SlideShare uma empresa Scribd logo
MICROBIOLOGIA ORAL
MICROBIOTA NORMALMICROBIOTA NORMAL
As superfícies das mucosas e da pele são colonizadas
por uma microbiota característica
Regiões que não apresentam micro-organismos:
Laringe, cérebro e órgãos internos
Importante pelas funções desempenhadas
Dependente de:
Dieta, idade, estado hormonal, saúde, condições
sanitárias, higiene pessoal,....
Classificada em: Residente (indígena), Transitória
(adventícia)
A exposição a um MO pode causar:
1 – colonização transitória
2 – colonização permanente
3 – produzir doença
MICROBIOTA BUCALMICROBIOTA BUCAL
A cavidade bucal é um sistema de crescimento
aberto;
Somente se estabelece o micro-organismo com
capacidade de aderência ou que permaneça
retido (sulcos, fissuras ou espaços
interproximais dos dentes)
A cavidade bucal é um sistema de crescimento
aberto;
Somente se estabelece o micro-organismo com
capacidade de aderência ou que permaneça
retido (sulcos, fissuras ou espaços
interproximais dos dentes)
MICROBIOTA PRÓPRIAMICROBIOTA PRÓPRIA
Compreende diversos locais com uma
comunidade microbiana característica;
Cada ecossistema é formado por uma
variedade de tipos bacterianos que
preferem certos habitat;
Nichos ecológicos da microbiota bucal:
CAVIDADE ORALCAVIDADE ORAL
dorso da línguadorso da língua
Sulco gengivalSulco gengival
Mucosa
biofilme
Cerca de 500 espécies bacterianas conhecidas;
30 gêneros diferentes;
Saliva: 43 milhões a 5,5 bilhões de bactérias/mL
(média: 750 milhões/mL);
Biofilme dentário: 200 bilhões de células/g
3% dos micro-organismos causam doença
97% são benéficos
Nº MICRORGANISMOS...
Porque dessa diversidade...
Apresenta condições favoráveis:
 Tensão de oxigênio
 Disponibilidade de nutrientes
 Ambientes para colonização
 Estruturas amolecidas (mucosas)
o Superfícies rígidas (dentes)
Apresenta condições favoráveis:
 Tensão de oxigênio
 Disponibilidade de nutrientes
 Ambientes para colonização
 Estruturas amolecidas (mucosas)
o Superfícies rígidas (dentes)
Aquisição da Microbiota Oral
In útero (feto)
normalmente asséptico
no nascimento adquire a microbiota do
trato genital da mãe
(lactobacilos, corinebactérias, micrococos, coliformes,
estreptococos, leveduras, protozoários)
AQUISIÇÃO DA MICROBIOTAAQUISIÇÃO DA MICROBIOTA
Poucas horas após nascimento:
Streptococcus salivarius,
Streptococcus mitior;
Erupção dos dentes induz novos
habitats. Fixa-se Streptococcus
mutans e Streptococcus sanguis;
Nichos anaeróbicos induzem a
mudança gradual da microbiota (de
aeróbia para anaeróbia facultativa –
Veillonella, Actinomyces)
SUCESSÃO MICROBIANASUCESSÃO MICROBIANA
Processo dinâmico que envolve a
mudança de um tipo de comunidade por
outra em resposta a modificações no
meio
Promove o estabelecimento final de
uma microbiota madura
Tipos de sucessão:
Sucessão Alogênica
Sucessão Autogênica
SUCESSÃO ALOGÊNICASUCESSÃO ALOGÊNICA
Substituição porque o habitat foi alterado por
fatores não microbianos
Nascimento
Erupção e perda dos dentes
Inserção de restaurações dentárias e
aparelhos
Mudanças nos hábitos alimentares
Procedimentos de higiene bucal
Doenças nos tecidos moles ou duros da boca
Doenças sistêmicas
Uso de fármacos
SUCESSÃO AUTOGÊNICASUCESSÃO AUTOGÊNICA
Comunidade residente altera o meio de
tal forma que é substituída por outras
espécies mais adaptadas
Micro-organismos pioneiros criam
ambiente mais favorável aos invasores
secundários, tornando o habitat cada vez
mais desfavorável a flora normal
Remoção de nutrientes
Produção de ácidos e outras substâncias
inibitórias
MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS
MICRO-0RGANISMOS BUCAIS
MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS
MICRO-0RGANISMOS BUCAIS
RETENÇÃO ADESIVA
Bactérias se fixam a superfície dos tecidos
bucais
Glicocálice bacteriano
Fímbrias ou adesinas
Polímeros bacterianos extracelulares
Utilização de polímeros salivares e
aderência entre microrganismos
RETENÇÃO NÃO ADESIVA
Ocorre por retenção mecânica
Fossas
Fissuras de dentes
Lesões de cárie
Sulco gengival
Bolsa periodontal
Retenção mecânica por partículas
alimentares
MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS
MICRO-ORGANISMOS BUCAIS
MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS
MICRO-ORGANISMOS BUCAIS
MICROBIOTA BUCAL
NATUREZA DA MICROBIOTA BUCAL
Cocos Gram-positivos
Enterococcus, Gemella, Micrococcus,
Peptococcus, Peptostreptococcus,
Staphylococcus, Stomatococcus, Streptococcus
Cocos Gram-negativos
Branhamella, Moraxella, Neisseria, Veillonella
Bacilos Gram-positivos
Actinomyces, Arachnia, Bifidobacterium,
Corynebacterium, Eubacterium, Lactobacillus,
Propionibacterium, Rothia
Cocos Gram-positivos
Enterococcus, Gemella, Micrococcus,
Peptococcus, Peptostreptococcus,
Staphylococcus, Stomatococcus, Streptococcus
Cocos Gram-negativos
Branhamella, Moraxella, Neisseria, Veillonella
Bacilos Gram-positivos
Actinomyces, Arachnia, Bifidobacterium,
Corynebacterium, Eubacterium, Lactobacillus,
Propionibacterium, Rothia
Bacilos Gram-negativos
Actinobacillus, Bacteroides,, Capynocitophaga,
Cardiobacterium, Fusobacterium, Haemophilus,
Prevotella, Enterobacateriaceae, outros....
Vibriões e espiroquetas
Campylobacter, Helicobacter, Treponema
Micoplasmas
Fungos
Candida, Rhodotorula, Torulopsis
Vírus
Bacilos Gram-negativos
Actinobacillus, Bacteroides,, Capynocitophaga,
Cardiobacterium, Fusobacterium, Haemophilus,
Prevotella, Enterobacateriaceae, outros....
Vibriões e espiroquetas
Campylobacter, Helicobacter, Treponema
Micoplasmas
Fungos
Candida, Rhodotorula, Torulopsis
Vírus
Fatores que influenciam a aquisição
e/ou equilíbrio da microbiota bucal
Fatores físicos
Fatores microbianos (aderência)
Fatores nutricionais
Fatores inibitórios (Defesa do hospedeiro)
FATORES FÍSICOS
o Anaerobiose
o Estabelecida pela microbiota aeróbia
o Maioria da microbiota é anaeróbia (influenciada
pela presença ou não dos dentes)
o Temperatura:
o 25°C – 40°C
o influencia na atividade enzimática, pH,
solubilidade, crescimento;
o pH (saliva): 6,0 – 7,8;
 Presença de receptores no hospedeiro e
micro-organismos (adesinas, fímbrias,
glicocálice)
 Produção de polímeros extracelulares pela
bactéria (dextrano e ácido hialurônico)
 Retenção não adesiva – aprisionamento
mecânico
 Presença de receptores no hospedeiro e
micro-organismos (adesinas, fímbrias,
glicocálice)
 Produção de polímeros extracelulares pela
bactéria (dextrano e ácido hialurônico)
 Retenção não adesiva – aprisionamento
mecânico
FATORES MICROBIANOS
Aderência
 Qualidade da dieta
 Composição química dos alimentos:
 Influencia microbiota: acidogênicos,
proteolíticos,...
 Consistência física dos componentes
(pastosos x duros)
 Freqüência de sua apresentação
FATORES NUTRICIONAIS
o Células descamativas:
o 100 a 200 bactérias/cél
o 6x105
cels epiteliais/mL de saliva
Fluído Gengival
Imunoglobulinas locais (IgA), leucócitos,
componentes do sistema complemento
Fatores salivares não específicos:
Capacidade tampão da saliva
Propriedades antimicrobianas: lisozima,
histidina, lactoferrina, ....
FATORES INIBITÓRIOS
Defesa do hospedeiro
o Fatores sistêmicos
 Alterações hormonais
 Estresse
 Diabetes
 Leucemia
 Imunodeficiências
 Quimioterapias
 Uso de antimicrobianos
FATORES INIBITÓRIOS
Redução do fluxo
salivar
Maior risco
de infecção
*Ação mecânica
Fluxo salivar (1,2 litros/24 horas)
Movimento muscular
Mastigação
Deglutição
Higiene bucal
Presença ou ausência de dentes
o Integridade dos dentes e de seus tecidos
de sustentação
FATORES INIBITÓRIOS
ACIDOGÊNICOS
ACIDÚRICOS
PROTEOLÍTICOS
Classificação dos microrganismos bucais
quanto à sua atividade
funcional
ACIDOGÊNICOSACIDOGÊNICOS
Microrganismos elaboram ácidos a partir de
carboidratos
Estão frequentemente ligadas a etiologia da
cárie dentária (desmineralização dos tecidos
duros dentários por ácidos orgânicos)
Lactobacillus, Streptococcus
ACIDÚRICOSACIDÚRICOS
Microrganismos que sobrevivem em pH ácido
Toleram pH inferior a 5,5 (próprio do
ecossistema da cárie)
Bactérias também relacionadas a cárie
dentária
Lactobacillus, Streptococcus e leveduras
PROTEOLÍTICOSPROTEOLÍTICOS
Microrganismos que se utilizam de proteína
para seu metabolismo
Degradam proteína, podendo levar à
destruição tecidual
Geralmente associados a doença periodontal
Prevotella melaninogenica
Potencial patogênico dos
microrganismos bucais
Micro-organismos podem proliferar em áreas
restritas e causar dano (Ex: cárie dentária)
Micro-organismos podem disseminar aos
tecidos vizinhos (Ex: Gengivite ulcerativa
necrosante)
Micro-organismos podem causar lesões à
distância por bacteremia ou por produtos
lançados à circulação linfática (Ex:
Endocardite bacteriana subaguda)
Microbiota bucal 2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Odontologia - Classificasção das glândulas salivares
Odontologia - Classificasção das glândulas salivaresOdontologia - Classificasção das glândulas salivares
Odontologia - Classificasção das glândulas salivaresRauricio Vital Mendes
 
06 lesões fundamentais - parte 1
06   lesões fundamentais - parte 106   lesões fundamentais - parte 1
06 lesões fundamentais - parte 1Ana Borges
 
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva Italo Gabriel
 
Sistema estomatognático
Sistema estomatognáticoSistema estomatognático
Sistema estomatognáticoThamyfs
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementaresRamon Mendes
 
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças PeriodontaisSlides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças PeriodontaisVítor Genaro
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodontoandressaElopes
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologiaMessias Miranda
 

Mais procurados (20)

doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
 
Odontologia - Classificasção das glândulas salivares
Odontologia - Classificasção das glândulas salivaresOdontologia - Classificasção das glândulas salivares
Odontologia - Classificasção das glândulas salivares
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cariologia
 
06 lesões fundamentais - parte 1
06   lesões fundamentais - parte 106   lesões fundamentais - parte 1
06 lesões fundamentais - parte 1
 
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
 
aula 6 - CF2
aula 6 - CF2aula 6 - CF2
aula 6 - CF2
 
Patogênese da Cárie
Patogênese da CáriePatogênese da Cárie
Patogênese da Cárie
 
Seminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmesSeminario micro geral_biofilmes
Seminario micro geral_biofilmes
 
Sistema estomatognático
Sistema estomatognáticoSistema estomatognático
Sistema estomatognático
 
Exames complementares
Exames complementaresExames complementares
Exames complementares
 
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças PeriodontaisSlides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
 
Cárie Dentária
Cárie Dentária Cárie Dentária
Cárie Dentária
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
Revisão anatômica dental
Revisão anatômica dentalRevisão anatômica dental
Revisão anatômica dental
 
Amelogenese texto
Amelogenese textoAmelogenese texto
Amelogenese texto
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodonto
 
LESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAISLESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAIS
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em OdontologiaFarmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 

Destaque

Microbiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial TacnaMicrobiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial TacnaAnna PoorTugal
 
Microbiota normal
Microbiota normal Microbiota normal
Microbiota normal Jessica Oyie
 
Ecologia de-la-cavidad-bucal
Ecologia de-la-cavidad-bucalEcologia de-la-cavidad-bucal
Ecologia de-la-cavidad-bucalVilma Tejada
 
flora microbiana oral y placa dental
 flora microbiana oral y placa dental flora microbiana oral y placa dental
flora microbiana oral y placa dentalFUTUROS ODONTOLOGOS
 
Microbiologia da cárie
Microbiologia da cárieMicrobiologia da cárie
Microbiologia da cárieOyara Mello
 
Clase 2. determinantes ecológicos orales
Clase 2.  determinantes ecológicos oralesClase 2.  determinantes ecológicos orales
Clase 2. determinantes ecológicos oralesNatalia GF
 
Aula 8 microbiota normal
Aula 8   microbiota normalAula 8   microbiota normal
Aula 8 microbiota normalcasagrande0606
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoholetzlourenco
 
Microbiota oral
Microbiota oralMicrobiota oral
Microbiota oralMi Oo
 
Microbiota oral
Microbiota oralMicrobiota oral
Microbiota oralCat Lunac
 
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisDr.João Calais.:
 
Periodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaPeriodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaElisabete Arruda
 

Destaque (20)

Microbiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial TacnaMicrobiota Oral - UAP filial Tacna
Microbiota Oral - UAP filial Tacna
 
Microbiota normal
Microbiota normal Microbiota normal
Microbiota normal
 
Microbiota Normal
Microbiota NormalMicrobiota Normal
Microbiota Normal
 
Microbiologia oral
Microbiologia oralMicrobiologia oral
Microbiologia oral
 
Ecologia de-la-cavidad-bucal
Ecologia de-la-cavidad-bucalEcologia de-la-cavidad-bucal
Ecologia de-la-cavidad-bucal
 
flora microbiana oral y placa dental
 flora microbiana oral y placa dental flora microbiana oral y placa dental
flora microbiana oral y placa dental
 
Microbiologia da cárie
Microbiologia da cárieMicrobiologia da cárie
Microbiologia da cárie
 
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
Aula 1-ecologia-e-biofilmes-
 
Clase 2. determinantes ecológicos orales
Clase 2.  determinantes ecológicos oralesClase 2.  determinantes ecológicos orales
Clase 2. determinantes ecológicos orales
 
Doença periodontal
Doença periodontalDoença periodontal
Doença periodontal
 
Aula 8 microbiota normal
Aula 8   microbiota normalAula 8   microbiota normal
Aula 8 microbiota normal
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
 
Microbiota oral
Microbiota oralMicrobiota oral
Microbiota oral
 
BIOFILMES
BIOFILMESBIOFILMES
BIOFILMES
 
Biofilme
BiofilmeBiofilme
Biofilme
 
Microbiota oral
Microbiota oralMicrobiota oral
Microbiota oral
 
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
 
Flúor
FlúorFlúor
Flúor
 
Gengivite
GengiviteGengivite
Gengivite
 
Periodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaPeriodontia em Odontologia
Periodontia em Odontologia
 

Semelhante a Microbiota bucal 2014

ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.pptECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.pptFilipeAmorim34
 
A microbiologia dos alimentos e a
A microbiologia dos alimentos e aA microbiologia dos alimentos e a
A microbiologia dos alimentos e aCatarina Schmidt
 
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.pptMarco Aurelio
 
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaControle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaRosenildoCorrea2
 
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosLORRANE BRANDÃO
 
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxAula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxJoaraSilva1
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeWheverton Teixeira
 
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemmicrobiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemssuser5cab6e
 
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMicrobiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalMicrobiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalkelilibardi
 
Aula 2 introducao a microb de alimentos 20140316141849
Aula 2   introducao a microb de alimentos 20140316141849Aula 2   introducao a microb de alimentos 20140316141849
Aula 2 introducao a microb de alimentos 20140316141849Elmo Oliveira
 
Microbiota odontologia e a cárie 16.pdf
Microbiota odontologia e a cárie   16.pdfMicrobiota odontologia e a cárie   16.pdf
Microbiota odontologia e a cárie 16.pdfPamelaValquiria2
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfProfFelipeSoaresQumi
 
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptxAula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptxWander Reis
 

Semelhante a Microbiota bucal 2014 (20)

ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.pptECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
ECOLOGIA2010-I AULA PRESENCIAL-polos.ppt
 
Microbiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentosMicrobiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentos
 
A microbiologia dos alimentos e a
A microbiologia dos alimentos e aA microbiologia dos alimentos e a
A microbiologia dos alimentos e a
 
HSAR.pptx
HSAR.pptxHSAR.pptx
HSAR.pptx
 
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
10 Microbiologia - MICROBIOTA NORMAL.ppt
 
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaControle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
 
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de Alimentos
 
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxAula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
 
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemmicrobiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
 
Microbiologia: áreas de atuação no Brasil (segundo SBM)
Microbiologia: áreas de atuação no Brasil (segundo SBM)Microbiologia: áreas de atuação no Brasil (segundo SBM)
Microbiologia: áreas de atuação no Brasil (segundo SBM)
 
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMicrobiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
 
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalMicrobiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
 
ConservaçãO
ConservaçãOConservaçãO
ConservaçãO
 
Aula 2 introducao a microb de alimentos 20140316141849
Aula 2   introducao a microb de alimentos 20140316141849Aula 2   introducao a microb de alimentos 20140316141849
Aula 2 introducao a microb de alimentos 20140316141849
 
Microbiota odontologia e a cárie 16.pdf
Microbiota odontologia e a cárie   16.pdfMicrobiota odontologia e a cárie   16.pdf
Microbiota odontologia e a cárie 16.pdf
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
 
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptxAula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
 
Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose
 
789 3004-2-pb
789 3004-2-pb789 3004-2-pb
789 3004-2-pb
 

Mais de Dr.João Calais.:

Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoDr.João Calais.:
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Dr.João Calais.:
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaDr.João Calais.:
 
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecularDr.João Calais.:
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014Dr.João Calais.:
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoDr.João Calais.:
 
Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDr.João Calais.:
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posterioresDr.João Calais.:
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Dr.João Calais.:
 

Mais de Dr.João Calais.: (20)

Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Mutação
MutaçãoMutação
Mutação
 
Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
 
Ortodontia1
Ortodontia1Ortodontia1
Ortodontia1
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeça
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
 
Miologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoçoMiologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoço
 
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014
 
Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
 
Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia le
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posteriores
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
 
Amálgama parte ii
Amálgama  parte iiAmálgama  parte ii
Amálgama parte ii
 
Embriologia bucal
Embriologia bucalEmbriologia bucal
Embriologia bucal
 
Dentística3
Dentística3Dentística3
Dentística3
 

Último

04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 

Último (20)

04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 

Microbiota bucal 2014

  • 2. MICROBIOTA NORMALMICROBIOTA NORMAL As superfícies das mucosas e da pele são colonizadas por uma microbiota característica Regiões que não apresentam micro-organismos: Laringe, cérebro e órgãos internos Importante pelas funções desempenhadas Dependente de: Dieta, idade, estado hormonal, saúde, condições sanitárias, higiene pessoal,.... Classificada em: Residente (indígena), Transitória (adventícia) A exposição a um MO pode causar: 1 – colonização transitória 2 – colonização permanente 3 – produzir doença
  • 3. MICROBIOTA BUCALMICROBIOTA BUCAL A cavidade bucal é um sistema de crescimento aberto; Somente se estabelece o micro-organismo com capacidade de aderência ou que permaneça retido (sulcos, fissuras ou espaços interproximais dos dentes) A cavidade bucal é um sistema de crescimento aberto; Somente se estabelece o micro-organismo com capacidade de aderência ou que permaneça retido (sulcos, fissuras ou espaços interproximais dos dentes) MICROBIOTA PRÓPRIAMICROBIOTA PRÓPRIA
  • 4. Compreende diversos locais com uma comunidade microbiana característica; Cada ecossistema é formado por uma variedade de tipos bacterianos que preferem certos habitat; Nichos ecológicos da microbiota bucal: CAVIDADE ORALCAVIDADE ORAL
  • 5. dorso da línguadorso da língua Sulco gengivalSulco gengival Mucosa biofilme
  • 6. Cerca de 500 espécies bacterianas conhecidas; 30 gêneros diferentes; Saliva: 43 milhões a 5,5 bilhões de bactérias/mL (média: 750 milhões/mL); Biofilme dentário: 200 bilhões de células/g 3% dos micro-organismos causam doença 97% são benéficos Nº MICRORGANISMOS...
  • 7. Porque dessa diversidade... Apresenta condições favoráveis:  Tensão de oxigênio  Disponibilidade de nutrientes  Ambientes para colonização  Estruturas amolecidas (mucosas) o Superfícies rígidas (dentes) Apresenta condições favoráveis:  Tensão de oxigênio  Disponibilidade de nutrientes  Ambientes para colonização  Estruturas amolecidas (mucosas) o Superfícies rígidas (dentes)
  • 8. Aquisição da Microbiota Oral In útero (feto) normalmente asséptico no nascimento adquire a microbiota do trato genital da mãe (lactobacilos, corinebactérias, micrococos, coliformes, estreptococos, leveduras, protozoários)
  • 9. AQUISIÇÃO DA MICROBIOTAAQUISIÇÃO DA MICROBIOTA Poucas horas após nascimento: Streptococcus salivarius, Streptococcus mitior; Erupção dos dentes induz novos habitats. Fixa-se Streptococcus mutans e Streptococcus sanguis; Nichos anaeróbicos induzem a mudança gradual da microbiota (de aeróbia para anaeróbia facultativa – Veillonella, Actinomyces)
  • 10. SUCESSÃO MICROBIANASUCESSÃO MICROBIANA Processo dinâmico que envolve a mudança de um tipo de comunidade por outra em resposta a modificações no meio Promove o estabelecimento final de uma microbiota madura Tipos de sucessão: Sucessão Alogênica Sucessão Autogênica
  • 11. SUCESSÃO ALOGÊNICASUCESSÃO ALOGÊNICA Substituição porque o habitat foi alterado por fatores não microbianos Nascimento Erupção e perda dos dentes Inserção de restaurações dentárias e aparelhos Mudanças nos hábitos alimentares Procedimentos de higiene bucal Doenças nos tecidos moles ou duros da boca Doenças sistêmicas Uso de fármacos
  • 12. SUCESSÃO AUTOGÊNICASUCESSÃO AUTOGÊNICA Comunidade residente altera o meio de tal forma que é substituída por outras espécies mais adaptadas Micro-organismos pioneiros criam ambiente mais favorável aos invasores secundários, tornando o habitat cada vez mais desfavorável a flora normal Remoção de nutrientes Produção de ácidos e outras substâncias inibitórias
  • 13. MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS MICRO-0RGANISMOS BUCAIS MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS MICRO-0RGANISMOS BUCAIS RETENÇÃO ADESIVA Bactérias se fixam a superfície dos tecidos bucais Glicocálice bacteriano Fímbrias ou adesinas Polímeros bacterianos extracelulares Utilização de polímeros salivares e aderência entre microrganismos
  • 14. RETENÇÃO NÃO ADESIVA Ocorre por retenção mecânica Fossas Fissuras de dentes Lesões de cárie Sulco gengival Bolsa periodontal Retenção mecânica por partículas alimentares MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS MICRO-ORGANISMOS BUCAIS MECANISMO DE ADERÊNCIA DOS MICRO-ORGANISMOS BUCAIS
  • 16. NATUREZA DA MICROBIOTA BUCAL Cocos Gram-positivos Enterococcus, Gemella, Micrococcus, Peptococcus, Peptostreptococcus, Staphylococcus, Stomatococcus, Streptococcus Cocos Gram-negativos Branhamella, Moraxella, Neisseria, Veillonella Bacilos Gram-positivos Actinomyces, Arachnia, Bifidobacterium, Corynebacterium, Eubacterium, Lactobacillus, Propionibacterium, Rothia Cocos Gram-positivos Enterococcus, Gemella, Micrococcus, Peptococcus, Peptostreptococcus, Staphylococcus, Stomatococcus, Streptococcus Cocos Gram-negativos Branhamella, Moraxella, Neisseria, Veillonella Bacilos Gram-positivos Actinomyces, Arachnia, Bifidobacterium, Corynebacterium, Eubacterium, Lactobacillus, Propionibacterium, Rothia
  • 17. Bacilos Gram-negativos Actinobacillus, Bacteroides,, Capynocitophaga, Cardiobacterium, Fusobacterium, Haemophilus, Prevotella, Enterobacateriaceae, outros.... Vibriões e espiroquetas Campylobacter, Helicobacter, Treponema Micoplasmas Fungos Candida, Rhodotorula, Torulopsis Vírus Bacilos Gram-negativos Actinobacillus, Bacteroides,, Capynocitophaga, Cardiobacterium, Fusobacterium, Haemophilus, Prevotella, Enterobacateriaceae, outros.... Vibriões e espiroquetas Campylobacter, Helicobacter, Treponema Micoplasmas Fungos Candida, Rhodotorula, Torulopsis Vírus
  • 18. Fatores que influenciam a aquisição e/ou equilíbrio da microbiota bucal Fatores físicos Fatores microbianos (aderência) Fatores nutricionais Fatores inibitórios (Defesa do hospedeiro)
  • 19. FATORES FÍSICOS o Anaerobiose o Estabelecida pela microbiota aeróbia o Maioria da microbiota é anaeróbia (influenciada pela presença ou não dos dentes) o Temperatura: o 25°C – 40°C o influencia na atividade enzimática, pH, solubilidade, crescimento; o pH (saliva): 6,0 – 7,8;
  • 20.  Presença de receptores no hospedeiro e micro-organismos (adesinas, fímbrias, glicocálice)  Produção de polímeros extracelulares pela bactéria (dextrano e ácido hialurônico)  Retenção não adesiva – aprisionamento mecânico  Presença de receptores no hospedeiro e micro-organismos (adesinas, fímbrias, glicocálice)  Produção de polímeros extracelulares pela bactéria (dextrano e ácido hialurônico)  Retenção não adesiva – aprisionamento mecânico FATORES MICROBIANOS Aderência
  • 21.  Qualidade da dieta  Composição química dos alimentos:  Influencia microbiota: acidogênicos, proteolíticos,...  Consistência física dos componentes (pastosos x duros)  Freqüência de sua apresentação FATORES NUTRICIONAIS
  • 22. o Células descamativas: o 100 a 200 bactérias/cél o 6x105 cels epiteliais/mL de saliva Fluído Gengival Imunoglobulinas locais (IgA), leucócitos, componentes do sistema complemento Fatores salivares não específicos: Capacidade tampão da saliva Propriedades antimicrobianas: lisozima, histidina, lactoferrina, .... FATORES INIBITÓRIOS Defesa do hospedeiro
  • 23. o Fatores sistêmicos  Alterações hormonais  Estresse  Diabetes  Leucemia  Imunodeficiências  Quimioterapias  Uso de antimicrobianos FATORES INIBITÓRIOS Redução do fluxo salivar Maior risco de infecção
  • 24. *Ação mecânica Fluxo salivar (1,2 litros/24 horas) Movimento muscular Mastigação Deglutição Higiene bucal Presença ou ausência de dentes o Integridade dos dentes e de seus tecidos de sustentação FATORES INIBITÓRIOS
  • 26. ACIDOGÊNICOSACIDOGÊNICOS Microrganismos elaboram ácidos a partir de carboidratos Estão frequentemente ligadas a etiologia da cárie dentária (desmineralização dos tecidos duros dentários por ácidos orgânicos) Lactobacillus, Streptococcus
  • 27. ACIDÚRICOSACIDÚRICOS Microrganismos que sobrevivem em pH ácido Toleram pH inferior a 5,5 (próprio do ecossistema da cárie) Bactérias também relacionadas a cárie dentária Lactobacillus, Streptococcus e leveduras
  • 28. PROTEOLÍTICOSPROTEOLÍTICOS Microrganismos que se utilizam de proteína para seu metabolismo Degradam proteína, podendo levar à destruição tecidual Geralmente associados a doença periodontal Prevotella melaninogenica
  • 29. Potencial patogênico dos microrganismos bucais Micro-organismos podem proliferar em áreas restritas e causar dano (Ex: cárie dentária) Micro-organismos podem disseminar aos tecidos vizinhos (Ex: Gengivite ulcerativa necrosante) Micro-organismos podem causar lesões à distância por bacteremia ou por produtos lançados à circulação linfática (Ex: Endocardite bacteriana subaguda)