SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Aluísio Azevedo
Aluísio Azevedo
 São Luís, Maranhão
 Escritor e caricaturista
 Folhetins romanescos +
romances naturalistas que
representam sua visão de
mundo, como O mulato e
O cortiçoO cortiço
1857-1913
O CORTIÇO
Cortiço na rua Visconde do Rio Branco, Rio de Janeiro, por volta de 1906
ROMANCE EXPERIMENTAL
 Émile Zola define o Naturalismo como uma
aplicação, na Literatura, do método de
observação e de experimentação.
 Romance de tese porque desenvolve uma
estrutura pensada para provar a visão
determinista da sociedade.
 O aviltamento e a perda da dignidade dos
indivíduos é a grande tese exposta nos
romances naturalistas.
FOCO NARRATIVOFOCO NARRATIVO
 Narrado em 3ª pessoa, onisciente: revela o
pensamento dos personagens, faz julgamentos e
tenta comprovar, como se fosse um cientista, as
influências do meio, da raça e do momento
histórico.
 Discurso indireto livre
TEMPOTEMPO
 O tempo é linear: fatos apresentados em ordem
cronológica – princípio, meio e desfecho da
narrativa.
 Ciclo biológico: nascimento - construção do
cortiço, crescimento - vinda de um grande
número de moradores, morte - destruição da
estalagem pelo fogo.
 A história se desenrola no Brasil do final do
século XIX, sem precisão de datas.
ESPAÇOESPAÇO
 Espaço é o microcosmo de uma sociedade
em formação: cortiço x sobrado, ressaltando
a briga constante de forças econômicas e
sociais.
 O espaço urbano: o proletariado e a classe
média ganharam campo, pois a mão-de-obra
era muito necessária, houve, na época, a
imigração de italianos e portugueses em
busca de trabalho.
 Espaço físico: habitação coletiva
 Espaço social: mistura de “raças”,
choque entre elas.
 Espaço simbólico : ALEGORIA do Brasil
(“matéria-prima de lucro para o
capitalismo”)
PERSONAGENSPERSONAGENS
 O cortiço: personagem principal, pois é o núcleo
gerador de tudo. Cresce, desenvolve-se e
transforma-se juntamente com seu proprietário, João
Romão.
 O sobrado: personagem atrelado ao cortiço,
funciona como rival. A tensão existente entre cortiço
e sobrado é apresentada por meio da relação entre
João Romão e Miranda.
 João Romão: português interesseiro, deseja
enriquecer, explora os moradores do cortiço e os
trabalhadores da pedreira.
 Miranda: português que enriquece através do
casamento.
PERSONAGENSPERSONAGENS
 Bertoleza: cafuza, escrava, pobre, trabalhadeira e
fiel a João Romão.
 D. Estela: mulher branca, nobre e adúltera.
 Zulmira: filha de D. Estela e de Miranda
 Botelho: amigo de Miranda, como agregado, vive na
casa de favor, por isso não tem voz, somente vê,
escuta e se faz amigo de todos, diplomático.
João Romão e Bertoleza se juntam e constroem o
cortiço; Miranda e D. Estela compram o sobrado. Os
homens agem como rivais e sentem inveja um do
outro, até que João Romão se casa com Zulmira.
 Jerônimo: português, começa a trabalhar na pedreira de
João Romão, conquistando respeito de todos, mas
“abrasileirou-se”, tornando-se preguiçoso, festeiro,
apreciador de cachaça.
 Piedade: esposa de Jerônimo e mãe de Marianita
(Senhorinha), sofre muito a partir do momento em que o
marido se interessa por Rita Baiana.
 Rita Baiana: mulata sensual, provocante, tem um caso com
Firmo, mas não se casam, o relacionamento vive de idas e
vindas.
 Firmo: mulato capoeirista, valente, preguiçoso, gosta muito
de gastar, vive de festa com Rita.
Jerônimo, desde o dia em que viu Rita dançar pela primeira
vez, estava fadado à perdição, arrastando Firmo e Piedade
para o caminho do ciúme e da destruição. Firmo morre e
Piedade torna-se miserável e bêbada.
 Pombinha: filha de D. Isabel. Separou-se do marido para
ficar com Léonie, que a iniciara no prazer sexual, fazendo-a
atingir a puberdade.
 Léonie: prostituta, madrinha de uma das filhas de Augusta,
possui a independência financeira. Vende seu corpo, mas o
que faz não é crime aos olhos dos moradores do cortiço, que
não têm as restrições sexuais da burguesia brasileira.
 Senhorinha: filha de Jerônimo e Piedade, foi educada em
bons colégios, mas vive em meio ao ambiente do cortiço e
acaba com um destino parecido com o de Pombinha.
Pombinha foi criada por D. Isabel com muito desvelo,
estudou, não lavava e esperava se tornar mulher para casar-
se. Envolve-se com Léonie, torna-se mulher e depois casa,
mas não se adapta à falta de liberdade imposta pelo
casamento, por isso decide morar com a prostituta,
aprendendo seu ofício, tornando-se senhora de si por meio do
PERSONAGENS SECUNDÁRIAS
Henrique: filho de um fazendeiro importante que se
encontra aos cuidados de Miranda até o fim de seus
estudos. Cultivará um caso com D. Estela.
Valentim: filho alforriado de uma escrava por quem
D. Estela nutria afeição ilimitada.
Libório: velho pão-duro que esmolava entre os
outros moradores do Cortiço, mas que possuía uma
fortuna escondida, da qual Romão irá se apoderar
depois da morte de Libório no segundo incêndio
provocado pela Bruxa.
PERSONAGENS SECUNDÁRIAS
Paula (a Bruxa): cabocla velha que exercia função
de curandeira. Põe fogo no cortiço duas vezes após
enlouquecer, morrendo na segunda tentativa.
Marciana: mulata velha, com mania de limpeza, mãe
de Florinda. Perde o juízo quando a filha foge de
casa.
 Florinda: filha virgem de Marciana, que engravida
de um dos vendeiros de Romão e foge de casa.
Dona Isabel: mãe de Pombinha. Seu maior sonho é
ver a filha casada.
Albino: lavadeiro homossexual, morador do cortiço.
PERSONAGENS SECUNDÁRIAS
Agostinho: filho caçula de Machona que morre num
acidente da pedreira.
Augusta: brasileira branca, honesta, casada com
Alexandre e com muitos filhos.
Alexandre: mulato, militar, dava muito valor ao seu
emprego.
Juju: afilhada de Léonie.
 Leocádia: portuguesa, esposa de Bruno, comete
adultério com Henrique.
Bruno: ferreiro casado com Leocádia.
PERSONAGENS SECUNDÁRIAS
Leonor: negrinha virgem, moradora do cortiço.
Leandra (Machona): portuguesa feroz, habitante do cortiço.
 Ana das Dores: filha desquitada de Machona.
 Neném: filha virgem de Machona, muito cobiçada.
Delporto, Pompeo, Francesco e Andrea: imigrantes italianos
que residiam no cortiço. Azevedo foi um dos primeiros a
caracterizar literariamente a figura do imigrante italiano no
Brasil, mesmo que de forma preconceituosa, retratando-os
como carcamanos imundos.
Porfiro: mulato capoeira amigo de Firmo.
Pataca: cúmplice de Jerônimo no assassinato de Firmo, torna-
se um dos aproveitadores de Piedade depois que Jerônimo vai
morar com Rita.
RESUMO DO ENREDO
 É  a história do Cortiço – personagem principal da
obra. “Durante dois anos o cortiço prosperou de dia
para dia, ganhando forças, socando-se de gente.(...)
Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava,
abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas
e janelas alinhadas.”
 João Romão, português, trabalha em uma vendinha
em Botafogo, quando o o dono da venda decide voltar
para Portugal, João Romão recebe a venda e mais um
dinheiro como pagamento de salários vencidos.
 Junta-se a Bertoleza – escrava quitandeira, que
vendia peixes fritos e iscas de boi, submissiva e
trabalhadeira. Bertoleza pagava ao seu dono
todo mês para manter-se livre e juntava
dinheiro para comprar sua carta de Alforria.
 João Romão simula uma carta de Alforria e a dá
à Bertoleza que em troca passa a ser o braço
direito de João Romão.
 Romão compra o terreno ao lado da venda e
constrói o cortiço com material roubado das
fábricas em construção na redondeza do cortiço
e ajuda de Bertoleza.
 Além de alugar as casinhas do cortiço, João
Romão monta um restaurante para vender
almoço aos trabalhadores das fábricas.
 Ao lado do cortiço, constrói um casarão, um
outro português, mas de classe elevada, com
certos ares de pessoa importante, o Senhor
Miranda, cuja mulher leva vida irregular.
Miranda não se dá com João Romão, nem vê
com bons olhos o cortiço perto de sua casa.
 Os dois mantêm uma relação de inveja um
pelo outro, pois Romão inveja a vida
pomposa de Miranda; enquanto Miranda
inveja a liberdade de Romão, pois Miranda,
precisa viver com uma mulher que o trai,
para poder manter ser status.
 No cortiço moram os mais variados tipos:
brancos, pretos, mulatos, lavadeiras,
malandros, assassinos, vadios, benzedeiras
etc. Entre outros: a Machona, lavadeira
gritalhona, "cujos filhos não se pareciam uns
com os outros"; Alexandre, mulato
pernóstico; Pombinha, moça franzina que se
desencaminha por influência das más
companhias; Rita Baiana, mulata faceira que
andava amigada na ocasião com Firmo,
malandro valentão; Jerônimo e sua mulher,
e outros mais.
 João Romão compra uma pedreira que existe
no fundo do cortiço e passa a enriquecer de
modo acelerado, pois a cidade do Rio está
passando por um processo de urbanização e as
ruas são pavimentadas com paralelepípedos
retirados das pedreiras.
 No cortiço há festas com certa frequência,
destacando-se nelas Rita Baiana como
dançarina provocante e sensual, o que faz
Jerônimo perder a cabeça. Enciumado, Firmo
acaba brigando com Jerônimo, e abre a barriga
do rival com a navalha e foge.
 Naquela mesma rua, outro cortiço se forma. Os
moradores do cortiço de João Romão chamam-
no de "Cabeça-de-gato"; como revide, recebem
o apelido de "Carapicus“(peixe mais vendido
por Bertoleza). Firmo passara a morar no
"Cabeça-de-Gato", onde se torna chefe dos
malandros.
 Jerônimo, que havia sido internado em um
hospital após a briga com Firmo, arma uma
emboscada traiçoeira para o malandro e o mata
a pauladas, fugindo em seguida com Rita
Baiana, abandonando a mulher.
 Querendo vingar a morte de Firmo, os
moradores do "Cabeça-de-gato" travam séria
briga com os "Carapicus". Um incêndio,
porém, em vários barracos do cortiço de João
Romão põe fim à briga coletiva.
 O português, agora endinheirado, reconstrói
o cortiço, dando-lhe nova feição e pretende
realizar um objetivo que há tempos vinha
alimentando: casar-se com uma mulher "de
fina educação", legitimamente.
 Lança os olhos em Zulmira, filha do Miranda.
Botelho, um velho parasita que reside com a
família do Miranda e de grande influência junto
deste, aplaina o caminho para João Romão,
mediante o pagamento de vinte contos de réis.
 E em breve os dois patrícios, por interesse, se
tornam amigos e o casamento é coisa certa. Só
há uma dificuldade: Bertoleza. João Romão
arranja um piano para livrar- se dela: manda um
aviso aos antigos proprietários da escrava,
denunciando-lhe o paradeiro.
E em breve os dois patrícios, por interesse, se tornam amigos e o casamento é coisa certa. Só há uma dificuldade: Bertoleza. João Romão arranja um piano para livrar- se dela: manda um aviso aos antigos proprietários da escrava, denunciando-lhe o paradeiro.
 Pouco tempo depois, surge a polícia na casa
de João Romão para levar Bertoleza aos
seus antigos senhores. A escrava
compreende o destino que lhe estava
reservado, suicida-se, cortando o ventre com
a mesma faca com que estava limpando o
peixe para a refeição de João Romão.
CORTIÇO X SOBRADO
HORIZONTALIDADE
Estagnação social
VERTICALIDADE
Ascensão social
Ausência de regras
Regras definidas
ANIMAL
Natureza fisiológica
CULTURA
Organização social regida por
leis
M
U
R
O
INSTINTO
Insultos, Brigas, Morte
RAZÃO
Troca de favores
Jogo de interesses
ASPECTOS CENTRAISASPECTOS CENTRAIS
 Romance social
 Crítica ao capitalismo
selvagem (a exploração do
homem pelo próprio homem)
 O trabalhador sob a
condição de servidão,
exploração da renda
imobiliária, da usura e
prática do roubo
 O homem socialmente
alienado e rebaixado ao
nível da animalidade
 A situação da mulher
Mulher-objeto: usada e
aviltada pelo homem
(Bertoleza e Piedade)
Mulher-sujeito:
independente dos homens
(Léonie e Pombinha)
Mulher-objeto-sujeito:
simultaneamente objeto e
sujeito (Rita Baiana)
Zoomorfização
homem = animal
O instinto predomina sobre a razão
E naquela terra encharcada e fumegante, naquela
umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a
fervilhar, a crescer um mundo, uma coisa viva, uma
geração que parecia brotar espontânea, ali mesmo,
daquele lameiro e multiplicar-se como larvas no esterco.
As corridas até a venda reproduziam-se num
verminar de formigueiro assanhado.
 A força do sexo
Degradante, conduz os personagens ao
acanalhamento, prostituição, lesbianismo, adultério.
E cada verso que vinha da sua boca de mulata era um arrulhar
choroso de pomba no cio. E o Firmo, bêbedo de volúpia,
enroscava-se todo ao violão; e o violão e ele gemiam com o
mesmo gosto, grunhindo, ganindo, miando, com todas as
vozes de bichos sensuais, num desespero de luxúria que
penetrava até ao tutano com línguas finíssimas de cobra.
 O homossexualismo
A questão da homossexualidade é tratada como desvio
de conduta, anormal, patológico, animalesca.
EXERCÍCIOS:
A PEDREIRA Daí à pedreira, restavam apenas uns cinqüenta passos e o
chão era já todo coberto por uma farinha de pedra moída que sujava
como a cal. Aqui, ali, por toda a parte, encontravam-se trabalhadores,
uns ao sol, outros debaixo de pequenas barracas feitas de lona ou de
folha de palmeira. De um lado cunhavam pedra cantando; de outro a
quebravam a picareta; de outro afeiçoavam lajedos a ponta de picão;
mais adiante faziam paralelepípedos a escopro e macete. E todo
aquele retintim de ferramentas, e o martelar da forja, e o corpo dos
que lá em cima brocavam a rocha para lançar-lhe fogo, e a surda
zoada ao longe, que vinha do cortiço, como de uma aldeia alarmada;
tudo dava a idéia de uma atividade feroz, de uma luta de vingança e
de ódio. Aqueles homens gotejantes de suor, bêbedos de calor,
desvairados de insolação, a quebrarem, a espicaçarem, a torturarem
a pedra, pareciam um punhado de demônios revoltados na sua
impotência contra o impassível gigante que os contemplava com
desprezo, imperturbável a todos os golpes e a todos os tiros que lhe
desfechavam no dorso, deixando sem um gemido que lhe abrissem as
entranhas de granito. O membrudo cavouqueiro havia chegado à fralda
do orgulhoso monstro de pedra; tinha-o cara a cara, mediu-o de alto a
baixo, arrogante, num desafio surdo.
A pedreira mostrava nesse ponto de vista o seu lado mais imponente.
Descomposta, com o escalavrado flanco exposto ao sol, erguia-se
altaneira e desassombrada, afrontando o céu, muito íngreme, lisa,
escaldante e cheia de cordas que, mesquinhamente, lhe escorriam pela
ciclópica nudez com um efeito de teias de aranha. Em certos lugares,
muito alto do chão, lhe haviam espetado alfinetes de ferro,
amparando, sobre um precipício, miseráveis tábuas que, vistas cá de
baixo, pareciam palitos, mas em cima das quais uns atrevidos pigmeus
de forma humana equilibravam-se, desfechando golpes de picareta
contra o gigante. (AZEVEDO, Aluísio de. O Cortiço. 25a ed. São Paulo.
Ática, 1992, 48-49)
Faça o somatório das alternativas corretas:
01. Retratam fatos que a sociedade procura ocultar.
02. O meio ambiente é preponderante e determinante no
comportamento do personagem.
04. O enredo é carregado de determinismo e fatalismo.
08. O meio social, a hereditariedade, os instintos determinam os
conflitos e a vida do homem.
16. Personagens humildes são fotografados em situações chocantes
para o leitor da época.
32. Em “lhe haviam espetado alfinetes de ferro, amparando, sobre
um precipício” o pronome lhe poderia ser substituído por ‘o’ sem
alteração do sentido.
RESPOSTA: 01+02+16
A questão a seguir baseia-se no seguinte fragmento do romance O cortiço
(1890), de Aluísio Azevedo (1857-1913).
O cortiço Fechou-se um entra-e-sai de marimbondos defronte daquelas cem
casinhas ameaçadas pelo fogo. Homens e mulheres corriam de cá para lá com os
tarecos ao ombro, numa balbúrdia de doidos. O pátio e a rua enchiam-se agora
de camas velhas e colchões espocados. Ninguém se conhecia naquela zumba de
gritos sem nexo, e choro de crianças esmagadas, e pragas arrancadas pela dor e
pelo desespero. Da casa do Barão saíam clamores apopléticos; ouviam-se os
guinchos de Zulmira que se espolinhava com um ataque. E começou a aparecer
água. Quem a trouxe? Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que
se despejavam sobre as chamas. Os sinos da vizinhança começaram a badalar. E
tudo era um clamor. A Bruxa surgiu à janela da sua casa, como à boca de uma
fornalha acesa. Estava horrível; nunca fora tão bruxa. O seu moreno trigueiro, de
cabocla velha, reluzia que nem metal em brasa; a sua crina preta, desgrenhada,
escorrida e abundante como as das éguas selvagens, dava-lhe um caráter
fantástico de fúria saída do inferno. E ela ria-se, ébria de satisfação, sem sentir as
queimaduras e as feridas, vitoriosa no meio daquela orgia de fogo, com que
ultimamente vivia a sonhar em segredo a sua alma extravagante de maluca. Ia
atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa
incendiada, que abateu rapidamente, sepultando a louca num montão de
brasas. (Aluísio Azevedo. O cortiço)
O caráter naturalista nessa obra de Aluísio Azevedo oferece, de maneira figurada,
um retrato de nosso país, no final do século XIX. Põe em evidência a competição
dos
mais fortes, entre si, e estes, esmagando as camadas de baixo, compostas de
brancos pobres, mestiços e escravos africanos. No ambiente de degradação de um
cortiço, o autor expõe um quadro tenso de misérias materiais e humanas. No
fragmento, há várias outras características do Naturalismo. Aponte a alternativa
em que as duas características apresentadas são corretas.
a)Exploração do comportamento anormal e dos instintos baixos; enfoque da vida
e dos fatos sociais contemporâneos ao escritor.
b)Visão subjetivista dada pelo foco narrativo; tensão conflitiva entre o ser humano
e o meio ambiente.
c)Preferência pelos temas do passado, propiciando uma visão objetiva dos fatos;
crítica aos valores burgueses e predileção pelos mais pobres.
d)A onisciência do narrador imprime-lhe o papel de criador, e se confunde com a
idéia de Deus; utilização de preciosismos vocabulares, para enfatizar o
distanciamento entre a enunciação e os fatos enunciados.
e)Exploração de um tema em que o ser humano é aviltado pelo mais forte;
predominância de elementos anticientíficos, para ajustar a narração ao ambiente
degradante dos personagens.
RESPOSTA: A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
 
O cortiço trabalho de português
O cortiço   trabalho de portuguêsO cortiço   trabalho de português
O cortiço trabalho de português
 
O cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoO cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio Azevedo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
O cortiço - Naturalismo
O cortiço - NaturalismoO cortiço - Naturalismo
O cortiço - Naturalismo
 
A Moreninha
A MoreninhaA Moreninha
A Moreninha
 
Realismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assisRealismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assis
 
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CICLivro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Iracema slide pronto
Iracema   slide prontoIracema   slide pronto
Iracema slide pronto
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás  Cubas Memórias Póstumas de Brás  Cubas
Memórias Póstumas de Brás Cubas
 
quincas borba
quincas borbaquincas borba
quincas borba
 
O Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio AzevedoO Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio Azevedo
 
Questões fechadas sobre dois irmãos, de milton hatoum
Questões fechadas sobre dois irmãos, de milton hatoumQuestões fechadas sobre dois irmãos, de milton hatoum
Questões fechadas sobre dois irmãos, de milton hatoum
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 

Destaque (10)

O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio CerradoO cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
 
O Cortiço..
O Cortiço..O Cortiço..
O Cortiço..
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
 
O cortiço 2
O cortiço 2O cortiço 2
O cortiço 2
 
O cortiço de Aluísio de Azevedo
O cortiço de Aluísio de AzevedoO cortiço de Aluísio de Azevedo
O cortiço de Aluísio de Azevedo
 
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de AzevedoPORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas 2ª A - 2011
Memórias Póstumas de Brás Cubas   2ª A - 2011Memórias Póstumas de Brás Cubas   2ª A - 2011
Memórias Póstumas de Brás Cubas 2ª A - 2011
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
 

Semelhante a O cortiço

Semelhante a O cortiço (20)

O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
O CORTIÇO
O CORTIÇO O CORTIÇO
O CORTIÇO
 
Seminário - O Cortiço.pptx
Seminário - O Cortiço.pptxSeminário - O Cortiço.pptx
Seminário - O Cortiço.pptx
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
 
Apresentacao1
Apresentacao1Apresentacao1
Apresentacao1
 
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdfocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
 
Trabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua PortuguesaTrabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua Portuguesa
 
Dom casmurro -hugo
Dom casmurro -hugoDom casmurro -hugo
Dom casmurro -hugo
 
O cortiço material de aula
O cortiço   material de aulaO cortiço   material de aula
O cortiço material de aula
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
 
Trabalho de português
Trabalho de portuguêsTrabalho de português
Trabalho de português
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
 
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda  senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
senhora e o cortiço- Júlia e Maria Eduarda
 
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
 
Mandarim 2ª A - 2011
Mandarim   2ª A - 2011Mandarim   2ª A - 2011
Mandarim 2ª A - 2011
 
10 livros essências pra ler
10 livros essências pra ler10 livros essências pra ler
10 livros essências pra ler
 
1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
 

Mais de Josi Motta

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesJosi Motta
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecidaJosi Motta
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Josi Motta
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análiseJosi Motta
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoaJosi Motta
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismoJosi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2Josi Motta
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Josi Motta
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1Josi Motta
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoJosi Motta
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilJosi Motta
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral finalJosi Motta
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015Josi Motta
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e litJosi Motta
 
A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xinguJosi Motta
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetivaJosi Motta
 

Mais de Josi Motta (20)

Alusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citaçõesAlusões históricas-e-citações
Alusões históricas-e-citações
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...Além do ponto e outros contos   novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
Além do ponto e outros contos novo - completo - inclusão de sob o céu de sa...
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
 
Esaú e jacó
Esaú e jacóEsaú e jacó
Esaú e jacó
 
Quarenta dias
Quarenta diasQuarenta dias
Quarenta dias
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2Crônicas selecionadas   nu, de botas - av2
Crônicas selecionadas nu, de botas - av2
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1Crônicas selecionadas   nu, de botas - av1
Crônicas selecionadas nu, de botas - av1
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
 
A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015A hora da estrela 2015
A hora da estrela 2015
 
Aulão udesc red e lit
Aulão udesc   red e litAulão udesc   red e lit
Aulão udesc red e lit
 
A majestade do xingu
A majestade do xinguA majestade do xingu
A majestade do xingu
 
Proposta subjetiva
Proposta subjetivaProposta subjetiva
Proposta subjetiva
 

Último

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 

Último (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

O cortiço

  • 2. Aluísio Azevedo  São Luís, Maranhão  Escritor e caricaturista  Folhetins romanescos + romances naturalistas que representam sua visão de mundo, como O mulato e O cortiçoO cortiço 1857-1913
  • 3. O CORTIÇO Cortiço na rua Visconde do Rio Branco, Rio de Janeiro, por volta de 1906
  • 4. ROMANCE EXPERIMENTAL  Émile Zola define o Naturalismo como uma aplicação, na Literatura, do método de observação e de experimentação.  Romance de tese porque desenvolve uma estrutura pensada para provar a visão determinista da sociedade.  O aviltamento e a perda da dignidade dos indivíduos é a grande tese exposta nos romances naturalistas.
  • 5. FOCO NARRATIVOFOCO NARRATIVO  Narrado em 3ª pessoa, onisciente: revela o pensamento dos personagens, faz julgamentos e tenta comprovar, como se fosse um cientista, as influências do meio, da raça e do momento histórico.  Discurso indireto livre
  • 6. TEMPOTEMPO  O tempo é linear: fatos apresentados em ordem cronológica – princípio, meio e desfecho da narrativa.  Ciclo biológico: nascimento - construção do cortiço, crescimento - vinda de um grande número de moradores, morte - destruição da estalagem pelo fogo.  A história se desenrola no Brasil do final do século XIX, sem precisão de datas.
  • 7. ESPAÇOESPAÇO  Espaço é o microcosmo de uma sociedade em formação: cortiço x sobrado, ressaltando a briga constante de forças econômicas e sociais.  O espaço urbano: o proletariado e a classe média ganharam campo, pois a mão-de-obra era muito necessária, houve, na época, a imigração de italianos e portugueses em busca de trabalho.
  • 8.  Espaço físico: habitação coletiva  Espaço social: mistura de “raças”, choque entre elas.  Espaço simbólico : ALEGORIA do Brasil (“matéria-prima de lucro para o capitalismo”)
  • 9. PERSONAGENSPERSONAGENS  O cortiço: personagem principal, pois é o núcleo gerador de tudo. Cresce, desenvolve-se e transforma-se juntamente com seu proprietário, João Romão.  O sobrado: personagem atrelado ao cortiço, funciona como rival. A tensão existente entre cortiço e sobrado é apresentada por meio da relação entre João Romão e Miranda.  João Romão: português interesseiro, deseja enriquecer, explora os moradores do cortiço e os trabalhadores da pedreira.  Miranda: português que enriquece através do casamento.
  • 10. PERSONAGENSPERSONAGENS  Bertoleza: cafuza, escrava, pobre, trabalhadeira e fiel a João Romão.  D. Estela: mulher branca, nobre e adúltera.  Zulmira: filha de D. Estela e de Miranda  Botelho: amigo de Miranda, como agregado, vive na casa de favor, por isso não tem voz, somente vê, escuta e se faz amigo de todos, diplomático. João Romão e Bertoleza se juntam e constroem o cortiço; Miranda e D. Estela compram o sobrado. Os homens agem como rivais e sentem inveja um do outro, até que João Romão se casa com Zulmira.
  • 11.  Jerônimo: português, começa a trabalhar na pedreira de João Romão, conquistando respeito de todos, mas “abrasileirou-se”, tornando-se preguiçoso, festeiro, apreciador de cachaça.  Piedade: esposa de Jerônimo e mãe de Marianita (Senhorinha), sofre muito a partir do momento em que o marido se interessa por Rita Baiana.  Rita Baiana: mulata sensual, provocante, tem um caso com Firmo, mas não se casam, o relacionamento vive de idas e vindas.  Firmo: mulato capoeirista, valente, preguiçoso, gosta muito de gastar, vive de festa com Rita. Jerônimo, desde o dia em que viu Rita dançar pela primeira vez, estava fadado à perdição, arrastando Firmo e Piedade para o caminho do ciúme e da destruição. Firmo morre e Piedade torna-se miserável e bêbada.
  • 12.  Pombinha: filha de D. Isabel. Separou-se do marido para ficar com Léonie, que a iniciara no prazer sexual, fazendo-a atingir a puberdade.  Léonie: prostituta, madrinha de uma das filhas de Augusta, possui a independência financeira. Vende seu corpo, mas o que faz não é crime aos olhos dos moradores do cortiço, que não têm as restrições sexuais da burguesia brasileira.  Senhorinha: filha de Jerônimo e Piedade, foi educada em bons colégios, mas vive em meio ao ambiente do cortiço e acaba com um destino parecido com o de Pombinha. Pombinha foi criada por D. Isabel com muito desvelo, estudou, não lavava e esperava se tornar mulher para casar- se. Envolve-se com Léonie, torna-se mulher e depois casa, mas não se adapta à falta de liberdade imposta pelo casamento, por isso decide morar com a prostituta, aprendendo seu ofício, tornando-se senhora de si por meio do
  • 13. PERSONAGENS SECUNDÁRIAS Henrique: filho de um fazendeiro importante que se encontra aos cuidados de Miranda até o fim de seus estudos. Cultivará um caso com D. Estela. Valentim: filho alforriado de uma escrava por quem D. Estela nutria afeição ilimitada. Libório: velho pão-duro que esmolava entre os outros moradores do Cortiço, mas que possuía uma fortuna escondida, da qual Romão irá se apoderar depois da morte de Libório no segundo incêndio provocado pela Bruxa.
  • 14. PERSONAGENS SECUNDÁRIAS Paula (a Bruxa): cabocla velha que exercia função de curandeira. Põe fogo no cortiço duas vezes após enlouquecer, morrendo na segunda tentativa. Marciana: mulata velha, com mania de limpeza, mãe de Florinda. Perde o juízo quando a filha foge de casa.  Florinda: filha virgem de Marciana, que engravida de um dos vendeiros de Romão e foge de casa. Dona Isabel: mãe de Pombinha. Seu maior sonho é ver a filha casada. Albino: lavadeiro homossexual, morador do cortiço.
  • 15. PERSONAGENS SECUNDÁRIAS Agostinho: filho caçula de Machona que morre num acidente da pedreira. Augusta: brasileira branca, honesta, casada com Alexandre e com muitos filhos. Alexandre: mulato, militar, dava muito valor ao seu emprego. Juju: afilhada de Léonie.  Leocádia: portuguesa, esposa de Bruno, comete adultério com Henrique. Bruno: ferreiro casado com Leocádia.
  • 16. PERSONAGENS SECUNDÁRIAS Leonor: negrinha virgem, moradora do cortiço. Leandra (Machona): portuguesa feroz, habitante do cortiço.  Ana das Dores: filha desquitada de Machona.  Neném: filha virgem de Machona, muito cobiçada. Delporto, Pompeo, Francesco e Andrea: imigrantes italianos que residiam no cortiço. Azevedo foi um dos primeiros a caracterizar literariamente a figura do imigrante italiano no Brasil, mesmo que de forma preconceituosa, retratando-os como carcamanos imundos. Porfiro: mulato capoeira amigo de Firmo. Pataca: cúmplice de Jerônimo no assassinato de Firmo, torna- se um dos aproveitadores de Piedade depois que Jerônimo vai morar com Rita.
  • 17. RESUMO DO ENREDO  É  a história do Cortiço – personagem principal da obra. “Durante dois anos o cortiço prosperou de dia para dia, ganhando forças, socando-se de gente.(...) Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.”  João Romão, português, trabalha em uma vendinha em Botafogo, quando o o dono da venda decide voltar para Portugal, João Romão recebe a venda e mais um dinheiro como pagamento de salários vencidos.
  • 18.  Junta-se a Bertoleza – escrava quitandeira, que vendia peixes fritos e iscas de boi, submissiva e trabalhadeira. Bertoleza pagava ao seu dono todo mês para manter-se livre e juntava dinheiro para comprar sua carta de Alforria.  João Romão simula uma carta de Alforria e a dá à Bertoleza que em troca passa a ser o braço direito de João Romão.  Romão compra o terreno ao lado da venda e constrói o cortiço com material roubado das fábricas em construção na redondeza do cortiço e ajuda de Bertoleza.  Além de alugar as casinhas do cortiço, João Romão monta um restaurante para vender almoço aos trabalhadores das fábricas.
  • 19.  Ao lado do cortiço, constrói um casarão, um outro português, mas de classe elevada, com certos ares de pessoa importante, o Senhor Miranda, cuja mulher leva vida irregular. Miranda não se dá com João Romão, nem vê com bons olhos o cortiço perto de sua casa.  Os dois mantêm uma relação de inveja um pelo outro, pois Romão inveja a vida pomposa de Miranda; enquanto Miranda inveja a liberdade de Romão, pois Miranda, precisa viver com uma mulher que o trai, para poder manter ser status.
  • 20.  No cortiço moram os mais variados tipos: brancos, pretos, mulatos, lavadeiras, malandros, assassinos, vadios, benzedeiras etc. Entre outros: a Machona, lavadeira gritalhona, "cujos filhos não se pareciam uns com os outros"; Alexandre, mulato pernóstico; Pombinha, moça franzina que se desencaminha por influência das más companhias; Rita Baiana, mulata faceira que andava amigada na ocasião com Firmo, malandro valentão; Jerônimo e sua mulher, e outros mais.
  • 21.  João Romão compra uma pedreira que existe no fundo do cortiço e passa a enriquecer de modo acelerado, pois a cidade do Rio está passando por um processo de urbanização e as ruas são pavimentadas com paralelepípedos retirados das pedreiras.  No cortiço há festas com certa frequência, destacando-se nelas Rita Baiana como dançarina provocante e sensual, o que faz Jerônimo perder a cabeça. Enciumado, Firmo acaba brigando com Jerônimo, e abre a barriga do rival com a navalha e foge.
  • 22.  Naquela mesma rua, outro cortiço se forma. Os moradores do cortiço de João Romão chamam- no de "Cabeça-de-gato"; como revide, recebem o apelido de "Carapicus“(peixe mais vendido por Bertoleza). Firmo passara a morar no "Cabeça-de-Gato", onde se torna chefe dos malandros.  Jerônimo, que havia sido internado em um hospital após a briga com Firmo, arma uma emboscada traiçoeira para o malandro e o mata a pauladas, fugindo em seguida com Rita Baiana, abandonando a mulher.
  • 23.  Querendo vingar a morte de Firmo, os moradores do "Cabeça-de-gato" travam séria briga com os "Carapicus". Um incêndio, porém, em vários barracos do cortiço de João Romão põe fim à briga coletiva.  O português, agora endinheirado, reconstrói o cortiço, dando-lhe nova feição e pretende realizar um objetivo que há tempos vinha alimentando: casar-se com uma mulher "de fina educação", legitimamente.
  • 24.  Lança os olhos em Zulmira, filha do Miranda. Botelho, um velho parasita que reside com a família do Miranda e de grande influência junto deste, aplaina o caminho para João Romão, mediante o pagamento de vinte contos de réis.  E em breve os dois patrícios, por interesse, se tornam amigos e o casamento é coisa certa. Só há uma dificuldade: Bertoleza. João Romão arranja um piano para livrar- se dela: manda um aviso aos antigos proprietários da escrava, denunciando-lhe o paradeiro. E em breve os dois patrícios, por interesse, se tornam amigos e o casamento é coisa certa. Só há uma dificuldade: Bertoleza. João Romão arranja um piano para livrar- se dela: manda um aviso aos antigos proprietários da escrava, denunciando-lhe o paradeiro.
  • 25.  Pouco tempo depois, surge a polícia na casa de João Romão para levar Bertoleza aos seus antigos senhores. A escrava compreende o destino que lhe estava reservado, suicida-se, cortando o ventre com a mesma faca com que estava limpando o peixe para a refeição de João Romão.
  • 26. CORTIÇO X SOBRADO HORIZONTALIDADE Estagnação social VERTICALIDADE Ascensão social Ausência de regras Regras definidas ANIMAL Natureza fisiológica CULTURA Organização social regida por leis M U R O INSTINTO Insultos, Brigas, Morte RAZÃO Troca de favores Jogo de interesses
  • 27. ASPECTOS CENTRAISASPECTOS CENTRAIS  Romance social  Crítica ao capitalismo selvagem (a exploração do homem pelo próprio homem)  O trabalhador sob a condição de servidão, exploração da renda imobiliária, da usura e prática do roubo  O homem socialmente alienado e rebaixado ao nível da animalidade
  • 28.  A situação da mulher Mulher-objeto: usada e aviltada pelo homem (Bertoleza e Piedade) Mulher-sujeito: independente dos homens (Léonie e Pombinha) Mulher-objeto-sujeito: simultaneamente objeto e sujeito (Rita Baiana)
  • 29. Zoomorfização homem = animal O instinto predomina sobre a razão E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a fervilhar, a crescer um mundo, uma coisa viva, uma geração que parecia brotar espontânea, ali mesmo, daquele lameiro e multiplicar-se como larvas no esterco. As corridas até a venda reproduziam-se num verminar de formigueiro assanhado.
  • 30.  A força do sexo Degradante, conduz os personagens ao acanalhamento, prostituição, lesbianismo, adultério. E cada verso que vinha da sua boca de mulata era um arrulhar choroso de pomba no cio. E o Firmo, bêbedo de volúpia, enroscava-se todo ao violão; e o violão e ele gemiam com o mesmo gosto, grunhindo, ganindo, miando, com todas as vozes de bichos sensuais, num desespero de luxúria que penetrava até ao tutano com línguas finíssimas de cobra.  O homossexualismo A questão da homossexualidade é tratada como desvio de conduta, anormal, patológico, animalesca.
  • 31.
  • 32. EXERCÍCIOS: A PEDREIRA Daí à pedreira, restavam apenas uns cinqüenta passos e o chão era já todo coberto por uma farinha de pedra moída que sujava como a cal. Aqui, ali, por toda a parte, encontravam-se trabalhadores, uns ao sol, outros debaixo de pequenas barracas feitas de lona ou de folha de palmeira. De um lado cunhavam pedra cantando; de outro a quebravam a picareta; de outro afeiçoavam lajedos a ponta de picão; mais adiante faziam paralelepípedos a escopro e macete. E todo aquele retintim de ferramentas, e o martelar da forja, e o corpo dos que lá em cima brocavam a rocha para lançar-lhe fogo, e a surda zoada ao longe, que vinha do cortiço, como de uma aldeia alarmada; tudo dava a idéia de uma atividade feroz, de uma luta de vingança e de ódio. Aqueles homens gotejantes de suor, bêbedos de calor, desvairados de insolação, a quebrarem, a espicaçarem, a torturarem a pedra, pareciam um punhado de demônios revoltados na sua impotência contra o impassível gigante que os contemplava com desprezo, imperturbável a todos os golpes e a todos os tiros que lhe
  • 33. desfechavam no dorso, deixando sem um gemido que lhe abrissem as entranhas de granito. O membrudo cavouqueiro havia chegado à fralda do orgulhoso monstro de pedra; tinha-o cara a cara, mediu-o de alto a baixo, arrogante, num desafio surdo. A pedreira mostrava nesse ponto de vista o seu lado mais imponente. Descomposta, com o escalavrado flanco exposto ao sol, erguia-se altaneira e desassombrada, afrontando o céu, muito íngreme, lisa, escaldante e cheia de cordas que, mesquinhamente, lhe escorriam pela ciclópica nudez com um efeito de teias de aranha. Em certos lugares, muito alto do chão, lhe haviam espetado alfinetes de ferro, amparando, sobre um precipício, miseráveis tábuas que, vistas cá de baixo, pareciam palitos, mas em cima das quais uns atrevidos pigmeus de forma humana equilibravam-se, desfechando golpes de picareta contra o gigante. (AZEVEDO, Aluísio de. O Cortiço. 25a ed. São Paulo. Ática, 1992, 48-49)
  • 34. Faça o somatório das alternativas corretas: 01. Retratam fatos que a sociedade procura ocultar. 02. O meio ambiente é preponderante e determinante no comportamento do personagem. 04. O enredo é carregado de determinismo e fatalismo. 08. O meio social, a hereditariedade, os instintos determinam os conflitos e a vida do homem. 16. Personagens humildes são fotografados em situações chocantes para o leitor da época. 32. Em “lhe haviam espetado alfinetes de ferro, amparando, sobre um precipício” o pronome lhe poderia ser substituído por ‘o’ sem alteração do sentido.
  • 36. A questão a seguir baseia-se no seguinte fragmento do romance O cortiço (1890), de Aluísio Azevedo (1857-1913). O cortiço Fechou-se um entra-e-sai de marimbondos defronte daquelas cem casinhas ameaçadas pelo fogo. Homens e mulheres corriam de cá para lá com os tarecos ao ombro, numa balbúrdia de doidos. O pátio e a rua enchiam-se agora de camas velhas e colchões espocados. Ninguém se conhecia naquela zumba de gritos sem nexo, e choro de crianças esmagadas, e pragas arrancadas pela dor e pelo desespero. Da casa do Barão saíam clamores apopléticos; ouviam-se os guinchos de Zulmira que se espolinhava com um ataque. E começou a aparecer água. Quem a trouxe? Ninguém sabia dizê-lo; mas viam-se baldes e baldes que se despejavam sobre as chamas. Os sinos da vizinhança começaram a badalar. E tudo era um clamor. A Bruxa surgiu à janela da sua casa, como à boca de uma fornalha acesa. Estava horrível; nunca fora tão bruxa. O seu moreno trigueiro, de cabocla velha, reluzia que nem metal em brasa; a sua crina preta, desgrenhada, escorrida e abundante como as das éguas selvagens, dava-lhe um caráter fantástico de fúria saída do inferno. E ela ria-se, ébria de satisfação, sem sentir as queimaduras e as feridas, vitoriosa no meio daquela orgia de fogo, com que ultimamente vivia a sonhar em segredo a sua alma extravagante de maluca. Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada, que abateu rapidamente, sepultando a louca num montão de brasas. (Aluísio Azevedo. O cortiço)
  • 37. O caráter naturalista nessa obra de Aluísio Azevedo oferece, de maneira figurada, um retrato de nosso país, no final do século XIX. Põe em evidência a competição dos mais fortes, entre si, e estes, esmagando as camadas de baixo, compostas de brancos pobres, mestiços e escravos africanos. No ambiente de degradação de um cortiço, o autor expõe um quadro tenso de misérias materiais e humanas. No fragmento, há várias outras características do Naturalismo. Aponte a alternativa em que as duas características apresentadas são corretas. a)Exploração do comportamento anormal e dos instintos baixos; enfoque da vida e dos fatos sociais contemporâneos ao escritor. b)Visão subjetivista dada pelo foco narrativo; tensão conflitiva entre o ser humano e o meio ambiente. c)Preferência pelos temas do passado, propiciando uma visão objetiva dos fatos; crítica aos valores burgueses e predileção pelos mais pobres. d)A onisciência do narrador imprime-lhe o papel de criador, e se confunde com a idéia de Deus; utilização de preciosismos vocabulares, para enfatizar o distanciamento entre a enunciação e os fatos enunciados. e)Exploração de um tema em que o ser humano é aviltado pelo mais forte; predominância de elementos anticientíficos, para ajustar a narração ao ambiente degradante dos personagens.