SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Perguntas e Respostas
Microbiologia de Alimentos
Profª.Esp.: Lorrane Brandão
Tecnóloga em Alimentos
1- Por que estudar microbiologia de alimentos?
• Para conhecer os microrganismos de interesse alimentar, através de suas
características, seus fatores de virulência, mecanismos de patogenicidade e
alimentos associados ou seja conhecer a influência dos microrganismos nas
características dos produtos alimentícios de consumo humano ou animal.
2- Quem são os microrganismos?
• Os Microrganismos são uma forma de vida que não pode ser visualizada sem
auxílio de um microscópio. Estes seres diminutos podem ser encontrados no
ar, no solo, e, inclusive, no homem.
• Silva Júnior (1995, p.25-6) ressalta que existem três tipos específicos de
microrganismos: os fungos, os vírus e as bactérias.
3- Quais as características dos Microrganismos?
• Principais características das Bactérias:
DIMENSÕES – 0,5 a 10 micra de comprimento
FORMA: Cocos – células de forma esférica
Bacilos – forma de bastonetes
Espirilos – forma espiralada
Vibrião – forma de vírgula
ARRANJO - Há formas coloniais decorrentes da agregação das formas individuais
Diplococos – colônias formadas por dois cocos ligados
Estreptococos – cocos unidos em fileiras, como se fossem contas de colar
Estafilococos – cocos agregados desordenadamente
Continuação ....
• ESTRUTURA - As bactérias são constituídas, normalmente, por uma
parede celular, que contém em sua composição polissacarídeos, proteínas e
também lipídios. Internamente à parede celular, encontra-se a membrana
plasmática, que é lipo-protéica e o citoplasma,. O cromossomo encontra-se
no citoplasma e possui forma circular. É constituído por uma molécula de
DNA que está ligado a uma membrana de proteína.
Continuação...
• REPRODUÇÃO DAS BACTERIAS – Reproduzem-se por divisão binária, onde
uma célula se divide, formando duas células. Assim sendo, partindo de uma única
bactéria, o aumento populacional se faz em progressão geométrica:
• 1 2  22  23  24  25 ..... 2n
• O tempo necessário para que a célula se divida ou seja, que a população duplique é
conhecido como “TEMPO DE GERAÇÃO”
Continuação...
• A reprodução das bactérias é ASSEXUADA
• Algumas bactérias formam sob certas condições, formas resistentes que são
chamadas de “ESPOROS”. O fenômeno de da formação de esporos é
chamado “ESPORULAÇÃO”
• EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS – há bactérias que fabricam seu próprio
alimento (AUTOTRÓFICAS) e outras que retiram seu alimento do meio em
que se encontram (HETEROTRÓFICAS).
Características dos Fungos:
• Os fungos são organismos heterotróficos, obtendo sua alimentação a partir da matéria
orgânica inanimada ou nutrindo-se como parasitas de hospedeiros vivos. Como saprófitas,
decompõem resíduos complexos de plantas e animais, transformando-os em formas
químicas mais simples, que retornam ao solo. Tais substâncias são, então, absorvidas pelas
gerações vegetais subseqüentes. Desse modo, a atividade fúngica é amplamente responsável
pela fertilidade do solo.
• O crescimento dos fungos saprofitas, contudo pode ser prejudicial – apodrecimento da
madeira, dos tecidos e dos alimentos.
• Como parasitas causam doenças em vegetais, no homem e nos animais, embora a maior
parte das micoses seja menos severa que as bacterioses ou as viroses.
• São importantes na fabricação de queijos, antibióticos etc.
MORFOLOGIA DOS FUNGOS
• São microrganismos eucarióticos, pluricelulares, reproduzem-se,
naturalmente, por meio de esporos. Não tem clorofilas, e,
portanto não podem fazer a fotossíntese, são filamentosos, medem
em geral 5 a 10 m de dimensão transversal, são comumente
ramificados. Em sua maioria são imóveis. A maior parte entre
todas as classes de fungo produz esporos de dois modos:
SEXUADA E ASSEXUADA.
O talo de um fungo é tipicamente composto por filamento tubular chamado
“HIFAS”. O conjunto de hifas recebe a denominação de “MICÉLIO”.
Fisiologia e nutrição dos fungos
• Fisiologicamente, os fungos adaptam-se a sobrecargas mais severas do que a maioria dos
microrganismos. Desenvolvem-se em altas concentrações de açucares.
• Podem tolerar e crescer em concentrações altas de ácidos, suportando variações de pH entre 2,0
e 9,0.
• São capazes de viverem em ambientes úmidos e secos.
• A maioria dos fungos são estritamente aeróbios
• Desenvolve-se numa ampla faixa de temperatura, com um ótimo de 22 a 30ºC.
• A glicose é a fonte de carbono adequada para, praticamente, todos os fungos.
• A sacarose e a maltose, assim como muitos compostos orgânicos de carbono mais complexos
(amido celulose). Nitrogênio orgânico, sob a forma de sais de amônio ou de hidratos.
CARACTERISTICAS DAS LEVEDURAS
• As leveduras são fungos, mas deles se diferenciam por serem unicelulares.
• Sua reprodução se faz, geralmente por divisão binária. Como células crescem e se reproduzem mais
rapidamente que os bolores.
• São desprovidas de clorofilas
• Medem de 10 a 15 micras, com formato esférico, oval ou em forma de bastão.
• São similares as bactérias na morfologia, formação de colônias, métodos de cultivos e atividades
bioquímicas
• Crescem dentro da faixa de temperatura de 25 a 40ºC
• Desenvolve-se em meios contendo uma quantidade relativa de umidade
• Crescem na presença e também na ausência de oxigênio
• São ativos agentes oxidativos e fermentadores dos ácidos orgânicos e carboidratos
• São proteolíticos embora algumas espécies decompõem a gordura
• São usadas na fabricação de vinhos, cervejas, aguardente, pão .
CARACTERISTICAS DOS VIRUS
• São microrganismos muito pequenos (em media 0,1 micra). Não possuem estrutura celular,
são construídos por ácido nucléico (DNA ou RNA) circundado por uma camada protéica e
são incapazes de produzir ATP, ou seja, energia necessária para as atividades de uma célula
ou organismo superior.
• Assim precisam de uma célula viva para se replicar, da qual utilizam as estruturas celulares
que lhes faltam e o ATP da célula parasitada. São inativos nos alimentos. Nos alimentos
provocam problemas na fabricação de iogurtes e queijos, pois os bacteriófagos destroem as
células das culturas starter.
• Os vírus patogênicos como o da hepatite A, da poliomelite e os causadores da gastroenterite
(rotavirus e vírus Norwalk) podem ser veiculados ao homem por água e alimentos.
4- Onde são encontrados?
• Podem ser encontrados no ar, no solo, e, inclusive, no homem.
5- Explique a curva de crescimento microbiano?
Curva de Crescimento M.O
• Fase Lag é um período em que ocorre pouca ou ausência de divisão celular, que pode
estender por uma hora ou até vários dias.
• Fase Log ou Fase de crescimento exponencial é um período em que a reprodução celular
encontra-se extremamente ativa onde o tempo de geração é constante.
• Fase Estacionária é um período em que o Nº de morte celular é equivalente ao Nº de
células novas e a população se torna estável.
• Fase de Morte Celular ou Fase de Declínio é um período em que o Nº de células mortas
excede o de células novas.
6- Microaeróbios se desenvolvem na presença de
oxigênio (cerca de 12%). Cite exemplo e explique:
• Bordetella é um género de bactérias patogénicas, responsáveis por várias
formas de tosse convulsa, capaz de entrar no organismo da pessoa através do
contato com a saliva do doente.
• As espécies de Bordetella são cocobacilos de pequenas dimensões (0.2 -
0.7 µm), gram-negativos.
• água de lagos Exemplo: Spirillum volutans
7- Aeróbios só se desenvolvem na presença de
oxigênio. Cite 01 exemplo e explique.
• Bacillus, Nocardia, Pseudomonas aeruginosa e Mycobacterium tuberculosis.
• bolores, leveduras e muitas bactérias (B. cereus).
• Bactérias aeróbicas precisam de oxigênio para sua respiração. Sem oxigênio,
não há produção de adenosina trifosfato (ATP), que fornece energia para os
processos celulares da bactéria. As bactérias variam quanto à quantidade de
oxigênio que precisam para realizarem suas reações químicas. Enquanto
algumas só conseguem sobreviver com um alto nível de oxigênio no ar,
outras bactérias preferem quantidades menores.
8- Anaeróbios só se desenvolvem na ausência
de oxigênio. Cite 01 exemplo e explique.
• Para os organismos anaeróbios os quais não utilizam, na maioria das vezes, o
oxigênio a sua obtenção de energia ocorre por meio da chamada respiração
anaeróbia que tem como principal processo a fermentação que pode ser lática ou
alcoólica e que não tem oxigênio em sua efetuação.
• Com relação aos seus exemplos existem muitos representantes de bactérias
anaeróbias como lactobacilos usados na produção de iogurtes e coalhadas, fungos
como oSaccharomyces cerevisae usado para fazer bebidas alcoólicas como a cerveja e
outros.
• C. botulinum, bact. deteriorantes, C. perfringens.
9- Facultativos apresentam ambos metabolismos
(aeróbio e anaeróbio). Cite 01 exemplo e explique.
• Multiplicam-se igualmente bem em aerobiose e anaerobiose. Ex:
Enterobacteriaceae.
• leveduras importantes são aeróbias ou anaeróbias facultativas.
10- Fatores intrínsecos são a expressão das propriedades
físicas, biológicas e composição química do próprio
alimento. Cite 04 exemplos.
• Acidez (pH)
• Umidade (Aw)
• Composição química ( nutrientes)
• Substâncias antimicrobianas naturais
• Microbiota competitiva
11- Quais são os fatores que afetam a
resistência dos microrganismos ao calor?
• Água: resistência aumenta com a diminuição da aw
• o Ex: esporos de Bacillus cereus
• o Aw = 1,0 D95° = 2,386 min
• o Aw = 0,84 D95°C = 13,842 min
• o Gordura
• o Sais
• o Carboidratos: aumento da concentração aumenta resistência.
Continuação...
• pH
 Mais resistentes nos seus pH ótimos de crescimento
 Alimentos ácidos – menos calor é aplicado para esterilizar.
• Proteínas – efeito protetor
• o Número de organismos – qto maior o número de organismos maior a
resistência (excreção de substâncias protetoras).
• o Organismos com diferentes graus de resistência.
Continuação...
• Idade dos organismos
 Fase estacionária são mais resistentes que na fase log
 Resistência é alta no início da fase lag.
• o Esporos velhos são mais resistentes que os novos.
12- Existem outros métodos físicos de
inativação microbiana. Quais são? Explique.
• FILTRAÇÃO
 Filtros de ar particulados
 Filtros de membrana
• BAIXAS TEMPERATURAS
 Efeito bacteriostático (refrigeração)
 Congelamento lento é mais eficiente
• DESIDRATAÇÃO
 Bactérias podem continuar viáveis mesmo sem água
 Vírus resistem
Continuação...
• PRESSÃO OSMÓTICA
 Altas concentrações de sal ou de açúcar criam um ambiente hipertônico que faz com
que a água saia da célula – plasmólise.
• RADIAÇÕES
 IONIZANTES – raios gama
 NÃO-IONIZANTES – UV – lesiona o DNA das células, inibindo replicação.
13- Qual a definição para coliformes 35°C? Cite
exemplo e explique.
• bastonetes G-, não esporulados, aeróbios ou facultativos,
• Crescem na presença de sais biliares,
• São oxidase negativos,
• Fermentam a lactose com produção de gás a 35ºC em 24/48 horas.
 Exemplos: Escherichia coli, Enterobacter cloacae, Klebsiella, Citrobacter,
Serratia, entre outros.
14- Qual a definição para coliformes 45°C? Cite
exemplo e explique.
• Coliformes que fermentam a lactose com produção de gás e ácido em 24/48
horas, a 45ºC (termotolerantes).
• Também conhecidos como “coliformes a 45ºC” (Resolução 12/2001 – MS)
• A presença dessas bactérias indica risco potencial de microrganismos
patogênicos.
• Principal representante é a Escherichia coli.
15- Qual a definição para Escherichia coli?
Cite Exemplo e explique.
• Bastonetes G -, não esporulados.
• Indicador de qualidade higiênico-sanitária.
• Fonte: intestino de animais (inclusive homem).
• Inativação do microrganismo: a partir de 60ºC (74ºC no centro geométrico
do alimento).
• pH de crescimento: aproximadamente de 4,4 a 9,0
Continuação...
• Há 5 grupos envolvidos com toxinfecções alimentares:
• E. coli enteroagregativa (EaggEC)
• E. coli enteropatogênica (EPEC)
• E. coli enteroinvasiva (EIEC)
• E. coli enterotoxigênica (ETEC)
• E. coli enterohemorrágica (O157:H7)
16- Como se apresenta E. coli enteroagregativa
(EaggEC)? Explique.
• Apresentam capacidade de aderência tipo “empilhamento de tijolos” devido a
fímbrias específicas (plasmídeo de 60MDa).
• São relacionadas as EPEC; Não invadem tecido.
• Produzem uma enterotoxina (EAST1) termoestável (100ºC/30 min.) presente em
plasmídeo.
• Produzem diarréia persistente (mais de 14 dias), principalmente em crianças).
• Dose infectiva: aprox. 108 UFC/g.
17- Como se apresenta E. coli enteropatogênica
(EPEC)? Explique.
• Envolvida em surtos em crianças de até 1 ano.
• Muitos adultos são portadores assintomáticos.
• Não produzem enterotoxinas.
• Apresentam lesões tipo “ligação-desaparecimento”, que resultam em destruição das
vilosidades intestinais e formação de “pedestais”, que diminuem a absorção.
• Dose infectiva: cerca de 108 a 1010UFC/g.
• Duração: alguns dias.
18- Como se apresenta E. coli enteroinvasiva
(EIEC)? Explique.
• Muito semelhante à Shigella em termos bioquímicos e sorológicos. Contudo, não produz
enterotoxina.
• Invadem células do intestino (genes plasmidiais como na S. flexneri), se multiplicam e
invadem células adjacentes.
• Produzem diarréia volumosa com sangue ou não. Disenteria é rara (diarréia não volumosa).
• Dose infectiva: aproximadamente 108 UFC/g.
• Sintomas: febre, contrações abdominais, e desinteria. Dose infectiva: 106 a 108 células.
• Tempo de incubação: 8 24 horas com media de 11 horas. Duração: alguns dias
19- Como se apresenta E. coli enterotoxigênica
(ETEC)? Explique.
• É uma das principais responsáveis pela “diarréia dos viajantes”.
• Tal síndrome é bastante semelhante a cólera.
• Não há penetração tecidual, não há febre nem sangue nas fezes.
• Período de incubação: media de 26 horas. Duração: 24 a 30 horas.
• Ataca tanto crianças como adultos.
• Dose infectiva: 108 a 1010 UFC/g.
20- Por que a E. coli enterohemorrágica
(O157:H7) é conhecida como “a renegada”?
• É conhecida como E. coli enterohemorrágica (EHEC) ou produtora de
verotoxina- VTEC (shiga-like toxin) responsável pela “colite hemorrágica”.
• Está distribuída por todo o mundo.
• Ao contrário das outra E. coli, a O157:H7 não fermenta o sorbitol, é
betaglucoronidase negativa e o seu crescimento é pobre ou nulo a 44ºC.
21- Verotoxina é uma citotoxina responsável
pelos sintomas das enterocolites. Explique.
• Ela inibe a síntese proteica das células, provocando morte e hemorragia.
• Ela é liberada no intestino, passa para o sangue e danifica o endotélio
vascular e eritrócitos.
• Provoca o acúmulo da fibrina no SNC (sistema nervoso central) e órgãos.
22- Explique o mecanismo de virulência das
Salmonella.
FrenteaLogo
23 – Como se define a Shigella? Explique
• Gênero Enterobacteriaceae;
• Filogeneticamente relacionadas com a Salmonella e com a E. coli (FORSYTHE, 2002; Jay,
2005);
• Bastonetes Gram negativos; Não esporulados; Anaeróbio facultativo;
• Espécies:
 S. dysenteriae
 S. flexneri,
 S. boydii
 S. sonnei
24- Qual a situação da Shigelose no mundo?
• A OMS aponta a Shigella como sendo um dos principais problemas mundiais de saúde
pública (Fullá N., et al., 2005).
• No Japão são relatados de 1000-1600 casos de shigellose por ano (MIYAGI, et al., 2001).
• 2004: surto escola em Madri com 520 alunos
• Caso inicial: menina 3 anos
• 60 crianças e 28 familiares
• Taxa Ataque: 12% escola e 32% residência
• Duração : 2 meses detecção tardia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnicas de conservação de alimentos
Tecnicas de conservação de alimentosTecnicas de conservação de alimentos
Tecnicas de conservação de alimentosCátia Magrinho
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Jaqueline Almeida
 
Aula introdução unoesc
Aula introdução unoescAula introdução unoesc
Aula introdução unoescFabiana Soares
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a MicrobiologiaTiago da Silva
 
Doenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentosDoenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentosNome Sobrenome
 
Introdução à bromatologia
Introdução à bromatologiaIntrodução à bromatologia
Introdução à bromatologiaUFPE
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosUERGS
 
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosfcanico
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaJaqueline Almeida
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeHamilton Nobrega
 
Fatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosFatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosGleyson Costa
 
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAlvaro Galdos
 
09. deterioração microbiana de alimentos
09. deterioração microbiana de alimentos09. deterioração microbiana de alimentos
09. deterioração microbiana de alimentosIgor Reis
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímicaMessias Miranda
 

Mais procurados (20)

Tecnicas de conservação de alimentos
Tecnicas de conservação de alimentosTecnicas de conservação de alimentos
Tecnicas de conservação de alimentos
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
 
Aula introdução unoesc
Aula introdução unoescAula introdução unoesc
Aula introdução unoesc
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Metodos de analises
Metodos de analisesMetodos de analises
Metodos de analises
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Doenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentosDoenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentos
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 
Introdução à bromatologia
Introdução à bromatologiaIntrodução à bromatologia
Introdução à bromatologia
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
 
Tecnologia do leite
Tecnologia do leiteTecnologia do leite
Tecnologia do leite
 
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Fatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosFatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecos
 
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
 
09. deterioração microbiana de alimentos
09. deterioração microbiana de alimentos09. deterioração microbiana de alimentos
09. deterioração microbiana de alimentos
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 

Semelhante a Microbiologia de Alimentos

Bactériasaula raquel
Bactériasaula raquelBactériasaula raquel
Bactériasaula raquelRaquel Freiry
 
Bactérias aula Raquel
Bactérias aula RaquelBactérias aula Raquel
Bactérias aula RaquelRaquel Freiry
 
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalMicrobiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalkelilibardi
 
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolinMicrobiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolinJoão Siqueira da Mata
 
Especialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEspecialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEd Wilson Santos
 
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptxAula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptxWander Reis
 
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaControle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaRosenildoCorrea2
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMaria Céu Santos
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMaria Céu Santos
 
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxAula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxJoaraSilva1
 

Semelhante a Microbiologia de Alimentos (20)

6
66
6
 
Bactériasaula raquel
Bactériasaula raquelBactériasaula raquel
Bactériasaula raquel
 
Bactérias aula Raquel
Bactérias aula RaquelBactérias aula Raquel
Bactérias aula Raquel
 
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animalMicrobiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
Microbiologia apostila tecnologia-de-alimentos-de-origem-animal
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
 
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolinMicrobiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
 
Especialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEspecialidade de bactérias
Especialidade de bactérias
 
Vírus e bactérias
Vírus e bactériasVírus e bactérias
Vírus e bactérias
 
Monera
MoneraMonera
Monera
 
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptxAula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
Aula 1 Fundamentos da Microbiologia.ss.pptx
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
 
BactéRias..
BactéRias..BactéRias..
BactéRias..
 
reinos microscópicos.pdf
reinos microscópicos.pdfreinos microscópicos.pdf
reinos microscópicos.pdf
 
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanaciaControle e crescimento Microbiano, sua importanacia
Controle e crescimento Microbiano, sua importanacia
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
 
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptxMicrorganismos_João Couto_6º CF.pptx
Microrganismos_João Couto_6º CF.pptx
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptxAula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
Aula Morfologia e Citologia dos Fungos.pptx
 
Reino monera (1)
Reino monera (1)Reino monera (1)
Reino monera (1)
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 

Último

Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfLarissa Souza
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Dirceu Resende
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfRodolpho Concurde
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfCarlos Gomes
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 

Último (6)

Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 

Microbiologia de Alimentos

  • 1. Perguntas e Respostas Microbiologia de Alimentos Profª.Esp.: Lorrane Brandão Tecnóloga em Alimentos
  • 2. 1- Por que estudar microbiologia de alimentos? • Para conhecer os microrganismos de interesse alimentar, através de suas características, seus fatores de virulência, mecanismos de patogenicidade e alimentos associados ou seja conhecer a influência dos microrganismos nas características dos produtos alimentícios de consumo humano ou animal.
  • 3. 2- Quem são os microrganismos? • Os Microrganismos são uma forma de vida que não pode ser visualizada sem auxílio de um microscópio. Estes seres diminutos podem ser encontrados no ar, no solo, e, inclusive, no homem. • Silva Júnior (1995, p.25-6) ressalta que existem três tipos específicos de microrganismos: os fungos, os vírus e as bactérias.
  • 4. 3- Quais as características dos Microrganismos? • Principais características das Bactérias: DIMENSÕES – 0,5 a 10 micra de comprimento FORMA: Cocos – células de forma esférica Bacilos – forma de bastonetes Espirilos – forma espiralada Vibrião – forma de vírgula ARRANJO - Há formas coloniais decorrentes da agregação das formas individuais Diplococos – colônias formadas por dois cocos ligados Estreptococos – cocos unidos em fileiras, como se fossem contas de colar Estafilococos – cocos agregados desordenadamente
  • 5.
  • 6. Continuação .... • ESTRUTURA - As bactérias são constituídas, normalmente, por uma parede celular, que contém em sua composição polissacarídeos, proteínas e também lipídios. Internamente à parede celular, encontra-se a membrana plasmática, que é lipo-protéica e o citoplasma,. O cromossomo encontra-se no citoplasma e possui forma circular. É constituído por uma molécula de DNA que está ligado a uma membrana de proteína.
  • 7.
  • 8. Continuação... • REPRODUÇÃO DAS BACTERIAS – Reproduzem-se por divisão binária, onde uma célula se divide, formando duas células. Assim sendo, partindo de uma única bactéria, o aumento populacional se faz em progressão geométrica: • 1 2  22  23  24  25 ..... 2n • O tempo necessário para que a célula se divida ou seja, que a população duplique é conhecido como “TEMPO DE GERAÇÃO”
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Continuação... • A reprodução das bactérias é ASSEXUADA • Algumas bactérias formam sob certas condições, formas resistentes que são chamadas de “ESPOROS”. O fenômeno de da formação de esporos é chamado “ESPORULAÇÃO” • EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS – há bactérias que fabricam seu próprio alimento (AUTOTRÓFICAS) e outras que retiram seu alimento do meio em que se encontram (HETEROTRÓFICAS).
  • 13. Características dos Fungos: • Os fungos são organismos heterotróficos, obtendo sua alimentação a partir da matéria orgânica inanimada ou nutrindo-se como parasitas de hospedeiros vivos. Como saprófitas, decompõem resíduos complexos de plantas e animais, transformando-os em formas químicas mais simples, que retornam ao solo. Tais substâncias são, então, absorvidas pelas gerações vegetais subseqüentes. Desse modo, a atividade fúngica é amplamente responsável pela fertilidade do solo. • O crescimento dos fungos saprofitas, contudo pode ser prejudicial – apodrecimento da madeira, dos tecidos e dos alimentos. • Como parasitas causam doenças em vegetais, no homem e nos animais, embora a maior parte das micoses seja menos severa que as bacterioses ou as viroses. • São importantes na fabricação de queijos, antibióticos etc.
  • 14. MORFOLOGIA DOS FUNGOS • São microrganismos eucarióticos, pluricelulares, reproduzem-se, naturalmente, por meio de esporos. Não tem clorofilas, e, portanto não podem fazer a fotossíntese, são filamentosos, medem em geral 5 a 10 m de dimensão transversal, são comumente ramificados. Em sua maioria são imóveis. A maior parte entre todas as classes de fungo produz esporos de dois modos: SEXUADA E ASSEXUADA.
  • 15. O talo de um fungo é tipicamente composto por filamento tubular chamado “HIFAS”. O conjunto de hifas recebe a denominação de “MICÉLIO”.
  • 16. Fisiologia e nutrição dos fungos • Fisiologicamente, os fungos adaptam-se a sobrecargas mais severas do que a maioria dos microrganismos. Desenvolvem-se em altas concentrações de açucares. • Podem tolerar e crescer em concentrações altas de ácidos, suportando variações de pH entre 2,0 e 9,0. • São capazes de viverem em ambientes úmidos e secos. • A maioria dos fungos são estritamente aeróbios • Desenvolve-se numa ampla faixa de temperatura, com um ótimo de 22 a 30ºC. • A glicose é a fonte de carbono adequada para, praticamente, todos os fungos. • A sacarose e a maltose, assim como muitos compostos orgânicos de carbono mais complexos (amido celulose). Nitrogênio orgânico, sob a forma de sais de amônio ou de hidratos.
  • 17.
  • 18. CARACTERISTICAS DAS LEVEDURAS • As leveduras são fungos, mas deles se diferenciam por serem unicelulares. • Sua reprodução se faz, geralmente por divisão binária. Como células crescem e se reproduzem mais rapidamente que os bolores. • São desprovidas de clorofilas • Medem de 10 a 15 micras, com formato esférico, oval ou em forma de bastão. • São similares as bactérias na morfologia, formação de colônias, métodos de cultivos e atividades bioquímicas • Crescem dentro da faixa de temperatura de 25 a 40ºC • Desenvolve-se em meios contendo uma quantidade relativa de umidade • Crescem na presença e também na ausência de oxigênio • São ativos agentes oxidativos e fermentadores dos ácidos orgânicos e carboidratos • São proteolíticos embora algumas espécies decompõem a gordura • São usadas na fabricação de vinhos, cervejas, aguardente, pão .
  • 19.
  • 20. CARACTERISTICAS DOS VIRUS • São microrganismos muito pequenos (em media 0,1 micra). Não possuem estrutura celular, são construídos por ácido nucléico (DNA ou RNA) circundado por uma camada protéica e são incapazes de produzir ATP, ou seja, energia necessária para as atividades de uma célula ou organismo superior. • Assim precisam de uma célula viva para se replicar, da qual utilizam as estruturas celulares que lhes faltam e o ATP da célula parasitada. São inativos nos alimentos. Nos alimentos provocam problemas na fabricação de iogurtes e queijos, pois os bacteriófagos destroem as células das culturas starter. • Os vírus patogênicos como o da hepatite A, da poliomelite e os causadores da gastroenterite (rotavirus e vírus Norwalk) podem ser veiculados ao homem por água e alimentos.
  • 21.
  • 22. 4- Onde são encontrados? • Podem ser encontrados no ar, no solo, e, inclusive, no homem.
  • 23. 5- Explique a curva de crescimento microbiano?
  • 24. Curva de Crescimento M.O • Fase Lag é um período em que ocorre pouca ou ausência de divisão celular, que pode estender por uma hora ou até vários dias. • Fase Log ou Fase de crescimento exponencial é um período em que a reprodução celular encontra-se extremamente ativa onde o tempo de geração é constante. • Fase Estacionária é um período em que o Nº de morte celular é equivalente ao Nº de células novas e a população se torna estável. • Fase de Morte Celular ou Fase de Declínio é um período em que o Nº de células mortas excede o de células novas.
  • 25. 6- Microaeróbios se desenvolvem na presença de oxigênio (cerca de 12%). Cite exemplo e explique: • Bordetella é um género de bactérias patogénicas, responsáveis por várias formas de tosse convulsa, capaz de entrar no organismo da pessoa através do contato com a saliva do doente. • As espécies de Bordetella são cocobacilos de pequenas dimensões (0.2 - 0.7 µm), gram-negativos. • água de lagos Exemplo: Spirillum volutans
  • 26. 7- Aeróbios só se desenvolvem na presença de oxigênio. Cite 01 exemplo e explique. • Bacillus, Nocardia, Pseudomonas aeruginosa e Mycobacterium tuberculosis. • bolores, leveduras e muitas bactérias (B. cereus). • Bactérias aeróbicas precisam de oxigênio para sua respiração. Sem oxigênio, não há produção de adenosina trifosfato (ATP), que fornece energia para os processos celulares da bactéria. As bactérias variam quanto à quantidade de oxigênio que precisam para realizarem suas reações químicas. Enquanto algumas só conseguem sobreviver com um alto nível de oxigênio no ar, outras bactérias preferem quantidades menores.
  • 27. 8- Anaeróbios só se desenvolvem na ausência de oxigênio. Cite 01 exemplo e explique. • Para os organismos anaeróbios os quais não utilizam, na maioria das vezes, o oxigênio a sua obtenção de energia ocorre por meio da chamada respiração anaeróbia que tem como principal processo a fermentação que pode ser lática ou alcoólica e que não tem oxigênio em sua efetuação. • Com relação aos seus exemplos existem muitos representantes de bactérias anaeróbias como lactobacilos usados na produção de iogurtes e coalhadas, fungos como oSaccharomyces cerevisae usado para fazer bebidas alcoólicas como a cerveja e outros. • C. botulinum, bact. deteriorantes, C. perfringens.
  • 28. 9- Facultativos apresentam ambos metabolismos (aeróbio e anaeróbio). Cite 01 exemplo e explique. • Multiplicam-se igualmente bem em aerobiose e anaerobiose. Ex: Enterobacteriaceae. • leveduras importantes são aeróbias ou anaeróbias facultativas.
  • 29.
  • 30. 10- Fatores intrínsecos são a expressão das propriedades físicas, biológicas e composição química do próprio alimento. Cite 04 exemplos. • Acidez (pH) • Umidade (Aw) • Composição química ( nutrientes) • Substâncias antimicrobianas naturais • Microbiota competitiva
  • 31. 11- Quais são os fatores que afetam a resistência dos microrganismos ao calor? • Água: resistência aumenta com a diminuição da aw • o Ex: esporos de Bacillus cereus • o Aw = 1,0 D95° = 2,386 min • o Aw = 0,84 D95°C = 13,842 min • o Gordura • o Sais • o Carboidratos: aumento da concentração aumenta resistência.
  • 32. Continuação... • pH  Mais resistentes nos seus pH ótimos de crescimento  Alimentos ácidos – menos calor é aplicado para esterilizar. • Proteínas – efeito protetor • o Número de organismos – qto maior o número de organismos maior a resistência (excreção de substâncias protetoras). • o Organismos com diferentes graus de resistência.
  • 33. Continuação... • Idade dos organismos  Fase estacionária são mais resistentes que na fase log  Resistência é alta no início da fase lag. • o Esporos velhos são mais resistentes que os novos.
  • 34. 12- Existem outros métodos físicos de inativação microbiana. Quais são? Explique. • FILTRAÇÃO  Filtros de ar particulados  Filtros de membrana • BAIXAS TEMPERATURAS  Efeito bacteriostático (refrigeração)  Congelamento lento é mais eficiente • DESIDRATAÇÃO  Bactérias podem continuar viáveis mesmo sem água  Vírus resistem
  • 35. Continuação... • PRESSÃO OSMÓTICA  Altas concentrações de sal ou de açúcar criam um ambiente hipertônico que faz com que a água saia da célula – plasmólise. • RADIAÇÕES  IONIZANTES – raios gama  NÃO-IONIZANTES – UV – lesiona o DNA das células, inibindo replicação.
  • 36. 13- Qual a definição para coliformes 35°C? Cite exemplo e explique. • bastonetes G-, não esporulados, aeróbios ou facultativos, • Crescem na presença de sais biliares, • São oxidase negativos, • Fermentam a lactose com produção de gás a 35ºC em 24/48 horas.  Exemplos: Escherichia coli, Enterobacter cloacae, Klebsiella, Citrobacter, Serratia, entre outros.
  • 37. 14- Qual a definição para coliformes 45°C? Cite exemplo e explique. • Coliformes que fermentam a lactose com produção de gás e ácido em 24/48 horas, a 45ºC (termotolerantes). • Também conhecidos como “coliformes a 45ºC” (Resolução 12/2001 – MS) • A presença dessas bactérias indica risco potencial de microrganismos patogênicos. • Principal representante é a Escherichia coli.
  • 38. 15- Qual a definição para Escherichia coli? Cite Exemplo e explique. • Bastonetes G -, não esporulados. • Indicador de qualidade higiênico-sanitária. • Fonte: intestino de animais (inclusive homem). • Inativação do microrganismo: a partir de 60ºC (74ºC no centro geométrico do alimento). • pH de crescimento: aproximadamente de 4,4 a 9,0
  • 39. Continuação... • Há 5 grupos envolvidos com toxinfecções alimentares: • E. coli enteroagregativa (EaggEC) • E. coli enteropatogênica (EPEC) • E. coli enteroinvasiva (EIEC) • E. coli enterotoxigênica (ETEC) • E. coli enterohemorrágica (O157:H7)
  • 40. 16- Como se apresenta E. coli enteroagregativa (EaggEC)? Explique. • Apresentam capacidade de aderência tipo “empilhamento de tijolos” devido a fímbrias específicas (plasmídeo de 60MDa). • São relacionadas as EPEC; Não invadem tecido. • Produzem uma enterotoxina (EAST1) termoestável (100ºC/30 min.) presente em plasmídeo. • Produzem diarréia persistente (mais de 14 dias), principalmente em crianças). • Dose infectiva: aprox. 108 UFC/g.
  • 41. 17- Como se apresenta E. coli enteropatogênica (EPEC)? Explique. • Envolvida em surtos em crianças de até 1 ano. • Muitos adultos são portadores assintomáticos. • Não produzem enterotoxinas. • Apresentam lesões tipo “ligação-desaparecimento”, que resultam em destruição das vilosidades intestinais e formação de “pedestais”, que diminuem a absorção. • Dose infectiva: cerca de 108 a 1010UFC/g. • Duração: alguns dias.
  • 42. 18- Como se apresenta E. coli enteroinvasiva (EIEC)? Explique. • Muito semelhante à Shigella em termos bioquímicos e sorológicos. Contudo, não produz enterotoxina. • Invadem células do intestino (genes plasmidiais como na S. flexneri), se multiplicam e invadem células adjacentes. • Produzem diarréia volumosa com sangue ou não. Disenteria é rara (diarréia não volumosa). • Dose infectiva: aproximadamente 108 UFC/g. • Sintomas: febre, contrações abdominais, e desinteria. Dose infectiva: 106 a 108 células. • Tempo de incubação: 8 24 horas com media de 11 horas. Duração: alguns dias
  • 43. 19- Como se apresenta E. coli enterotoxigênica (ETEC)? Explique. • É uma das principais responsáveis pela “diarréia dos viajantes”. • Tal síndrome é bastante semelhante a cólera. • Não há penetração tecidual, não há febre nem sangue nas fezes. • Período de incubação: media de 26 horas. Duração: 24 a 30 horas. • Ataca tanto crianças como adultos. • Dose infectiva: 108 a 1010 UFC/g.
  • 44. 20- Por que a E. coli enterohemorrágica (O157:H7) é conhecida como “a renegada”? • É conhecida como E. coli enterohemorrágica (EHEC) ou produtora de verotoxina- VTEC (shiga-like toxin) responsável pela “colite hemorrágica”. • Está distribuída por todo o mundo. • Ao contrário das outra E. coli, a O157:H7 não fermenta o sorbitol, é betaglucoronidase negativa e o seu crescimento é pobre ou nulo a 44ºC.
  • 45. 21- Verotoxina é uma citotoxina responsável pelos sintomas das enterocolites. Explique. • Ela inibe a síntese proteica das células, provocando morte e hemorragia. • Ela é liberada no intestino, passa para o sangue e danifica o endotélio vascular e eritrócitos. • Provoca o acúmulo da fibrina no SNC (sistema nervoso central) e órgãos.
  • 46. 22- Explique o mecanismo de virulência das Salmonella. FrenteaLogo
  • 47.
  • 48. 23 – Como se define a Shigella? Explique • Gênero Enterobacteriaceae; • Filogeneticamente relacionadas com a Salmonella e com a E. coli (FORSYTHE, 2002; Jay, 2005); • Bastonetes Gram negativos; Não esporulados; Anaeróbio facultativo; • Espécies:  S. dysenteriae  S. flexneri,  S. boydii  S. sonnei
  • 49. 24- Qual a situação da Shigelose no mundo? • A OMS aponta a Shigella como sendo um dos principais problemas mundiais de saúde pública (Fullá N., et al., 2005). • No Japão são relatados de 1000-1600 casos de shigellose por ano (MIYAGI, et al., 2001). • 2004: surto escola em Madri com 520 alunos • Caso inicial: menina 3 anos • 60 crianças e 28 familiares • Taxa Ataque: 12% escola e 32% residência • Duração : 2 meses detecção tardia.