SlideShare uma empresa Scribd logo
SIMBOLISMO
Surgimento: França, 1880, com Verlaine Mallarmé e
Rimbaud
Características:
1) Reação subjetivista ao descritivismo parnasiano
2) Abandono das fórmulas poéticas rígidas
3) A poesia deve ser um processo de sugestões (sugerir =
não dizer, não nomear)
4) Sugestão através de símbolos, de metáforas originais, de
uma linguagem cifrada
5) Sugestão através da musicalidade da linguagem (uso de
aliterações)
6) Culto do mistério, do espiritualismo e do misticismo
7) Descoberta das camadas profundas da vida psíquica
8) Domínio do vago, do obscuro, do nebuloso, do inefável
Movimento surgido em províncias
intelectualmente sem importância, na época:
Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas
Gerais – pequena ressonância na época e forte
influência (dos simbolistas europeus) nos anos
de 1910, 20 e 30 sobre as obras de Manuel
Bandeira, Cecília Meireles, Mário Quintana e
Vinícius de Moraes
SIMBOLISMO NO BRASIL
SIMBOLISMO EM PORTUGAL E NO
BRASIL
I – CARACTERÍSTICAS
O Simbolismo, assim como o Realismo-
Naturalismo e oParnasianismo, é um
movimento literário do final do século
XIX .
Para começarmos nossas reflexões veja a próxima imagem:
Essa imagem é uma conhecida tela de Monet, chamada
Nenúfares – Reflexos verdes. Ela nos apresenta uma
característica marcante do Simbolismo: repare que não há
uma definição da imagem. O que vemos são apenas
contornos. Monet apenas sugere o que pode ser a
realidade.
No Simbolismo, ao contrário do Realismo, não há uma
preocupação com a representação fiel da realidade, a arte
preocupa-se com a sugestão. O Simbolismo é justamente isso,
sugestão e intuição. É também a reação ao
Realismo/Naturalismo/Parnasianismo, é o resgate da
subjetividade, dos valores espirituais e afetivos.
Percebe-se no Simbolismo uma aproximação com os
ideais românticos, entretanto, com uma profundidade maior,
os simbolistas preocupavam-se em retratar em seus textos o
inconsciente, o irracional, com sensações e atitudes que a
lógica não conseguia explicar. O leitor não deveria tentar
entender os textos, mas se deixar levar pelas sensações.
• Espiritualismo e Misticismo
• Sugestão
• Imprecisão
• Sinestesias
• Musicalidade
• Maiúsculas alegorizantes
Em Portugal, esse movimento literário tem início, em 1890, com a
publicação do poema Oaristos, de Eugênio de Castro. (Oaristo é um
termo grego que significa “diálogo íntimo” ou “diálogo amoroso”). Entre
as principais características simbolistas estão:
• Espiritualismo e Misticismo - Para os simbolistas a
arte era uma forma de religião. Os textos simbolistas
apresentam muitas vezes uma visão cristã. Era
comum a distinção entre corpo e alma e o desejo de
purificação, de sublimação: anulação da matéria para
a libertação da alma. Era também comum a utilização
de vocábulos ligados ao místico e ao religioso, como
missal, breviário, hinos, salmos, entre outros.
• Sugestão - Para a arte simbolista mais importante que
nomear as coisas era sugeri-las. Segundo os
simbolistas os leitores é que deveriam adivinhar o
enigma de cada poema.
• Imprecisão - Atrelada à característica anterior, a
realidade deveria ser expressa de maneira vaga e
imprecisa. O Simbolismo buscava a essência do ser
humano, os estados da alma, o inconsciente.
• Sinestesias - Na poesia simbolista era comum a
presença de sinestesias. A sinestesia é uma figura de
linguagem que consiste na fusão de várias sensações,
sem que necessariamente haja lógica:
“Nasce a manhã, a luz tem cheiro...
Ei-la que assoma Pelo ar sutil ...
Tem cheiro a luz , a manhã nasce ...
Oh sonora audição colorida do aroma!”
Alphonsus de Guimaraens
• Musicalidade - A poesia deveria se aproximar da música.
Para conseguirem essa aproximação os simbolistas
usaram em grande escala as figuras de linguagem
associadas à sonoridade, como as rimas, o eco, a
aliteração, entre outras. Daí a expressão simbolista:
“A música antes de qualquer coisa”.
• Veja um exemplo de aliteração. Lembre-se de que a
aliteração é a repetição de sons consonantais:
“E as cantinelas de serenos sons amenos fogem fluidas
fluindo à fina flor dos fenos”.
Eugênio de Castro
• Maiúsculas alegorizantes - Correspondem à
utilização de letras maiúsculas no meio do texto
sem que haja alguma razão gramatical para o seu
uso. Elas são usadas para enfatizar as palavras:
“Indefiníveis músicas supremas, Harmonias da Cor e
do Perfume ... Horas do Ocaso, trêmulas, extremas,
Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume ...”
Cruz e Souza
Procure identificar as
características simbolistas no
próximo texto:
Arte Poética
Paul Verlaine (tradução de Augusto de Campos)
Antes de tudo, a Música. Preza
Portanto, o Ímpar. Só cabe usar
O que é mais vago e solúvel no ar,
Sem nada em si que pousa ou que pesa.
Pesar palavras será preciso,
Mas com algum desdém pela pinça:
Nada melhor do que a canção cinza
Onde o Indeciso se une ao Preciso.
(...)
Pois a Nuance é que leva a palma,
Nada de Cor; somente a nuance!
Nuance, só, que nos afiance
O sonho ao sonho e a flauta na alma!
(...)
Que teu verso seja a aventura
Esparsa ao árdego ar da manhã
Que enchem de aroma o timo e a hortelã...
E todo o resto é literatura.
Arte Poética
Paul Verlaine (tradução de Augusto de Campos)
Antes de tudo, a Música. Preza
Portanto, o Ímpar. Só cabe usar
O que é mais vago e solúvel no ar,
Sem nada em si que pousa ou que pesa.
Pesar palavras será preciso,
Mas com algum desdém pela pinça:
Nada melhor do que a canção cinza
Onde o Indeciso se une ao Preciso.
(...)
Pois a Nuance é que leva a palma,
Nada de Cor; somente a nuance!
Nuance, só, que nos afiance
O sonho ao sonho e a flauta na alma!
(...)
Que teu verso seja a aventura
Esparsa ao árdego ar da manhã
Que enchem de aroma o timo e a hortelã...
E todo o resto é literatura.
• Nesse poema encontramos
várias características
simbolistas, entre elas a
musicalidade, a presença do
sonho e a imprecisão na
forma de expressar a
realidade.
II- SIMBOLISMO EM PORTUGAL – AUTORES
Veja os três maiores representantes do
Simbolismo português:
• Eugênio de Castro
• Antônio Nobre
• Camilo Pessanha
A importância de Eugênio de Castro
para o Simbolismo português deve-se
mais ao fato de ter sido ele o autor do
marco inicial do movimento.
Antônio Nobre publicou um único
livro, com um nome bem sugestivo Só. Só
é um livro marcado pelo saudosismo e
sentimentalismo, além de apresentar
uma rica musicalidade.
Mas Camilo Pessanha é o grande
representante do Simbolismo português.
•Camilo Pessanha morou muito tempo em
Macau, colônia portuguesa na China. Contam os
historiadores que ele era viciado em ópio e que
retornou a Portugal para tratar da saúde
debilitada. Ele foi um dos poetas que mais
influenciou o Modernismo português.
•Seus textos apresentavam uma linguagem
moderna e precisa, com temas ligados à
fugacidade da vida. Eram comuns imagens de
naufrágios, rios e água. A frequente recorrência
à brevidade da vida, deixou em seus textos um
forte pessimismo.
Veja um fragmento de um de seus textos:
Passou o Outono já, já torna o frio ...
Outono de seu riso magoado.
Álgido Inverno! Oblíquo o sol, gelado ...
O sol, e as águas límpidas do rio.
Águas claras do rio! Águas do rio,
Fugindo sob o meu olhar cansado,
Para onde me levais meu vão cuidado?
Aonde vais, meu coração vazio? (...)”
SIMBOLISMO NO BRASIL AUTORES
No Brasil, o Simbolismo tem início em 1893, com a publicação de Missal
(textos em prosa) e Broqueis (poesias), de Cruz e Souza. Didaticamente,
permaneceu no cenário literário até 1902 quando ocorre a publicação do
livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, considerado o texto introdutor do
Pré-Modernismo. Missal é o nome de um livro que contém orações
utilizadas nas missas e broqueis vem de broquel, tipo de um escudo
espartano, numa clara aproximação com o parnasianismo e seu gosto
por objetos antigos. O Simbolismo no Brasil não teve muita aceitação por
parte do público leitor. A maior parte dos leitores preferia os textos
parnasianos. Os parnasianos tinham a imprensa como aliada, pois seus
poemas vendiam muito mais. É por isso que se costuma dizer que o
Brasil não teve um momento tipicamente simbolista, ele ficou meio à
margem da literatura oficial da época.
Veja os maiores representantes do
Simbolismo brasileiro:
• Cruz e Sousa é
considerado não só o
maior poeta do
Simbolismo brasileiro,
mas também um dos
maiores representantes
do Simbolismo mundial.
•Cruz e SousaCruz e Sousa era chamado de “O cisne negro” ou “Dante negro”“O cisne negro” ou “Dante negro”..
Por ser negro foi vítima de muitos preconceitos.
•Partindo de seus sofrimentos enquanto homem negro, alcançou a
dor e o sofrimento do ser humano. Suas poesias eram marcadas
por um forte misticismo e religiosidade, na busca de um mundo
mais espiritualizado. Outra característica interessante de sua obra
é a recorrência direta e indireta à cor branca, vista na maioria das
vezes como símbolo da pureza. Cruz e Sousa escrevia muito sobre
“véus brancos”, “neve”, “luar”, “virginais brancores”, entre outras
sugestões.
Obras: Missal - Broqueis - Faróis -
Evocações - Últimos sonetos
Temas básicos:
• A obsessão pela cor branca
• O erotismo sublimado
• O sofrimento da condição negra
• O sofrimento da condição humana
• Espiritualização e religiosidade
• Linguagem metafórica e musical
Simbolismo teoria
Veja um fragmento de um de seus textos mais
conhecidos: Violões que choram (jan. 1897)
Ah! plangentes violões dormentes,
mornos,
Soluços ao luar, choros ao vento...
Tristes perfis, os mais vagos
contornos,
Bocas murmurejantes de lamento.
Noites de além, remotas, que eu
recordo,
Noites da solidão, noites remotas
Que nos azuis da Fantasia bordo,
Vou constelando de visões ignotas.
Sutis palpitações a luz da lua,
Anseio dos momentos mais saudosos,
Quando lá choram na deserta rua
As cordas vivas dos violões chorosos.
Quando os sons dos violões vão
soluçando,
Quando os sons dos violões nas
cordas gemem,
E vão dilacerando e deliciando,
Rasgando as almas que nas sombras
tremem.
[...]
Vozes veladas, veludosas vozes,
Volúpias dos violões, vozes veladas,
Vagam nos velhos vórtices velozes
Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.
[...]
Que encantos acres nos vadios rotos
Quando em toscos violões, por lentas
horas,
Vibram, com a graça virgem dos
garotos,
Um concerto de lágrimas sonoras!
Como me embala toda essa pungência,
Essas lacerações como me embalam,
Como abrem asas brancas de clemência
As harmonias dos Violões que falam!
[...]
Ébrios antigos, vagabundos velhos,
Torvos despojos da miséria humana,
Têm nos violões secretos Evangelhos,
Toda a Bíblia fatal da dor insana.
[...]
Tudo isso, num grotesco desconforme,
Em ais de dor, em contorções de açoites,
Revive nos violões, acorda e dorme
Através do luar das meias noites!
Fonte: www.dominiopublico.gov.br
• O violão representa uma voz que chora todo o
preconceito sofrido pelo poeta em vida. Violões
que Choram..., criado em janeiro de 1897
apresenta a inquietude e dilacerante
musicalidade dos versos que conduzem o
imaginário. O que o poeta enfrentou no seu
tempo, revive-se ainda hoje em cenas cotidianas
de dor, lamento e sofrimento; portanto, o violão
é o porta voz dos sonhos fatigados, da melancolia
, da miséria humana, que choram os preconceitos
perenizados até os dias de hoje.
Alphonsuns de Guimaraens
É o outro representante do
Simbolismo brasileiro. Seus textos
apresentavam uma temática
variada: a fuga da realidade, a
natureza, a religiosidade, o amor
espiritualizado,a mulher, muitas
vezes comparada à Virgem Maria.
Câmera ardente - Dona Mística –
Septenário das dores de Nossa Senhora
Temas básicos:
• A morte da noiva
• A sublimação da perda da noiva através do
misticismo religioso
• A paisagem fantasmagórica das cidades
mineiras
• Linguagem de rica musicalidade e, por vezes,
litúrgica.
Ismália
(Alphonsus de Guimaraens)
Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.
No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...
E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...
E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar...
As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao ma

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Ana Paula Brisolar
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Walace Cestari
 
O barroco
O barrocoO barroco
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
Walace Cestari
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Ajudar Pessoas
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Gabriel Gonçalves
 
O simbolismo
O simbolismoO simbolismo
O simbolismo
Luciene Gomes
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
Ana Karina Silva
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
Slides de Tudo
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
Ivana Mayrink
 
A Poesia Marginal
A Poesia MarginalA Poesia Marginal
A Poesia Marginal
ma.no.el.ne.ves
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
Universidad Nacional de Misiones
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
Marô de Paula
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
Ceber Alves
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Barroco
BarrocoBarroco
Análise do poema poética, de manuel bandeira
Análise do poema poética, de manuel bandeiraAnálise do poema poética, de manuel bandeira
Análise do poema poética, de manuel bandeira
ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
O simbolismo
O simbolismoO simbolismo
O simbolismo
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
 
A Poesia Marginal
A Poesia MarginalA Poesia Marginal
A Poesia Marginal
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Análise do poema poética, de manuel bandeira
Análise do poema poética, de manuel bandeiraAnálise do poema poética, de manuel bandeira
Análise do poema poética, de manuel bandeira
 

Destaque

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
A ironia na arte - Estética em Publicidade
A ironia na arte - Estética em PublicidadeA ironia na arte - Estética em Publicidade
A ironia na arte - Estética em Publicidade
Julia Travaglini
 
A estética simbolista
A estética simbolistaA estética simbolista
A estética simbolista
CamileBMoura
 
Orientalismo
OrientalismoOrientalismo
Orientalismo
Thiago Assumpção
 
Simbolismo em portugal
Simbolismo em portugalSimbolismo em portugal
Simbolismo em portugal
Beatriz Barbosa
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
moiseis55
 
Orientalismo said
Orientalismo saidOrientalismo said
Orientalismo said
melisene
 
Simbolismo portugal e brasil
Simbolismo   portugal e brasilSimbolismo   portugal e brasil
Simbolismo portugal e brasil
Andrezza Cameski
 
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanhaQuestões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanha
ma.no.el.ne.ves
 
Orientalismo
OrientalismoOrientalismo
O objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doO objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade do
Davi Islabao
 
Marco teorico
Marco teoricoMarco teorico
Marco teorico
nspablo
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
ma.no.el.ne.ves
 
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheimObjeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
José Soares Filho
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Andriane Cursino
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem
 
¿Cómo se construye el marco teórico?
¿Cómo se construye el marco teórico?¿Cómo se construye el marco teórico?
¿Cómo se construye el marco teórico?
Fundación Universitaria Autónoma de las Américas
 
Marco teorico terminado
Marco teorico terminadoMarco teorico terminado
Marco teorico terminado
Paulina Rendon
 
Resumen, marco teórico.
Resumen, marco teórico.Resumen, marco teórico.
Resumen, marco teórico.
Yorman Calvete Gimenez
 
Jean paul sartre filosofía
Jean paul sartre filosofíaJean paul sartre filosofía
Jean paul sartre filosofía
Andy Jimenez
 

Destaque (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
A ironia na arte - Estética em Publicidade
A ironia na arte - Estética em PublicidadeA ironia na arte - Estética em Publicidade
A ironia na arte - Estética em Publicidade
 
A estética simbolista
A estética simbolistaA estética simbolista
A estética simbolista
 
Orientalismo
OrientalismoOrientalismo
Orientalismo
 
Simbolismo em portugal
Simbolismo em portugalSimbolismo em portugal
Simbolismo em portugal
 
Simbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no BrasilSimbolismo em Portugal e no Brasil
Simbolismo em Portugal e no Brasil
 
Orientalismo said
Orientalismo saidOrientalismo said
Orientalismo said
 
Simbolismo portugal e brasil
Simbolismo   portugal e brasilSimbolismo   portugal e brasil
Simbolismo portugal e brasil
 
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanhaQuestões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanha
 
Orientalismo
OrientalismoOrientalismo
Orientalismo
 
O objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doO objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade do
 
Marco teorico
Marco teoricoMarco teorico
Marco teorico
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
 
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheimObjeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
 
¿Cómo se construye el marco teórico?
¿Cómo se construye el marco teórico?¿Cómo se construye el marco teórico?
¿Cómo se construye el marco teórico?
 
Marco teorico terminado
Marco teorico terminadoMarco teorico terminado
Marco teorico terminado
 
Resumen, marco teórico.
Resumen, marco teórico.Resumen, marco teórico.
Resumen, marco teórico.
 
Jean paul sartre filosofía
Jean paul sartre filosofíaJean paul sartre filosofía
Jean paul sartre filosofía
 

Semelhante a Simbolismo teoria

simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
MnicaOliveira567571
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
AlineEliasReisSantos
 
Simbolismo 2
Simbolismo 2Simbolismo 2
Simbolismo 2
patrick sousa
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Alef Santana
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
José Ricardo Lima
 
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
Elaine Blogger
 
O que é simbolismo
O que é simbolismoO que é simbolismo
O que é simbolismo
William Barcellos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Anjo da Luz
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cassiano Assis
 
Simbolismo Site
Simbolismo SiteSimbolismo Site
Simbolismo Site
andreguerra
 
SIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptx
SIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptxSIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptx
SIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptx
ValriaRezende10
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Adriane Ferreira
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
ESVieira do Minho
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
pedro nadin
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
Daniele dos Santos Souza Onodera
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Carolina Loçasso Pereira
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
Ana Maria Marques
 

Semelhante a Simbolismo teoria (20)

simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
 
Simbolismo 2
Simbolismo 2Simbolismo 2
Simbolismo 2
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
 
O que é simbolismo
O que é simbolismoO que é simbolismo
O que é simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo Site
Simbolismo SiteSimbolismo Site
Simbolismo Site
 
SIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptx
SIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptxSIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptx
SIMBOLISMO em Portugal e no Brasil1.pptx
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 

Mais de VIVIAN TROMBINI

PAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANOPAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANO
VIVIAN TROMBINI
 
CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2
VIVIAN TROMBINI
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
VIVIAN TROMBINI
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
VIVIAN TROMBINI
 
VANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIASVANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIAS
VIVIAN TROMBINI
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
VIVIAN TROMBINI
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
VIVIAN TROMBINI
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
VIVIAN TROMBINI
 
Resumo
ResumoResumo
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
VIVIAN TROMBINI
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
VIVIAN TROMBINI
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
VIVIAN TROMBINI
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
VIVIAN TROMBINI
 
Revisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEMRevisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEM
VIVIAN TROMBINI
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 
Memórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubasMemórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubas
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.MAULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 

Mais de VIVIAN TROMBINI (20)

PAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANOPAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANO
 
CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
 
VANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIASVANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIAS
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
 
Revisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEMRevisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEM
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Memórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubasMemórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubas
 
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.MAULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
 

Simbolismo teoria

  • 2. Surgimento: França, 1880, com Verlaine Mallarmé e Rimbaud Características: 1) Reação subjetivista ao descritivismo parnasiano 2) Abandono das fórmulas poéticas rígidas 3) A poesia deve ser um processo de sugestões (sugerir = não dizer, não nomear) 4) Sugestão através de símbolos, de metáforas originais, de uma linguagem cifrada 5) Sugestão através da musicalidade da linguagem (uso de aliterações) 6) Culto do mistério, do espiritualismo e do misticismo 7) Descoberta das camadas profundas da vida psíquica 8) Domínio do vago, do obscuro, do nebuloso, do inefável
  • 3. Movimento surgido em províncias intelectualmente sem importância, na época: Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais – pequena ressonância na época e forte influência (dos simbolistas europeus) nos anos de 1910, 20 e 30 sobre as obras de Manuel Bandeira, Cecília Meireles, Mário Quintana e Vinícius de Moraes SIMBOLISMO NO BRASIL
  • 4. SIMBOLISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I – CARACTERÍSTICAS O Simbolismo, assim como o Realismo- Naturalismo e oParnasianismo, é um movimento literário do final do século XIX .
  • 5. Para começarmos nossas reflexões veja a próxima imagem: Essa imagem é uma conhecida tela de Monet, chamada Nenúfares – Reflexos verdes. Ela nos apresenta uma característica marcante do Simbolismo: repare que não há uma definição da imagem. O que vemos são apenas contornos. Monet apenas sugere o que pode ser a realidade.
  • 6. No Simbolismo, ao contrário do Realismo, não há uma preocupação com a representação fiel da realidade, a arte preocupa-se com a sugestão. O Simbolismo é justamente isso, sugestão e intuição. É também a reação ao Realismo/Naturalismo/Parnasianismo, é o resgate da subjetividade, dos valores espirituais e afetivos. Percebe-se no Simbolismo uma aproximação com os ideais românticos, entretanto, com uma profundidade maior, os simbolistas preocupavam-se em retratar em seus textos o inconsciente, o irracional, com sensações e atitudes que a lógica não conseguia explicar. O leitor não deveria tentar entender os textos, mas se deixar levar pelas sensações.
  • 7. • Espiritualismo e Misticismo • Sugestão • Imprecisão • Sinestesias • Musicalidade • Maiúsculas alegorizantes Em Portugal, esse movimento literário tem início, em 1890, com a publicação do poema Oaristos, de Eugênio de Castro. (Oaristo é um termo grego que significa “diálogo íntimo” ou “diálogo amoroso”). Entre as principais características simbolistas estão:
  • 8. • Espiritualismo e Misticismo - Para os simbolistas a arte era uma forma de religião. Os textos simbolistas apresentam muitas vezes uma visão cristã. Era comum a distinção entre corpo e alma e o desejo de purificação, de sublimação: anulação da matéria para a libertação da alma. Era também comum a utilização de vocábulos ligados ao místico e ao religioso, como missal, breviário, hinos, salmos, entre outros.
  • 9. • Sugestão - Para a arte simbolista mais importante que nomear as coisas era sugeri-las. Segundo os simbolistas os leitores é que deveriam adivinhar o enigma de cada poema. • Imprecisão - Atrelada à característica anterior, a realidade deveria ser expressa de maneira vaga e imprecisa. O Simbolismo buscava a essência do ser humano, os estados da alma, o inconsciente.
  • 10. • Sinestesias - Na poesia simbolista era comum a presença de sinestesias. A sinestesia é uma figura de linguagem que consiste na fusão de várias sensações, sem que necessariamente haja lógica: “Nasce a manhã, a luz tem cheiro... Ei-la que assoma Pelo ar sutil ... Tem cheiro a luz , a manhã nasce ... Oh sonora audição colorida do aroma!” Alphonsus de Guimaraens
  • 11. • Musicalidade - A poesia deveria se aproximar da música. Para conseguirem essa aproximação os simbolistas usaram em grande escala as figuras de linguagem associadas à sonoridade, como as rimas, o eco, a aliteração, entre outras. Daí a expressão simbolista: “A música antes de qualquer coisa”. • Veja um exemplo de aliteração. Lembre-se de que a aliteração é a repetição de sons consonantais: “E as cantinelas de serenos sons amenos fogem fluidas fluindo à fina flor dos fenos”. Eugênio de Castro
  • 12. • Maiúsculas alegorizantes - Correspondem à utilização de letras maiúsculas no meio do texto sem que haja alguma razão gramatical para o seu uso. Elas são usadas para enfatizar as palavras: “Indefiníveis músicas supremas, Harmonias da Cor e do Perfume ... Horas do Ocaso, trêmulas, extremas, Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume ...” Cruz e Souza
  • 13. Procure identificar as características simbolistas no próximo texto:
  • 14. Arte Poética Paul Verlaine (tradução de Augusto de Campos) Antes de tudo, a Música. Preza Portanto, o Ímpar. Só cabe usar O que é mais vago e solúvel no ar, Sem nada em si que pousa ou que pesa. Pesar palavras será preciso, Mas com algum desdém pela pinça: Nada melhor do que a canção cinza Onde o Indeciso se une ao Preciso. (...) Pois a Nuance é que leva a palma, Nada de Cor; somente a nuance! Nuance, só, que nos afiance O sonho ao sonho e a flauta na alma! (...) Que teu verso seja a aventura Esparsa ao árdego ar da manhã Que enchem de aroma o timo e a hortelã... E todo o resto é literatura.
  • 15. Arte Poética Paul Verlaine (tradução de Augusto de Campos) Antes de tudo, a Música. Preza Portanto, o Ímpar. Só cabe usar O que é mais vago e solúvel no ar, Sem nada em si que pousa ou que pesa. Pesar palavras será preciso, Mas com algum desdém pela pinça: Nada melhor do que a canção cinza Onde o Indeciso se une ao Preciso. (...) Pois a Nuance é que leva a palma, Nada de Cor; somente a nuance! Nuance, só, que nos afiance O sonho ao sonho e a flauta na alma! (...) Que teu verso seja a aventura Esparsa ao árdego ar da manhã Que enchem de aroma o timo e a hortelã... E todo o resto é literatura. • Nesse poema encontramos várias características simbolistas, entre elas a musicalidade, a presença do sonho e a imprecisão na forma de expressar a realidade.
  • 16. II- SIMBOLISMO EM PORTUGAL – AUTORES Veja os três maiores representantes do Simbolismo português: • Eugênio de Castro • Antônio Nobre • Camilo Pessanha
  • 17. A importância de Eugênio de Castro para o Simbolismo português deve-se mais ao fato de ter sido ele o autor do marco inicial do movimento. Antônio Nobre publicou um único livro, com um nome bem sugestivo Só. Só é um livro marcado pelo saudosismo e sentimentalismo, além de apresentar uma rica musicalidade. Mas Camilo Pessanha é o grande representante do Simbolismo português.
  • 18. •Camilo Pessanha morou muito tempo em Macau, colônia portuguesa na China. Contam os historiadores que ele era viciado em ópio e que retornou a Portugal para tratar da saúde debilitada. Ele foi um dos poetas que mais influenciou o Modernismo português. •Seus textos apresentavam uma linguagem moderna e precisa, com temas ligados à fugacidade da vida. Eram comuns imagens de naufrágios, rios e água. A frequente recorrência à brevidade da vida, deixou em seus textos um forte pessimismo.
  • 19. Veja um fragmento de um de seus textos: Passou o Outono já, já torna o frio ... Outono de seu riso magoado. Álgido Inverno! Oblíquo o sol, gelado ... O sol, e as águas límpidas do rio. Águas claras do rio! Águas do rio, Fugindo sob o meu olhar cansado, Para onde me levais meu vão cuidado? Aonde vais, meu coração vazio? (...)”
  • 20. SIMBOLISMO NO BRASIL AUTORES No Brasil, o Simbolismo tem início em 1893, com a publicação de Missal (textos em prosa) e Broqueis (poesias), de Cruz e Souza. Didaticamente, permaneceu no cenário literário até 1902 quando ocorre a publicação do livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, considerado o texto introdutor do Pré-Modernismo. Missal é o nome de um livro que contém orações utilizadas nas missas e broqueis vem de broquel, tipo de um escudo espartano, numa clara aproximação com o parnasianismo e seu gosto por objetos antigos. O Simbolismo no Brasil não teve muita aceitação por parte do público leitor. A maior parte dos leitores preferia os textos parnasianos. Os parnasianos tinham a imprensa como aliada, pois seus poemas vendiam muito mais. É por isso que se costuma dizer que o Brasil não teve um momento tipicamente simbolista, ele ficou meio à margem da literatura oficial da época.
  • 21. Veja os maiores representantes do Simbolismo brasileiro: • Cruz e Sousa é considerado não só o maior poeta do Simbolismo brasileiro, mas também um dos maiores representantes do Simbolismo mundial.
  • 22. •Cruz e SousaCruz e Sousa era chamado de “O cisne negro” ou “Dante negro”“O cisne negro” ou “Dante negro”.. Por ser negro foi vítima de muitos preconceitos. •Partindo de seus sofrimentos enquanto homem negro, alcançou a dor e o sofrimento do ser humano. Suas poesias eram marcadas por um forte misticismo e religiosidade, na busca de um mundo mais espiritualizado. Outra característica interessante de sua obra é a recorrência direta e indireta à cor branca, vista na maioria das vezes como símbolo da pureza. Cruz e Sousa escrevia muito sobre “véus brancos”, “neve”, “luar”, “virginais brancores”, entre outras sugestões.
  • 23. Obras: Missal - Broqueis - Faróis - Evocações - Últimos sonetos Temas básicos: • A obsessão pela cor branca • O erotismo sublimado • O sofrimento da condição negra • O sofrimento da condição humana • Espiritualização e religiosidade • Linguagem metafórica e musical
  • 25. Veja um fragmento de um de seus textos mais conhecidos: Violões que choram (jan. 1897) Ah! plangentes violões dormentes, mornos, Soluços ao luar, choros ao vento... Tristes perfis, os mais vagos contornos, Bocas murmurejantes de lamento. Noites de além, remotas, que eu recordo, Noites da solidão, noites remotas Que nos azuis da Fantasia bordo, Vou constelando de visões ignotas. Sutis palpitações a luz da lua, Anseio dos momentos mais saudosos, Quando lá choram na deserta rua As cordas vivas dos violões chorosos. Quando os sons dos violões vão soluçando, Quando os sons dos violões nas cordas gemem, E vão dilacerando e deliciando, Rasgando as almas que nas sombras tremem. [...]
  • 26. Vozes veladas, veludosas vozes, Volúpias dos violões, vozes veladas, Vagam nos velhos vórtices velozes Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas. [...] Que encantos acres nos vadios rotos Quando em toscos violões, por lentas horas, Vibram, com a graça virgem dos garotos, Um concerto de lágrimas sonoras! Como me embala toda essa pungência, Essas lacerações como me embalam, Como abrem asas brancas de clemência As harmonias dos Violões que falam! [...] Ébrios antigos, vagabundos velhos, Torvos despojos da miséria humana, Têm nos violões secretos Evangelhos, Toda a Bíblia fatal da dor insana. [...] Tudo isso, num grotesco desconforme, Em ais de dor, em contorções de açoites, Revive nos violões, acorda e dorme Através do luar das meias noites! Fonte: www.dominiopublico.gov.br
  • 27. • O violão representa uma voz que chora todo o preconceito sofrido pelo poeta em vida. Violões que Choram..., criado em janeiro de 1897 apresenta a inquietude e dilacerante musicalidade dos versos que conduzem o imaginário. O que o poeta enfrentou no seu tempo, revive-se ainda hoje em cenas cotidianas de dor, lamento e sofrimento; portanto, o violão é o porta voz dos sonhos fatigados, da melancolia , da miséria humana, que choram os preconceitos perenizados até os dias de hoje.
  • 28. Alphonsuns de Guimaraens É o outro representante do Simbolismo brasileiro. Seus textos apresentavam uma temática variada: a fuga da realidade, a natureza, a religiosidade, o amor espiritualizado,a mulher, muitas vezes comparada à Virgem Maria.
  • 29. Câmera ardente - Dona Mística – Septenário das dores de Nossa Senhora Temas básicos: • A morte da noiva • A sublimação da perda da noiva através do misticismo religioso • A paisagem fantasmagórica das cidades mineiras • Linguagem de rica musicalidade e, por vezes, litúrgica.
  • 30. Ismália (Alphonsus de Guimaraens) Quando Ismália enlouqueceu, Pôs-se na torre a sonhar... Viu uma lua no céu, Viu outra lua no mar. No sonho em que se perdeu, Banhou-se toda em luar... Queria subir ao céu, Queria descer ao mar... E, no desvario seu, Na torre pôs-se a cantar... Estava perto do céu, Estava longe do mar... E como um anjo pendeu As asas para voar... Queria a lua do céu, Queria a lua do mar... As asas que Deus lhe deu Ruflaram de par em par... Sua alma subiu ao céu, Seu corpo desceu ao ma