SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA e
BIZANTINA
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
 Quando o cristianismo
é perseguido no
Império Romano, os
cristãos se refugiam
nas
catacumbas(túmulos
subterrâneos) para a
realização de seus
cultos.Servindo a fé,
Criam uma arte
própria,feita
sobretudo, de
símbolos.
Catacumbas cristãs, Roma
A arquitetura paleocristã foi
simples e caracterizada pela
simbologia das passagens da
Bíblia. Destacamos numa primeira
fase catacumbas e cemitérios
subterrâneos em Roma para
celebração de cultos cristãos.
Ainda hoje podemos visitar as
catacumbas de Santa Domitila e
Santa Priscila. Com a legalização
do Cristianismo, surgem as
basílicas, edificações enormes
com 3 naves e um portão
principal na fachada, destinadas
ao comércio e assuntos judiciais.
Com o fim da perseguição aos
cristãos, os romanos cederam
algumas basílicas para os cultos
cristãos. As basílicas cristãs foram
revestidas com mosaicos
contando passagens do Antigo e
Novo Testamento. Os mausoléus e
sarcófagos, utilizados pelos mais
ricos, também receberam esse
mesmo material.
A pintura paleo-cristã é bastante escassa e totalmente
simbólica. Restaram alguns afrescos, encontrados nos muros
das catacumbas; seus temas eram sempre baseados no
Cristianismo, podiam representar orações, figuras humanas e
de animais, símbolos cristãos e passagens dos Evangelhos e
cenas típicas da vida religiosa da época.
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
Cristo e os apóstolos. Catacumba de
Santa Domitilla.
O Orante. Catacumba de Priscila.
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
NERO: proíbe o cristianismo e
por sua vez, persegue os
cristãos, que manifestavam a
sua fé em locais mais afastados.
CATACUMBAS: galerias
subterrâneas, onde eram
enterrados os mortos e onde os
cristãos puderam manifestar a
sua fé, desenhando símbolos
referentes a vida de Cristo.
Catacumbas de São Calisto.
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
• A cruz - símbolo do sacrifício de Cristo;
• A palma - símbolo do martírio;
Inicialmente as pinturas representavam os símbolos
cristãos
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
• A âncora - símbolo da salvação;
• O peixe - símbolo
preferido dos cristãos,
pois as letras da palavra
peixe em grego (ichtys)
coincidem com a letra
inicial de cada uma das
palvras da expressão
“Iesous Christos, Theou
Yios, Soter”, que
significa: “Jesus Cristo,
Filho de Deus,
Salvador”.O Peixe. Catacumba de São Calisto.
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
Mais tarde, as pinturas evoluíram e passaram a
representar cenas do antigo e novo testamento.
O Bom Pastor.
Catacumba de
Santa Priscila.
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
• Em 313, Constantino permite o Cristianismo.
• Em 391, Teodósio o oficializa, tornando-o a religião
oficial do Império.
ARTE CRISTÃ PRIMITIVA
Toda Arte Cristã Primitiva, primeiramente tosca e simples
nas catacumbas e depois mais rica e amadurecida,
prenuncia as mudanças que marcarão uma nova época
na história da humanidade.
ARTE BIZANTINA
TEODÓSIO DIVIDE
O IMPÉRIO
ROMANO
Império Romano
do Ocidente
Império Romano
do Oriente
Capital: Roma Capital: Constantinopla
ARTE BIZANTINA
Roma: sofreu várias invasões bárbaras, em 476 os
invasores tomaram o poder (queda do império Romano)
finalizando a Antigüidade iniciando a Idade Média.
Constantinopla: localizada em Bizâncio, antiga colônia
grega sofreu influências da arte desse povo, assim como,
da arte oriental. Bizantino é uma derivação de Bizâncio.
ARTE BIZANTINA
 A Arte Bizantina possuía um caráter majestoso que
exprimia poder e riqueza
 Tinha o objetivo de expressar a autoridade absoluta do
Imperador, considerado sagrado, representante de Deus,
com poderes temporais e espirituais.
ARTE BIZANTINA
CONVENÇÕES
Lei da
Frontalidade: a
postura rígida
das figuras
levava ao
observador
respeito e
veneração pelo
personagem
retratado.
ARTE BIZANTINA
CONVESÕES
Troca dos elementos
caracterizadores dos
personagens.
ARTE BIZANTINA
Pessoas
Sagradas,
retratadas como
Oficiais e
Imperadores.
Ou a retratação
inversa.
ARTE BIZANTINA
 O Bizantino destaca-se pela
perfeição. Isto pode ser
percebido na arquitetura, através
da Igreja de Santa Sofia, que
contém uma cúpula sobre uma
planta quadrada, composta por
arcos, absides e colunas com
capitéis coríntios.
ARTE BIZANTINA
E a igreja de São
Vital em Ravena,
que possui planta
octogonal.
ARTE BIZANTINA
MOSAICOS
Composição plástica, feita sobre uma superfície de gesso
ou argamassa, onde eram colocados lado a lado,
pequenos pedaços de pedras coloridas ou preciosas.
ARTE BIZANTINA
MOSAICOS
 Descrição da técnica: o
desenho era feito e mais
tarde recebia pedras
coloridas, que por sua
vez eram fixadas com
uma solução de cal, areia
e óleo.
ARTE BIZANTINA
Revestiam uma superfície de metal,
ou madeira, com uma camada
dourada. Pintavam com dois tipos
de pigmentos: Têmpera e
Encáustica. Depois de concluída; a
pintura era raspada com um objeto
de metal, que deixava à mostra
algumas partes do fundo dourado,
com o objetivo de dar movimento e
volume às imagens.
ICONES (IMAGENS)
De inspiração oriental,
representavam figuras sagradas e
passagens bíblicas.
ARTE BIZANTINA
 TÊMPERA: pigmentos em pó,
misturados a uma goma
orgânica, geralmente a gema de
ovo, para facilitar a fixação das
cores à superfície dos objetos
pintados, possui uma aparência
brilhante e luminosa.
 ENCÁUSTICA: pigmentos em
pó, diluídos em cera derretida e
aquecida na hora da pintura.
Possuía aspecto semifosco.
IMAGENS
A Virgem e o Menino entre
São Teodoro e São Jorge
Catacumba de
Comodilla
Catacumba de São
Marcellino e Peter
A Virgem com o filho e
um Profeta, pintada na
Catacumba de Santa
Priscila, Roma
O Bom Pastor, centro do Teto do “Velatio” Cubículo –
Catacumba de Priscila
Catacumba de Priscila
Catacumba da Via Latina
Catacumba de Via Latina
Catacumba da Via Latina
Catacumba de Domitilla – O banquete da Anunciação
Catacumba de São Marcellino e Peter
Detalhe
Jonas indo para o mar – catacumba de São Marcellino
Símbolos: o peixe e o pão
Símbolos - Âncora
Símbolos – Alfa e omega
Símbolos - Fênix
Mausoléu de Gala Plácida
Interior do Mausoléu de
Gala Plácida
Teto de Gala
Plácida
Catacumba de Via Latina
Santa Maria A Maior –
reconstruída - Espanha
Mosaicos – Santa Maria A Maior
Mosaicos – Santa Maria A Maior
Santa Constanza
Santa Constanza
Detalhe de Santa Constan
Detalhe de Santa Constanza
Igreja de São Lourenço de Milão
Interior
Santa Agnes
Interior Santa Agnes
Santa Pudenziana
Catacumba de Santa Pudenziana
St Setefano Rotondo
Interior de St Setefano Rotondo
Interior de St Setefano Rotondo
Mausoléu de Teodoric - Ravenna
A escultura se destaca mais por
seu significado e simbolismo do
que pelas formas e é encontrada
nos sarcófagos. Baixos relevos de
pouca qualidade transmitem a
espiritualidade. Suas figuras dão
ênfase às cabeças, que seriam
para eles o centro da
espiritualidade. Existem poucas
estátuas e quase sempre
representavam o Bom Pastor. As
decorações dos sarcófagos
compreendiam cenas em
seqüência, personagens entre
colunas e um medalhão central.
Relevos
Relevos de um Sarcófago – Cenas do Antigo e Novo
Testamento
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Silmara Nogueira
 
Arquitetura Brasileira
Arquitetura BrasileiraArquitetura Brasileira
Arquitetura Brasileira
CEF16
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
Rafael Lucas da Silva
 
Arte primitiva
Arte primitivaArte primitiva
Arte primitiva
Veridiana Rengel
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
cattonia
 
Arquitetura Religiosa
Arquitetura ReligiosaArquitetura Religiosa
Arquitetura Religiosa
ELKA PORCIÚNCULA
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
Sandro Bottene
 
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval -  Românica, Bizantina e GóticaArte Medieval -  Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Andrea Dressler
 
Arquitetura bizantina
Arquitetura bizantinaArquitetura bizantina
Arquitetura bizantina
Doug Caesar
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
Carla Camuso
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Carla Camuso
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
A arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmiaA arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmia
Daniella Cincoetti
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
zildagomesk
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Andrea Dressler
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Andrea Dressler
 
Império Bizantino - 6º ano
Império Bizantino - 6º anoImpério Bizantino - 6º ano
Império Bizantino - 6º ano
Lu Rebordosa
 
Arte paleocristã
Arte paleocristãArte paleocristã
Arte paleocristã
Sandro Bottene
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Mais procurados (20)

Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arquitetura Brasileira
Arquitetura BrasileiraArquitetura Brasileira
Arquitetura Brasileira
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
 
Arte primitiva
Arte primitivaArte primitiva
Arte primitiva
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Arquitetura Religiosa
Arquitetura ReligiosaArquitetura Religiosa
Arquitetura Religiosa
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval -  Românica, Bizantina e GóticaArte Medieval -  Românica, Bizantina e Gótica
Arte Medieval - Românica, Bizantina e Gótica
 
Arquitetura bizantina
Arquitetura bizantinaArquitetura bizantina
Arquitetura bizantina
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
A arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmiaA arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmia
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
 
Império Bizantino - 6º ano
Império Bizantino - 6º anoImpério Bizantino - 6º ano
Império Bizantino - 6º ano
 
Arte paleocristã
Arte paleocristãArte paleocristã
Arte paleocristã
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 

Destaque

Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Geovane Albertino
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
lucfabbr
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
angeldenis21
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
Edilene Ruth Pereira
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
Carla Teixeira
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura FlamengaAntonio
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
Rainha Maga
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
Carlos Vieira
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Jorge Almeida
 

Destaque (20)

Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 

Semelhante a HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA

Arte cristã primitiva
Arte cristã primitivaArte cristã primitiva
Arte cristã primitiva
Grazi Schemes
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
Marcio Duarte
 
História da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte MedievalHistória da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte Medieval
Raphael Lanzillotte
 
Dokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasilDokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasil
YvesLunn
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
CEF16
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
CEF16
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
CEF16
 
A10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEIA10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEI
Camila
 
Arte bizantina2019
Arte bizantina2019Arte bizantina2019
Arte bizantina2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Cristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico Arquietura
Cristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico ArquieturaCristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico Arquietura
Cristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico Arquietura
Sheila Bogéa
 
Arte Cristã Primitiva.pptx
Arte Cristã Primitiva.pptxArte Cristã Primitiva.pptx
Arte Cristã Primitiva.pptx
AnneLemes
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
Aline Raposo
 
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
LuanyChristina2
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
Arte Educadora
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2aAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a
Lila Donato
 
Aula Arte Bizantina - Ensino Fundamental II
Aula Arte Bizantina - Ensino Fundamental IIAula Arte Bizantina - Ensino Fundamental II
Aula Arte Bizantina - Ensino Fundamental II
washingtondrivearte
 
ARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTE
ARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTEARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTE
ARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTE
Beto Cavalcante
 
Um percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de Assis
Um percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de AssisUm percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de Assis
Um percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de Assis
Museu Arquidiocesano de Arte Sacra do Rio de Janeiro
 

Semelhante a HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA (20)

Arte cristã primitiva
Arte cristã primitivaArte cristã primitiva
Arte cristã primitiva
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
 
História da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte MedievalHistória da Arte: Arte Medieval
História da Arte: Arte Medieval
 
Dokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasilDokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasil
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
A10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEIA10 artepaleocristã_HARTEI
A10 artepaleocristã_HARTEI
 
Arte bizantina2019
Arte bizantina2019Arte bizantina2019
Arte bizantina2019
 
Cristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico Arquietura
Cristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico ArquieturaCristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico Arquietura
Cristà Primitiva, Bizantino, RomÂnico E GÓtico Arquietura
 
Arte Cristã Primitiva.pptx
Arte Cristã Primitiva.pptxArte Cristã Primitiva.pptx
Arte Cristã Primitiva.pptx
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
 
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
ARTE BIZANTINA.pptx.....................................
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2aAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2a
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2a
 
Aula Arte Bizantina - Ensino Fundamental II
Aula Arte Bizantina - Ensino Fundamental IIAula Arte Bizantina - Ensino Fundamental II
Aula Arte Bizantina - Ensino Fundamental II
 
ARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTE
ARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTEARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTE
ARTE PALEOCRISTÃ E ARTE BIZANTINA, DA ALTA IDADE MÉDIA DO ORIENTE
 
Um percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de Assis
Um percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de AssisUm percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de Assis
Um percurso pela arte cristã - A mística de São Francisco de Assis
 

Mais de Carlos Benjoino Bidu

Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04
Carlos Benjoino Bidu
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03
Carlos Benjoino Bidu
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Carlos Benjoino Bidu
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Carlos Benjoino Bidu
 
“Resumão” da Filosofia para o Vestibular
“Resumão” da Filosofia para o Vestibular“Resumão” da Filosofia para o Vestibular
“Resumão” da Filosofia para o Vestibular
Carlos Benjoino Bidu
 
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIARevisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Carlos Benjoino Bidu
 
Revisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempo
Revisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempoRevisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempo
Revisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempo
Carlos Benjoino Bidu
 
Arte: Vanguardas Europeias
Arte: Vanguardas EuropeiasArte: Vanguardas Europeias
Arte: Vanguardas Europeias
Carlos Benjoino Bidu
 
O que é Arte?
O que é Arte?O que é Arte?
O que é Arte?
Carlos Benjoino Bidu
 
Revisão SOCIOLOGIA
Revisão SOCIOLOGIARevisão SOCIOLOGIA
Revisão SOCIOLOGIA
Carlos Benjoino Bidu
 
Uma Breve linha do Tempo: Século XX
Uma Breve linha do Tempo: Século XXUma Breve linha do Tempo: Século XX
Uma Breve linha do Tempo: Século XX
Carlos Benjoino Bidu
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
Carlos Benjoino Bidu
 
Cultura de Massa e Indústria Cultural
Cultura de Massa e Indústria CulturalCultura de Massa e Indústria Cultural
Cultura de Massa e Indústria Cultural
Carlos Benjoino Bidu
 
Partidos políticos, eleições e voto
Partidos políticos, eleições e votoPartidos políticos, eleições e voto
Partidos políticos, eleições e voto
Carlos Benjoino Bidu
 
Esferas culturais: O Popular, o Erudito e o Patrimônio
Esferas culturais:  O Popular, o Erudito e o Patrimônio Esferas culturais:  O Popular, o Erudito e o Patrimônio
Esferas culturais: O Popular, o Erudito e o Patrimônio
Carlos Benjoino Bidu
 
Os 03 Poderes da Federação
Os 03 Poderes da FederaçãoOs 03 Poderes da Federação
Os 03 Poderes da Federação
Carlos Benjoino Bidu
 
Cultura: definição antropológica
Cultura: definição antropológicaCultura: definição antropológica
Cultura: definição antropológica
Carlos Benjoino Bidu
 
Da Vinci, anatomia e a arte que transforma
Da Vinci, anatomia e a arte que transforma Da Vinci, anatomia e a arte que transforma
Da Vinci, anatomia e a arte que transforma
Carlos Benjoino Bidu
 
Cuidar de você
Cuidar de vocêCuidar de você
Cuidar de você
Carlos Benjoino Bidu
 
Clássicos da Sociologia Brasileira
Clássicos da Sociologia BrasileiraClássicos da Sociologia Brasileira
Clássicos da Sociologia Brasileira
Carlos Benjoino Bidu
 

Mais de Carlos Benjoino Bidu (20)

Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 04
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 03
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
 
“Resumão” da Filosofia para o Vestibular
“Resumão” da Filosofia para o Vestibular“Resumão” da Filosofia para o Vestibular
“Resumão” da Filosofia para o Vestibular
 
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIARevisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
 
Revisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempo
Revisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempoRevisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempo
Revisão temporal do século XX e aplicação da linha do tempo
 
Arte: Vanguardas Europeias
Arte: Vanguardas EuropeiasArte: Vanguardas Europeias
Arte: Vanguardas Europeias
 
O que é Arte?
O que é Arte?O que é Arte?
O que é Arte?
 
Revisão SOCIOLOGIA
Revisão SOCIOLOGIARevisão SOCIOLOGIA
Revisão SOCIOLOGIA
 
Uma Breve linha do Tempo: Século XX
Uma Breve linha do Tempo: Século XXUma Breve linha do Tempo: Século XX
Uma Breve linha do Tempo: Século XX
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Cultura de Massa e Indústria Cultural
Cultura de Massa e Indústria CulturalCultura de Massa e Indústria Cultural
Cultura de Massa e Indústria Cultural
 
Partidos políticos, eleições e voto
Partidos políticos, eleições e votoPartidos políticos, eleições e voto
Partidos políticos, eleições e voto
 
Esferas culturais: O Popular, o Erudito e o Patrimônio
Esferas culturais:  O Popular, o Erudito e o Patrimônio Esferas culturais:  O Popular, o Erudito e o Patrimônio
Esferas culturais: O Popular, o Erudito e o Patrimônio
 
Os 03 Poderes da Federação
Os 03 Poderes da FederaçãoOs 03 Poderes da Federação
Os 03 Poderes da Federação
 
Cultura: definição antropológica
Cultura: definição antropológicaCultura: definição antropológica
Cultura: definição antropológica
 
Da Vinci, anatomia e a arte que transforma
Da Vinci, anatomia e a arte que transforma Da Vinci, anatomia e a arte que transforma
Da Vinci, anatomia e a arte que transforma
 
Cuidar de você
Cuidar de vocêCuidar de você
Cuidar de você
 
Clássicos da Sociologia Brasileira
Clássicos da Sociologia BrasileiraClássicos da Sociologia Brasileira
Clássicos da Sociologia Brasileira
 

Último

Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA

  • 2. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA  Quando o cristianismo é perseguido no Império Romano, os cristãos se refugiam nas catacumbas(túmulos subterrâneos) para a realização de seus cultos.Servindo a fé, Criam uma arte própria,feita sobretudo, de símbolos.
  • 3. Catacumbas cristãs, Roma A arquitetura paleocristã foi simples e caracterizada pela simbologia das passagens da Bíblia. Destacamos numa primeira fase catacumbas e cemitérios subterrâneos em Roma para celebração de cultos cristãos. Ainda hoje podemos visitar as catacumbas de Santa Domitila e Santa Priscila. Com a legalização do Cristianismo, surgem as basílicas, edificações enormes com 3 naves e um portão principal na fachada, destinadas ao comércio e assuntos judiciais. Com o fim da perseguição aos cristãos, os romanos cederam algumas basílicas para os cultos cristãos. As basílicas cristãs foram revestidas com mosaicos contando passagens do Antigo e Novo Testamento. Os mausoléus e sarcófagos, utilizados pelos mais ricos, também receberam esse mesmo material.
  • 4. A pintura paleo-cristã é bastante escassa e totalmente simbólica. Restaram alguns afrescos, encontrados nos muros das catacumbas; seus temas eram sempre baseados no Cristianismo, podiam representar orações, figuras humanas e de animais, símbolos cristãos e passagens dos Evangelhos e cenas típicas da vida religiosa da época.
  • 5. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Cristo e os apóstolos. Catacumba de Santa Domitilla. O Orante. Catacumba de Priscila.
  • 6. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA NERO: proíbe o cristianismo e por sua vez, persegue os cristãos, que manifestavam a sua fé em locais mais afastados. CATACUMBAS: galerias subterrâneas, onde eram enterrados os mortos e onde os cristãos puderam manifestar a sua fé, desenhando símbolos referentes a vida de Cristo. Catacumbas de São Calisto.
  • 7. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • A cruz - símbolo do sacrifício de Cristo; • A palma - símbolo do martírio; Inicialmente as pinturas representavam os símbolos cristãos
  • 8. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • A âncora - símbolo da salvação; • O peixe - símbolo preferido dos cristãos, pois as letras da palavra peixe em grego (ichtys) coincidem com a letra inicial de cada uma das palvras da expressão “Iesous Christos, Theou Yios, Soter”, que significa: “Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador”.O Peixe. Catacumba de São Calisto.
  • 9. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Mais tarde, as pinturas evoluíram e passaram a representar cenas do antigo e novo testamento. O Bom Pastor. Catacumba de Santa Priscila.
  • 10. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • Em 313, Constantino permite o Cristianismo. • Em 391, Teodósio o oficializa, tornando-o a religião oficial do Império.
  • 11. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Toda Arte Cristã Primitiva, primeiramente tosca e simples nas catacumbas e depois mais rica e amadurecida, prenuncia as mudanças que marcarão uma nova época na história da humanidade.
  • 12. ARTE BIZANTINA TEODÓSIO DIVIDE O IMPÉRIO ROMANO Império Romano do Ocidente Império Romano do Oriente Capital: Roma Capital: Constantinopla
  • 13.
  • 14. ARTE BIZANTINA Roma: sofreu várias invasões bárbaras, em 476 os invasores tomaram o poder (queda do império Romano) finalizando a Antigüidade iniciando a Idade Média. Constantinopla: localizada em Bizâncio, antiga colônia grega sofreu influências da arte desse povo, assim como, da arte oriental. Bizantino é uma derivação de Bizâncio.
  • 15. ARTE BIZANTINA  A Arte Bizantina possuía um caráter majestoso que exprimia poder e riqueza  Tinha o objetivo de expressar a autoridade absoluta do Imperador, considerado sagrado, representante de Deus, com poderes temporais e espirituais.
  • 16. ARTE BIZANTINA CONVENÇÕES Lei da Frontalidade: a postura rígida das figuras levava ao observador respeito e veneração pelo personagem retratado.
  • 17. ARTE BIZANTINA CONVESÕES Troca dos elementos caracterizadores dos personagens.
  • 18. ARTE BIZANTINA Pessoas Sagradas, retratadas como Oficiais e Imperadores. Ou a retratação inversa.
  • 19. ARTE BIZANTINA  O Bizantino destaca-se pela perfeição. Isto pode ser percebido na arquitetura, através da Igreja de Santa Sofia, que contém uma cúpula sobre uma planta quadrada, composta por arcos, absides e colunas com capitéis coríntios.
  • 20. ARTE BIZANTINA E a igreja de São Vital em Ravena, que possui planta octogonal.
  • 21. ARTE BIZANTINA MOSAICOS Composição plástica, feita sobre uma superfície de gesso ou argamassa, onde eram colocados lado a lado, pequenos pedaços de pedras coloridas ou preciosas.
  • 22. ARTE BIZANTINA MOSAICOS  Descrição da técnica: o desenho era feito e mais tarde recebia pedras coloridas, que por sua vez eram fixadas com uma solução de cal, areia e óleo.
  • 23. ARTE BIZANTINA Revestiam uma superfície de metal, ou madeira, com uma camada dourada. Pintavam com dois tipos de pigmentos: Têmpera e Encáustica. Depois de concluída; a pintura era raspada com um objeto de metal, que deixava à mostra algumas partes do fundo dourado, com o objetivo de dar movimento e volume às imagens. ICONES (IMAGENS) De inspiração oriental, representavam figuras sagradas e passagens bíblicas.
  • 24. ARTE BIZANTINA  TÊMPERA: pigmentos em pó, misturados a uma goma orgânica, geralmente a gema de ovo, para facilitar a fixação das cores à superfície dos objetos pintados, possui uma aparência brilhante e luminosa.  ENCÁUSTICA: pigmentos em pó, diluídos em cera derretida e aquecida na hora da pintura. Possuía aspecto semifosco.
  • 26. A Virgem e o Menino entre São Teodoro e São Jorge
  • 29. A Virgem com o filho e um Profeta, pintada na Catacumba de Santa Priscila, Roma
  • 30.
  • 31. O Bom Pastor, centro do Teto do “Velatio” Cubículo – Catacumba de Priscila
  • 34.
  • 37. Catacumba de Domitilla – O banquete da Anunciação
  • 38. Catacumba de São Marcellino e Peter
  • 40. Jonas indo para o mar – catacumba de São Marcellino
  • 41. Símbolos: o peixe e o pão
  • 44.
  • 46. Mausoléu de Gala Plácida
  • 47. Interior do Mausoléu de Gala Plácida
  • 50. Santa Maria A Maior – reconstruída - Espanha
  • 51. Mosaicos – Santa Maria A Maior
  • 52. Mosaicos – Santa Maria A Maior
  • 55.
  • 56. Detalhe de Santa Constan
  • 57. Detalhe de Santa Constanza
  • 58. Igreja de São Lourenço de Milão
  • 63. Catacumba de Santa Pudenziana
  • 65. Interior de St Setefano Rotondo
  • 66. Interior de St Setefano Rotondo
  • 68. A escultura se destaca mais por seu significado e simbolismo do que pelas formas e é encontrada nos sarcófagos. Baixos relevos de pouca qualidade transmitem a espiritualidade. Suas figuras dão ênfase às cabeças, que seriam para eles o centro da espiritualidade. Existem poucas estátuas e quase sempre representavam o Bom Pastor. As decorações dos sarcófagos compreendiam cenas em seqüência, personagens entre colunas e um medalhão central.
  • 70. Relevos de um Sarcófago – Cenas do Antigo e Novo Testamento