SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 17 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
PARNASIANISMO
I – CARACTERÍSTICAS
O Parnasianismo foi um movimento literário essencialmente
poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. É interessante
destacar, que ao contrário de outros movimentos que ocorreram em
Portugal e no Brasil, o Parnasianismo apresentou características
significativas somente no Brasil e na própria França, onde teve origem.
A palavra parnasianismo vem de Parnaso, nome de um monte
grego, que segundo a mitologia era a morada de Apolo, deus das artes.
Contemporâneo do Realismo-Naturalismo, o Parnasianismo não
pode ser entendido apenas como a manifestação em poesia das
características realistas e naturalistas presentes na prosa. Embora
existam alguns aspectos comuns, há uma grande diferença: o
Parnasianismo não se preocupava com a temática do cotidiano, com a
descrição dos costumes da época e com o cientificismo, características
marcantes do Realismo.
Entre as principais características parnasianas estão:
• Esteticismo
• Impassibilidade
• Poesia descritiva
• Retomada dos modelos
clássicos
• Perfeição formal
Esteticismo = A poesia parnasiana estava preocupada com o belo, com
a parte estética, daí a palavra esteticismo. Era uma poesia
descompromissada com os problemas sociais. Sua única preocupação
era a arte pela arte, ou seja, a arte deveria existir em função dela
mesma.
Impassibilidade = A impassibilidade é a negação do sentimentalismo
exagerado presente no Romantismo. Os parnasianos negavam qualquer
expressão de subjetividade em favor da objetividade temática.
Poesia descritiva = A poesia parnasiana é marcadamente descritiva,
freqüentemente aparecem descrições pormenorizadas de objetos e
cenas da natureza.
Retomada dos modelos clássicos = O Parnasianismo, assim como
fez o Classicismo, também se voltou para a Antigüidade greco-romana,
tida como modelo de perfeição e beleza.
Perfeição formal = A maior preocupação dos poetas parnasianos era a
forma, o conteúdo ficava num segundo plano. O importante era a
palavra, a aparência e a sonoridade.Tamanha era a preocupação formal
que os parnasianos ficaram conhecidos como “poetas de dicionário”.
Ao contrário da liberdade romântica, em que apareciam os versos
livres e brancos, ou seja não rimados, os parnasianos valorizaram a
utilização das rimas, buscando principalmente as rimas ricas e raras.
POBRES
RIMAS RICAS
RARAS
As rimas pobres ocorrem quando as palavras rimadas pertencem
à mesma classe gramatical:
“Entre as ruínas de um convento,
De uma coluna quebrada
Sobre os destroços, ao vento
Vive uma flor isolada”
Alberto de Oliveira
Nessa estrofe, a palavra convento, do primeiro verso, rima com a
palavra vento, do terceiro verso, e ambas são substantivos. Já a palavra
quebrada, do segundo verso, rima com a palavra isolada, do quarto
verso, e ambas são adjetivos.
As rimas ricas ocorrem quando as palavras rimadas pertencem a
classes gramaticais diferentes:
“Sonha ... Porém de súbito a violento
Abalo acorda. Em torno as folhas bolem ...
É o vento! E o ninho lhe arrebata o vento”.
Alberto de Oliveira
Nessa estrofe, a palavra violento, do primeiro verso, é um adjetivo
e rima com a palavra vento, do terceiro verso, que é um substantivo.
As rimas raras ou perfeitas ocorrem quando as palavras
rimadas apresentam terminações incomuns:
“Que ouço ao longe o oráculo de Elêusis.
Se um dia eu fosse teu e fosses minha,
O nosso amor conceberia um mundo
E de teu ventre nasceriam deuses”.
Raul de Leôni
Nessa estrofe, o substantivo próprio Elêusis, do primeiro verso,
rima com o substantivo comum deuses, do quarto verso. Mas atenção: o
que importa na rima é o som e não a letra, por isso, não há nenhum
problema em Elêusis com i e deuses com e.
Ao lado da utilização das rimas, os poetas parnasianos retomaram
as formas fixas, principalmente o soneto e elegeram o verso alexandrino
(verso composto por 12 sílabas poéticas) como modelo de métrica.
Veja os três maiores representantes do Parnasianismo brasileiro:
TRINDADE PARNASIANA
*Alberto de Oliveira
*Raimundo Correia
*Olavo Bilac
Alberto de Oliveira é considerado o representante mais fiel do
Parnasianismo, pois mostrou em sua obra uma grande preocupação com
a descrição objetiva e com a forma. Seus textos são marcados por uma
sintaxe bem rebuscada. Veja sua imagem:
Alberto de Oliveira também foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.
Vários textos de Alberto de Oliveira apresentam uma poesia
visual, essencialmente descritiva, tendo por tema desde cenas naturais
até a pura descrição de objetos antigos. Veja um exemplo dessa poesia
descritiva a partir do conhecido poema Vaso Grego:
Vaso Grego
Esta de áureos relevos, trabalhada
De divas mãos, brilhante copa, um dia,
Já de aos deuses servir como cansada,
Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.
Era o poeta de Teos que a suspendia
Então, e, ora repleta ora esvazada,
A taça amiga aos dedos seus tinia,
Toda de roxas pétalas colmada.
Depois ... Mais o lavor da taça admira,
Toca-a, e do ouvido aproximando-a, à bordas
Finas hás de lhe ouvir, canora e doce.
Ignota voz, qual se da antiga lira
Fosse a encantada música das cordas,
Qual se essa voz de Anacreonte fosse.
Alberto de Oliveira
Perceba que nesse poema não há subjetividade, pelo contrário, há
um predomínio da descrição objetiva. Há também uma grande
quantidade de inversões sintáticas, pois segundo os parnasianos a
ordem inversa dava mais requinte ao poema.
O segundo poeta da Trindade Parnasiana é Raimundo Correia.
Raimundo Correia foi acusado de plagiador, devido ao grande contato
que manteve com os parnasianos franceses. Mas para alguns estudiosos
na realidade o que fazia não era um plágio, uma cópia, mas sim uma
recriação dos textos em francês, imprimindo-lhes características
pessoais. Veja sua imagem:
Raimundo Correia destacou-se pela concisão e escolha vocabular. Fugindo um
pouco das características parnasianas, construiu poemas em que a temática social e
política se faziam presentes.
Veja um de seus poemas:
Plena Nudez
Eu amo os gregos tipos de escultura;
Pagãs nuas no mármore entalhadas;
Não essas produções que a estufa escura
Das modas cria, tortas e enfezadas.
Quero em pleno esplendor, viço e frescura
Os corpos nus; as linhas onduladas
Livres: da carne exuberante e pura
Todas as saliências destacadas ...
Não quero, a Vênus opulenta e bela
De luxuriantes formas, entrevê-la
Da transparente túnica através:
Quero vê-la, sem pejo, sem receios,
Os braços nus, o dorso nu, os seios
Nus ... toda nua, da cabeça os pés!
Raimundo Correia
Repare que nesse texto além da descrição, Raimundo Correia
também apresenta um caráter mais erótico, mais sensual, ao contrário
dos românticos, a figura feminina deixa de ser idealizada, aproximando-
se mais dos relacionamentos humanos. O Parnasianismo apresenta uma
visão mais carnal do amor.
Veja a imagem do maior representante do parnasianismo
Brasileiro:
Olavo Bilac também participou da fundação da Academia Brasileira de Letras.
Embora poucos saibam, ele também é o autor do nosso Hino à Bandeira.
Desde o início da sua produção, Olavo Bilac sempre se manteve
fiel aos preceitos parnasianos, buscando a perfeição formal e a
retomada dos ideais clássicos. Bilac também se dedicou à produção de
obras didáticas, que durante muito tempo foram utilizadas nas escolas
brasileiras. Veja um fragmento de seu poema mais famoso, fundamental
para a compreensão dos princípios parnasianos:
Profissão de Fé
(...)
Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor
Com ele, em ouro, o alto-relevo
Faz de uma flor.
Imito-o. E, pois, nem de Carrara
A pedra firo:
O alvo cristal, a pedra rara,
O ônix prefiro.
Por isso, corre, por servir-me,
Sobre o papel
A pena, como em prata firme
Corre o cinzel.
Corre; desenha, enfeita a imagem,
A idéia veste:
Cinge-lhe ao corpo a ampla roupagem
Azul-celeste.
Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima,
Como um rubim.
Quero a estrofe cristalina,
Dobrada ao jeito
Do ourives, saia da oficina
Sem um defeito.
(...)
Assim, procedo. Minha pena
Segue esta norma,
Por te servir, Deusa serena,
Serena Forma!”
Olavo Bilac
Olavo Bilac nesse poema faz uma comparação entre o trabalho do
poeta e o trabalho do ourives. Escrever poesia era para ele um trabalho
artesanal. A rima era comparada a uma pedra preciosa, como um rubi,
reafirmando assim, a idéia parnasiana de que o poeta era o artesão da
palavra.
II – EXERCÍCIOS
1) (FUND. UNIV. RIOGRANDE) – Marque a alternativa correta.
a) O Parnasianismo caracterizou-se, no Brasil, pela busca da
perfeição formal na poesia.
b) O Parnasianismo determinou o surgimento de obras de tom
marcadamente coloquial.
c) O Parnasianismo, por seus poetas, preconizava o uso do verso
livre.
d) O Parnasianismo brasileiro deu ênfase ao experimentalismo
formal.
e) O Parnasianismo foi o responsável pela afirmação de uma poesia
de caráter sugestivo e musical.
R: a
2) (CEFET-PR)
E sobre mim, silenciosa e triste,
A Via-Láctea se desenrola
Como um jarro de lágrimas ardentes
(Olavo Bilac)
Sobre o fragmento poético não é correto afirmar:
a) A “Via-Láctea” sofre um processo de personificação.
b) A cena é descrita de modo objetivo, sem interferência da
subjetividade do eu-poético.
c) A opção pelos sintagmas “desenrola” e “jarro de lágrimas
ardente” visa a presentificar o movimento dos astros.
d) Há predomínio da linguagem figurada e descritiva.
e) A visão de mundo melancólica do emissor da mensagem se
projeta sobre o objeto poetizado.
R: b
3) (PUCCAMP)
O ouro fulvo do ocaso as velhas casas cobre;
Sangram, em laivos de ouro, as minas, que a ambição
Na torturada entranha abriu da terra nobre;
E cada cicatriz brilha como um brasão.
O ângelo plange ao longe em doloroso dobre.
O último ouro do sol morre na cerração.
E, austero, amortalhando a urbe gloriosa e pobre,
O crepúsculo cai como uma extrema-unção.
Podemos reconhecer nas estrofes acima, de Olavo Bilac, as seguintes
características do estilo de época que marcou sua poesia:
a) Interesse pela descrição pormenorizada da paisagem, numa
linguagem que procura impressionar os sentidos.
b) Uso do vocabulário próprio para acentuar o mistério, a
realidade oculta das coisas, que deve ser sugerida por meio de
símbolos.
c) Valorização do passado histórico, em busca da definição da
nacionalidade brasileira.
d) Utilização exagerada de hipérboles, perífrases e antíteses, no
desejo de não nomear diretamente as coisas, mas de fazer
alusão a elas.
e) Busca de imagens naturais e vocabulário simples, predileção
pelo verso branco e negação de inversões sintáticas.
R: a
4) (FUVEST) – Leia com atenção:
Fulge de luz banhado, esplêndido e suntuoso,
O palácio imperial se pórfiro luzente
E mármor da Lacônia. O teto caprichoso
Mostra, em prata incrustado, o nácar do Oriente.
O texto acima é a primeira estrofe do soneto “A Sesta de Nero”, de
Olavo Bilac.
a) A que “escola literária” ou estilo de época pertence autor?
Justifique a resposta com elementos de texto.
b) Cite outro poema do autor.
R: a) Olavo Bilac foi um poeta parnasiano, como nos mostra a caráter descritivo do
fragmento acima, a preocupação com a beleza plástica, com a forma trabalhada,
exótica.
b) Profissão de fé, Última flor do Lácio e O caçador de esmeraldas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
CrisBiagio
 
Barroco
BarrocoBarroco
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
Marcelo Fernandes
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Barroco
BarrocoBarroco
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
FERNANDO ERNO
 
O que cai em literatura na prova do ENEM
O que cai em literatura na prova do ENEMO que cai em literatura na prova do ENEM
O que cai em literatura na prova do ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
Marilene dos Santos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Barroco
Barroco   Barroco
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
Carlos Fabiano de Souza
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
Textos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino MedioTextos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino Medio
Dulcinea Lisboa Passos
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Josi Motta
 

Mais procurados (20)

Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
O que cai em literatura na prova do ENEM
O que cai em literatura na prova do ENEMO que cai em literatura na prova do ENEM
O que cai em literatura na prova do ENEM
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Textos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino MedioTextos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino Medio
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 

Semelhante a Aula 17 parnasianismo

Revisando o parnasianismo, 02
Revisando o parnasianismo, 02Revisando o parnasianismo, 02
Revisando o parnasianismo, 02
ma.no.el.ne.ves
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
Vitor Morais
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
ggmota93
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Ione Dias de Oliveira
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
Ione Dias de Oliveira
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
Gerlane Galvao
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Revisando o parnasianismo, 01
Revisando o parnasianismo, 01Revisando o parnasianismo, 01
Revisando o parnasianismo, 01
ma.no.el.ne.ves
 
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.pptPARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
emanuelleribeiro15
 
2º literatura
2º literatura2º literatura
2º literatura
newtonbonfim
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Gabriel Gonçalves
 
LITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptx
LITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptxLITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptx
LITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptx
SAMYASEMIAOFREITAS
 
Escolas literárias: Parnasianismo no Brasil
Escolas literárias: Parnasianismo no BrasilEscolas literárias: Parnasianismo no Brasil
Escolas literárias: Parnasianismo no Brasil
CamilaLimaCastro
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
profconrad
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismoRevisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismo
ma.no.el.ne.ves
 
Parnasianismo slide
Parnasianismo slideParnasianismo slide
Parnasianismo slide
Ellenn Walleska
 
POESIA PARNASIANA.pptx
POESIA PARNASIANA.pptxPOESIA PARNASIANA.pptx
POESIA PARNASIANA.pptx
SilvanaOliveira55541
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Walace Cestari
 

Semelhante a Aula 17 parnasianismo (20)

Revisando o parnasianismo, 02
Revisando o parnasianismo, 02Revisando o parnasianismo, 02
Revisando o parnasianismo, 02
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Revisando o parnasianismo, 01
Revisando o parnasianismo, 01Revisando o parnasianismo, 01
Revisando o parnasianismo, 01
 
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.pptPARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
 
2º literatura
2º literatura2º literatura
2º literatura
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
LITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptx
LITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptxLITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptx
LITERATURA - PARNASIANISMO 2 º ANO - REVISÃO.pptx
 
Escolas literárias: Parnasianismo no Brasil
Escolas literárias: Parnasianismo no BrasilEscolas literárias: Parnasianismo no Brasil
Escolas literárias: Parnasianismo no Brasil
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Revisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismoRevisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismo
 
Parnasianismo slide
Parnasianismo slideParnasianismo slide
Parnasianismo slide
 
POESIA PARNASIANA.pptx
POESIA PARNASIANA.pptxPOESIA PARNASIANA.pptx
POESIA PARNASIANA.pptx
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 

Último (20)

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 

Aula 17 parnasianismo

  • 1. AULA 17 – LITERATURA PROFª Edna Prado PARNASIANISMO I – CARACTERÍSTICAS O Parnasianismo foi um movimento literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. É interessante destacar, que ao contrário de outros movimentos que ocorreram em Portugal e no Brasil, o Parnasianismo apresentou características significativas somente no Brasil e na própria França, onde teve origem. A palavra parnasianismo vem de Parnaso, nome de um monte grego, que segundo a mitologia era a morada de Apolo, deus das artes. Contemporâneo do Realismo-Naturalismo, o Parnasianismo não pode ser entendido apenas como a manifestação em poesia das características realistas e naturalistas presentes na prosa. Embora existam alguns aspectos comuns, há uma grande diferença: o Parnasianismo não se preocupava com a temática do cotidiano, com a descrição dos costumes da época e com o cientificismo, características marcantes do Realismo. Entre as principais características parnasianas estão: • Esteticismo • Impassibilidade • Poesia descritiva • Retomada dos modelos clássicos • Perfeição formal
  • 2. Esteticismo = A poesia parnasiana estava preocupada com o belo, com a parte estética, daí a palavra esteticismo. Era uma poesia descompromissada com os problemas sociais. Sua única preocupação era a arte pela arte, ou seja, a arte deveria existir em função dela mesma. Impassibilidade = A impassibilidade é a negação do sentimentalismo exagerado presente no Romantismo. Os parnasianos negavam qualquer expressão de subjetividade em favor da objetividade temática. Poesia descritiva = A poesia parnasiana é marcadamente descritiva, freqüentemente aparecem descrições pormenorizadas de objetos e cenas da natureza. Retomada dos modelos clássicos = O Parnasianismo, assim como fez o Classicismo, também se voltou para a Antigüidade greco-romana, tida como modelo de perfeição e beleza. Perfeição formal = A maior preocupação dos poetas parnasianos era a forma, o conteúdo ficava num segundo plano. O importante era a palavra, a aparência e a sonoridade.Tamanha era a preocupação formal que os parnasianos ficaram conhecidos como “poetas de dicionário”. Ao contrário da liberdade romântica, em que apareciam os versos livres e brancos, ou seja não rimados, os parnasianos valorizaram a utilização das rimas, buscando principalmente as rimas ricas e raras. POBRES RIMAS RICAS RARAS As rimas pobres ocorrem quando as palavras rimadas pertencem à mesma classe gramatical: “Entre as ruínas de um convento, De uma coluna quebrada Sobre os destroços, ao vento Vive uma flor isolada” Alberto de Oliveira
  • 3. Nessa estrofe, a palavra convento, do primeiro verso, rima com a palavra vento, do terceiro verso, e ambas são substantivos. Já a palavra quebrada, do segundo verso, rima com a palavra isolada, do quarto verso, e ambas são adjetivos. As rimas ricas ocorrem quando as palavras rimadas pertencem a classes gramaticais diferentes: “Sonha ... Porém de súbito a violento Abalo acorda. Em torno as folhas bolem ... É o vento! E o ninho lhe arrebata o vento”. Alberto de Oliveira Nessa estrofe, a palavra violento, do primeiro verso, é um adjetivo e rima com a palavra vento, do terceiro verso, que é um substantivo. As rimas raras ou perfeitas ocorrem quando as palavras rimadas apresentam terminações incomuns: “Que ouço ao longe o oráculo de Elêusis. Se um dia eu fosse teu e fosses minha, O nosso amor conceberia um mundo E de teu ventre nasceriam deuses”. Raul de Leôni Nessa estrofe, o substantivo próprio Elêusis, do primeiro verso, rima com o substantivo comum deuses, do quarto verso. Mas atenção: o que importa na rima é o som e não a letra, por isso, não há nenhum problema em Elêusis com i e deuses com e. Ao lado da utilização das rimas, os poetas parnasianos retomaram as formas fixas, principalmente o soneto e elegeram o verso alexandrino (verso composto por 12 sílabas poéticas) como modelo de métrica. Veja os três maiores representantes do Parnasianismo brasileiro:
  • 4. TRINDADE PARNASIANA *Alberto de Oliveira *Raimundo Correia *Olavo Bilac Alberto de Oliveira é considerado o representante mais fiel do Parnasianismo, pois mostrou em sua obra uma grande preocupação com a descrição objetiva e com a forma. Seus textos são marcados por uma sintaxe bem rebuscada. Veja sua imagem: Alberto de Oliveira também foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Vários textos de Alberto de Oliveira apresentam uma poesia visual, essencialmente descritiva, tendo por tema desde cenas naturais até a pura descrição de objetos antigos. Veja um exemplo dessa poesia descritiva a partir do conhecido poema Vaso Grego: Vaso Grego Esta de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. Era o poeta de Teos que a suspendia Então, e, ora repleta ora esvazada,
  • 5. A taça amiga aos dedos seus tinia, Toda de roxas pétalas colmada. Depois ... Mais o lavor da taça admira, Toca-a, e do ouvido aproximando-a, à bordas Finas hás de lhe ouvir, canora e doce. Ignota voz, qual se da antiga lira Fosse a encantada música das cordas, Qual se essa voz de Anacreonte fosse. Alberto de Oliveira Perceba que nesse poema não há subjetividade, pelo contrário, há um predomínio da descrição objetiva. Há também uma grande quantidade de inversões sintáticas, pois segundo os parnasianos a ordem inversa dava mais requinte ao poema. O segundo poeta da Trindade Parnasiana é Raimundo Correia. Raimundo Correia foi acusado de plagiador, devido ao grande contato que manteve com os parnasianos franceses. Mas para alguns estudiosos na realidade o que fazia não era um plágio, uma cópia, mas sim uma recriação dos textos em francês, imprimindo-lhes características pessoais. Veja sua imagem: Raimundo Correia destacou-se pela concisão e escolha vocabular. Fugindo um pouco das características parnasianas, construiu poemas em que a temática social e política se faziam presentes.
  • 6. Veja um de seus poemas: Plena Nudez Eu amo os gregos tipos de escultura; Pagãs nuas no mármore entalhadas; Não essas produções que a estufa escura Das modas cria, tortas e enfezadas. Quero em pleno esplendor, viço e frescura Os corpos nus; as linhas onduladas Livres: da carne exuberante e pura Todas as saliências destacadas ... Não quero, a Vênus opulenta e bela De luxuriantes formas, entrevê-la Da transparente túnica através: Quero vê-la, sem pejo, sem receios, Os braços nus, o dorso nu, os seios Nus ... toda nua, da cabeça os pés! Raimundo Correia Repare que nesse texto além da descrição, Raimundo Correia também apresenta um caráter mais erótico, mais sensual, ao contrário dos românticos, a figura feminina deixa de ser idealizada, aproximando- se mais dos relacionamentos humanos. O Parnasianismo apresenta uma visão mais carnal do amor. Veja a imagem do maior representante do parnasianismo Brasileiro:
  • 7. Olavo Bilac também participou da fundação da Academia Brasileira de Letras. Embora poucos saibam, ele também é o autor do nosso Hino à Bandeira. Desde o início da sua produção, Olavo Bilac sempre se manteve fiel aos preceitos parnasianos, buscando a perfeição formal e a retomada dos ideais clássicos. Bilac também se dedicou à produção de obras didáticas, que durante muito tempo foram utilizadas nas escolas brasileiras. Veja um fragmento de seu poema mais famoso, fundamental para a compreensão dos princípios parnasianos: Profissão de Fé (...) Invejo o ourives quando escrevo: Imito o amor Com ele, em ouro, o alto-relevo Faz de uma flor. Imito-o. E, pois, nem de Carrara A pedra firo: O alvo cristal, a pedra rara, O ônix prefiro. Por isso, corre, por servir-me, Sobre o papel A pena, como em prata firme Corre o cinzel. Corre; desenha, enfeita a imagem, A idéia veste: Cinge-lhe ao corpo a ampla roupagem Azul-celeste. Torce, aprimora, alteia, lima A frase; e, enfim, No verso de ouro engasta a rima, Como um rubim. Quero a estrofe cristalina, Dobrada ao jeito
  • 8. Do ourives, saia da oficina Sem um defeito. (...) Assim, procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma!” Olavo Bilac Olavo Bilac nesse poema faz uma comparação entre o trabalho do poeta e o trabalho do ourives. Escrever poesia era para ele um trabalho artesanal. A rima era comparada a uma pedra preciosa, como um rubi, reafirmando assim, a idéia parnasiana de que o poeta era o artesão da palavra. II – EXERCÍCIOS 1) (FUND. UNIV. RIOGRANDE) – Marque a alternativa correta. a) O Parnasianismo caracterizou-se, no Brasil, pela busca da perfeição formal na poesia. b) O Parnasianismo determinou o surgimento de obras de tom marcadamente coloquial. c) O Parnasianismo, por seus poetas, preconizava o uso do verso livre. d) O Parnasianismo brasileiro deu ênfase ao experimentalismo formal. e) O Parnasianismo foi o responsável pela afirmação de uma poesia de caráter sugestivo e musical. R: a 2) (CEFET-PR) E sobre mim, silenciosa e triste, A Via-Láctea se desenrola
  • 9. Como um jarro de lágrimas ardentes (Olavo Bilac) Sobre o fragmento poético não é correto afirmar: a) A “Via-Láctea” sofre um processo de personificação. b) A cena é descrita de modo objetivo, sem interferência da subjetividade do eu-poético. c) A opção pelos sintagmas “desenrola” e “jarro de lágrimas ardente” visa a presentificar o movimento dos astros. d) Há predomínio da linguagem figurada e descritiva. e) A visão de mundo melancólica do emissor da mensagem se projeta sobre o objeto poetizado. R: b 3) (PUCCAMP) O ouro fulvo do ocaso as velhas casas cobre; Sangram, em laivos de ouro, as minas, que a ambição Na torturada entranha abriu da terra nobre; E cada cicatriz brilha como um brasão. O ângelo plange ao longe em doloroso dobre. O último ouro do sol morre na cerração. E, austero, amortalhando a urbe gloriosa e pobre, O crepúsculo cai como uma extrema-unção. Podemos reconhecer nas estrofes acima, de Olavo Bilac, as seguintes características do estilo de época que marcou sua poesia: a) Interesse pela descrição pormenorizada da paisagem, numa linguagem que procura impressionar os sentidos. b) Uso do vocabulário próprio para acentuar o mistério, a realidade oculta das coisas, que deve ser sugerida por meio de símbolos. c) Valorização do passado histórico, em busca da definição da nacionalidade brasileira. d) Utilização exagerada de hipérboles, perífrases e antíteses, no desejo de não nomear diretamente as coisas, mas de fazer alusão a elas.
  • 10. e) Busca de imagens naturais e vocabulário simples, predileção pelo verso branco e negação de inversões sintáticas. R: a 4) (FUVEST) – Leia com atenção: Fulge de luz banhado, esplêndido e suntuoso, O palácio imperial se pórfiro luzente E mármor da Lacônia. O teto caprichoso Mostra, em prata incrustado, o nácar do Oriente. O texto acima é a primeira estrofe do soneto “A Sesta de Nero”, de Olavo Bilac. a) A que “escola literária” ou estilo de época pertence autor? Justifique a resposta com elementos de texto. b) Cite outro poema do autor. R: a) Olavo Bilac foi um poeta parnasiano, como nos mostra a caráter descritivo do fragmento acima, a preocupação com a beleza plástica, com a forma trabalhada, exótica. b) Profissão de fé, Última flor do Lácio e O caçador de esmeraldas