SlideShare uma empresa Scribd logo
Data   Descoberta                              Descobridor
1415   Conquista de Ceuta
1419   Chegada a Porto Santo e à Madeira.      Tristão Vaz Teixeira,
                                               Bartolomeu Perestelo e
                                               João Gonçalves Zarco
1427   Descoberta dos Açores                   Diogo silves
1434   Passagem do cabo Bojador                Gil Eanes
1443   Chegada a Arguim
1460   Chegada à Serra Leoa Morte do infante
       D. Henrique
1488   Passagem do Cabo da Boa Esperança       Bartolomeu Dias
1492   Descoberta da América                   Cristóvão Colombo
1498   Chegada à Índia                         Vasco da Gama
1500   Descoberta do Brasil                    Pedro Álvares Cabral
1522   1ª volta ao Mundo                       Fernão Magalhães
Os descobrimentos portugueses são um fenómeno de expansão planetária dos
europeus dos séculos XV e XVI e neles Portugal desempenha um papel
vanguardista e fundamental.
Portugal, graças aos descobrimentos , revela o essencial da terra e da humanidade
, contribuindo para a passagem de uma Idade de Mundos Fechados para uma
Idade do Universo Planetário Aberto.
Os Descobrimentos portugueses apresentam quatro categorias essenciais :
pioneirismo temporal, porque antecederam em cerca de setenta a cem anos , os
restantes descobrimentos europeus. Dispersão espacial, porque é a única
expansão com implementação em todos os continentes , pluralidade civilizacional ,
devido à capacidade de se organizar no mundo segundo duas grandes e diferentes
modalidades- a intercomunicação , em África e no Oriente; e a da criação espacial,
no Brasil e a Universidade cultural , graças à capacidade de adaptação e
comunicação com as diferentes civilizações.

                                 Luís filipe Barreto, Portugal na abertura do Mundo


                                                        Leitura do texto da pág.39
Nos séculos XV e XVI, os descobrimentos marítimos proporcionavam a
Portugal avultados saberes técnicos e científicos. Foi pela inovação nas
técnicas náuticas e pela representação cartográfica da Terra, bem como
pela observação e descrição da Natureza, que Portugal contribuiu para o
alargamento do conhecimento do Mundo.



          •Os Portugueses beneficiavam de uma herança de invenções nas técnicas de navegação. O
          pioneirismo português não foi fruto do acaso: teve nas suas origens os conhecimentos divulgados

  1       por Árabes e Judeus . (Leme, bússola, astrolábio e quadrante)




          • De maneira a poderem navegar em mar aberto sem se perderem, passaram a utilizar os astros como uma
            espécie de guias.- navegação astronómica. Simplificaram o astrolábio e o quadrante e inventaram a
            balestilha: com eles mediam a altura dos astros.
  2

          • A necessidade de navegar à bolina (contra ventos contrários) motivou mudanças estruturais na
            construção naval. Surgiram as caravelas, as naus e o galeão.
  3
• cartografia medieval era incipiente e simplista.

4

    • A representação cartográfica derivada da obra de Ptolomeu, que entre outras incorrecções,
      não admitia a comunicabilidade entre os oceanos Atlântico e Índico.
    • Fruto da expansão marítima dos séculos XV e XVI, a cartografia europeia registou um

5     aperfeiçoamento notável




    • Foram revistas as concepções medievais dando-se a conhecer muitas regiões da Terra até
      então ignoradas ou mal conhecidas na Europa. Simultaneamente, contornos de mares e
      terras adquiriram um traçado mais rigoroso e as distâncias tornaram-se mais próximas da
      realidade.

6   • Acabou-se com as lendas da existência de seres monstruosos nos mares e em outros
      continenees
•Os Descobrimentos
permitiram o aparecimento
de um novo conhecimento
 baseado na experiência(
 deram a conhecer novos
      mundos, povos,
    contribuíram para o
   desenvolvimento da
   Botânica, Geografia,
        cartografia)
Contribuíram para o
aparecimento de uma
nova mentalidade face
ao conhecimento que
   vai influenciar o
     pensamento
    renascentista
• O Homem,
  marinheiro
  português e
  espanhol foi capaz
  de vencer o medo e
  descobrir que o
  mundo era muito
  diferente do que se
  pensava
OO Homem torna-se
                         curioso
  Teve ( o Infante D. Henrique ) a curiosidade de saber a
 extensão dos crepúsculos nos diferentes climas ….
seduziu-me o intento de explicar claramente este assunto
 mediante os princípios certíssimos e evidentíssimos da
 matemática.

          Pedro Nunes, “De Crepusculis”
“Sabe-se mais em um dia pelos
  portugueses do que se sabia em 100 anos
  pelos Romanos“ .
 Sabe-se mais em um dia de observação
  direta do que em 100 anos de leituras e
  comentários das autoridades.”
                              Garcia de Orta
       1-Explica o sentido destes parágrafos.

                                Leitura do doc. Da pág 43
Não há dúvida que as navegações deste reino, de cem anos a esta
 parte, são as maiores, mais maravilhosas, de mais altas e mais
 discretas conjeturas que as de nenhuma outra gente do mundo. Os
 Portugueses ousaram acometer o grande mar oceano. Entraram por
 ele sem nenhum receio. Descobriram novas ilhas, novas terras,
 novos mares, novos povos e o que mais é, novo céu e novas
 estrelas.
(…) Tiraram-nos de muitas ignorâncias e mostraram-nos ser a terra
 maior que o mar e haver aí antípodas, que até os santos
 duvidavam, e que não há região que nem por quente, nem por fria,
 se deixe de habitar. E que em um mesmo clima e a igual distância
 da equinocial há homens brancos e pretos e de mui diferentes
 qualidades. (…)
                                    Pedro Nunes, Tratado da esfera
A expansão marítima dos séculos XV e XVI proporcionou aos Portugueses uma
atenta observação da Natureza, que pôs em causa muitas das conclusões dos Antigos.
Adquiriu-se uma mais correta perceção dos continentes e mares, explicaram-se
regimes de ventos e de correntes marítimas, tal como se calcularam distâncias e
latitudes. Provou-se a habitabilidade das zonas equatoriais e a esfericidade da Terra.
Em suma, substituiu-se a acanhada perspetiva mediterrânea-continental por uma
visão oceânica do Globo.



       mentalidade              • Descrição assente no número
                                • O número era o suporte necessário para o cálculo de distâncias, pesos,
       quantitativa               durações, latitudes




                                • os Portugueses ajudaram a construir um novo saber, um saber com
    experiencialismo              base na experiência




                                • o saber português contribuiu para rever as verdades indiscutíveis
       exercício do               das Antigos
                                • Contribuiu para alastrar o sentido da curiosidade pelo mundo terrestre,
      espírito crítico            pela fisiologia do ser humano, pelo movimento dos astros, pelo
                                  conhecimento do universo.
Indicadores de aprendizagem
• Analisar a revolução cosmológica de
  Copérnico como uma manifestação da ciência
  moderna (S)
Leitura do doc pág. 47
O renascimento  parte 3
Teoria Heliocêntrica -defendida por
Copérnico em que o sol estava no
centro do Universo e a terra se movia à
sua volta
Ao iniciar-se o Renascimento, a visão
cosmológica era a legada pelos gregos
Aristóteles e Ptolomeu e recebia toda
a aprovação da Igreja. A Terra, estática
ocupava o centro do Universo (teoria
geocêntrica). À sua volta moviam-se os
restantes planetas e estrelas, incluindo o
Sol, descrevendo órbitas circulares
uniformes. A Igreja considerava uma
blasfémia dizer que a Terra se movia e
não o Sol, pois tal contrariava uma
passagem na Bíblia.
  Copérnico depois de várias
observações defendeu uma nova teoria:
todas as esferas celestes, incluindo a
Terra, giram em volta do Sol (movimento
de translação), tal como giram em volta
do próprio centro (movimento de
rotação). O Sol é, pois, o centro do
Universo (teoria heliocêntrica).
Galileu Confirma a teoria
Heliocêntrica de Copérnico
Julgamento de Galileu pela Inquisição (1632-33): Galileu foi obrigado a
desdizer-se publicamente quanto à Teoria Heliocêntrica para não ser
condenado à morte.
Indicador de aprendizagem
• Explicar o papel da imprensa na difusão
  desta nova mentalidade (S)
O renascimento  parte 3
"A invenção da
              imprensa é o maior
               acontecimento da
                 história. É a
             revolução mãe... é o
              pensamento humano
            que larga uma forma e
               veste outra... é a
             completa e definitiva
                mudança de pele
                dessa serpente
             diabólica, que, desde
              Adão, representa a
                  inteligência."
Gutenberg
A       produção      cultural    no
Renascimento      foi   grandemente
beneficiada por um outro progresso
material que esta época conheceu: o
aparecimento e divulgação da arte
da impressão, que aos poucos,
substituiu a produção manual dos
livros.
   As inovações na imprensa
    permitiram fazer livros em
    maior quantidade, logo estes
    livros impressos ficavam mais
    baratos que os seus
    antecessores todos executados
    à mão, contribuindo assim para
    o acesso à cultura de um
    número maior de pessoas.
  Não se conhece o valor na época, mas
   sabemos que continua a ser um artigo
   caro a que poucos conseguem ter
   acesso, como os clérigos, nobres e
   burgueses ricos.
Permitiu grandes progressos na vida
   cultural:
  Permitiu a mais rápida divulgação das
   ideias e dos saberes
  Generalizou as correntes culturais
   (filosóficas, literárias ou científicas)
  Facilitou o estudo e o ensino
  Alargou os horizontes mentais e
   geográficos dos homens
Os Livros…

• Até finais do século XV,
  os livros impressos eram
  principalmente         de
  carácter religioso (sendo
  o primeiro: a Bíblia). A
  partir do século XVI, a
  procura recaiu também
  sobre outros géneros:
  romances de cavalaria,
  literatura de viagens e
  obras humanistas.
O renascimento  parte 3
Máquina de impressão manual
Caracteres para impressão
O renascimento  parte 3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Rainha Maga
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
rosivaldo_f_moreira
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
João Fernandes
 
A india
A indiaA india
A india
cattonia
 
Comércio à escala mundial
Comércio à escala mundialComércio à escala mundial
Comércio à escala mundial
Maria Gomes
 
Descoberta da Costa Africana
Descoberta da Costa AfricanaDescoberta da Costa Africana
Descoberta da Costa Africana
Maria Gomes
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
Lucilia Fonseca
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
Susana Simões
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
berenvaz
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
cattonia
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Vieira
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
Vítor Santos
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
Maria Gomes
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundial
Susana Simões
 
Ppt os descobrimentos
Ppt os descobrimentosPpt os descobrimentos
Ppt os descobrimentos
Beatriz Casais
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
131121
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
Vítor Santos
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Catarina Castro
 

Mais procurados (20)

Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
 
A india
A indiaA india
A india
 
Comércio à escala mundial
Comércio à escala mundialComércio à escala mundial
Comércio à escala mundial
 
Descoberta da Costa Africana
Descoberta da Costa AfricanaDescoberta da Costa Africana
Descoberta da Costa Africana
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundial
 
Ppt os descobrimentos
Ppt os descobrimentosPpt os descobrimentos
Ppt os descobrimentos
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
 

Semelhante a O renascimento parte 3

O alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalhoO alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
Catarina13
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
CatarinaTavares28
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
Douglas Barraqui
 
As Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdfAs Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdf
DouglasCoelho40
 
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.ppt
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptExpansão Marítima e Comercial Europeia.ppt
Expansão Marítima e Comercial Europeia.ppt
RenanBrito43
 
Geo Geral Texto 02
Geo Geral   Texto 02Geo Geral   Texto 02
Geo Geral Texto 02
Marcelo Goulart
 
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saberLopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Andre Bezerra Lins
 
modulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdf
modulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdfmodulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdf
modulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdf
Tânia Marques André
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Maria Gomes
 
Trabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimentoTrabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimento
Gonçalo Tavares
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
Maida Marciano
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Ramiro Bicca
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Inês Oliveira
 
Historia 8ºAno
Historia 8ºAnoHistoria 8ºAno
Historia 8ºAno
rodrigoflambo1
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
caty1998
 

Semelhante a O renascimento parte 3 (20)

O alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalhoO alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
As Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdfAs Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdf
 
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.ppt
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptExpansão Marítima e Comercial Europeia.ppt
Expansão Marítima e Comercial Europeia.ppt
 
Geo Geral Texto 02
Geo Geral   Texto 02Geo Geral   Texto 02
Geo Geral Texto 02
 
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saberLopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saber
 
modulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdf
modulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdfmodulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdf
modulo-3-abertura-europeia-ao-mundo.pdf
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Trabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimentoTrabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimento
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Historia 8ºAno
Historia 8ºAnoHistoria 8ºAno
Historia 8ºAno
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

O renascimento parte 3

  • 1. Data Descoberta Descobridor 1415 Conquista de Ceuta 1419 Chegada a Porto Santo e à Madeira. Tristão Vaz Teixeira, Bartolomeu Perestelo e João Gonçalves Zarco 1427 Descoberta dos Açores Diogo silves 1434 Passagem do cabo Bojador Gil Eanes 1443 Chegada a Arguim 1460 Chegada à Serra Leoa Morte do infante D. Henrique 1488 Passagem do Cabo da Boa Esperança Bartolomeu Dias 1492 Descoberta da América Cristóvão Colombo 1498 Chegada à Índia Vasco da Gama 1500 Descoberta do Brasil Pedro Álvares Cabral 1522 1ª volta ao Mundo Fernão Magalhães
  • 2. Os descobrimentos portugueses são um fenómeno de expansão planetária dos europeus dos séculos XV e XVI e neles Portugal desempenha um papel vanguardista e fundamental. Portugal, graças aos descobrimentos , revela o essencial da terra e da humanidade , contribuindo para a passagem de uma Idade de Mundos Fechados para uma Idade do Universo Planetário Aberto. Os Descobrimentos portugueses apresentam quatro categorias essenciais : pioneirismo temporal, porque antecederam em cerca de setenta a cem anos , os restantes descobrimentos europeus. Dispersão espacial, porque é a única expansão com implementação em todos os continentes , pluralidade civilizacional , devido à capacidade de se organizar no mundo segundo duas grandes e diferentes modalidades- a intercomunicação , em África e no Oriente; e a da criação espacial, no Brasil e a Universidade cultural , graças à capacidade de adaptação e comunicação com as diferentes civilizações. Luís filipe Barreto, Portugal na abertura do Mundo Leitura do texto da pág.39
  • 3. Nos séculos XV e XVI, os descobrimentos marítimos proporcionavam a Portugal avultados saberes técnicos e científicos. Foi pela inovação nas técnicas náuticas e pela representação cartográfica da Terra, bem como pela observação e descrição da Natureza, que Portugal contribuiu para o alargamento do conhecimento do Mundo. •Os Portugueses beneficiavam de uma herança de invenções nas técnicas de navegação. O pioneirismo português não foi fruto do acaso: teve nas suas origens os conhecimentos divulgados 1 por Árabes e Judeus . (Leme, bússola, astrolábio e quadrante) • De maneira a poderem navegar em mar aberto sem se perderem, passaram a utilizar os astros como uma espécie de guias.- navegação astronómica. Simplificaram o astrolábio e o quadrante e inventaram a balestilha: com eles mediam a altura dos astros. 2 • A necessidade de navegar à bolina (contra ventos contrários) motivou mudanças estruturais na construção naval. Surgiram as caravelas, as naus e o galeão. 3
  • 4. • cartografia medieval era incipiente e simplista. 4 • A representação cartográfica derivada da obra de Ptolomeu, que entre outras incorrecções, não admitia a comunicabilidade entre os oceanos Atlântico e Índico. • Fruto da expansão marítima dos séculos XV e XVI, a cartografia europeia registou um 5 aperfeiçoamento notável • Foram revistas as concepções medievais dando-se a conhecer muitas regiões da Terra até então ignoradas ou mal conhecidas na Europa. Simultaneamente, contornos de mares e terras adquiriram um traçado mais rigoroso e as distâncias tornaram-se mais próximas da realidade. 6 • Acabou-se com as lendas da existência de seres monstruosos nos mares e em outros continenees
  • 5. •Os Descobrimentos permitiram o aparecimento de um novo conhecimento baseado na experiência( deram a conhecer novos mundos, povos, contribuíram para o desenvolvimento da Botânica, Geografia, cartografia)
  • 6. Contribuíram para o aparecimento de uma nova mentalidade face ao conhecimento que vai influenciar o pensamento renascentista
  • 7. • O Homem, marinheiro português e espanhol foi capaz de vencer o medo e descobrir que o mundo era muito diferente do que se pensava
  • 8. OO Homem torna-se curioso Teve ( o Infante D. Henrique ) a curiosidade de saber a extensão dos crepúsculos nos diferentes climas …. seduziu-me o intento de explicar claramente este assunto mediante os princípios certíssimos e evidentíssimos da matemática. Pedro Nunes, “De Crepusculis”
  • 9. “Sabe-se mais em um dia pelos portugueses do que se sabia em 100 anos pelos Romanos“ . Sabe-se mais em um dia de observação direta do que em 100 anos de leituras e comentários das autoridades.” Garcia de Orta 1-Explica o sentido destes parágrafos. Leitura do doc. Da pág 43
  • 10. Não há dúvida que as navegações deste reino, de cem anos a esta parte, são as maiores, mais maravilhosas, de mais altas e mais discretas conjeturas que as de nenhuma outra gente do mundo. Os Portugueses ousaram acometer o grande mar oceano. Entraram por ele sem nenhum receio. Descobriram novas ilhas, novas terras, novos mares, novos povos e o que mais é, novo céu e novas estrelas. (…) Tiraram-nos de muitas ignorâncias e mostraram-nos ser a terra maior que o mar e haver aí antípodas, que até os santos duvidavam, e que não há região que nem por quente, nem por fria, se deixe de habitar. E que em um mesmo clima e a igual distância da equinocial há homens brancos e pretos e de mui diferentes qualidades. (…) Pedro Nunes, Tratado da esfera
  • 11. A expansão marítima dos séculos XV e XVI proporcionou aos Portugueses uma atenta observação da Natureza, que pôs em causa muitas das conclusões dos Antigos. Adquiriu-se uma mais correta perceção dos continentes e mares, explicaram-se regimes de ventos e de correntes marítimas, tal como se calcularam distâncias e latitudes. Provou-se a habitabilidade das zonas equatoriais e a esfericidade da Terra. Em suma, substituiu-se a acanhada perspetiva mediterrânea-continental por uma visão oceânica do Globo. mentalidade • Descrição assente no número • O número era o suporte necessário para o cálculo de distâncias, pesos, quantitativa durações, latitudes • os Portugueses ajudaram a construir um novo saber, um saber com experiencialismo base na experiência • o saber português contribuiu para rever as verdades indiscutíveis exercício do das Antigos • Contribuiu para alastrar o sentido da curiosidade pelo mundo terrestre, espírito crítico pela fisiologia do ser humano, pelo movimento dos astros, pelo conhecimento do universo.
  • 12. Indicadores de aprendizagem • Analisar a revolução cosmológica de Copérnico como uma manifestação da ciência moderna (S)
  • 13. Leitura do doc pág. 47
  • 15. Teoria Heliocêntrica -defendida por Copérnico em que o sol estava no centro do Universo e a terra se movia à sua volta
  • 16. Ao iniciar-se o Renascimento, a visão cosmológica era a legada pelos gregos Aristóteles e Ptolomeu e recebia toda a aprovação da Igreja. A Terra, estática ocupava o centro do Universo (teoria geocêntrica). À sua volta moviam-se os restantes planetas e estrelas, incluindo o Sol, descrevendo órbitas circulares uniformes. A Igreja considerava uma blasfémia dizer que a Terra se movia e não o Sol, pois tal contrariava uma passagem na Bíblia. Copérnico depois de várias observações defendeu uma nova teoria: todas as esferas celestes, incluindo a Terra, giram em volta do Sol (movimento de translação), tal como giram em volta do próprio centro (movimento de rotação). O Sol é, pois, o centro do Universo (teoria heliocêntrica).
  • 17. Galileu Confirma a teoria Heliocêntrica de Copérnico
  • 18. Julgamento de Galileu pela Inquisição (1632-33): Galileu foi obrigado a desdizer-se publicamente quanto à Teoria Heliocêntrica para não ser condenado à morte.
  • 19. Indicador de aprendizagem • Explicar o papel da imprensa na difusão desta nova mentalidade (S)
  • 21. "A invenção da imprensa é o maior acontecimento da história. É a revolução mãe... é o pensamento humano que larga uma forma e veste outra... é a completa e definitiva mudança de pele dessa serpente diabólica, que, desde Adão, representa a inteligência." Gutenberg
  • 22. A produção cultural no Renascimento foi grandemente beneficiada por um outro progresso material que esta época conheceu: o aparecimento e divulgação da arte da impressão, que aos poucos, substituiu a produção manual dos livros.  As inovações na imprensa permitiram fazer livros em maior quantidade, logo estes livros impressos ficavam mais baratos que os seus antecessores todos executados à mão, contribuindo assim para o acesso à cultura de um número maior de pessoas.
  • 23.  Não se conhece o valor na época, mas sabemos que continua a ser um artigo caro a que poucos conseguem ter acesso, como os clérigos, nobres e burgueses ricos. Permitiu grandes progressos na vida cultural:  Permitiu a mais rápida divulgação das ideias e dos saberes  Generalizou as correntes culturais (filosóficas, literárias ou científicas)  Facilitou o estudo e o ensino  Alargou os horizontes mentais e geográficos dos homens
  • 24. Os Livros… • Até finais do século XV, os livros impressos eram principalmente de carácter religioso (sendo o primeiro: a Bíblia). A partir do século XVI, a procura recaiu também sobre outros géneros: romances de cavalaria, literatura de viagens e obras humanistas.