SlideShare uma empresa Scribd logo
Modernismo em
Portugal
A POESIA DE FERNANDO PESSOA
CRONOLOGIA DO MODERNISMO PORTUGUÊS
1ª GERAÇÃO → GERAÇÃO ORPHEU
Início: 1915 → Fundação da revista Orpheu
Término: 1927 → Fundação da revista
Presença
PRINCIPAIS ESCRITORES
→ Fernando Pessoa;
→ Mário de Sá-Carneiro;
2ª GERAÇÃO → GERAÇÃO PRESENÇA
Início: 1927 → Fundação da revista Presença
Término: 1940 → Eclosão do Neorrealismo
PRINCIPAIS ESCRITORES
→ Branquinho da Fonseca;
→ José Régio;
→ João Gaspar Simões;
3ª GERAÇÃO → NEORREALISMO
Início: 1940 → Eclosão do neorrealismo
PRINCIPAIS ESCRITORES
→ Ferreira de Castro;
→ Carlos de Oliveira;
→ Fernando Namora;
→ Alves Redol;
→ José Cardoso Pires;
→ Virgílio Ferreira;
UM POUCO DE HISTÓRIA: O Modernismo
em Portugal
Desde 1910, com a queda da Monarquia, Portugal passa por um dos
momentos mais fecundos e mais conturbados de sua história. Lisboa
centraliza a captação das ideias modernas, numa efervescência
intelectual que procura assimilar os movimentos de vanguarda,
provenientes do contexto mais amplo do Modernismo europeu.
Essa primeira experiência de governo democrático teria, entretanto,
vida curta.
Após superar a anarquia administrativa e orçamentária deixada pela
Monarquia, o Partido Democrático, de forte base popular, que dominou
o cenário político da Primeira República, propõe a entrada do país na
Primeira Guerra Mundial (1914-1918).
Portugal alia-se às potências que lutavam contra a Alemanha, em
defesa de suas colônias ultramarinas, ameaçadas pela expansão
imperialista germânica.
Com o fim da guerra, o agravamento das questões econômicas e
sociais era nítido, tanto quanto a crise política, que se tornara
permanente, por causa das contínuas dissidências internas do
Partido Democrático e à gradual perda de apoio popular. Essa crise
une os setores militares, a grande burguesia e o clero, colocando um
ponto final no governo parlamentar e desencadeando o Golpe
Militar de 1926.
O professor de finanças da Universidade de Coimbra, Antônio de
Oliveira Salazar, recrutado para desenvolver a nova política, que
requeria medidas autoritárias, toma por completo o poder em 1933.
Inicia-se, assim, em Portugal, o Estado Novo (1933-1974), que se
alinha aos interesses do nazifascismo italiano e alemão.
AS 3 GERAÇÕES DO MODERNISMO PORTUGUÊS
Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro são os mais famosos participantes
da revista Orpheu, que deu origem à primeira geração do Modernismo
português: o Orfismo ou Geração Orpheu, cuja atuação, entre 1915 e 1927,
coincidiu com a vigência da chamada “República Jovem”, a Primeira República
portuguesa.
Em 1927, a fundação da revista Presença, por Branquinho Fonseca, José
Régio e João Gaspar Simões, marca o início da segunda geração do
Modernismo português. Denominada Geração Presença, ela tem o intuito não
apenas de continuar, mas de renovar o pensamento órfico. Elegendo seus
mestres os poetas de Orpheu, os integrantes da Geração Presença,
particularmente José Régio, defendiam uma “literatura viva”, espontânea,
original, contra a “literatura livresca” acadêmica ou com outros fins que não
os estéticos. Caracteriza-se assim, pelo elitismo, pelo descompromisso entre a
atividade artística e as questões político-sociais.
Em 1940, o Neorrealismo substitui o Presencismo, inaugurando-se uma nova
geração. Esta se coloca contra as posturas da anterior, principalmente pela
defesa do engajamento da literatura, da sua contribuição na conscientização
do público leitor, quanto aos problemas socioeconômicos e políticos do país.
Ferreira de Castro, Carlos Namora, Alves Redol, José Cardoso Pires e Virgílio
Ferreira são alguns dos principais representantes do Neorrealismo português.
CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS
DA GERAÇÃO ORPHEU
Alheados tanto do idealismo republicano quanto das reações
críticas que despertavam, os artistas da Geração Orpheu tinham
uma vivência cosmopolita (Fernando Pessoa passara a
adolescência na África do Sul, em contato com a cultura inglesa;
Mário de Sá-Carneiro frequentemente estava em Paris) e um
comportamento iconoclasta e irreverente que os distanciaram do
grande público, perante o qual passaram quase desconhecidos.
A preocupação de escandalizar o burguês e de lutar contra o
provincianismo das tradições neorromântica e neossimbolista não
se converteu num programa estético-literário.
Impregnados de uma religiosidade esotérica, do gosto pelas ciências
ocultas, de um sebastianismo místico, os escritores da Geração
Orpheu tornaram-se elitistas, herméticos, pouco acessíveis. A obra de
Fernando Pessoa, uma das mais significativas já escritas em língua
portuguesa, só foi publicada 10 anos após a sua morte, que se deu
em 1935.
Mário de Sá Carneiro, por sua vez, suicidou-se em Paris, em 1915,
aos 26 anos. Deixou, entre outras obras, A confissão de Lúcio (prosa),
de 1912, e Dispersão (poesia), de 1914.
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
DO ORFISMO
• Domínio da Metafísica e do Mistério
• Desejo de “escandalizar” o burguês
• Desajuste social e cultural
• Cosmopolitismo
• Elitismo
• Ruptura convencional
• Ruptura com o ideal romântico
• Ausência da metrificação
• Valorização do subconsciente
• Linguagem ousada
• Incorporação das propostas das vanguardas
• Idolatria do poético, do não prático, do não burguês
FERNANDO PESSOA
FERNANDO PESSOA
o criador de poetas, o multiplicador de eus
Autodefinindo-se como “histeroneurastênico”, apaixonado por ocultismo,
filosofia, por estudos de psiquiatria e psicanálise, autodidata de grande
erudição, Fenando Pessoa constitui um caso único de desdobramento de si
mesmo em outras personalidades poéticas.
Sua capacidade de deixar-se possuir por outros seres, que como ele são
poetas, e de assim criar os outros eus, os heterônimos, tem sido tema de
inumeráveis estudos, debates e controvérsias.
Álvaro de Campos, um dos heterônimos do poeta , afirma que “fingir é
conhecer-se”, enquanto Pessoa, num de seus poemas mais conhecidos, diz
que “O poeta é um fingidor/ Finge tão completamente/ Que chega a fingir
que é dor/ A dor que deveras sente”.
Esses paradoxos apontam para a modernidade do poeta, em seu
reconhecimento da crise da identidade do ser humano, da fragmentação do
eu, cindido num mundo que destruiu as certezas inquestionáveis e quebrou o
mito da personalidade como algo inteiro, igual a si mesmo.
Nesse sentido, o “fingimento” pessoano, isto é, o processo de
despersonalização que faz o poeta “inventar-se” por intermédio de outras
criaturas – as quais, no entanto, encontra dentro de si -, pode ser entendido
como busca de recriação poética de uma unidade perdida, de algo que seja
absoluto, que transcenda todas as verdades parciais, relativas, fragmentadas.
Assumindo a sua diversidade, a sua pluralidade, a sua multiplicidade de
elementos, quase sempre conflitantes, Pessoa procura a unidade, a
integridade do ser humano.
Os heterônimos, portanto, não são máscaras literárias, não se confundem
com pseudônimos. Pessoa não inventou personagens-poetas, mas criou
obras de poetas, e, por causa delas, as biografias de Álvaro de Campos,
Ricardo Reis e Alberto Caeiro, seus principais heterônimos.
HETERÔNIMOS
FERNANDO PESSOA
ORTÔNIMO
HETERÔNIMOS
ELE MESMO
ÁLVARO DE CAMPOS
RICARDO REIS
ALBERTO CAEIRO
“Multipliquei-meparame sentir,Paramesentirpreciseisentir
tudo,Transbordei-me,nãofizsenão,extravasar-me”
ÁLVARO DE CAMPOS
o poeta das sensações do homem moderno
Nasceu em outubro de 1890, era engenheiro naval, alto,
magro, cabelos lisos e assemelhava-se a um judeu português.
Álvaro de Campos é um poeta modernista, futurista, cubista.
Por sua temática –as sensações do homem no mundo
moderno-, pode ser considerado também um sensacionista.
Na produção poética de Álvaro de Campos, os versos livres,
de ritmos explosivos e linguagem coloquial, testemunham a
crise de todos os valores da vida urbana e industrial, oscilando
entre a excitação e o cansaço, a euforia e a depressão, o êxtase
e a desilusão.
Na fase amargurada, o poeta escreveu longos poemas em
que revela um grande desencanto existencial.
LISBON REVISITED
NÃO: Não quero nada.
Já disse que não quero nada.
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.
Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!
Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me
enfileirem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das
ciências!) —
Das ciências, das artes, da civilização moderna!
Que mal fiz eu aos deuses todos?
Se têm a verdade, guardem-na!
Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da
técnica.
Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?
Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
Queriam-me o contrário disto, o contrário de
qualquer coisa?
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a
vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?
Não me peguem no braço!
Não gosto que me peguem no braço. Quero ser
sozinho.
Já disse que sou sozinho!
Ah, que maçada quererem que eu seja da
companhia!
Ó céu azul — o mesmo da minha infância —
Eterna verdade vazia e perfeita!
Ó macio Tejo ancestral e mudo,
Pequena verdade onde o céu se reflete!
Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!
Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me
sinta.
Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca
tardo...
TABACARIA
Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada. (...).
RICARDO REIS
o poeta neoclássico
O médico Ricardo Reis é o heterônimo “clássico” de Fernando
Pessoa, pois observa-se em toda sua obra a influência dos clássicos
gregos e latinos baseada na ideologia do “Carpe Diem”, diante da
brevidade da vida e da necessidade de aproveitar o momento.
A temática de Ricardo Reis, o poeta neoclássico, é a passagem do
tempo, a irreversibilidade do Fado (o Destino), a necessidade de fruir
o momento presente. A obra desse poeta caracteriza-se por versos
curtos, que lembram a lírica grega, com vocabulário muitas vezes
erudito, sintaxe clássica, referências mitológicas.
Sua atitude diante da vida é serena, intelectualizada, contida,
contemplativa. Basicamente, combina duas correntes filosóficas da
Antiguidade: o epicurismo, que identifica o bem soberano com o
prazer encontrado na prática da virtude e na cultura do espírito, e o
estoicismo, que prega a impassibilidade diante da dor e do infortúnio.
ANJOS OU DEUSES
Anjos ou deuses, sempre nós tivemos,
A visão perturbada de que acima
De nós e compelindo-nos
Agem outras presenças.
Como acima dos gados que há nos campos
O nosso esforço, que eles não compreendem,
Os coage e obriga
E eles não nos percebem,
Nossa vontade e o nosso pensamento
São as mãos pelas quais outros nos guiam
Para onde eles querem E nós não desejamos.
ALBERTO CAEIRO
o poeta-pastor
Alberto Caeiro, o poeta-pastor, considerado por Pessoa o seu mestre, é
o homem reconciliado com a natureza, que rejeita todas as estéticas,
todos os valores, todas as abstrações.
É uma poesia aparentemente simples, mas que na verdade esconde
uma imensa complexidade filosófica, a qual aborda a questão da
percepção do mundo e da tendência do homem em transformar aquilo
que vê em símbolos, sendo incapaz de compreender o seu verdadeiro
significado.
Seus versos livres, próximos da prosa, convidam-nos a “desaprender as
ideias para aprender as coisas”, como se vivêssemos antes do
Cristianismo, antes do Trabalho, antes da História, antes da Consciência.
Autodidata, de grande simplicidade, sua sabedoria consiste em ver o
mundo de forma sadia e plena, sensorialmente, em comunhão direta
com ele e com seus fenômenos.
O GUARDADOR DE REBANHOS
Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.
Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto,
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz....
FERNANDO PESSOA - ORTÔNIMO
O poeta-filosófico, que conjuga lucidez e vidência
Poeta-filosófico, sutil e complexo, Fernando Pessoa escreve
redondilhas rimadas, fundamentalmente procurando reunir “o sentir”
e “o pensar” (“O que em mim sente ‘stá pensando”).
A inquietação, a necessidade de compreender todas as coisas, a
busca constante de consciência, que inclui saber ser ela uma
impossibilidade, constituem algumas das características fundamentais
de sua obra.
Fernando Pessoa é o poeta que conjuga lucidez e vidência, que se
coloca entre o pendor para a paixão, o sonho, a entrega mágico-poética
aos mistérios e a postura analítico-racional, de constante indagação
crítica.
Assim, fragmentou-se, multiplicou-se, reinventou-se, convivendo em
profundidade com todas as grandes contradições do nosso tempo e
recriando-as poeticamente, numa das monumentais obras-primas de
poesia do século XX.
PRINCIPAIS OBRAS DE
FERNANDO PESSOA
POESIAS
Além de Mensagem, Pessoa escreveu Poemas completos
de Alberto Caeiro, Odes de Ricardo Reis, Poesias de
Álvaro de Campos, Poemas dramáticos, Poesias coligidas,
Quadras ao gosto popular, Novas poesias inéditas.
PROSA
Páginas de doutrina estética, A nova poesia portuguesa,
Análise da vida mental portuguesa, Apologia do
paganismo e Páginas íntimas e de auto interpretação.
AUTOPSICOGRAFIA
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração
ISTO
Dizem que finjo ou minto
Tudo que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio
Do que não está de pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê!
Professora Andréia Peixoto
Licenciada em Letras Vernáculas – UNEBEspecialização em Linguística e Literatura -
Cairu

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
Ceber Alves
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
7 de Setembro
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
Carlos Eduardo
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Luciene Gomes
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
ISJ
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Wallinhas Souza
 

Mais procurados (20)

Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Modernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - LiteraturaModernismo no Brasil - Literatura
Modernismo no Brasil - Literatura
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 

Semelhante a Modernismo em portugal e fernando pessoa

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Blog Estudo
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
whybells
 
A Geração De Orpheu
A Geração De OrpheuA Geração De Orpheu
A Geração De Orpheu
complementoindirecto
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
complementoindirecto
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
Mara Virginia
 
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptxModernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Ana Rodrigues
 
Revista Orpheu
Revista OrpheuRevista Orpheu
Revista Orpheu
complementoindirecto
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
ESVieira do Minho
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Bruno Soares
 
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
Carla Ribeiro
 
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).pptContextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
ssuser87ae72
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Josi Motta
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Juliana Oliveira
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Juliana Oliveira
 
Grupo de orpheu
Grupo de orpheuGrupo de orpheu
Grupo de orpheu
ALYNNE FERREIRA
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Louyse Tenório
 
Ricardo Reis.pptx
Ricardo Reis.pptxRicardo Reis.pptx
Ricardo Reis.pptx
AdriellyWannessa
 
Fernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimosFernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimos
Aurora Oliveira
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
quintaldasletras
 
FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12

Semelhante a Modernismo em portugal e fernando pessoa (20)

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
 
A Geração De Orpheu
A Geração De OrpheuA Geração De Orpheu
A Geração De Orpheu
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptxModernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
Modernismo_Portugal_Aulas 8 e 9.pptx
 
Revista Orpheu
Revista OrpheuRevista Orpheu
Revista Orpheu
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
 
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).pptContextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Grupo de orpheu
Grupo de orpheuGrupo de orpheu
Grupo de orpheu
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Ricardo Reis.pptx
Ricardo Reis.pptxRicardo Reis.pptx
Ricardo Reis.pptx
 
Fernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimosFernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimos
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
FPOH-CT12
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

Modernismo em portugal e fernando pessoa

  • 1. Modernismo em Portugal A POESIA DE FERNANDO PESSOA
  • 2. CRONOLOGIA DO MODERNISMO PORTUGUÊS 1ª GERAÇÃO → GERAÇÃO ORPHEU Início: 1915 → Fundação da revista Orpheu Término: 1927 → Fundação da revista Presença PRINCIPAIS ESCRITORES → Fernando Pessoa; → Mário de Sá-Carneiro;
  • 3. 2ª GERAÇÃO → GERAÇÃO PRESENÇA Início: 1927 → Fundação da revista Presença Término: 1940 → Eclosão do Neorrealismo PRINCIPAIS ESCRITORES → Branquinho da Fonseca; → José Régio; → João Gaspar Simões;
  • 4. 3ª GERAÇÃO → NEORREALISMO Início: 1940 → Eclosão do neorrealismo PRINCIPAIS ESCRITORES → Ferreira de Castro; → Carlos de Oliveira; → Fernando Namora; → Alves Redol; → José Cardoso Pires; → Virgílio Ferreira;
  • 5. UM POUCO DE HISTÓRIA: O Modernismo em Portugal Desde 1910, com a queda da Monarquia, Portugal passa por um dos momentos mais fecundos e mais conturbados de sua história. Lisboa centraliza a captação das ideias modernas, numa efervescência intelectual que procura assimilar os movimentos de vanguarda, provenientes do contexto mais amplo do Modernismo europeu. Essa primeira experiência de governo democrático teria, entretanto, vida curta. Após superar a anarquia administrativa e orçamentária deixada pela Monarquia, o Partido Democrático, de forte base popular, que dominou o cenário político da Primeira República, propõe a entrada do país na Primeira Guerra Mundial (1914-1918).
  • 6. Portugal alia-se às potências que lutavam contra a Alemanha, em defesa de suas colônias ultramarinas, ameaçadas pela expansão imperialista germânica. Com o fim da guerra, o agravamento das questões econômicas e sociais era nítido, tanto quanto a crise política, que se tornara permanente, por causa das contínuas dissidências internas do Partido Democrático e à gradual perda de apoio popular. Essa crise une os setores militares, a grande burguesia e o clero, colocando um ponto final no governo parlamentar e desencadeando o Golpe Militar de 1926. O professor de finanças da Universidade de Coimbra, Antônio de Oliveira Salazar, recrutado para desenvolver a nova política, que requeria medidas autoritárias, toma por completo o poder em 1933. Inicia-se, assim, em Portugal, o Estado Novo (1933-1974), que se alinha aos interesses do nazifascismo italiano e alemão.
  • 7. AS 3 GERAÇÕES DO MODERNISMO PORTUGUÊS Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro são os mais famosos participantes da revista Orpheu, que deu origem à primeira geração do Modernismo português: o Orfismo ou Geração Orpheu, cuja atuação, entre 1915 e 1927, coincidiu com a vigência da chamada “República Jovem”, a Primeira República portuguesa. Em 1927, a fundação da revista Presença, por Branquinho Fonseca, José Régio e João Gaspar Simões, marca o início da segunda geração do Modernismo português. Denominada Geração Presença, ela tem o intuito não apenas de continuar, mas de renovar o pensamento órfico. Elegendo seus mestres os poetas de Orpheu, os integrantes da Geração Presença, particularmente José Régio, defendiam uma “literatura viva”, espontânea, original, contra a “literatura livresca” acadêmica ou com outros fins que não os estéticos. Caracteriza-se assim, pelo elitismo, pelo descompromisso entre a atividade artística e as questões político-sociais.
  • 8. Em 1940, o Neorrealismo substitui o Presencismo, inaugurando-se uma nova geração. Esta se coloca contra as posturas da anterior, principalmente pela defesa do engajamento da literatura, da sua contribuição na conscientização do público leitor, quanto aos problemas socioeconômicos e políticos do país. Ferreira de Castro, Carlos Namora, Alves Redol, José Cardoso Pires e Virgílio Ferreira são alguns dos principais representantes do Neorrealismo português.
  • 9. CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS DA GERAÇÃO ORPHEU Alheados tanto do idealismo republicano quanto das reações críticas que despertavam, os artistas da Geração Orpheu tinham uma vivência cosmopolita (Fernando Pessoa passara a adolescência na África do Sul, em contato com a cultura inglesa; Mário de Sá-Carneiro frequentemente estava em Paris) e um comportamento iconoclasta e irreverente que os distanciaram do grande público, perante o qual passaram quase desconhecidos. A preocupação de escandalizar o burguês e de lutar contra o provincianismo das tradições neorromântica e neossimbolista não se converteu num programa estético-literário.
  • 10. Impregnados de uma religiosidade esotérica, do gosto pelas ciências ocultas, de um sebastianismo místico, os escritores da Geração Orpheu tornaram-se elitistas, herméticos, pouco acessíveis. A obra de Fernando Pessoa, uma das mais significativas já escritas em língua portuguesa, só foi publicada 10 anos após a sua morte, que se deu em 1935. Mário de Sá Carneiro, por sua vez, suicidou-se em Paris, em 1915, aos 26 anos. Deixou, entre outras obras, A confissão de Lúcio (prosa), de 1912, e Dispersão (poesia), de 1914.
  • 11. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ORFISMO • Domínio da Metafísica e do Mistério • Desejo de “escandalizar” o burguês • Desajuste social e cultural • Cosmopolitismo • Elitismo • Ruptura convencional • Ruptura com o ideal romântico • Ausência da metrificação • Valorização do subconsciente • Linguagem ousada • Incorporação das propostas das vanguardas • Idolatria do poético, do não prático, do não burguês
  • 13. FERNANDO PESSOA o criador de poetas, o multiplicador de eus Autodefinindo-se como “histeroneurastênico”, apaixonado por ocultismo, filosofia, por estudos de psiquiatria e psicanálise, autodidata de grande erudição, Fenando Pessoa constitui um caso único de desdobramento de si mesmo em outras personalidades poéticas. Sua capacidade de deixar-se possuir por outros seres, que como ele são poetas, e de assim criar os outros eus, os heterônimos, tem sido tema de inumeráveis estudos, debates e controvérsias. Álvaro de Campos, um dos heterônimos do poeta , afirma que “fingir é conhecer-se”, enquanto Pessoa, num de seus poemas mais conhecidos, diz que “O poeta é um fingidor/ Finge tão completamente/ Que chega a fingir que é dor/ A dor que deveras sente”.
  • 14. Esses paradoxos apontam para a modernidade do poeta, em seu reconhecimento da crise da identidade do ser humano, da fragmentação do eu, cindido num mundo que destruiu as certezas inquestionáveis e quebrou o mito da personalidade como algo inteiro, igual a si mesmo. Nesse sentido, o “fingimento” pessoano, isto é, o processo de despersonalização que faz o poeta “inventar-se” por intermédio de outras criaturas – as quais, no entanto, encontra dentro de si -, pode ser entendido como busca de recriação poética de uma unidade perdida, de algo que seja absoluto, que transcenda todas as verdades parciais, relativas, fragmentadas. Assumindo a sua diversidade, a sua pluralidade, a sua multiplicidade de elementos, quase sempre conflitantes, Pessoa procura a unidade, a integridade do ser humano. Os heterônimos, portanto, não são máscaras literárias, não se confundem com pseudônimos. Pessoa não inventou personagens-poetas, mas criou obras de poetas, e, por causa delas, as biografias de Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro, seus principais heterônimos.
  • 15. HETERÔNIMOS FERNANDO PESSOA ORTÔNIMO HETERÔNIMOS ELE MESMO ÁLVARO DE CAMPOS RICARDO REIS ALBERTO CAEIRO “Multipliquei-meparame sentir,Paramesentirpreciseisentir tudo,Transbordei-me,nãofizsenão,extravasar-me”
  • 16. ÁLVARO DE CAMPOS o poeta das sensações do homem moderno Nasceu em outubro de 1890, era engenheiro naval, alto, magro, cabelos lisos e assemelhava-se a um judeu português. Álvaro de Campos é um poeta modernista, futurista, cubista. Por sua temática –as sensações do homem no mundo moderno-, pode ser considerado também um sensacionista. Na produção poética de Álvaro de Campos, os versos livres, de ritmos explosivos e linguagem coloquial, testemunham a crise de todos os valores da vida urbana e industrial, oscilando entre a excitação e o cansaço, a euforia e a depressão, o êxtase e a desilusão. Na fase amargurada, o poeta escreveu longos poemas em que revela um grande desencanto existencial.
  • 17. LISBON REVISITED NÃO: Não quero nada. Já disse que não quero nada. Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer. Não me tragam estéticas! Não me falem em moral! Tirem-me daqui a metafísica! Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) — Das ciências, das artes, da civilização moderna! Que mal fiz eu aos deuses todos? Se têm a verdade, guardem-na! Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica. Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo. Com todo o direito a sê-lo, ouviram? Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável? Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa? Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade. Assim, como sou, tenham paciência! Vão para o diabo sem mim, Ou deixem-me ir sozinho para o diabo! Para que havemos de ir juntos? Não me peguem no braço! Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinho. Já disse que sou sozinho! Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia! Ó céu azul — o mesmo da minha infância — Eterna verdade vazia e perfeita! Ó macio Tejo ancestral e mudo, Pequena verdade onde o céu se reflete! Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje! Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta. Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca tardo...
  • 18. TABACARIA Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. Janelas do meu quarto, Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é (E se soubessem quem é, o que saberiam?), Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente, Para uma rua inacessível a todos os pensamentos, Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa, Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres, Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens, Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada. (...).
  • 19. RICARDO REIS o poeta neoclássico O médico Ricardo Reis é o heterônimo “clássico” de Fernando Pessoa, pois observa-se em toda sua obra a influência dos clássicos gregos e latinos baseada na ideologia do “Carpe Diem”, diante da brevidade da vida e da necessidade de aproveitar o momento. A temática de Ricardo Reis, o poeta neoclássico, é a passagem do tempo, a irreversibilidade do Fado (o Destino), a necessidade de fruir o momento presente. A obra desse poeta caracteriza-se por versos curtos, que lembram a lírica grega, com vocabulário muitas vezes erudito, sintaxe clássica, referências mitológicas. Sua atitude diante da vida é serena, intelectualizada, contida, contemplativa. Basicamente, combina duas correntes filosóficas da Antiguidade: o epicurismo, que identifica o bem soberano com o prazer encontrado na prática da virtude e na cultura do espírito, e o estoicismo, que prega a impassibilidade diante da dor e do infortúnio.
  • 20. ANJOS OU DEUSES Anjos ou deuses, sempre nós tivemos, A visão perturbada de que acima De nós e compelindo-nos Agem outras presenças. Como acima dos gados que há nos campos O nosso esforço, que eles não compreendem, Os coage e obriga E eles não nos percebem, Nossa vontade e o nosso pensamento São as mãos pelas quais outros nos guiam Para onde eles querem E nós não desejamos.
  • 21. ALBERTO CAEIRO o poeta-pastor Alberto Caeiro, o poeta-pastor, considerado por Pessoa o seu mestre, é o homem reconciliado com a natureza, que rejeita todas as estéticas, todos os valores, todas as abstrações. É uma poesia aparentemente simples, mas que na verdade esconde uma imensa complexidade filosófica, a qual aborda a questão da percepção do mundo e da tendência do homem em transformar aquilo que vê em símbolos, sendo incapaz de compreender o seu verdadeiro significado. Seus versos livres, próximos da prosa, convidam-nos a “desaprender as ideias para aprender as coisas”, como se vivêssemos antes do Cristianismo, antes do Trabalho, antes da História, antes da Consciência. Autodidata, de grande simplicidade, sua sabedoria consiste em ver o mundo de forma sadia e plena, sensorialmente, em comunhão direta com ele e com seus fenômenos.
  • 22. O GUARDADOR DE REBANHOS Sou um guardador de rebanhos. O rebanho é os meus pensamentos E os meus pensamentos são todos sensações. Penso com os olhos e com os ouvidos E com as mãos e os pés E com o nariz e a boca. Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la E comer um fruto é saber-lhe o sentido. Por isso quando num dia de calor Me sinto triste de gozá-lo tanto, E me deito ao comprido na erva, E fecho os olhos quentes, Sinto todo o meu corpo deitado na realidade, Sei a verdade e sou feliz....
  • 23. FERNANDO PESSOA - ORTÔNIMO O poeta-filosófico, que conjuga lucidez e vidência
  • 24. Poeta-filosófico, sutil e complexo, Fernando Pessoa escreve redondilhas rimadas, fundamentalmente procurando reunir “o sentir” e “o pensar” (“O que em mim sente ‘stá pensando”). A inquietação, a necessidade de compreender todas as coisas, a busca constante de consciência, que inclui saber ser ela uma impossibilidade, constituem algumas das características fundamentais de sua obra. Fernando Pessoa é o poeta que conjuga lucidez e vidência, que se coloca entre o pendor para a paixão, o sonho, a entrega mágico-poética aos mistérios e a postura analítico-racional, de constante indagação crítica. Assim, fragmentou-se, multiplicou-se, reinventou-se, convivendo em profundidade com todas as grandes contradições do nosso tempo e recriando-as poeticamente, numa das monumentais obras-primas de poesia do século XX.
  • 25. PRINCIPAIS OBRAS DE FERNANDO PESSOA POESIAS Além de Mensagem, Pessoa escreveu Poemas completos de Alberto Caeiro, Odes de Ricardo Reis, Poesias de Álvaro de Campos, Poemas dramáticos, Poesias coligidas, Quadras ao gosto popular, Novas poesias inéditas. PROSA Páginas de doutrina estética, A nova poesia portuguesa, Análise da vida mental portuguesa, Apologia do paganismo e Páginas íntimas e de auto interpretação.
  • 26. AUTOPSICOGRAFIA O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração
  • 27. ISTO Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. Tudo o que sonho ou passo, O que me falha ou finda, É como que um terraço Sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda. Por isso escrevo em meio Do que não está de pé, Livre do meu enleio, Sério do que não é. Sentir? Sinta quem lê!
  • 28. Professora Andréia Peixoto Licenciada em Letras Vernáculas – UNEBEspecialização em Linguística e Literatura - Cairu