SlideShare uma empresa Scribd logo

Restaurações em Amálgama

Restaurações em Amálgama

1 de 34
Baixar para ler offline
Prof. Ms. Guilherme Terra
Disciplina de Dentística operatória básica

RESTAURAÇÕES EM AMÁLGAMA
Amálgama

 Conceito definido por Black em 1895.

 Liga metálica em que um dos componentes é o
  mercúrio.

 Formato de partículas
   Limalha (Partículas irregulares)
   Esferoidal
   Limalha + Esferoidal

 A reação de presa do amálgama é chamada de
  cristalização.
Restaurações em Amálgama


 A restauração em amálgama deve seguir alguns
  passos para seu sucesso.

 Esses passos podem ser chamados de Tempos
  de Cristalização do Amálgama.
Tempos de Cristalização do
Amálgama

 Deve-se considerar a:

   trituração;
   inserção;
   condensação;
   Brunidura pré-escultura;
   escultura.
Trituração

 O objetivo da trituração é promover um
  maior contato entre a liga e o mercúrio.

 O tempo ideal é o mínimo para a formação de
  uma massa prateada e brilhante, de máxima
  plasticidade numa dada proporção
  liga/mercúrio.
Trituração

 A trituração pode ser:

   Manual


   Mecânica
Anúncio

Recomendados

Preparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vPreparo e restauracao classe v
Preparo e restauracao classe vLucas Almeida Sá
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasprofguilhermeterra
 
Preparo e restauração em amálgama 2012 1
Preparo e restauração em amálgama 2012 1Preparo e restauração em amálgama 2012 1
Preparo e restauração em amálgama 2012 1Guilherme Terra
 
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Guilherme Terra
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgamaprofguilhermeterra
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasprofguilhermeterra
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidadesprofguilhermeterra
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaprofguilhermeterra
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatórioprofcelsoklein
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicosRegis Valentim
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelCamilla Bringel
 
Preparo classe ii amálgama 2011-2
Preparo classe ii amálgama   2011-2Preparo classe ii amálgama   2011-2
Preparo classe ii amálgama 2011-2Lucas Almeida Sá
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparprofguilhermeterra
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradorasOdonto ufrj
 
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosNomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosLucas Almeida Sá
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos DidaticaMPCO
 
Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Lucas Almeida Sá
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILACamilla Bringel
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfThiago Dant
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civDr.João Calais.:
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas Ines Jacyntho Inojosa
 
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...André Milioli Martins
 

Mais procurados (20)

Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 
Preparo classe ii amálgama 2011-2
Preparo classe ii amálgama   2011-2Preparo classe ii amálgama   2011-2
Preparo classe ii amálgama 2011-2
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradoras
 
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosNomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos
 
Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cariologia
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civ
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
 
Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples
 

Semelhante a Restaurações em Amálgama

Amálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata RegisAmálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata RegisRegis Valentim
 
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaOrigem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaJorge Madias
 
Resumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações RijezaResumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações RijezaRIJEZA
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaprofguilhermeterra
 
Grupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civilGrupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civilFelipeforest
 
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdfFt 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdfAndre Quendera
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivosprofNICODEMOS
 
Uma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugos
Uma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugosUma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugos
Uma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugosJorge Madias
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2profNICODEMOS
 
Materiais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptx
Materiais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptxMateriais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptx
Materiais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptxfelipe144604
 
Apresentação materias
Apresentação materiasApresentação materias
Apresentação materiasGabriela Dias
 
Apresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicos
Apresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicosApresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicos
Apresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicosMarcelo Suster
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Henriqued
 
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIESREVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIESCelina Martins
 

Semelhante a Restaurações em Amálgama (17)

Amálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata RegisAmálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata Regis
 
AMÁLGAMA DENTÁRIO
AMÁLGAMA DENTÁRIOAMÁLGAMA DENTÁRIO
AMÁLGAMA DENTÁRIO
 
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaOrigem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
 
Resumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações RijezaResumo de Aplicações Rijeza
Resumo de Aplicações Rijeza
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
Grupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civilGrupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civil
 
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdfFt 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdf
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
 
Uma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugos
Uma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugosUma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugos
Uma revisão do problema da romboidade no lingotamento contínuo de tarugos
 
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmico sv2
 
Materiais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptx
Materiais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptxMateriais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptx
Materiais Restauradores: Resina Acrílica e Cerâmica.pptx
 
Apresentação materias
Apresentação materiasApresentação materias
Apresentação materias
 
Apresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicos
Apresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicosApresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicos
Apresentação forne cer alumina em revestimentos cerâmicos
 
Cerâmicas Odontológicas
Cerâmicas OdontológicasCerâmicas Odontológicas
Cerâmicas Odontológicas
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
Amálgama parte i
Amálgama  parte iAmálgama  parte i
Amálgama parte i
 
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIESREVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
REVESTIMENTOS PREPARAÇÃO DE SUPERFICIES
 

Mais de profguilhermeterra

Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoprofguilhermeterra
 
Da orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tccDa orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tccprofguilhermeterra
 
Tipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicosTipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicosprofguilhermeterra
 
Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoprofguilhermeterra
 
Fundamentos do conhecimento científico
Fundamentos do conhecimento científicoFundamentos do conhecimento científico
Fundamentos do conhecimento científicoprofguilhermeterra
 
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalPrincípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalprofguilhermeterra
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasprofguilhermeterra
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostasprofguilhermeterra
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalprofguilhermeterra
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalprofguilhermeterra
 
Fotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoFotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoprofguilhermeterra
 
Classificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas CompostasClassificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas Compostasprofguilhermeterra
 

Mais de profguilhermeterra (20)

Resolução 196/96
Resolução 196/96Resolução 196/96
Resolução 196/96
 
Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científico
 
éTica em pesquisa
éTica em pesquisaéTica em pesquisa
éTica em pesquisa
 
Da orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tccDa orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tcc
 
Elementos pré textuais
Elementos pré textuaisElementos pré textuais
Elementos pré textuais
 
Periódicos científicos
Periódicos científicosPeriódicos científicos
Periódicos científicos
 
Tipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicosTipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicos
 
Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científico
 
Fundamentos do conhecimento científico
Fundamentos do conhecimento científicoFundamentos do conhecimento científico
Fundamentos do conhecimento científico
 
Oclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusalOclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusal
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
 
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalPrincípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
 
Cimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidroCimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidro
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
 
Fotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoFotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contração
 
Classificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas CompostasClassificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas Compostas
 

Último

2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 

Último (20)

2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 

Restaurações em Amálgama

  • 1. Prof. Ms. Guilherme Terra Disciplina de Dentística operatória básica RESTAURAÇÕES EM AMÁLGAMA
  • 2. Amálgama  Conceito definido por Black em 1895.  Liga metálica em que um dos componentes é o mercúrio.  Formato de partículas  Limalha (Partículas irregulares)  Esferoidal  Limalha + Esferoidal  A reação de presa do amálgama é chamada de cristalização.
  • 3. Restaurações em Amálgama  A restauração em amálgama deve seguir alguns passos para seu sucesso.  Esses passos podem ser chamados de Tempos de Cristalização do Amálgama.
  • 4. Tempos de Cristalização do Amálgama  Deve-se considerar a:  trituração;  inserção;  condensação;  Brunidura pré-escultura;  escultura.
  • 5. Trituração  O objetivo da trituração é promover um maior contato entre a liga e o mercúrio.  O tempo ideal é o mínimo para a formação de uma massa prateada e brilhante, de máxima plasticidade numa dada proporção liga/mercúrio.
  • 6. Trituração  A trituração pode ser:  Manual  Mecânica
  • 7. Trituração manual  É realizada através do gral e pistilo de vidro ou metálico.  O excesso de mercúrio é removido com um pano de linho ou de camurça.
  • 8. Trituração mecânica  Amalgamadores são dispositivos mecânicos que têm a propriedade de misturar o mercúrio com a liga metálica.  Eles podem ser divididos em duas categorias:  Amalgamadores de proporcionamento automático.  Amalgamadores de cápsulas.
  • 9. Amalgamadores de proporcionamento A desvantagem deste sistema está na imprecisão da proporção.
  • 10. Amalgamadores de cápsulas A proporção se realiza por balança de precisão, sendo bem mais confiável.
  • 11. Inserção  Deve ser inserido em pequenas porções com o auxílio do porta amálgama.
  • 12. Condensação  Visa o preenchimento da cavidade e a perfeita adaptação do amálgama com as paredes e ângulos.  Visa também a compactação da massa.  Realizada por um condensador de amálgama.
  • 13. Brunidura pré-escultura  Realizada com um brunidor ovóide ou esférico, com pressão firme sobre o amálgama.  O intuito é remover o excesso de mercúrio.
  • 14. Escultura  Realizada logo após a brunidura pré-escultura com o instrumento de Hollemback .  O tempo de trabalho para a escultura pode variar de 3 a 15 minutos dependendo da liga.  Amálgama de cristalização rápida  3 a 6 minutos  Amálgama de cristalização regular  6 a 10 minutos  Amálgama de cristalização lenta  10 a 15 minutos
  • 15. Brunidura pós-escultura  Realizada com leve pressão em movimentos circulares.  Dar maior brilho e lisura superficial.
  • 16. Acabamento e Polimento  Reduz o depósito de placa e prolonga a vida da restauração.  Corrigi discrepâncias marginais e melhora o contorno.  Deve ser feito, no mínimo após 48 horas.
  • 17. Acabamento e Polimento  O acabamento é realizado com fresas multilaminadas de 12 ou 30 lâminas, em baixa rotação.
  • 18. Acabamento e Polimento  Nas proximais usa-se tiras de lixa.  O polimento deve ser feito com movimentos intermitentes e sob refrigeração, para evitar o afloramento de mercúrio.
  • 19. Acabamento e Polimento  O polimento dever ser iniciado com as pontas de borracha mais abrasiva para as menos abrasivas, em baixa rotação.  Estas borrachas abrasivas são encontrados nas cores marron (mais abrasiva), verde e azul;
  • 20. Sequência clínica  Isolamento do campo operatório;  Adaptação do porta matriz (Classe II);  Trituração do amálgama;  O amálgama deve ser colocado num pote Dapen de vidro;  Acomodar o material e condensar primeiro nas proximais (Classe II);
  • 21. Sequência clínica  Condensar contra as paredes e ângulos;
  • 22. Sequência clínica  Brunir com movimentos circulares e rápidos;  Delimitar a crista marginal com explorador (Classe II);
  • 23. Sequência clínica  Esculpir com o Hollemback apoiando a ponta ativa do instrumento em dente, seguindo a inclinação das vertentes;  Aguardar a cristalização inicial;  Brunimento pós-escultura.
  • 25. Falhas das restaurações em Amálgama  O amálgama apresenta uma vida média de 4- 8 anos e uma vida máxima de 25 anos.  Apesar do excelente desempenho clínico, que este material apresenta, muitas falhas poderiam ser evitadas.
  • 26. Tipos de falhas  Manchamento;  Corrosão;  Fratura de corpo e bordo;  Cáries secundárias;  Danos pulpares;  Degradação marginal;  Alterações dimensionais do material.
  • 27. Causas das falhas  Indicação incorreta do material;  Carga mastigatória intensa (Bruxismo);  Profundidade do preparo insuficiente;  Proporção liga metálica/mercúrio incorreta;
  • 28. Causas das falhas  Trituração inadequada;  Condensação insuficiente;  Brunidura acentuada;  Polimento exagerado;  Forramento excessivo;
  • 29. Causas das falhas  Ausência de cunha e matriz;  Anatomia / escultura inadequada;  Falta de polimento;  Excessos marginais;  Contorno, altura e contatos incorretos.
  • 30. Causas das falhas  56% pelo preparo cavitário incorreto  40% pela técnica incorreta  4% outras causas
  • 31. Prevenção de falhas  Indicação correta do material;  Seguir os princípios gerais do preparo;  Dominar a técnica restauradora;  Manipular corretamente o material;  Regular os aparelhos de acordo com o tipo de liga utilizado;  Utilizar os instrumentos corretos.
  • 32. Indicações  Restaurações da cavidade tipo I, II e V .‰  Pacientes com péssima higiene bucal.  Preenchimento para peças protéticas com infra- estrutura metálica.  Restaurações subgengivais.  Obturações retrógradas endodônticas.
  • 33. Contra-indicações  Pouco remanescente nas paredes circundantes.  Contato proximal ou oclusal com outros metais.  Pacientes com deficiências renais severas.  Pacientes alérgicos à algum componente da liga.  Crianças abaixo de seis anos de idade?????  Gestantes e lactantes??????