SlideShare uma empresa Scribd logo
Objetivos Psicologia – Teste Nº3
1. Explicar o conceito de cultura.
Cultura é todo o conjunto de normas colectivas de comportamentos que se impõem às
condutas individuais, sob pena de reprovação social que pode ir desde a simples
admoestação até à prisão, dependendo da importância e significado da norma violada.
A cultura é a totalidade dos conhecimentos, das crenças e teorias, das artes, dos valores, leis
e normas, costumes e todas as outras capacidades e hábitos adquiridos pelo Homem
enquanto membro da sociedade. A cultura é uma totalidade onde se conjugam estes diversos
elementos materiais e simbólicos.
2. Definir padrões culturais (e analisar a sua importância no comportamento
individual).
Padrão de cultura ou padrão cultural é o conjunto de comportamentos, práticas, crenças e
valores comuns aos membros de uma determinada cultura.
Os padrões culturais têm um papel muito importante na vida social: são quadros de
referência, são exemplos acessíveis às pessoas e influenciam actividades, relacionamentos
e atitudes. Através do padrão cultural podemos descobrir o significado de um dado
comportamento naquela cultura.
No entanto, o papel dos padrões de cultura nem sempre é notado. São tão normais, banais
e constantes que nem tomamos consciência da sua existência. A nossa forma de
cumprimentar, de falar, de agir e até de pensar está directamente relacionada com o meio
em que estamos inseridos e, consequentemente, com os padrões culturais a que
obedecemos.
Assim, quando julgamos um dado comportamento, é necessário analisá-lo consoante a
cultura em que está inserido, o seu contexto sociocultural, para que o possamos
compreender e, então, avaliar.
Por outro lado, devemos notar que os padrões culturais estão em constante mudança
devido ao contacto com outras culturas, à criação de novos conceitos, às descobertas do
homem e à evolução de pensamento dos cidadãos.
3. Enumerar elementos comuns a todas as culturas.
A cultura é uma totalidade onde se conjugam estes diversos elementos materiais e
simbólicos.
Exemplos de elementos culturais:
1. Crenças – contemplam as diferentes religiões (hinduísmo, cristianismo, etc.), as ideologias
políticas (liberalismo, socialismo, etc.) e as ideias acerca da natureza humana (humanismo,
racionalismo, etc.).
2. Teorias – ciência moderna e as suas disciplinas, astrologias, medicinas alternativas (ex.
Acupunctura).
3. Múltiplas construções e objectos produzidos – construções complexas (ex. casas,
satélites, pontes, etc.) às construções mais simples (ex. garfo, faca, roupas, etc.).
4. Valores – atribuídos a determinados comportamentos (ao trabalho, uso de drogas, sexo,
etc.), qualidades (beleza, criatividade, preguiça, etc.) ou objectos (telemóvel, cigarro, cadeira
eléctrica, etc.).
5. Leis e normas – importantes para regular a vida em comum
6. Arte - ou modos de expressar próprios de uma determinada sociedade (música, tatuagens,
pinturas, teatro, etc.)
7. Costumes – inclui práticas sociais muito variadas, como por exemplo rituais de saudação,
modos de preparar a alimentos e dos consumir, celebrações, modos de vestir, etc.
4. Definir socialização e a sua função.(e explicar a importância desse processo no
comportamento.
Socialização é o processo através do qual aprendemos e interiorizamos os padrões de
comportamento, normas, práticas e valores da comunidade onde estamos inseridos.
Este processo permite a integração individual numa dada cultura, mas também assegura a
sua reprodução e transmissão futura.
Assim, socialização não se cinge à adaptação de um indivíduo à cultura, mas antes à sua
participação activa na produção, recriação e transmissão de padrões de cultura e
socialização.
Todos os elementos que o indivíduo adquire e ajuda a criar no conjunto da comunidade vão
ser postos em prática, reflectindo-se no próprio comportamento, pensamento e atitude.
5. Indicar agentes e tipos de socialização.
Identificar os principais agentes de socialização
Na sociedade contemporânea os meios de comunicação – jornais, televisão, rádio, cinema,
etc., constituem importantes agentes de socialização. As relações pessoais e íntimas entre
os seus membros, como a família, o grupo de pares, a vizinhança, os jardins-de-infância, a
escola, também constituem agentes de socialização.
8. Explicar a importância da cultura e desenvolvimento do ser humano.
A cultura é tudo aquilo que não vem da própria natureza e sim tudo o que é produzido pelos
animais racionais que são os seres humanos, e é exatamente isso que diferencia os seres
humanos dos animais irracionais, a capacidade de fazer cultura.
A diversidade de culturas também é muito grande, pois envolve diversas pessoas de vários
lugares com hábitos e costumes diferentes, e apesar de todas essas diferenças o respeito
entre as pessoas de diferentes culturas é essencial para o bom convívio entre eles.
A cultura não é somente uma herança que se herda de família, mas também uma herança
herdada da sociedade que envolve uma grande diversidade de conceitos nomeadamente a
arte, crenças, hábitos, costumes, entre muitos outros.
Traz para a sociedade um conhecimento e uma riqueza sem igual, quando bem trabalhada,
pode tornar-se algo que faça parte da vida e do quotidiano da sociedade, com esta podem ser
organizados eventos que tragam cultura e valorização para a cidade, sem contar o retorno
financeiro que a mesma traz.
Outro beneficio que a cultura traz, é que com os eventos de longo prazo que ocorrem na
cidade muitas crianças, saem das suas casas para ir até um teatro, ou um evento de cultura
popular, que a propósito atinge públicos diferenciados como homens, mulheres, crianças,
jovens, adultos e idosos a vantagem é que ao invés das crianças estarem nas ruas, estas
participam num evento que vai trazer conhecimentos, que poderá ser de grande importância
para a sua vida futura.
E com este texto conclui que a cultura tem grande importância nas nossas vidas e também
para a cidade que investe neste bem que traz benefícios, vantagens, sem igual.
6. Indicar os processos que constituem a mente humana.
É pelos processos mentais – cognitivos, emocionais e conativos – que a mente se efectua. São
estes processos, que se vão constituindo desde o nascimento de cada um de nós, que
estruturam a nossa vida psíquica e que permitem conhecer o mundo, relacionar-se com ele e
agir sobre a realidade física e social.
Processos cognitivos: estão relacionados com o saber, com o conhecimento, reportam-se á
criação, transformação e utilização da informação do meio interno e exterior. Associam-se á
questão “O quê?”. No âmbito dos processos cognitivos, estudaremos a perceção, a memória e
a aprendizagem.
- Processos emotivos: estão relacionados com o sentir; são estados vividos pelo sujeito
caracterizados pela subjetividade. Correspondem às vivências de prazer e desprazer e á
interpretação das relações que temos com as pessoas, objetos e ideias. Estão associados á
questão “Como?”. No âmbito dos processos emotivos estudaremos a emoção, o afeto e o
sentimento.
- Processos conativos: estão relacionados com o fazer, expressam-se em ações,
comportamentos. Correspondem á dimensão intencional da vida psíquica. Estão associados á
questão “Porquê?”. No âmbito dos processos conativos procuraremos relacionar os conceitos
de intencionalidade, tendência e esforço de realização.
7. Definir perceção e sensação.
A sensação é um processo fisiológico de ligação do organismo com o meio, através dos
órgãos sensoriais, e consiste na transmissão de um influxo nervoso ( corrente elétrica que
percorre os nossos nervos) desde o órgão sensorial até aos centros de descodificação.
Realiza-se pela ação de um estímulo específico sobre um receptor que é apropriado para o
receber. Assim, por exemplo, os olhos recebem estímulos luminosos, os ouvidos estímulos
sonoros, etc.
A perceção é um processo cognitivo através do qual contactamos com o mundo, que se
caracteriza por exigir a presença da realidade a conhecer. Pela perceção, organizamos e
interpretamos as informações sensoriais. Por isso, a perceção começa nos órgãos recetores
(sensoriais) que são sensíveis a estímulos específicos.
A perceção é uma atividade cognitiva que não se limita ao registo da informação sensorial,
implica a atribuição de sentido, que remete para a nossa experiência. As perceções resultam
de um trabalho árduo de análise e síntese por parte do cérebro, destacando o seu caráter ativo
e influenciado pelos conhecimentos, experiências, expectativas e interesses do sujeito, é uma
construção mental e uma interpretação da realidade.
8. Definir aprendizagem/importância da aprendizagem.
Aquisição ou mudança relativamente estável e duradoira do comportamento e/ou do
conhecimento, devido à experiência, ao treino ou ao estudo e com uma função adaptativa
relativamente ao meio e às suas mudanças
Importância da aprendizagem
- É a aprendizagem que nos permite adquirir os diversos modos de agir e de reagir e de alterar
os nossos comportamentos para nos adaptarmos a novas circunstancias que, inevitavelmente,
enfrentamos num mundo em constante mutuação;
- É processo cognitivo de nos permite adquirir o estatuto de verdadeiros seres humanos;
- Pela aprendizagem adquirimos saberes, saber fazer, saber estar, saber ser.
- É a aprendizagem que determina o nosso pensamento, a nossa linguagem, as motivações e
as atitudes, a personalidade.
9.Tipos de memória
Memoria a curto prazo
Retém temporariamente a informação que aí permanece durante um período mais longo do
que na memória sensorial, não ultrapassando os 60 s.
As lembranças só aí estão disponíveis durante o tempo necessário para serem utilizadas.
Tem capacidade de armazenamento limitada (8 itens), podendo ser aumentada se os itens
forem associados em grupos.
Cabe a esta memória selecionar e enviar os conteúdos significativos para a memória a longo
prazo.
Memória a longo prazo
Concede-nos a capacidade de recordar uma quantidade substancial de informação durante
períodos bastante longos.
Tem grande flexibilidade na codificação dos materiais, tanto pode ser codificada em termos de
imagem como verbal (significado).
Recuperamos continuamente informação da memória a longo prazo, sendo a recordação um
processo gerido pela memória a curto prazo.
Memória sensorial
As informações sensoriais são provenientes dos estímulos armazenados na memória sensorial
por um curtíssimo espaço de tempo (+/- 0,25 s).
Regista as impressões visuais, auditivas, olfativas ou tácteis sem as processar.
Aí são retidos onde permanecem sem qualquer tratamento ou análise.
As informações passam por esta memória, sem receber nenhum processamento, se lhes
prestamos atenção, então os dados codificam-se e são transferidos para a memória a curto
prazo, se não lhes prestarmos atenção acabam por se deteriorar.
10. Distinguir condicionamento clássico de condicionamento operante
O condicionamento clássico e o condicionamento operante podem ser vistos como dois
tipos de aprendizagem associativa entre as quais existe uma diferença significativa.
Qual é a diferença entre o clássico e operante condicionado?
• Origem:
• Tanto o condicionamento clássico quando condicionamento operante vem da psicologia
comportamental.
• Fundadores:
• O condicionamento clássico foi desenvolvido por Ivan Pavlov. Ele explica que algumas
formas de aprendizagem podem ser respostas involuntárias, emocionais e fisiológicas
• O condicionamento operante foi desenvolvido por BF Skinner. Ele acreditava que o
comportamento é sustentado pelos reforços e recompensas, e não por livre arbítrio.
• Teoria:
.• Condicionamento clássico destaca que o estímulo neutro pode ser transformado em um
estímulo condicionado, produzindo uma resposta condicionada.
• O condicionamento operante envolve condicionamento de comportamento voluntário,
controlável através de suas consequências – reforços e punições. Este condicionamento
envolve o comportamento voluntário e controlável, e não as respostas fisiológicas
automáticas, como no caso do condicionamento clássico. No condicionamento operante,
ação está associada a consequências pelo organismo. Ações que são reforçadas tornam-se
fortalecidas enquanto as ações que são punidas estão sendo enfraquecidas. Ele introduziu
dois tipos de reforços; reforço positivo e reforço negativo.
• Associação entre comportamento e resultados:
• No condicionamento clássico, a associação não pode ser controlada.
• No condicionamento operante, a associação entre comportamento e resultados é
aprendida.
• Resposta:
• A resposta em condicionamento clássico é automática e involuntária.
• No condicionamento operante, a resposta é voluntária.
*Reforço postivo e negativo
Skinner desenvolveu o condicionamento operante que descreve a
correspondência entre o comportamento e as consequências. Uma resposta
operante origina-se sem a presença de um estímulo incondicionado, ou seja é
um comportamento voluntário. Será então um processo através do qual
aprendemos a dar respostas de forma a evitar algo desagradável. Mas
consequentemente a frequência das respostas depende das suas consequências.
O reforço é um acontecimento que resulta de um comportamento e que o
desenvolve. Existem diversas formas de os classificar: se são primários (diz
respeito a carências básicas – não aprendido) ou secundários (aprendido,
podendo ser material ou social); se são internos ou externos (diz respeito ao
reforço ser ou não ser próprio do comportamento que o criou); ou então se são
positivos ou negativos.
O reforço positivo é um estímulo que tem consequências positivas, agradáveis, e
que se segue a um dado comportamento. O reforço negativo é o sujeito que
evita uma situação dolorosa. É a eliminação do estímulo que permite evitar a
situação dolorosa.
Tanto o reforço positivo com o reforço negativo têm as mesmas consequências,
como fortalecer, aumentar a ocorrência de um comportamento. Estes dois tipos
de reforços aumentam a probabilidade que a resposta ocorra.
11. Explicar a lei do efeito teoria de Thorndike.
A lei do efeito é uma das três leis primárias que fazem parte da, formulada no quadro da
psicologia de aprendizagem. Consiste nas respostas numa determinada situação que são
seguidas por um estado recompensador de eventos. Ao serem fortalecidas, vão-se tornar
respostas habituais para aquela situação, enquanto que as respostas que sejam seguidas por
um estado desagradável vão ter tendência a enfraquecer.
Edward Lee Thorndike estabelece, com a sua lei dos efeitos, as bases para o behaviorismo de
Skinner.
A lei do efeito caracteriza-se na ideia que todo e qualquer ato que produz satisfação vai-se
associar a essa situação. E assim sempre que essa situação se reproduz, a probabilidade de
repetição do ato é maior do que anteriormente. A punição e o desprazer não se comparam em
absoluto ao efeito positivo da recompensa a uma determinada resposta; o efeito de prazer é,
portanto, o que fixa a resposta.
Thorndike formulou a lei do efeito, utilizando experiências de "resolução de problemas" com
gatos. Esta lei teve um papel essencial nas teorias de aprendizagem e na ciência de
comportamento em geral.
Assim, pode-se concluir que qualquer comportamento de um organismo vivo tende a repetir-se
se existir recompensa assim que ele o emitir. Por outro lado, o comportamento tenderá a não
acontecer, se o organismo for castigado após a sua ocorrência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SLIDES
SLIDESSLIDES
Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11
Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11
Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11
xereque2009
 
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino MédioO método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
Viviane Silveira Batista
 
Aprendizado e desenvolvimento
Aprendizado e desenvolvimentoAprendizado e desenvolvimento
Aprendizado e desenvolvimento
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Vygostski E A Zdp
Vygostski E A ZdpVygostski E A Zdp
Vygostski E A Zdp
Vanessa Dagostim
 
Teoria de vygotyski ed. física
Teoria de vygotyski   ed. físicaTeoria de vygotyski   ed. física
Teoria de vygotyski ed. física
Silvia Marina Anaruma
 
Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
Isaque Tomé
 
Pa
PaPa
Jean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidade
Jean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidadeJean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidade
Jean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidade
Bruna Lessa
 
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
Rosario Lacerda
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Elisa Maria Gomide
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Nuap Santana
 
Slides
SlidesSlides
Slides
Vygotsky2011
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
Isaque Tomé
 
Teoria historico cultural
Teoria historico culturalTeoria historico cultural
Teoria historico cultural
Espaco_Pedagogia
 
Apresentação teorias
Apresentação teoriasApresentação teorias
Apresentação teorias
Isabel Castro
 
Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8
Filipe Prado
 
Ressignificação
RessignificaçãoRessignificação
Ressignificação
PlexuDesign Estratégico
 

Mais procurados (19)

SLIDES
SLIDESSLIDES
SLIDES
 
Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11
Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11
Mediacao semiotica vygotsky cida e ernani v.6 de 23.11
 
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino MédioO método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
 
Aprendizado e desenvolvimento
Aprendizado e desenvolvimentoAprendizado e desenvolvimento
Aprendizado e desenvolvimento
 
Vygostski E A Zdp
Vygostski E A ZdpVygostski E A Zdp
Vygostski E A Zdp
 
Teoria de vygotyski ed. física
Teoria de vygotyski   ed. físicaTeoria de vygotyski   ed. física
Teoria de vygotyski ed. física
 
Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
 
Pa
PaPa
Pa
 
Jean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidade
Jean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidadeJean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidade
Jean Piaget: mediação, cognição e mutirreferencialidade
 
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
05 20 09_a_construcao_dos_conceitos_cientificos_na_teoria_historico-cultural_...
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 
Teoria historico cultural
Teoria historico culturalTeoria historico cultural
Teoria historico cultural
 
Apresentação teorias
Apresentação teoriasApresentação teorias
Apresentação teorias
 
Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8
 
Ressignificação
RessignificaçãoRessignificação
Ressignificação
 

Semelhante a Objetivos Psicologia - Teste Nº3

SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
LIMA, Alan Lucas de
 
Cultura
CulturaCultura
Sociologia.pdf
Sociologia.pdfSociologia.pdf
Sociologia.pdf
paulacristinasilva13
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
1 slide modulo 3
1 slide  modulo 31 slide  modulo 3
1 slide modulo 3
Maria Ludes Maria
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
davidaaduarte
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Harutchy
 
Cultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedadeCultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedade
Viviane Guerra
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
Flávio Paz II
 
Caderno 03
Caderno 03Caderno 03
Módulo 1 1.2.
Módulo 1   1.2.Módulo 1   1.2.
Módulo 1 1.2.
cattonia
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
Ana Felizardo
 
Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃
Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃
Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃
Edson Zefanias Oguane
 
Ensinar a condição Humana - Edgar morin
Ensinar a condição Humana - Edgar morinEnsinar a condição Humana - Edgar morin
Ensinar a condição Humana - Edgar morin
Ândrea Carla
 
Cultura2
Cultura2Cultura2
Cultura2
Isabelctx
 
Universidade federal fluminense pronto
Universidade federal fluminense prontoUniversidade federal fluminense pronto
Universidade federal fluminense pronto
Nicoly_caio
 
Socialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºanoSocialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºano
BeatrizSantos567
 
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Matheus Alves
 
Mendes pimentel ética e cidadania aplicada a educação
Mendes pimentel ética e cidadania aplicada a educaçãoMendes pimentel ética e cidadania aplicada a educação
Mendes pimentel ética e cidadania aplicada a educação
Rusemberg Reis
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
Arte de Lorena
 

Semelhante a Objetivos Psicologia - Teste Nº3 (20)

SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Sociologia.pdf
Sociologia.pdfSociologia.pdf
Sociologia.pdf
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
1 slide modulo 3
1 slide  modulo 31 slide  modulo 3
1 slide modulo 3
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade I
 
Cultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedadeCultura, os símbolos e a sociedade
Cultura, os símbolos e a sociedade
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
Caderno 03
Caderno 03Caderno 03
Caderno 03
 
Módulo 1 1.2.
Módulo 1   1.2.Módulo 1   1.2.
Módulo 1 1.2.
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
 
Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃
Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃
Antropologia Cultural a ficha por edsonzefoguane😎😈😒😉👈👉💃
 
Ensinar a condição Humana - Edgar morin
Ensinar a condição Humana - Edgar morinEnsinar a condição Humana - Edgar morin
Ensinar a condição Humana - Edgar morin
 
Cultura2
Cultura2Cultura2
Cultura2
 
Universidade federal fluminense pronto
Universidade federal fluminense prontoUniversidade federal fluminense pronto
Universidade federal fluminense pronto
 
Socialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºanoSocialização e cultura - Resumos 12ºano
Socialização e cultura - Resumos 12ºano
 
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
 
Mendes pimentel ética e cidadania aplicada a educação
Mendes pimentel ética e cidadania aplicada a educaçãoMendes pimentel ética e cidadania aplicada a educação
Mendes pimentel ética e cidadania aplicada a educação
 
Homem e sociedade unip
Homem e sociedade unipHomem e sociedade unip
Homem e sociedade unip
 

Mais de Maria Freitas

The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
Maria Freitas
 
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
 “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg... “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
Maria Freitas
 
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Maria Freitas
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Maria Freitas
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Maria Freitas
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Maria Freitas
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Maria Freitas
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Maria Freitas
 
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º AnoLista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Maria Freitas
 
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Maria Freitas
 
Doenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoDoenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema Nervoso
Maria Freitas
 
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Maria Freitas
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodoObjetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Maria Freitas
 
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Maria Freitas
 
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Maria Freitas
 
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodoObjetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Maria Freitas
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Maria Freitas
 
Trabalho de Geografia sobre Moçambique
Trabalho de Geografia sobre MoçambiqueTrabalho de Geografia sobre Moçambique
Trabalho de Geografia sobre Moçambique
Maria Freitas
 
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Maria Freitas
 

Mais de Maria Freitas (20)

The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
 
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
 “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg... “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
 
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
 
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º AnoLista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
 
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
 
Doenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoDoenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema Nervoso
 
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodoObjetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
 
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
 
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
 
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodoObjetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
 
Trabalho de Geografia sobre Moçambique
Trabalho de Geografia sobre MoçambiqueTrabalho de Geografia sobre Moçambique
Trabalho de Geografia sobre Moçambique
 
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5
 

Último

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Objetivos Psicologia - Teste Nº3

  • 1. Objetivos Psicologia – Teste Nº3 1. Explicar o conceito de cultura. Cultura é todo o conjunto de normas colectivas de comportamentos que se impõem às condutas individuais, sob pena de reprovação social que pode ir desde a simples admoestação até à prisão, dependendo da importância e significado da norma violada. A cultura é a totalidade dos conhecimentos, das crenças e teorias, das artes, dos valores, leis e normas, costumes e todas as outras capacidades e hábitos adquiridos pelo Homem enquanto membro da sociedade. A cultura é uma totalidade onde se conjugam estes diversos elementos materiais e simbólicos. 2. Definir padrões culturais (e analisar a sua importância no comportamento individual). Padrão de cultura ou padrão cultural é o conjunto de comportamentos, práticas, crenças e valores comuns aos membros de uma determinada cultura. Os padrões culturais têm um papel muito importante na vida social: são quadros de referência, são exemplos acessíveis às pessoas e influenciam actividades, relacionamentos e atitudes. Através do padrão cultural podemos descobrir o significado de um dado comportamento naquela cultura. No entanto, o papel dos padrões de cultura nem sempre é notado. São tão normais, banais e constantes que nem tomamos consciência da sua existência. A nossa forma de cumprimentar, de falar, de agir e até de pensar está directamente relacionada com o meio em que estamos inseridos e, consequentemente, com os padrões culturais a que obedecemos. Assim, quando julgamos um dado comportamento, é necessário analisá-lo consoante a cultura em que está inserido, o seu contexto sociocultural, para que o possamos compreender e, então, avaliar. Por outro lado, devemos notar que os padrões culturais estão em constante mudança devido ao contacto com outras culturas, à criação de novos conceitos, às descobertas do homem e à evolução de pensamento dos cidadãos. 3. Enumerar elementos comuns a todas as culturas. A cultura é uma totalidade onde se conjugam estes diversos elementos materiais e simbólicos.
  • 2. Exemplos de elementos culturais: 1. Crenças – contemplam as diferentes religiões (hinduísmo, cristianismo, etc.), as ideologias políticas (liberalismo, socialismo, etc.) e as ideias acerca da natureza humana (humanismo, racionalismo, etc.). 2. Teorias – ciência moderna e as suas disciplinas, astrologias, medicinas alternativas (ex. Acupunctura). 3. Múltiplas construções e objectos produzidos – construções complexas (ex. casas, satélites, pontes, etc.) às construções mais simples (ex. garfo, faca, roupas, etc.). 4. Valores – atribuídos a determinados comportamentos (ao trabalho, uso de drogas, sexo, etc.), qualidades (beleza, criatividade, preguiça, etc.) ou objectos (telemóvel, cigarro, cadeira eléctrica, etc.). 5. Leis e normas – importantes para regular a vida em comum 6. Arte - ou modos de expressar próprios de uma determinada sociedade (música, tatuagens, pinturas, teatro, etc.) 7. Costumes – inclui práticas sociais muito variadas, como por exemplo rituais de saudação, modos de preparar a alimentos e dos consumir, celebrações, modos de vestir, etc. 4. Definir socialização e a sua função.(e explicar a importância desse processo no comportamento. Socialização é o processo através do qual aprendemos e interiorizamos os padrões de comportamento, normas, práticas e valores da comunidade onde estamos inseridos. Este processo permite a integração individual numa dada cultura, mas também assegura a sua reprodução e transmissão futura. Assim, socialização não se cinge à adaptação de um indivíduo à cultura, mas antes à sua participação activa na produção, recriação e transmissão de padrões de cultura e socialização. Todos os elementos que o indivíduo adquire e ajuda a criar no conjunto da comunidade vão ser postos em prática, reflectindo-se no próprio comportamento, pensamento e atitude. 5. Indicar agentes e tipos de socialização. Identificar os principais agentes de socialização Na sociedade contemporânea os meios de comunicação – jornais, televisão, rádio, cinema, etc., constituem importantes agentes de socialização. As relações pessoais e íntimas entre
  • 3. os seus membros, como a família, o grupo de pares, a vizinhança, os jardins-de-infância, a escola, também constituem agentes de socialização. 8. Explicar a importância da cultura e desenvolvimento do ser humano. A cultura é tudo aquilo que não vem da própria natureza e sim tudo o que é produzido pelos animais racionais que são os seres humanos, e é exatamente isso que diferencia os seres humanos dos animais irracionais, a capacidade de fazer cultura. A diversidade de culturas também é muito grande, pois envolve diversas pessoas de vários lugares com hábitos e costumes diferentes, e apesar de todas essas diferenças o respeito entre as pessoas de diferentes culturas é essencial para o bom convívio entre eles. A cultura não é somente uma herança que se herda de família, mas também uma herança herdada da sociedade que envolve uma grande diversidade de conceitos nomeadamente a arte, crenças, hábitos, costumes, entre muitos outros. Traz para a sociedade um conhecimento e uma riqueza sem igual, quando bem trabalhada, pode tornar-se algo que faça parte da vida e do quotidiano da sociedade, com esta podem ser organizados eventos que tragam cultura e valorização para a cidade, sem contar o retorno financeiro que a mesma traz. Outro beneficio que a cultura traz, é que com os eventos de longo prazo que ocorrem na cidade muitas crianças, saem das suas casas para ir até um teatro, ou um evento de cultura popular, que a propósito atinge públicos diferenciados como homens, mulheres, crianças, jovens, adultos e idosos a vantagem é que ao invés das crianças estarem nas ruas, estas participam num evento que vai trazer conhecimentos, que poderá ser de grande importância para a sua vida futura. E com este texto conclui que a cultura tem grande importância nas nossas vidas e também para a cidade que investe neste bem que traz benefícios, vantagens, sem igual.
  • 4. 6. Indicar os processos que constituem a mente humana. É pelos processos mentais – cognitivos, emocionais e conativos – que a mente se efectua. São estes processos, que se vão constituindo desde o nascimento de cada um de nós, que estruturam a nossa vida psíquica e que permitem conhecer o mundo, relacionar-se com ele e agir sobre a realidade física e social. Processos cognitivos: estão relacionados com o saber, com o conhecimento, reportam-se á criação, transformação e utilização da informação do meio interno e exterior. Associam-se á questão “O quê?”. No âmbito dos processos cognitivos, estudaremos a perceção, a memória e a aprendizagem. - Processos emotivos: estão relacionados com o sentir; são estados vividos pelo sujeito caracterizados pela subjetividade. Correspondem às vivências de prazer e desprazer e á interpretação das relações que temos com as pessoas, objetos e ideias. Estão associados á questão “Como?”. No âmbito dos processos emotivos estudaremos a emoção, o afeto e o sentimento. - Processos conativos: estão relacionados com o fazer, expressam-se em ações, comportamentos. Correspondem á dimensão intencional da vida psíquica. Estão associados á questão “Porquê?”. No âmbito dos processos conativos procuraremos relacionar os conceitos de intencionalidade, tendência e esforço de realização. 7. Definir perceção e sensação. A sensação é um processo fisiológico de ligação do organismo com o meio, através dos órgãos sensoriais, e consiste na transmissão de um influxo nervoso ( corrente elétrica que percorre os nossos nervos) desde o órgão sensorial até aos centros de descodificação. Realiza-se pela ação de um estímulo específico sobre um receptor que é apropriado para o receber. Assim, por exemplo, os olhos recebem estímulos luminosos, os ouvidos estímulos sonoros, etc. A perceção é um processo cognitivo através do qual contactamos com o mundo, que se caracteriza por exigir a presença da realidade a conhecer. Pela perceção, organizamos e interpretamos as informações sensoriais. Por isso, a perceção começa nos órgãos recetores (sensoriais) que são sensíveis a estímulos específicos. A perceção é uma atividade cognitiva que não se limita ao registo da informação sensorial, implica a atribuição de sentido, que remete para a nossa experiência. As perceções resultam de um trabalho árduo de análise e síntese por parte do cérebro, destacando o seu caráter ativo e influenciado pelos conhecimentos, experiências, expectativas e interesses do sujeito, é uma construção mental e uma interpretação da realidade. 8. Definir aprendizagem/importância da aprendizagem. Aquisição ou mudança relativamente estável e duradoira do comportamento e/ou do conhecimento, devido à experiência, ao treino ou ao estudo e com uma função adaptativa relativamente ao meio e às suas mudanças Importância da aprendizagem - É a aprendizagem que nos permite adquirir os diversos modos de agir e de reagir e de alterar os nossos comportamentos para nos adaptarmos a novas circunstancias que, inevitavelmente, enfrentamos num mundo em constante mutuação; - É processo cognitivo de nos permite adquirir o estatuto de verdadeiros seres humanos;
  • 5. - Pela aprendizagem adquirimos saberes, saber fazer, saber estar, saber ser. - É a aprendizagem que determina o nosso pensamento, a nossa linguagem, as motivações e as atitudes, a personalidade. 9.Tipos de memória Memoria a curto prazo Retém temporariamente a informação que aí permanece durante um período mais longo do que na memória sensorial, não ultrapassando os 60 s. As lembranças só aí estão disponíveis durante o tempo necessário para serem utilizadas. Tem capacidade de armazenamento limitada (8 itens), podendo ser aumentada se os itens forem associados em grupos. Cabe a esta memória selecionar e enviar os conteúdos significativos para a memória a longo prazo. Memória a longo prazo Concede-nos a capacidade de recordar uma quantidade substancial de informação durante períodos bastante longos. Tem grande flexibilidade na codificação dos materiais, tanto pode ser codificada em termos de imagem como verbal (significado). Recuperamos continuamente informação da memória a longo prazo, sendo a recordação um processo gerido pela memória a curto prazo. Memória sensorial As informações sensoriais são provenientes dos estímulos armazenados na memória sensorial por um curtíssimo espaço de tempo (+/- 0,25 s). Regista as impressões visuais, auditivas, olfativas ou tácteis sem as processar. Aí são retidos onde permanecem sem qualquer tratamento ou análise. As informações passam por esta memória, sem receber nenhum processamento, se lhes prestamos atenção, então os dados codificam-se e são transferidos para a memória a curto prazo, se não lhes prestarmos atenção acabam por se deteriorar. 10. Distinguir condicionamento clássico de condicionamento operante O condicionamento clássico e o condicionamento operante podem ser vistos como dois tipos de aprendizagem associativa entre as quais existe uma diferença significativa. Qual é a diferença entre o clássico e operante condicionado? • Origem: • Tanto o condicionamento clássico quando condicionamento operante vem da psicologia comportamental. • Fundadores:
  • 6. • O condicionamento clássico foi desenvolvido por Ivan Pavlov. Ele explica que algumas formas de aprendizagem podem ser respostas involuntárias, emocionais e fisiológicas • O condicionamento operante foi desenvolvido por BF Skinner. Ele acreditava que o comportamento é sustentado pelos reforços e recompensas, e não por livre arbítrio. • Teoria: .• Condicionamento clássico destaca que o estímulo neutro pode ser transformado em um estímulo condicionado, produzindo uma resposta condicionada. • O condicionamento operante envolve condicionamento de comportamento voluntário, controlável através de suas consequências – reforços e punições. Este condicionamento envolve o comportamento voluntário e controlável, e não as respostas fisiológicas automáticas, como no caso do condicionamento clássico. No condicionamento operante, ação está associada a consequências pelo organismo. Ações que são reforçadas tornam-se fortalecidas enquanto as ações que são punidas estão sendo enfraquecidas. Ele introduziu dois tipos de reforços; reforço positivo e reforço negativo. • Associação entre comportamento e resultados: • No condicionamento clássico, a associação não pode ser controlada. • No condicionamento operante, a associação entre comportamento e resultados é aprendida. • Resposta: • A resposta em condicionamento clássico é automática e involuntária. • No condicionamento operante, a resposta é voluntária. *Reforço postivo e negativo Skinner desenvolveu o condicionamento operante que descreve a correspondência entre o comportamento e as consequências. Uma resposta operante origina-se sem a presença de um estímulo incondicionado, ou seja é um comportamento voluntário. Será então um processo através do qual aprendemos a dar respostas de forma a evitar algo desagradável. Mas consequentemente a frequência das respostas depende das suas consequências. O reforço é um acontecimento que resulta de um comportamento e que o desenvolve. Existem diversas formas de os classificar: se são primários (diz respeito a carências básicas – não aprendido) ou secundários (aprendido, podendo ser material ou social); se são internos ou externos (diz respeito ao reforço ser ou não ser próprio do comportamento que o criou); ou então se são positivos ou negativos. O reforço positivo é um estímulo que tem consequências positivas, agradáveis, e que se segue a um dado comportamento. O reforço negativo é o sujeito que evita uma situação dolorosa. É a eliminação do estímulo que permite evitar a situação dolorosa.
  • 7. Tanto o reforço positivo com o reforço negativo têm as mesmas consequências, como fortalecer, aumentar a ocorrência de um comportamento. Estes dois tipos de reforços aumentam a probabilidade que a resposta ocorra. 11. Explicar a lei do efeito teoria de Thorndike. A lei do efeito é uma das três leis primárias que fazem parte da, formulada no quadro da psicologia de aprendizagem. Consiste nas respostas numa determinada situação que são seguidas por um estado recompensador de eventos. Ao serem fortalecidas, vão-se tornar respostas habituais para aquela situação, enquanto que as respostas que sejam seguidas por um estado desagradável vão ter tendência a enfraquecer. Edward Lee Thorndike estabelece, com a sua lei dos efeitos, as bases para o behaviorismo de Skinner. A lei do efeito caracteriza-se na ideia que todo e qualquer ato que produz satisfação vai-se associar a essa situação. E assim sempre que essa situação se reproduz, a probabilidade de repetição do ato é maior do que anteriormente. A punição e o desprazer não se comparam em absoluto ao efeito positivo da recompensa a uma determinada resposta; o efeito de prazer é, portanto, o que fixa a resposta. Thorndike formulou a lei do efeito, utilizando experiências de "resolução de problemas" com gatos. Esta lei teve um papel essencial nas teorias de aprendizagem e na ciência de comportamento em geral. Assim, pode-se concluir que qualquer comportamento de um organismo vivo tende a repetir-se se existir recompensa assim que ele o emitir. Por outro lado, o comportamento tenderá a não acontecer, se o organismo for castigado após a sua ocorrência.