SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Governo do Estado da Bahia
        Secretaria de Educação
           Colégio CETEPA
           Alagoinhas- BA




Proposta Curricular de Biologia
      Ano Letivo - 2010




              Alagoinhas,

           Dezembro de 2010.
I.     Dados de identificação
       Colégio: CETEPA
       Área do conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.
       Componente Curricular: Biologia                     Carga Horária: 02 aulas semanais.
       Professor orientador: Cláudia Regina de Souza
       Estagiários: Adailton Almeida, João Machado, Maria Tereza, Rondinelle Oliveira.
       Curso: Formação Geral                                         Séries: 1ª, 2ª e 3ª
       Segmento: Ensino Médio




                                           JUSTIFICATIVA


       A presente proposta curricular surgiu da necessidade de se construir uma referência para
o ensino do Componente Curricular Biologia no ensino médio, que possa ser discutida e
traduzida em realidade, e ao mesmo tempo, possa garantir a todos os alunos o direito de ter
acesso aos conhecimentos biológicos indispensáveis à construção de sua cidadania.
        Para tanto, é necessário redefinir claramente o papel da escola e da educação que
desejamos construir. Dessa forma, esta proposta tem a intenção de provocar a reflexão a respeito
da função da escola, e dos objetivos do ensino e aprendizagem, envolvendo também aspectos da
comunidade e da cultura local/regional.
       A Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394/96) - LDB - é a lei orgânica e geral da educação
brasileira. Como o próprio nome diz, dita as diretrizes e as bases da organização do sistema
educacional. Segundo o ex-ministro Paulo Renato Souza - que ao lado do então presidente
Fernando Henrique Cardoso sancionou a LDB que vigora até hoje - "o mais interessante da LDB
é que ela foge do que é infelizmente o mais comum na legislação brasileira: ser muito detalhista.
A LDB não é detalhista, ela dá muita liberdade para as escolas, para os sistemas de ensino dos
municípios e dos estados, fixando normas gerais.
       A primeira Lei de Diretrizes e Bases foi criada em 1961. Uma nova versão foi aprovada
em   1971    e   a   terceira,   ainda    vigente   no   Brasil,     foi   sancionada      em   1996.
Alguns pontos da LDB vigente desde então são considerados ganhos importantes para os
cidadãos: "a União deve gastar no mínimo 18% e os estados e municípios no mínimo 25% de
seus orçamentos na manutenção e desenvolvimento do ensino público" (art. 69); o Ensino
fundamental passa a ser obrigatório e gratuito (art. 4) e; a educação infantil (creches e pré-
escola) se torna oficialmente a primeira etapa da educação básica.
A LDB, antes de qualquer coisa, enfatiza competências cognitivas, começando pelas
finalidades gerais da educação básica, na qual a capacidade de aprendizagem tem um grande
destaque. Revertendo o foco do ensino para a aprendizagem, se trata de ensinar um conteúdo
específico, mas, sobretudo de desenvolver a capacidade de aprendizagem de diferentes
conteúdos por todo o ensino fundamental.
       Mais especificamente no que se refere ao ensino médio, nos artigos 35 e 36, a lei
explicitamente abre portas para um currículo voltado para competências e não para conteúdos.
Este currículo ou doutrina curricular não tem como referência a disciplina escolar clássica, mas
sim as capacidades que cada uma das disciplinas pode criar nos alunos. Os conteúdos
disciplinares se concebem assim como meios e não como fins em si mesmos.
       Somente com a democratização da escola, a interação dela com a comunidade, o dialogo
entre professores e alunos, conteúdos, métodos e recursos apropriados, poderão superar os graves
problemas da educação brasileira.
       A Biologia é a ciência da vida, um processo dinâmico em que todos os seres vivos estão
em contínua mudança, usando energia, incorporando substâncias, crescendo, reproduzindo-se e
respondendo ao ambiente que os circunda. O estudo da vida é interessante por si mesmo.
       Nossos jovens precisam estar em condições de se pronunciar sobre as opções individuais
e coletivas nessas áreas, orientados pelos conhecimentos biológicos tratados na escola.
       De maneira geral, quem ensina Biologia conta com o interesse e a expectativa dos
estudantes em relação aos assuntos da disciplina, pois os adolescentes sentem interesse pelas
questões relacionadas ao seu próprio corpo, aos seres vivos e ao meio ambiente. Muitos já
tiveram ou têm animais de estimação e estão constantemente em contato com a mídia que
divulga notícias sobre curiosidades do mundo animal e vegetal, doenças, vacinas etc. No entanto,
nem sempre as aulas de Biologia atendem a essas expectativas, principalmente se a disciplina
assume um caráter meramente descritivo: uma lista de nomes, conceitos e fenômenos que, via de
regra, precisam ser apenas memorizados, sem que os alunos ampliem sua compreensão dos
assuntos pelos quais se interessavam ou se interessam. Assim, o encanto se quebra, e pouco resta
do interesse e motivação naturais para aprender Biologia.
       Os conteúdos devem ser reais, dinâmicos, permitindo a redescoberta e reconstrução por
parte do aluno. Atribuindo a educação a prioridade condizente com sua função social, fazendo
com que ela promova o desenvolvimento das potencialidades, o exercício consciente da
cidadania e estimule o desejo de aprender e a curiosidade de maneira natural, poderemos
eliminar a miséria e construir uma sociedade mais justa.
É de grande relevância o principio da observação e compreensão do mundo em que
vivemos. Isso é justificado, porque o acesso ao conhecimento cientifico histórico e socialmente
acumulado parte dos fatos concretos da pratica social e das diversas formas objetivas e
dinâmicas da natureza, em um movimento de compreensão das concatenações existentes entre
elas. Estas, uma vez descobertas, são demonstradas, por via experimental, ate onde possível.
       Tradicionalmente, o ensino de Biologia ministrado em nossas escolas é apresentado como
uma matéria descritiva, com ênfase em definições resumidas, as quais são normalmente retiradas
de livros didáticos, que empregam termos técnicos e apresentam classificações fundadas nas
nomenclaturas. Geralmente, o conhecimento científico se restringe a um conjunto de dados
isolados e estanques.


Conteúdo a ser trabalho

       Em um momento em que o ambiente é a “moeda” de negociação nos acertos entre países
preocupados com o equilíbrio ecológico, se faz necessário reestruturar o estudo da Biologia,
enfocando não só a transmissão de conteúdos, mas também a aplicação destes para melhoria da
qualidade de vida e manutenção do hábitat.
       Na atual conjuntura, o domínio do conhecimento humano transcende os limites
estipulados dentro de cada área, mesmo porque a integração interdisciplinar permite uma melhor
compreensão dos processos que ocorrem no ambiente em que vivemos.
       A biologia, nesse contexto, tem um papel aglutinador das outras Ciências, porque o
ecossistema tem de ser analisado e compreendido utilizando os conhecimentos da Química,
Física e Geografia, dentre outros.
       Nesse processo, o homem tem um papel decisivo, pois a interação conhecimento – ação é
de fundamental importância, porque dela é que virão as conseqüências, positivas ou não, de sua
atuação no ambiente.
       Na área biológica, o conhecimento atual está centrado em três linhas mestras: a Biologia
Molecular, a Biologia Animal e a Biologia Vegetal que, entre si, oferecem subsídios para uma
compreensão mais clara de todos os grandes avanços que o homem está desenvolvendo na atual
conjuntura, resultando em conquistas que contrariam conceitos até então tidos como imutáveis.
       A questão envolvendo preservação da biodiversidade deverá ser calcada em aspectos que
reflitam e justifique a interação vegetal x animal x homem, dentro de um contexto mais amplo e
não apenas e somente o preservar pelo preservar. Para tanto, é necessário que conhecimentos dos
processos de evolução orgânica sejam dominados pelos educando, de modo que possam tirar
conclusões reais sobre caminhos a serem seguidos.
II – Objetivos Gerais

   01. Conhecer as diferentes teorias a cerca da origem e evolução dos seres vivos na Terra;
   02. Reconhecer os avanços e dilemas que permeiam o campo emergente da Biologia
       Molecular e seus impactos sociais;
   03. Compreender os avanços científicos relacionados à área de manipulação genética e seus
       impactos sobre a biodiversidade e a sociedade humana;
   04. Explicar os mecanismos básicos que regem a dinâmica biológica dos ecossistemas,
       relacionando ao conceito de sustentabilidade ambiental;
   05. Elaborar e analisar propostas de uso e conservação da biodiversidade do planeta;



       III - PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR


EMENTA (1º Ano)

       Biosfera, vida e organização biológica. Vida, matéria e energia. Água, sais minerais,
carboidratos e lipídeos. Proteínas. Vitaminas. Os ácidos nucléicos e a síntese de proteínas. A
Origem da vida. A célula. Envoltórios celulares. Citoplasma. Núcleo celular. Divisão celular.
Biotecnologia do DNA. Fotossíntese. Respiração celular. Tecido epitelial. Tecido conjuntivo.
Tecido muscular. Tecido nervoso. Tecidos meristemáticos. Tecidos permanentes.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

      Reconhecer os níveis de organização dos seres vivos;
      Analisar os componentes estruturais e as reações metabólicas essenciais à manutenção da
       vida;
      Conhecer as teorias da origem e evolução da vida na Terra;
      Conhecer o nível de organização celular e seus componentes químicos;
      Comparar os processos de divisão celular;
      Explicar as vias metabólicas da respiração celular;
      Analisar as etapas químicas da fotossíntese;
      Comparar a estrutura e o mecanismo de ação dos ácidos nucléicos;
      Analisar a estrutura e o funcionamento dos tecidos animais e vegetais;
EMENTA (2º Ano)

        Reprodução e desenvolvimento embrionário. Introdução ao estudo dos seres vivos: vírus, reino
monera, protista, fungi, plantae. Fisiologia das angiospermas. Introdução aos animais e estudo de porífera
e cnidários. Platelmintos e nematódeos; Moluscos e anelídeos. Artrópode e equinodermata. Chordata.
Sustentação, digestão e respiração; Circulação, mecanismos de defesa e excreção. Coordenação e
regulação.



OBJETIVOS ESPECÍFICOS

       Descrever os diferentes processos de reprodução dos seres vivos;
       Conhecer as fases do desenvolvimento embrionário;
       Conhecer a diversidade dos seres vivos;
       Analisar a estrutura e o funcionamento dos vírus;
       Apresentar a diversidade morfológica do reino monera;
       Conhecer a relação dos protozoários com a saúde humana;
       Classificar os diferentes grupos de fungos;
       Reconhecer a diversidade e a importância do reino Plantea para os seres humanos;
       Descrever o funcionamento das angiosperma;
       Descrever os processos de origem e evolução dos animais;
       Comparar a diversidade entre os grupos pertencentes ao reino Animalia.


EMENTA (3º Ano)

        Genética: Visão histórica da genética; Leis de Mendel; Hereditariedade e cromossomos sexuais.
Evolução: Teorias e evidências; Genética de populações e especiação. Ecologia: fluxo de energia e ciclo
da matéria; relações ecológicas; sucessões ecológicas, equilíbrio ambiental.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

       Explicar as bases dos mecanismos de hereditariedade;
       Comparar as teorias sobre a evolução e origem das espécies;
       Analisar a dinâmica ecológica da transferência de energia e matéria e de interações entre
        os seres vivos;
       Conhecer os mecanismos de sucessão ecológica;
     Analisar o processo de evolução humana e as mudanças ambientais advindas desse
    processo.
Série   Unidade     Temas Estruturadores             Conteúdo



              I                                      Hipóteses sobre a origem da vida e a vida
                    Origem e evolução da vida
                                                     primitiva;


                                                     Água, sais minerais, carboidratos, lipídeos,
              II    A Composição química das         Proteínas.
                    células

                                                     Organização Celular da vida e Funções
                    Identidade dos seres vivos
 1ª                                                  Celulares Básicas.
              III



              IV                                     Tecido Epitelial (de revestimento, glandular);
                    Histologia animal e vegetal      Tecido conjuntivo (tecido adiposo, cartilaginoso,
                                                     ósseo, sanguíneo); Tecido muscular (tecido
                                                     muscular estriado cardíaco, esquelético e liso);
                                                     Tecido nervoso.



                                                     Reprodução assexuada, reprodução sexuada,
                                                     sistema genital masculino e feminino; Fases do
              I                                      desenvolvimento embrionário.
                    Reprodução e desenvolvimento
                    embrionário



              II    Introdução ao estudo dos seres   Vírus, reino monera, protista, fungi, plantae.

 2ª                 vivos

                                                     Absorção, Condução de seiva bruta e elabore o
                                                     desenvolvimento das plantas, Transpiração,
        III         Fisiologia das angiospernas
                                                     fotossíntese e respiração, Hormônios e efeito da
                                                     luz sobre o desenvolvimento das plantas

                                                     Introdução aos animais e estudo de porífera e

              IV                                     cnidários. Platheomintos e nematódeos;
                                                     Moluscos e anelídeos. Artrópoda e
                    Diversidade Biológica            equinodermata. Chordata. Sustentação, digestão
                                                     e respiração; Circulação, mecanismos de defesa
                                                     e excreção. Coordenação e regulação.


                                                     Visão histórica, 1ªe segunda lei de Mendel,
                    Genética                         pleotropia, Interação gênica e herança
              I                                      quantitativa.
II                                     Determinação cromossômica do sexo, Sistema
                 Hereditariedade e cromossomos    x e y e biotecnologia.
                 sexuais



 3ª
           III   Evolução                         Teorias e evidencias e genética de populações
                                                  e especiação.



           IV                                     Introdução, fluxo de energia e Ciclo de matéria,
                 Ecologia                         relação entre os seres vivos e sucessão
                                                  ecológica




                             PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

       Como passo fundamental para o sucesso dessa proposta, se faz necessário um adequado
treinamento dos profissionais que atuarão na área em questão, aprimorando conceitos básicos de
filosofia, ética e de práticas pedagógicas, bem como clareza de que nova postura estará sendo
assumida diante dos fatos.
       As aulas serão licenciadas através de exposições orais, vídeos, aulas práticas, com o
auxilio de quadro branco, TV pen drive, aparelho de DVD e Data-show. A busca de constante
atualização, seja pelo uso de literatura adequada envolvendo livros, revistas, acesso à internet,
dentre outros se faz necessário. De nada adianta o professor ter acesso a esses sistemas de
comunicação se ele não for tocado pelo espírito que deve nortear os profissionais de área.
Curiosidade, investigação e tentativa de superar seus próprios limites.
       É vital que se estimule o educando a vontade de investigar a natureza e a ele próprio,
despertando raciocínio biológico, o senso de observação e o senso crítico aguçado. A capacidade
de observação, a interpretação de dados e a elaboração de hipótese e testagens, são de
fundamental importância e devem ser avaliadas como critérios imprescindíveis do homem
moderno.
AVALIAÇÃO

       A avaliação é um instrumento fundamental para se obter informações sobre o processo de
ensino-aprendizagem. Necessariamente, deve estar estreitamente vinculado aos objetivos da
aprendizagem. Além disso, têm a finalidade de revelar fragilidades e lacunas, pontos que
necessitam de reparo e modificação por parte do professor. Ou seja, a avaliação deve estar
centrada tanto no julgamento dos resultados apresentados pelos alunos quanto na análise do
processo de aprendizado.
       Segundo os PCN+, entre outras características, o processo de avaliação deve:
• retratar o trabalho desenvolvido;

• possibilitar observar, interpretar, comparar, relacionar, registrar, criar novas soluções usando
diferentes linguagens;

• constituir um momento de aprendizagem no que tange às competências de leitura e
interpretação de textos;

• privilegiar a reflexão, análise e solução de problemas;

• possibilitar que os alunos conheçam o instrumento assim como os critérios de correção;

• proporcionar o desenvolvimento da capacidade de avaliar e julgar, ao permitir que os alunos
tomem parte de sua própria avaliação e da de seus colegas, privilegiando, para isso, os trabalhos
coletivos. (PCN+, p. 137).
       Ao longo do curso, surgem inúmeras oportunidades de observação e avaliação. O
professor deve analisar e avaliar as atitudes dos alunos, individualmente ou no grupo. Assim é
possível refletir e informá-los dos aspectos da expressão oral, cooperação, respeito pela opinião
do outro, organização do trabalho, esforço e dedicação. A distribuição de notas fica a critério dos
professores, contudo as maiores notas deverão ser atribuídas às avaliações da aprendizagem ou
cumulativas. No final do ano letivo os alunos deverão obter as médias propostas pela instituição
(varia), não conseguindo atingi-las deverão ser submetidos a uma prova final ou recuperação.
       Por fim, a escola deverá assegurar ao aluno, uma boa formação, tornando-o capaz
de realizar a transposição dos conteúdos formais na interpretação do cotidiano e na valorização
dos conhecimentos não formais gerados na comunidade; ao professor: os meios necessários para
proporcionar ao aluno uma formação contínua, de qualidade, que lhe garanta atualização
permanente para enfrentar os avanços da sociedade.
RECURSOS



   Aparelho de DVD;
   Vídeo;
   TV pendrive;
   Mídias de DVDs;
   Quadro branco;
   Data-Show
   Pilot, apagador;
   Livro texto do aluno e outros;
   Material de laboratório e outros;
   Espaço da sala de aula, Sala de ciências.
   Cartazes
   Desenhos
REFERÊNCIAS



 AMABIS e MARTHO. Conceitos de Biologia. Vol. 1, São Paulo SP, Ed. Moderna,
  2001

 BRASIL Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Media e Tecnológica. Parâmetros
  Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Orientações Complementares aos Parâmetros
  Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, DF:
  [2000?].


 ___________________. Congresso Nacional, Lei n° 9.394/1996: Lei de Diretrizes e Bases da
  Educação Nacional. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1996.


 __________________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica.
  Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Bases Legais. Brasília, DF, 1999.


 __________________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Fundo Nacional
  de Desenvolvimento da educação. Biologia: Catálogo do Programa Nacional do livro para o
  Ensino Médio. PNLEM/ 2007. Brasília, DF: IBEP, 2006.



 CÉSAR e CEZAR. Biologia. Vol. 1, 2 e 3 Ed. Saraiva, São Paulo, SP, 1995.


 CHASSOT. Attico. A ciência através dos tempos. Coleção Polêmica. Editora Moderna – São
   Paulo, 1997.


 DIAS, Genebaldo F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 1992. p 400.


 ___________. Elementos para a Percepção das Questões Ambientais. Projeto de Educação
  Ambiental da Universidade Católica de Brasília – Proex. Taguatinga, DF:        Petry.


 LINHARES, SÉRGIO; GEWANDSZNAJDER, FERNANDO. Biologia. Volume único. Editora
  Ática, 1ª ED. São Paulo, 2007.


 PAULINO, W. R. Biologia: citologia e histologia. Vol. 1.Ed. Àtica. São Paulo, 2005.


 Secretaria de Educação Básica Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias –
  Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. (Orientações
  curriculares para o ensino médio; volume 2).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proposta curricular camila
Proposta curricular   camilaProposta curricular   camila
Proposta curricular camilafamiliaestagio
 
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1christianceapcursos
 
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLARchristianceapcursos
 
Proposta curricular polivalente
Proposta curricular   polivalenteProposta curricular   polivalente
Proposta curricular polivalentefamiliaestagio
 
O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...
O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...
O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...Daniela Menezes
 
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambienteComo ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambienteplanocoletivo
 
Projeto antonia completo
Projeto  antonia completoProjeto  antonia completo
Projeto antonia completoAntonia Reis
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...José Ricardo Gonçalves Abreu
 
Educação ambiental políticas de melhoria
Educação ambiental   políticas de melhoriaEducação ambiental   políticas de melhoria
Educação ambiental políticas de melhoriaEspedito Carvalho
 

Mais procurados (18)

Proposta curricular
Proposta curricularProposta curricular
Proposta curricular
 
Proposta curricular camila
Proposta curricular   camilaProposta curricular   camila
Proposta curricular camila
 
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR1
 
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: NO CONTEXTO ESCOLAR
 
Proposta curricular polivalente
Proposta curricular   polivalenteProposta curricular   polivalente
Proposta curricular polivalente
 
O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...
O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...
O Protagonismo dos Educandos diante das Demandas Socioambientais da Escola: a...
 
(2) resumo de algumas leis[1]
(2) resumo de algumas  leis[1](2) resumo de algumas  leis[1]
(2) resumo de algumas leis[1]
 
Questões ldb
Questões ldbQuestões ldb
Questões ldb
 
Simulado ldb
Simulado ldbSimulado ldb
Simulado ldb
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambienteComo ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
Como ocorre a relação de interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente
 
Projeto antonia completo
Projeto  antonia completoProjeto  antonia completo
Projeto antonia completo
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O DESAFIO DA ESCOLA DE CONSCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE OS I...
 
Educação ambiental texto
Educação ambiental textoEducação ambiental texto
Educação ambiental texto
 
Estatuto do aluno
Estatuto do alunoEstatuto do aluno
Estatuto do aluno
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
Bncc
BnccBncc
Bncc
 
Educação ambiental políticas de melhoria
Educação ambiental   políticas de melhoriaEducação ambiental   políticas de melhoria
Educação ambiental políticas de melhoria
 

Destaque

PolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da Família
PolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da FamíliaPolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da Família
PolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da FamíliaCentro Universitário Ages
 
Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013
Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013
Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013Sandro Araújo
 
CBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaCBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaNatan Campos
 
Plano de ensino_de_geografia_8º_ano_ef
Plano de ensino_de_geografia_8º_ano_efPlano de ensino_de_geografia_8º_ano_ef
Plano de ensino_de_geografia_8º_ano_efMagno Rodrigues
 
Ensino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-ano
Ensino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-anoEnsino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-ano
Ensino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-anoHeline Pereira
 
Ementas 7 ano 4º bim 2013
Ementas 7 ano 4º bim 2013Ementas 7 ano 4º bim 2013
Ementas 7 ano 4º bim 2013Sandro Araújo
 
Alinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de Filosofia
Alinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de FilosofiaAlinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de Filosofia
Alinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de FilosofiaPatrícia
 
Otm normal médio núcleo de formação prática
Otm normal médio   núcleo de formação práticaOtm normal médio   núcleo de formação prática
Otm normal médio núcleo de formação práticaFlávia Maria
 
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestrePlanejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestreEDMIRSON OLIVEIIRA
 
Plano de ensino geografia corrigios
Plano de ensino geografia corrigiosPlano de ensino geografia corrigios
Plano de ensino geografia corrigiossimonclark
 
Grade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º ano
Grade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º anoGrade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º ano
Grade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º anoAdilson P Motta Motta
 
Ementa Ensino Médio
Ementa Ensino MédioEmenta Ensino Médio
Ementa Ensino MédioCamilaClivati
 

Destaque (20)

PolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da Família
PolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da FamíliaPolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da Família
PolíticaS Públicas de Saúde e Processo de Trabalho em Saúde da Família
 
Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013
Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013
Ementas Corrigidas 7 ano 2º bim 2013
 
Planos de ensino historia 6 ano 2014
Planos de ensino historia 6 ano 2014Planos de ensino historia 6 ano 2014
Planos de ensino historia 6 ano 2014
 
CBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaCBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua Portuguesa
 
735 ementa
735 ementa735 ementa
735 ementa
 
Plano de ensino_de_geografia_8º_ano_ef
Plano de ensino_de_geografia_8º_ano_efPlano de ensino_de_geografia_8º_ano_ef
Plano de ensino_de_geografia_8º_ano_ef
 
Ensino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-ano
Ensino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-anoEnsino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-ano
Ensino fundamentalorientacoes-curriculares-1o-ao-5o-ano
 
Ementas 7 ano 4º bim 2013
Ementas 7 ano 4º bim 2013Ementas 7 ano 4º bim 2013
Ementas 7 ano 4º bim 2013
 
Alinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de Filosofia
Alinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de FilosofiaAlinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de Filosofia
Alinhamento de Conteúdos Básicos Mínimos de Filosofia
 
Otm normal médio núcleo de formação prática
Otm normal médio   núcleo de formação práticaOtm normal médio   núcleo de formação prática
Otm normal médio núcleo de formação prática
 
Currículo integrado
Currículo integradoCurrículo integrado
Currículo integrado
 
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestrePlanejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestre
 
Plano de curso agroecologia
Plano de curso agroecologiaPlano de curso agroecologia
Plano de curso agroecologia
 
Cbc anos iniciais
Cbc   anos iniciaisCbc   anos iniciais
Cbc anos iniciais
 
Plano de ação pedagógica 2015 6º ao 9º ano do ef - semed
Plano de ação pedagógica 2015   6º ao 9º ano do ef - semedPlano de ação pedagógica 2015   6º ao 9º ano do ef - semed
Plano de ação pedagógica 2015 6º ao 9º ano do ef - semed
 
Planejamento anual da 8ª série
Planejamento anual da 8ª sériePlanejamento anual da 8ª série
Planejamento anual da 8ª série
 
Plano de ensino geografia corrigios
Plano de ensino geografia corrigiosPlano de ensino geografia corrigios
Plano de ensino geografia corrigios
 
Grade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º ano
Grade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º anoGrade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º ano
Grade curricular educação ensino fundamental: 6º ao 9º ano
 
Ementa Ensino Médio
Ementa Ensino MédioEmenta Ensino Médio
Ementa Ensino Médio
 
Planejamento de historia em. por bimestre 2014
Planejamento de historia em. por bimestre 2014Planejamento de historia em. por bimestre 2014
Planejamento de historia em. por bimestre 2014
 

Semelhante a Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza

Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular   colégio estadual de alagoinhasProposta curricular   colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular colégio estadual de alagoinhasfamiliaestagio
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netofamiliaestagio
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprpfamiliaestagio
 
Proposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraProposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraLorenabiologia
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasfranciele_regina
 
Proposta curricular de biologia brazilino viegas cris
Proposta curricular de biologia brazilino viegas   crisProposta curricular de biologia brazilino viegas   cris
Proposta curricular de biologia brazilino viegas crisfamiliaestagio
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaMario Amorim
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeirofamiliaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeirofamiliaestagio
 
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-finalTcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-finalJonacir Novaes
 
Coleção explorando o ensino médio biologia
Coleção explorando o ensino médio   biologiaColeção explorando o ensino médio   biologia
Coleção explorando o ensino médio biologianetoalvirubro
 
CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...
CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...
CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...Anderson Oliveira
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010familiaestagio
 
Prot. 1150 17 pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...
Prot. 1150 17   pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...Prot. 1150 17   pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...
Prot. 1150 17 pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...Claudio Figueiredo
 
2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te2.A Atividade De Te
2.A Atividade De TeTic Upe
 

Semelhante a Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza (20)

Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular   colégio estadual de alagoinhasProposta curricular   colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
 
Proposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraProposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieira
 
Proposta curricular
Proposta curricularProposta curricular
Proposta curricular
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
 
Proposta curricular de biologia brazilino viegas cris
Proposta curricular de biologia brazilino viegas   crisProposta curricular de biologia brazilino viegas   cris
Proposta curricular de biologia brazilino viegas cris
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
 
Expensbio
ExpensbioExpensbio
Expensbio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-finalTcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
 
Coleção explorando o ensino médio biologia
Coleção explorando o ensino médio   biologiaColeção explorando o ensino médio   biologia
Coleção explorando o ensino médio biologia
 
CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...
CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...
CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO QUÍMICO: UMA ALTERNATIVA PARA PROMOVER MUDAN...
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010
 
Prot. 1150 17 pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...
Prot. 1150 17   pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...Prot. 1150 17   pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...
Prot. 1150 17 pl autoriza o executivo a incluir no currículo das escolas mu...
 
Nereide siqueira
Nereide siqueiraNereide siqueira
Nereide siqueira
 
2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te
 
Budel
BudelBudel
Budel
 

Mais de familiaestagio

Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidadefamiliaestagio
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidadefamiliaestagio
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidofamiliaestagio
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o corretofamiliaestagio
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesfamiliaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiifamiliaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)familiaestagio
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivfamiliaestagio
 

Mais de familiaestagio (20)

Portfólio ulisses
Portfólio   ulissesPortfólio   ulisses
Portfólio ulisses
 
Portfólio daniel
Portfólio   danielPortfólio   daniel
Portfólio daniel
 
Plano de aula 05
Plano de aula 05Plano de aula 05
Plano de aula 05
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
 
Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma
CronogramaCronograma
Cronograma
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigido
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o correto
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viii
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes iv
 

Último

Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoMarcio Venturelli
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 

Último (9)

Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 

Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza

  • 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria de Educação Colégio CETEPA Alagoinhas- BA Proposta Curricular de Biologia Ano Letivo - 2010 Alagoinhas, Dezembro de 2010.
  • 2. I. Dados de identificação Colégio: CETEPA Área do conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente Curricular: Biologia Carga Horária: 02 aulas semanais. Professor orientador: Cláudia Regina de Souza Estagiários: Adailton Almeida, João Machado, Maria Tereza, Rondinelle Oliveira. Curso: Formação Geral Séries: 1ª, 2ª e 3ª Segmento: Ensino Médio JUSTIFICATIVA A presente proposta curricular surgiu da necessidade de se construir uma referência para o ensino do Componente Curricular Biologia no ensino médio, que possa ser discutida e traduzida em realidade, e ao mesmo tempo, possa garantir a todos os alunos o direito de ter acesso aos conhecimentos biológicos indispensáveis à construção de sua cidadania. Para tanto, é necessário redefinir claramente o papel da escola e da educação que desejamos construir. Dessa forma, esta proposta tem a intenção de provocar a reflexão a respeito da função da escola, e dos objetivos do ensino e aprendizagem, envolvendo também aspectos da comunidade e da cultura local/regional. A Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394/96) - LDB - é a lei orgânica e geral da educação brasileira. Como o próprio nome diz, dita as diretrizes e as bases da organização do sistema educacional. Segundo o ex-ministro Paulo Renato Souza - que ao lado do então presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou a LDB que vigora até hoje - "o mais interessante da LDB é que ela foge do que é infelizmente o mais comum na legislação brasileira: ser muito detalhista. A LDB não é detalhista, ela dá muita liberdade para as escolas, para os sistemas de ensino dos municípios e dos estados, fixando normas gerais. A primeira Lei de Diretrizes e Bases foi criada em 1961. Uma nova versão foi aprovada em 1971 e a terceira, ainda vigente no Brasil, foi sancionada em 1996. Alguns pontos da LDB vigente desde então são considerados ganhos importantes para os cidadãos: "a União deve gastar no mínimo 18% e os estados e municípios no mínimo 25% de seus orçamentos na manutenção e desenvolvimento do ensino público" (art. 69); o Ensino fundamental passa a ser obrigatório e gratuito (art. 4) e; a educação infantil (creches e pré- escola) se torna oficialmente a primeira etapa da educação básica.
  • 3. A LDB, antes de qualquer coisa, enfatiza competências cognitivas, começando pelas finalidades gerais da educação básica, na qual a capacidade de aprendizagem tem um grande destaque. Revertendo o foco do ensino para a aprendizagem, se trata de ensinar um conteúdo específico, mas, sobretudo de desenvolver a capacidade de aprendizagem de diferentes conteúdos por todo o ensino fundamental. Mais especificamente no que se refere ao ensino médio, nos artigos 35 e 36, a lei explicitamente abre portas para um currículo voltado para competências e não para conteúdos. Este currículo ou doutrina curricular não tem como referência a disciplina escolar clássica, mas sim as capacidades que cada uma das disciplinas pode criar nos alunos. Os conteúdos disciplinares se concebem assim como meios e não como fins em si mesmos. Somente com a democratização da escola, a interação dela com a comunidade, o dialogo entre professores e alunos, conteúdos, métodos e recursos apropriados, poderão superar os graves problemas da educação brasileira. A Biologia é a ciência da vida, um processo dinâmico em que todos os seres vivos estão em contínua mudança, usando energia, incorporando substâncias, crescendo, reproduzindo-se e respondendo ao ambiente que os circunda. O estudo da vida é interessante por si mesmo. Nossos jovens precisam estar em condições de se pronunciar sobre as opções individuais e coletivas nessas áreas, orientados pelos conhecimentos biológicos tratados na escola. De maneira geral, quem ensina Biologia conta com o interesse e a expectativa dos estudantes em relação aos assuntos da disciplina, pois os adolescentes sentem interesse pelas questões relacionadas ao seu próprio corpo, aos seres vivos e ao meio ambiente. Muitos já tiveram ou têm animais de estimação e estão constantemente em contato com a mídia que divulga notícias sobre curiosidades do mundo animal e vegetal, doenças, vacinas etc. No entanto, nem sempre as aulas de Biologia atendem a essas expectativas, principalmente se a disciplina assume um caráter meramente descritivo: uma lista de nomes, conceitos e fenômenos que, via de regra, precisam ser apenas memorizados, sem que os alunos ampliem sua compreensão dos assuntos pelos quais se interessavam ou se interessam. Assim, o encanto se quebra, e pouco resta do interesse e motivação naturais para aprender Biologia. Os conteúdos devem ser reais, dinâmicos, permitindo a redescoberta e reconstrução por parte do aluno. Atribuindo a educação a prioridade condizente com sua função social, fazendo com que ela promova o desenvolvimento das potencialidades, o exercício consciente da cidadania e estimule o desejo de aprender e a curiosidade de maneira natural, poderemos eliminar a miséria e construir uma sociedade mais justa.
  • 4. É de grande relevância o principio da observação e compreensão do mundo em que vivemos. Isso é justificado, porque o acesso ao conhecimento cientifico histórico e socialmente acumulado parte dos fatos concretos da pratica social e das diversas formas objetivas e dinâmicas da natureza, em um movimento de compreensão das concatenações existentes entre elas. Estas, uma vez descobertas, são demonstradas, por via experimental, ate onde possível. Tradicionalmente, o ensino de Biologia ministrado em nossas escolas é apresentado como uma matéria descritiva, com ênfase em definições resumidas, as quais são normalmente retiradas de livros didáticos, que empregam termos técnicos e apresentam classificações fundadas nas nomenclaturas. Geralmente, o conhecimento científico se restringe a um conjunto de dados isolados e estanques. Conteúdo a ser trabalho Em um momento em que o ambiente é a “moeda” de negociação nos acertos entre países preocupados com o equilíbrio ecológico, se faz necessário reestruturar o estudo da Biologia, enfocando não só a transmissão de conteúdos, mas também a aplicação destes para melhoria da qualidade de vida e manutenção do hábitat. Na atual conjuntura, o domínio do conhecimento humano transcende os limites estipulados dentro de cada área, mesmo porque a integração interdisciplinar permite uma melhor compreensão dos processos que ocorrem no ambiente em que vivemos. A biologia, nesse contexto, tem um papel aglutinador das outras Ciências, porque o ecossistema tem de ser analisado e compreendido utilizando os conhecimentos da Química, Física e Geografia, dentre outros. Nesse processo, o homem tem um papel decisivo, pois a interação conhecimento – ação é de fundamental importância, porque dela é que virão as conseqüências, positivas ou não, de sua atuação no ambiente. Na área biológica, o conhecimento atual está centrado em três linhas mestras: a Biologia Molecular, a Biologia Animal e a Biologia Vegetal que, entre si, oferecem subsídios para uma compreensão mais clara de todos os grandes avanços que o homem está desenvolvendo na atual conjuntura, resultando em conquistas que contrariam conceitos até então tidos como imutáveis. A questão envolvendo preservação da biodiversidade deverá ser calcada em aspectos que reflitam e justifique a interação vegetal x animal x homem, dentro de um contexto mais amplo e não apenas e somente o preservar pelo preservar. Para tanto, é necessário que conhecimentos dos processos de evolução orgânica sejam dominados pelos educando, de modo que possam tirar conclusões reais sobre caminhos a serem seguidos.
  • 5. II – Objetivos Gerais 01. Conhecer as diferentes teorias a cerca da origem e evolução dos seres vivos na Terra; 02. Reconhecer os avanços e dilemas que permeiam o campo emergente da Biologia Molecular e seus impactos sociais; 03. Compreender os avanços científicos relacionados à área de manipulação genética e seus impactos sobre a biodiversidade e a sociedade humana; 04. Explicar os mecanismos básicos que regem a dinâmica biológica dos ecossistemas, relacionando ao conceito de sustentabilidade ambiental; 05. Elaborar e analisar propostas de uso e conservação da biodiversidade do planeta; III - PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR EMENTA (1º Ano) Biosfera, vida e organização biológica. Vida, matéria e energia. Água, sais minerais, carboidratos e lipídeos. Proteínas. Vitaminas. Os ácidos nucléicos e a síntese de proteínas. A Origem da vida. A célula. Envoltórios celulares. Citoplasma. Núcleo celular. Divisão celular. Biotecnologia do DNA. Fotossíntese. Respiração celular. Tecido epitelial. Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Tecido nervoso. Tecidos meristemáticos. Tecidos permanentes. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Reconhecer os níveis de organização dos seres vivos;  Analisar os componentes estruturais e as reações metabólicas essenciais à manutenção da vida;  Conhecer as teorias da origem e evolução da vida na Terra;  Conhecer o nível de organização celular e seus componentes químicos;  Comparar os processos de divisão celular;  Explicar as vias metabólicas da respiração celular;  Analisar as etapas químicas da fotossíntese;  Comparar a estrutura e o mecanismo de ação dos ácidos nucléicos;  Analisar a estrutura e o funcionamento dos tecidos animais e vegetais;
  • 6. EMENTA (2º Ano) Reprodução e desenvolvimento embrionário. Introdução ao estudo dos seres vivos: vírus, reino monera, protista, fungi, plantae. Fisiologia das angiospermas. Introdução aos animais e estudo de porífera e cnidários. Platelmintos e nematódeos; Moluscos e anelídeos. Artrópode e equinodermata. Chordata. Sustentação, digestão e respiração; Circulação, mecanismos de defesa e excreção. Coordenação e regulação. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Descrever os diferentes processos de reprodução dos seres vivos;  Conhecer as fases do desenvolvimento embrionário;  Conhecer a diversidade dos seres vivos;  Analisar a estrutura e o funcionamento dos vírus;  Apresentar a diversidade morfológica do reino monera;  Conhecer a relação dos protozoários com a saúde humana;  Classificar os diferentes grupos de fungos;  Reconhecer a diversidade e a importância do reino Plantea para os seres humanos;  Descrever o funcionamento das angiosperma;  Descrever os processos de origem e evolução dos animais;  Comparar a diversidade entre os grupos pertencentes ao reino Animalia. EMENTA (3º Ano) Genética: Visão histórica da genética; Leis de Mendel; Hereditariedade e cromossomos sexuais. Evolução: Teorias e evidências; Genética de populações e especiação. Ecologia: fluxo de energia e ciclo da matéria; relações ecológicas; sucessões ecológicas, equilíbrio ambiental. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Explicar as bases dos mecanismos de hereditariedade;  Comparar as teorias sobre a evolução e origem das espécies;  Analisar a dinâmica ecológica da transferência de energia e matéria e de interações entre os seres vivos;  Conhecer os mecanismos de sucessão ecológica;  Analisar o processo de evolução humana e as mudanças ambientais advindas desse processo.
  • 7. Série Unidade Temas Estruturadores Conteúdo I Hipóteses sobre a origem da vida e a vida Origem e evolução da vida primitiva; Água, sais minerais, carboidratos, lipídeos, II A Composição química das Proteínas. células Organização Celular da vida e Funções Identidade dos seres vivos 1ª Celulares Básicas. III IV Tecido Epitelial (de revestimento, glandular); Histologia animal e vegetal Tecido conjuntivo (tecido adiposo, cartilaginoso, ósseo, sanguíneo); Tecido muscular (tecido muscular estriado cardíaco, esquelético e liso); Tecido nervoso. Reprodução assexuada, reprodução sexuada, sistema genital masculino e feminino; Fases do I desenvolvimento embrionário. Reprodução e desenvolvimento embrionário II Introdução ao estudo dos seres Vírus, reino monera, protista, fungi, plantae. 2ª vivos Absorção, Condução de seiva bruta e elabore o desenvolvimento das plantas, Transpiração, III Fisiologia das angiospernas fotossíntese e respiração, Hormônios e efeito da luz sobre o desenvolvimento das plantas Introdução aos animais e estudo de porífera e IV cnidários. Platheomintos e nematódeos; Moluscos e anelídeos. Artrópoda e Diversidade Biológica equinodermata. Chordata. Sustentação, digestão e respiração; Circulação, mecanismos de defesa e excreção. Coordenação e regulação. Visão histórica, 1ªe segunda lei de Mendel, Genética pleotropia, Interação gênica e herança I quantitativa.
  • 8. II Determinação cromossômica do sexo, Sistema Hereditariedade e cromossomos x e y e biotecnologia. sexuais 3ª III Evolução Teorias e evidencias e genética de populações e especiação. IV Introdução, fluxo de energia e Ciclo de matéria, Ecologia relação entre os seres vivos e sucessão ecológica PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Como passo fundamental para o sucesso dessa proposta, se faz necessário um adequado treinamento dos profissionais que atuarão na área em questão, aprimorando conceitos básicos de filosofia, ética e de práticas pedagógicas, bem como clareza de que nova postura estará sendo assumida diante dos fatos. As aulas serão licenciadas através de exposições orais, vídeos, aulas práticas, com o auxilio de quadro branco, TV pen drive, aparelho de DVD e Data-show. A busca de constante atualização, seja pelo uso de literatura adequada envolvendo livros, revistas, acesso à internet, dentre outros se faz necessário. De nada adianta o professor ter acesso a esses sistemas de comunicação se ele não for tocado pelo espírito que deve nortear os profissionais de área. Curiosidade, investigação e tentativa de superar seus próprios limites. É vital que se estimule o educando a vontade de investigar a natureza e a ele próprio, despertando raciocínio biológico, o senso de observação e o senso crítico aguçado. A capacidade de observação, a interpretação de dados e a elaboração de hipótese e testagens, são de fundamental importância e devem ser avaliadas como critérios imprescindíveis do homem moderno.
  • 9. AVALIAÇÃO A avaliação é um instrumento fundamental para se obter informações sobre o processo de ensino-aprendizagem. Necessariamente, deve estar estreitamente vinculado aos objetivos da aprendizagem. Além disso, têm a finalidade de revelar fragilidades e lacunas, pontos que necessitam de reparo e modificação por parte do professor. Ou seja, a avaliação deve estar centrada tanto no julgamento dos resultados apresentados pelos alunos quanto na análise do processo de aprendizado. Segundo os PCN+, entre outras características, o processo de avaliação deve: • retratar o trabalho desenvolvido; • possibilitar observar, interpretar, comparar, relacionar, registrar, criar novas soluções usando diferentes linguagens; • constituir um momento de aprendizagem no que tange às competências de leitura e interpretação de textos; • privilegiar a reflexão, análise e solução de problemas; • possibilitar que os alunos conheçam o instrumento assim como os critérios de correção; • proporcionar o desenvolvimento da capacidade de avaliar e julgar, ao permitir que os alunos tomem parte de sua própria avaliação e da de seus colegas, privilegiando, para isso, os trabalhos coletivos. (PCN+, p. 137). Ao longo do curso, surgem inúmeras oportunidades de observação e avaliação. O professor deve analisar e avaliar as atitudes dos alunos, individualmente ou no grupo. Assim é possível refletir e informá-los dos aspectos da expressão oral, cooperação, respeito pela opinião do outro, organização do trabalho, esforço e dedicação. A distribuição de notas fica a critério dos professores, contudo as maiores notas deverão ser atribuídas às avaliações da aprendizagem ou cumulativas. No final do ano letivo os alunos deverão obter as médias propostas pela instituição (varia), não conseguindo atingi-las deverão ser submetidos a uma prova final ou recuperação. Por fim, a escola deverá assegurar ao aluno, uma boa formação, tornando-o capaz de realizar a transposição dos conteúdos formais na interpretação do cotidiano e na valorização dos conhecimentos não formais gerados na comunidade; ao professor: os meios necessários para proporcionar ao aluno uma formação contínua, de qualidade, que lhe garanta atualização permanente para enfrentar os avanços da sociedade.
  • 10. RECURSOS  Aparelho de DVD;  Vídeo;  TV pendrive;  Mídias de DVDs;  Quadro branco;  Data-Show  Pilot, apagador;  Livro texto do aluno e outros;  Material de laboratório e outros;  Espaço da sala de aula, Sala de ciências.  Cartazes  Desenhos
  • 11. REFERÊNCIAS  AMABIS e MARTHO. Conceitos de Biologia. Vol. 1, São Paulo SP, Ed. Moderna, 2001  BRASIL Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Media e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Orientações Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, DF: [2000?].  ___________________. Congresso Nacional, Lei n° 9.394/1996: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1996.  __________________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Bases Legais. Brasília, DF, 1999.  __________________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Fundo Nacional de Desenvolvimento da educação. Biologia: Catálogo do Programa Nacional do livro para o Ensino Médio. PNLEM/ 2007. Brasília, DF: IBEP, 2006.  CÉSAR e CEZAR. Biologia. Vol. 1, 2 e 3 Ed. Saraiva, São Paulo, SP, 1995.  CHASSOT. Attico. A ciência através dos tempos. Coleção Polêmica. Editora Moderna – São Paulo, 1997.  DIAS, Genebaldo F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 1992. p 400.  ___________. Elementos para a Percepção das Questões Ambientais. Projeto de Educação Ambiental da Universidade Católica de Brasília – Proex. Taguatinga, DF: Petry.  LINHARES, SÉRGIO; GEWANDSZNAJDER, FERNANDO. Biologia. Volume único. Editora Ática, 1ª ED. São Paulo, 2007.  PAULINO, W. R. Biologia: citologia e histologia. Vol. 1.Ed. Àtica. São Paulo, 2005.  Secretaria de Educação Básica Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 2).