SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
PARNASIANISMO
Professora: Marlene Mendes Turmas: 2º Ano 2 e 2º Ano 3
2022
PARNASIANISMO
O Parnasianismo é um movimento literário que surgiu na mesma época
do Realismo e do Naturalismo, no final do século XIX. De influência e
tradição clássica, tem origem na França.
Seu nome surge de Parnase Contemporain, antologias publicadas em
três volumes, em Paris, sendo o primeiro em 1866, intitulada
Parnasse contemporain (Parnaso contemporâneo).
Parnaso é como se chama a montanha consagrada a Apolo e às musas
da poesia na mitologia grega.
O cientificismo e o positivismo no Parnasianismo estão relacionados
à estética da poesia, sendo a linguagem formal e
a rigidez características marcantes desse movimento.
Em 1882, Fanfarras, de Teófilo Dias, é a obra que inaugura o
parnasianismo brasileiro, movimento que se prolonga até a Semana de
Arte Moderna, em 1922.
De postura antirromântica, o Parnasianismo é baseado no culto da
forma, na impassibilidade e impessoalidade, na poesia universalista e
no racionalismo.
Os ideais poéticos clássicos tiveram grande influência
nesse período, marcando o Parnasianismo, o que gerou
a concepção de buscar a “arte pela arte”.
Esse movimento teve seu início na França e foi alvo de
combate dos modernistas do século XX, pois julgavam o
parnasianismo como artificial, sem conteúdo e preso a
uma ideia rígida.
No Brasil, o Parnasianismo se iniciou na metade do
século XIX e teve grande força e influência até
a Semana de Arte Moderna de 1922, com a chegada
do movimento modernista.
• Nasceu com a publicação de uma série
de poesias, precedendo de algumas
décadas o simbolismo.
• O seu nome vem do Monte Parnaso, a
montanha que, na mitologia grega era
consagrada a Apolo e às musas, uma
vez que os seus autores procuravam
recuperar os valores estéticos da
Antiguidade clássica
CARACTERÍSTICAS GERAIS
• Preciosismo: focaliza-se o detalhe; cada objeto
deve singularizar-se, daí as palavras raras e rimas
ricas.
• Objetividade e impessoalidade: O poeta
apresenta o fato, a personagem, as coisas como são
e acontecem na realidade, sem deformá-los pela
sua maneira pessoal de ver, sentir e pensar. Esta
posição combate o exagerado subjetivismo
romântico.
• Arte Pela Arte: A poesia vale por si mesma, não tem
nenhum tipo de compromisso, e se justifica por sua
beleza. Faz referências ao prosaico (prosa), e o texto
mostra interesse a coisas pertinentes a todos.
• Estética/Culto à forma: Como os poemas não
assumem nenhum tipo de compromisso, a estética é
muito valorizada. O poeta parnasiano busca a
perfeição formal a todo custo, e por vezes, se mostra
incapaz para tal.
• Rimas
• QUANTO AO VALOR: Ricas: São evitadas palavras da mesma
classe gramatical.
• QUANTO À POSIÇÃO:Há uma ênfase das rimas do tipo
cruzada ou alternada (ABAB) para estrofes de quatro versos,
porém também muito usada as rimas interpoladas ou
intercalada (ABBA).
• Valorização dos Sonetos: É dada preferência para os
sonetos, composição dividida em duas estrofes de quatro
versos, e duas estrofes de três versos.
• Metrificação Rigorosa: O número de sílabas
poéticas deve ser o mesmo em cada verso,
preferencialmente com dez (decassílabos) ou doze
sílabas(versos alexandrinos), os mais utilizados no
período.
• Descritivismo: Grande parte da poesia parnasiana
é baseada em objetos inertes, sempre optando
pelos que exigem uma descrição bem detalhada
como "A Estátua", "Vaso Chinês" e "Vaso Grego" de
Alberto de Oliveira.
• Temática Greco-Romana - A estética é muito
valorizada no Parnasianismo, mas mesmo assim, o
texto precisa de um conteúdo.
• A temática abordada pelos parnasianos recupera
temas da Antiguidade Clássica, características de sua
história e sua mitologia.
• É bem comum os textos descreverem deuses, heróis,
fatos lendários, personagens marcados na história e
até mesmo objetos.
• Cavalgamento ou encadeamento sintático
(enjambement) - Ocorre quando o verso
termina quanto à métrica (pois chegou na
décima sílaba), mas não terminou quanto
à idéia, quanto ao conteúdo, que se
encerra no verso de baixo. O verso
depende do contexto para ser entendido.
Tática para priorizar a métrica e o conjunto
de rimas.
• Como exemplo, este verso de Olavo Bilac:
Cheguei, chegaste. Vinhas fatigada
e triste. E triste e fatigado eu vinha.
TRÍADE PARNASIANA
• OLAVO BILAC
-Príncipe dos poetas brasileiros
-Autor do Hino à Bandeira
-Poeta cívico
• RAIMUNDO CORREIA
-Visão negativista do mundo
- Poesia com caráter filosófico
- Poeta das pombas
TRÍADE PARNASIANA
• ALBERTO DE OLIVEIRA -Um dos mais
típicos representantes do Parnasianismo
-Excessiva preocupação formal
-Gosto por preciosismo
-Sintaxe rebuscada
-Príncipe dos poetas brasileiros
A um Poeta
Longe do estéril turbilhão da rua,
Beneditino, escreve! No aconchego
Do claustro, na paciência e no sossego,
Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua!
[5] Mas que na forma se disfarce o emprego
Do esforço; e a trama viva se construa
De tal modo, que a imagem fique nua,
Rica mas sóbria, como um templo grego.
Não se mostre na fábrica o suplício
[10] Do mestre. E, natural, o efeito agrade,
Sem lembrar os andaimes do edifício:
Porque a Beleza, gêmea da Verdade,
Arte pura, inimiga do artifício,
É a força e a graça na simplicidade.
Olavo Bilac, in “Poesias”.
PARNASIANISMO:
TRANSPIRAÇÃO E MITOLOGIA GREGA
 A um poeta
Longe do estéril turbilhão da rua,
Beneditino, escreve! No aconchego
Do claustro, na paciência e no sossego,
Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua!
Mas que na forma se disfarce o emprego
Do esforço; e a trama viva se construa
De tal modo, que a imagem fique nua,
Rica mas sóbria, como um templo grego....
RIMAS: ABBA (INTERCALADAS OU INTERPOLADAS) E
RICAS (PALAVRAS DE CLASSES DIFERENTES)
Olavo Bilac
PARNASIANISMO: DESCRIÇÃO
DE CENAS
 PALAVRAS AO MAR
Mar, belo mar selvagem
das nossas praias solitárias! Tigre
A que as brisas da terra o sono embalam,
A que vento do largo eriça o pêlo!
Junto da espuma com que as praias bordas
pelo marulho acalentada, à sombra
das palmeiras que arfando se debruçam
na beirada das ondas - a minha alma
abriu-se para a vida como se abre
a flor da murta para o sol do estilo
Vicente de Carvalho
VERSOS BRANCOS (não há rima)
PARNASIANISMO: MITOLOGIA GREGA
...Musa, a Grécia, como antes
Do último heleno, dá que eu sonhe agora!
Pátria do gênio ousado; de gigantes
Berço de oiro e de luz; Grécia imortal!
Ria-nos, Musa, o mundo hodierno, embora;
Em rapto audaz, nas rêmiges possantes,
Transporta o meu ideal!....
Raimundo Correia
Rimas misturadas: ABACBAC - não tem ordem
PARNASIANISMO: GOSTO PELO SONETO
LÍNGUA PORTUGUESA - por Olavo Bilac
Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura;
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela...
Amo-te assim, desconhecida e obscura,
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela
E o arrolo da saudade e da ternura!
Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,
Em que da voz materna ouvi: "Meu filho!"
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!
 RIMAS INTEPOLADAS OU
INTERCALADAS (ABBA)
 RIMAS RICAS
O AMOR NO PARNASIANISMO
• A poesia amorosa do parnasianismo prezava a
mulher concreta, palpável, aparecendo Vênus, a
deusa do amor na mitologia como protótipo da
figura feminina.
• Outra característica que o Parnasianismo brasileiro
não seguiu à risca foi a visão mais carnal do amor
em relação à espiritual. Olavo Bilac, principalmente,
enfatizou o amor sensual, entretanto, sem vulgarizá-
lo.
RAIMUNDO CORREIA –
PESSIMISMO E ENJAMBEMENT
• AMOR E VIDA
Esconde-me a alma, no íntimo, oprimida,
Este amor infeliz, como se fora
Um crime aos olhos dessa, que ela adora,
Dessa, que crendo-o, crera-se ofendida.
A crua e rija lâmina homicida
Do seu desdém vara-me o peito; embora,
Que o amor que cresce nele, e nele mora,
Só findará quando findar-me a vida!
Ó meu amor! como num mar profundo,
Achaste em mim teu álgido, teu fundo,
Teu derradeiro, teu feral abrigo!
E qual do rei de Tule a taça de ouro,
Ó meu sacro, ó meu único tesouro!
Ó meu amor! tu morrerás comigo!
• RIMAS INTERPOLADAS OU INTERCALADAS (ABBA)
OLAVO BILAC – AMOR SENSUAL
• Ao coração que sofre, separado
Do teu, no exílio em que a chorar me vejo,
Não basta o afeto simples e sagrado
Com que das desventuras me protejo.
Não me basta saber que sou amado,
Nem só desejo o teu amor: desejo
Ter nos braços teu corpo delicado,
Ter na boca a doçura de teu beijo.
E as justas ambições que me consomem
Não me envergonham: pois maior baixeza
Não há que a terra pelo céu trocar;
E mais eleva o coração de um homem
Ser de homem sempre e, na maior pureza,
Ficar na terra e humanamente amar. (AO CORAÇÃO QUE SOFRE)
• RIMAS CRUZADAS OU ALTERNADAS (ABAB)
ALBERTO DE OLIVEIRA
• Alberto de Oliveira revela características românticas; seu lirismo, porém é mais
contido, estando longe dos excessos sentimentais do Romantismo.
• A seguir, um exemplo:
APARIÇÃO NAS ÁGUAS
Vênus, a ideal pagã, que a velha Grécia um dia
Viu esplêndida erguer-se à branca flor da espuma,
Cisne do mar Iônio
Mais alvo do que a bruma!
APARIÇÃO NAS ÁGUAS (CONT.)
Visão, filha, talvez da ardente fantasia
De um cérebro de deus:
Vênus, astro – no mar e lágrimas – nos céus;
Vênus, quando eu te vejo a resvalar tão pura
Do oceano à flor,
Das águas verde-azuis na úmida frescura:
Vem dos prístinos céus,
Vem da Grécia que é morta,
Abre do céu a misteriosa porta
E em ti revive, ó pérola do amor!
RIMAS MISTURADAS: NÃO TEM ORDEM

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL

Semelhante a 2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL (20)

Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo i
Parnasianismo   iParnasianismo   i
Parnasianismo i
 
Olavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudoOlavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudo
 
Olavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudoOlavo bilac roteiro de estudo
Olavo bilac roteiro de estudo
 
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.pptPARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Parnasianismo - Tudo em geral
Parnasianismo - Tudo em geralParnasianismo - Tudo em geral
Parnasianismo - Tudo em geral
 
Revisando o parnasianismo, 03
Revisando o parnasianismo, 03Revisando o parnasianismo, 03
Revisando o parnasianismo, 03
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Revisando o parnasianismo, 01
Revisando o parnasianismo, 01Revisando o parnasianismo, 01
Revisando o parnasianismo, 01
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo
 
Aula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptxAula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 

Mais de Marlene Cunhada

Variação linguística - edição 2021.pptx
Variação linguística  - edição 2021.pptxVariação linguística  - edição 2021.pptx
Variação linguística - edição 2021.pptxMarlene Cunhada
 
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptxMarlene Cunhada
 
Oracoes subordinadas substantivas.pptx
Oracoes  subordinadas  substantivas.pptxOracoes  subordinadas  substantivas.pptx
Oracoes subordinadas substantivas.pptxMarlene Cunhada
 
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptxVARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptxMarlene Cunhada
 
reading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docxreading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docxMarlene Cunhada
 
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .pptMarlene Cunhada
 
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptxMarlene Cunhada
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptMarlene Cunhada
 
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.pptLINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.pptMarlene Cunhada
 
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptxSLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptxMarlene Cunhada
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxMarlene Cunhada
 
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptxSlide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptxMarlene Cunhada
 
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptxBIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptxMarlene Cunhada
 
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptxMarlene Cunhada
 
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdfMarlene Cunhada
 
mothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.docmothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.docMarlene Cunhada
 
family-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.docfamily-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.docMarlene Cunhada
 
colors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docx
colors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docxcolors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docx
colors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docxMarlene Cunhada
 
9º ANO - reading-comprehension.doc
9º ANO - reading-comprehension.doc9º ANO - reading-comprehension.doc
9º ANO - reading-comprehension.docMarlene Cunhada
 

Mais de Marlene Cunhada (20)

Variação linguística - edição 2021.pptx
Variação linguística  - edição 2021.pptxVariação linguística  - edição 2021.pptx
Variação linguística - edição 2021.pptx
 
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
3 2 - termos-integrantes-da-oracao-.pptx
 
Oracoes subordinadas substantivas.pptx
Oracoes  subordinadas  substantivas.pptxOracoes  subordinadas  substantivas.pptx
Oracoes subordinadas substantivas.pptx
 
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptxVARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
 
reading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docxreading Comprehension TOM AND HELEN.docx
reading Comprehension TOM AND HELEN.docx
 
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
 
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx1º ANO -       VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
1º ANO - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA.pptx
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
 
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.pptLINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
LINGUA PORTUGUESA - Analise-Sintatica.ppt
 
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptxSLIDES SOBRE   Figuras de linguagem.pptx
SLIDES SOBRE Figuras de linguagem.pptx
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
 
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptxSlide JOSE - POETA  CARLOS DRUMMOND.pptx
Slide JOSE - POETA CARLOS DRUMMOND.pptx
 
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptxBIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
BIOGRAFIA DA POETISA CECILIA MEIRELES.pptx
 
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
2ª FASE MODERNISTA [Salvo automaticamente].pptx
 
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
1-¦-ano-M-PORTUGUèS-ativ.-08-Conto-de-humor.pdf
 
VERB TO BE.docx
VERB TO BE.docxVERB TO BE.docx
VERB TO BE.docx
 
mothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.docmothers-day-activity_69385.doc
mothers-day-activity_69385.doc
 
family-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.docfamily-fun-activities-games_37955.doc
family-fun-activities-games_37955.doc
 
colors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docx
colors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docxcolors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docx
colors-crossword-crosswords-fun-activities-games_78612.docx
 
9º ANO - reading-comprehension.doc
9º ANO - reading-comprehension.doc9º ANO - reading-comprehension.doc
9º ANO - reading-comprehension.doc
 

Último

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 

Último (20)

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 

2º ANO MATUTINO - PARNASIANISMO NO BRASIL

  • 1. PARNASIANISMO Professora: Marlene Mendes Turmas: 2º Ano 2 e 2º Ano 3 2022
  • 2. PARNASIANISMO O Parnasianismo é um movimento literário que surgiu na mesma época do Realismo e do Naturalismo, no final do século XIX. De influência e tradição clássica, tem origem na França. Seu nome surge de Parnase Contemporain, antologias publicadas em três volumes, em Paris, sendo o primeiro em 1866, intitulada Parnasse contemporain (Parnaso contemporâneo). Parnaso é como se chama a montanha consagrada a Apolo e às musas da poesia na mitologia grega. O cientificismo e o positivismo no Parnasianismo estão relacionados à estética da poesia, sendo a linguagem formal e a rigidez características marcantes desse movimento. Em 1882, Fanfarras, de Teófilo Dias, é a obra que inaugura o parnasianismo brasileiro, movimento que se prolonga até a Semana de Arte Moderna, em 1922. De postura antirromântica, o Parnasianismo é baseado no culto da forma, na impassibilidade e impessoalidade, na poesia universalista e no racionalismo.
  • 3. Os ideais poéticos clássicos tiveram grande influência nesse período, marcando o Parnasianismo, o que gerou a concepção de buscar a “arte pela arte”. Esse movimento teve seu início na França e foi alvo de combate dos modernistas do século XX, pois julgavam o parnasianismo como artificial, sem conteúdo e preso a uma ideia rígida. No Brasil, o Parnasianismo se iniciou na metade do século XIX e teve grande força e influência até a Semana de Arte Moderna de 1922, com a chegada do movimento modernista.
  • 4. • Nasceu com a publicação de uma série de poesias, precedendo de algumas décadas o simbolismo. • O seu nome vem do Monte Parnaso, a montanha que, na mitologia grega era consagrada a Apolo e às musas, uma vez que os seus autores procuravam recuperar os valores estéticos da Antiguidade clássica
  • 5. CARACTERÍSTICAS GERAIS • Preciosismo: focaliza-se o detalhe; cada objeto deve singularizar-se, daí as palavras raras e rimas ricas. • Objetividade e impessoalidade: O poeta apresenta o fato, a personagem, as coisas como são e acontecem na realidade, sem deformá-los pela sua maneira pessoal de ver, sentir e pensar. Esta posição combate o exagerado subjetivismo romântico.
  • 6. • Arte Pela Arte: A poesia vale por si mesma, não tem nenhum tipo de compromisso, e se justifica por sua beleza. Faz referências ao prosaico (prosa), e o texto mostra interesse a coisas pertinentes a todos. • Estética/Culto à forma: Como os poemas não assumem nenhum tipo de compromisso, a estética é muito valorizada. O poeta parnasiano busca a perfeição formal a todo custo, e por vezes, se mostra incapaz para tal.
  • 7. • Rimas • QUANTO AO VALOR: Ricas: São evitadas palavras da mesma classe gramatical. • QUANTO À POSIÇÃO:Há uma ênfase das rimas do tipo cruzada ou alternada (ABAB) para estrofes de quatro versos, porém também muito usada as rimas interpoladas ou intercalada (ABBA). • Valorização dos Sonetos: É dada preferência para os sonetos, composição dividida em duas estrofes de quatro versos, e duas estrofes de três versos.
  • 8. • Metrificação Rigorosa: O número de sílabas poéticas deve ser o mesmo em cada verso, preferencialmente com dez (decassílabos) ou doze sílabas(versos alexandrinos), os mais utilizados no período. • Descritivismo: Grande parte da poesia parnasiana é baseada em objetos inertes, sempre optando pelos que exigem uma descrição bem detalhada como "A Estátua", "Vaso Chinês" e "Vaso Grego" de Alberto de Oliveira.
  • 9. • Temática Greco-Romana - A estética é muito valorizada no Parnasianismo, mas mesmo assim, o texto precisa de um conteúdo. • A temática abordada pelos parnasianos recupera temas da Antiguidade Clássica, características de sua história e sua mitologia. • É bem comum os textos descreverem deuses, heróis, fatos lendários, personagens marcados na história e até mesmo objetos.
  • 10. • Cavalgamento ou encadeamento sintático (enjambement) - Ocorre quando o verso termina quanto à métrica (pois chegou na décima sílaba), mas não terminou quanto à idéia, quanto ao conteúdo, que se encerra no verso de baixo. O verso depende do contexto para ser entendido. Tática para priorizar a métrica e o conjunto de rimas. • Como exemplo, este verso de Olavo Bilac: Cheguei, chegaste. Vinhas fatigada e triste. E triste e fatigado eu vinha.
  • 11. TRÍADE PARNASIANA • OLAVO BILAC -Príncipe dos poetas brasileiros -Autor do Hino à Bandeira -Poeta cívico • RAIMUNDO CORREIA -Visão negativista do mundo - Poesia com caráter filosófico - Poeta das pombas
  • 12. TRÍADE PARNASIANA • ALBERTO DE OLIVEIRA -Um dos mais típicos representantes do Parnasianismo -Excessiva preocupação formal -Gosto por preciosismo -Sintaxe rebuscada -Príncipe dos poetas brasileiros
  • 13. A um Poeta Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino, escreve! No aconchego Do claustro, na paciência e no sossego, Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua! [5] Mas que na forma se disfarce o emprego Do esforço; e a trama viva se construa De tal modo, que a imagem fique nua, Rica mas sóbria, como um templo grego. Não se mostre na fábrica o suplício [10] Do mestre. E, natural, o efeito agrade, Sem lembrar os andaimes do edifício: Porque a Beleza, gêmea da Verdade, Arte pura, inimiga do artifício, É a força e a graça na simplicidade. Olavo Bilac, in “Poesias”.
  • 14. PARNASIANISMO: TRANSPIRAÇÃO E MITOLOGIA GREGA  A um poeta Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino, escreve! No aconchego Do claustro, na paciência e no sossego, Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua! Mas que na forma se disfarce o emprego Do esforço; e a trama viva se construa De tal modo, que a imagem fique nua, Rica mas sóbria, como um templo grego.... RIMAS: ABBA (INTERCALADAS OU INTERPOLADAS) E RICAS (PALAVRAS DE CLASSES DIFERENTES) Olavo Bilac
  • 15. PARNASIANISMO: DESCRIÇÃO DE CENAS  PALAVRAS AO MAR Mar, belo mar selvagem das nossas praias solitárias! Tigre A que as brisas da terra o sono embalam, A que vento do largo eriça o pêlo! Junto da espuma com que as praias bordas pelo marulho acalentada, à sombra das palmeiras que arfando se debruçam na beirada das ondas - a minha alma abriu-se para a vida como se abre a flor da murta para o sol do estilo Vicente de Carvalho VERSOS BRANCOS (não há rima)
  • 16. PARNASIANISMO: MITOLOGIA GREGA ...Musa, a Grécia, como antes Do último heleno, dá que eu sonhe agora! Pátria do gênio ousado; de gigantes Berço de oiro e de luz; Grécia imortal! Ria-nos, Musa, o mundo hodierno, embora; Em rapto audaz, nas rêmiges possantes, Transporta o meu ideal!.... Raimundo Correia Rimas misturadas: ABACBAC - não tem ordem
  • 17. PARNASIANISMO: GOSTO PELO SONETO LÍNGUA PORTUGUESA - por Olavo Bilac Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura; Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela... Amo-te assim, desconhecida e obscura, Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te, ó rude e doloroso idioma, Em que da voz materna ouvi: "Meu filho!" E em que Camões chorou, no exílio amargo, O gênio sem ventura e o amor sem brilho!  RIMAS INTEPOLADAS OU INTERCALADAS (ABBA)  RIMAS RICAS
  • 18. O AMOR NO PARNASIANISMO • A poesia amorosa do parnasianismo prezava a mulher concreta, palpável, aparecendo Vênus, a deusa do amor na mitologia como protótipo da figura feminina. • Outra característica que o Parnasianismo brasileiro não seguiu à risca foi a visão mais carnal do amor em relação à espiritual. Olavo Bilac, principalmente, enfatizou o amor sensual, entretanto, sem vulgarizá- lo.
  • 19. RAIMUNDO CORREIA – PESSIMISMO E ENJAMBEMENT • AMOR E VIDA Esconde-me a alma, no íntimo, oprimida, Este amor infeliz, como se fora Um crime aos olhos dessa, que ela adora, Dessa, que crendo-o, crera-se ofendida. A crua e rija lâmina homicida Do seu desdém vara-me o peito; embora, Que o amor que cresce nele, e nele mora, Só findará quando findar-me a vida! Ó meu amor! como num mar profundo, Achaste em mim teu álgido, teu fundo, Teu derradeiro, teu feral abrigo! E qual do rei de Tule a taça de ouro, Ó meu sacro, ó meu único tesouro! Ó meu amor! tu morrerás comigo! • RIMAS INTERPOLADAS OU INTERCALADAS (ABBA)
  • 20. OLAVO BILAC – AMOR SENSUAL • Ao coração que sofre, separado Do teu, no exílio em que a chorar me vejo, Não basta o afeto simples e sagrado Com que das desventuras me protejo. Não me basta saber que sou amado, Nem só desejo o teu amor: desejo Ter nos braços teu corpo delicado, Ter na boca a doçura de teu beijo. E as justas ambições que me consomem Não me envergonham: pois maior baixeza Não há que a terra pelo céu trocar; E mais eleva o coração de um homem Ser de homem sempre e, na maior pureza, Ficar na terra e humanamente amar. (AO CORAÇÃO QUE SOFRE) • RIMAS CRUZADAS OU ALTERNADAS (ABAB)
  • 21. ALBERTO DE OLIVEIRA • Alberto de Oliveira revela características românticas; seu lirismo, porém é mais contido, estando longe dos excessos sentimentais do Romantismo. • A seguir, um exemplo: APARIÇÃO NAS ÁGUAS Vênus, a ideal pagã, que a velha Grécia um dia Viu esplêndida erguer-se à branca flor da espuma, Cisne do mar Iônio Mais alvo do que a bruma!
  • 22. APARIÇÃO NAS ÁGUAS (CONT.) Visão, filha, talvez da ardente fantasia De um cérebro de deus: Vênus, astro – no mar e lágrimas – nos céus; Vênus, quando eu te vejo a resvalar tão pura Do oceano à flor, Das águas verde-azuis na úmida frescura: Vem dos prístinos céus, Vem da Grécia que é morta, Abre do céu a misteriosa porta E em ti revive, ó pérola do amor! RIMAS MISTURADAS: NÃO TEM ORDEM