SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
ANESTESIA LOCAL
Prof(a) Kátia do Nascimento Gomes
Faculdade Católica Rainha do Sertão
Curso de Odontologia
ANESTESIA TERMINAIS
 Anestesias terminais
 Terminais superficiais: ação do anestésico dár-se-á
através do contato superficial com a pele ou a
mucosa;
 Terminais infiltrativas: ação do agente anestésico
dár-se-á pela sua infiltração nos tecidos através de
injeções.
 Anestesias por bloqueio
 Bloqueio regional: ramo nervoso é insensibilizado,
promovendo a anestesia da região por ele inervada.
 Bloqueio troncular: o anestésico é depositado no nível
do tronco nervoso, insensibilizando várias áreas por
ele inervadas.
ANESTESIA SUPERFICIAL
Usada para
insensibilizar a mucosa
ou tecido subcutâneo,
geralmente para evitar a
dor devido a penetração
da agulha
ANESTESIA INFILTRATIVA
 Podem ser por infiltração nos tecidos moles, quando
solução é depositada no tecido mole que recobre a
zona a se intervir, e por difusão através da região,
sensibilizando terminações nervosas.
 Classificação:
 Supraperióticas
 Subperiósticas
 Submucosas
 Intra-septais
 Intra-ósseas
 Peridentais
 Circulares
 intrapulpares
ANESTESIA TERMINAL
INFILTRATIVA SUPRAPERIOSTAL
 Agulha penetra no fundo
do sulco vestibular,
depositando-se a solução
anestésica próximo dos
ápices dentais;
 Indicada para exodontias,
dentisteria, tratamento
endodôntico;
 Técnica : tracionamento
do lábio (distensão da
mucosa); bizel da agulha
voltado para o osso
ANESTESIA INFILTRATIVA
SUBPERIOSTEAL
 Anestesia por administração do anestésico sob o
periósteo, facilitando a absorção, necessitando de
menor quantidade de anestésico;
 Dor por distensão do periósteo
ANESTESIA INFILTRATIVA
SUBMUCOSA
 Faz-se a deposição
da solução
anestésica abaixo a
mucosa.
ANESTESIA TERMINAL INFILTRATIVA
INTRAÓSSEA E ANESTESIA PERIDENTAL
 É praticada no tecido
esponjoso, entre camadas
corticais da mandíbula ou da
maxila, tornando mais rápida
a difusão da solução
anestésica;
 Risco de lesar raízes dentais
 Penetra-se o tecido ósseo com
broca e insere a agulha no
local, depositando a solução
anestésica
 Indicada para exodontias;
pulpectomias imediatas.
ANESTESIA INFILTRATIVA
INTRASEPTAL
• Realizada no septo de dois
dentes contíguos
• Solução é rapidamente
absorvida pela estrutura
esponjosa óssea anestesiando
filamentos nervosos terminais
que inervam o alvéolo,
membrana peridental e câmara
pulpar
•Gengival ou papilar
ANESTESIAS POR BLOQUEIO REGIONAL NA
MANDÍBULA
- O forame onde penetra o nervo
alveolar inferior está situado na face
interna do ramo da mandíbula, alguns
milímetros acima do plano oclusal dos
molares inferiores, aproximadamente
no meio do ramo, e mais próximo da
incisura da mandíbula;
- pontos de reparo : ponto de maior
depressão anterior do ramo
ascendente da mandíbula, linha
oblíqua interna, face oclusal dos
molares inferiores ;
RAMOS ALVEOLARES SUPERIOR
POSTERIOR
RAMOS ALVEOLARES SUPERIORES
MÉDIOS
RAMOS ALVEOLARES SUPERIORES
ANTERIORES
RAMO ALVEOLAR INFERIOR
RAMO MENTONIANO
RAMO INCISIVO
RECOMENDAÇÕES
 Verificação do tubete e da seringa
O líquido deve estar transparente e livre de
partículas;
O êmbolo deve estar totalmente inserido no
tubete;
O selo metálico que veda a parte superior do
tubete deve estar íntegro;
Nível do anestésico dever estar completo;
Caso ocorra vazamento pelo êmbolo, verificar
se a haste da seringa não estar deformada;
SERINGA CARPULE
MONTAGEM DA SERINGA CARPULE
Para inserir o tubete de anestésico na Carpule, é necessário tracionar a
haste-êmbolo da mesma, provocando, assim, uma desarticulação entre o
corpo e a empunhadura da seringa.
MONTAGEM DA SERINGA CARPULE
Com isso, exibe-se a loja receptácula do tubete, que deve ser inserido
com o anel metálico voltado para o local onde será atarraxada a agulha
MONTAGEM DA SERINGA CARPULE
Para expor o terminal da agulha que será acoplado à Carpule e que
violará o lacre do tubete anestésico, gire a tampa em sentido horário e
anti-horário.
MONTAGEM DA SERINGA CARPULE
Em seguida, coloque a agulha na Carpule, rosqueando-a. Observar
que a agulha deverá estar alinhada com o corpo da Carpule,
mantendo-se o eixo de inserção. Depois, retire o invólucro protetor.
EMPUNHADURA DA SERINGA
Empunhadura do arco de violino,
dígito-palmar e digital.
TÉCNICA DE INJEÇÃO
ATRAUMÁTICA
 Utilize agulhas de boa qualidade, esterilizadas e
de tamanho correto;
 Verifique se a solução anestésica está fluindo
pela agulha adequadamente;
 Seque o tecido;
 Aplique anestésico tópico;
 Converse com o paciente;
 Estabeleça um bom apoio para sua mão;
 Mantenha o tecido tencionado;
 Mantenha a agulha fora do alcance de vista do
paciente ;
TÉCNICA DE INJEÇÃO
ATRAUMÁTICA
 Insira a agulha na mucosa, observando a linha do
bizel;
 Observe e converse com o paciente;
 Goteje anestésico na mucosa (opcional);
 Lentamente, avance a agulha em direção ao alvo;
 Libere várias gotas do anestésico antes de
encontrar o periósteo;
 Aspire para verificar se existe refluxo sanguíneo;
 Aplique lentamente a solução anestésica;
 Remova lentamente a agulha;
 Observe o paciente após a injeção.
COMPLICAÇÕES LOCAIS NA
ADMINISTRAÇÃO DE ANESTÉSICOS LOCAIS
 Trismo: espasmo de músculos mastigatórios visto
após administração unilateral da técnica do bloqueio
do nervo alveolar inferior.
 Hematoma : é um ferimento ou manchamento. Mais
comum visto extra-oralmente após bloqueio do nervo
alveolar superior posterior. Requer aproximadamente
14 dias para seu desaparecimento completo.
 Lesões de tecidos moles: mais comum em crianças
após bloqueio do NAI. O lábio e a língua permanecem
anestesiados por muitas horas após o tratamento
permitindo automutilação.
COMPLICAÇÕES LOCAIS NA
ADMINISTRAÇÃO DE ANESTÉSICOS
LOCAIS
 Parestesia: anestesia prolongada( 24 horas após a
administração). Mais de 95 % das parestesias ocorrem na
mandíbula com mais de 70% envolvendo o nervo lingual.
Regridem em 6 semanas.
 Paralisia facial temporária: agulha penetra
anteriormente, antes da borda anterior do ramo
ascedente, atinjindo as proximidades onde passa o nervo
facial (motor).
PREVENÇÃO DE FRATURA DE
AGULHA
 Não forçar contra qualquer resistência (osso)
 Não tentar mudar a direção da agulha esta
estiver no interior dos tecidos. Retirá-la sempre e
redirigí-la para a nova posição desejada
 Não inserir demais a agulha a ponto de a perder
de vista no interior dos tecidos. (1/3 da agulha
sob a vista, possibilitando a remoção em caso de
ruptura)
 Não surpreender o paciente o paciente com
inserção súbita e inesperada da agulha
INJEÇÃO INTRAVASCULAR
Odontologia- Anestesia local

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaDescubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaAndré Milioli Martins
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparprofguilhermeterra
 
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedroLucas Almeida Sá
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasprofguilhermeterra
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Guilherme Terra
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasprofguilhermeterra
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...André Milioli Martins
 
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...Ines Jacyntho Inojosa
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoGracieleSonobe1
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas ProvisóriasLeidy Any
 
Protocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaProtocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaJose Gerardo
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfThiago Dant
 

Mais procurados (20)

Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples
 
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em OdontologiaFarmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
 
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para OdontologiaDescubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
Descubra Como Calcular a Dose Máxima de Anestésico Local Para Odontologia
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
 
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado  + Hidróxido...
Medicação intracanal na Endodontia (Paramonoclorofenol canforado + Hidróxido...
 
Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
 
Cirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostilaCirurgia Odontológica - apostila
Cirurgia Odontológica - apostila
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
Protocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaProtocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologia
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 

Semelhante a Odontologia- Anestesia local

Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Guilherme Terra
 
Tecnicas anestesicas.pptx
Tecnicas anestesicas.pptxTecnicas anestesicas.pptx
Tecnicas anestesicas.pptxssuser140e9f
 
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)Jucie Vasconcelos
 
Anestesia endodontia lemos unisanta 2012
Anestesia endodontia lemos unisanta 2012Anestesia endodontia lemos unisanta 2012
Anestesia endodontia lemos unisanta 2012danielle ribeiro
 
Complicações, sucessos e
Complicações, sucessos eComplicações, sucessos e
Complicações, sucessos eClaudio Fleig
 
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptxTEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptxMuniza Alfredo
 
TRABALHO- GRUPO 8 (2).pptx
TRABALHO- GRUPO 8 (2).pptxTRABALHO- GRUPO 8 (2).pptx
TRABALHO- GRUPO 8 (2).pptxIsacFlorncio
 
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasTipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasconexaocefai
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnestesiador
 
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE IPLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE ITreeimoveis
 
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)GabrielaSoares07
 
Anatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontiaAnatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontiaFunorte Resende
 

Semelhante a Odontologia- Anestesia local (20)

Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
Aula de anestesia (1)
Aula de anestesia (1)Aula de anestesia (1)
Aula de anestesia (1)
 
Complexo maxilo mandibular
Complexo maxilo mandibularComplexo maxilo mandibular
Complexo maxilo mandibular
 
Tecnicas anestesicas.pptx
Tecnicas anestesicas.pptxTecnicas anestesicas.pptx
Tecnicas anestesicas.pptx
 
Aula anestesia local
Aula   anestesia localAula   anestesia local
Aula anestesia local
 
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
 
APOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA IIAPOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA II
 
Anestesia endodontia lemos unisanta 2012
Anestesia endodontia lemos unisanta 2012Anestesia endodontia lemos unisanta 2012
Anestesia endodontia lemos unisanta 2012
 
Apostila de estágio v
Apostila de estágio vApostila de estágio v
Apostila de estágio v
 
Monitoria.pptx
Monitoria.pptxMonitoria.pptx
Monitoria.pptx
 
Complicações, sucessos e
Complicações, sucessos eComplicações, sucessos e
Complicações, sucessos e
 
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptxTEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
TEMA III, ORGAO PARAPROTETICO corr.pptx
 
TRABALHO- GRUPO 8 (2).pptx
TRABALHO- GRUPO 8 (2).pptxTRABALHO- GRUPO 8 (2).pptx
TRABALHO- GRUPO 8 (2).pptx
 
Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasTipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácica
 
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE IPLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
 
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)
 
Anatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontiaAnatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontia
 

Mais de Italo Gabriel

Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva Italo Gabriel
 
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologiaFundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologiaItalo Gabriel
 
Anatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos Cranianos
Anatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos CranianosAnatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos Cranianos
Anatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos CranianosItalo Gabriel
 
Movimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese TotalMovimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese TotalItalo Gabriel
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalItalo Gabriel
 
Instalação e manutenção em Prótese Total
Instalação e manutenção em Prótese TotalInstalação e manutenção em Prótese Total
Instalação e manutenção em Prótese TotalItalo Gabriel
 
Estética em Prótese Total
Estética em Prótese TotalEstética em Prótese Total
Estética em Prótese TotalItalo Gabriel
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalItalo Gabriel
 
Principios de oclusão
Principios de oclusãoPrincipios de oclusão
Principios de oclusãoItalo Gabriel
 

Mais de Italo Gabriel (11)

Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
Odontologia- Funções composição inorgânica e orgânica da saliva
 
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologiaFundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
 
Manual cranio
Manual cranioManual cranio
Manual cranio
 
Anatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos Cranianos
Anatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos CranianosAnatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos Cranianos
Anatomia bucomaxilofacial- Introdução e nervos Cranianos
 
Movimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese TotalMovimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese Total
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese Total
 
Instalação e manutenção em Prótese Total
Instalação e manutenção em Prótese TotalInstalação e manutenção em Prótese Total
Instalação e manutenção em Prótese Total
 
Estética em Prótese Total
Estética em Prótese TotalEstética em Prótese Total
Estética em Prótese Total
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
 
Moldagem inicial
Moldagem inicialMoldagem inicial
Moldagem inicial
 
Principios de oclusão
Principios de oclusãoPrincipios de oclusão
Principios de oclusão
 

Último

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 

Último (10)

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 

Odontologia- Anestesia local

  • 1. ANESTESIA LOCAL Prof(a) Kátia do Nascimento Gomes Faculdade Católica Rainha do Sertão Curso de Odontologia
  • 2. ANESTESIA TERMINAIS  Anestesias terminais  Terminais superficiais: ação do anestésico dár-se-á através do contato superficial com a pele ou a mucosa;  Terminais infiltrativas: ação do agente anestésico dár-se-á pela sua infiltração nos tecidos através de injeções.  Anestesias por bloqueio  Bloqueio regional: ramo nervoso é insensibilizado, promovendo a anestesia da região por ele inervada.  Bloqueio troncular: o anestésico é depositado no nível do tronco nervoso, insensibilizando várias áreas por ele inervadas.
  • 3. ANESTESIA SUPERFICIAL Usada para insensibilizar a mucosa ou tecido subcutâneo, geralmente para evitar a dor devido a penetração da agulha
  • 4. ANESTESIA INFILTRATIVA  Podem ser por infiltração nos tecidos moles, quando solução é depositada no tecido mole que recobre a zona a se intervir, e por difusão através da região, sensibilizando terminações nervosas.  Classificação:  Supraperióticas  Subperiósticas  Submucosas  Intra-septais  Intra-ósseas  Peridentais  Circulares  intrapulpares
  • 5. ANESTESIA TERMINAL INFILTRATIVA SUPRAPERIOSTAL  Agulha penetra no fundo do sulco vestibular, depositando-se a solução anestésica próximo dos ápices dentais;  Indicada para exodontias, dentisteria, tratamento endodôntico;  Técnica : tracionamento do lábio (distensão da mucosa); bizel da agulha voltado para o osso
  • 6. ANESTESIA INFILTRATIVA SUBPERIOSTEAL  Anestesia por administração do anestésico sob o periósteo, facilitando a absorção, necessitando de menor quantidade de anestésico;  Dor por distensão do periósteo ANESTESIA INFILTRATIVA SUBMUCOSA  Faz-se a deposição da solução anestésica abaixo a mucosa.
  • 7. ANESTESIA TERMINAL INFILTRATIVA INTRAÓSSEA E ANESTESIA PERIDENTAL  É praticada no tecido esponjoso, entre camadas corticais da mandíbula ou da maxila, tornando mais rápida a difusão da solução anestésica;  Risco de lesar raízes dentais  Penetra-se o tecido ósseo com broca e insere a agulha no local, depositando a solução anestésica  Indicada para exodontias; pulpectomias imediatas.
  • 8. ANESTESIA INFILTRATIVA INTRASEPTAL • Realizada no septo de dois dentes contíguos • Solução é rapidamente absorvida pela estrutura esponjosa óssea anestesiando filamentos nervosos terminais que inervam o alvéolo, membrana peridental e câmara pulpar •Gengival ou papilar
  • 9. ANESTESIAS POR BLOQUEIO REGIONAL NA MANDÍBULA - O forame onde penetra o nervo alveolar inferior está situado na face interna do ramo da mandíbula, alguns milímetros acima do plano oclusal dos molares inferiores, aproximadamente no meio do ramo, e mais próximo da incisura da mandíbula; - pontos de reparo : ponto de maior depressão anterior do ramo ascendente da mandíbula, linha oblíqua interna, face oclusal dos molares inferiores ;
  • 10.
  • 12.
  • 15.
  • 19. RECOMENDAÇÕES  Verificação do tubete e da seringa O líquido deve estar transparente e livre de partículas; O êmbolo deve estar totalmente inserido no tubete; O selo metálico que veda a parte superior do tubete deve estar íntegro; Nível do anestésico dever estar completo; Caso ocorra vazamento pelo êmbolo, verificar se a haste da seringa não estar deformada;
  • 21. MONTAGEM DA SERINGA CARPULE Para inserir o tubete de anestésico na Carpule, é necessário tracionar a haste-êmbolo da mesma, provocando, assim, uma desarticulação entre o corpo e a empunhadura da seringa.
  • 22. MONTAGEM DA SERINGA CARPULE Com isso, exibe-se a loja receptácula do tubete, que deve ser inserido com o anel metálico voltado para o local onde será atarraxada a agulha
  • 23. MONTAGEM DA SERINGA CARPULE Para expor o terminal da agulha que será acoplado à Carpule e que violará o lacre do tubete anestésico, gire a tampa em sentido horário e anti-horário.
  • 24. MONTAGEM DA SERINGA CARPULE Em seguida, coloque a agulha na Carpule, rosqueando-a. Observar que a agulha deverá estar alinhada com o corpo da Carpule, mantendo-se o eixo de inserção. Depois, retire o invólucro protetor.
  • 25. EMPUNHADURA DA SERINGA Empunhadura do arco de violino, dígito-palmar e digital.
  • 26. TÉCNICA DE INJEÇÃO ATRAUMÁTICA  Utilize agulhas de boa qualidade, esterilizadas e de tamanho correto;  Verifique se a solução anestésica está fluindo pela agulha adequadamente;  Seque o tecido;  Aplique anestésico tópico;  Converse com o paciente;  Estabeleça um bom apoio para sua mão;  Mantenha o tecido tencionado;  Mantenha a agulha fora do alcance de vista do paciente ;
  • 27. TÉCNICA DE INJEÇÃO ATRAUMÁTICA  Insira a agulha na mucosa, observando a linha do bizel;  Observe e converse com o paciente;  Goteje anestésico na mucosa (opcional);  Lentamente, avance a agulha em direção ao alvo;  Libere várias gotas do anestésico antes de encontrar o periósteo;  Aspire para verificar se existe refluxo sanguíneo;  Aplique lentamente a solução anestésica;  Remova lentamente a agulha;  Observe o paciente após a injeção.
  • 28. COMPLICAÇÕES LOCAIS NA ADMINISTRAÇÃO DE ANESTÉSICOS LOCAIS  Trismo: espasmo de músculos mastigatórios visto após administração unilateral da técnica do bloqueio do nervo alveolar inferior.  Hematoma : é um ferimento ou manchamento. Mais comum visto extra-oralmente após bloqueio do nervo alveolar superior posterior. Requer aproximadamente 14 dias para seu desaparecimento completo.  Lesões de tecidos moles: mais comum em crianças após bloqueio do NAI. O lábio e a língua permanecem anestesiados por muitas horas após o tratamento permitindo automutilação.
  • 29. COMPLICAÇÕES LOCAIS NA ADMINISTRAÇÃO DE ANESTÉSICOS LOCAIS  Parestesia: anestesia prolongada( 24 horas após a administração). Mais de 95 % das parestesias ocorrem na mandíbula com mais de 70% envolvendo o nervo lingual. Regridem em 6 semanas.  Paralisia facial temporária: agulha penetra anteriormente, antes da borda anterior do ramo ascedente, atinjindo as proximidades onde passa o nervo facial (motor).
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. PREVENÇÃO DE FRATURA DE AGULHA  Não forçar contra qualquer resistência (osso)  Não tentar mudar a direção da agulha esta estiver no interior dos tecidos. Retirá-la sempre e redirigí-la para a nova posição desejada  Não inserir demais a agulha a ponto de a perder de vista no interior dos tecidos. (1/3 da agulha sob a vista, possibilitando a remoção em caso de ruptura)  Não surpreender o paciente o paciente com inserção súbita e inesperada da agulha