SlideShare uma empresa Scribd logo
LÓ G I C A D E PROGRAMAÇÃO
Aula – Introdução
O que é Lógica?
A palavra
lógica está
normalmente
relacionada
com o modo
de pensar de
um indivíduo
em termos de
racionalidade
e coerência.
O que é Lógica?
Todo cachorro é um mamífero.
Todo mamífero é um animal.
Portanto, todo cachorro é um animal.
O exemplo acima representa um argumento composto
por duas premissas e uma conclusão. Está sendo
estabelecida uma relação que pode ser válida ou não,
aliás, este é um dos objetivos da lógica - estudar
técnicas de formalização, dedução e análise com o
intuito de verificar a validade de argumentos.
PRATICANDO O RACIOCÍNIO LÓGICO
EXERCÍCIO 1
A sequência de
determinada regra:
palavras abaixo segue uma
Camiseta, acetona, macaco, abacaxi, mágico
Qual é a próxima palavra da sequência?
a) cavalo
b) azeite
c) maionese
d) basquete
e) publicação
EXERCÍCIO 2
Descubra o nome de um rei famoso por meio desta
charada:
“Com quinhentos começa.
No meio está o cinco;
O primeiro número, a primeira letra
Ocupam as demais posições.
Junte tudo e o nome do grande rei
Na sua frente surgirá”
EXERCÍCIO 3
Você é o comandante de um navio. Cinco
marinheiros colocam-se a sua frente para receber
suas ordens. Tente nomeá-los, da esquerda para a
direita, de acordo com as informações:
– Anderson está entre Jorge e Cláudio;
– Humberto está à esquerda de Claúdio;
– Jorge não está ao lado de Humberto;
– Humberto não está ao lado de Rafael.
EXERCÍCIO 4
 Você está dirigindo um ônibus para o Rio de
janeiro, 4 pessoas desceram em São Paulo, ao
chegar no Rio de Janeiro desceram 22 e José ficou.
Qual o nome do motorista?
SO L U Ç Õ E S
Exercício 1:
A regra que determina a seqüência é a posição da letra c. A resposta correta é
a alternativa e, publicação, pois é a única palavra na qual c é a sexta letra.
Exercício 2:
– Em algarismos romanos 500 é D;
– A primeira de todas as letras é A;
– O primeiro número romano é I;
–No meio está o cinco, que em algarismo romanos é V.
Juntando tudo, encontramos o nome do rei DAVI.
Exercício 3:
A sequência correta é:
Humberto, Cláudio, Anderson, Jorge e Rafael
Exercício 4:
Você (nome do aluno)
LÓ G I C A D E PROGRAMAÇÃO :
Técnica de encadear pensamentos para atingir
determinado objetivo
Necessária para desenvolver programas e sistemas, pois
permite definir a sequência lógica para a solução de um
problema
S E Q U Ê N C I A L Ó G I C A:
Estes pensamentos podem ser descritos como uma
sequência de instruções, que devem ser seguidas para se
cumprir uma determinada tarefa
Passos executados até se atingir um objetivo ou solução
de um problema
O Q U E SÃO INSTRUÇÕES ?
Pelo dicionário Michaelis encontraremos a seguinte
definição para Instrução: “Conjunto das formalidades e
informações necessárias para elucidar uma causa e pô-la
em estado de ser julgada.”
No dicionário Michaelis especificamente a área de
informática encontraremos que instrução é uma: “palavra ou
expressão única que representa uma Operação.”
C UIDADOS AO PASSAR IN S T R U Ç Õ E S
• Uma ordem isolada não permite realizar o processo
completo, é necessário um conjunto de instruções
colocadas em ordem seqüencial lógica.
• Claro que essas instruções têm que ser executadas
em uma ordem coerente
• Uma instrução tomada isoladamente não faz
sentido; para atingirmos o resultado desejado, é
preciso colocar em prática o conjunto de todas as
instruções, na ordem correta
13
C OM O FA Z ER UM OM E L ETE ?
DESCREVA A SEQUÊNCIA DE PASSOS
Instruções incompletas para fazer omelete:
para “fazer omelete” Quanto às instruções
isoladas: Só “quebrar ovos”, ou só “pôr óleo
na frigideira”, não é suficiente para cumprir a
tarefa “fazer omelete”
• Instruções para fazer omelete: “quebrar ovos”,
“bater ovos”, “pôr sal”, “ligar fogão”, “pôr óleo na
frigideira”, “pôr frigideira no fogo”, “fritar ovos
batidos”, etc...
O Q U E SÃO INSTRUÇÕES ?
Cada um dos passos, cada uma das ações a tomar
(obedecendo a sequência lógica) para ir resolvendo o
problema, ou para ir executando a tarefa
Em informática, é a informação que indica a um
computador uma operação elementar a executar.
Ex.: “somar”, “subtrair”, “comparar se é maior”, etc.
Uma só instrução não resolve problemas
Executar um conjunto de instruções
Executar em uma sequência lógica
O Q U E É O AL G O R ITMO?
“Um conjunto finito de regras que provê uma
sequência de operações para resolver um tipo de
problema específico” (KNUTH]
“Sequência ordenada, e não ambígua, de passos
que levam à solução de um dado problema”
(TREMBLAY)
“Processo de cálculo, ou de resolução de um
grupo de problemas semelhantes, em que se
estipulam, com generalidade e sem restrições, as
regras formais para a obtenção do resultado ou da
solução do problema” (AURÉLIO)
O Q U E É O AL G O R ITMO?
Os passos devem ser especificados com clareza e
exatidão e devem ser realizados em cada uma das
fases do processo a ser automatizado, bem como a
seqüência em que estas fases devem ser realizadas. A
especificação da seqüência ordenada de passos que
deve ser seguida para a realização de uma tarefa,
garantindo a sua repetibilidade, dá-se o nome de
algoritmo.
PARA Q U E S E R V E OS AL G O R ITMO?
Serve como modelo
para programas,
pois sua linguagem
é intermediária à
linguagem humana
e às linguagens de
programação, sendo
então, uma boa
ferramenta na
validação da lógica
de tarefas a serem
automatizadas.
20
CARACTERÍSTICAS D E U M ALGORITMO
•Todo algoritmo deve apresentar algumas características
básicas:
- Ter um início e fim;
- Não dar margem à dupla interpretação
(não ter duplo sentido);
-Ter a capacidade de receber dado(s) de entrada do mundo
exterior;
-Poder gerar informações de saída para o mundo externo
ao do ambiente do algoritmo;
•Ser efetivo (todas as etapas especificadas no algoritmo
devem ser alcançáveis em um tempo finito).
PRATICANDO
Desenvolva os seguintes algoritmos:
 Sacar dinheiro de um banco 24 horas.
 Chamada a cobrar realizada de um telefone público.
 Preparar um macarrão instantâneo
 Trocar uma lâmpada queimada.
DADOS
 Sacar dinheiro de um banco 24 horas.
Cartão da conta
Senha
 Chamada a cobrar realizada de um telefone público.
Número do telefone
 Preparar um macarrão instantâneo
Macarrão
Água
Tempero
 Trocar uma lâmpada queimada.
Lâmpada
Escada*
DADOS
Cartão da conta, Senha, Número do telefone,
Macarrão, Água, Tempero, Lâmpada e Escada.
Esses dados são necessários para realizar as
instruções e concluir todo o processo.
Logo, se tornam imprescindíveis no
desenvolvimento de um algoritmo.
ALGORITMO NÃO COMPUTACIONAL
Os algoritmos não computacionais são
formados por dados e código.
Dados são os itens necessários para resolver
o problema.
Código são os comandos ou instruções para
manipular e "processar" os dados.
ALGORITMO COMPUTACIONAL
ALGORITMO COMPUTACIONAL
O computador, a princípio, não executa nada.
Para que ele faça uma determinada tarefa é
necessário que ele execute um programa.
O que é um programa?
Conjunto de milhares de instruções que
indicam ao computador, passo a passo, o que ele
tem que fazer.
PROGRA M A
Logo, um programa nada mais é do que um
algoritmo computacional descrito em uma
linguagem de programação. Uma linguagem de
programação contém os comandos que fazem o
computador escrever algo na tela, realizar cálculos
aritméticos, receber uma entrada de dados via
teclado, e milhares de outras coisas, mas estes
comandos precisam estar em uma ordem lógica.
EXEMPLO DE ALGORITMO COMPUTACIONAL
Imagine o seguinte problema: Calcular a
média final de um aluno que realizou quatro
provas: P1, P2, P3 e P4. Onde:
Para montar o algoritmo proposto, faremos
três perguntas:
EXEMPLO DE ALGORITMO COMPUTACIONAL
a) Quais são os dados de entrada?
R: Os dados de entrada são P1, P2, P3 e P4
b) Qual será o processamento a ser utilizado?
R: O procedimento será somar todos os dados de
entrada e dividi-los por 4 (quatro)
c) Quais serão os dados de saída?
R: O dado de saída será a média final
EXEMPLO DE ALGORITMO COMPUTACIONAL
Receba a nota da prova1
Receba a nota de prova2
Receba a nota de prova3
Receba a nota da prova4
Some todas as notas e divida o resultado por 4
Mostre o resultado da divisão
TESTE DE MESA
Após desenvolver um algoritmo ele deverá
sempre ser testado. Este teste é chamado de TESTE
DE MESA, que significa, seguir as instruções do
algoritmo de maneira precisa para verificar se o
procedimento utilizado está correto ou não.
EXERCÍCIO
Identifique quais são os
dados de entrada, o
processamento a ser utilizado e
os dados de saída
problemas a seguir, e
dos
monte
seu algoritmo:
1.Calcule a área do retângulo.
[Área = altura * base]
2.Calcule o IMC. [IMC = peso /
(altura * altura)]
3.Calcule o comprimento de um
círculo. [Comprimento = 2 *
PI * raio]
Calcular a média final de um aluno que
realizou quatro provas: P1, P2, P3 e P4.
a) Quais são os dados de entrada?
R: Os dados de entrada são P1, P2, P3 e P4
b)Qual será o processamento a ser utilizado?
R: O procedimento será somar todos os dados de
entrada e dividi-los por 4 (quatro)
c) Quais serão os dados de saída?
R: O dado de saída será a média final
ALGORITMO:
Receba a nota da prova1
Receba a nota de prova2
Receba a nota de prova3
Receba a nota da prova4
Some todas as notas e divida o resultado por 4
Mostre o resultado da divisão
1.CALCULE A ÁREA DO RETÂNGULO. [ÁREA
= ALTURA * BASE]
a) Quais são os dados de entrada?
R: altura, base
b) Qual será o processamento a ser utilizado?
R: multiplicar base pela altura
c) Quais serão os dados de saída?
R: área do retângulo
ALGORITMO:
Receba altura
Receba base
Multiplique base pela altura
Mostre a área do retângulo
2.CALCULE O IMC. [IMC = P E S O /
(ALTURA * ALTURA)]
a) Quais são os dados de entrada?
R: peso, altura
b) Qual será o processamento a ser utilizado?
R: dividir peso pela multiplicação de altura por altura
c) Quais serão os dados de saída?
R: imc
ALGORITMO:
Receba altura
Receba peso
Dividir o peso pela multiplicação de altura por altura
Mostre o imc
3.CALCULE O COMPRIMENTO DE UM
CÍRCULO. [COMPRIMENTO = 2 * PI * RAIO]
a) Quais são os dados de entrada?
R: raio
b) Qual será o processamento a ser utilizado?
R: multiplicar 2 por PI (3,14) por raio
c) Quais serão os dados de saída?
R: comprimento
ALGORITMO:
Receba raio
Multiplicar 2 por PI (3,14) por raio
Mostre o Comprimento
VARIÁVEIS
 Uma variável pode ser vista como uma caixa
com um rótulo ou nome colado a ela, que num
dado instante guarda um determinado objeto,
logo, uma variável nada mais é do que um
dado. O conteúdo desta caixa não é algo fixo
Permanente. Na verdade, essa caixa pode ter
seu conteúdo alterado diversas vezes.
 Contudo, o conteúdo deve ser sempre do mesmo
tipo. Na figura ao lado, a caixa (variável)
rotulada com FATOR contém o valor 5. Como
seu tipo é numérico, em um determinado
instante essa caixa poderá conter qualquer
valor numérico (inteiro ou fracionário; positivo,
negativo ou zero). Entretanto, em um
determinado instante, ela conterá um, e
somente um valor.
VARIÁVEIS
 Variáveis são palavras que tem um significado bem
específico em um algoritmo. Para que o computador
possa executar comandos que envolvem variáveis da
maneira correta, ele deve conhecer os detalhes das
variáveis que pretendemos usar. Esses detalhes são: o
identificador desta variável e o tipo de valores que
essa variável irá conter. Precisamos assim, de uma
maneira de especificar esses detalhes e comunicá-los
ao computador. Para isso devemos declarar nossas
variáveis logo abaixo da expressão “VAR” que tem a
seguinte forma:
VARIÁVEIS
 Onde <identificador i> é o nome (identificador) de
uma variável e <tipo das variáveis>
 determina que tipo de valor as variáveis poderão
receber.
 Os identificadores das variáveis são usados para
referenciá-las dentro do algoritmo. Tais identificadores
devem ser claros e precisos, dando uma ideia do
“papel” da variável no algoritmo.
VARIÁVEIS
Exemplos:
 Identificadores válidos: NOME, TELEFONE,
IDADE_FILHO, IdadeFilho, NOTA1, Est_Civil
 Identificadores inválidos: 3Endereco, Estado Civil,
PARA, algoritmo, numero/complemento
 Em Português Estruturado, só existem três tipos de
dados, conforme a tabela abaixo.:
TIPO D ESCRIÇÃ O TIPO D ESCRIÇÃ O
INTEIRO Representa valores inteiros.
Exemplos: 10, 5, -5, -10
RE A L Representa valores reais.
Exemplos: 10.2, 5.5, -5.1, -10.0
CARACTER Representa um texto (alfanumérico).
Exemplos: Maria, Rua Jaú 22, Feminino
VARIÁVEIS: RE G R A S
 nomes de variáveis não podem ser iguais a palavras
reservadas;
Algoritmo: var, para, entao
 nomes de variáveis devem possuir como primeiro
caractere uma letra ou sublinhado '_' (os outros
caracteres podem ser letras, números e sublinhado);
Incorreto: 1nota, 1nome
Correto: nota1 ou _nota1, nome1 ou _1nome
 Nomes de variáveis não podem conter espaços em
branco;
Incorreto: nome completo, data de nascimento
Correto: nomecompleto ou nome_completo,
datadenascimento ou data_de_nascimento
PRATICANDO
Defina os tipos de variáveis dos dados a seguir
como: INTEIRO, REAL ou CARACTER
 VARIÁVEL:
 Telefone:
 Idade:
 Endereco:
 Cep:
 Nome:
 Idade:
 Media:
 Numero:
DADO ARMAZENADO
3481-2344:
12
Rua Jaú, 23
11740-180
Ana Maria
Vinte e dois
23,567
1023344
TIPO
1.CALCULE A ÁREA DO RETÂNGULO. [ÁREA
= ALTURA * BASE]
VARIÁVEIS:
altura: Real
base: Real
area: Real
ALGORITMO:
Receba altura
Receba base
Multiplique base pela altura
Mostre a área do retângulo
2.CALCULE O IMC. [IMC = P E S O /
(ALTURA * ALTURA)]
VARIÁVEIS:
altura: Real
peso: Real
imc : Real
ALGORITMO:
Receba altura
Receba peso
Dividir o peso pela multiplicação de altura por altura
Mostre o imc
3.CALCULE O COMPRIMENTO DE UM
CÍRCULO. [COMPRIMENTO = 2 * PI * RAIO]
VARIÁVEIS:
raio: Real
Comprimento: Real
ALGORITMO:
Receba raio
Multiplicar 2 por PI (3,14) por raio
Mostre o Comprimento
EXERC ÍC IOS
 Receba o nome e a idade de uma
pessoa e calcule o ano de
nascimento.
 Receba o nome, a idade, o peso e
altura de uma pessoa e calcule o
IMC.
[IMC = peso /(altura * altura)]
 Receba um número, calcule o seu
dobro e o triplo.
 Receba
telefone
pessoa,
o nome, idade,
e endereço
mostre todos
sexo,
de uma
os dados
recebidos.
EXEMPLO: CALCULE A ÁREA DO
RETÂNGULO. [ÁREA = ALTURA *
BASE]
VARIÁV EIS:
ALTURA: REAL
BASE: REAL
AREA: REAL
ALGORITMO:
RECEBA ALTURA
RECEBA BASE
MULTIPLIQUE BASE PELA ALTURA
MOSTRE A ÁREA DO RETÂNGULO
ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G)
ALGORITMO (VISUAL G) – 2ª
Opção
Receba o nome e a idade de uma
pessoa e calcule o ano de
nascimento.
VARIAVEIS
nome: caractere
idade: inteiro
ano_de_nascimento: inteiro
ALGORITMO
Receba nome
Receba idade
Subtraia idade do ano atual
Mostre ano_de_nascimento
ALGORITMO "Ano de
Nascimento"
VAR
nome: caractere
idade: inteiro
ano_de_nascimento: inteiro
INICIO
Leia(nome)
Leia(idade)
ano_de_nascimento <- 2015 –
idade
Escreva(ano_de_nascimento)
FIMALGORITMO
ALGORITMO "Ano de
Nascimento"
VAR
nome: caractere
idade: inteiro
ano_de_nascimento: inteiro
ano_atual: inteiro
INICIO
Escreva(“Escreva seu nome:”)
Leia(nome)
Escreva(“Escreva sua idade:”)
Leia(idade)
Leia(ano_atual)
ano_de_nascimento <- ano_atual
– idade
Escreva(“Você nasceu em:
”,ano_de_nascimento)
FIMALGORITMO
ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G)
Receba o nome, a idade, o peso e altura
de uma pessoa e calcule o IMC.
[IMC = peso / (altura * altura)]
VARIAVEIS
nome: caractere
idade: inteiro
peso: real
altura: real
imc: real
ALGORITMO
Receba nome
Receba idade
Receba peso
Receba altura
Dividir peso por altura multiplicada por
altura
Mostre imc
ALGORITMO “imc"
VAR
nome: caractere
idade: inteiro
peso: real
altura: real
imc: real
INICIO
Leia(nome)
Leia(idade)
Leia(peso)
Leia(altura)
imc <- peso / (altura*altura)
Escreva(“Seu ima é “, imc)
FIMALGORITMO
ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G)
Receba um número, calcule o seu dobro
e o triplo.
VARIAVEIS
numero: real
dobro: real
triplo: real
ALGORITMO
Receba numero
Multiplique numero por 2
Multiplique numero por 3
Mostre dobro, triplo
ALGORITMO “Dobro_Triplo"
VAR
numero: real
dobro: real
triplo: real
INICIO
Leia(numero)
Dobro <- numero * 2
Triplo <- numero * 3
Escreva(“O dobro é ”, dobro)
Escreva(“O triplo é ”, triplo)
FIMALGORITMO
ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G)
Receba o nome, idade, sexo, telefone e
endereço de uma pessoa, mostre todos
os dados recebidos.
VARIAVEIS
nome: caractere
idade: inteiro
sexo: caractere
telefone: caractere
endereco: caractere
ALGORITMO
Receba nome
Receba idade
Receba sexo
Receba telefone
Receba endereco
Mostre nome, idade, sexo, telefone,
endereco
ALGORITMO “Cadastro"
VAR
nome: caractere
idade: inteiro
sexo: caractere
telefone: caractere
endereco: caractere
INICIO
Leia(nome)
Leia(idade)
Leia(sexo)
Leia(telefone)
Leia(endereco
Escreva(nome, idade, sexo, telefone,
endereco)
FIMALGORITMO
PRATICANDO COM O VISUAL G
1.Elabore uma aplicação que dado o valor de X, calcule e mostre X,
X2 e X3.
2.Elabore uma aplicação que a partir dos valores A, B e C digitados
via teclado, calcule e mostre o resultado do Delta.
Δ = b² – 4 . a . c
3.Elabore uma aplicação que a partir das bases e altura de um
trapézio calcule e mostre a área:
4. Elabore uma aplicação que permita ao usuário entrar com as
seguintes informações via teclado:
Calcular e exibir o resultado da fórmula horária da posição (s) em
função do tempo.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx

Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)
Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)
Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)
Gercélia Ramos
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
jormad
 
01 fundamentos de programação
01   fundamentos de programação01   fundamentos de programação
01 fundamentos de programação
maceca21
 
01 conceitos
01 conceitos01 conceitos
01 conceitos
Cristovão Duarte
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
angelicamenegassi
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
angelicamenegassi
 
Aula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptx
Aula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptxAula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptx
Aula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptx
Márcio Santos
 
Módulo1 aula4
Módulo1 aula4Módulo1 aula4
Módulo1 aula4
Eb 2,3 de beiriz
 
Algop - aula 03
Algop - aula 03Algop - aula 03
Algop - aula 03
Thiago Toscano Ferrari
 
Introduçao a Algoritmo...................
Introduçao a Algoritmo...................Introduçao a Algoritmo...................
Introduçao a Algoritmo...................
Márcio Santos
 
01-Lógica de Programação .pptx
01-Lógica de Programação .pptx01-Lógica de Programação .pptx
01-Lógica de Programação .pptx
FranciscoDavidSilvaS2
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
Claudio Stein Junior
 
Introducao logica
Introducao logicaIntroducao logica
Introducao logica
Denilton Darold
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
mafsistemas
 
Aula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptxAula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptx
GustavoBarrosLins1
 
Algoritmo e lógica de programação - Aula 1
Algoritmo e lógica de programação - Aula 1Algoritmo e lógica de programação - Aula 1
Algoritmo e lógica de programação - Aula 1
engenhariadecomputacao
 
Aula 1 lpa
Aula 1   lpaAula 1   lpa
Lógica de programação e algoritmos
Lógica de programação e algoritmosLógica de programação e algoritmos
Lógica de programação e algoritmos
Alisson Meneses Batista
 
Prova algoritmos
Prova algoritmosProva algoritmos
Prova algoritmos
pronatecvja
 

Semelhante a Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx (20)

Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)
Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)
Descritiva Narrativa (Lógica de Programação)
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
01 fundamentos de programação
01   fundamentos de programação01   fundamentos de programação
01 fundamentos de programação
 
01 conceitos
01 conceitos01 conceitos
01 conceitos
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
 
Aula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptx
Aula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptxAula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptx
Aula 01 - Apresentação - Introdução a Lógica.pptx
 
Módulo1 aula4
Módulo1 aula4Módulo1 aula4
Módulo1 aula4
 
Algop - aula 03
Algop - aula 03Algop - aula 03
Algop - aula 03
 
Introduçao a Algoritmo...................
Introduçao a Algoritmo...................Introduçao a Algoritmo...................
Introduçao a Algoritmo...................
 
01-Lógica de Programação .pptx
01-Lógica de Programação .pptx01-Lógica de Programação .pptx
01-Lógica de Programação .pptx
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
 
Introducao logica
Introducao logicaIntroducao logica
Introducao logica
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
 
Aula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptxAula 3-lógica.pptx
Aula 3-lógica.pptx
 
Algoritmo e lógica de programação - Aula 1
Algoritmo e lógica de programação - Aula 1Algoritmo e lógica de programação - Aula 1
Algoritmo e lógica de programação - Aula 1
 
Aula 1 lpa
Aula 1   lpaAula 1   lpa
Aula 1 lpa
 
Lógica de programação e algoritmos
Lógica de programação e algoritmosLógica de programação e algoritmos
Lógica de programação e algoritmos
 
Prova algoritmos
Prova algoritmosProva algoritmos
Prova algoritmos
 

Último

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
snerdct
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
zetec10
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 

Último (6)

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 

Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx

  • 1. LÓ G I C A D E PROGRAMAÇÃO Aula – Introdução
  • 2. O que é Lógica? A palavra lógica está normalmente relacionada com o modo de pensar de um indivíduo em termos de racionalidade e coerência.
  • 3. O que é Lógica? Todo cachorro é um mamífero. Todo mamífero é um animal. Portanto, todo cachorro é um animal. O exemplo acima representa um argumento composto por duas premissas e uma conclusão. Está sendo estabelecida uma relação que pode ser válida ou não, aliás, este é um dos objetivos da lógica - estudar técnicas de formalização, dedução e análise com o intuito de verificar a validade de argumentos.
  • 5. EXERCÍCIO 1 A sequência de determinada regra: palavras abaixo segue uma Camiseta, acetona, macaco, abacaxi, mágico Qual é a próxima palavra da sequência? a) cavalo b) azeite c) maionese d) basquete e) publicação
  • 6. EXERCÍCIO 2 Descubra o nome de um rei famoso por meio desta charada: “Com quinhentos começa. No meio está o cinco; O primeiro número, a primeira letra Ocupam as demais posições. Junte tudo e o nome do grande rei Na sua frente surgirá”
  • 7. EXERCÍCIO 3 Você é o comandante de um navio. Cinco marinheiros colocam-se a sua frente para receber suas ordens. Tente nomeá-los, da esquerda para a direita, de acordo com as informações: – Anderson está entre Jorge e Cláudio; – Humberto está à esquerda de Claúdio; – Jorge não está ao lado de Humberto; – Humberto não está ao lado de Rafael.
  • 8. EXERCÍCIO 4  Você está dirigindo um ônibus para o Rio de janeiro, 4 pessoas desceram em São Paulo, ao chegar no Rio de Janeiro desceram 22 e José ficou. Qual o nome do motorista?
  • 9. SO L U Ç Õ E S Exercício 1: A regra que determina a seqüência é a posição da letra c. A resposta correta é a alternativa e, publicação, pois é a única palavra na qual c é a sexta letra. Exercício 2: – Em algarismos romanos 500 é D; – A primeira de todas as letras é A; – O primeiro número romano é I; –No meio está o cinco, que em algarismo romanos é V. Juntando tudo, encontramos o nome do rei DAVI. Exercício 3: A sequência correta é: Humberto, Cláudio, Anderson, Jorge e Rafael Exercício 4: Você (nome do aluno)
  • 10. LÓ G I C A D E PROGRAMAÇÃO : Técnica de encadear pensamentos para atingir determinado objetivo Necessária para desenvolver programas e sistemas, pois permite definir a sequência lógica para a solução de um problema
  • 11. S E Q U Ê N C I A L Ó G I C A: Estes pensamentos podem ser descritos como uma sequência de instruções, que devem ser seguidas para se cumprir uma determinada tarefa Passos executados até se atingir um objetivo ou solução de um problema
  • 12. O Q U E SÃO INSTRUÇÕES ? Pelo dicionário Michaelis encontraremos a seguinte definição para Instrução: “Conjunto das formalidades e informações necessárias para elucidar uma causa e pô-la em estado de ser julgada.” No dicionário Michaelis especificamente a área de informática encontraremos que instrução é uma: “palavra ou expressão única que representa uma Operação.”
  • 13. C UIDADOS AO PASSAR IN S T R U Ç Õ E S • Uma ordem isolada não permite realizar o processo completo, é necessário um conjunto de instruções colocadas em ordem seqüencial lógica. • Claro que essas instruções têm que ser executadas em uma ordem coerente • Uma instrução tomada isoladamente não faz sentido; para atingirmos o resultado desejado, é preciso colocar em prática o conjunto de todas as instruções, na ordem correta 13
  • 14. C OM O FA Z ER UM OM E L ETE ? DESCREVA A SEQUÊNCIA DE PASSOS
  • 15. Instruções incompletas para fazer omelete: para “fazer omelete” Quanto às instruções isoladas: Só “quebrar ovos”, ou só “pôr óleo na frigideira”, não é suficiente para cumprir a tarefa “fazer omelete”
  • 16. • Instruções para fazer omelete: “quebrar ovos”, “bater ovos”, “pôr sal”, “ligar fogão”, “pôr óleo na frigideira”, “pôr frigideira no fogo”, “fritar ovos batidos”, etc...
  • 17. O Q U E SÃO INSTRUÇÕES ? Cada um dos passos, cada uma das ações a tomar (obedecendo a sequência lógica) para ir resolvendo o problema, ou para ir executando a tarefa Em informática, é a informação que indica a um computador uma operação elementar a executar. Ex.: “somar”, “subtrair”, “comparar se é maior”, etc. Uma só instrução não resolve problemas Executar um conjunto de instruções Executar em uma sequência lógica
  • 18. O Q U E É O AL G O R ITMO? “Um conjunto finito de regras que provê uma sequência de operações para resolver um tipo de problema específico” (KNUTH] “Sequência ordenada, e não ambígua, de passos que levam à solução de um dado problema” (TREMBLAY) “Processo de cálculo, ou de resolução de um grupo de problemas semelhantes, em que se estipulam, com generalidade e sem restrições, as regras formais para a obtenção do resultado ou da solução do problema” (AURÉLIO)
  • 19. O Q U E É O AL G O R ITMO? Os passos devem ser especificados com clareza e exatidão e devem ser realizados em cada uma das fases do processo a ser automatizado, bem como a seqüência em que estas fases devem ser realizadas. A especificação da seqüência ordenada de passos que deve ser seguida para a realização de uma tarefa, garantindo a sua repetibilidade, dá-se o nome de algoritmo.
  • 20. PARA Q U E S E R V E OS AL G O R ITMO? Serve como modelo para programas, pois sua linguagem é intermediária à linguagem humana e às linguagens de programação, sendo então, uma boa ferramenta na validação da lógica de tarefas a serem automatizadas. 20
  • 21. CARACTERÍSTICAS D E U M ALGORITMO •Todo algoritmo deve apresentar algumas características básicas: - Ter um início e fim; - Não dar margem à dupla interpretação (não ter duplo sentido); -Ter a capacidade de receber dado(s) de entrada do mundo exterior; -Poder gerar informações de saída para o mundo externo ao do ambiente do algoritmo; •Ser efetivo (todas as etapas especificadas no algoritmo devem ser alcançáveis em um tempo finito).
  • 22. PRATICANDO Desenvolva os seguintes algoritmos:  Sacar dinheiro de um banco 24 horas.  Chamada a cobrar realizada de um telefone público.  Preparar um macarrão instantâneo  Trocar uma lâmpada queimada.
  • 23. DADOS  Sacar dinheiro de um banco 24 horas. Cartão da conta Senha  Chamada a cobrar realizada de um telefone público. Número do telefone  Preparar um macarrão instantâneo Macarrão Água Tempero  Trocar uma lâmpada queimada. Lâmpada Escada*
  • 24. DADOS Cartão da conta, Senha, Número do telefone, Macarrão, Água, Tempero, Lâmpada e Escada. Esses dados são necessários para realizar as instruções e concluir todo o processo. Logo, se tornam imprescindíveis no desenvolvimento de um algoritmo.
  • 25. ALGORITMO NÃO COMPUTACIONAL Os algoritmos não computacionais são formados por dados e código. Dados são os itens necessários para resolver o problema. Código são os comandos ou instruções para manipular e "processar" os dados.
  • 27. ALGORITMO COMPUTACIONAL O computador, a princípio, não executa nada. Para que ele faça uma determinada tarefa é necessário que ele execute um programa. O que é um programa? Conjunto de milhares de instruções que indicam ao computador, passo a passo, o que ele tem que fazer.
  • 28. PROGRA M A Logo, um programa nada mais é do que um algoritmo computacional descrito em uma linguagem de programação. Uma linguagem de programação contém os comandos que fazem o computador escrever algo na tela, realizar cálculos aritméticos, receber uma entrada de dados via teclado, e milhares de outras coisas, mas estes comandos precisam estar em uma ordem lógica.
  • 29. EXEMPLO DE ALGORITMO COMPUTACIONAL Imagine o seguinte problema: Calcular a média final de um aluno que realizou quatro provas: P1, P2, P3 e P4. Onde: Para montar o algoritmo proposto, faremos três perguntas:
  • 30. EXEMPLO DE ALGORITMO COMPUTACIONAL a) Quais são os dados de entrada? R: Os dados de entrada são P1, P2, P3 e P4 b) Qual será o processamento a ser utilizado? R: O procedimento será somar todos os dados de entrada e dividi-los por 4 (quatro) c) Quais serão os dados de saída? R: O dado de saída será a média final
  • 31. EXEMPLO DE ALGORITMO COMPUTACIONAL Receba a nota da prova1 Receba a nota de prova2 Receba a nota de prova3 Receba a nota da prova4 Some todas as notas e divida o resultado por 4 Mostre o resultado da divisão
  • 32. TESTE DE MESA Após desenvolver um algoritmo ele deverá sempre ser testado. Este teste é chamado de TESTE DE MESA, que significa, seguir as instruções do algoritmo de maneira precisa para verificar se o procedimento utilizado está correto ou não.
  • 33. EXERCÍCIO Identifique quais são os dados de entrada, o processamento a ser utilizado e os dados de saída problemas a seguir, e dos monte seu algoritmo: 1.Calcule a área do retângulo. [Área = altura * base] 2.Calcule o IMC. [IMC = peso / (altura * altura)] 3.Calcule o comprimento de um círculo. [Comprimento = 2 * PI * raio] Calcular a média final de um aluno que realizou quatro provas: P1, P2, P3 e P4. a) Quais são os dados de entrada? R: Os dados de entrada são P1, P2, P3 e P4 b)Qual será o processamento a ser utilizado? R: O procedimento será somar todos os dados de entrada e dividi-los por 4 (quatro) c) Quais serão os dados de saída? R: O dado de saída será a média final ALGORITMO: Receba a nota da prova1 Receba a nota de prova2 Receba a nota de prova3 Receba a nota da prova4 Some todas as notas e divida o resultado por 4 Mostre o resultado da divisão
  • 34. 1.CALCULE A ÁREA DO RETÂNGULO. [ÁREA = ALTURA * BASE] a) Quais são os dados de entrada? R: altura, base b) Qual será o processamento a ser utilizado? R: multiplicar base pela altura c) Quais serão os dados de saída? R: área do retângulo ALGORITMO: Receba altura Receba base Multiplique base pela altura Mostre a área do retângulo
  • 35. 2.CALCULE O IMC. [IMC = P E S O / (ALTURA * ALTURA)] a) Quais são os dados de entrada? R: peso, altura b) Qual será o processamento a ser utilizado? R: dividir peso pela multiplicação de altura por altura c) Quais serão os dados de saída? R: imc ALGORITMO: Receba altura Receba peso Dividir o peso pela multiplicação de altura por altura Mostre o imc
  • 36. 3.CALCULE O COMPRIMENTO DE UM CÍRCULO. [COMPRIMENTO = 2 * PI * RAIO] a) Quais são os dados de entrada? R: raio b) Qual será o processamento a ser utilizado? R: multiplicar 2 por PI (3,14) por raio c) Quais serão os dados de saída? R: comprimento ALGORITMO: Receba raio Multiplicar 2 por PI (3,14) por raio Mostre o Comprimento
  • 37. VARIÁVEIS  Uma variável pode ser vista como uma caixa com um rótulo ou nome colado a ela, que num dado instante guarda um determinado objeto, logo, uma variável nada mais é do que um dado. O conteúdo desta caixa não é algo fixo Permanente. Na verdade, essa caixa pode ter seu conteúdo alterado diversas vezes.  Contudo, o conteúdo deve ser sempre do mesmo tipo. Na figura ao lado, a caixa (variável) rotulada com FATOR contém o valor 5. Como seu tipo é numérico, em um determinado instante essa caixa poderá conter qualquer valor numérico (inteiro ou fracionário; positivo, negativo ou zero). Entretanto, em um determinado instante, ela conterá um, e somente um valor.
  • 38. VARIÁVEIS  Variáveis são palavras que tem um significado bem específico em um algoritmo. Para que o computador possa executar comandos que envolvem variáveis da maneira correta, ele deve conhecer os detalhes das variáveis que pretendemos usar. Esses detalhes são: o identificador desta variável e o tipo de valores que essa variável irá conter. Precisamos assim, de uma maneira de especificar esses detalhes e comunicá-los ao computador. Para isso devemos declarar nossas variáveis logo abaixo da expressão “VAR” que tem a seguinte forma:
  • 39. VARIÁVEIS  Onde <identificador i> é o nome (identificador) de uma variável e <tipo das variáveis>  determina que tipo de valor as variáveis poderão receber.  Os identificadores das variáveis são usados para referenciá-las dentro do algoritmo. Tais identificadores devem ser claros e precisos, dando uma ideia do “papel” da variável no algoritmo.
  • 40. VARIÁVEIS Exemplos:  Identificadores válidos: NOME, TELEFONE, IDADE_FILHO, IdadeFilho, NOTA1, Est_Civil  Identificadores inválidos: 3Endereco, Estado Civil, PARA, algoritmo, numero/complemento  Em Português Estruturado, só existem três tipos de dados, conforme a tabela abaixo.: TIPO D ESCRIÇÃ O TIPO D ESCRIÇÃ O INTEIRO Representa valores inteiros. Exemplos: 10, 5, -5, -10 RE A L Representa valores reais. Exemplos: 10.2, 5.5, -5.1, -10.0 CARACTER Representa um texto (alfanumérico). Exemplos: Maria, Rua Jaú 22, Feminino
  • 41. VARIÁVEIS: RE G R A S  nomes de variáveis não podem ser iguais a palavras reservadas; Algoritmo: var, para, entao  nomes de variáveis devem possuir como primeiro caractere uma letra ou sublinhado '_' (os outros caracteres podem ser letras, números e sublinhado); Incorreto: 1nota, 1nome Correto: nota1 ou _nota1, nome1 ou _1nome  Nomes de variáveis não podem conter espaços em branco; Incorreto: nome completo, data de nascimento Correto: nomecompleto ou nome_completo, datadenascimento ou data_de_nascimento
  • 42. PRATICANDO Defina os tipos de variáveis dos dados a seguir como: INTEIRO, REAL ou CARACTER  VARIÁVEL:  Telefone:  Idade:  Endereco:  Cep:  Nome:  Idade:  Media:  Numero: DADO ARMAZENADO 3481-2344: 12 Rua Jaú, 23 11740-180 Ana Maria Vinte e dois 23,567 1023344 TIPO
  • 43. 1.CALCULE A ÁREA DO RETÂNGULO. [ÁREA = ALTURA * BASE] VARIÁVEIS: altura: Real base: Real area: Real ALGORITMO: Receba altura Receba base Multiplique base pela altura Mostre a área do retângulo
  • 44. 2.CALCULE O IMC. [IMC = P E S O / (ALTURA * ALTURA)] VARIÁVEIS: altura: Real peso: Real imc : Real ALGORITMO: Receba altura Receba peso Dividir o peso pela multiplicação de altura por altura Mostre o imc
  • 45. 3.CALCULE O COMPRIMENTO DE UM CÍRCULO. [COMPRIMENTO = 2 * PI * RAIO] VARIÁVEIS: raio: Real Comprimento: Real ALGORITMO: Receba raio Multiplicar 2 por PI (3,14) por raio Mostre o Comprimento
  • 46. EXERC ÍC IOS  Receba o nome e a idade de uma pessoa e calcule o ano de nascimento.  Receba o nome, a idade, o peso e altura de uma pessoa e calcule o IMC. [IMC = peso /(altura * altura)]  Receba um número, calcule o seu dobro e o triplo.  Receba telefone pessoa, o nome, idade, e endereço mostre todos sexo, de uma os dados recebidos. EXEMPLO: CALCULE A ÁREA DO RETÂNGULO. [ÁREA = ALTURA * BASE] VARIÁV EIS: ALTURA: REAL BASE: REAL AREA: REAL ALGORITMO: RECEBA ALTURA RECEBA BASE MULTIPLIQUE BASE PELA ALTURA MOSTRE A ÁREA DO RETÂNGULO
  • 47. ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G) ALGORITMO (VISUAL G) – 2ª Opção Receba o nome e a idade de uma pessoa e calcule o ano de nascimento. VARIAVEIS nome: caractere idade: inteiro ano_de_nascimento: inteiro ALGORITMO Receba nome Receba idade Subtraia idade do ano atual Mostre ano_de_nascimento ALGORITMO "Ano de Nascimento" VAR nome: caractere idade: inteiro ano_de_nascimento: inteiro INICIO Leia(nome) Leia(idade) ano_de_nascimento <- 2015 – idade Escreva(ano_de_nascimento) FIMALGORITMO ALGORITMO "Ano de Nascimento" VAR nome: caractere idade: inteiro ano_de_nascimento: inteiro ano_atual: inteiro INICIO Escreva(“Escreva seu nome:”) Leia(nome) Escreva(“Escreva sua idade:”) Leia(idade) Leia(ano_atual) ano_de_nascimento <- ano_atual – idade Escreva(“Você nasceu em: ”,ano_de_nascimento) FIMALGORITMO
  • 48. ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G) Receba o nome, a idade, o peso e altura de uma pessoa e calcule o IMC. [IMC = peso / (altura * altura)] VARIAVEIS nome: caractere idade: inteiro peso: real altura: real imc: real ALGORITMO Receba nome Receba idade Receba peso Receba altura Dividir peso por altura multiplicada por altura Mostre imc ALGORITMO “imc" VAR nome: caractere idade: inteiro peso: real altura: real imc: real INICIO Leia(nome) Leia(idade) Leia(peso) Leia(altura) imc <- peso / (altura*altura) Escreva(“Seu ima é “, imc) FIMALGORITMO
  • 49. ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G) Receba um número, calcule o seu dobro e o triplo. VARIAVEIS numero: real dobro: real triplo: real ALGORITMO Receba numero Multiplique numero por 2 Multiplique numero por 3 Mostre dobro, triplo ALGORITMO “Dobro_Triplo" VAR numero: real dobro: real triplo: real INICIO Leia(numero) Dobro <- numero * 2 Triplo <- numero * 3 Escreva(“O dobro é ”, dobro) Escreva(“O triplo é ”, triplo) FIMALGORITMO
  • 50. ALGORITMO (INFORMAL) ALGORITMO (VISUAL G) Receba o nome, idade, sexo, telefone e endereço de uma pessoa, mostre todos os dados recebidos. VARIAVEIS nome: caractere idade: inteiro sexo: caractere telefone: caractere endereco: caractere ALGORITMO Receba nome Receba idade Receba sexo Receba telefone Receba endereco Mostre nome, idade, sexo, telefone, endereco ALGORITMO “Cadastro" VAR nome: caractere idade: inteiro sexo: caractere telefone: caractere endereco: caractere INICIO Leia(nome) Leia(idade) Leia(sexo) Leia(telefone) Leia(endereco Escreva(nome, idade, sexo, telefone, endereco) FIMALGORITMO
  • 51. PRATICANDO COM O VISUAL G 1.Elabore uma aplicação que dado o valor de X, calcule e mostre X, X2 e X3. 2.Elabore uma aplicação que a partir dos valores A, B e C digitados via teclado, calcule e mostre o resultado do Delta. Δ = b² – 4 . a . c 3.Elabore uma aplicação que a partir das bases e altura de um trapézio calcule e mostre a área: 4. Elabore uma aplicação que permita ao usuário entrar com as seguintes informações via teclado: Calcular e exibir o resultado da fórmula horária da posição (s) em função do tempo.