SlideShare uma empresa Scribd logo
MACHADO DE ASSIS
Nascido em uma favela: Morro do
Livramento;

Filho de uma lavadeira e um pintor
de paredes;

Órfão de mãe aos 4 anos;

Criado pela madrasta;
Órfão de pai aos 11 anos;

Madrasta – doceira em uma escola;


Vendedor de doces;

Estudou só até o Fundamental I
numa escola pública;

Gago, epilético, mulato escuro, neto
de um escravo forro.
Aprende latim estudando sozinho e
francês com uma dona de Padaria;

Emprega-se como Aprendiz de
Tipógrafo.
POESIA
1864 – Crisálidas

1870 – Faienas

1875 – Americanas

1901 – Poesias Completas
ROMANCES
1a Fase (Romantismo)        2a Fase (Realismo)
 1872 – Ressurreição     1881 – Memórias Póstumas
                         de Brás Cubas
 1874 – A mão e a Luva   1891 – Quincas Borba

 1876 – Helena           1892 – Dom Casmurro

 1878 – Iaiá Garcia      1904 – Issaú e Jacó

                         1908 – Memorial de
                         Aires
CONTOS
1870 – Contos Fluminenses

1873 – Histórias da Meia - Noite

1882 – Papéis Avulsos

1884 – Histórias sem data

1896 – Várias Histórias

1906 – Relíquias da Casa Velha

1899 – Páginas Recolhidas
TEATRO
1867 – Queda que as Mulheres têm para os Tolos
1861 – Desencantos
1861 – Hoje Avental. Amanhã Luva

1862 – O Caminho da Porta

1862 – O Protocolo

1863 – Quase Ministro
1865 – Os Deuses de Casada
1881 – Tu só Tu, Puro Amor
OUTRAS
  Crônicas
                  Críticas Literárias
                                        Críticas Teatrais
 Poeta,      romancista,      cronista,     dramaturgo,
   contista, folhetinista, jornalista e crítico literário.
 Fundador    da A.B.L. Academia Brasileira de
   Letras, em 1897
 Romantismo
 Realismo
 Dizem os Críticos que Machado era urbano, aristocrata,
    cosmopolita, reservado e cínico, ignorou questões
    sociais como a independência do Brasil e a abolição da
    escravatura. Passou ao longo do nacionalismo, tendo
    ambientado suas histórias sempre do Rio, como se não
    houvesse outro lugar.
A     galeria de tipos e personagens que criou revelar o
    autor como um mestre da observação psicológica. Sua
    obra divide-se em duas fases, uma romântica e outra
    parnasiano-realista, quando desenvolveu inconfundível
    estilo desiludido, sarcástico e amargo. O domínio da
    linguagem é sutil e o estilo é preciso, reticente. O humor
    pessimista e a complexidade do pensamento, além da
    desconfiança na razão (no seu sentido cartesiano e
    iluminista), fazem com que se afaste de seus
    contemporâneos.
Algumas sábias frases de Machado
Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o
legado de nossa miséria – Frase final de Memórias
Póstumas de Brás Cubas.

Não se deve dar conselhos a uma pessoa
apaixonada.

A vida sem luta é um mar morto no centro do
organismo universal.

Botas... as botas apertadas são uma das maiores
venturas da terra, porque fazendo doer os pés,
dão azo ao prazer de se descalçar.
Creia em si, mas não duvide sempre dos outros.

Lágrimas não são argumentos.

Não levante a espada sobre a cabeça de quem te
pediu perdão.

Não se ama duas vezes a mesma mulher.

O dinheiro não traz felicidade para quem não sabe
o que fazer com ele. Dinheiro, mesmo quando não
é da gente dá gosto de ver.

Suporta-se com paciência a cólica dos outros.
Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa,
em que o destino, para escrever um novo caso,
precisa apagar o anterior.
Marcela amou-me durante 11 meses e 15 contos
de réis.


Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do
meu cadáver dedico com saudosa lembrança
estas memórias póstumas. (Memórias Póstumas
de Braz Cubas).
Físico (Corpo Estático)

Fisiológico (Corpo em Movimento)

Psíquico (a mente, a alma, os sentimentos de
emoção, medo, insegurança, lealdade, confiança,
inveja, CIÚME)

Social (relacionamento inter-pessoal, comunicação)
Episódios históricos importantes
    ignorados por Machado:


       Lei do Ventre-Livre – 1871

      Lei dos Sexagenários – 1865

           Lei Áurea – 1888

    Proclamação da República – 1889
CONTO – O relógio de ouro
 Personagens:
 Luis Negreiros – marido
 Clarinha – a esposa
 Meireles – o sogro de Luis Negreiros
Dom Casmurro
 Personagens:
 D. Glória – a mãe
 José Dias – o agregado
 Bento – Bentinho
 Capitu – Capitulina
 Escobar
 Sancha
 Ezequiel
Tomografia computadorizada na alma.

Penetra na psicologia do personagem, muito útil
no nosso dia-a-dia.

Bentinho – Sua mãe queria que ele fosse puro,
padre,    Dom         Casmurro     (ensimesmado,
sorumbático, triste, desconfiado).

Personalidade insegura, tinha sido super-protegido pela
mãe e por José Dias.
O livro todo gira em torno do ciúme de Bentinho-
Capitu- ela traiu Bentinho com Escobar ou não?
O narrador é o próprio Bentinho.
O que ele narra é verdade ou não? Senso crítico.
Capitu é acusada de adultério e não tem direito à
defesa.
Ela é apresentada como uma personagem como
uma cigana oblíqua e dissimulada, com olhos de
ressaca. Mulher sensual, perigosa.
Ela antes de casar com Bentinho era a sua melhor
amiga. No Seminário Escobar também era o seu
melhor amigo. Totalmente diferente de Bentinho:
bonito, falante, simpático, sedutor, foi quem
convenceu D. Glória, mãe de Bentinho, a retirá-lo
do Seminário.
A dor da traição. Como aqueles dois que haviam
sido os seus melhores amigos podiam fazer aquilo
com ele?
Ezequiel de Souza Escobar, o filho e depois
Arqueólogo.
Sancha - Sancho Pança o fiel escudeiro de Dom
Quixote. Capituzinha
Os dois casais estavam programando uma viagem
à Europa.
Escobar era tudo o que Bentinho desejava ser.
Sentia até uma atração física por ele. Muito sutil.
Uma vida de sofrimento.

A morte de Escobar – afogado - o enterro.
Ezequiel parecia demais com Escobar, até os
gestos.
Ciúmes – Capitu tinha ciúmes de Escobar com
Bentinho, enquanto Bentinho sentia ciúmes de
Escobar com ela.

Capitu e Ezequiel são “exilados” na Suíça por
Bentinho.

Capitu se recusa a mandar uma foto de Ezequiel
para Bentinho. Por que?
Por recear que a semelhança física dele com
Escobar fosse aumentar ainda mais a certeza de
Bentinho?
Por achar-se injustiçada por Bentinho, em
consequência, ele não merecia ver o filho na
idade adulta. Seria a vingança dela.
Capitu não mais regressa ao Brasil, falecendo na
Suíça.
Ezequiel morre no Egito em uma expedição de
pesquisas arqueológicas.
Com o falecimento de D. Glória, coloca no seu
túmulo: Uma Santa.
Bentinho passa o livro todo justificando o seu
ciúme.
Muito bem casado com
D. Carolina Novais –
sem filhos.

Muito amigo de José de
Alencar.

Grande criador de personalidades femininas,
misteriosas, enigmáticas, mais capazes de sofrer
dores que os homens – viúvas – Embora
fisicamente mais frágeis, dominam os homens com
a astúcia.
Foi homenageado pelo Banco Central do Brasil na
nota de 1000 cruzados.




          ednilo@7setembro.com.br
Nasceu em 1839, morreu em 1908 aos 69 anos.




    Sua vida é um exemplo de superação
              para todos nós.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Faell Vasconcelos
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Jirede Abisai
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
Fábio Guimarães
 
Romance
RomanceRomance
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
bubble13
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
Jirede Abisai
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
 

Destaque

Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidadeEdgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
escritamemorialistica
 
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de AssisMemórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
jasonrplima
 
Machado De Assis
Machado De AssisMachado De Assis
Machado De Assis
Belinha_Beel
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
Simonetc
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
martinsramon
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
Fernanda Rafaela
 
Machado de assis obras
Machado de assis   obrasMachado de assis   obras
Machado de assis obras
Flavio Maia Custodio
 
Biografia eça de queiroz
Biografia  eça de queirozBiografia  eça de queiroz
Biografia eça de queiroz
stcnsaidjv
 
Machado De Assis (Literatura) Eduardo
Machado De Assis (Literatura) EduardoMachado De Assis (Literatura) Eduardo
Machado De Assis (Literatura) Eduardo
martinsramon
 
Machado de assis vida e obra
Machado de assis  vida e obraMachado de assis  vida e obra
Machado de assis vida e obra
Mônica Almeida Neves
 
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
eloine123
 
Reportagem do haiti
Reportagem do haitiReportagem do haiti
Reportagem do haiti
stcnsaidjv
 

Destaque (13)

Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidadeEdgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
Edgar Allan Poe e Machado de Assis: estranhamento e sedução da cidade
 
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de AssisMemórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
 
Machado De Assis
Machado De AssisMachado De Assis
Machado De Assis
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
7040527 vida-e-obra-de-sao-francisco-de-assis
 
Machado de assis obras
Machado de assis   obrasMachado de assis   obras
Machado de assis obras
 
Biografia eça de queiroz
Biografia  eça de queirozBiografia  eça de queiroz
Biografia eça de queiroz
 
Machado De Assis (Literatura) Eduardo
Machado De Assis (Literatura) EduardoMachado De Assis (Literatura) Eduardo
Machado De Assis (Literatura) Eduardo
 
Machado de assis vida e obra
Machado de assis  vida e obraMachado de assis  vida e obra
Machado de assis vida e obra
 
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
UMA PITADA DE LITERATURA: ANÁLISE DOS NARRADORES DE DOM CASMURRO E BOM LADRÃO.
 
Reportagem do haiti
Reportagem do haitiReportagem do haiti
Reportagem do haiti
 

Semelhante a Machado de Assis

Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
João Mendonça
 
Dom Casmurro 3ª D - 2011
Dom Casmurro   3ª D - 2011Dom Casmurro   3ª D - 2011
Dom Casmurro 3ª D - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Aline Bicudo
 
Realismo Dom Casmurro
Realismo Dom CasmurroRealismo Dom Casmurro
Realismo Dom Casmurro
clemildapetrolina
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
Greice Gomes
 
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
Cláudia Heloísa
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Allan Henrique
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
mfmpafatima
 
Machado de Assis - Dom Casmurro
Machado de Assis - Dom CasmurroMachado de Assis - Dom Casmurro
Machado de Assis - Dom Casmurro
Larissa Mascarello
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Matheus Beleboni
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
Gabriel Martins
 
kh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdfkh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdf
JenniferJenkins91
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
Dodidemais Oliveira
 
trabalho.pdf
trabalho.pdftrabalho.pdf
trabalho.pdf
HeitorCaua
 
O QUINZE, de Rachel de Queiroz
O QUINZE, de Rachel de QueirozO QUINZE, de Rachel de Queiroz
O QUINZE, de Rachel de Queiroz
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO
 
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubaslíngua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
Wesley Germano Otávio
 
Biografia de camilo castelo branco
Biografia de camilo castelo branco Biografia de camilo castelo branco
Biografia de camilo castelo branco
anammjorge
 
Realismo Machado de Assis
Realismo   Machado de AssisRealismo   Machado de Assis
Realismo Machado de Assis
Daniele dos Santos Souza Onodera
 

Semelhante a Machado de Assis (20)

Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 
Dom Casmurro 3ª D - 2011
Dom Casmurro   3ª D - 2011Dom Casmurro   3ª D - 2011
Dom Casmurro 3ª D - 2011
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Realismo Dom Casmurro
Realismo Dom CasmurroRealismo Dom Casmurro
Realismo Dom Casmurro
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
 
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
 
Machado de Assis - Dom Casmurro
Machado de Assis - Dom CasmurroMachado de Assis - Dom Casmurro
Machado de Assis - Dom Casmurro
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
 
kh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdfkh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdf
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
trabalho.pdf
trabalho.pdftrabalho.pdf
trabalho.pdf
 
O QUINZE, de Rachel de Queiroz
O QUINZE, de Rachel de QueirozO QUINZE, de Rachel de Queiroz
O QUINZE, de Rachel de Queiroz
 
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubaslíngua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
língua portuguesa ficha literaria memórias póstumas de brás cubas
 
Biografia de camilo castelo branco
Biografia de camilo castelo branco Biografia de camilo castelo branco
Biografia de camilo castelo branco
 
Realismo Machado de Assis
Realismo   Machado de AssisRealismo   Machado de Assis
Realismo Machado de Assis
 

Mais de 7 de Setembro

Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014
7 de Setembro
 
Pôster Amostra Cultural
Pôster Amostra CulturalPôster Amostra Cultural
Pôster Amostra Cultural
7 de Setembro
 
Fenômenos Atmosféricos
Fenômenos AtmosféricosFenômenos Atmosféricos
Fenômenos Atmosféricos
7 de Setembro
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
7 de Setembro
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
7 de Setembro
 
Texto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha ComunitáriaTexto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha Comunitária
7 de Setembro
 
Substantivos e Adjetivos
Substantivos e AdjetivosSubstantivos e Adjetivos
Substantivos e Adjetivos
7 de Setembro
 
Substantivos
SubstantivosSubstantivos
Substantivos
7 de Setembro
 
Semântica
Semântica Semântica
Semântica
7 de Setembro
 
[c7s] Notícia
[c7s] Notícia[c7s] Notícia
[c7s] Notícia
7 de Setembro
 
[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras
7 de Setembro
 
[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II
7 de Setembro
 
[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem
7 de Setembro
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Os livros
Os livrosOs livros
Os livros
7 de Setembro
 
Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano
7 de Setembro
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
7 de Setembro
 
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º anoRenascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
7 de Setembro
 
A água e sua importância
A água e sua importânciaA água e sua importância
A água e sua importância
7 de Setembro
 

Mais de 7 de Setembro (20)

Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014
 
Pôster Amostra Cultural
Pôster Amostra CulturalPôster Amostra Cultural
Pôster Amostra Cultural
 
Fenômenos Atmosféricos
Fenômenos AtmosféricosFenômenos Atmosféricos
Fenômenos Atmosféricos
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Texto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha ComunitáriaTexto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha Comunitária
 
Substantivos e Adjetivos
Substantivos e AdjetivosSubstantivos e Adjetivos
Substantivos e Adjetivos
 
Substantivos
SubstantivosSubstantivos
Substantivos
 
Semântica
Semântica Semântica
Semântica
 
[c7s] Notícia
[c7s] Notícia[c7s] Notícia
[c7s] Notícia
 
[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras
 
[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II
 
[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Os livros
Os livrosOs livros
Os livros
 
Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º anoRenascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
 
A água e sua importância
A água e sua importânciaA água e sua importância
A água e sua importância
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 

Machado de Assis

  • 2. Nascido em uma favela: Morro do Livramento; Filho de uma lavadeira e um pintor de paredes; Órfão de mãe aos 4 anos; Criado pela madrasta;
  • 3. Órfão de pai aos 11 anos; Madrasta – doceira em uma escola; Vendedor de doces; Estudou só até o Fundamental I numa escola pública; Gago, epilético, mulato escuro, neto de um escravo forro.
  • 4. Aprende latim estudando sozinho e francês com uma dona de Padaria; Emprega-se como Aprendiz de Tipógrafo.
  • 5. POESIA 1864 – Crisálidas 1870 – Faienas 1875 – Americanas 1901 – Poesias Completas
  • 6. ROMANCES 1a Fase (Romantismo) 2a Fase (Realismo) 1872 – Ressurreição 1881 – Memórias Póstumas de Brás Cubas 1874 – A mão e a Luva 1891 – Quincas Borba 1876 – Helena 1892 – Dom Casmurro 1878 – Iaiá Garcia 1904 – Issaú e Jacó 1908 – Memorial de Aires
  • 7. CONTOS 1870 – Contos Fluminenses 1873 – Histórias da Meia - Noite 1882 – Papéis Avulsos 1884 – Histórias sem data 1896 – Várias Histórias 1906 – Relíquias da Casa Velha 1899 – Páginas Recolhidas
  • 8. TEATRO 1867 – Queda que as Mulheres têm para os Tolos 1861 – Desencantos 1861 – Hoje Avental. Amanhã Luva 1862 – O Caminho da Porta 1862 – O Protocolo 1863 – Quase Ministro 1865 – Os Deuses de Casada 1881 – Tu só Tu, Puro Amor
  • 9. OUTRAS Crônicas Críticas Literárias Críticas Teatrais  Poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário.  Fundador da A.B.L. Academia Brasileira de Letras, em 1897  Romantismo  Realismo
  • 10.  Dizem os Críticos que Machado era urbano, aristocrata, cosmopolita, reservado e cínico, ignorou questões sociais como a independência do Brasil e a abolição da escravatura. Passou ao longo do nacionalismo, tendo ambientado suas histórias sempre do Rio, como se não houvesse outro lugar. A galeria de tipos e personagens que criou revelar o autor como um mestre da observação psicológica. Sua obra divide-se em duas fases, uma romântica e outra parnasiano-realista, quando desenvolveu inconfundível estilo desiludido, sarcástico e amargo. O domínio da linguagem é sutil e o estilo é preciso, reticente. O humor pessimista e a complexidade do pensamento, além da desconfiança na razão (no seu sentido cartesiano e iluminista), fazem com que se afaste de seus contemporâneos.
  • 11. Algumas sábias frases de Machado Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria – Frase final de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Não se deve dar conselhos a uma pessoa apaixonada. A vida sem luta é um mar morto no centro do organismo universal. Botas... as botas apertadas são uma das maiores venturas da terra, porque fazendo doer os pés, dão azo ao prazer de se descalçar.
  • 12. Creia em si, mas não duvide sempre dos outros. Lágrimas não são argumentos. Não levante a espada sobre a cabeça de quem te pediu perdão. Não se ama duas vezes a mesma mulher. O dinheiro não traz felicidade para quem não sabe o que fazer com ele. Dinheiro, mesmo quando não é da gente dá gosto de ver. Suporta-se com paciência a cólica dos outros.
  • 13. Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa apagar o anterior. Marcela amou-me durante 11 meses e 15 contos de réis. Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico com saudosa lembrança estas memórias póstumas. (Memórias Póstumas de Braz Cubas).
  • 14. Físico (Corpo Estático) Fisiológico (Corpo em Movimento) Psíquico (a mente, a alma, os sentimentos de emoção, medo, insegurança, lealdade, confiança, inveja, CIÚME) Social (relacionamento inter-pessoal, comunicação)
  • 15. Episódios históricos importantes ignorados por Machado: Lei do Ventre-Livre – 1871 Lei dos Sexagenários – 1865 Lei Áurea – 1888 Proclamação da República – 1889
  • 16. CONTO – O relógio de ouro Personagens: Luis Negreiros – marido Clarinha – a esposa Meireles – o sogro de Luis Negreiros Dom Casmurro Personagens: D. Glória – a mãe José Dias – o agregado Bento – Bentinho Capitu – Capitulina Escobar Sancha Ezequiel
  • 17. Tomografia computadorizada na alma. Penetra na psicologia do personagem, muito útil no nosso dia-a-dia. Bentinho – Sua mãe queria que ele fosse puro, padre, Dom Casmurro (ensimesmado, sorumbático, triste, desconfiado). Personalidade insegura, tinha sido super-protegido pela mãe e por José Dias. O livro todo gira em torno do ciúme de Bentinho- Capitu- ela traiu Bentinho com Escobar ou não?
  • 18. O narrador é o próprio Bentinho. O que ele narra é verdade ou não? Senso crítico. Capitu é acusada de adultério e não tem direito à defesa. Ela é apresentada como uma personagem como uma cigana oblíqua e dissimulada, com olhos de ressaca. Mulher sensual, perigosa. Ela antes de casar com Bentinho era a sua melhor amiga. No Seminário Escobar também era o seu melhor amigo. Totalmente diferente de Bentinho: bonito, falante, simpático, sedutor, foi quem convenceu D. Glória, mãe de Bentinho, a retirá-lo do Seminário.
  • 19. A dor da traição. Como aqueles dois que haviam sido os seus melhores amigos podiam fazer aquilo com ele? Ezequiel de Souza Escobar, o filho e depois Arqueólogo. Sancha - Sancho Pança o fiel escudeiro de Dom Quixote. Capituzinha Os dois casais estavam programando uma viagem à Europa. Escobar era tudo o que Bentinho desejava ser. Sentia até uma atração física por ele. Muito sutil.
  • 20. Uma vida de sofrimento. A morte de Escobar – afogado - o enterro. Ezequiel parecia demais com Escobar, até os gestos. Ciúmes – Capitu tinha ciúmes de Escobar com Bentinho, enquanto Bentinho sentia ciúmes de Escobar com ela. Capitu e Ezequiel são “exilados” na Suíça por Bentinho. Capitu se recusa a mandar uma foto de Ezequiel para Bentinho. Por que?
  • 21. Por recear que a semelhança física dele com Escobar fosse aumentar ainda mais a certeza de Bentinho? Por achar-se injustiçada por Bentinho, em consequência, ele não merecia ver o filho na idade adulta. Seria a vingança dela. Capitu não mais regressa ao Brasil, falecendo na Suíça. Ezequiel morre no Egito em uma expedição de pesquisas arqueológicas. Com o falecimento de D. Glória, coloca no seu túmulo: Uma Santa. Bentinho passa o livro todo justificando o seu ciúme.
  • 22. Muito bem casado com D. Carolina Novais – sem filhos. Muito amigo de José de Alencar. Grande criador de personalidades femininas, misteriosas, enigmáticas, mais capazes de sofrer dores que os homens – viúvas – Embora fisicamente mais frágeis, dominam os homens com a astúcia.
  • 23. Foi homenageado pelo Banco Central do Brasil na nota de 1000 cruzados. ednilo@7setembro.com.br
  • 24. Nasceu em 1839, morreu em 1908 aos 69 anos. Sua vida é um exemplo de superação para todos nós.