SlideShare uma empresa Scribd logo
REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
Um olhar para a qualidade na
Atenção Básica
Jamesson Ferreira
Definição de Qualidade – GESTÃO –
USUÁRIO - PRODUTO
“Qualidade é o conjunto de características de
desempenho de um produto ou serviço que
em conformidade com as especificações,
atende e por vezes supera as expectativas e
anseios do consumidor/cliente”
(SILVEIRA,2007)
Histórico
Constituição Federal de (1988) – art 196.
Lei 8080, de 19 de setembro de 1990
Portaria GM/MS Nº 648, de 28 de março de 2006. - 1ª
LEGISLAÇÃO PARA REGULAMENTAR, ORGANIZAR,
ORIENTAR AS AÇÕES DA ATENÇÃO BÁSICA – 1ª PNAB
Pacto Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão – 2006 -
São 03 os Pactos pela
Saúde
. Pacto pela Vida
. Pacto em Defesa do SUS
. Pacto de Gestão
INDICADORES DA PACTUAÇÃO DE
DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS 2012
Fonte:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_diretrizes_objetivos_2013_2015.pdf
 157 – paginas
 67 indicadores!
 16 Indicadores voltados para APS
 Novos indicadores!
 Novos formas de cálculos
 Indicadores Universais;
 Indicadores Específicos;
 Preparação para o COAP!!!!!
Os indicadores de saúde retratam a
Atenção Básica que estamos praticando.
Onde estamos falhando?
O que e como fazer?
Muitas portarias depois...
Política Nacional de Atenção Básica
• PORTARIA 2.488
Principais características
• Integração com as Redes de Atenção à Saúde:
Rede Cegonha, RAU, RAPS, Redes de Doenças
Crônicas;
• Abertura de novas estratégias para públicos
que não tinham acesso aos serviços de saúde.
Por exemplo: Consultório de Rua
• Aprimora o relacionamento de Programas e
Políticas da Atenção Básica
Definição de Atenção Básica
“A atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de
ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que
abrange a promoção e a proteção do indivíduo, a
prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a
reabilitação, a redução de danos e a manutenção da
saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção
integral que impacte na situação de saúde e
autonomia das pessoas e nos determinantes e
condicionalidade de saúde das coletividades”
Ministério da Saúde – DF - 2012
Alguns fundamentos e diretrizes
I - Ter território adstrito;
II - Possibilitar o acesso universal e continuo aos
serviços de saúde resolutivos
III – Adscrever os usuários e desenvolver
relações de vínculo e responsabilização entre
as equipes e a população adscrita;
IV – Coordenar a INTEGRALIDADE
V – Estimular a participação dos usuários
Novidades da PNAB
RAS - Redes de Atenção á Saúde
“Arranjos organizativos formados por ações e
serviços de saúde com diferentes
configurações tecnológicas e missões
assistenciais, articuladas de forma a
complementar e com base territorial”
Uma breve apresentação das redes
O que é a Rede Cegonha?
É a rede de cuidados materno e infantil para garantir à mulher o
direito ao planejamento reprodutivo e atenção humanizada à
gravidez, parto e puerpério; e a criança o nascimento seguro e
crescimento e desenvolvimento saldáveis
Objetivos da Rede Cegonha?
• Organizar a rede de atenção à saúde materno e infantil, garantindo
acesso, acolhimento e resolutividade;
• Reduzir a mortalidade materno e infantil com ênfase no
componente neonatal
Componentes da Rede Cegonha:
Pré-natal;
Parto;
Puerpério
REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS -
RAU
O que é uma RAU ?
Rede de Atenção às Urgências (RAU) é uma estrutura para atendimento às
urgências de forma articulada, que integra todos os Estabelecimentos de
Saúde com suas Portas de Entradas, objetivando ampliar e qualificar o
acesso, humanizado e integral aos usuários em situação de urgência nos
Serviços de Saúde de forma ágil e oportuna.
O que é uma Porta de Entrada da RAU?
Entende-se por porta de entrada, na Rede de Atenção às Urgências e
Emergências, todo estabelecimento de Saúde do SUS, que possibilite
resolução integral ou parcial da demanda, ou transferindo-a
responsavelmente para outro Estabelecimento de maior complexidade,
devendo estas Unidades compor uma Rede organizada e hierarquizada d
Atenção às Urgências.
Quais as Portas de Entrada da RAU?
As Unidades Básicas de Saúde, as Salas de Estabilização, as UPA’s e os
Hospitais.
Quais os componentes da RAU?
Promoção, Prevenção e Vigilância à Saúde – São ações de saúde voltadas para a
educação permanente, vigilância e prevenção das violências e acidentes das lesões
e mortes no transito e das doenças crônicas não transmissíveis;
Atenção Básica em Saúde – Ações que promovem e ampliam o acesso, fortalecimento
do vínculo e responsabilização e os primeiros cuidados às urgências, em ambiente
adequado até a transferência/encaminhamento para outros níveis de atenção
(maior complexidade);
Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e suas Centrais de Regulação
Médica das Urgências – Serviços que garantem o atendimento e/ou transporte
adequado para uma unidade de saúde devidamente qualificada
Sala de Estabilização(SE):
É uma estrutura que funciona como local de assistência temporária e qualificada
para estabilização de pacientes críticos/graves para posterior encaminhamento a
outros pontos da Rede de Atenção à Saúde.
Quais os componentes da RAU?
(cont.)
Melhor em casa
Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) - Serviço substitutivo
ou complementar à internação hospitalar ou ambulatorial,
contando com Equipes Multiprofissionais de Atenção
Domiciliar (EMAD) e
Equipes Multiprofissionais de Apoio (EMAP), com
implantação em municípios desde que possuam:
- população igual ou superior a 100 mil habitantes, ou
população igual ou superior a 40 mil habitantes e inferior a
100 mil desde que localizada em região metropolitana. O
SAD é responsável pelo gerenciamento e operacionalização
das Equipes Multiprofissionais de Atenção Domiciliar
(EMAD) e Equipes Multiprofissionais de Apoio (EMAP)
REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL
O QUE É REDE PSICOSSOCIAL?
É a rede de saúde que se destina ao cuidado de pessoas com
sofrimento decorrente de transtorno mental e do uso de crack,
álcool e outras drogas.
PARA QUE SERVE A REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL?
Serve para criar, ampliar e articular os pontos de atenção à saúde
para pessoas com sofrimento decorrente de transtorno mental e do
uso de crack, álcool e outras drogas no (SUS).
O QUE SÃO PONTOS DE ATENÇÃO NA REDE PSICOSSOCIAL?
São serviços de já existentes ou que podem se criados para garantir
atendimento a essa população desde o nível primário de atenção
até o nível mais especializado.
QUAIS COMPONENTES DA REDE PSICOSSOCIAL
QUAIS COMPONENTES DA REDE
PSICOSSOCIAL
Uma das maiores redes e de maior
complexidade de articulação
Câncer Hipertensão Diabetes
Programa Nacional de
Tabagismo
Doença Renal Doenças Respiratórias
Cuidados Paliativos
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=113
71&Itemid=697
Objetivos da rede:
Ampliar o acesso e qualificar atendimento às pessoas com
deficiência no SUS, com foco na organização de rede e na atenção
integral à saúde, que contemple as áreas de deficiência auditiva,
física, visual, intelectual e ostomias.
Ampliar a integração e articulação dos serviços de reabilitação com
a rede de atenção primária e outros pontos de atenção
especializada.
Desenvolver ações de prevenção de deficiências na infância e vida
adulta.
Componentes da rede:
1. CER - Centro Especializado em Reabilitação.
2. Oficinas Ortopédicas: local e itinerante.
3. Centros-Dia.
4. Serviços de Atenção Odontológica para Pessoas com
Deficiência.
5. Serviço de Atenção Domiciliar no âmbito do SUS.
6. Atenção Hospitalar.
http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp_ras.php?conteudo=rede_deficiencias
RELAÇÃO DE CUSTOS NA ATENÇÃO
BÁSICA
=
QUANTIDADE X QUALIDADE
GESTANTE, PUÉRPERA E DUPLA MÃE-BEBÊ
PRÉ-NATAL
REDE CEGONHA
PARTO PUERPÉRIO
• Proporção de partos normais (2 a cada 10 partos)
• Proporção de nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal
• Nº de óbitos maternos em determinado período e local de residência (10 a 20 óbitos a cada 100.000)
• Taxa de mortalidade infantil (menos 10 a cada 1.000 nascidos vivos)
• Incidência de sífilis congênita
• Proporção de gestantes cadastradas pela Equipe de Atenção Básica (PMAQ)
• Média de atendimentos de pré-natal por gestante cadastrada (PMAQ)
• Proporção de gestantes que iniciaram o pré-natal do 1º trimestre (PMAQ)
• Proporção de gestantes com vacina em dia (PMAQ)
• Cobertura de 1ª consulta de atendimento odontológico à gestante (PMAQ)
• Proporção de gestante com o pré-natal em dia (PMAQ)
C R I A N Ç A
VACINAÇÃO
ALEITAMENTO
MATERNO
ALIMENTAÇÃO
COMPLEMENTAR
SAUDÁVEL
REDE AMAMENTA
ALIMENTA BRASIL
IHAC
VIGILÂNCIA
EPIDEMIOLÓGICA
VIOLÊNCIA
LINHAS DE CUIDADO PARA
CRIANÇAS EM SITUAÇÃO
DE VIOLÊNCIA
• % de desnutrição em crianças
menores de 5 anos de idade
(preconizado: 5%)
• Cobertura de crianças menores de 5
anos de idade no SISVAN
• Proporção de
crianças menores de
1 ano com vacina em
dia (PMAQ)
• Cobertura vacinal
(preconizado: 95%)
Proporção de crianças
menores de 4 meses
com aleitamento
materno exclusivo
(PMAQ)
A D O L E S C E N T E
SAÚDE
MENTAL
ALIMENTAÇAO
ATIVIDADE
FÍSICA
RAPS SISVAN HIPERDIA e
ACADEMIA DE SAÚDE
• Cobertura de Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)
• Proporção de atendimentos em Saúde Mental exceto usuários de álcool e
drogas (PMAQ)
M U L H E R
SAÚDE
MENTAL
CÂNCER DST
PROGRAMA NACIONAL
DE DST/AIDS
REDE DE DOENÇAS
CRÔNICASRAPS
VIOLÊNCIA
• Cobertura de Centro de
Atenção Psicossocial
(CAPS)
• Proporção de
atendimentos em Saúde
Mental exceto usuários de
álcool e drogas (PMAQ)
• Razão de exames citopatológicos do colo do útero em mulheres de 25 a
64 anos e a população feminina na mesmo faixa etária
• Razão de exames de mamografia realizados em mulheres de 50 a 69 anos
e população da mesma faixa etária
• Seguimento/tratamento informado de mulheres com diagnóstico de
lesões intraepiteliais de alto grau de colo de útero
H O M E M
ÁLCOOL E OUTRAS
DROGAS
CÂNCER DE PÊNIS
E PRÓSTATA
HIPERTENSÃO
E DIABETES
REDE DE DOENÇAS CRÔNICASRAPS
VIOLÊNCIA
• Cobertura de Centro de Atenção
Psicossocial/CAPS
• Proporção de atendimento de usuários de
álcool (PMAQ)
• Proporção de atendimento de usuários de
drogas (PMAQ)
• Proporção de diabéticos e hipertensos
cadastrados (PMAQ)
• Média de atendimentos por diabético e por
hipertenso (PMAQ)
• Proporção de diabéticos e hipertensos
acompanhados no domicílio (PMAQ)
P E S S O A I D O S A
HIPERTENSÃO
E DIABETES
CÂNCER DEMÊNCIA
REDE DE DOENÇAS CRÔNICAS
AUTONOMIA
(AVD e AIVD)
PROGRAMA NACIONAL
DE SAÚDE DO IDOSO
Taxa de internação
hospitalar em
pessoas idosas por
fratura de fêmur
• Proporção de diabéticos e hipertensos cadastrados (PMAQ)
• Média de atendimentos por diabético e por hipertenso (PMAQ)
• Proporção de diabéticos e hipertensos acompanhados no
domicílio (PMAQ)
Jamesson Ferreira
Psicólogo
jjpsi@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
karensuelen
 
A construção do sus
A construção do susA construção do sus
A construção do sus
Regina M F Gomes
 
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSPRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
Fisioterapeuta
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
Ylla Cohim
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
Bianca Lazarini Forreque Poli
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
Jorge Samuel Lima
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...
O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...
O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...
Aliny Lima
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS

Mais procurados (20)

Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
A construção do sus
A construção do susA construção do sus
A construção do sus
 
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSPRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Aula do sus
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...
O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...
O PROCESSO DE TRABALHO NO SUS E A IMPORTÂNCIA 01 DAS AÇÕES DE PLANEJAMENTO EM...
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUS
 

Destaque

Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
Estrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamíliaEstrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamília
Marcos Nery
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
Ismael Costa
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
Marcos Nery
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Ghiordanno Bruno
 
Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...
Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...
Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Curso 65c
Curso 65cCurso 65c
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
Valdirene1977
 
Redes de atenção à saude 2011
Redes de atenção à saude 2011Redes de atenção à saude 2011
Redes de atenção à saude 2011
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Avaliação caps cremesp
Avaliação caps   cremespAvaliação caps   cremesp
Avaliação caps cremesp
eduardo guagliardi
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
Ricardo Alexandre
 
Cartilha fms
Cartilha fmsCartilha fms
Cartilha fms
GESTÃO SAÚDE.
 
Centro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS AD
Centro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS ADCentro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS AD
Centro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS AD
Rubiasm
 
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDEA IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaO Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
aagapesantamarcelina
 
Palestra PNAB
Palestra PNABPalestra PNAB
Palestra PNAB
mailsonenfermagem
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Marcos Nery
 
Educação Corporativa U Cs Meister
Educação  Corporativa    U Cs  MeisterEducação  Corporativa    U Cs  Meister
Educação Corporativa U Cs Meister
Rodrigo Corrêa Leite
 

Destaque (20)

Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
Estrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamíliaEstrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamília
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...
Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...
Roda de conversa 23 de outubro de 2014 - Dialogando com as Experiências do CA...
 
Curso 65c
Curso 65cCurso 65c
Curso 65c
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
 
Redes de atenção à saude 2011
Redes de atenção à saude 2011Redes de atenção à saude 2011
Redes de atenção à saude 2011
 
Avaliação caps cremesp
Avaliação caps   cremespAvaliação caps   cremesp
Avaliação caps cremesp
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
 
Cartilha fms
Cartilha fmsCartilha fms
Cartilha fms
 
Centro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS AD
Centro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS ADCentro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS AD
Centro de atenção Psicossocial em álcool e drogas- CAPS AD
 
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDEA IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
A IMPORTÂNCIA DA APS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE
 
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaO Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
O Papel da APS na Organização das Redes de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
 
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
Atenção Primária à Saúde: Seu papel no Programa de Redução da Mortalidade Inf...
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
 
Palestra PNAB
Palestra PNABPalestra PNAB
Palestra PNAB
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
 
Educação Corporativa U Cs Meister
Educação  Corporativa    U Cs  MeisterEducação  Corporativa    U Cs  Meister
Educação Corporativa U Cs Meister
 

Semelhante a Políticas da atenção básica redes aula 2015

Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
Marcos Nery
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
Fisioterapia/ Gerencia em Saúde
 
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptx
ElaineCamargos
 
ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCES
ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCESATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCES
ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCES
PolyannaMartins1
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à SaúdeProtocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Sebástian Freire
 
Protocolo coren rj
Protocolo coren rjProtocolo coren rj
Protocolo coren rj
Morgana Oliveira
 
protocolo+de+enfermagem final
protocolo+de+enfermagem finalprotocolo+de+enfermagem final
protocolo+de+enfermagem final
Lisandra Reis
 
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health informationGestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
Jamessonjr Leite Junior
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de Osório
Educ&Saude
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
Francielttonsantos
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
ItauanaAlmeida1
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
ItauanaAlmeida1
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
MarianeBarbosa26
 
Conteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de Informação
Conteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de InformaçãoConteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de Informação
Conteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de Informação
aagapesantamarcelina
 
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptxsaude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
EmanuellaFreitasDiog
 
Apostila
ApostilaApostila
Serviços
ServiçosServiços
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
Samara165561
 

Semelhante a Políticas da atenção básica redes aula 2015 (20)

Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptx
 
ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCES
ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCESATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCES
ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE.pdf E SUAS NUANCES
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à SaúdeProtocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
Protocolos de enfermagem na Atenção Primária à Saúde
 
Protocolo coren rj
Protocolo coren rjProtocolo coren rj
Protocolo coren rj
 
protocolo+de+enfermagem final
protocolo+de+enfermagem finalprotocolo+de+enfermagem final
protocolo+de+enfermagem final
 
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health informationGestão da Informação em Saúde - Management of health information
Gestão da Informação em Saúde - Management of health information
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de Osório
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
 
Conteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de Informação
Conteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de InformaçãoConteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de Informação
Conteúdo Teórico - Módulo 2 - Sistemas de Informação
 
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptxsaude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Serviços
ServiçosServiços
Serviços
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
 

Mais de Jamessonjr Leite Junior

Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...
Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...
Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...
Jamessonjr Leite Junior
 
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsÉtica profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Jamessonjr Leite Junior
 
e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...
e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...
e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...
Jamessonjr Leite Junior
 
Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...
Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...
Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...
Jamessonjr Leite Junior
 
Drogas
DrogasDrogas
Como servir de referencial
Como servir de referencialComo servir de referencial
Como servir de referencial
Jamessonjr Leite Junior
 
Atitudes que geram resultados
Atitudes que geram resultadosAtitudes que geram resultados
Atitudes que geram resultados
Jamessonjr Leite Junior
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
Jamessonjr Leite Junior
 
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
Jamessonjr Leite Junior
 

Mais de Jamessonjr Leite Junior (9)

Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...
Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...
Atribuições dos Agentes Comunitários de Saúde: foco no vínculo e na visita do...
 
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsÉtica profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
 
e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...
e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...
e-SUS: um novo momento na organização da atenção básica - e-SUS: a new moment...
 
Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...
Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...
Plano de trabalho e Avaliação uma poderosa ferramenta para a Saúde do Homem n...
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Como servir de referencial
Como servir de referencialComo servir de referencial
Como servir de referencial
 
Atitudes que geram resultados
Atitudes que geram resultadosAtitudes que geram resultados
Atitudes que geram resultados
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
 
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
 

Políticas da atenção básica redes aula 2015

  • 1. REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Um olhar para a qualidade na Atenção Básica Jamesson Ferreira
  • 2. Definição de Qualidade – GESTÃO – USUÁRIO - PRODUTO “Qualidade é o conjunto de características de desempenho de um produto ou serviço que em conformidade com as especificações, atende e por vezes supera as expectativas e anseios do consumidor/cliente” (SILVEIRA,2007)
  • 3. Histórico Constituição Federal de (1988) – art 196. Lei 8080, de 19 de setembro de 1990 Portaria GM/MS Nº 648, de 28 de março de 2006. - 1ª LEGISLAÇÃO PARA REGULAMENTAR, ORGANIZAR, ORIENTAR AS AÇÕES DA ATENÇÃO BÁSICA – 1ª PNAB Pacto Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão – 2006 -
  • 4. São 03 os Pactos pela Saúde . Pacto pela Vida . Pacto em Defesa do SUS . Pacto de Gestão INDICADORES DA PACTUAÇÃO DE DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS 2012
  • 5. Fonte: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_diretrizes_objetivos_2013_2015.pdf  157 – paginas  67 indicadores!  16 Indicadores voltados para APS  Novos indicadores!  Novos formas de cálculos  Indicadores Universais;  Indicadores Específicos;  Preparação para o COAP!!!!!
  • 6. Os indicadores de saúde retratam a Atenção Básica que estamos praticando. Onde estamos falhando? O que e como fazer?
  • 8. Política Nacional de Atenção Básica • PORTARIA 2.488
  • 9. Principais características • Integração com as Redes de Atenção à Saúde: Rede Cegonha, RAU, RAPS, Redes de Doenças Crônicas; • Abertura de novas estratégias para públicos que não tinham acesso aos serviços de saúde. Por exemplo: Consultório de Rua • Aprimora o relacionamento de Programas e Políticas da Atenção Básica
  • 10. Definição de Atenção Básica “A atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção do indivíduo, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos e a manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas e nos determinantes e condicionalidade de saúde das coletividades” Ministério da Saúde – DF - 2012
  • 11. Alguns fundamentos e diretrizes I - Ter território adstrito; II - Possibilitar o acesso universal e continuo aos serviços de saúde resolutivos III – Adscrever os usuários e desenvolver relações de vínculo e responsabilização entre as equipes e a população adscrita; IV – Coordenar a INTEGRALIDADE V – Estimular a participação dos usuários
  • 12. Novidades da PNAB RAS - Redes de Atenção á Saúde “Arranjos organizativos formados por ações e serviços de saúde com diferentes configurações tecnológicas e missões assistenciais, articuladas de forma a complementar e com base territorial”
  • 14. O que é a Rede Cegonha? É a rede de cuidados materno e infantil para garantir à mulher o direito ao planejamento reprodutivo e atenção humanizada à gravidez, parto e puerpério; e a criança o nascimento seguro e crescimento e desenvolvimento saldáveis Objetivos da Rede Cegonha? • Organizar a rede de atenção à saúde materno e infantil, garantindo acesso, acolhimento e resolutividade; • Reduzir a mortalidade materno e infantil com ênfase no componente neonatal Componentes da Rede Cegonha: Pré-natal; Parto; Puerpério
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS - RAU O que é uma RAU ? Rede de Atenção às Urgências (RAU) é uma estrutura para atendimento às urgências de forma articulada, que integra todos os Estabelecimentos de Saúde com suas Portas de Entradas, objetivando ampliar e qualificar o acesso, humanizado e integral aos usuários em situação de urgência nos Serviços de Saúde de forma ágil e oportuna. O que é uma Porta de Entrada da RAU? Entende-se por porta de entrada, na Rede de Atenção às Urgências e Emergências, todo estabelecimento de Saúde do SUS, que possibilite resolução integral ou parcial da demanda, ou transferindo-a responsavelmente para outro Estabelecimento de maior complexidade, devendo estas Unidades compor uma Rede organizada e hierarquizada d Atenção às Urgências. Quais as Portas de Entrada da RAU? As Unidades Básicas de Saúde, as Salas de Estabilização, as UPA’s e os Hospitais.
  • 19. Quais os componentes da RAU? Promoção, Prevenção e Vigilância à Saúde – São ações de saúde voltadas para a educação permanente, vigilância e prevenção das violências e acidentes das lesões e mortes no transito e das doenças crônicas não transmissíveis; Atenção Básica em Saúde – Ações que promovem e ampliam o acesso, fortalecimento do vínculo e responsabilização e os primeiros cuidados às urgências, em ambiente adequado até a transferência/encaminhamento para outros níveis de atenção (maior complexidade); Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e suas Centrais de Regulação Médica das Urgências – Serviços que garantem o atendimento e/ou transporte adequado para uma unidade de saúde devidamente qualificada Sala de Estabilização(SE): É uma estrutura que funciona como local de assistência temporária e qualificada para estabilização de pacientes críticos/graves para posterior encaminhamento a outros pontos da Rede de Atenção à Saúde.
  • 20. Quais os componentes da RAU? (cont.) Melhor em casa Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) - Serviço substitutivo ou complementar à internação hospitalar ou ambulatorial, contando com Equipes Multiprofissionais de Atenção Domiciliar (EMAD) e Equipes Multiprofissionais de Apoio (EMAP), com implantação em municípios desde que possuam: - população igual ou superior a 100 mil habitantes, ou população igual ou superior a 40 mil habitantes e inferior a 100 mil desde que localizada em região metropolitana. O SAD é responsável pelo gerenciamento e operacionalização das Equipes Multiprofissionais de Atenção Domiciliar (EMAD) e Equipes Multiprofissionais de Apoio (EMAP)
  • 21.
  • 22.
  • 23. REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL O QUE É REDE PSICOSSOCIAL? É a rede de saúde que se destina ao cuidado de pessoas com sofrimento decorrente de transtorno mental e do uso de crack, álcool e outras drogas. PARA QUE SERVE A REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL? Serve para criar, ampliar e articular os pontos de atenção à saúde para pessoas com sofrimento decorrente de transtorno mental e do uso de crack, álcool e outras drogas no (SUS). O QUE SÃO PONTOS DE ATENÇÃO NA REDE PSICOSSOCIAL? São serviços de já existentes ou que podem se criados para garantir atendimento a essa população desde o nível primário de atenção até o nível mais especializado.
  • 24. QUAIS COMPONENTES DA REDE PSICOSSOCIAL
  • 25. QUAIS COMPONENTES DA REDE PSICOSSOCIAL
  • 26.
  • 27.
  • 28. Uma das maiores redes e de maior complexidade de articulação Câncer Hipertensão Diabetes Programa Nacional de Tabagismo Doença Renal Doenças Respiratórias Cuidados Paliativos http://portalsaude.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=113 71&Itemid=697
  • 29.
  • 30.
  • 31. Objetivos da rede: Ampliar o acesso e qualificar atendimento às pessoas com deficiência no SUS, com foco na organização de rede e na atenção integral à saúde, que contemple as áreas de deficiência auditiva, física, visual, intelectual e ostomias. Ampliar a integração e articulação dos serviços de reabilitação com a rede de atenção primária e outros pontos de atenção especializada. Desenvolver ações de prevenção de deficiências na infância e vida adulta.
  • 32. Componentes da rede: 1. CER - Centro Especializado em Reabilitação. 2. Oficinas Ortopédicas: local e itinerante. 3. Centros-Dia. 4. Serviços de Atenção Odontológica para Pessoas com Deficiência. 5. Serviço de Atenção Domiciliar no âmbito do SUS. 6. Atenção Hospitalar. http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp_ras.php?conteudo=rede_deficiencias
  • 33. RELAÇÃO DE CUSTOS NA ATENÇÃO BÁSICA = QUANTIDADE X QUALIDADE
  • 34. GESTANTE, PUÉRPERA E DUPLA MÃE-BEBÊ PRÉ-NATAL REDE CEGONHA PARTO PUERPÉRIO • Proporção de partos normais (2 a cada 10 partos) • Proporção de nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal • Nº de óbitos maternos em determinado período e local de residência (10 a 20 óbitos a cada 100.000) • Taxa de mortalidade infantil (menos 10 a cada 1.000 nascidos vivos) • Incidência de sífilis congênita • Proporção de gestantes cadastradas pela Equipe de Atenção Básica (PMAQ) • Média de atendimentos de pré-natal por gestante cadastrada (PMAQ) • Proporção de gestantes que iniciaram o pré-natal do 1º trimestre (PMAQ) • Proporção de gestantes com vacina em dia (PMAQ) • Cobertura de 1ª consulta de atendimento odontológico à gestante (PMAQ) • Proporção de gestante com o pré-natal em dia (PMAQ)
  • 35. C R I A N Ç A VACINAÇÃO ALEITAMENTO MATERNO ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL REDE AMAMENTA ALIMENTA BRASIL IHAC VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIOLÊNCIA LINHAS DE CUIDADO PARA CRIANÇAS EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA • % de desnutrição em crianças menores de 5 anos de idade (preconizado: 5%) • Cobertura de crianças menores de 5 anos de idade no SISVAN • Proporção de crianças menores de 1 ano com vacina em dia (PMAQ) • Cobertura vacinal (preconizado: 95%) Proporção de crianças menores de 4 meses com aleitamento materno exclusivo (PMAQ)
  • 36. A D O L E S C E N T E SAÚDE MENTAL ALIMENTAÇAO ATIVIDADE FÍSICA RAPS SISVAN HIPERDIA e ACADEMIA DE SAÚDE • Cobertura de Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) • Proporção de atendimentos em Saúde Mental exceto usuários de álcool e drogas (PMAQ)
  • 37. M U L H E R SAÚDE MENTAL CÂNCER DST PROGRAMA NACIONAL DE DST/AIDS REDE DE DOENÇAS CRÔNICASRAPS VIOLÊNCIA • Cobertura de Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) • Proporção de atendimentos em Saúde Mental exceto usuários de álcool e drogas (PMAQ) • Razão de exames citopatológicos do colo do útero em mulheres de 25 a 64 anos e a população feminina na mesmo faixa etária • Razão de exames de mamografia realizados em mulheres de 50 a 69 anos e população da mesma faixa etária • Seguimento/tratamento informado de mulheres com diagnóstico de lesões intraepiteliais de alto grau de colo de útero
  • 38. H O M E M ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS CÂNCER DE PÊNIS E PRÓSTATA HIPERTENSÃO E DIABETES REDE DE DOENÇAS CRÔNICASRAPS VIOLÊNCIA • Cobertura de Centro de Atenção Psicossocial/CAPS • Proporção de atendimento de usuários de álcool (PMAQ) • Proporção de atendimento de usuários de drogas (PMAQ) • Proporção de diabéticos e hipertensos cadastrados (PMAQ) • Média de atendimentos por diabético e por hipertenso (PMAQ) • Proporção de diabéticos e hipertensos acompanhados no domicílio (PMAQ)
  • 39. P E S S O A I D O S A HIPERTENSÃO E DIABETES CÂNCER DEMÊNCIA REDE DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTONOMIA (AVD e AIVD) PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE DO IDOSO Taxa de internação hospitalar em pessoas idosas por fratura de fêmur • Proporção de diabéticos e hipertensos cadastrados (PMAQ) • Média de atendimentos por diabético e por hipertenso (PMAQ) • Proporção de diabéticos e hipertensos acompanhados no domicílio (PMAQ)
  • 40.
  • 41.