SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA 11.º ano
FILOSOFIA 11.º ano
Luís Rodrigues
O indutivismo
O indutivismo
Quando se trata de conhecer cientificamente a realidade, chega
sempre o momento em que o cientista tem de testar e submeter à
prova a hipótese que construiu para explicar ou compreender algo.
Uma hipótese é uma tentativa de resposta a um problema, a procura
de uma solução, uma tentativa de explicação ou de compreensão de
algo que acontece no mundo.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
Como entender o teste das hipóteses?
O que fazem os cientistas?
Tentam provar que são verdadeiras ou procuram mostrar que são
falsas?
Verificar ou falsificar parece ser a questão.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
O indutivismo
Como procedem os cientistas para conhecer a realidade, que caminho
percorrem para atingir essa meta?
A resposta mais frequente, partilhada pelas pessoas que não se
dedicam à ciência nem à reflexão sobre o método científico, é a de que
a ciência usa o método indutivo.
Esta perspetiva é também frequentemente aceite por vários cientistas.
Se a partir desta ideia julgarmos que o método indutivo é o método da
ciência e não um entre outros, estamos a ser indutivistas.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
O indutivismo
O indutivismo: Uma descrição do método
indutivo
1. Observação
Em primeiro lugar, recolhe-se o máximo possível de informação
empírica sobre o assunto que se estuda. Ainda que as observações
fortuitas ou ocasionais desencadeiem por vezes importantes
descobertas científicas, a observação científica deve ser rigorosa e
orientada para a resolução de problemas.
A objetividade das observações deve ser garantida pelo uso de
instrumentos e medidas rigorosas.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
2. Formulação da hipótese
Organizam-se os dados recolhidos e registados, procurando-se
descobrir relações constantes entre eles – regularidades ou leis.
Generalizam-se os dados da observação: o que vale para os casos
observados é, a título de hipótese, extensível a todos os factos do tipo
dos que foram observados.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
O indutivismo: Uma descrição do método
indutivo
3. Teste da hipótese ou verificação da sua correspondência com os
factos
4. Conclusão
O sucesso das predições num número razoável de experiências atesta
a verdade da hipótese – pelo menos provisória –, que passa então a
designar-se lei científica.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
O indutivismo: Uma descrição do método
indutivo
O indutivismo: críticas à perspetiva indutivista do
método científico
1. É errado supor que começamos pela observação ou que há
observação pura.
Sem teorias prévias, a observação carece de qualquer orientação. As
conjeturas (hipóteses ou expetativas) são logicamente anteriores às
observações.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
2. As hipóteses não são, de modo algum, extraídas dos factos
As hipóteses são produto da cooperação do raciocínio e da imaginação.
Têm de ser criadas, inventadas.
Neste aspeto, o trabalho do cientista é semelhante ao da criação
artística. Com uma diferença: o cientista é tão livre para criar hipóteses
como o artista, mas, ao contrário deste último, tem de submeter as
suas criações a testes empíricos.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
O indutivismo: críticas à perspetiva indutivista do
método científico
Outro aspeto que de momento só brevemente será referido – porque
será retomado e desenvolvido a seguir – diz respeito ao facto de as
hipóteses, ao contrário do que pensa o indutivista, não serem
verificáveis.
FILOSOFIA 11.º ano
Validade e verificabilidade das hipóteses
O indutivismo: críticas à perspetiva indutivista do
método científico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
AMLDRP
 
Hume
HumeHume
A ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordináriaA ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordinária
Luis De Sousa Rodrigues
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Isabel Moura
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
António Daniel
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn
Isabel Moura
 
Popper e a Ciência
Popper e a CiênciaPopper e a Ciência
Popper e a Ciência
Jorge Barbosa
 
Conhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnConhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - Kuhn
Jorge Barbosa
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
Luis De Sousa Rodrigues
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
A incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmasA incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmas
Luis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
anabelamatosanjos
 

Mais procurados (20)

11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
Hume
HumeHume
Hume
 
A ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordináriaA ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordinária
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn
 
Popper e a Ciência
Popper e a CiênciaPopper e a Ciência
Popper e a Ciência
 
Conhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnConhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - Kuhn
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
A incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmasA incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmas
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
 

Destaque

Resumo - O que é Ciência afinal?
Resumo - O que é Ciência afinal?Resumo - O que é Ciência afinal?
Resumo - O que é Ciência afinal?
Airton Fernandes
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
guestbdb4ab6
 
Método científico indutivo
Método científico   indutivoMétodo científico   indutivo
Método científico indutivo
Augusto Magalhães
 
Método Hipotético Dedutivo
 Método Hipotético Dedutivo Método Hipotético Dedutivo
Método Hipotético Dedutivo
Antonio César Junior Ferreira
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
Diogo.Verissimo
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
Popper e a indução
Popper e a induçãoPopper e a indução
Popper e a indução
Luis De Sousa Rodrigues
 
Epistemologia de Popper
Epistemologia de PopperEpistemologia de Popper
Epistemologia de Popper
Gracieli Henicka
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
Luis De Sousa Rodrigues
 
As críticas de sandel
As críticas de sandelAs críticas de sandel
As críticas de sandel
Luis De Sousa Rodrigues
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científicoConhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
António Padrão
 
O que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos serO que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos ser
Luis De Sousa Rodrigues
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
Popper 11ºN (2009)
Popper 11ºN (2009)Popper 11ºN (2009)
Popper 11ºN (2009)
Joaquim Melro
 

Destaque (18)

Resumo - O que é Ciência afinal?
Resumo - O que é Ciência afinal?Resumo - O que é Ciência afinal?
Resumo - O que é Ciência afinal?
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Método científico indutivo
Método científico   indutivoMétodo científico   indutivo
Método científico indutivo
 
Método Hipotético Dedutivo
 Método Hipotético Dedutivo Método Hipotético Dedutivo
Método Hipotético Dedutivo
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Popper e a indução
Popper e a induçãoPopper e a indução
Popper e a indução
 
Epistemologia de Popper
Epistemologia de PopperEpistemologia de Popper
Epistemologia de Popper
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
As críticas de sandel
As críticas de sandelAs críticas de sandel
As críticas de sandel
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científicoConhecimento vulgar e conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
 
O que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos serO que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos ser
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
Popper 11ºN (2009)
Popper 11ºN (2009)Popper 11ºN (2009)
Popper 11ºN (2009)
 

Semelhante a O indutivismo

Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
MariaSantos508206
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
ClaudislaneLima
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
MnicaMatos22
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
unesp
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
Aln2
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
Lurdes Sousa
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
j_sdias
 
Trabalho método científico
Trabalho método científico Trabalho método científico
Trabalho método científico
Vanderson lage
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
Joao Balbi
 
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptxMÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
TixaAlmeida
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
URCA
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
Ivo Mai
 
Aula método científico
Aula método científicoAula método científico
Aula método científico
Mayra Ruas da Costa
 
Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6
Luiz Miranda-Sá
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
Luis De Sousa Rodrigues
 
Exercícios Filsofia
Exercícios FilsofiaExercícios Filsofia
Exercícios Filsofia
Jorge Barbosa
 
Exercícios Filsofia
Exercícios Filsofia Exercícios Filsofia
Exercícios Filsofia
Jorge Barbosa
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
Mauricio Serafim
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
Luis De Sousa Rodrigues
 
Metodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de métodoMetodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de método
Letícia Oliveira
 

Semelhante a O indutivismo (20)

Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
 
Trabalho método científico
Trabalho método científico Trabalho método científico
Trabalho método científico
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
 
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptxMÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
 
Aula método científico
Aula método científicoAula método científico
Aula método científico
 
Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
 
Exercícios Filsofia
Exercícios FilsofiaExercícios Filsofia
Exercícios Filsofia
 
Exercícios Filsofia
Exercícios Filsofia Exercícios Filsofia
Exercícios Filsofia
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
Metodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de métodoMetodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de método
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Luis De Sousa Rodrigues
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 5
Freud 5Freud 5

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 

O indutivismo

  • 1. FILOSOFIA 11.º ano FILOSOFIA 11.º ano Luís Rodrigues O indutivismo
  • 2. O indutivismo Quando se trata de conhecer cientificamente a realidade, chega sempre o momento em que o cientista tem de testar e submeter à prova a hipótese que construiu para explicar ou compreender algo. Uma hipótese é uma tentativa de resposta a um problema, a procura de uma solução, uma tentativa de explicação ou de compreensão de algo que acontece no mundo. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses
  • 3. Como entender o teste das hipóteses? O que fazem os cientistas? Tentam provar que são verdadeiras ou procuram mostrar que são falsas? Verificar ou falsificar parece ser a questão. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses O indutivismo
  • 4. Como procedem os cientistas para conhecer a realidade, que caminho percorrem para atingir essa meta? A resposta mais frequente, partilhada pelas pessoas que não se dedicam à ciência nem à reflexão sobre o método científico, é a de que a ciência usa o método indutivo. Esta perspetiva é também frequentemente aceite por vários cientistas. Se a partir desta ideia julgarmos que o método indutivo é o método da ciência e não um entre outros, estamos a ser indutivistas. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses O indutivismo
  • 5. O indutivismo: Uma descrição do método indutivo 1. Observação Em primeiro lugar, recolhe-se o máximo possível de informação empírica sobre o assunto que se estuda. Ainda que as observações fortuitas ou ocasionais desencadeiem por vezes importantes descobertas científicas, a observação científica deve ser rigorosa e orientada para a resolução de problemas. A objetividade das observações deve ser garantida pelo uso de instrumentos e medidas rigorosas. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses
  • 6. 2. Formulação da hipótese Organizam-se os dados recolhidos e registados, procurando-se descobrir relações constantes entre eles – regularidades ou leis. Generalizam-se os dados da observação: o que vale para os casos observados é, a título de hipótese, extensível a todos os factos do tipo dos que foram observados. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses O indutivismo: Uma descrição do método indutivo
  • 7. 3. Teste da hipótese ou verificação da sua correspondência com os factos 4. Conclusão O sucesso das predições num número razoável de experiências atesta a verdade da hipótese – pelo menos provisória –, que passa então a designar-se lei científica. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses O indutivismo: Uma descrição do método indutivo
  • 8. O indutivismo: críticas à perspetiva indutivista do método científico 1. É errado supor que começamos pela observação ou que há observação pura. Sem teorias prévias, a observação carece de qualquer orientação. As conjeturas (hipóteses ou expetativas) são logicamente anteriores às observações. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses
  • 9. 2. As hipóteses não são, de modo algum, extraídas dos factos As hipóteses são produto da cooperação do raciocínio e da imaginação. Têm de ser criadas, inventadas. Neste aspeto, o trabalho do cientista é semelhante ao da criação artística. Com uma diferença: o cientista é tão livre para criar hipóteses como o artista, mas, ao contrário deste último, tem de submeter as suas criações a testes empíricos. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses O indutivismo: críticas à perspetiva indutivista do método científico
  • 10. Outro aspeto que de momento só brevemente será referido – porque será retomado e desenvolvido a seguir – diz respeito ao facto de as hipóteses, ao contrário do que pensa o indutivista, não serem verificáveis. FILOSOFIA 11.º ano Validade e verificabilidade das hipóteses O indutivismo: críticas à perspetiva indutivista do método científico

Notas do Editor

  1. <number>
  2. <number>
  3. <number>
  4. <number>
  5. <number>
  6. <number>
  7. <number>
  8. <number>
  9. <number>