SlideShare uma empresa Scribd logo
Literatura – Unidade 1 e 2
Pré-Modernismo
Prof. Esp. Rafael Vasconcelos
vasconcelos.professor@gmail.com
Pré-Modernismo
Pré-Modernismo
O Pré-Modernismo foi um período de intensa
movimentação literária que marcou a transição entre o
simbolismo e o modernismo e foi caracterizado pelas
produções desde início do século até a Semana de
Arte Moderna, em 1922.
Para muitos estudiosos, esse período não
deve ser considerado uma escola literária, uma vez
que apresenta inúmeras produções artísticas e
literárias distintas; em outras palavras
um sincretismo estético, com presença de
características neo-realistas, neo-parnasianas e
neo-simbolistas.
Características do Pré-Modernismo
• Ruptura com o academicismo
• Ruptura com o passado e a linguagem parnasiana
• Linguagem coloquial, simples
• Exposição da realidade social brasileira
• Regionalismo e nacionalismo
• Marginalidade das personagens: o sertanejo, o caipira, o
mulato
• Temas: fatos históricos, políticos, econômicos e sociais
Autores Brasileiros
Pré-Modernistas
Nesse momento, os escritores assumem uma posição mais
crítica em relação à sociedade e aos modelos literários anteriores.
Por isso, muitos escritores pré modernos rompem com a
linguagem formal do arcadismo e, além disso, exploram temas
históricos, políticos e econômicos, visto que o Brasil passava por
momentos como a República do café com leite e inúmeras revoltas
(Revolta da Vacina, Revolta da Chibata, Revolta da Armada,
Revolta de Canudos).
Os Pré Modernistas que se destacaram na prosa
foram: Euclides da Cunha, Graça Aranha, Monteiro
Lobato e Lima Barreto.
Literatura brasileira das duas décadas iniciais do século XX:
• 1902 – Os Sertões
• 1922 – Semana de Arte Moderna (Início do Modernismo);
Época de transição para o Modernismo – Momento de dualidade.
• Aspectos Conservadores
• Aspectos Renovadores
Poesia não apresenta grandes novidades – permanência do Parnasianismo e
Simbolismo: sincretismo poético.
Na poesia, sobressai a figura de Augusto dos Anjos – ruptura com o ´´bom gosto``
parnasiano.
• Na época pré-modernista, a prosa foi mais importante do que a poesia;
• Interesse pela realidade social brasileira;
• Íntima relação entre a literatura e a realidade política, social e econômica
contemporânea ao escritor;
• Destacam-se personagens ´´marginalizados``: negros, mulatos, sertanejos, pobres
em geral;
• Às vezes, a obra assume o tom de denúncia;
• Desenvolvimento do regionalismo.
Escritor,
poeta,
ensaísta,
jornalista,
historiador,
sociólogo,
geógrafo,
poeta e
engenheiro
brasileiro.
Ocupou a cadeira 7
na Academia
Brasileira de Letras
de 1903 a 1906.
(1866-1909)
OBRAS
Publicou "Os Sertões: Campanha de
Canudos" em 1902, obra regionalista,
dividida em três partes: A Terra, o Homem,
A Luta; retrata a vida do sertanejo e a
Guerra de Canudos (1896-1897) no
interior da Bahia.
(1868-1931)
Graça Aranha
José Pereira da Graça Aranha
foi um escritor e diplomata
maranhense. Um dos
fundadores da Academia
Brasileira de Letras e um dos
organizadores da Semana de
Arte Moderna de 1922.
• Esquema determinista
• Guerra de Canudos
• A terra (cenário,
condições geográficas
• O homem (sertanejo,
Antônio Conselheiro e
a sociedade mestiça de
Canudos.
• Linguagem Apurada
Sua obra que merece destaque é "Canaã" publicada em 1902 cuja obra aborda a
migração alemã no estado do espírito Santo. Outras obras que merecem destaque:
Malazarte (1914), A Estética da Vida (1921) e Espírito Moderno (1925).
Guerra de Canudos
O Brazil não conhece o Brasil
O Brasil nunca foi ao Brazil
Tapir, jabuti, liana, alamandra, alialaúde
Piau, ururau, aqui, ataúde
Piá, carioca, porecramecrã
Jobim akarore
Jobim-açuOh, oh, oh
Pererê, câmara, tororó, olererê
Piriri, ratatá, karatê, olará
O Brazil não merece o Brasil
O Brazil ta matando o Brasil
Jereba, saci, caandrades
Cunhãs, ariranha, aranha
Sertões, Guimarães, bachianas, águas
E Marionaíma, ariraribóia,
Na aura das mãos do Jobim-açu
Oh, oh, oh
Jererê, sarará, cururu, olerê
Blablablá, bafafá, sururu, olará
Do Brasil, SoS ao Brasil
Do Brasil, SoS ao Brasil
Do Brasil, SoS ao Brasil
Tinhorão, urutu, sucuri
O Jobim, sabiá, bem-te-vi
Cabuçu, Cordovil, Cachambi, olerê
Madureira, Olaria e Bangu, Olará
Cascadura, Água Santa, Acari, Olerê
Ipanema e Nova Iguaçu, OlaráDo Brasil, SoS ao BrasilDo
Brasil, SoS ao Brasil
Augusto dos
Anjos
Poeta de um só
livro: Eu
Herança Parnasiana:
preocupação formal.
Influência realista-
naturalista:
materialismo,
cientificismo,
determinismo.
Pessimismo
exacerbado
Vocabulário sui
generis: ´´mau
gosto``.
Observações Gerais
• Nas duas primeira
décadas do século XX,
as obras de Euclides da
Cunha e Lima Barreto,
tão diferentes entre si,
teve como elemento em
comum a expressão de
aspectos até então
negligenciados da
realidade brasileira.
Lima Barreto
A importância de Lima Barreto
extrapola os limites literários: foi um
dos poucos de nossa Literatura a
combater o preconceito racial e a
discriminação social do negro e do
mulato.
Filho de família humilde, porém de
bom nível cultural, contou com a
proteção do Visconde de Ouro Preto,
graças a quem conseguiu ingressar no
curso de Engenharia, algo improvável
para alguém com as mesmas origens.
Perdeu a mãe, a professora primária
Amália Augusta, aos seis anos e, em
virtude da doença mental que acometia
o pai, Lima Barreto precisou abandonar
a faculdade para sustentar a família,
madrasta e irmãos.
Todos esses fatores
influenciaram em
muito o estilo do
escritor que, embora
seja considerado uma
espécie de patrono
dos autores boêmios
e rebeldes, além de
ser muito lembrado
pelos constantes
problemas com o
alcoolismo e
distúrbios mentais,
deixou uma obra
literária digna de
leitura e admiração.
Lima Barreto escreveu dezenove livros, entre
eles Clara dos Anjos, obra póstuma, Cemitério dos
Vivos, livro póstumo e inacabado, e seu mais famoso
romance, Triste fim de Policarpo Quaresma, que em
1998 ganhou adaptação para o cinema. Policarpo
Quaresma, um aposentado que dedica sua vida a
estudar a cultura brasileira, é a representação do
ufanismo nacional. Dentre suas ideias utópicas e
ingênuas, destaca-se a sugestão às autoridades da
substituição do português pelo tupi-guarani, que,
segundo ele, era nossa verdadeira língua-mãe. O
“triste fim” ao qual o título se refere revela o
desfecho do personagem na narrativa: voluntário na
Revolta da Armada, por discordar das injustiças
praticadas contra os prisioneiros, é preso e
condenado ao fuzilamento, ordem dada pelo seu
ídolo, Marechal Floriano Peixoto. Policarpo
Quaresma, nosso Dom Quixote tupiniquim, antes
mesmo da morte física, morre espiritualmente, ao ver
seu projeto de nação frustrado, descontentamento que
Lima Barreto mostrou ao traçar o painel humano e
social da época.
Monteiro Lobato
• Nascido em Taubaté (SP);
• Formação: Direito;
• Participante de um grupo de formação Parnasiana (ainda
quando estudante);
• Promotor, após experiência malograda como agricultor,
estreou com o livro de conto Urupês (1918);
• Batalhou pela saúde pública, exploração do nosso ferro e
petróleo e pela liberdade democrática;
• Dedicou-se à observação do caboclo e da vida rural
paulista;
• Criador da literatura Infanto-Juvenil nacional;
• Nacionalista extremado, aberto e polêmico;
• Com Urupês abre novas tendências da prosa de ficção
brasileira;
• Cria Jeca Tatu – Personagem regionalista e dimensão
realista;
• Seus contos são estruturados, ora tendendo para a
comicidade, ora para o trágico ou lúgubre;
• Concentra-se na figura humana, destacando defeitos
físicos ou morais em suas personagens;
• Em 1917, após ver uma exposição de Anita Malfati, pintora de tendências
expressionistas, provocou polêmica com a publicação do artigo Paranoia
ou Mistificação?, no qual critica as manifestações da chamada ´´arte
moderna``.
Pré-Modernismo
Semana de Arte
Moderna,
realizada em
1922, em São
Paulo,
representou um
marco, verdadeiro
ponto de inflexão
no modo de ver o
Brasil.
Em geral, os
artistas e
intelectuais de
1922 queriam
arejar o quadro
mental da nossa
"intelligentsia",
queriam pôr fim ao
ranço beletrista, à
postura
verborrágica e à
mania de falar
difícil e não dizer
nada. Enfim,
queriam eliminar o
mofo passadista
da vida intelectual
brasileira.
Do ponto de vista
artístico, o
objetivo
fundamental da
Semana foi
acertar os
ponteiros da
nossa literatura
com a
modernidade
contemporânea.
Para isso, era
necessário
entrar em
contato com as
técnicas
literárias e
visões de mundo
do futurismo, do
dadaísmo, do
expressionismo
e do
surrealismo,
que formavam,
na mesma
época, a
vanguarda
europeia.
O pressuposto
essencial de 22, o
autoconhecimento do
País, tinha a um só
tempo de acabar com o
mimetismo mental e
denunciar o atraso, a
miséria e o
subdesenvolvimento.
Mas denunciar com
uma linguagem do
nosso tempo, moderna,
coloquial, aproveitando
o arsenal estilístico e
estético das inovações
vanguardas europeias.
"A língua sem arcaísmos,
sem erudição. A
contribuição milionária
de todos os erros. Como
falamos. Como somos".
(Oswald de Andrade)
Antropofagia
• Escritor;
• Tarsila do Amaral;
• Patrícia Galvão, a Pagu;
• É uma das figuras mais emblemáticas do
Modernismo;
• Semana de 22.
Oswald de Andrade
• É o mais paulista dos escritores;
• Modernista;
• Amigo de Tarsila e de Olívia Guedes
Penteado;
• Professor de piano de Yolanda Penteado;
• Um dos principais idealizadores do
Modernismo;
• Anita Malfati;
• Oswald de Andrade;
• Macunaíma e Paulicea Desvairada.
Mario de Andrade
Yolanda
Penteado
Ciccillo-Matarazzo Assis Chateaubriand Santos Dumont
Pré-Modernismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Faell Vasconcelos
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
Ana Batista
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista   3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista
Ruth L
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
clemildapetrolina
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
Colégio Santa Luzia
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Romantismo brasileiro
Romantismo brasileiroRomantismo brasileiro
Romantismo brasileiro
Seduc/AM
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
rillaryalvesj
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 

Mais procurados (20)

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista   3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Romantismo brasileiro
Romantismo brasileiroRomantismo brasileiro
Romantismo brasileiro
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 

Destaque

Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
Mônica D'Almenery
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
Prof Palmito Rocha
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Josi Motta
 
Estrutura para monografia
Estrutura para monografiaEstrutura para monografia
Estrutura para monografia
Faell Vasconcelos
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
Faell Vasconcelos
 
Adjunto Adnominal e Complemento Nominal
Adjunto Adnominal e Complemento NominalAdjunto Adnominal e Complemento Nominal
Adjunto Adnominal e Complemento Nominal
Faell Vasconcelos
 
Barroco: primeira parte
Barroco: primeira parteBarroco: primeira parte
Barroco: primeira parte
Miguel D' Amorim
 
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
Faell Vasconcelos
 
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
Faell Vasconcelos
 
Enem e vestibulares
Enem e vestibularesEnem e vestibulares
Enem e vestibulares
Faell Vasconcelos
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Alef Santana
 
Unidade 1 - Positivo
Unidade 1 - PositivoUnidade 1 - Positivo
Unidade 1 - Positivo
Faell Vasconcelos
 
Estudo do Período Simples
Estudo do Período SimplesEstudo do Período Simples
Estudo do Período Simples
Faell Vasconcelos
 
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
Faell Vasconcelos
 
Análise do período simples
Análise do período simplesAnálise do período simples
Análise do período simples
Faell Vasconcelos
 
Flexão do advérbio
Flexão do advérbioFlexão do advérbio
Flexão do advérbio
Faell Vasconcelos
 
Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).
Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).
Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).
joao paulo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ensbc
 
Funções Sintáticas
Funções SintáticasFunções Sintáticas
Funções Sintáticas
Faell Vasconcelos
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
eunamahcado
 

Destaque (20)

Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Estrutura para monografia
Estrutura para monografiaEstrutura para monografia
Estrutura para monografia
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
Adjunto Adnominal e Complemento Nominal
Adjunto Adnominal e Complemento NominalAdjunto Adnominal e Complemento Nominal
Adjunto Adnominal e Complemento Nominal
 
Barroco: primeira parte
Barroco: primeira parteBarroco: primeira parte
Barroco: primeira parte
 
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
 
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
 
Enem e vestibulares
Enem e vestibularesEnem e vestibulares
Enem e vestibulares
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Unidade 1 - Positivo
Unidade 1 - PositivoUnidade 1 - Positivo
Unidade 1 - Positivo
 
Estudo do Período Simples
Estudo do Período SimplesEstudo do Período Simples
Estudo do Período Simples
 
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
 
Análise do período simples
Análise do período simplesAnálise do período simples
Análise do período simples
 
Flexão do advérbio
Flexão do advérbioFlexão do advérbio
Flexão do advérbio
 
Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).
Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).
Geografia do Brasil - Corujão (Colégio Ambiental).
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Funções Sintáticas
Funções SintáticasFunções Sintáticas
Funções Sintáticas
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
 

Semelhante a Pré-Modernismo

Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdfpr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
JliaMatias4
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
Miuria Goes
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Cláudia Heloísa
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
professorakarin2013
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Renata Haratani
 
Pré
PréPré
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Ingrid Coelho
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Newltemberg Santos
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
Colégio Elisa Andreoli
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
lucasmota251
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
Nádia França
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
Antonio Marcos
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
Uniesp
 

Semelhante a Pré-Modernismo (20)

Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdfpr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré
PréPré
Pré
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
 

Mais de Faell Vasconcelos

Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
Faell Vasconcelos
 
Vanguardas Europeias - Literatura
Vanguardas Europeias - LiteraturaVanguardas Europeias - Literatura
Vanguardas Europeias - Literatura
Faell Vasconcelos
 
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de PalavrasFonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
Faell Vasconcelos
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
Faell Vasconcelos
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
Faell Vasconcelos
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações CoordenadasGramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
Faell Vasconcelos
 
Vozes do verbo
Vozes do verboVozes do verbo
Vozes do verbo
Faell Vasconcelos
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Faell Vasconcelos
 
Leitura e análise da linguagem
Leitura e análise da linguagemLeitura e análise da linguagem
Leitura e análise da linguagem
Faell Vasconcelos
 
O que é gramática
O que é gramáticaO que é gramática
O que é gramática
Faell Vasconcelos
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
Faell Vasconcelos
 
Escrevendo um documentario
Escrevendo um documentarioEscrevendo um documentario
Escrevendo um documentario
Faell Vasconcelos
 
Como realizar o fichamento
Como realizar o fichamentoComo realizar o fichamento
Como realizar o fichamento
Faell Vasconcelos
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
Faell Vasconcelos
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
Faell Vasconcelos
 
Estrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto DissertativoEstrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto Dissertativo
Faell Vasconcelos
 

Mais de Faell Vasconcelos (17)

Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
 
Vanguardas Europeias - Literatura
Vanguardas Europeias - LiteraturaVanguardas Europeias - Literatura
Vanguardas Europeias - Literatura
 
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de PalavrasFonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações CoordenadasGramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
 
Vozes do verbo
Vozes do verboVozes do verbo
Vozes do verbo
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Leitura e análise da linguagem
Leitura e análise da linguagemLeitura e análise da linguagem
Leitura e análise da linguagem
 
O que é gramática
O que é gramáticaO que é gramática
O que é gramática
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Escrevendo um documentario
Escrevendo um documentarioEscrevendo um documentario
Escrevendo um documentario
 
Como realizar o fichamento
Como realizar o fichamentoComo realizar o fichamento
Como realizar o fichamento
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
 
Estrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto DissertativoEstrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto Dissertativo
 

Último

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 

Pré-Modernismo

  • 1. Literatura – Unidade 1 e 2 Pré-Modernismo Prof. Esp. Rafael Vasconcelos vasconcelos.professor@gmail.com
  • 3. Pré-Modernismo O Pré-Modernismo foi um período de intensa movimentação literária que marcou a transição entre o simbolismo e o modernismo e foi caracterizado pelas produções desde início do século até a Semana de Arte Moderna, em 1922. Para muitos estudiosos, esse período não deve ser considerado uma escola literária, uma vez que apresenta inúmeras produções artísticas e literárias distintas; em outras palavras um sincretismo estético, com presença de características neo-realistas, neo-parnasianas e neo-simbolistas.
  • 4. Características do Pré-Modernismo • Ruptura com o academicismo • Ruptura com o passado e a linguagem parnasiana • Linguagem coloquial, simples • Exposição da realidade social brasileira • Regionalismo e nacionalismo • Marginalidade das personagens: o sertanejo, o caipira, o mulato • Temas: fatos históricos, políticos, econômicos e sociais
  • 5. Autores Brasileiros Pré-Modernistas Nesse momento, os escritores assumem uma posição mais crítica em relação à sociedade e aos modelos literários anteriores. Por isso, muitos escritores pré modernos rompem com a linguagem formal do arcadismo e, além disso, exploram temas históricos, políticos e econômicos, visto que o Brasil passava por momentos como a República do café com leite e inúmeras revoltas (Revolta da Vacina, Revolta da Chibata, Revolta da Armada, Revolta de Canudos). Os Pré Modernistas que se destacaram na prosa foram: Euclides da Cunha, Graça Aranha, Monteiro Lobato e Lima Barreto.
  • 6. Literatura brasileira das duas décadas iniciais do século XX: • 1902 – Os Sertões • 1922 – Semana de Arte Moderna (Início do Modernismo); Época de transição para o Modernismo – Momento de dualidade. • Aspectos Conservadores • Aspectos Renovadores Poesia não apresenta grandes novidades – permanência do Parnasianismo e Simbolismo: sincretismo poético. Na poesia, sobressai a figura de Augusto dos Anjos – ruptura com o ´´bom gosto`` parnasiano.
  • 7. • Na época pré-modernista, a prosa foi mais importante do que a poesia; • Interesse pela realidade social brasileira; • Íntima relação entre a literatura e a realidade política, social e econômica contemporânea ao escritor; • Destacam-se personagens ´´marginalizados``: negros, mulatos, sertanejos, pobres em geral; • Às vezes, a obra assume o tom de denúncia; • Desenvolvimento do regionalismo.
  • 9. OBRAS Publicou "Os Sertões: Campanha de Canudos" em 1902, obra regionalista, dividida em três partes: A Terra, o Homem, A Luta; retrata a vida do sertanejo e a Guerra de Canudos (1896-1897) no interior da Bahia.
  • 10. (1868-1931) Graça Aranha José Pereira da Graça Aranha foi um escritor e diplomata maranhense. Um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras e um dos organizadores da Semana de Arte Moderna de 1922. • Esquema determinista • Guerra de Canudos • A terra (cenário, condições geográficas • O homem (sertanejo, Antônio Conselheiro e a sociedade mestiça de Canudos. • Linguagem Apurada
  • 11. Sua obra que merece destaque é "Canaã" publicada em 1902 cuja obra aborda a migração alemã no estado do espírito Santo. Outras obras que merecem destaque: Malazarte (1914), A Estética da Vida (1921) e Espírito Moderno (1925).
  • 13. O Brazil não conhece o Brasil O Brasil nunca foi ao Brazil Tapir, jabuti, liana, alamandra, alialaúde Piau, ururau, aqui, ataúde Piá, carioca, porecramecrã Jobim akarore Jobim-açuOh, oh, oh Pererê, câmara, tororó, olererê Piriri, ratatá, karatê, olará O Brazil não merece o Brasil O Brazil ta matando o Brasil Jereba, saci, caandrades Cunhãs, ariranha, aranha Sertões, Guimarães, bachianas, águas E Marionaíma, ariraribóia, Na aura das mãos do Jobim-açu Oh, oh, oh Jererê, sarará, cururu, olerê Blablablá, bafafá, sururu, olará Do Brasil, SoS ao Brasil Do Brasil, SoS ao Brasil Do Brasil, SoS ao Brasil Tinhorão, urutu, sucuri O Jobim, sabiá, bem-te-vi Cabuçu, Cordovil, Cachambi, olerê Madureira, Olaria e Bangu, Olará Cascadura, Água Santa, Acari, Olerê Ipanema e Nova Iguaçu, OlaráDo Brasil, SoS ao BrasilDo Brasil, SoS ao Brasil
  • 14. Augusto dos Anjos Poeta de um só livro: Eu Herança Parnasiana: preocupação formal. Influência realista- naturalista: materialismo, cientificismo, determinismo. Pessimismo exacerbado Vocabulário sui generis: ´´mau gosto``.
  • 15. Observações Gerais • Nas duas primeira décadas do século XX, as obras de Euclides da Cunha e Lima Barreto, tão diferentes entre si, teve como elemento em comum a expressão de aspectos até então negligenciados da realidade brasileira.
  • 16. Lima Barreto A importância de Lima Barreto extrapola os limites literários: foi um dos poucos de nossa Literatura a combater o preconceito racial e a discriminação social do negro e do mulato. Filho de família humilde, porém de bom nível cultural, contou com a proteção do Visconde de Ouro Preto, graças a quem conseguiu ingressar no curso de Engenharia, algo improvável para alguém com as mesmas origens. Perdeu a mãe, a professora primária Amália Augusta, aos seis anos e, em virtude da doença mental que acometia o pai, Lima Barreto precisou abandonar a faculdade para sustentar a família, madrasta e irmãos. Todos esses fatores influenciaram em muito o estilo do escritor que, embora seja considerado uma espécie de patrono dos autores boêmios e rebeldes, além de ser muito lembrado pelos constantes problemas com o alcoolismo e distúrbios mentais, deixou uma obra literária digna de leitura e admiração.
  • 17. Lima Barreto escreveu dezenove livros, entre eles Clara dos Anjos, obra póstuma, Cemitério dos Vivos, livro póstumo e inacabado, e seu mais famoso romance, Triste fim de Policarpo Quaresma, que em 1998 ganhou adaptação para o cinema. Policarpo Quaresma, um aposentado que dedica sua vida a estudar a cultura brasileira, é a representação do ufanismo nacional. Dentre suas ideias utópicas e ingênuas, destaca-se a sugestão às autoridades da substituição do português pelo tupi-guarani, que, segundo ele, era nossa verdadeira língua-mãe. O “triste fim” ao qual o título se refere revela o desfecho do personagem na narrativa: voluntário na Revolta da Armada, por discordar das injustiças praticadas contra os prisioneiros, é preso e condenado ao fuzilamento, ordem dada pelo seu ídolo, Marechal Floriano Peixoto. Policarpo Quaresma, nosso Dom Quixote tupiniquim, antes mesmo da morte física, morre espiritualmente, ao ver seu projeto de nação frustrado, descontentamento que Lima Barreto mostrou ao traçar o painel humano e social da época.
  • 18. Monteiro Lobato • Nascido em Taubaté (SP); • Formação: Direito; • Participante de um grupo de formação Parnasiana (ainda quando estudante); • Promotor, após experiência malograda como agricultor, estreou com o livro de conto Urupês (1918); • Batalhou pela saúde pública, exploração do nosso ferro e petróleo e pela liberdade democrática; • Dedicou-se à observação do caboclo e da vida rural paulista; • Criador da literatura Infanto-Juvenil nacional; • Nacionalista extremado, aberto e polêmico; • Com Urupês abre novas tendências da prosa de ficção brasileira; • Cria Jeca Tatu – Personagem regionalista e dimensão realista; • Seus contos são estruturados, ora tendendo para a comicidade, ora para o trágico ou lúgubre; • Concentra-se na figura humana, destacando defeitos físicos ou morais em suas personagens;
  • 19. • Em 1917, após ver uma exposição de Anita Malfati, pintora de tendências expressionistas, provocou polêmica com a publicação do artigo Paranoia ou Mistificação?, no qual critica as manifestações da chamada ´´arte moderna``.
  • 21. Semana de Arte Moderna, realizada em 1922, em São Paulo, representou um marco, verdadeiro ponto de inflexão no modo de ver o Brasil. Em geral, os artistas e intelectuais de 1922 queriam arejar o quadro mental da nossa "intelligentsia", queriam pôr fim ao ranço beletrista, à postura verborrágica e à mania de falar difícil e não dizer nada. Enfim, queriam eliminar o mofo passadista da vida intelectual brasileira.
  • 22. Do ponto de vista artístico, o objetivo fundamental da Semana foi acertar os ponteiros da nossa literatura com a modernidade contemporânea. Para isso, era necessário entrar em contato com as técnicas literárias e visões de mundo do futurismo, do dadaísmo, do expressionismo e do surrealismo, que formavam, na mesma época, a vanguarda europeia.
  • 23. O pressuposto essencial de 22, o autoconhecimento do País, tinha a um só tempo de acabar com o mimetismo mental e denunciar o atraso, a miséria e o subdesenvolvimento. Mas denunciar com uma linguagem do nosso tempo, moderna, coloquial, aproveitando o arsenal estilístico e estético das inovações vanguardas europeias. "A língua sem arcaísmos, sem erudição. A contribuição milionária de todos os erros. Como falamos. Como somos". (Oswald de Andrade) Antropofagia
  • 24. • Escritor; • Tarsila do Amaral; • Patrícia Galvão, a Pagu; • É uma das figuras mais emblemáticas do Modernismo; • Semana de 22. Oswald de Andrade
  • 25. • É o mais paulista dos escritores; • Modernista; • Amigo de Tarsila e de Olívia Guedes Penteado; • Professor de piano de Yolanda Penteado; • Um dos principais idealizadores do Modernismo; • Anita Malfati; • Oswald de Andrade; • Macunaíma e Paulicea Desvairada. Mario de Andrade