SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Objetivos Fisica-e-Química - Teste Nº5
 O que é um circuito elétrico?
Um circuito elétrico é um caminho por onde passa a corrente elétrica. É constituído por
um conjunto de componentes ligados uns aos outros e ligados aos pólos de um gerador.
No circuito elétrico há vários componentes:
 Uma fonte de energia elétrica/Gerador – Fornecem energia elétrica ao circuito.
Ex. Pilhas, baterias, dínamos, alternadores, fontes de tensão.
 Recetores de energia elétrica – Recebem energia elétrica do gerador e transformam-na
noutras fontes de energia (sol, luz, calor ou movimento).
Ex. lâmpadas, eletrodomésticos, motores elétricos.
 Fios de ligação: estabelecem ligação entre os elementos do circuito.
 Interruptores que permitem abrir ou fechar o circuito elétrico.
Corrente elétrica: É o movimento orientado de partículas com carga elétrica. Nos metais essas
partículas com carga elétrica são os eletrões. Nos líquidos e nos gases são os iões.
Condutores elétricos: Materiais que conduzem bem a corrente elétrica.
Exemplos: Metais, grafite,água com sal, soluções ácidas.
Isoladores elétricos: Materiais que não conduzem bem a corrente elétrica.
Exemplos: Madeira, plástico, vidro, borracha
Nota 1
 Só há corrente elétrica quando o circuito está fechado.
 Quando se abre o circuito a corrente pára.
Nota2
 Os eletrões movem-se do pólo negativo para o pólo positivo (sentido real da corrente
elétrica).
 O sentido convencional da corrente elétrica é oposta. (Sentido convencional – Do pólo
positivo para o pólo negativo).
Estes electrões fluem do Pólo Negativo para o Pólo Positivo da fonte - Sentido Real da Corrente
Eléctrica. Em Física, convencionou-se que a corrente eléctrica tem o sentido do Pólo Positivo
para o Pólo Negativo da fonte - Sentido Convencional da Corrente Eléctrica.
Sentido Real da Corrente
Sentido do pólo negativo para o pólo positivo da pilha.
Nota3
A grandeza física que mede a energia que um gerador pode fornecer ao circuito é a tensão ou
diferença de potencial (U). A sua unidade no SI é o volt (V).
Milivolt(1mv)=0,001v. Quilovolt (1kv)=1000V
Corrente contínua e corrente alternada
 Corrente contínua: Os eletrões movem-se no mesmo sentido. Simboliza-se por CC,DC ou
(-) Ex. Pilhas e baterias.
 Corrente alternada: Os eletrões mudam de sentido periodicamente. Simboliza-se por CA,
AC ou(~) Ex. Alternadores dos carros e centrais elétricas.
Sentido Convencional da Corrente
Sentido do pólo positivo para o pólo negativo da
pilha.
Circuito I Circuito II
Repara que os componentes dos dois circuitos são os mesmos: 1 pilha, 1 interruptor, 2 lâmpadas,
fios de ligação e crocodilos. Com o mesmo material, podemos construir circuitos diferentes e
com propriedades diferentes.
No circuito I, diz-se que as lâmpadas se encontram ligadas em série (as lâmpadas estão ligadas
em sequência).
No circuito II, diz-se que as lâmpadas estão ligadas em paralelo (a segunda lâmpada encontra-se
ligada aos terminais da primeira).
Circuito em Série
Circuito em Paralelo
 As lâmpadas apenas funcionam simultaneamente;
 Se uma das lâmpadas funde ou é desenroscada, o circuito fica
aberto e a outra lâmpada apaga-se.
 As lâmpadas funcionam de forma independente uma da
outra;
 Se uma das lâmpadas funde ou é desenroscada, a outra
lâmpada continua a brilhar.
Os circuitos representam-se esquematicamente da seguinte forma:
Circuito em Série Circuito em Paralelo
Conclusão:
 Se abrirmos um interruptor:
 Num circuito em série, todas as lâmpadas se apagam;
 Num circuito em paralelo, só as lâmpadas do mesmo ramo do interruptor se apagam;
Conclusão:
 Se uma lâmpada fundir ou for retirada:
 Num circuito em série, todas as outros lâmpadas se apagam;
 Num circuito em paralelo, as lâmpadas dos outros ramos continuam a brilhar
 Se ligarmos várias pilhas em série (ligando
o pólo positivo de uma ao pólo negativo e
assim sucessivamente), a tensão total é a
soma das tensões de cada pilha.
Diferença de Potencial
É possível encontrar à venda vários tipos de pilhas ou baterias diferentes. Para além da diferença
no tamanho, algumas delas apresentam diferença na "voltagem". Por exemplo: Aquilo a que
chamamos habitualmente de "voltagem" é a diferença de potencial (d.d.p.) da pilha ou bateria.
Essa d.d.p. está relacionada com a energia que a pilha ou bateria transfere para as cargas
eléctricas que vão percorrer o circuito.
A unidade SI para a d.d.p. é o Volt, cuja abreviatura é o símbolo V.
Podemos dizer então que a bateria de 12 Volt fornece mais energia às cargas eléctricas de um
circuito do que a pilha de 1,5 Volt.
Ao medir a d.d.p. aos terminais da pilha, o voltímetro regista 3 Volt:
Conclusão:
Num circuito em série, a d.d.p. da fonte de energia (pilha) é igual à soma das d.d.p. dos
receptores de energia (lâmpadas);
d.d.p. pilha = 3 V d.d.p. 1.ª lâmpada + d.d.p. 2.ª lâmpada = 2 + 1 = 3 V
Ao medir a d.d.p. nas lâmpadas,
os resultados obtidos foram os
seguintes:
Considera um circuito eléctrico constituído por 1 pilha de 3 Volt, 1 interruptor e 2 lâmpadas
ligadas em paralelo com a pilha. O material utilizado é o mesmo da actividade anterior:
Conclusão: Num circuito em paralelo como o deste exemplo, a d.d.p. do ramo principal é igual à
d.d.p. em cada um dos outros ramos.
Voltímetros
 Os voltímetros medem a tensão elétrica (u) em volts (V) nos terminais de um gerador ou
dos recetores;
 Os voltímetros instalam-se em paralelo;
Tensão elétrica
Conclusão/Nota:
 Se ligarmos um aparelho a uma tensão elétrica superior à indicada pelo fabricante, esse
aparelho queima imediatamente passado pouco tempo.
 Se ligarmos um aparelho a uma tensão elétrica inferior à indicada pelo fabricante esse
aparelho nunca queima mas não funciona, ou funciona com menor rendimento.
Intensidade de Corrente
A Intensidade de Corrente relaciona-se com o número de electrões que passa numa secção recta
de determinado condutor metálico, por unidade de tempo. Quanto maior o número de electrões a
atravessar o condutor por unidade de tempo, maior a Intensidade de Corrente.
A unidade SI para a Intensidade de Corrente é o Ampere, cuja abreviatura é o símbolo A.
Num circuito eléctrico o amperímetro é sempre ligado em série com o componente:
Ao colocar amperímetros em diversos pontos do circuito, estes apresentaram os valores
indicados em seguida:
Conclusão: Num circuito em série, a Intensidade de Corrente que percorre o circuito é a mesma
em qualquer ponto do circuito.
Intensidade de Corrente em Circuitos em Paralelo
Considera um circuito eléctrico constituido por 1 pilha, 1 interruptor e 2 lâmpadas ligadas em
paralelo com a pilha. O material utilizado é o mesmo da actividade anterior:
Ao colocar amperímetros em diversos pontos do circuito, estes apresentaram os valores
indicados em seguida:
Pode-se então concluir que:
Num circuito em paralelo como o deste exemplo, a Intensidade de Corrente que percorre o ramo
principal divide-se pelos restantes ramos de modo a que a soma das Intensidades de Corrente em
cada ramo seja igual à Intensidade de Corrente no ramo principal;
Intensidade de Corrente 2 + Intensidade de Corrente 3 = 0,5 + 0,3 = 0,8A
Intensidade de Corrente 1 = Intensidade de Corrente 4 = 0,8A
Resistência elétrica
A corrente eléctrica é um fluxo de electrões que se movimentam ao longo de determinado
material. Ao longo do seu movimento, os electrões chocam constantemente com os átomos do
material condutor. Estes átomos opõem-se à sua passagem. Assim:
Há materiais bons condutores de corrente eléctrica, não oferecem grande resistência à passagem
dos electrões;
Há materiais maus condutores de corrente eléctrica (Isoladores), que oferecem grande resistência
à passagem dos electrões
A Resistência eléctrica oferecida por determinado condutor não depende apenas do tipo de
material de que este é constituído. Também depende...
... do comprimento do condutor
Quanto maior o comprimento, maior a Resistência que o condutor oferece à passagem da
corrente eléctrica.
... da espessura do condutor
Quanto maior a espessura, menor a Resistência que o condutor oferece à passagem da corrente
eléctrica.
Num condutor em funcionamento num circuito eléctrico pode ser determinada se conhecermos a
Diferença de Potencial aos terminais do condutor e a Intensidade dse Corrente Eléctrica que o
atravessa. A Resistência Eléctrica pode ser determinada da seguinte forma:
Para obteres a Resistência Eléctrica em Ohm (Ω), a Diferença de Potencial deve ser convertida a
Volt (V) e a Intensidade de Corrente a Ampere (A). Considera o seguinte exemplo:
Neste caso, a Resistência Eléctrica pode ser calculada da seguinte forma:
A Resistência Eléctrica deste condutor é de 3 Ω.
Condutores Óhmicos e Não -Óhmicos
Há materiais que mantém sempre o mesmo valor de resistência, qualquer que seja a Diferença de
Potencial aos seus terminais e a Intensidade de Corrente que os atravessa. A estes chamamos de
Condutores Óhmicos ou Lineares.
Por outro lado, há materiais cujo valor de resistência varia, consoante a Diferença de Potencial
aos seus terminais e a Intensidade de Corrente que os atravessa. A estes chamamos de
Condutores Não-Óhmicos.
Lei de Ohm - Condutores Óhmicos
A Lei de Ohm permite identificar um condutor Óhmico. Diz o seguinte:
" A Diferença de Potencial nos terminais de qualquer condutor metálico filiforme e homogéneo,
a temperatura constante, é directamente proporcional à Intensidade de Corrente que o percorre. "
Ou seja, para um condutor ser Óhmico, nas condições referidas, deve apresentar uma relação de
proporcionalidade directa entre a Diferença de Potencial aos seus terminais e a Intensidade de
Corrente que o atravessa. Essa relação de proporcionalidade directa indica-nos que a Resistência
Eléctrica é sempre constante. A representação gráfica da Diferença de Potencial em função da
Intensidade de Corrente será uma recta a passar na origem das posições:
Condutores Não-Óhmicos
Um condutor Não-Óhmico apresenta, tal como já foi dito, diferentes valores de Resistência
Eléctrica, consoante a Diferença de Potencial aos seus terminais e a Intensidade de Corrente que
o atravessa. Nesse caso, não há proporcionalidade directa entre a Diferença de Potencial aos
terminais do condutor e a Intensidade de Corrente que o percorre. A representação gráfica da
Diferença de Potencial em função da Intensidade de Corrente já não é uma recta a passar na
origem das posições. Pode ser, por exemplo:
Potência Eléctrica
A Potência de um componente eléctrico indica-nos a quantidade de energia gasta por unidade de
tempo por esse componente A unidade de Sistema Internaciona SI para a potência é o Watt (W).
Para determinar a potência eléctrica de um componente eléctrico em funcionamento num
circuito, é necessário conhecer a Diferença de Potencial (U) aos seus terminais e a Intensidade de
Corrente (I) que o atravessa. Para calcular a potência basta multiplicar a Diferença de Potencial
(U) pela Intensidade de Corrente:
Potência = Diferença de Potencial x Intensidade de Corrente
ou
P = U x I
Considera o exemplo seguinte:
Sabendo que a Diferença de Potencial aos terminais da lâmpada é de 3 V, e a Intensidade de
COrrente que a percorre é de 0,5 A, a potência eléctrica da lâmpada será:
P = U x I ⟺
P = 3 x 0,5 ⟺
P = 1,5 W
A Potência eléctrica da lâmpada é de 1,5 W, ou seja, a cada segundo que passa a lâmpada
consome 1,5 Joule de Energia.
Energia
Uma vez que a Potência eléctrica nos informa sobre a quantidade de energia consumida por
unidade de tempo, para calcular a energia(E) consumida por um condutor precisamos de saber
durante quanto tempo (t) este esteve em funcionamento e qual a sua potência (P). Assim:
E = P x t
ou
E = U x I x t
Considera o exemplo anterior e admite que a lâmpada funcionou durante 10 segundos.
A energia consumida pela lâmpada nos 10 segundos de funcionamento calcula-se da seguinte
forma:
E = U x I x t ⟺
E = 3 x 0,5 x 10 ⟺
E = 15 J

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Circuitos electricos 9º ano, Fisica
Circuitos electricos 9º ano, FisicaCircuitos electricos 9º ano, Fisica
Circuitos electricos 9º ano, FisicaYolanda Maria
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoralmanjosp
 
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º AnoVitor Perfeito
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioLuís Reguengo
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosdomplex123
 
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)Nuno Correia
 
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências NaturaisTeoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturaisandygracolas
 
Tipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleraçãoTipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleraçãoPiedade Alves
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...Hugo Martins
 
5 moc - características da imagem
5   moc - características da imagem5   moc - características da imagem
5 moc - características da imagemMina Covas
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades InternasTânia Reis
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 
Ppt 19 Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos ...
Ppt 19    Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos  ...Ppt 19    Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos  ...
Ppt 19 Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos ...Nuno Correia
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosTânia Baptista
 
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoResumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoVitor Perfeito
 

Mais procurados (20)

Circuitos electricos 9º ano, Fisica
Circuitos electricos 9º ano, FisicaCircuitos electricos 9º ano, Fisica
Circuitos electricos 9º ano, Fisica
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e Secundário
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
 
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências NaturaisTeoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
 
8 sismologia
8   sismologia8   sismologia
8 sismologia
 
Tipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleraçãoTipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleração
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
 
5 moc - características da imagem
5   moc - características da imagem5   moc - características da imagem
5 moc - características da imagem
 
Teste crónica
Teste crónicaTeste crónica
Teste crónica
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades Internas
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
Ppt 19 Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos ...
Ppt 19    Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos  ...Ppt 19    Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos  ...
Ppt 19 Compreender A Estrutura E A DinâMica Da Terra (MéTodos Indirectos ...
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricos
 
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoResumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
 

Semelhante a Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5

Trabalho físico química 9º ano
Trabalho físico química 9º anoTrabalho físico química 9º ano
Trabalho físico química 9º anoanafilipacunha
 
Tensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptx
Tensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptxTensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptx
Tensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptxLuizHenrique772524
 
Circuito elétrico
Circuito elétricoCircuito elétrico
Circuito elétricodeigojsm
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaJosé Albuquerque
 
Eletricidade Basica.ppt
Eletricidade Basica.pptEletricidade Basica.ppt
Eletricidade Basica.pptFabioFarias29
 
Eletricidade Basica (3).ppt
Eletricidade Basica (3).pptEletricidade Basica (3).ppt
Eletricidade Basica (3).pptJooGabrielMaia2
 
Conceitos básicos de Eletricidade Basica
Conceitos básicos de Eletricidade BasicaConceitos básicos de Eletricidade Basica
Conceitos básicos de Eletricidade BasicaWagnerSantiago2
 
Eletricidade Basica.pdf
Eletricidade Basica.pdfEletricidade Basica.pdf
Eletricidade Basica.pdfMarcio Carmona
 
Aula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.ppt
Aula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.pptAula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.ppt
Aula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.pptlatinobom
 
Eletricidade Basica para o ensino médio e técnico
Eletricidade Basica para o ensino médio e técnicoEletricidade Basica para o ensino médio e técnico
Eletricidade Basica para o ensino médio e técnicoAdemarNeto18
 
Corrente Elétrica e Lei de Ohm.pptx
Corrente Elétrica e Lei de Ohm.pptxCorrente Elétrica e Lei de Ohm.pptx
Corrente Elétrica e Lei de Ohm.pptxThierry379309
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005Santos de Castro
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005Santos de Castro
 

Semelhante a Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5 (20)

Trabalho físico química 9º ano
Trabalho físico química 9º anoTrabalho físico química 9º ano
Trabalho físico química 9º ano
 
Tensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptx
Tensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptxTensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptx
Tensão, Corrente e Resistencia Elétrica.pptx
 
Circuito elétrico
Circuito elétricoCircuito elétrico
Circuito elétrico
 
ELETRODINÂMICA.ppt
ELETRODINÂMICA.pptELETRODINÂMICA.ppt
ELETRODINÂMICA.ppt
 
Apostila de eletricidade básica
Apostila de eletricidade básica Apostila de eletricidade básica
Apostila de eletricidade básica
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
 
Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1 Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1
 
Eletricidade basica
Eletricidade basicaEletricidade basica
Eletricidade basica
 
Eletricidade basica
Eletricidade basicaEletricidade basica
Eletricidade basica
 
Eletricidade Basica.ppt
Eletricidade Basica.pptEletricidade Basica.ppt
Eletricidade Basica.ppt
 
Eletricidade Basica (3).ppt
Eletricidade Basica (3).pptEletricidade Basica (3).ppt
Eletricidade Basica (3).ppt
 
Eletricidade Basica.ppt
Eletricidade Basica.pptEletricidade Basica.ppt
Eletricidade Basica.ppt
 
Conceitos básicos de Eletricidade Basica
Conceitos básicos de Eletricidade BasicaConceitos básicos de Eletricidade Basica
Conceitos básicos de Eletricidade Basica
 
Eletricidade Basica.pdf
Eletricidade Basica.pdfEletricidade Basica.pdf
Eletricidade Basica.pdf
 
Aula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.ppt
Aula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.pptAula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.ppt
Aula sobre Eletricidade Básica no Ensino Médio.ppt
 
Eletricidade Basica para o ensino médio e técnico
Eletricidade Basica para o ensino médio e técnicoEletricidade Basica para o ensino médio e técnico
Eletricidade Basica para o ensino médio e técnico
 
Eletricidade basica
Eletricidade basicaEletricidade basica
Eletricidade basica
 
Corrente Elétrica e Lei de Ohm.pptx
Corrente Elétrica e Lei de Ohm.pptxCorrente Elétrica e Lei de Ohm.pptx
Corrente Elétrica e Lei de Ohm.pptx
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
 
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 20052 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
2 C NoçõEs De Eletricidade 13 11 2005
 

Mais de Maria Freitas

The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...Maria Freitas
 
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
 “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg... “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...Maria Freitas
 
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»Maria Freitas
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Maria Freitas
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Maria Freitas
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)Maria Freitas
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)Maria Freitas
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Maria Freitas
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)Maria Freitas
 
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º AnoLista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º AnoMaria Freitas
 
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)Maria Freitas
 
Doenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoDoenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoMaria Freitas
 
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Maria Freitas
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauMaria Freitas
 
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodoObjetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodoMaria Freitas
 
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodoMaria Freitas
 
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodoMaria Freitas
 
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodoObjetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodoMaria Freitas
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)Maria Freitas
 

Mais de Maria Freitas (20)

The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
The Virgin Suicides - "Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first perso...
 
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
 “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg... “Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
“Why does Jeffrey Eugenides’ narrate in the first person plural?” - The Virg...
 
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
Trabalho de TIC - «Os Perigos da Internet»
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº1 (10ºAno)
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
Objetivos Psicologia - Teste Nº4 (12ºAno)
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº3 (9ºAno)
 
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º AnoLista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
Lista de Objetivos N.º 1 - Ciências Naturais 9.º Ano
 
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
Métodos Contracetivos Não Naturais Químicos (Guião)
 
Doenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoDoenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema Nervoso
 
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)Análise Poema - A Última Nau (Guião)
Análise Poema - A Última Nau (Guião)
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodoObjetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
Objetivos de História - 5º Teste - 3ºPeríodo
 
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
 
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 3ºTeste - 2ºPeríodo
 
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodoObjetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
 
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
Objetivos de Geografia - Teste Nº4 (9ºAno)
 

Último

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 

Objetivos Fisica e Quimica 3ºperíodo - teste nº5

  • 1. Objetivos Fisica-e-Química - Teste Nº5  O que é um circuito elétrico? Um circuito elétrico é um caminho por onde passa a corrente elétrica. É constituído por um conjunto de componentes ligados uns aos outros e ligados aos pólos de um gerador. No circuito elétrico há vários componentes:  Uma fonte de energia elétrica/Gerador – Fornecem energia elétrica ao circuito. Ex. Pilhas, baterias, dínamos, alternadores, fontes de tensão.  Recetores de energia elétrica – Recebem energia elétrica do gerador e transformam-na noutras fontes de energia (sol, luz, calor ou movimento). Ex. lâmpadas, eletrodomésticos, motores elétricos.  Fios de ligação: estabelecem ligação entre os elementos do circuito.  Interruptores que permitem abrir ou fechar o circuito elétrico. Corrente elétrica: É o movimento orientado de partículas com carga elétrica. Nos metais essas partículas com carga elétrica são os eletrões. Nos líquidos e nos gases são os iões. Condutores elétricos: Materiais que conduzem bem a corrente elétrica. Exemplos: Metais, grafite,água com sal, soluções ácidas. Isoladores elétricos: Materiais que não conduzem bem a corrente elétrica. Exemplos: Madeira, plástico, vidro, borracha Nota 1  Só há corrente elétrica quando o circuito está fechado.  Quando se abre o circuito a corrente pára. Nota2  Os eletrões movem-se do pólo negativo para o pólo positivo (sentido real da corrente elétrica).  O sentido convencional da corrente elétrica é oposta. (Sentido convencional – Do pólo positivo para o pólo negativo).
  • 2. Estes electrões fluem do Pólo Negativo para o Pólo Positivo da fonte - Sentido Real da Corrente Eléctrica. Em Física, convencionou-se que a corrente eléctrica tem o sentido do Pólo Positivo para o Pólo Negativo da fonte - Sentido Convencional da Corrente Eléctrica. Sentido Real da Corrente Sentido do pólo negativo para o pólo positivo da pilha. Nota3 A grandeza física que mede a energia que um gerador pode fornecer ao circuito é a tensão ou diferença de potencial (U). A sua unidade no SI é o volt (V). Milivolt(1mv)=0,001v. Quilovolt (1kv)=1000V Corrente contínua e corrente alternada  Corrente contínua: Os eletrões movem-se no mesmo sentido. Simboliza-se por CC,DC ou (-) Ex. Pilhas e baterias.  Corrente alternada: Os eletrões mudam de sentido periodicamente. Simboliza-se por CA, AC ou(~) Ex. Alternadores dos carros e centrais elétricas. Sentido Convencional da Corrente Sentido do pólo positivo para o pólo negativo da pilha.
  • 3. Circuito I Circuito II Repara que os componentes dos dois circuitos são os mesmos: 1 pilha, 1 interruptor, 2 lâmpadas, fios de ligação e crocodilos. Com o mesmo material, podemos construir circuitos diferentes e com propriedades diferentes. No circuito I, diz-se que as lâmpadas se encontram ligadas em série (as lâmpadas estão ligadas em sequência). No circuito II, diz-se que as lâmpadas estão ligadas em paralelo (a segunda lâmpada encontra-se ligada aos terminais da primeira). Circuito em Série Circuito em Paralelo  As lâmpadas apenas funcionam simultaneamente;  Se uma das lâmpadas funde ou é desenroscada, o circuito fica aberto e a outra lâmpada apaga-se.  As lâmpadas funcionam de forma independente uma da outra;  Se uma das lâmpadas funde ou é desenroscada, a outra lâmpada continua a brilhar.
  • 4. Os circuitos representam-se esquematicamente da seguinte forma: Circuito em Série Circuito em Paralelo Conclusão:  Se abrirmos um interruptor:  Num circuito em série, todas as lâmpadas se apagam;  Num circuito em paralelo, só as lâmpadas do mesmo ramo do interruptor se apagam; Conclusão:  Se uma lâmpada fundir ou for retirada:  Num circuito em série, todas as outros lâmpadas se apagam;  Num circuito em paralelo, as lâmpadas dos outros ramos continuam a brilhar  Se ligarmos várias pilhas em série (ligando o pólo positivo de uma ao pólo negativo e assim sucessivamente), a tensão total é a soma das tensões de cada pilha.
  • 5. Diferença de Potencial É possível encontrar à venda vários tipos de pilhas ou baterias diferentes. Para além da diferença no tamanho, algumas delas apresentam diferença na "voltagem". Por exemplo: Aquilo a que chamamos habitualmente de "voltagem" é a diferença de potencial (d.d.p.) da pilha ou bateria. Essa d.d.p. está relacionada com a energia que a pilha ou bateria transfere para as cargas eléctricas que vão percorrer o circuito. A unidade SI para a d.d.p. é o Volt, cuja abreviatura é o símbolo V. Podemos dizer então que a bateria de 12 Volt fornece mais energia às cargas eléctricas de um circuito do que a pilha de 1,5 Volt. Ao medir a d.d.p. aos terminais da pilha, o voltímetro regista 3 Volt: Conclusão: Num circuito em série, a d.d.p. da fonte de energia (pilha) é igual à soma das d.d.p. dos receptores de energia (lâmpadas); d.d.p. pilha = 3 V d.d.p. 1.ª lâmpada + d.d.p. 2.ª lâmpada = 2 + 1 = 3 V Ao medir a d.d.p. nas lâmpadas, os resultados obtidos foram os seguintes:
  • 6. Considera um circuito eléctrico constituído por 1 pilha de 3 Volt, 1 interruptor e 2 lâmpadas ligadas em paralelo com a pilha. O material utilizado é o mesmo da actividade anterior: Conclusão: Num circuito em paralelo como o deste exemplo, a d.d.p. do ramo principal é igual à d.d.p. em cada um dos outros ramos. Voltímetros  Os voltímetros medem a tensão elétrica (u) em volts (V) nos terminais de um gerador ou dos recetores;  Os voltímetros instalam-se em paralelo; Tensão elétrica Conclusão/Nota:  Se ligarmos um aparelho a uma tensão elétrica superior à indicada pelo fabricante, esse aparelho queima imediatamente passado pouco tempo.  Se ligarmos um aparelho a uma tensão elétrica inferior à indicada pelo fabricante esse aparelho nunca queima mas não funciona, ou funciona com menor rendimento.
  • 7. Intensidade de Corrente A Intensidade de Corrente relaciona-se com o número de electrões que passa numa secção recta de determinado condutor metálico, por unidade de tempo. Quanto maior o número de electrões a atravessar o condutor por unidade de tempo, maior a Intensidade de Corrente. A unidade SI para a Intensidade de Corrente é o Ampere, cuja abreviatura é o símbolo A. Num circuito eléctrico o amperímetro é sempre ligado em série com o componente: Ao colocar amperímetros em diversos pontos do circuito, estes apresentaram os valores indicados em seguida: Conclusão: Num circuito em série, a Intensidade de Corrente que percorre o circuito é a mesma em qualquer ponto do circuito.
  • 8. Intensidade de Corrente em Circuitos em Paralelo Considera um circuito eléctrico constituido por 1 pilha, 1 interruptor e 2 lâmpadas ligadas em paralelo com a pilha. O material utilizado é o mesmo da actividade anterior: Ao colocar amperímetros em diversos pontos do circuito, estes apresentaram os valores indicados em seguida: Pode-se então concluir que: Num circuito em paralelo como o deste exemplo, a Intensidade de Corrente que percorre o ramo principal divide-se pelos restantes ramos de modo a que a soma das Intensidades de Corrente em cada ramo seja igual à Intensidade de Corrente no ramo principal; Intensidade de Corrente 2 + Intensidade de Corrente 3 = 0,5 + 0,3 = 0,8A Intensidade de Corrente 1 = Intensidade de Corrente 4 = 0,8A
  • 9. Resistência elétrica A corrente eléctrica é um fluxo de electrões que se movimentam ao longo de determinado material. Ao longo do seu movimento, os electrões chocam constantemente com os átomos do material condutor. Estes átomos opõem-se à sua passagem. Assim: Há materiais bons condutores de corrente eléctrica, não oferecem grande resistência à passagem dos electrões; Há materiais maus condutores de corrente eléctrica (Isoladores), que oferecem grande resistência à passagem dos electrões A Resistência eléctrica oferecida por determinado condutor não depende apenas do tipo de material de que este é constituído. Também depende... ... do comprimento do condutor Quanto maior o comprimento, maior a Resistência que o condutor oferece à passagem da corrente eléctrica.
  • 10. ... da espessura do condutor Quanto maior a espessura, menor a Resistência que o condutor oferece à passagem da corrente eléctrica. Num condutor em funcionamento num circuito eléctrico pode ser determinada se conhecermos a Diferença de Potencial aos terminais do condutor e a Intensidade dse Corrente Eléctrica que o atravessa. A Resistência Eléctrica pode ser determinada da seguinte forma: Para obteres a Resistência Eléctrica em Ohm (Ω), a Diferença de Potencial deve ser convertida a Volt (V) e a Intensidade de Corrente a Ampere (A). Considera o seguinte exemplo: Neste caso, a Resistência Eléctrica pode ser calculada da seguinte forma: A Resistência Eléctrica deste condutor é de 3 Ω.
  • 11. Condutores Óhmicos e Não -Óhmicos Há materiais que mantém sempre o mesmo valor de resistência, qualquer que seja a Diferença de Potencial aos seus terminais e a Intensidade de Corrente que os atravessa. A estes chamamos de Condutores Óhmicos ou Lineares. Por outro lado, há materiais cujo valor de resistência varia, consoante a Diferença de Potencial aos seus terminais e a Intensidade de Corrente que os atravessa. A estes chamamos de Condutores Não-Óhmicos. Lei de Ohm - Condutores Óhmicos A Lei de Ohm permite identificar um condutor Óhmico. Diz o seguinte: " A Diferença de Potencial nos terminais de qualquer condutor metálico filiforme e homogéneo, a temperatura constante, é directamente proporcional à Intensidade de Corrente que o percorre. " Ou seja, para um condutor ser Óhmico, nas condições referidas, deve apresentar uma relação de proporcionalidade directa entre a Diferença de Potencial aos seus terminais e a Intensidade de Corrente que o atravessa. Essa relação de proporcionalidade directa indica-nos que a Resistência Eléctrica é sempre constante. A representação gráfica da Diferença de Potencial em função da Intensidade de Corrente será uma recta a passar na origem das posições: Condutores Não-Óhmicos Um condutor Não-Óhmico apresenta, tal como já foi dito, diferentes valores de Resistência Eléctrica, consoante a Diferença de Potencial aos seus terminais e a Intensidade de Corrente que o atravessa. Nesse caso, não há proporcionalidade directa entre a Diferença de Potencial aos terminais do condutor e a Intensidade de Corrente que o percorre. A representação gráfica da Diferença de Potencial em função da Intensidade de Corrente já não é uma recta a passar na origem das posições. Pode ser, por exemplo:
  • 12. Potência Eléctrica A Potência de um componente eléctrico indica-nos a quantidade de energia gasta por unidade de tempo por esse componente A unidade de Sistema Internaciona SI para a potência é o Watt (W). Para determinar a potência eléctrica de um componente eléctrico em funcionamento num circuito, é necessário conhecer a Diferença de Potencial (U) aos seus terminais e a Intensidade de Corrente (I) que o atravessa. Para calcular a potência basta multiplicar a Diferença de Potencial (U) pela Intensidade de Corrente: Potência = Diferença de Potencial x Intensidade de Corrente ou P = U x I Considera o exemplo seguinte: Sabendo que a Diferença de Potencial aos terminais da lâmpada é de 3 V, e a Intensidade de COrrente que a percorre é de 0,5 A, a potência eléctrica da lâmpada será: P = U x I ⟺ P = 3 x 0,5 ⟺ P = 1,5 W A Potência eléctrica da lâmpada é de 1,5 W, ou seja, a cada segundo que passa a lâmpada consome 1,5 Joule de Energia.
  • 13. Energia Uma vez que a Potência eléctrica nos informa sobre a quantidade de energia consumida por unidade de tempo, para calcular a energia(E) consumida por um condutor precisamos de saber durante quanto tempo (t) este esteve em funcionamento e qual a sua potência (P). Assim: E = P x t ou E = U x I x t Considera o exemplo anterior e admite que a lâmpada funcionou durante 10 segundos. A energia consumida pela lâmpada nos 10 segundos de funcionamento calcula-se da seguinte forma: E = U x I x t ⟺ E = 3 x 0,5 x 10 ⟺ E = 15 J