SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade de Pernambuco Campus III Petrolina Licenciatura em Ciências Biológicas MÁRCIO ANDERSON SANTOS DO NASCIMENTO Mat. 0710301043
BIOLOGIA A Biologia como parte do processo de construção científica deve ser  entendida e compreendida como processo de produção do próprio desenvolvimento humano (ANDERY, 1988), como atividade humana (KNELLER, 1980).
DCEs Orientam o que ensinar e como ensinar Biologia nas escolas da rede pública, porque estabelecem critérios de seleção de conteúdos, explicitam os fundamentos teórico-metodológicos considerados pertinentes à concepção de educação adotada.
Ensinar Biologia Incorpora a idéia de ensinar sobre a ciência e a partir  dela, buscar na história e filosofia  da ciência explicações sobre o objeto de estudo da Biologia.
 
 
PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS Conteúdos estruturantes Conteúdos disciplinares Conteúdos básicos Interdisciplinaridade  ‏ Intradisciplinaridade Social  Contextualização  Linguagem   Comparativa
É POSSÍVEL PROPICIAR AO ALUNO UMA APRENDIZAGEM MENOS FRAGMENTADA?
“ Ao longo da história da humanidade muitos foram os conceitos elaborados sobre o fenômeno  VIDA , numa tentativa de explicá-lo e, ao mesmo tempo, compreendê-lo“
ORIGEM DOS CONTEÚDOS ESTRUTURANTES PENSAMENTOS BIOLÓGICOS (1707-1778) ‏ Descritivo  - Carl von Linné  Mecanicista  - William Harvey (1578-1657) ‏ Evolutivo   Charles R. Darwin  (1809-1882) e Thomas Morgan  (1866-1945) ‏ Manipulação Genética Stanley Cohen e  Herbert Boyer,  (1973) ‏
MECANISMOS BIOLÓGICOS MECANICISTA ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS DESCRITIVO BIODIVERSIDADE EVOLUTIVO MANIPULAÇÃO GENÉTICA MANIPULAÇÃO GENÉTICA CONTEÚDO ESTRUTURANTE PENSAMENTO BIOLÓGICO
O QUE SÃO CONTEÚDOS ESTRUTURANTES? “ Conteúdos Estruturantes são os saberes, conhecimentos de grande amplitude, que identificam e organizam os campos de estudo de uma disciplina escolar - e neste caso, da Biologia - considerados basilares e fundamentais para a compreensão de seu objeto de estudo e de ensino”.
Para melhor compreensão, em de biologia deve-se relacionar diversos conhecimentos específicos entre si e com outras áreas de conhecimento, deve priorizar o desenvolvimento de conceitos cientificamente produzidos e proporcionar reflexão constante sobre as mudanças de tais conceitos em decorrência de questões emergentes.
Organização dos Seres Vivos A partir do pensamento biológico descritivo baseado na visão macroscópica da NATUREZA, fazer análise da diversidade biológica,  agrupando  e categorizando as espécies extintas e existentes. Conhecer, compreender e analisar a diversidade  biológica   existente  sem no entanto, desconsiderar a influência dos demais conteúdos estruturantes, introduzindo-se o estudo das características e  fatores  que determinam o aparecimento e/ou extinção de algumas espécies ao longo da história.
Mecanismos Biológicos Por meio do pensamento biológico mecanicista, ampliar a discussão sobre o pensamento biológico descritivo privilegiando o estudo dos mecanismos que explicam como os organismos funcionam.
Pretende-se neste conteúdo, partindo da visão mecanicista do pensamento biológico, baseada na visão macroscópica, descritiva e fragmentada da natureza, ampliar a discussão sobre a organização dos seres vivos, analisando o funcionamento dos sistemas orgânicos nos diferentes níveis de organização destes seres – do celular ao sistêmico.
Biodiversidade Discute os processos pelos quais os seres vivos sofrem modificações, perpetuam uma variabilidade genética e estabelecem relações ecológicas, garantindo a diversidade de seres vivos.
MANIPULAÇÃO GENÉTICA Aborda a aplicação do conhecimento biológico e as discussões bioéticas decorrentes da manipulação e modificação do material genético, desenvolvidos pelo homem, interferindo no fenômeno VIDA.
Este conteúdo estruturante trata das implicações dos conhecimentos da biologia molecular sobre a VIDA, na perspectiva dos avanços da Biologia, com possibilidade de manipular o material genético dos seres vivos e permite questionar o conceito biológico da VIDA como fato natural, independente da ação do ser humano.  Ao propor este conteúdo estruturante, ampliam-se as explicações sobre como novos sistemas orgânicos se originam e como esse conhecimento interfere e modifica o conceito biológico VIDA.
Para melhor compreensão, a disciplina de biologia deve ser capaz de relacionar diversos conhecimentos específicos entre si e com outras áreas de conhecimento, deve priorizar o desenvolvimento de conceitos cientificamente produzidos e proporcionar reflexão constante sobre as mudanças de tais conceitos em decorrência de questões emergentes.
O trabalho pedagógico, neste conteúdo estruturante, deve abordar os avanços da biologia molecular; as biotecnologias aplicadas e os aspectos bioéticos dos avanços biotecnológicos que envolvem a manipulação genética, permitindo compreender a interferência do ser humano na diversidade biológica.
ENCAMINHAMENTOS METODOLÓGICOS Estratégias de ensino como a aula dialogada, a leitura, a escrita, a atividade experimental, o estudo do meio, os jogos didáticos, entre tantas outras, devem favorecer a expressão dos alunos, seus pensamentos, suas percepções, significações, interpretações, uma vez que aprender envolve a produção/criação de novos significados, pois esse processo acarreta o encontro e o confronto das diferentes idéias propagadas em sala de aula.
Avaliação Deve ser criadora e criativa que envolva o ensino e a aprendizagem; Visa contribuir para a compreensão das dificuldades de aprendizagem dos alunos; Na sala de aula, o professor é quem compreende a avaliação e a executa como um projeto intencional e planejado.
No cotidiano: No PPP, ao definir os conteúdos específicos, já se definem os critérios e estratégias e os instrumentos de avaliação, para que o professor e o aluno conheça os avanços e as dificuldades. Os critérios de avaliação são de grande importância no processo avaliativo, articulam todas as etapas da ação pedagógica
Os enunciados devem ser claros e objetivos; Não se utilizar de um mesmo instrumento de avaliação, pois reduz a possibilidade de observação dos diversos processos cognitivos do aluno, tais como: memorização, observação, percepção, descrição, argumentação, análise crítica, interpretação, criatividade, formulação de hipóteses, etc.
A atividade avaliativa representa, tão somente, um determinado momento e não todo processo de ensino-aprendizagem; Cabe ao professor investigar para intervir, acompanhar a aprendizagem dos seus alunos e o desenvolvimento dos processos cognititivos.
Planejamento e Organização de uma  Sequência Didática Aulas de Biologia Técnico Pedagógico NRE-Maringá Prof. ªRosangela Salete Andrade Ferreira Martins
1 – CONTEÚDO ESTRUTURANTE: Mecanismos Biológicos 2 – CONTEÚDO BÁSICO: Sistema Biológico 3 – CONTEÚDOS ESPECÍFICOS Tecido sanguíneo
4 – JUSTIFICATIVA O sangue é de grande importância para o funcionamento do organismo dos animais vertebrados. Além de transportar oxigênio e gás carbônico protege o corpo contra agentes infecciosos. Com o avanço em pesquisas na área de genética, e células tronco, o aluno precisa de subsídios para compreender a evolução da pesquisa no mundo.
Através dos conceitos sobre sangue, plasma, hemácias, glóbulos brancos e vermelhos, hemoglobina, eusinófilos, basófilos, monócitos, linfócitos, plaquetas, coagulação do sangue, pretende-se ampliar os conhecimentos do aluno, facilitando o entendimento dos grupos sanguíneos para o organismo dos vertebrados.
De forma Indireta serão discutidos os conceitos de mutação, hereditariedade, células tronco, ampliando assim a base de explicações sobre o sistema sanguíneo.  Hemácias
5 – METODOLOGIA O conteúdo tecido sanguíneo será ministrado em 4 aulas. Iniciando com a problematização sobre “Importância do sangue para o desenvolvimento dos indivíduos”. A discussão deverá ser conduzida durante 10 min. E em seguida com a utilização da TV multimídia os alunos assistirão a um vídeo de aproximadamente 4 minutos, o qual poderá fornecer uma melhor compreensão sobre o assunto.
Após assistirem o vídeo, em grupo formado por 5 elementos, discutirão de forma conduzida por 10 minutos, perguntas pré elaboradas pelo professor.  Na sequência, será apresentado um segundo vídeo sobre a circulação sanguínea e os componentes do sangue para melhor desempenho da aprendizagem.
Em seguida, de forma organizada e sistematizada serão apresentado os conteúdos específicos para que os alunos confrontem com as discussões anteriores. No decorrer da aula, poderão interagir com o professor, tirando suas dúvidas. Alternando os momentos entre aulas expositivas e leituras no livro didático público, o aluno poderá avaliar e reavaliar suas conclusões. Como atividade avaliativa, será proposta uma produção de texto sobre os conceitos apresentados durante a aula.
Como atividade complementar, será solicitada uma pesquisa em sites confiáveis sobre: “ Importância da Alimentação para o sangue”; ”  Doenças que ocorrem no Sangue”.
Iniciaremos a aula com exposição das pesquisas, e em seguida, continuação da leitura no LDP das pág. 148 à 158. e aula expositiva sobre o sistema ABO, anticorpos e antígenos. Segundo dia de Aula:
Atividades: SISTEMA ABO. Os alunos participarão de jogos educativos, formando grupos com 5 elementos.   Jogo da compatibilidade Para que seus alunos entendam como são feitas as transfusões, organize com eles partidas do jogo Compatibilidade Sanguínea, criado pelo químico e matemático Egidio Trambaiolli Neto, professor de Ciências do Ensino Fundamental. Para cada grupo de oito alunos você vai precisar de um jogo completo. É só reproduzir o modelo.
 
Peças ■  Dado com três lados marcados com "D", de doador, e três lados marcados com "R", de receptor. ■  Baralho com 144 cartas. Metade representa os grupos A, B, AB e O Rh positivos, na cor vermelha. A outra metade, na cor preta, fica para os tipos A, B, AB e O Rh negativos. Confeccione quarenta cartas do grupo AB (vinte de cada cor); quarenta do O; 32 do A e 32 do B.
■  Tabuleiro. Você pode adaptar as dimensões às suas necessidades. O importante é que tenha demarcações para a ficha de identificação, no alto, mais oito conjuntos de cartas com espaços para doadores e receptores e um banco de sangue. ■  Oito fichas de identificação, com a palavra "doador" de um lado e, do outro, "receptor". ■  Cartaz com esquema de compatibilidade entre os grupos ABO para ficar em local visível.
Regras 1.  Os jogadores lançam o dado para saber se serão doadores ou receptores. Pegam uma ficha de identificação e a colocam no espaço apropriado do tabuleiro, indicando a condição que tiraram no dado. 2.  Cada um recebe oito cartas e as distribui no tabuleiro sobre os espaços de doador ou receptor, conforme sua identificação. O restante das cartas é arrumado em um monte.
3.  Daí em diante, cada jogador pega uma carta do monte e vê se ela é compatível com alguma das cartas que já estão no tabuleiro. Se for, vai para o espaço adequado, formando uma dupla. Se não, vai para o banco, de onde não poderá mais sair. Atenção neste momento, porque as combinações possíveis mudam de acordo com a identificação do jogador. Um exemplo: se o aluno está na condição de doador e tem uma carta "O positivo" no tabuleiro, pode formar dupla com qualquer outra carta. Se, no entanto, ele for um receptor, essa mesma carta só fará par com outra carta "O". 4.  Vence quem formar primeiro todos os pares.
Atividade individual . 1. Construa um quadro conceitual no qual você deverá definir cada conceito abordado em sala. 2.  Produção de texto: “Importância do sangue na Vida dos Vertebrados”. 6- Recursos Ditáticos . - Livro Didático Público Biologia - Livro Didático de Biologia (MEC) ‏ - TV multimídia - Vídeos
 
 
Referências Livro Didático Público 2 ª edição, 2007 Amabis, José M., Martho, G.R, Biologia das Células 2ª edição, Ed. Moderna, 2004 h ttp://www.youtube.com/watch?v=SWreAonaDJ8 http://www.youtube.com/watch?v=rpMy5obOcmI

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Tecnologia educacional 2
Tecnologia educacional 2Tecnologia educacional 2
Tecnologia educacional 2
Tic Upe
 
EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
Tic Upe
 
EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
Tic Upe
 
Educação Ambiental
Educação  AmbientalEducação  Ambiental
Educação Ambiental
Tic Upe
 
2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc
2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc
2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc
Tic Upe
 
Genética pós Mendel
Genética pós MendelGenética pós Mendel
Genética pós Mendel
Elaine
 
Apresentação1 genetica
Apresentação1 geneticaApresentação1 genetica
Apresentação1 genetica
Iara Da Silva Amorim Dos Anjos
 
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
Fitoterapia   Uma Alternativa NaturalFitoterapia   Uma Alternativa Natural
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
Tic Upe
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
Andrey Moreira
 
Introduçao a genetica
Introduçao a geneticaIntroduçao a genetica
Introduçao a genetica
emibio
 
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufaAtividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades Diversas Cláudia
 
Aula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecularAula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecular
Kristian Wessman
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
Dalu Barreto
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Rebeca Vale
 
Slide Genética
Slide GenéticaSlide Genética

Destaque (15)

Tecnologia educacional 2
Tecnologia educacional 2Tecnologia educacional 2
Tecnologia educacional 2
 
EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
 
EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
 
Educação Ambiental
Educação  AmbientalEducação  Ambiental
Educação Ambiental
 
2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc
2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc
2ª Atividade Biotecnologia FabricaçãO De Queijo.Doc
 
Genética pós Mendel
Genética pós MendelGenética pós Mendel
Genética pós Mendel
 
Apresentação1 genetica
Apresentação1 geneticaApresentação1 genetica
Apresentação1 genetica
 
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
Fitoterapia   Uma Alternativa NaturalFitoterapia   Uma Alternativa Natural
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
 
Introduçao a genetica
Introduçao a geneticaIntroduçao a genetica
Introduçao a genetica
 
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufaAtividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufa
 
Aula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecularAula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecular
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Slide Genética
Slide GenéticaSlide Genética
Slide Genética
 

Semelhante a 2.A Atividade De Te

Proposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraProposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieira
Lorenabiologia
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010
familiaestagio
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
pibidbio
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
familiaestagio
 
Plano de ensino biologia
Plano de ensino biologiaPlano de ensino biologia
Plano de ensino biologia
Geano Lucena
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
familiaestagio
 
O que é etnobiologia evolucionária
O que é etnobiologia evolucionáriaO que é etnobiologia evolucionária
O que é etnobiologia evolucionária
Ernane Nogueira Nunes
 
A dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógica
A dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógicaA dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógica
A dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógica
sergio_chumbinho
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
Jacqueline Alexandrino
 
artigo de divulgação científica.pptx
artigo de divulgação científica.pptxartigo de divulgação científica.pptx
artigo de divulgação científica.pptx
Andrea Sousa
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
familiaestagio
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
CEFAPRO-Sinop
 
Portfolio prática morfofisio final
Portfolio prática  morfofisio finalPortfolio prática  morfofisio final
Portfolio prática morfofisio final
Regis Ferreira
 
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
escola Argentina Pereira Feitosa
 
ENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docx
ENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docxENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docx
ENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docx
MariaCarolinaViccari
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
neivaldolucio
 
Sequência didática - Biotecnologia.pdf
Sequência didática - Biotecnologia.pdfSequência didática - Biotecnologia.pdf
Sequência didática - Biotecnologia.pdf
ElizangelaAlinidaSil1
 

Semelhante a 2.A Atividade De Te (20)

Proposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraProposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieira
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Plano de ensino biologia
Plano de ensino biologiaPlano de ensino biologia
Plano de ensino biologia
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
O que é etnobiologia evolucionária
O que é etnobiologia evolucionáriaO que é etnobiologia evolucionária
O que é etnobiologia evolucionária
 
A dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógica
A dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógicaA dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógica
A dinâmica discursiva no contexto do ensino da evolução bilógica
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
 
artigo de divulgação científica.pptx
artigo de divulgação científica.pptxartigo de divulgação científica.pptx
artigo de divulgação científica.pptx
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Portfolio prática morfofisio final
Portfolio prática  morfofisio finalPortfolio prática  morfofisio final
Portfolio prática morfofisio final
 
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
 
ENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docx
ENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docxENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docx
ENSINAR SOBRE O PASSADO À GERAÇÃO PRESENTE UTILIZANDO TECNOLOGIAS DO FUTURO.docx
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
 
Sequência didática - Biotecnologia.pdf
Sequência didática - Biotecnologia.pdfSequência didática - Biotecnologia.pdf
Sequência didática - Biotecnologia.pdf
 

Mais de Tic Upe

EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
Tic Upe
 
EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
Tic Upe
 
DoençAs HereditáRias
DoençAs HereditáRiasDoençAs HereditáRias
DoençAs HereditáRias
Tic Upe
 
EducaçãO Ambiental Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental   Efeito EstufaEducaçãO Ambiental   Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental Efeito Estufa
Tic Upe
 
Tecnologia Educacional
Tecnologia EducacionalTecnologia Educacional
Tecnologia Educacional
Tic Upe
 
Slides De Tecnologia Educacional
Slides De Tecnologia EducacionalSlides De Tecnologia Educacional
Slides De Tecnologia Educacional
Tic Upe
 

Mais de Tic Upe (6)

EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
 
EducaçãO Ambiental
EducaçãO AmbientalEducaçãO Ambiental
EducaçãO Ambiental
 
DoençAs HereditáRias
DoençAs HereditáRiasDoençAs HereditáRias
DoençAs HereditáRias
 
EducaçãO Ambiental Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental   Efeito EstufaEducaçãO Ambiental   Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental Efeito Estufa
 
Tecnologia Educacional
Tecnologia EducacionalTecnologia Educacional
Tecnologia Educacional
 
Slides De Tecnologia Educacional
Slides De Tecnologia EducacionalSlides De Tecnologia Educacional
Slides De Tecnologia Educacional
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

2.A Atividade De Te

  • 1. Universidade de Pernambuco Campus III Petrolina Licenciatura em Ciências Biológicas MÁRCIO ANDERSON SANTOS DO NASCIMENTO Mat. 0710301043
  • 2. BIOLOGIA A Biologia como parte do processo de construção científica deve ser entendida e compreendida como processo de produção do próprio desenvolvimento humano (ANDERY, 1988), como atividade humana (KNELLER, 1980).
  • 3. DCEs Orientam o que ensinar e como ensinar Biologia nas escolas da rede pública, porque estabelecem critérios de seleção de conteúdos, explicitam os fundamentos teórico-metodológicos considerados pertinentes à concepção de educação adotada.
  • 4. Ensinar Biologia Incorpora a idéia de ensinar sobre a ciência e a partir dela, buscar na história e filosofia da ciência explicações sobre o objeto de estudo da Biologia.
  • 5.  
  • 6.  
  • 7. PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS Conteúdos estruturantes Conteúdos disciplinares Conteúdos básicos Interdisciplinaridade ‏ Intradisciplinaridade Social Contextualização Linguagem Comparativa
  • 8. É POSSÍVEL PROPICIAR AO ALUNO UMA APRENDIZAGEM MENOS FRAGMENTADA?
  • 9. “ Ao longo da história da humanidade muitos foram os conceitos elaborados sobre o fenômeno VIDA , numa tentativa de explicá-lo e, ao mesmo tempo, compreendê-lo“
  • 10. ORIGEM DOS CONTEÚDOS ESTRUTURANTES PENSAMENTOS BIOLÓGICOS (1707-1778) ‏ Descritivo - Carl von Linné Mecanicista - William Harvey (1578-1657) ‏ Evolutivo Charles R. Darwin (1809-1882) e Thomas Morgan (1866-1945) ‏ Manipulação Genética Stanley Cohen e Herbert Boyer, (1973) ‏
  • 11. MECANISMOS BIOLÓGICOS MECANICISTA ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS DESCRITIVO BIODIVERSIDADE EVOLUTIVO MANIPULAÇÃO GENÉTICA MANIPULAÇÃO GENÉTICA CONTEÚDO ESTRUTURANTE PENSAMENTO BIOLÓGICO
  • 12. O QUE SÃO CONTEÚDOS ESTRUTURANTES? “ Conteúdos Estruturantes são os saberes, conhecimentos de grande amplitude, que identificam e organizam os campos de estudo de uma disciplina escolar - e neste caso, da Biologia - considerados basilares e fundamentais para a compreensão de seu objeto de estudo e de ensino”.
  • 13. Para melhor compreensão, em de biologia deve-se relacionar diversos conhecimentos específicos entre si e com outras áreas de conhecimento, deve priorizar o desenvolvimento de conceitos cientificamente produzidos e proporcionar reflexão constante sobre as mudanças de tais conceitos em decorrência de questões emergentes.
  • 14. Organização dos Seres Vivos A partir do pensamento biológico descritivo baseado na visão macroscópica da NATUREZA, fazer análise da diversidade biológica, agrupando e categorizando as espécies extintas e existentes. Conhecer, compreender e analisar a diversidade biológica existente sem no entanto, desconsiderar a influência dos demais conteúdos estruturantes, introduzindo-se o estudo das características e fatores que determinam o aparecimento e/ou extinção de algumas espécies ao longo da história.
  • 15. Mecanismos Biológicos Por meio do pensamento biológico mecanicista, ampliar a discussão sobre o pensamento biológico descritivo privilegiando o estudo dos mecanismos que explicam como os organismos funcionam.
  • 16. Pretende-se neste conteúdo, partindo da visão mecanicista do pensamento biológico, baseada na visão macroscópica, descritiva e fragmentada da natureza, ampliar a discussão sobre a organização dos seres vivos, analisando o funcionamento dos sistemas orgânicos nos diferentes níveis de organização destes seres – do celular ao sistêmico.
  • 17. Biodiversidade Discute os processos pelos quais os seres vivos sofrem modificações, perpetuam uma variabilidade genética e estabelecem relações ecológicas, garantindo a diversidade de seres vivos.
  • 18. MANIPULAÇÃO GENÉTICA Aborda a aplicação do conhecimento biológico e as discussões bioéticas decorrentes da manipulação e modificação do material genético, desenvolvidos pelo homem, interferindo no fenômeno VIDA.
  • 19. Este conteúdo estruturante trata das implicações dos conhecimentos da biologia molecular sobre a VIDA, na perspectiva dos avanços da Biologia, com possibilidade de manipular o material genético dos seres vivos e permite questionar o conceito biológico da VIDA como fato natural, independente da ação do ser humano. Ao propor este conteúdo estruturante, ampliam-se as explicações sobre como novos sistemas orgânicos se originam e como esse conhecimento interfere e modifica o conceito biológico VIDA.
  • 20. Para melhor compreensão, a disciplina de biologia deve ser capaz de relacionar diversos conhecimentos específicos entre si e com outras áreas de conhecimento, deve priorizar o desenvolvimento de conceitos cientificamente produzidos e proporcionar reflexão constante sobre as mudanças de tais conceitos em decorrência de questões emergentes.
  • 21. O trabalho pedagógico, neste conteúdo estruturante, deve abordar os avanços da biologia molecular; as biotecnologias aplicadas e os aspectos bioéticos dos avanços biotecnológicos que envolvem a manipulação genética, permitindo compreender a interferência do ser humano na diversidade biológica.
  • 22. ENCAMINHAMENTOS METODOLÓGICOS Estratégias de ensino como a aula dialogada, a leitura, a escrita, a atividade experimental, o estudo do meio, os jogos didáticos, entre tantas outras, devem favorecer a expressão dos alunos, seus pensamentos, suas percepções, significações, interpretações, uma vez que aprender envolve a produção/criação de novos significados, pois esse processo acarreta o encontro e o confronto das diferentes idéias propagadas em sala de aula.
  • 23. Avaliação Deve ser criadora e criativa que envolva o ensino e a aprendizagem; Visa contribuir para a compreensão das dificuldades de aprendizagem dos alunos; Na sala de aula, o professor é quem compreende a avaliação e a executa como um projeto intencional e planejado.
  • 24. No cotidiano: No PPP, ao definir os conteúdos específicos, já se definem os critérios e estratégias e os instrumentos de avaliação, para que o professor e o aluno conheça os avanços e as dificuldades. Os critérios de avaliação são de grande importância no processo avaliativo, articulam todas as etapas da ação pedagógica
  • 25. Os enunciados devem ser claros e objetivos; Não se utilizar de um mesmo instrumento de avaliação, pois reduz a possibilidade de observação dos diversos processos cognitivos do aluno, tais como: memorização, observação, percepção, descrição, argumentação, análise crítica, interpretação, criatividade, formulação de hipóteses, etc.
  • 26. A atividade avaliativa representa, tão somente, um determinado momento e não todo processo de ensino-aprendizagem; Cabe ao professor investigar para intervir, acompanhar a aprendizagem dos seus alunos e o desenvolvimento dos processos cognititivos.
  • 27. Planejamento e Organização de uma Sequência Didática Aulas de Biologia Técnico Pedagógico NRE-Maringá Prof. ªRosangela Salete Andrade Ferreira Martins
  • 28. 1 – CONTEÚDO ESTRUTURANTE: Mecanismos Biológicos 2 – CONTEÚDO BÁSICO: Sistema Biológico 3 – CONTEÚDOS ESPECÍFICOS Tecido sanguíneo
  • 29. 4 – JUSTIFICATIVA O sangue é de grande importância para o funcionamento do organismo dos animais vertebrados. Além de transportar oxigênio e gás carbônico protege o corpo contra agentes infecciosos. Com o avanço em pesquisas na área de genética, e células tronco, o aluno precisa de subsídios para compreender a evolução da pesquisa no mundo.
  • 30. Através dos conceitos sobre sangue, plasma, hemácias, glóbulos brancos e vermelhos, hemoglobina, eusinófilos, basófilos, monócitos, linfócitos, plaquetas, coagulação do sangue, pretende-se ampliar os conhecimentos do aluno, facilitando o entendimento dos grupos sanguíneos para o organismo dos vertebrados.
  • 31. De forma Indireta serão discutidos os conceitos de mutação, hereditariedade, células tronco, ampliando assim a base de explicações sobre o sistema sanguíneo. Hemácias
  • 32. 5 – METODOLOGIA O conteúdo tecido sanguíneo será ministrado em 4 aulas. Iniciando com a problematização sobre “Importância do sangue para o desenvolvimento dos indivíduos”. A discussão deverá ser conduzida durante 10 min. E em seguida com a utilização da TV multimídia os alunos assistirão a um vídeo de aproximadamente 4 minutos, o qual poderá fornecer uma melhor compreensão sobre o assunto.
  • 33. Após assistirem o vídeo, em grupo formado por 5 elementos, discutirão de forma conduzida por 10 minutos, perguntas pré elaboradas pelo professor. Na sequência, será apresentado um segundo vídeo sobre a circulação sanguínea e os componentes do sangue para melhor desempenho da aprendizagem.
  • 34. Em seguida, de forma organizada e sistematizada serão apresentado os conteúdos específicos para que os alunos confrontem com as discussões anteriores. No decorrer da aula, poderão interagir com o professor, tirando suas dúvidas. Alternando os momentos entre aulas expositivas e leituras no livro didático público, o aluno poderá avaliar e reavaliar suas conclusões. Como atividade avaliativa, será proposta uma produção de texto sobre os conceitos apresentados durante a aula.
  • 35. Como atividade complementar, será solicitada uma pesquisa em sites confiáveis sobre: “ Importância da Alimentação para o sangue”; ” Doenças que ocorrem no Sangue”.
  • 36. Iniciaremos a aula com exposição das pesquisas, e em seguida, continuação da leitura no LDP das pág. 148 à 158. e aula expositiva sobre o sistema ABO, anticorpos e antígenos. Segundo dia de Aula:
  • 37. Atividades: SISTEMA ABO. Os alunos participarão de jogos educativos, formando grupos com 5 elementos.   Jogo da compatibilidade Para que seus alunos entendam como são feitas as transfusões, organize com eles partidas do jogo Compatibilidade Sanguínea, criado pelo químico e matemático Egidio Trambaiolli Neto, professor de Ciências do Ensino Fundamental. Para cada grupo de oito alunos você vai precisar de um jogo completo. É só reproduzir o modelo.
  • 38.  
  • 39. Peças ■ Dado com três lados marcados com "D", de doador, e três lados marcados com "R", de receptor. ■ Baralho com 144 cartas. Metade representa os grupos A, B, AB e O Rh positivos, na cor vermelha. A outra metade, na cor preta, fica para os tipos A, B, AB e O Rh negativos. Confeccione quarenta cartas do grupo AB (vinte de cada cor); quarenta do O; 32 do A e 32 do B.
  • 40. ■ Tabuleiro. Você pode adaptar as dimensões às suas necessidades. O importante é que tenha demarcações para a ficha de identificação, no alto, mais oito conjuntos de cartas com espaços para doadores e receptores e um banco de sangue. ■ Oito fichas de identificação, com a palavra "doador" de um lado e, do outro, "receptor". ■ Cartaz com esquema de compatibilidade entre os grupos ABO para ficar em local visível.
  • 41. Regras 1. Os jogadores lançam o dado para saber se serão doadores ou receptores. Pegam uma ficha de identificação e a colocam no espaço apropriado do tabuleiro, indicando a condição que tiraram no dado. 2. Cada um recebe oito cartas e as distribui no tabuleiro sobre os espaços de doador ou receptor, conforme sua identificação. O restante das cartas é arrumado em um monte.
  • 42. 3. Daí em diante, cada jogador pega uma carta do monte e vê se ela é compatível com alguma das cartas que já estão no tabuleiro. Se for, vai para o espaço adequado, formando uma dupla. Se não, vai para o banco, de onde não poderá mais sair. Atenção neste momento, porque as combinações possíveis mudam de acordo com a identificação do jogador. Um exemplo: se o aluno está na condição de doador e tem uma carta "O positivo" no tabuleiro, pode formar dupla com qualquer outra carta. Se, no entanto, ele for um receptor, essa mesma carta só fará par com outra carta "O". 4. Vence quem formar primeiro todos os pares.
  • 43. Atividade individual . 1. Construa um quadro conceitual no qual você deverá definir cada conceito abordado em sala. 2. Produção de texto: “Importância do sangue na Vida dos Vertebrados”. 6- Recursos Ditáticos . - Livro Didático Público Biologia - Livro Didático de Biologia (MEC) ‏ - TV multimídia - Vídeos
  • 44.  
  • 45.  
  • 46. Referências Livro Didático Público 2 ª edição, 2007 Amabis, José M., Martho, G.R, Biologia das Células 2ª edição, Ed. Moderna, 2004 h ttp://www.youtube.com/watch?v=SWreAonaDJ8 http://www.youtube.com/watch?v=rpMy5obOcmI