SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Carta de Foral
O foral era um documento escrito onde ficavam registados os direitos e os deveres
dos moradores do concelho para com o senhor (dono) da terra. Os primeiros forais
foram atribuídos com o intuito de povoar, defender e cultivar as terras doadas.

1114 – D. Hugo toma posse da diocese do Porto;
1120 – D. Teresa faz a doação de um vasto território -- o Couto de Portucale -- a D.
Hugo;
1123 – o bispo D. Hugo concede a carta de foral aos moradores da cidade.

O morro da Pena Ventosa (literalmente monte dos vendavais) é uma saliência granítica
coroada por uma plataforma de cotas máximas na ordem dos 78 m, rodeada de vertentes de
acentuado declive que descem para o rio Douro e para o pequeno rio da Vila. Estas
características da topografia e da hidrografia constituíam boas condições defensivas e foram
decisivas para que o alto da Pena Ventosa tivesse sido o sítio original da urbe portuense,
primeiramente chamada Cale e, depois, Pontos Cale e Portucale.

Durante as décadas de 1980 e de 1990, as investigações arqueológicas realizadas nas traseiras
da Sé, nomeadamente na Casa da Rua de D. Hugo n.° 5, permitiram identificar um perfil
estratigráfico que ilustra a evolução do núcleo primitivo da cidade. Destes estudos concluiu-se
ter havido uma ocupação quase contínua do local desde os finais da Idade do Bronze.

Estes vestígios arqueológicos documentam:

Do século VIII a.C. até 500 a.C. – a existência de contactos com o Mediterrâneo de populações
que viviam no alto do morro da Pena Ventosa;
Entre 500 e 200 a.C. – a presença de um povoado castrejo de casas de planta redonda e a
continuação dos contactos com povos mediterrânicos;
Do século II a.C. a meados do século I d.C. – uma fase de romanização durante a qual o
povoado adquire crescente importância, que se revela na função organizativa em relação aos
territórios circundantes. Foram provavelmente os romanos que aqui criaram uma primeira
estrutura urbana, reorganizando o traçado das ruas, implantando casas de planta rectangular
e criando instalações portuárias nas imediações do local onde mais tarde se ergueu a chamada
Casa do Infante.

A arqueologia permitiu também encontrar indícios da ocupação da Pena Ventosa nos séculos I
e II d.C. e vestígios de uma muralha construída no século III. Pensa-se que o seu traçado fosse
idêntico ao da Cerca Velha ou Românica reconstruída no século XII.

Segundo o Itinerário de Antonino, a estrada romana de Olissipo a Bracara Augusta (Via XVI)
oferecia nesse passo do Douro uma estação. Não há unanimidade quanto à sua localização, na
margem esquerda ou na direita. O mais provável seria a estação estar repartida nas duas
margens.



Carolina Alves Rodrigues e Margarida Freitas                                     Nº8 Nº20 5ºC
Os cavalos das mudas ficariam nos dois altos e os próprios mensageiros teriam de um lado e
outro o seu albergue. No Século IV assiste-se a uma fase de expansão da cidade em direcção ao
vizinho Morro da Cividade e à zona ribeirinha, tendo sido encontrados mosaicos romanos do
século IV na Casa do Infante.

No final da época imperial o topónimo Portucale abrangia já ambas as margens e, mais tarde,
passou a designar toda a região circundante.

No Século V assistimos à invasão dos suevos e, em 585 e seguintes, durante o reino visigótico,
verifica-se a emissão de moeda em Portucale e a presença de um bispo portucalense no III
Concílio de Trento, em 589. A relativa importância do lugar nessa época é comprovada por
diversas e significativas moedas dos reis visigodos Leovegildo (572-586), Ricaredo I (586-601),
Siúva II (601-603) e Sisebuto (612-620), cunhadas com a legenda toponímica de Portucale ou
Portocale.

Em 716, deu-se a invasão muçulmana e a destruição da cidade por Abd al-Aziz ibn Musa. Julga-
se, no entanto, que a dominação muçulmana de Portucale (em árabe: Burtuqal — ‫)ب رت قال‬
terá sido relativamente breve, pois parece ter sido atacada, logo por volta de 750, por Afonso I
das Astúrias. Durante um século, a região teria jazido ao abandono e quase desabitada. Até à
presúria de Portucale pelo conde Vímara Peres em 868, quando se dá início a uma fase de
repovoamento e de renovação urbana. A partir daí, Portucale assume grande protagonismo
político e militar, com a criação do respectivo condado. Nesta época, o nome Portucale já tem
um sentido acentuadamente lato.

No trânsito do Ano Mil, a terra portucalense viu-se atravessada de lés a lés pela invasão de
Almançor (em árabe: Al-Manṣ ūr — ‫— ال م ن صور‬
     ammad ibn 'Abd-Allah ibn Abū ʿĀmir ‫ .)ع بد ب ن محمد عامر أب و‬Transpondo o rio Douro
                                          —
por uma ponte de barcas expressamente construída, concentrou as suas forças em Portucale,
onde se lhes juntaram mais tropas vindas por mar. Daí seguiu para Santiago de Compostela,
que reduziu a escombros.

O renascido burgo vive então uma existência difícil entre incursões de normandos e de
sarracenos. Estas últimas só deixam de se fazer com a fixação do condado de Coimbra. As dos
vikings ainda se mantêm nos princípios do século XI. Um dos assaltos dos nórdicos deu-se em
1014, nos arredores do Porto, no próprio coração das Terras da Maia, em Vermoim. Ao sul do
Douro estendia-se então uma importante comarca guerreira portucalense, a chamada Terra de
Santa Maria. O castelo da Feira, já existente, era o principal núcleo de defesa dessa, então,
região estremenha.

Em 1096 dá-se a concessão do governo de Portucale ao conde D. Henrique de Borgonha e a
capital desloca-se para o interior. Braga readquire, pela sua posição e pela sua tradicional
primazia eclesiástica, um certo ascendente político sobre o burgo portucalense. Nela se sepulta
o conde, pai do primeiro rei português, trazido, em cortejo fúnebre, da cidade de Astorga onde
falecera.


Carolina Alves Rodrigues e Margarida Freitas                                     Nº8 Nº20 5ºC
Este foral, de carácter liberal e inovador, vem trazer um enorme impulso ao
povoamento e ao desenvolvimento do burgo.
O Porto do século XII, com uma só paróquia, a Sé, era um burgo episcopal organizado
em função da catedral, que começou a ser construída neste século, no local onde
anteriormente tinha existido uma pequena ermida. Em redor, um conjunto de ruas,
vielas, pequenos largos e becos ocupavam a plataforma superior da Pena Ventosa. As
vertentes próximas foram também desde cedo habitadas e ligadas entre si por ruas,
ruelas ou serventias que, sabiamente adaptadas à topografia, tanto seguíam o traçado
das curvas de nível (por ex. a actual Rua das Aldas) como as cortavam
perpendicularmente (por ex. a actual Rua da Pena Ventosa).

Outro importante elemento que condicionou a estrutura da malha urbana do burgo
medieval foi a Cerca Velha ou Cerca Românica reconstruída no século XII sobre
fundações de muros anteriores. Durante muito tempo conhecida por Muralha Sueva,
está hoje identificada como obra de origem romana. Desta Muralha Primitiva apenas
subsistem hoje um cubelo e um reduzido trecho, reconstruídos em meados do século
XX.




Carolina Alves Rodrigues e Margarida Freitas                          Nº8 Nº20 5ºC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3Vítor Santos
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVCátia Botelho
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinasticacattonia
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquistaCarina Vale
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordensMaria Gomes
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1helder33701
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Maria Gomes
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsAnabela Sobral
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4Vítor Santos
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao culturalVítor Santos
 

Mais procurados (20)

Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
 
D. joao i História
D. joao i HistóriaD. joao i História
D. joao i História
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
 
D. JOÃO V
D. JOÃO VD. JOÃO V
D. JOÃO V
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
 

Destaque

Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)mari_punk
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIIIcruchinho
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85cruchinho
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteJoão Lima
 
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder RealHistN
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorialjorgina8
 
A importância dos forais
A importância dos foraisA importância dos forais
A importância dos foraisLicinio Borges
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorialMaria Gomes
 
Portugal No Século XIII
Portugal No Século XIIIPortugal No Século XIII
Portugal No Século XIIIAna Luísa
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANOCarina Vale
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVHistN
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIINelson Faustino
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Ana Cristina F
 

Destaque (20)

Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e Arte
 
País rural e senhorial
País rural e senhorialPaís rural e senhorial
País rural e senhorial
 
Idade Ma
Idade MaIdade Ma
Idade Ma
 
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorial
 
A importância dos forais
A importância dos foraisA importância dos forais
A importância dos forais
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
Portugal No Século XIII
Portugal No Século XIIIPortugal No Século XIII
Portugal No Século XIII
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Os Romanos Em Portugal
Os Romanos Em PortugalOs Romanos Em Portugal
Os Romanos Em Portugal
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12
 

Semelhante a Carta de foral

Romanização em Portugal
Romanização em Portugal   Romanização em Portugal
Romanização em Portugal Filipa Silva
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalDiogo Mota
 
Portugal pp
Portugal ppPortugal pp
Portugal ppcdigital
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbregaRibeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbregaESCM
 
Sagres um lugar na história e no património universal
Sagres um lugar na história e no património universalSagres um lugar na história e no património universal
Sagres um lugar na história e no património universalJosé Mesquita
 
Bairro Alto
Bairro AltoBairro Alto
Bairro Altoguida04
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagresarqueomike
 
Portugal porto - mirgaia (som)
Portugal   porto - mirgaia (som)Portugal   porto - mirgaia (som)
Portugal porto - mirgaia (som)Ana Maria
 
D. Manuel I - dia do Agrupamento
D. Manuel I - dia do AgrupamentoD. Manuel I - dia do Agrupamento
D. Manuel I - dia do AgrupamentoDeolinda Lemos
 
Ribeira e suas origens
Ribeira e suas origensRibeira e suas origens
Ribeira e suas origensPaula Andrade
 
Ribeira e suas Origens
Ribeira e suas OrigensRibeira e suas Origens
Ribeira e suas OrigensBiaEsteves
 
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)João Couto
 
A Ribeira e suas origens
A Ribeira e suas origensA Ribeira e suas origens
A Ribeira e suas origensUmberto Pacheco
 
Locais historicos do_patrimonio_cultural
Locais historicos  do_patrimonio_culturalLocais historicos  do_patrimonio_cultural
Locais historicos do_patrimonio_culturalAvatar Cuamba
 

Semelhante a Carta de foral (20)

Romanização em Portugal
Romanização em Portugal   Romanização em Portugal
Romanização em Portugal
 
Arquitetura neoclássica no rj ok
Arquitetura neoclássica no rj okArquitetura neoclássica no rj ok
Arquitetura neoclássica no rj ok
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em Portugal
 
Portugal pp
Portugal ppPortugal pp
Portugal pp
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbregaRibeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega
 
Sagres um lugar na história e no património universal
Sagres um lugar na história e no património universalSagres um lugar na história e no património universal
Sagres um lugar na história e no património universal
 
Memórias da cidade
Memórias da cidadeMemórias da cidade
Memórias da cidade
 
Bairro Alto
Bairro AltoBairro Alto
Bairro Alto
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
 
Valença Fortaleza Mágica
Valença Fortaleza MágicaValença Fortaleza Mágica
Valença Fortaleza Mágica
 
Castelo de s.jorge
Castelo de s.jorgeCastelo de s.jorge
Castelo de s.jorge
 
Portugal porto - mirgaia (som)
Portugal   porto - mirgaia (som)Portugal   porto - mirgaia (som)
Portugal porto - mirgaia (som)
 
D. Manuel I - dia do Agrupamento
D. Manuel I - dia do AgrupamentoD. Manuel I - dia do Agrupamento
D. Manuel I - dia do Agrupamento
 
Ribeira e suas origens
Ribeira e suas origensRibeira e suas origens
Ribeira e suas origens
 
Ribeira e suas Origens
Ribeira e suas OrigensRibeira e suas Origens
Ribeira e suas Origens
 
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)
Ribeira e variações de arménio melo e josé maria da nóbrega (nx power lite)
 
A Ribeira e suas origens
A Ribeira e suas origensA Ribeira e suas origens
A Ribeira e suas origens
 
Locais historicos do_patrimonio_cultural
Locais historicos  do_patrimonio_culturalLocais historicos  do_patrimonio_cultural
Locais historicos do_patrimonio_cultural
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 

Carta de foral

  • 1. Carta de Foral O foral era um documento escrito onde ficavam registados os direitos e os deveres dos moradores do concelho para com o senhor (dono) da terra. Os primeiros forais foram atribuídos com o intuito de povoar, defender e cultivar as terras doadas. 1114 – D. Hugo toma posse da diocese do Porto; 1120 – D. Teresa faz a doação de um vasto território -- o Couto de Portucale -- a D. Hugo; 1123 – o bispo D. Hugo concede a carta de foral aos moradores da cidade. O morro da Pena Ventosa (literalmente monte dos vendavais) é uma saliência granítica coroada por uma plataforma de cotas máximas na ordem dos 78 m, rodeada de vertentes de acentuado declive que descem para o rio Douro e para o pequeno rio da Vila. Estas características da topografia e da hidrografia constituíam boas condições defensivas e foram decisivas para que o alto da Pena Ventosa tivesse sido o sítio original da urbe portuense, primeiramente chamada Cale e, depois, Pontos Cale e Portucale. Durante as décadas de 1980 e de 1990, as investigações arqueológicas realizadas nas traseiras da Sé, nomeadamente na Casa da Rua de D. Hugo n.° 5, permitiram identificar um perfil estratigráfico que ilustra a evolução do núcleo primitivo da cidade. Destes estudos concluiu-se ter havido uma ocupação quase contínua do local desde os finais da Idade do Bronze. Estes vestígios arqueológicos documentam: Do século VIII a.C. até 500 a.C. – a existência de contactos com o Mediterrâneo de populações que viviam no alto do morro da Pena Ventosa; Entre 500 e 200 a.C. – a presença de um povoado castrejo de casas de planta redonda e a continuação dos contactos com povos mediterrânicos; Do século II a.C. a meados do século I d.C. – uma fase de romanização durante a qual o povoado adquire crescente importância, que se revela na função organizativa em relação aos territórios circundantes. Foram provavelmente os romanos que aqui criaram uma primeira estrutura urbana, reorganizando o traçado das ruas, implantando casas de planta rectangular e criando instalações portuárias nas imediações do local onde mais tarde se ergueu a chamada Casa do Infante. A arqueologia permitiu também encontrar indícios da ocupação da Pena Ventosa nos séculos I e II d.C. e vestígios de uma muralha construída no século III. Pensa-se que o seu traçado fosse idêntico ao da Cerca Velha ou Românica reconstruída no século XII. Segundo o Itinerário de Antonino, a estrada romana de Olissipo a Bracara Augusta (Via XVI) oferecia nesse passo do Douro uma estação. Não há unanimidade quanto à sua localização, na margem esquerda ou na direita. O mais provável seria a estação estar repartida nas duas margens. Carolina Alves Rodrigues e Margarida Freitas Nº8 Nº20 5ºC
  • 2. Os cavalos das mudas ficariam nos dois altos e os próprios mensageiros teriam de um lado e outro o seu albergue. No Século IV assiste-se a uma fase de expansão da cidade em direcção ao vizinho Morro da Cividade e à zona ribeirinha, tendo sido encontrados mosaicos romanos do século IV na Casa do Infante. No final da época imperial o topónimo Portucale abrangia já ambas as margens e, mais tarde, passou a designar toda a região circundante. No Século V assistimos à invasão dos suevos e, em 585 e seguintes, durante o reino visigótico, verifica-se a emissão de moeda em Portucale e a presença de um bispo portucalense no III Concílio de Trento, em 589. A relativa importância do lugar nessa época é comprovada por diversas e significativas moedas dos reis visigodos Leovegildo (572-586), Ricaredo I (586-601), Siúva II (601-603) e Sisebuto (612-620), cunhadas com a legenda toponímica de Portucale ou Portocale. Em 716, deu-se a invasão muçulmana e a destruição da cidade por Abd al-Aziz ibn Musa. Julga- se, no entanto, que a dominação muçulmana de Portucale (em árabe: Burtuqal — ‫)ب رت قال‬ terá sido relativamente breve, pois parece ter sido atacada, logo por volta de 750, por Afonso I das Astúrias. Durante um século, a região teria jazido ao abandono e quase desabitada. Até à presúria de Portucale pelo conde Vímara Peres em 868, quando se dá início a uma fase de repovoamento e de renovação urbana. A partir daí, Portucale assume grande protagonismo político e militar, com a criação do respectivo condado. Nesta época, o nome Portucale já tem um sentido acentuadamente lato. No trânsito do Ano Mil, a terra portucalense viu-se atravessada de lés a lés pela invasão de Almançor (em árabe: Al-Manṣ ūr — ‫— ال م ن صور‬ ammad ibn 'Abd-Allah ibn Abū ʿĀmir ‫ .)ع بد ب ن محمد عامر أب و‬Transpondo o rio Douro — por uma ponte de barcas expressamente construída, concentrou as suas forças em Portucale, onde se lhes juntaram mais tropas vindas por mar. Daí seguiu para Santiago de Compostela, que reduziu a escombros. O renascido burgo vive então uma existência difícil entre incursões de normandos e de sarracenos. Estas últimas só deixam de se fazer com a fixação do condado de Coimbra. As dos vikings ainda se mantêm nos princípios do século XI. Um dos assaltos dos nórdicos deu-se em 1014, nos arredores do Porto, no próprio coração das Terras da Maia, em Vermoim. Ao sul do Douro estendia-se então uma importante comarca guerreira portucalense, a chamada Terra de Santa Maria. O castelo da Feira, já existente, era o principal núcleo de defesa dessa, então, região estremenha. Em 1096 dá-se a concessão do governo de Portucale ao conde D. Henrique de Borgonha e a capital desloca-se para o interior. Braga readquire, pela sua posição e pela sua tradicional primazia eclesiástica, um certo ascendente político sobre o burgo portucalense. Nela se sepulta o conde, pai do primeiro rei português, trazido, em cortejo fúnebre, da cidade de Astorga onde falecera. Carolina Alves Rodrigues e Margarida Freitas Nº8 Nº20 5ºC
  • 3. Este foral, de carácter liberal e inovador, vem trazer um enorme impulso ao povoamento e ao desenvolvimento do burgo. O Porto do século XII, com uma só paróquia, a Sé, era um burgo episcopal organizado em função da catedral, que começou a ser construída neste século, no local onde anteriormente tinha existido uma pequena ermida. Em redor, um conjunto de ruas, vielas, pequenos largos e becos ocupavam a plataforma superior da Pena Ventosa. As vertentes próximas foram também desde cedo habitadas e ligadas entre si por ruas, ruelas ou serventias que, sabiamente adaptadas à topografia, tanto seguíam o traçado das curvas de nível (por ex. a actual Rua das Aldas) como as cortavam perpendicularmente (por ex. a actual Rua da Pena Ventosa). Outro importante elemento que condicionou a estrutura da malha urbana do burgo medieval foi a Cerca Velha ou Cerca Românica reconstruída no século XII sobre fundações de muros anteriores. Durante muito tempo conhecida por Muralha Sueva, está hoje identificada como obra de origem romana. Desta Muralha Primitiva apenas subsistem hoje um cubelo e um reduzido trecho, reconstruídos em meados do século XX. Carolina Alves Rodrigues e Margarida Freitas Nº8 Nº20 5ºC