SlideShare uma empresa Scribd logo
E.E. PROFª IRENE DIAS RIBEIRO Disciplina – Língua Portuguesa  Profª  Maria Inês Aleson Almeida  Elizandra Rubia  2° A - 2011
.
Joaquim Maria Machado de Assis, cronista,contista,dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade de Rio de Janeiro, em 21 de junho de 1839. Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua.
. Aos 16 anos, publica em 12/01/1855 seu primeiro trabalho literário,o poema “Ela”,na revista de Francisco de Paula Brito.Com 17 anos, consegue emprego como aprendiz de tipografia na Imprensa Nacional, e começa a escrever durante o tempo livre. Em 1858 volta a livraria de Paula Brito, como colaborador, e ali integra-se à sociedade lítero-humorística pela lógica. Lá constrói o seu currículo de amigos, do qual faziam parte..
. Joaquim Manoel Macedo, Manoel Antonio de Almeida,José de Alencar e Gonçalves Dias. Em 1881 publica o livro extremamente original, pouco convencional para o estilo da época: Memórias Póstumas de Brás Cubas- que foi considerado juntamente com O Mulato, de Aluisio de Azevedo, o marco do realismo na literatura brasileira. E no dia 29 de setembro de 1908 na cidade do Rio de Janeiro falece Machado de Assis. Joaquim Maria  Machado de Assis,  cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 21 de junho de 1839. 
.   Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua, perde a mãe muito cedo e é criado pela madrasta, Maria Inês, também mulata, que se dedica ao menino e o matricula na escola pública, única que freqüentará o autodidata Machado de Assis.
 
A infância de Brás Cubas, como a de todo membro da sociedade patriarcal brasileira da época, é marcada por privilégios e caprichos patrocinados pelos pais. O garoto tinha como “brinquedo” de estimação o negrinho Prudêncio, que lhe servia de montaria e para maus tratos em geral. Nas escola, Brás era amigo de traquinagem de Quincas Borba, que aparecerá no futuro defendendo o humanismo. Na juventude o protagonista acaba por conhecer uma prostituta de luxo chamada Marcela.
. Apaixonado por Marcela, Brás Cubas gasta enormes recursos da família com festas, presentes e toda sorte de frivolidade. Seu pai, para dar um basta à situação, toma a resolução mais comum para as classe ricas da época: manda o filho para a Europa estudar leis e garantir o título de bacharel em Coimbra. Brás Cubas, no entanto,segue contrariado para a universidade. Marcela não vai, como combinara, despedir-se dele, e a viagem começa triste e lúgubre.
. Com o diploma nas mãos Brás retorna ao Brasil e segue sua existência parasitária. Em certo momento da narrativa Brás Cubas tem seu segundo amor e mais duradouro. Enamora-se Virgília, parente de um ministro da corte aconselhado pelo pai,que via ele no casamento com ela um futuro político. No entanto ela acaba se casando com o Lobo Neves, que arrebata do protagonista não apenas a noiva como também a candidatura a deputado que o pai preparava. Assim na família Cubas, a entrada da política era vista como maneira de ascensão social, uma espécie de título de nobreza que ainda faltava a eles.
Brás Cubas:  Protagonista e narrador do romance egoísta, egocêntrico, entediado, petulante e irônico, constitui uma espécie de inversão feita por Machado de Assis da trajetória típica dos heróis do mundo burguês. Brás Cubas por sua vez, não tem sucesso em nenhum setor tornando-se uma espécie de antimodelo.
Marcela:  Primeiro grande amor de Brás Cubas, um prostituta de elite, cujo amor por Brás duraria  quinze meses e onze contos de réis . Mulher sensual,mentirosa,amiga de rapazes e de dinheiro.Ganha muitas jóias do adolescente Brás Cubas. Contrai varíola e fica feia, com a grassa como uma lixa.
. Virgília:  Filha do comendador Dutra, segundo o pai de Brás, Bento Cubas A “Ursa Maior”amante de Brás   casa-se com Lobo Neves por interesse. Mulher bonita, ambiciosa, que parece gostar sinceramente de Brás Cubas, mas jamais se revela disposta a romper com a sua posição social ou dispensar o conforto e o reconhecimento da sociedade.
. Damião Lobo Neves:  Casado com Virgília, homem frio e calculista. Marido de Virgília, homem sério, integrado ao sistema,ambicioso, mas muito mais supersticioso, pois recusou nomeação para presidente se uma província só porque a referida nomeação aconteceu num dia 13.
. Quincas Borba-  Menino terrível dava tombos no paciente professor Barata, colega de escola de Brás que o encontrará mais tarde mendigo que rouba-lhe um relógio mas retorna-o ao colega após receber uma herança. Sabina:  Irmã do narrador e que,como ele,valoriza mais o interesse pessoal e a posição social do amizade e laços de parentescos.
. Eugênia:  Filha de Eusébio e Villaça. Era moça séria, tranquila,dotada de olhos negros e olhar direito e franco. Nhonho:  Filho de Virgília. Cotrim:  Casado com Sabina, irmã de Brás,ambos interesseiros; traficante de escravos e cruel com eles, mandando-os castigar até sangrar . D. Plácida:  Empregada de Virgília confidente e protetora de sua relação extra conjugal.
A obra é apoiada em dois tempos. Um é o tempo psicológico, do autor além-túmulo, que, desse modo, pode contar sua vida de maneira arbitrária, com digressão e manipulando os fatos á revelia, sem segui uma ordem temporal linear. No tempo cronológico, os acontecimentos obedecem a uma ordem: infância, adolescência, ida para Coimbra, volta ao Brasil e morte. Exemplo: A morte é contada antes do nascimento e dos fatos da vida.
. Podemos dizer que Brás Cubas assume uma posição transtemporal, pois enxerga a própria existência de fora dela,de modo onisciente e descontinuo. Os fatos são narrados quando surgem na memória e várias digressões são feitas.
O romance tem como espaço o Rio de Janeiro no século XIX. Exemplo:  “ Em 1822, data da independência política, torna-se prisioneiro amoroso de Marcela”.
LINGUAGEM Machado de Assis inova, neste livro, a temática, a estrutura e a linguagem.  Na temática, investe na complexidade dos indivíduos, que retrata sem nenhuma idealização romântica:  “ (...) Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis (...)”
. Machado de Assis, por intermédio do seu narrador, se dirige diretamente ao leitor, metalingüisticamente, para comentar o livro. Diz Brás Cubas:  “ (...)Veja o leitor a comparação que melhor lhe quadrar, veja-a e não esteja daí a torcer-me o nariz, só porque ainda não chegamos à parte narrativa destas memórias. Lá iremos. Creio que prefere a anedota à reflexão, como os outros leitores, seus confrades, e acho que faz muito bem(...)”.
. Ao usar a metalinguagem, Machado convida o leitor a refletir sobre a estrutura da obra e perceber dois níveis de leitura: a que revela diretamente o personagem e a que o faz objeto de crítica do autor.
Com a narração em primeira pessoa, a história é contada partindo de um relato do narrador-observador e protagonista, que conduz o leitor tendo em vista sua visão de mundo, seus sentimentos e o que pensa da vida. Dessa maneira, as memórias de Brás Cubas nos permitirão ter acesso aos bastidores da sociedade carioca do século XIX.
EXEMPLO:  Os leitores ficam sempre à espera do desenlace que a narrativa parece prometer. Ao fim, o que permanece é o vazio da existência do protagonista. É preciso ficar atento para a maneira como os fatos são narrados. Tudo está mediado pela posição de classe do narrador, por sua ideologia.
Na juventude do protagonista,as benesses ficam por conta dos gastos com a cortesã, ou prostituta de luxo Marcela. Essa é uma das marcas do estilo machadiano, a maneira como o autor trabalha as figuras de linguagem de Hipocrisia, e ironia. Exemplos:  “ Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico com saudosa lembrança estas Memórias Póstumas.”
O próprio narrador, no início do livro, ressalta sua condição: trata-se de um defunto autor, e não de um autor defunto. Isso consiste em afirmar seus méritos não como os de um grande escritor que morreu,mas de um morto que é capaz de escrever.  O pacto de verossimilhança sofre um choque aqui, pois os leitores da época, acostumados com a linearidade das obras(início, meio e fim), veem obrigados a situar-se nessa incomum situação.
É a obra inaugural da fase realista de Machado de Assis na literatura moderna, representando uma verdadeira revolução de idéias e formas: de idéias, porque aprofunda o desprezo pelas idealizações românticas, fazendo emergir a consciência nua do individuo, fraco e incoerente; de formas, pela ruptura com a linearidade da narrativa e pelo estilo “enxuto”. Exemplo: São as memórias de um homem
. igual a tantos outros,o cauto e desfrutador Brás Cubas, que tudo tentou e nada deixou. A vida moral e afetiva é superada pela existência biologicamente satisfeita, e as personagens se acomodam cinicamente ao erro.
Machado alia nesse romance profundidade e sutileza, expondo muitos problemas de nossa sociedade que existem até hoje. Daí o prazer da leitura e a importância de seu texto, pois atualiza, de forma irônica, os processos em que processos em que nosso país foi formado, suas contradições e os desmandos que ainda estão presentes.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS www.machadodeassis.net www.machadodeassis.org.br
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás CubasMemórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Jéssica Gottert
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
Dodidemais Oliveira
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
José Ricardo Lima
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Cláudia Heloísa
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
Seduc/AM
 
Memorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubasMemorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubas
silvio30
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
Seduc/AM
 
O Cortiço..
O Cortiço..O Cortiço..
O Cortiço..
Gabriel Leal
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Matheus Beleboni
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
Igorabelardo1997
 
Movimento antropófago
Movimento antropófagoMovimento antropófago
Movimento antropófago
ma.no.el.ne.ves
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Aline Bicudo
 
Quincas borba
Quincas borbaQuincas borba
Quincas borba
Seduc/AM
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Triste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresmaTriste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresma
Evandro Moraes
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás CubasMemórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás Cubas
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
 
Memorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubasMemorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubas
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
O Cortiço..
O Cortiço..O Cortiço..
O Cortiço..
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
 
Movimento antropófago
Movimento antropófagoMovimento antropófago
Movimento antropófago
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas borba
Quincas borbaQuincas borba
Quincas borba
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Triste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresmaTriste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresma
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 

Destaque

Memórias Postumas de Brás Cubas
Memórias Postumas de Brás CubasMemórias Postumas de Brás Cubas
Memórias Postumas de Brás Cubas
Thamires Martins
 
Hq memorias postumas de brás cubas (machado de assis)
Hq   memorias postumas de brás cubas (machado de assis)Hq   memorias postumas de brás cubas (machado de assis)
Hq memorias postumas de brás cubas (machado de assis)
Pedro Luís Rio
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Claudia Lazarini
 
Escolas literárias
Escolas literáriasEscolas literárias
Escolas literárias
Lucas Sabadini
 
L. trovadorismo
L. trovadorismoL. trovadorismo
L. trovadorismo
Logosvga
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Matheus Boniatti
 
Análise de quincas borba
Análise de quincas borbaAnálise de quincas borba
Análise de quincas borba
ma.no.el.ne.ves
 
Quincas Borba - Machado de Assis
Quincas Borba - Machado de AssisQuincas Borba - Machado de Assis
Quincas Borba - Machado de Assis
Allan Ferreira
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
clemildapetrolina
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Apresentação sumo
Apresentação sumoApresentação sumo
Apresentação sumo
sumo_do
 
Sumô Um Outro Olhar
Sumô Um Outro OlharSumô Um Outro Olhar
Sumô Um Outro Olhar
Sá Editora
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
Reberth Siqueira
 
Memórias póstumas de brás cubas (machado de
Memórias póstumas de brás cubas (machado deMemórias póstumas de brás cubas (machado de
Memórias póstumas de brás cubas (machado de
Lívia Balog
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Josi Motta
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Livros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubas
Livros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubasLivros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubas
Livros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubas
Anna Vaz Boechat
 
Memórias póstumas
Memórias póstumasMemórias póstumas
Memórias póstumas
pipoco
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
elianegeraldo
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Destaque (20)

Memórias Postumas de Brás Cubas
Memórias Postumas de Brás CubasMemórias Postumas de Brás Cubas
Memórias Postumas de Brás Cubas
 
Hq memorias postumas de brás cubas (machado de assis)
Hq   memorias postumas de brás cubas (machado de assis)Hq   memorias postumas de brás cubas (machado de assis)
Hq memorias postumas de brás cubas (machado de assis)
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
 
Escolas literárias
Escolas literáriasEscolas literárias
Escolas literárias
 
L. trovadorismo
L. trovadorismoL. trovadorismo
L. trovadorismo
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Análise de quincas borba
Análise de quincas borbaAnálise de quincas borba
Análise de quincas borba
 
Quincas Borba - Machado de Assis
Quincas Borba - Machado de AssisQuincas Borba - Machado de Assis
Quincas Borba - Machado de Assis
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Apresentação sumo
Apresentação sumoApresentação sumo
Apresentação sumo
 
Sumô Um Outro Olhar
Sumô Um Outro OlharSumô Um Outro Olhar
Sumô Um Outro Olhar
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
 
Memórias póstumas de brás cubas (machado de
Memórias póstumas de brás cubas (machado deMemórias póstumas de brás cubas (machado de
Memórias póstumas de brás cubas (machado de
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Livros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubas
Livros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubasLivros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubas
Livros fuvest 2013apresentação memórias póstumas de brás cubas
 
Memórias póstumas
Memórias póstumasMemórias póstumas
Memórias póstumas
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
 

Semelhante a Memórias Póstumas de Brás Cubas 2ª A - 2011

Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas
Vinicius Soco
 
Romance machadiano memórias póstumas de brás cubas
Romance machadiano  memórias póstumas de brás cubasRomance machadiano  memórias póstumas de brás cubas
Romance machadiano memórias póstumas de brás cubas
Rafael Alexandre
 
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubaslíngua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
Wesley Germano Otávio
 
seminário de literatura sobre o livro Machado de Assis
seminário de literatura sobre o livro Machado de Assisseminário de literatura sobre o livro Machado de Assis
seminário de literatura sobre o livro Machado de Assis
DhiulianaMorais
 
slides brás cubas rose meire.pptx
slides brás cubas rose meire.pptxslides brás cubas rose meire.pptx
slides brás cubas rose meire.pptx
DiegoBortolato1
 
Artigo memorias postumas imprimir
Artigo memorias postumas imprimirArtigo memorias postumas imprimir
Artigo memorias postumas imprimir
wgenilene
 
Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
Greice Gomes
 
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Natalia Salgado
 
Trabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefaTrabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefa
1998-0206
 
SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
anaclarabalelo
 
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
FernandaRibeiro419723
 
2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt
Valdimiro Cardoso
 
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasTrabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
teresakashino
 
Realismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de Assis
Realismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de AssisRealismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de Assis
Realismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de Assis
MGLAUCIA /LÍNGUA PORTUGUESA
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Silvia Fontoura
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
Gabriela Rovani
 
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de AssisMemórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
jasonrplima
 
A cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptxA cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptx
ProfGihAlves
 
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoMemórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
teresakashino
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
Danielle Victorino
 

Semelhante a Memórias Póstumas de Brás Cubas 2ª A - 2011 (20)

Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas
 
Romance machadiano memórias póstumas de brás cubas
Romance machadiano  memórias póstumas de brás cubasRomance machadiano  memórias póstumas de brás cubas
Romance machadiano memórias póstumas de brás cubas
 
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubaslíngua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
 
seminário de literatura sobre o livro Machado de Assis
seminário de literatura sobre o livro Machado de Assisseminário de literatura sobre o livro Machado de Assis
seminário de literatura sobre o livro Machado de Assis
 
slides brás cubas rose meire.pptx
slides brás cubas rose meire.pptxslides brás cubas rose meire.pptx
slides brás cubas rose meire.pptx
 
Artigo memorias postumas imprimir
Artigo memorias postumas imprimirArtigo memorias postumas imprimir
Artigo memorias postumas imprimir
 
Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
 
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
 
Trabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefaTrabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefa
 
SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
SLIDE MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
 
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
 
2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt
 
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubasTrabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
Trabalho de português (1).pptx memórias póstumas de brás cubas
 
Realismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de Assis
Realismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de AssisRealismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de Assis
Realismo /Naturalismo /Iaia Garcia - Machado de Assis
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
 
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de AssisMemórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
 
A cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptxA cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptx
 
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugoMemórias póstumas de brás cubas (1)hugo
Memórias póstumas de brás cubas (1)hugo
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino (20)

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Breve histórico
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Til 3ª C - 2013
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Til 3ª B - 2013
 
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 

Memórias Póstumas de Brás Cubas 2ª A - 2011

  • 1. E.E. PROFª IRENE DIAS RIBEIRO Disciplina – Língua Portuguesa Profª Maria Inês Aleson Almeida Elizandra Rubia 2° A - 2011
  • 2. .
  • 3. Joaquim Maria Machado de Assis, cronista,contista,dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade de Rio de Janeiro, em 21 de junho de 1839. Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua.
  • 4. . Aos 16 anos, publica em 12/01/1855 seu primeiro trabalho literário,o poema “Ela”,na revista de Francisco de Paula Brito.Com 17 anos, consegue emprego como aprendiz de tipografia na Imprensa Nacional, e começa a escrever durante o tempo livre. Em 1858 volta a livraria de Paula Brito, como colaborador, e ali integra-se à sociedade lítero-humorística pela lógica. Lá constrói o seu currículo de amigos, do qual faziam parte..
  • 5. . Joaquim Manoel Macedo, Manoel Antonio de Almeida,José de Alencar e Gonçalves Dias. Em 1881 publica o livro extremamente original, pouco convencional para o estilo da época: Memórias Póstumas de Brás Cubas- que foi considerado juntamente com O Mulato, de Aluisio de Azevedo, o marco do realismo na literatura brasileira. E no dia 29 de setembro de 1908 na cidade do Rio de Janeiro falece Machado de Assis. Joaquim Maria Machado de Assis, cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 21 de junho de 1839. 
  • 6. .   Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua, perde a mãe muito cedo e é criado pela madrasta, Maria Inês, também mulata, que se dedica ao menino e o matricula na escola pública, única que freqüentará o autodidata Machado de Assis.
  • 7.  
  • 8. A infância de Brás Cubas, como a de todo membro da sociedade patriarcal brasileira da época, é marcada por privilégios e caprichos patrocinados pelos pais. O garoto tinha como “brinquedo” de estimação o negrinho Prudêncio, que lhe servia de montaria e para maus tratos em geral. Nas escola, Brás era amigo de traquinagem de Quincas Borba, que aparecerá no futuro defendendo o humanismo. Na juventude o protagonista acaba por conhecer uma prostituta de luxo chamada Marcela.
  • 9. . Apaixonado por Marcela, Brás Cubas gasta enormes recursos da família com festas, presentes e toda sorte de frivolidade. Seu pai, para dar um basta à situação, toma a resolução mais comum para as classe ricas da época: manda o filho para a Europa estudar leis e garantir o título de bacharel em Coimbra. Brás Cubas, no entanto,segue contrariado para a universidade. Marcela não vai, como combinara, despedir-se dele, e a viagem começa triste e lúgubre.
  • 10. . Com o diploma nas mãos Brás retorna ao Brasil e segue sua existência parasitária. Em certo momento da narrativa Brás Cubas tem seu segundo amor e mais duradouro. Enamora-se Virgília, parente de um ministro da corte aconselhado pelo pai,que via ele no casamento com ela um futuro político. No entanto ela acaba se casando com o Lobo Neves, que arrebata do protagonista não apenas a noiva como também a candidatura a deputado que o pai preparava. Assim na família Cubas, a entrada da política era vista como maneira de ascensão social, uma espécie de título de nobreza que ainda faltava a eles.
  • 11. Brás Cubas: Protagonista e narrador do romance egoísta, egocêntrico, entediado, petulante e irônico, constitui uma espécie de inversão feita por Machado de Assis da trajetória típica dos heróis do mundo burguês. Brás Cubas por sua vez, não tem sucesso em nenhum setor tornando-se uma espécie de antimodelo.
  • 12. Marcela: Primeiro grande amor de Brás Cubas, um prostituta de elite, cujo amor por Brás duraria quinze meses e onze contos de réis . Mulher sensual,mentirosa,amiga de rapazes e de dinheiro.Ganha muitas jóias do adolescente Brás Cubas. Contrai varíola e fica feia, com a grassa como uma lixa.
  • 13. . Virgília: Filha do comendador Dutra, segundo o pai de Brás, Bento Cubas A “Ursa Maior”amante de Brás casa-se com Lobo Neves por interesse. Mulher bonita, ambiciosa, que parece gostar sinceramente de Brás Cubas, mas jamais se revela disposta a romper com a sua posição social ou dispensar o conforto e o reconhecimento da sociedade.
  • 14. . Damião Lobo Neves: Casado com Virgília, homem frio e calculista. Marido de Virgília, homem sério, integrado ao sistema,ambicioso, mas muito mais supersticioso, pois recusou nomeação para presidente se uma província só porque a referida nomeação aconteceu num dia 13.
  • 15. . Quincas Borba- Menino terrível dava tombos no paciente professor Barata, colega de escola de Brás que o encontrará mais tarde mendigo que rouba-lhe um relógio mas retorna-o ao colega após receber uma herança. Sabina: Irmã do narrador e que,como ele,valoriza mais o interesse pessoal e a posição social do amizade e laços de parentescos.
  • 16. . Eugênia: Filha de Eusébio e Villaça. Era moça séria, tranquila,dotada de olhos negros e olhar direito e franco. Nhonho: Filho de Virgília. Cotrim: Casado com Sabina, irmã de Brás,ambos interesseiros; traficante de escravos e cruel com eles, mandando-os castigar até sangrar . D. Plácida: Empregada de Virgília confidente e protetora de sua relação extra conjugal.
  • 17. A obra é apoiada em dois tempos. Um é o tempo psicológico, do autor além-túmulo, que, desse modo, pode contar sua vida de maneira arbitrária, com digressão e manipulando os fatos á revelia, sem segui uma ordem temporal linear. No tempo cronológico, os acontecimentos obedecem a uma ordem: infância, adolescência, ida para Coimbra, volta ao Brasil e morte. Exemplo: A morte é contada antes do nascimento e dos fatos da vida.
  • 18. . Podemos dizer que Brás Cubas assume uma posição transtemporal, pois enxerga a própria existência de fora dela,de modo onisciente e descontinuo. Os fatos são narrados quando surgem na memória e várias digressões são feitas.
  • 19. O romance tem como espaço o Rio de Janeiro no século XIX. Exemplo: “ Em 1822, data da independência política, torna-se prisioneiro amoroso de Marcela”.
  • 20. LINGUAGEM Machado de Assis inova, neste livro, a temática, a estrutura e a linguagem. Na temática, investe na complexidade dos indivíduos, que retrata sem nenhuma idealização romântica: “ (...) Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis (...)”
  • 21. . Machado de Assis, por intermédio do seu narrador, se dirige diretamente ao leitor, metalingüisticamente, para comentar o livro. Diz Brás Cubas: “ (...)Veja o leitor a comparação que melhor lhe quadrar, veja-a e não esteja daí a torcer-me o nariz, só porque ainda não chegamos à parte narrativa destas memórias. Lá iremos. Creio que prefere a anedota à reflexão, como os outros leitores, seus confrades, e acho que faz muito bem(...)”.
  • 22. . Ao usar a metalinguagem, Machado convida o leitor a refletir sobre a estrutura da obra e perceber dois níveis de leitura: a que revela diretamente o personagem e a que o faz objeto de crítica do autor.
  • 23. Com a narração em primeira pessoa, a história é contada partindo de um relato do narrador-observador e protagonista, que conduz o leitor tendo em vista sua visão de mundo, seus sentimentos e o que pensa da vida. Dessa maneira, as memórias de Brás Cubas nos permitirão ter acesso aos bastidores da sociedade carioca do século XIX.
  • 24. EXEMPLO: Os leitores ficam sempre à espera do desenlace que a narrativa parece prometer. Ao fim, o que permanece é o vazio da existência do protagonista. É preciso ficar atento para a maneira como os fatos são narrados. Tudo está mediado pela posição de classe do narrador, por sua ideologia.
  • 25. Na juventude do protagonista,as benesses ficam por conta dos gastos com a cortesã, ou prostituta de luxo Marcela. Essa é uma das marcas do estilo machadiano, a maneira como o autor trabalha as figuras de linguagem de Hipocrisia, e ironia. Exemplos: “ Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico com saudosa lembrança estas Memórias Póstumas.”
  • 26. O próprio narrador, no início do livro, ressalta sua condição: trata-se de um defunto autor, e não de um autor defunto. Isso consiste em afirmar seus méritos não como os de um grande escritor que morreu,mas de um morto que é capaz de escrever. O pacto de verossimilhança sofre um choque aqui, pois os leitores da época, acostumados com a linearidade das obras(início, meio e fim), veem obrigados a situar-se nessa incomum situação.
  • 27. É a obra inaugural da fase realista de Machado de Assis na literatura moderna, representando uma verdadeira revolução de idéias e formas: de idéias, porque aprofunda o desprezo pelas idealizações românticas, fazendo emergir a consciência nua do individuo, fraco e incoerente; de formas, pela ruptura com a linearidade da narrativa e pelo estilo “enxuto”. Exemplo: São as memórias de um homem
  • 28. . igual a tantos outros,o cauto e desfrutador Brás Cubas, que tudo tentou e nada deixou. A vida moral e afetiva é superada pela existência biologicamente satisfeita, e as personagens se acomodam cinicamente ao erro.
  • 29. Machado alia nesse romance profundidade e sutileza, expondo muitos problemas de nossa sociedade que existem até hoje. Daí o prazer da leitura e a importância de seu texto, pois atualiza, de forma irônica, os processos em que processos em que nosso país foi formado, suas contradições e os desmandos que ainda estão presentes.
  • 31.