SlideShare uma empresa Scribd logo
Governo Do Estado Da Bahia
             Secretaria De Educação
         Colégio Estadual De Alagoinhas
                Alagoinhas - BA




Proposta Curricular de Biologia
      Ano Letivo – 2010




               Alagoinhas,
            Dezembro de 2010
I. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO


   Colégio: Colégio Estadual de Alagoinhas
   Área do conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias
   Componente Curricular: Biologia                Carga Horária: 04 aulas semanais.
   Professor orientador: Cláudia Regina Teixeira de Souza
   Estagiários: Ana Carine O. do Nascimento e Eliane Mª de Santana
   Curso: EJA                              Séries: EIXO V, VI e VII
   Segmento: Ensino Médio




II. JUSTIFICATIVA
       A proposta curricular no ensino do Componente Curricular de Biologia tem o
intuito de proporcionar ao aluno de EJA a oportunidade de visualização de conceitos ou
processos que estão sendo construídos por ele na escola, sendo que a missão da
educação é dirigir o crescimento intelectual, moral e ético da comunidade através de
ensinamentos, exemplos, experiências levados à escola, fazendo com que cada um se
conscientize e se responsabilize pelo destino da sua própria vida. Dessa forma, pode-se
descrever que jovens e adultos devem desenvolver suas diferentes capacidades e onde
todos são capazes de aprender para e desse modo construir sua identidade na sociedade
e que não tiveram acesso à escola ou mesmo aqueles que não conseguiram completar
seus estudos.
       Na Educação de Jovens e Adultos atualmente pode ser uma escolha viável para
que as pessoas possam retomar seus estudos e garantir uma formação profissional e
intelectual, representando um novo começo. As propostas curriculares de Ciências e
Biologia das turmas do EJA apresentam a mesma quantidade de conteúdos em relação
ao ensino regular, mas de forma que a carga horária é a mesma e o número de conteúdo
é praticamente o dobro, pois as séries são cursadas em etapas, sendo elas bastante
extensas podendo vir a dificultar a aprendizagem dos alunos devido à sobrecarga de
conteúdo em um curto espaço de tempo, principalmente nas disciplinas da área das
Ciências Biológicas que abrangem muitas inter-relações com outras áreas do
conhecimento, além de muitos termos e descrições científicas.
       Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), de 1996,
a urgência de reorganização da Educação Básica, a fim de dar conta dos desafios
impostos pelos processos globais e pelas transformações sociais e culturais por eles
geradas na sociedade contemporânea, na área das Ciências Biológicas, o ensino de
Ciências e Biologia se organizam ainda hoje de modo a privilegiar o estudo de
conceitos, linguagem e metodologias desse campo do conhecimento, tornando as
aprendizagens pouco eficientes para a interpretação e intervenção na realidade,
principalmente nas turmas de EJA em que esta visão é mais reduzida e extremamente
fragmentada.
       O ensino de Ciências e Biologia para jovens e adultos fundamenta-se nos mesmos
objetivos gerais do ensino voltado para crianças e adolescentes, uma vez que a formação
para a cidadania constitui meta de todos os segmentos e modalidades da escolaridade.
Compreender a ciência como um processo de produção de conhecimento e uma
atividade humana, histórica, associada a aspectos de ordem social, econômica, política e
cultural.
      Ao considerar a EJA como ramo da educação especial voltado para a inclusão de
jovens e adultos fora da idade escolar, é preciso avaliar as necessidades do educador
para se adaptar a essa forma de ensino, bem como os objetivos que ele se deverá
alcançar para trabalhar com esses educandos tão especiais e de características diversas
dos educandos do ensino regular.
      Um ensino de qualidade busca selecionar temas relevantes para os alunos,
assuntos ligados ao meio ambiente, à visão do universo, à saúde e à transformação
científico-tecnológica do mundo, bem como à compreensão do que são a ciência e a
tecnologia. Ao estudar diferentes temas, os alunos precisam ter oportunidades para
conhecer as bases lógicas e culturais que apóiam as explicações científicas, bem como
para discutir as implicações éticas e os alcances dessas explicações na formulação de
visões de mundo. Uma forma interessante de demonstrar a lógica do conhecimento
científico é trabalhar a ciência em diferentes momentos históricos, mostrando que,
conforme as tecnologias vão se desenvolvendo e novas interpretações vão se
consolidando, o conhecimento científico vai sendo modificado. Outra forma de
trabalhar a lógica e a linguagem das Ciências é trazer notícias de descobertas recentes
veiculadas na mídia para debate em sala de aula. Estratégias dessa natureza devem
ajudar o aluno a perceber o caráter dinâmico do conhecimento científico, bem como a
importância de se comprovar as idéias por meio de experimentação e observação direta.
III. OBJETIVOS GERAIS

    Estimular a curiosidade do aluno, perante as conseqüências do desenvolvimento
       econômico sob o equilíbrio ambiental;

    Instigar a vontade pelo aprendizado beneficiando o desenvolvimento de atitudes
       e valores que cooperem para o melhoramento da qualidade de vida e da
       responsabilidade do educando;

    Considerar que cada ser vivo oferece ciclo de vida com fases e características
       específicas, portanto, muitas vezes distintas uma das outras;

    Analisar e propor atividades como objeto de estudo e pesquisa para que
       possíveis questionamentos sejam desenvolvidos adequando o envolvimento
       entre educando e educadores.


IV. PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR


EIXO V DO ENSINO MÉDIO:
EMENTA:
       Introdução à Biologia: Biosfera, vida e organização biológica. A Origem da
vida. A base molecular da vida: Matéria e energia. Água, sais minerais, carboidratos e
lipídeos. Proteínas. Vitaminas. Os ácidos nucléicos e a síntese de proteínas. A célula:
Envoltórios celulares. Citoplasma. Núcleo celular. Divisão celular. Fotossíntese.
Respiração celular.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

    Identificar a intensa interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente e como o
       homem pode interferir contribuindo com sua preservação ou destruição, o que permitirá
       o desenvolvimento de uma consciência ecológico;

    Validar as diferentes explicações para origem dos seres vivos, afrontando as
       compreensões científicas e religiosas;

    Conhecer a célula como menor parte de um ser vivo, apontando sua estrutura, organelas
       e funções;
 Conhecer as teorias da origem e evolução da vida na Terra;

    Reconhecer as diferentes composições químicas da célula, substâncias orgânicas
       e inorgânicas;

    Analisar o transporte através das membranas e envoltórios celulares;

    Analisar os processos de obtenção de energia pelos seres vivos;

    Verificar planos que incluam os diferentes tipos de ácidos nucléicos, as organelas
       celulares e o mecanismo de síntese de proteínas, bem como o processo de divisão
       celular para a constituição dos tecidos.

    Identificar as diferentes fases dos processos de divisão celular;

EIXO VI DO ENSINO MÉDIO
EMENTA:


       Reinos: Monera, Protista e Fungi e os Vírus. Reino Animal: Invertebrados e
Vertebrados. Reino Vegetal. Taxonomia. Evolução e diversidade dos seres vivos


OBJETIVOS ESPECÍFICOS


    Conhecer a organização da diversidade de seres vivos;
    Distinguir as características dos seres vivos;
    Conhecer as principais características dos representantes de cada um dos cinco
       reinos, identificando especificidades relacionadas às condições ambientais.

    Debater o processo evolutivo dos seres vivos nos Reinos Animal e Vegetal.
    Reconhecer e utilizar os principais critérios de classificação, regras de
       nomenclatura e categorias taxonômicas reconhecidas.
    Analisar as diferentes doenças virais, bacterianas e protistas e reconhecer as suas
       importâncias diante da sociedade.
EIXO VII DO ENSINO MÉDIO

EMENTA

Fisiologia humana (Sistema digestivo; Sistema respiratório; Sistema Cardiovascular,
Sistema excretor e Sistema reprodutor masculino e feminino ). Introdução á Genética:
conceitos e histórico. Leis de Mendel, Hereditariedade e cromossomos sexuais. Evolução:
teorias. Ecologia: fluxo de energia e relações ecológicas.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS

    Identificar e explicar as leis de Mendel e as bases dos mecanismos de
       hereditariedade;
    Conhecer as principais doenças causadas por distúrbios genéticos;
    Caracterizar os mecanismos das relações ecológicas;
    Conhecer o processo de fluxo de energia;
    Identificar o processo de mudanças ambientais, oriundos do desequilíbrio
       ecológico;
    Comparar as teorias sobre a evolução e origem das espécies;
    Analisar a dinâmica ecológica da transferência de energia e matéria e de
       interações entre os seres vivos;
    Conhecer as estruturas que compõe o sistema digestivo, respiratório, cardiovascular e
       excretor;

    Reconhecer as principais doenças que comprometem o funcionamento do corpo e
       estimular a valorização do cuidado com a saúde;

    Descrever o funcionamento do corpo humano e reconhecer sua importância para nossa
       sobrevivência.
V. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
       A educação carece de profissionais comprometidos com uma pedagogia de
aprimoramentos de conceitos e atuantes em práticas que assegurem um melhor
aprendizado e postura diante dos fatos.
O procedimento metodológico está de acordo com o caráter de disciplinaridade do
ensino-aprendizagem dos alunos. Com a finalidade de promover um bom desempenho
poderão ser inseridas algumas técnicas de procedimentos metodológicos dependendo da
necessidade em que a turma possa ser trabalhada.


    Trabalhos individuais de pesquisa: A quantidade de informações hoje
       disponíveis e da velocidade com que elas surgem. É de vital importância, pois
       aciona várias fontes de consulta permitindo uma análise crítica sobre as mesmas.
       Esta seleção de informações deve desencadear no aluno o pensamento reflexivo
       para que ampliem e transformem a informação recebida.
    Aulas expositivas e participativas, demonstrações didáticas e aulas práticas:
       Apesar de parecer tradicional, podem ser usado sob outra ótica, pois os métodos
       têm pontos positivos, pois traz a discussão, levantamento de hipóteses e a
       participação interativa / participativa do aluno. Leva em conta a experiência do
       aluno.
    Seminários: Pode ser adaptada á realidade dos nossos alunos, criando
       oportunidade para que os alunos desenvolvam a investigação, a crítica e a
       independência intelectual. Este método estimula a produção de conhecimento e a
       interação professor / aluno.
    Experiências: Devem ser práticas e levantar problemas, relacionando-os a uma
       situação real, aplicando princípios teóricos para sua resolução; concilia teoria /
       prática (Demonstração didática e/ou aulas práticas).
    Resumo / esquemas: Cria o hábito de estudar fazendo anotações que poderão
       ser utilizadas para tirar dúvidas posteriores.
    Textos informativos: Cria oportunidade de interdisciplinaridade, visto que
       envolve compreensão, comentários e interpretação das informações recebidas.
    Estudo dirigido: Estimula o educando a seguir orientações didáticas,
       permitindo que o mesmo seja mais independente.
    Jogos: Permite que o educando aprenda com o lúdico.
 Avaliação da participação do aluno em sala de aula: Considera o interesse do
       aluno além da formulação de hipótese e seus conhecimentos prévios.
    Debates: Levam o aluno a expor seu ponto de vista sobre determinado assunto.
    Leituras diversas: Estimula o raciocínio e amplia o vocabulário.


VI. AVALIAÇÕES


       Avaliar é procurar compreender essa lógica, explicitá-la para quem está
aprendendo, permitindo seu avanço. Assim, a avaliação deve ser concebida como um
instrumento que informa ao professor o que foi aprendido pelo aluno, a eficácia de sua
prática educativa e os ajustes necessários nas intervenções pedagógicas. A avaliação
deve estar centrada tanto no julgamento dos resultados apresentados pelos alunos
quanto na análise do processo de aprendizado.
       A avaliação se dá a partir da somatória das atividades realizadas, geralmente, as
escolas adotam a norma de avaliação mais tradicional a somatória no qual é obrigatório
a realização de uma prova no valor de 5,0 pontos, enquanto os outros 5,0 pontos são
distribuídos a critério do professor e no final de cada unidade o aluno deve alcançar a
média (5,0 pontos).
       Na modalidade EJA as notas são compreendidas em AC ( À Construir), EC (Em
Construção e C (Construído) dependendo do desenvolvimento do aluno. Essa forma de
avaliação possibilita que o aluno possa compreender o assunto como também perceber a
importância de atitudes e comportamentos dentro da sala. E nesta modalidade não há
recuperação sendo assim os alunos passaram pelo conselho de classe.
       Cabe o professor observar as características da turma, suas particularidades e
escolher a melhor maneira para avaliar seus alunos, aproveitando ao máximo o que cada
aluno tem de melhor. As avaliações podem ser avaliações processuais, com participação
do aluno em sala de aula, realizações de trabalhos de pesquisa, trabalhos em grupo,
auto-avaliação ou mesmo prova classificatória..
       De acordo com a Lei de diretrizes e Bases (LDB) a avaliação deve ser contínua e
priorizar a qualidade e o processo de aprendizagem, proporcionando a verificação do
desempenho do aluno ao longo de todo o ano e não apenas em uma prova ou um
trabalho, ou seja, avaliação formativa a qual considera que cada aluno tem um ritmo
próprio de aprendizagem.
VII. RECURSOS

   Aparelho de DVD;
   Vídeo;
   TV pendrive;
   Mídias de DVDs;
   Quadro branco;
   Data-Show
   Pilot, apagador;
   Livro texto do aluno e outros;
   Material de laboratório e outros;
   Cartazes;
   Desenhos;
   DVDs;
   Informes de revistas;
   Lápis de cor; lápis cera, hidrocor.
   Espaço da sala de aula, Sala de ciências.
   Material de papelaria.
REFERÊNCIAS


 BRASIL Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Media e Tecnológica.
   Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Orientações
   Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza,
   Matemática e suas Tecnologias. Brasília, DF: [2000?].


 CÉSAR e CEZAR. Biologia. Vol. 1, 2 e 3 Ed. Saraiva, São Paulo, SP, 1995.


 Faustino, L.; Portes, V.; Costa, R. R. O ENSINO DE BIOLOGIA NA
   EJA.Disponível
   em:http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2005/anaisEvento/documentos/
   com/TCCI165.pdf. Acesso em: 20 dez.2010


 LOPES. Sônia Bio 3. São Paulo – SP, Saraiva, 16ª ed. 1995.


 LOPES, S., Biologia – volume único / Sônia Lopes, Sérgio Rosso. – 1. Ed – São
   Paulo: Saraiva, 2005.


 MENEGOLLA, M. Por que planejar? Como Planejar? Petrópolis. Rio de
   Janeiro: Vozes, 1996.


 NERICI, g. Imideo. Metodologia do Ensino: uma introdução - São Paulo:
   Atlas, 1981.


 Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências. Versão preliminar. Secretaria
   de ensino Fundamental – MEC, 1995.


 Secretaria de Educação Básica Ciências da natureza, matemática e suas
  tecnologias – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica,
  2006. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 2).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
familiaestagio
 
Coleção explorando o ensino médio biologia
Coleção explorando o ensino médio   biologiaColeção explorando o ensino médio   biologia
Coleção explorando o ensino médio biologia
netoalvirubro
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
franciele_regina
 
Um relato de experiência no ensino da genética
Um relato de experiência no ensino da genéticaUm relato de experiência no ensino da genética
Um relato de experiência no ensino da genética
Leonor
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010
familiaestagio
 
Pcn ciências
Pcn   ciênciasPcn   ciências
Pcn ciências
Silvilene Oliveira
 
Ens ciencias no brasil
Ens ciencias no brasilEns ciencias no brasil
Ens ciencias no brasil
fimepecim
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
Mario Amorim
 
Otm. ciencias naturais 1
Otm. ciencias naturais 1Otm. ciencias naturais 1
Otm. ciencias naturais 1
elannialins
 
Emergencia da Disciplina Escolar Biologia
Emergencia da Disciplina Escolar BiologiaEmergencia da Disciplina Escolar Biologia
Emergencia da Disciplina Escolar Biologia
Sued Oliveira
 
Plano de curso 8ano
Plano de curso 8anoPlano de curso 8ano
Plano de curso 8ano
Maria de Lourdes Ribeiro
 
Ens ciencias esc brasile taglieber
Ens ciencias esc brasile taglieberEns ciencias esc brasile taglieber
Ens ciencias esc brasile taglieber
fimepecim
 
Considerações sobre a área de ciências naturais
Considerações sobre a área de ciências naturaisConsiderações sobre a área de ciências naturais
Considerações sobre a área de ciências naturais
familiaestagio
 
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-finalTcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Jonacir Novaes
 
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino FundamentalCURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
SANTINA CÉLIA BORDINI
 
O ens ciencias krasilchik
O ens ciencias   krasilchikO ens ciencias   krasilchik
O ens ciencias krasilchik
ryanfilho
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
dibugiu
 
Plano de ensino ciencias
Plano de ensino cienciasPlano de ensino ciencias
Plano de ensino ciencias
Secretaria Assistencia Social
 
Educacao em ciencias no brasil nardi
Educacao em ciencias no brasil   nardiEducacao em ciencias no brasil   nardi
Educacao em ciencias no brasil nardi
fimepecim
 

Mais procurados (20)

Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Coleção explorando o ensino médio biologia
Coleção explorando o ensino médio   biologiaColeção explorando o ensino médio   biologia
Coleção explorando o ensino médio biologia
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
 
Um relato de experiência no ensino da genética
Um relato de experiência no ensino da genéticaUm relato de experiência no ensino da genética
Um relato de experiência no ensino da genética
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010
 
Pcn ciências
Pcn   ciênciasPcn   ciências
Pcn ciências
 
Ens ciencias no brasil
Ens ciencias no brasilEns ciencias no brasil
Ens ciencias no brasil
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
 
Otm. ciencias naturais 1
Otm. ciencias naturais 1Otm. ciencias naturais 1
Otm. ciencias naturais 1
 
Emergencia da Disciplina Escolar Biologia
Emergencia da Disciplina Escolar BiologiaEmergencia da Disciplina Escolar Biologia
Emergencia da Disciplina Escolar Biologia
 
Plano de curso 8ano
Plano de curso 8anoPlano de curso 8ano
Plano de curso 8ano
 
Ens ciencias esc brasile taglieber
Ens ciencias esc brasile taglieberEns ciencias esc brasile taglieber
Ens ciencias esc brasile taglieber
 
Considerações sobre a área de ciências naturais
Considerações sobre a área de ciências naturaisConsiderações sobre a área de ciências naturais
Considerações sobre a área de ciências naturais
 
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-finalTcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
Tcc ps-ensino-de-qumica-aluno-jonacir-verso-final
 
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino FundamentalCURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
 
O ens ciencias krasilchik
O ens ciencias   krasilchikO ens ciencias   krasilchik
O ens ciencias krasilchik
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
 
Plano de ensino ciencias
Plano de ensino cienciasPlano de ensino ciencias
Plano de ensino ciencias
 
Educacao em ciencias no brasil nardi
Educacao em ciencias no brasil   nardiEducacao em ciencias no brasil   nardi
Educacao em ciencias no brasil nardi
 

Destaque

Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]
familiaestagio
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
familiaestagio
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
familiaestagio
 
Eja ciências biologia
Eja   ciências biologiaEja   ciências biologia
Eja ciências biologia
Edilson Silva
 
Planejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barroso
Planejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barrosoPlanejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barroso
Planejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barroso
Antonio Carneiro
 
Planejamento anual de quimica
Planejamento anual de quimicaPlanejamento anual de quimica
Planejamento anual de quimica
Colegio CMC
 
Quadro de distribuição de conteúdos da eja química
Quadro de distribuição de conteúdos da eja   químicaQuadro de distribuição de conteúdos da eja   química
Quadro de distribuição de conteúdos da eja química
japquimica
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
neivaldolucio
 

Destaque (8)

Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Eja ciências biologia
Eja   ciências biologiaEja   ciências biologia
Eja ciências biologia
 
Planejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barroso
Planejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barrosoPlanejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barroso
Planejamento de biologia 3º ano professor antonio carlos carneiro barroso
 
Planejamento anual de quimica
Planejamento anual de quimicaPlanejamento anual de quimica
Planejamento anual de quimica
 
Quadro de distribuição de conteúdos da eja química
Quadro de distribuição de conteúdos da eja   químicaQuadro de distribuição de conteúdos da eja   química
Quadro de distribuição de conteúdos da eja química
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
 

Semelhante a Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas

Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
familiaestagio
 
Proposta curricular
Proposta curricularProposta curricular
Proposta curricular
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieiraProposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieira
familiaestagio
 
2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te
Tic Upe
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
pibidbio
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
CEFAPRO-Sinop
 
Expensbio
ExpensbioExpensbio
Expensbio
Tatão Ribeiro
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
Diana Costa
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
Diana Costa
 
App sobre currículo (2) com modificações
App sobre currículo (2) com modificaçõesApp sobre currículo (2) com modificações
App sobre currículo (2) com modificações
Tasciano Santa Izabel
 
Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012
Linna Braga
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprp
familiaestagio
 
Cópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologia
Cópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologiaCópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologia
Cópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologia
familiaestagio
 
CurríCulo De Biologia
CurríCulo De BiologiaCurríCulo De Biologia
CurríCulo De Biologia
escola
 
Vol3 ciencias
Vol3 cienciasVol3 ciencias
Vol3 ciencias
Barto Freitas
 
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestreGuia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
CEPI-INDEPENDENCIA
 
3 metodologia e-instrumentacao
3 metodologia e-instrumentacao3 metodologia e-instrumentacao
3 metodologia e-instrumentacao
Rosana Matos Privado
 

Semelhante a Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas (20)

Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
 
Proposta curricular
Proposta curricularProposta curricular
Proposta curricular
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieiraProposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieira
 
2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te2.A Atividade De Te
2.A Atividade De Te
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Expensbio
ExpensbioExpensbio
Expensbio
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
 
App sobre currículo (2) com modificações
App sobre currículo (2) com modificaçõesApp sobre currículo (2) com modificações
App sobre currículo (2) com modificações
 
Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprp
 
Cópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologia
Cópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologiaCópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologia
Cópia de mapa de integra플o dos componentes curriculares do curso de biologia
 
CurríCulo De Biologia
CurríCulo De BiologiaCurríCulo De Biologia
CurríCulo De Biologia
 
Vol3 ciencias
Vol3 cienciasVol3 ciencias
Vol3 ciencias
 
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestreGuia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
 
3 metodologia e-instrumentacao
3 metodologia e-instrumentacao3 metodologia e-instrumentacao
3 metodologia e-instrumentacao
 

Mais de familiaestagio

Portfólio ulisses
Portfólio   ulissesPortfólio   ulisses
Portfólio ulisses
familiaestagio
 
Portfólio daniel
Portfólio   danielPortfólio   daniel
Portfólio daniel
familiaestagio
 
Plano de aula 05
Plano de aula 05Plano de aula 05
Plano de aula 05
familiaestagio
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
familiaestagio
 
Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
familiaestagio
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
familiaestagio
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
familiaestagio
 
Cronograma
CronogramaCronograma
Cronograma
familiaestagio
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigido
familiaestagio
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o correto
familiaestagio
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viii
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
familiaestagio
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes iv
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes iii
Plano de aula adriana fernandes iiiPlano de aula adriana fernandes iii
Plano de aula adriana fernandes iii
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes ii
Plano de aula adriana fernandes iiPlano de aula adriana fernandes ii
Plano de aula adriana fernandes ii
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes i
Plano de aula adriana fernandes iPlano de aula adriana fernandes i
Plano de aula adriana fernandes i
familiaestagio
 

Mais de familiaestagio (20)

Portfólio ulisses
Portfólio   ulissesPortfólio   ulisses
Portfólio ulisses
 
Portfólio daniel
Portfólio   danielPortfólio   daniel
Portfólio daniel
 
Plano de aula 05
Plano de aula 05Plano de aula 05
Plano de aula 05
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
 
Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma
CronogramaCronograma
Cronograma
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigido
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o correto
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viii
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes iv
 
Plano de aula adriana fernandes iii
Plano de aula adriana fernandes iiiPlano de aula adriana fernandes iii
Plano de aula adriana fernandes iii
 
Plano de aula adriana fernandes ii
Plano de aula adriana fernandes iiPlano de aula adriana fernandes ii
Plano de aula adriana fernandes ii
 
Plano de aula adriana fernandes i
Plano de aula adriana fernandes iPlano de aula adriana fernandes i
Plano de aula adriana fernandes i
 

Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas

  • 1. Governo Do Estado Da Bahia Secretaria De Educação Colégio Estadual De Alagoinhas Alagoinhas - BA Proposta Curricular de Biologia Ano Letivo – 2010 Alagoinhas, Dezembro de 2010
  • 2. I. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Colégio: Colégio Estadual de Alagoinhas Área do conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular: Biologia Carga Horária: 04 aulas semanais. Professor orientador: Cláudia Regina Teixeira de Souza Estagiários: Ana Carine O. do Nascimento e Eliane Mª de Santana Curso: EJA Séries: EIXO V, VI e VII Segmento: Ensino Médio II. JUSTIFICATIVA A proposta curricular no ensino do Componente Curricular de Biologia tem o intuito de proporcionar ao aluno de EJA a oportunidade de visualização de conceitos ou processos que estão sendo construídos por ele na escola, sendo que a missão da educação é dirigir o crescimento intelectual, moral e ético da comunidade através de ensinamentos, exemplos, experiências levados à escola, fazendo com que cada um se conscientize e se responsabilize pelo destino da sua própria vida. Dessa forma, pode-se descrever que jovens e adultos devem desenvolver suas diferentes capacidades e onde todos são capazes de aprender para e desse modo construir sua identidade na sociedade e que não tiveram acesso à escola ou mesmo aqueles que não conseguiram completar seus estudos. Na Educação de Jovens e Adultos atualmente pode ser uma escolha viável para que as pessoas possam retomar seus estudos e garantir uma formação profissional e intelectual, representando um novo começo. As propostas curriculares de Ciências e Biologia das turmas do EJA apresentam a mesma quantidade de conteúdos em relação ao ensino regular, mas de forma que a carga horária é a mesma e o número de conteúdo é praticamente o dobro, pois as séries são cursadas em etapas, sendo elas bastante extensas podendo vir a dificultar a aprendizagem dos alunos devido à sobrecarga de conteúdo em um curto espaço de tempo, principalmente nas disciplinas da área das Ciências Biológicas que abrangem muitas inter-relações com outras áreas do conhecimento, além de muitos termos e descrições científicas. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), de 1996, a urgência de reorganização da Educação Básica, a fim de dar conta dos desafios
  • 3. impostos pelos processos globais e pelas transformações sociais e culturais por eles geradas na sociedade contemporânea, na área das Ciências Biológicas, o ensino de Ciências e Biologia se organizam ainda hoje de modo a privilegiar o estudo de conceitos, linguagem e metodologias desse campo do conhecimento, tornando as aprendizagens pouco eficientes para a interpretação e intervenção na realidade, principalmente nas turmas de EJA em que esta visão é mais reduzida e extremamente fragmentada. O ensino de Ciências e Biologia para jovens e adultos fundamenta-se nos mesmos objetivos gerais do ensino voltado para crianças e adolescentes, uma vez que a formação para a cidadania constitui meta de todos os segmentos e modalidades da escolaridade. Compreender a ciência como um processo de produção de conhecimento e uma atividade humana, histórica, associada a aspectos de ordem social, econômica, política e cultural. Ao considerar a EJA como ramo da educação especial voltado para a inclusão de jovens e adultos fora da idade escolar, é preciso avaliar as necessidades do educador para se adaptar a essa forma de ensino, bem como os objetivos que ele se deverá alcançar para trabalhar com esses educandos tão especiais e de características diversas dos educandos do ensino regular. Um ensino de qualidade busca selecionar temas relevantes para os alunos, assuntos ligados ao meio ambiente, à visão do universo, à saúde e à transformação científico-tecnológica do mundo, bem como à compreensão do que são a ciência e a tecnologia. Ao estudar diferentes temas, os alunos precisam ter oportunidades para conhecer as bases lógicas e culturais que apóiam as explicações científicas, bem como para discutir as implicações éticas e os alcances dessas explicações na formulação de visões de mundo. Uma forma interessante de demonstrar a lógica do conhecimento científico é trabalhar a ciência em diferentes momentos históricos, mostrando que, conforme as tecnologias vão se desenvolvendo e novas interpretações vão se consolidando, o conhecimento científico vai sendo modificado. Outra forma de trabalhar a lógica e a linguagem das Ciências é trazer notícias de descobertas recentes veiculadas na mídia para debate em sala de aula. Estratégias dessa natureza devem ajudar o aluno a perceber o caráter dinâmico do conhecimento científico, bem como a importância de se comprovar as idéias por meio de experimentação e observação direta.
  • 4. III. OBJETIVOS GERAIS  Estimular a curiosidade do aluno, perante as conseqüências do desenvolvimento econômico sob o equilíbrio ambiental;  Instigar a vontade pelo aprendizado beneficiando o desenvolvimento de atitudes e valores que cooperem para o melhoramento da qualidade de vida e da responsabilidade do educando;  Considerar que cada ser vivo oferece ciclo de vida com fases e características específicas, portanto, muitas vezes distintas uma das outras;  Analisar e propor atividades como objeto de estudo e pesquisa para que possíveis questionamentos sejam desenvolvidos adequando o envolvimento entre educando e educadores. IV. PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR EIXO V DO ENSINO MÉDIO: EMENTA: Introdução à Biologia: Biosfera, vida e organização biológica. A Origem da vida. A base molecular da vida: Matéria e energia. Água, sais minerais, carboidratos e lipídeos. Proteínas. Vitaminas. Os ácidos nucléicos e a síntese de proteínas. A célula: Envoltórios celulares. Citoplasma. Núcleo celular. Divisão celular. Fotossíntese. Respiração celular. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Identificar a intensa interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente e como o homem pode interferir contribuindo com sua preservação ou destruição, o que permitirá o desenvolvimento de uma consciência ecológico;  Validar as diferentes explicações para origem dos seres vivos, afrontando as compreensões científicas e religiosas;  Conhecer a célula como menor parte de um ser vivo, apontando sua estrutura, organelas e funções;
  • 5.  Conhecer as teorias da origem e evolução da vida na Terra;  Reconhecer as diferentes composições químicas da célula, substâncias orgânicas e inorgânicas;  Analisar o transporte através das membranas e envoltórios celulares;  Analisar os processos de obtenção de energia pelos seres vivos;  Verificar planos que incluam os diferentes tipos de ácidos nucléicos, as organelas celulares e o mecanismo de síntese de proteínas, bem como o processo de divisão celular para a constituição dos tecidos.  Identificar as diferentes fases dos processos de divisão celular; EIXO VI DO ENSINO MÉDIO EMENTA: Reinos: Monera, Protista e Fungi e os Vírus. Reino Animal: Invertebrados e Vertebrados. Reino Vegetal. Taxonomia. Evolução e diversidade dos seres vivos OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Conhecer a organização da diversidade de seres vivos;  Distinguir as características dos seres vivos;  Conhecer as principais características dos representantes de cada um dos cinco reinos, identificando especificidades relacionadas às condições ambientais.  Debater o processo evolutivo dos seres vivos nos Reinos Animal e Vegetal.  Reconhecer e utilizar os principais critérios de classificação, regras de nomenclatura e categorias taxonômicas reconhecidas.  Analisar as diferentes doenças virais, bacterianas e protistas e reconhecer as suas importâncias diante da sociedade.
  • 6. EIXO VII DO ENSINO MÉDIO EMENTA Fisiologia humana (Sistema digestivo; Sistema respiratório; Sistema Cardiovascular, Sistema excretor e Sistema reprodutor masculino e feminino ). Introdução á Genética: conceitos e histórico. Leis de Mendel, Hereditariedade e cromossomos sexuais. Evolução: teorias. Ecologia: fluxo de energia e relações ecológicas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Identificar e explicar as leis de Mendel e as bases dos mecanismos de hereditariedade;  Conhecer as principais doenças causadas por distúrbios genéticos;  Caracterizar os mecanismos das relações ecológicas;  Conhecer o processo de fluxo de energia;  Identificar o processo de mudanças ambientais, oriundos do desequilíbrio ecológico;  Comparar as teorias sobre a evolução e origem das espécies;  Analisar a dinâmica ecológica da transferência de energia e matéria e de interações entre os seres vivos;  Conhecer as estruturas que compõe o sistema digestivo, respiratório, cardiovascular e excretor;  Reconhecer as principais doenças que comprometem o funcionamento do corpo e estimular a valorização do cuidado com a saúde;  Descrever o funcionamento do corpo humano e reconhecer sua importância para nossa sobrevivência.
  • 7. V. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A educação carece de profissionais comprometidos com uma pedagogia de aprimoramentos de conceitos e atuantes em práticas que assegurem um melhor aprendizado e postura diante dos fatos. O procedimento metodológico está de acordo com o caráter de disciplinaridade do ensino-aprendizagem dos alunos. Com a finalidade de promover um bom desempenho poderão ser inseridas algumas técnicas de procedimentos metodológicos dependendo da necessidade em que a turma possa ser trabalhada.  Trabalhos individuais de pesquisa: A quantidade de informações hoje disponíveis e da velocidade com que elas surgem. É de vital importância, pois aciona várias fontes de consulta permitindo uma análise crítica sobre as mesmas. Esta seleção de informações deve desencadear no aluno o pensamento reflexivo para que ampliem e transformem a informação recebida.  Aulas expositivas e participativas, demonstrações didáticas e aulas práticas: Apesar de parecer tradicional, podem ser usado sob outra ótica, pois os métodos têm pontos positivos, pois traz a discussão, levantamento de hipóteses e a participação interativa / participativa do aluno. Leva em conta a experiência do aluno.  Seminários: Pode ser adaptada á realidade dos nossos alunos, criando oportunidade para que os alunos desenvolvam a investigação, a crítica e a independência intelectual. Este método estimula a produção de conhecimento e a interação professor / aluno.  Experiências: Devem ser práticas e levantar problemas, relacionando-os a uma situação real, aplicando princípios teóricos para sua resolução; concilia teoria / prática (Demonstração didática e/ou aulas práticas).  Resumo / esquemas: Cria o hábito de estudar fazendo anotações que poderão ser utilizadas para tirar dúvidas posteriores.  Textos informativos: Cria oportunidade de interdisciplinaridade, visto que envolve compreensão, comentários e interpretação das informações recebidas.  Estudo dirigido: Estimula o educando a seguir orientações didáticas, permitindo que o mesmo seja mais independente.  Jogos: Permite que o educando aprenda com o lúdico.
  • 8.  Avaliação da participação do aluno em sala de aula: Considera o interesse do aluno além da formulação de hipótese e seus conhecimentos prévios.  Debates: Levam o aluno a expor seu ponto de vista sobre determinado assunto.  Leituras diversas: Estimula o raciocínio e amplia o vocabulário. VI. AVALIAÇÕES Avaliar é procurar compreender essa lógica, explicitá-la para quem está aprendendo, permitindo seu avanço. Assim, a avaliação deve ser concebida como um instrumento que informa ao professor o que foi aprendido pelo aluno, a eficácia de sua prática educativa e os ajustes necessários nas intervenções pedagógicas. A avaliação deve estar centrada tanto no julgamento dos resultados apresentados pelos alunos quanto na análise do processo de aprendizado. A avaliação se dá a partir da somatória das atividades realizadas, geralmente, as escolas adotam a norma de avaliação mais tradicional a somatória no qual é obrigatório a realização de uma prova no valor de 5,0 pontos, enquanto os outros 5,0 pontos são distribuídos a critério do professor e no final de cada unidade o aluno deve alcançar a média (5,0 pontos). Na modalidade EJA as notas são compreendidas em AC ( À Construir), EC (Em Construção e C (Construído) dependendo do desenvolvimento do aluno. Essa forma de avaliação possibilita que o aluno possa compreender o assunto como também perceber a importância de atitudes e comportamentos dentro da sala. E nesta modalidade não há recuperação sendo assim os alunos passaram pelo conselho de classe. Cabe o professor observar as características da turma, suas particularidades e escolher a melhor maneira para avaliar seus alunos, aproveitando ao máximo o que cada aluno tem de melhor. As avaliações podem ser avaliações processuais, com participação do aluno em sala de aula, realizações de trabalhos de pesquisa, trabalhos em grupo, auto-avaliação ou mesmo prova classificatória.. De acordo com a Lei de diretrizes e Bases (LDB) a avaliação deve ser contínua e priorizar a qualidade e o processo de aprendizagem, proporcionando a verificação do desempenho do aluno ao longo de todo o ano e não apenas em uma prova ou um trabalho, ou seja, avaliação formativa a qual considera que cada aluno tem um ritmo próprio de aprendizagem.
  • 9. VII. RECURSOS  Aparelho de DVD;  Vídeo;  TV pendrive;  Mídias de DVDs;  Quadro branco;  Data-Show  Pilot, apagador;  Livro texto do aluno e outros;  Material de laboratório e outros;  Cartazes;  Desenhos;  DVDs;  Informes de revistas;  Lápis de cor; lápis cera, hidrocor.  Espaço da sala de aula, Sala de ciências.  Material de papelaria.
  • 10. REFERÊNCIAS  BRASIL Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Media e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Orientações Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, DF: [2000?].  CÉSAR e CEZAR. Biologia. Vol. 1, 2 e 3 Ed. Saraiva, São Paulo, SP, 1995.  Faustino, L.; Portes, V.; Costa, R. R. O ENSINO DE BIOLOGIA NA EJA.Disponível em:http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2005/anaisEvento/documentos/ com/TCCI165.pdf. Acesso em: 20 dez.2010  LOPES. Sônia Bio 3. São Paulo – SP, Saraiva, 16ª ed. 1995.  LOPES, S., Biologia – volume único / Sônia Lopes, Sérgio Rosso. – 1. Ed – São Paulo: Saraiva, 2005.  MENEGOLLA, M. Por que planejar? Como Planejar? Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.  NERICI, g. Imideo. Metodologia do Ensino: uma introdução - São Paulo: Atlas, 1981.  Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências. Versão preliminar. Secretaria de ensino Fundamental – MEC, 1995.  Secretaria de Educação Básica Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 2).