricação
(GMP – Good Manufacturing
Practices)
 Normas de BPF abrangem:
 Princípios de higiene pessoal
 Técnicas de instalações industrias voltadas a
produção, armazenamento e transporte de
produtos e matérias primas
 Controles de produtos
ISO
 Organização Internacional de Padronização
(International Organization for
Standardization);
 Entidade fundada em 1947;
 Sediada na Suiça;
 Congrega organismos de normalização
nacionais;
ISO
 Elabora padrões para especificações e
métodos de trabalho nas mais diversas
áreas;
 Representação do Brasil: ABNT (Associação
Brasileira de Normas Técnicas);
 Exceção: Setor eletro-eletrônico –
International Elechtrotechnical Comission;
 Vantagens competitivas
 Imagem da empresa junto aos Clientes ;
 Compromisso constante da melhoria contínua;
 Consumidores e Clientes consideram a garantia e
melhoria da qualidade um fator decisivo na
aquisição de produto ou serviço;
ISO
ISO
 Benefícios
 Melhor organização e domínio pela empresa em
relação aos processos desenvolvidos;
 Disciplina na execução das tarefas através de
definições de responsabilidades e métodos;
 Previsibilidade dos resultados e otimização dos
recursos empregados;
 Redução dos custos operacionais;
 Aumento do compromisso e trabalho em equipe;
ISO 9000
 Representação de todo conjunto de
documentos referentes à sistematização de
atividades para garantia de qualidade;
ISO 9001 e ISO 9004
 ISO 9001:2000 - SGQ: Requisitos
 Usada para demonstrar capacidade de atender aos
requisitos do cliente, os regulamentares e os da própria
organização.
 Define um conjunto de requisitos para o SGQ.
 ISO 9004:2000 - SGQ: Diretrizes para Melhoria de
Desempenho.
 Usada para melhorar o desempenho do SGQ da empresa.
 Guia de Melhoria (orientações para os requisitos da ISO
9001).
Perguntas mais Freqüentes sobre ISO
 Quem controla a ISO?
 As decisões estratégicas são tomadas pelos membros da
ISO em uma assembléia geral anual.
 Quais os benefícios para empresas das
padronizações internacionais?
 Competitividade, pois podem basear seus produtos e
serviços em documentos de referência amplamente
distribuídos.
 Onde se pode achar quais padrões a ISO oferece?
 No catálogo da ISO, presente on-line em
http://www.iso.org/iso/en/CatalogueListPage.CatalogueList
Perguntas mais Freqüentes sobre ISO
 Qual a relação do ISO com os governos?
 ISO é uma organização não-governamental, logo há
participação tanto do setor público como do privado
 Como posso obter um padrão ISO?
 Como produtos eletrônicos, contatando um membro do
ISO ou o departamento de vendas da ISO.
 Posso reproduzir padrões ISO?
 Todos os padrões ISO são protegidos por direitos autorais.
PNQ
 É um reconhecimento formal, a excelência
na gestão praticadas pelas organizações
(empresas) sediadas no Brasil.
 Os Critérios de Excelência da FNQ
(Fundação Nacional da Qualidade),
constituem um modelo sistêmico da gestão
adotado por inúmeras organizações de
Classe Mundial.
PNQ
 Estrutura dos requisitos do PNQ
 Os critérios de excelência estão estruturados
sobre os seguintes itens e respectiva pontuação:
PNQ
Liderança 110 Pontos
Estratégias e Planos 60 Pontos
Clientes 60 Pontos
Sociedade 60 Pontos
Informações e Conhecimento 60 Pontos
Pessoas 90 Pontos
Processos 110 Pontos
Resultados 450 Pontos
Totalizando 1000 pontos máximo.
PNQ
 Vantagens Competitivas
 O destaque da imagem da empresa junto a toda
sociedade. inclusive à mídia, dentro e fora do
cenário nacional;
 O compromisso e esforço da empresa na
melhoria contínua, expondo o seu sistema de
gestão à critérios de excelência considerados
máximos em termos de modelo e de referência
nacional e internacional;
Referências Bibliográficas
 COLTRO, A. A gestão da qualidade total e
suas influências na competitividade
empresarial. FEA/USP.
 http://www.masterqualidade.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
Beto Briscese
 
Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001
Rogério Souza
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
José Paulo Alves Fusco
 
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
elliando dias
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
rehcah
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
QUALIENG Consultoria, Auditoria e Treinamento
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
Homero Alves de Lima
 
Interpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso online
Interpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso onlineInterpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso online
Interpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso online
GAC CURSOS ONLINE
 
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para ManufaturaISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
Rogério Souza
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000
Fatima Fernandes
 
Tcc Qualidade Implantação ISO 9001
Tcc Qualidade Implantação ISO 9001Tcc Qualidade Implantação ISO 9001
Tcc Qualidade Implantação ISO 9001
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Introdução à norma iso 9001   estrategicaIntrodução à norma iso 9001   estrategica
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Meire Yumi Yamada
 
Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008
Rogério Souza
 
Bíblia ISO - 9001
Bíblia   ISO - 9001Bíblia   ISO - 9001
Bíblia ISO - 9001
Mauro Sobrenome
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Adeildo Caboclo
 
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Fernando Palma
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
Sergio Dias
 
Gestao qualidade
Gestao qualidadeGestao qualidade
Gestao qualidade
Isabel Gil
 
Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015
Denyse Evany Silveira Marquini
 

Mais procurados (20)

ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001Revisão geral ISO 9001
Revisão geral ISO 9001
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
 
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
 
Interpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso online
Interpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso onlineInterpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso online
Interpretação e Transição da Norma IS0 9001:2015 – Nova Versão - Curso online
 
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para ManufaturaISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000
 
Tcc Qualidade Implantação ISO 9001
Tcc Qualidade Implantação ISO 9001Tcc Qualidade Implantação ISO 9001
Tcc Qualidade Implantação ISO 9001
 
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Introdução à norma iso 9001   estrategicaIntrodução à norma iso 9001   estrategica
Introdução à norma iso 9001 estrategica
 
Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008
 
Bíblia ISO - 9001
Bíblia   ISO - 9001Bíblia   ISO - 9001
Bíblia ISO - 9001
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
 
Gestao qualidade
Gestao qualidadeGestao qualidade
Gestao qualidade
 
Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015
 

Semelhante a CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO

Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdfAula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Julio Iacia
 
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
ConceitosdebsicosdequalidadedesoftwareConceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Heuder Rodrigues de Sena
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
Ronney Moreira de Castro
 
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
SERGIO DE MELLO QUEIROZ
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Cesar Gonçalves
 
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizaçõesCertificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Rafael Pires
 
Gestão da Qualidade e Inovação
Gestão da Qualidade e InovaçãoGestão da Qualidade e Inovação
Gestão da Qualidade e Inovação
Sergio Pinto
 
Visao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptx
Visao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptxVisao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptx
Visao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptx
Antônio Lino
 
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Claudio Cardozo
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
Norton Guimarães
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_Normas
Fatima Morais
 
Arq 400 isoa9001
Arq 400 isoa9001Arq 400 isoa9001
Arq 400 isoa9001
Valeria Carneiro
 
Gestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & ProdutividadeGestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & Produtividade
Marcos Magnanti
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Fregonezi
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
guestb3227e
 
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
A N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I GA N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I G
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
Fregonezi
 
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Tatiana Santos
 
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de AlimentosCurso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Felipe Girão
 
Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000
Danilo Alex
 
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
Adriano Pereira
 

Semelhante a CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO (20)

Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdfAula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
 
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
ConceitosdebsicosdequalidadedesoftwareConceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
 
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizaçõesCertificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
Certificação de processos e gestão da qualidade de software nas organizações
 
Gestão da Qualidade e Inovação
Gestão da Qualidade e InovaçãoGestão da Qualidade e Inovação
Gestão da Qualidade e Inovação
 
Visao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptx
Visao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptxVisao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptx
Visao Geral - PALESTRA ISO 9001 EJRos.pptx
 
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_Normas
 
Arq 400 isoa9001
Arq 400 isoa9001Arq 400 isoa9001
Arq 400 isoa9001
 
Gestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & ProdutividadeGestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & Produtividade
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
 
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1   Conceitos GestãO Qualidade SigAnexo 1   Conceitos GestãO Qualidade Sig
Anexo 1 Conceitos GestãO Qualidade Sig
 
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
A N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I GA N E X O 1    C O N C E I T O S  G E S TÃ O  Q U A L I D A D E  S I G
A N E X O 1 C O N C E I T O S G E S TÃ O Q U A L I D A D E S I G
 
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
 
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de AlimentosCurso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
 
Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000Para que serve a ISO 9000
Para que serve a ISO 9000
 
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
 

Mais de Eder Nogueira

COBIT 5
COBIT 5 COBIT 5
COBIT 5
Eder Nogueira
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
Eder Nogueira
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YIIDETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
Eder Nogueira
 
Títulos de Renda Fixa
Títulos de Renda FixaTítulos de Renda Fixa
Títulos de Renda Fixa
Eder Nogueira
 
HIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da InflaçãoHIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da Inflação
Eder Nogueira
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do Dever
Eder Nogueira
 
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULLProjeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Eder Nogueira
 
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLARPROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
Eder Nogueira
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTESATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
Eder Nogueira
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAISATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
Eder Nogueira
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOSAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
Eder Nogueira
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLAAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
Eder Nogueira
 
Ferramentas Colaborativas
Ferramentas ColaborativasFerramentas Colaborativas
Ferramentas Colaborativas
Eder Nogueira
 
Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam
Eder Nogueira
 
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
Eder Nogueira
 
Padrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto MediatorPadrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto Mediator
Eder Nogueira
 
JAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORKJAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORK
Eder Nogueira
 
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
Eder Nogueira
 
JavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão GeralJavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão Geral
Eder Nogueira
 
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Eder Nogueira
 

Mais de Eder Nogueira (20)

COBIT 5
COBIT 5 COBIT 5
COBIT 5
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
 
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YIIDETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
DETRAN MAIS FÁCIL: CONSTRUÇÃO DE APP WEB USANDO O FRAMEWORK ÁGIL YII
 
Títulos de Renda Fixa
Títulos de Renda FixaTítulos de Renda Fixa
Títulos de Renda Fixa
 
HIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da InflaçãoHIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da Inflação
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do Dever
 
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULLProjeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
Projeto Político Pedagógico - Parte I - Versão FULL
 
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLARPROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO - DIAGNÓSTICO ESCOLAR
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTESATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DOCENTES
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAISATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - PAIS
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOSAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ALUNOS
 
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLAAPRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
APRESENTAÇÃO DO PPP ESCOLA MUN. PROF. LUIZ MARANHÃO FILHO PARTE I - ESCOLA
 
Ferramentas Colaborativas
Ferramentas ColaborativasFerramentas Colaborativas
Ferramentas Colaborativas
 
Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam Tutorial JBoss Seam
Tutorial JBoss Seam
 
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
UTILIZANDO O FRAMEWORK JBOSS SEAM PARA ACELERAR O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕ...
 
Padrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto MediatorPadrão de Projeto Mediator
Padrão de Projeto Mediator
 
JAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORKJAVA MEDIA FRAMEWORK
JAVA MEDIA FRAMEWORK
 
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
PROGRAMAÇÃO DECLARATIVA COM JAVAFX: UM PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES ...
 
JavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão GeralJavaFX - Uma visão Geral
JavaFX - Uma visão Geral
 
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
Abordagem humanística da administração e decorrências da teoria das relações ...
 

CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO

  • 1. Componentes: Eder Carlos Elder Vale Jair Ricardo Maria Emilia Tiago Garcia Certificação Para Qualidade: Iso IFRN TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NATAL, MARÇO DE 2008
  • 2. Contexto  Competitividade;  Inovações tecnológicas a serviço das empresas;  Redefinição política da indústria;  Necessidade de se preparar para os desafios do futuro;
  • 3. Contexto  Adaptação das atividades de uma empresa em relação ao seu ambiente de atuação;  Necessidade de novos modelos na organização da produção e gestão;  Aprimoração para agir com sucesso;
  • 4. Aprimoração  Melhoria em:  Produtividade;  Eficiência;  Eficácia;  Excelência;  Competitividade;  Sucesso;  Gerência pela qualidade total;
  • 5. Modelo de Gestão pela Qualidade Total  Surge como resposta a um ambiente econômico cada vez mais competitivo;  Forma de ação administrativa;  Principal foco das atividades da empresa: qualidade de produtos e serviços;  Permanente e de longo prazo;  Alcance da satisfação do cliente;
  • 6. Modelo de Gestão pela Qualidade Total  Melhoria contínua dos produtos e serviços;  Necessita participação de todos os membros da empresa;  Segundo a ISO:  “GQT é uma abordagem de gestão para uma organização, centrada na qualidade, baseada na participação de todos os seus membros, focando no sucesso a longo prazo através da satisfação dos clientes, e benefícios para todos os membros da organização e para a sociedade.
  • 7. Dois Enfoques para a GQT  Segundo Ishikawa (1990), podem ser dois enfoques para a GQT:  Pequena qualidade: características importantes para os clientes;  Grande qualidade: Satisfação comum de várias pessoas, grupos, e comunidades envolvidos na vida de uma organização;
  • 8. Dois Enfoques para a GQT  Pequena qualidade vem como conseqüência da grande qualidade;  Não só satisfação do cliente, mas também:  Redução de custos operacionais;  Minimização de perdas;  Otimização do uso dos recursos;
  • 9. Métodos da GQT  Plano de ação;  Barreiras e auxílios;  Benchmarking;  Brainstorming;  Engenharia simultânea;  Estimativa de custo;  Custo da qualidade;  Análise das necessidades do cliente;
  • 10. Métodos da GQT  Modelo cliente/fornecedor;  Questionário cliente/fornecedor;  Ciclo de Deming/Shewhart;  Projeto de experimentos;  Entrevista;  Votação múltipla;  Técnica de grupo nominal;  Desdobramento da função da qualidade;  Controle estatístico do processo.
  • 11. Benefícios  Melhorias na qualidade do produto;  Melhorias na qualidade do projeto;  Redução de perdas e custos de operação;  Maior satisfação dos empregados em relação ao seu trabalho e à empresa;  Redução dos estrangulamentos das linhas de produção;
  • 12. Benefícios  Aprimoramento dos métodos e testes de inspeção;  Otimização do tempo de realização de tarefas;  Programas de manutenção preventiva;  Geração de dados relevantes para o marketing da empresa;  Entre outros...
  • 13. Benefícios para Competividade  Produtos e serviços  Livres de defeito;  Produtos confiáveis;  Entrega confiável;  Atividades  Indicadores de qualidade;  Confiabilidade;  Prazos ;  Flexibilidade;  Sincronização das estratégias de competição com produção;
  • 14. BPF – Boas práticas de Fabricação (GMP – Good Manufacturing Practices)  Programa iniciado na Inglaterra, no final dos anos 60, iniciou-se como programa voluntário para a indústria e hoje é de adoção obrigatória, de acordo com o RDC 275 de 21/10/02, da ANVISA  É um conjunto de ações que objetiva especialmente a qualidade, segurança de uso, eficácia nos produtos.
  • 15. BPF – Boas práticas de Fabricação (GMP – Good Manufacturing Practices)  Normas de BPF abrangem:  Princípios de higiene pessoal  Técnicas de instalações industrias voltadas a produção, armazenamento e transporte de produtos e matérias primas  Controles de produtos
  • 16. ISO  Organização Internacional de Padronização (International Organization for Standardization);  Entidade fundada em 1947;  Sediada na Suiça;  Congrega organismos de normalização nacionais;
  • 17. ISO  Elabora padrões para especificações e métodos de trabalho nas mais diversas áreas;  Representação do Brasil: ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas);  Exceção: Setor eletro-eletrônico – International Elechtrotechnical Comission;
  • 18.  Vantagens competitivas  Imagem da empresa junto aos Clientes ;  Compromisso constante da melhoria contínua;  Consumidores e Clientes consideram a garantia e melhoria da qualidade um fator decisivo na aquisição de produto ou serviço; ISO
  • 19. ISO  Benefícios  Melhor organização e domínio pela empresa em relação aos processos desenvolvidos;  Disciplina na execução das tarefas através de definições de responsabilidades e métodos;  Previsibilidade dos resultados e otimização dos recursos empregados;  Redução dos custos operacionais;  Aumento do compromisso e trabalho em equipe;
  • 20. ISO 9000  Representação de todo conjunto de documentos referentes à sistematização de atividades para garantia de qualidade;
  • 21. ISO 9001 e ISO 9004  ISO 9001:2000 - SGQ: Requisitos  Usada para demonstrar capacidade de atender aos requisitos do cliente, os regulamentares e os da própria organização.  Define um conjunto de requisitos para o SGQ.  ISO 9004:2000 - SGQ: Diretrizes para Melhoria de Desempenho.  Usada para melhorar o desempenho do SGQ da empresa.  Guia de Melhoria (orientações para os requisitos da ISO 9001).
  • 22. Perguntas mais Freqüentes sobre ISO  Quem controla a ISO?  As decisões estratégicas são tomadas pelos membros da ISO em uma assembléia geral anual.  Quais os benefícios para empresas das padronizações internacionais?  Competitividade, pois podem basear seus produtos e serviços em documentos de referência amplamente distribuídos.  Onde se pode achar quais padrões a ISO oferece?  No catálogo da ISO, presente on-line em http://www.iso.org/iso/en/CatalogueListPage.CatalogueList
  • 23. Perguntas mais Freqüentes sobre ISO  Qual a relação do ISO com os governos?  ISO é uma organização não-governamental, logo há participação tanto do setor público como do privado  Como posso obter um padrão ISO?  Como produtos eletrônicos, contatando um membro do ISO ou o departamento de vendas da ISO.  Posso reproduzir padrões ISO?  Todos os padrões ISO são protegidos por direitos autorais.
  • 24. PNQ  É um reconhecimento formal, a excelência na gestão praticadas pelas organizações (empresas) sediadas no Brasil.  Os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade), constituem um modelo sistêmico da gestão adotado por inúmeras organizações de Classe Mundial.
  • 25. PNQ  Estrutura dos requisitos do PNQ  Os critérios de excelência estão estruturados sobre os seguintes itens e respectiva pontuação:
  • 26. PNQ Liderança 110 Pontos Estratégias e Planos 60 Pontos Clientes 60 Pontos Sociedade 60 Pontos Informações e Conhecimento 60 Pontos Pessoas 90 Pontos Processos 110 Pontos Resultados 450 Pontos Totalizando 1000 pontos máximo.
  • 27. PNQ  Vantagens Competitivas  O destaque da imagem da empresa junto a toda sociedade. inclusive à mídia, dentro e fora do cenário nacional;  O compromisso e esforço da empresa na melhoria contínua, expondo o seu sistema de gestão à critérios de excelência considerados máximos em termos de modelo e de referência nacional e internacional;
  • 28. Referências Bibliográficas  COLTRO, A. A gestão da qualidade total e suas influências na competitividade empresarial. FEA/USP.  http://www.masterqualidade.com.br