SlideShare uma empresa Scribd logo
E. E. “Profa. Irene Dias Ribeiro”
Profa. Cristiane Aparecida
Simões

Setembro/2013
Revolução Industrial
Processo contínuo
que perdura até os
dias atuais
A

paisagem sofreu
alterações
Fábricas
Muitos
desperdícios

Chaminés
Altas

Deitavam permanentemente
fumo negro por causa da
combustão do carvão

Surgiu a
poluição

Cidades
Eram
ruidosas

Cresceram
muito
rapidamente
A revolução industrial mudou a
paisagem
Condições para existência da
Revolução Industrial
• Aconteceu
principalmente com
a exploração do
mundo colonial

Existência
Acumulação
de
de capital
matérias
primas
Mercados
consumido
res

• Tornou-se necessário
criar mercados
consumidores para
absorver a produção.

• A produção industrial
pressupõe produção de
artigos de consumo em
massa.

Mão-deobra
disponível

• Fator fundamental, o
trabalhador deve ser
expropriado dos
meios de produção
Linha de montagem

Linha de produção
1ª Revolução Industrial
1760 - 1860
• As indústrias aparecem principalmente na
Inglaterra;
• O carvão era o principal combustível;
• Predomínio da Indústria Têxtil;
• Utilização de ferro na construção de
máquinas;
• Péssimas condições de trabalho devido ao
fortalecimento dos sindicatos.
Divisão Internacional do Trabalho
Capitalismo Industrial
Metrópoles – Países Industrializados
Bens Manufaturados

Colônias
• Gêneros agrícolas
• Produtos da Pecuária
• Matérias-primas do
extrativismo mineral
2ª Revolução Industrial
1860 - 1945
• Expansão industrial às demais nações (França,
Bélgica, Holanda, Itália, Alemanha, Japão, E.
U.A.);
• Utilização do petróleo como principal
combustível e da energia elétrica como força
motriz;
• Diversificação industrial: setores eletroeletrônico,
químico, metalúrgico, etc...
• Substituição do ferro pelo aço;
• Melhoria nas condições de trabalho devido ao
fortalecimento dos sindicatos.
Divisão Internacional do Trabalho Clássica – Capitalismo
monopoísta e Financeiro (DIT clássica)
Países Industrializados
. Bens manufaturados
. Investimentos

Países não-industrializados
3ª Revolução Industrial
1945 aos dias atuais
• Ampliação da Capacidade produtiva em
quantidade e qualidade;
• Notável avanço tecnológico em setores da
informática, engenharia genética, robótica,
biotecnológica,
armamentos,
telecomunicações, etc.
• Rápida absolêscência de produtos e setores
industriais;
• Padronização dos hábitos de consumo.
Nova Divisão Internacional de Trabalho
Mundo Globalizado
•

•
•
•
•

•

Países Desenvolvidos
Bens industrializados de maior
valor agregado, que
apresentam componentes de
alta tecnologia
Investimentos na produção e
no mercado financeiro
Empréstimos
Conhecimento tecnológico
Desenvolvimento da
tecnologia dos novos
produtos e marketing
Terceirização da produção nos
países subdesenvolvidos

•

•

•

•

Países Subdesenvolvidos
Industrializados
Matérias-primas agropecuárias e da
atividade extrativa (mineral, vegetal
e animal)
Lucros dos investimentos (juros das
aplicações), remessa de lucros das
empresas multinacio nais, royalities
pagos pelo uso das patentes dos
produtos pela utilização de
tecnologia importada
Bens industrializados que,
majoritariamente, apresentam
baixo nível tecnológico
Produção de mercadorias para
multinacionais em empresas
subcontratadas
Taylorismo
• Sistema de organização do trabalho concebido
por Frederick Winslow Taylor (1856 – 1915);
• Objetivo: alcançar o máximo de produção e
rendimento com o mínimo de tempo e de
esforço;
• Esta prática leva ao controle de movimentos,
mínimos que sejam,
das máquinas e
trabalhadores, visando eliminar movimentos
desnecessários e nocivos ao processo de
produção.
Taylorismo
Fordismo
• Conjunto das teorias sobre administração
industrial, criadas pelo industrial e fabricante
de automóveis norte-americano Henry Ford
(1863-1947);
• No fordismo , os funcionários permanecem
parados na linha de produção, estáticos em
seus postos de trabalho.
Henry Ford e seu filho num
modelo T

Linha de produção de carros
Slides revolução industrial
Slides revolução industrial
Slides revolução industrial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
vdailce
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
marcusejoao
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 
Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3
NAPNE
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
henrique.jay
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Capitalismo Industrial
Capitalismo IndustrialCapitalismo Industrial
Capitalismo Industrial
Ivanilson Lima
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
IiIlukinhaIiI
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
seixasmarianas
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
Profdaltonjunior
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 

Mais procurados (20)

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3Revolução industrial 1, 2 e 3
Revolução industrial 1, 2 e 3
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Capitalismo Industrial
Capitalismo IndustrialCapitalismo Industrial
Capitalismo Industrial
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 

Destaque

A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
Carlos Pinheiro
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
Hary Duarte
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Ana Batista
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 
A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
historiando
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Jonas Araújo
 
Máquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James WattMáquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James Watt
ZoeySger
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporteEvolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporte
MELORIBEIRO
 
Medição do trabalho
Medição do trabalhoMedição do trabalho
Medição do trabalho
Mauro Enrique
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Unidades de medidas
Unidades de medidasUnidades de medidas
Unidades de medidas
Nicole Gouveia
 
Unidades de tempo
Unidades de tempoUnidades de tempo
Unidades de tempo
labeques
 
Treinamento Medição
Treinamento MediçãoTreinamento Medição
Treinamento Medição
Ana Fabricia Ludwig
 
O TEMPO
O TEMPOO TEMPO
O TEMPO
ana salema
 
Unidades de medidas de tempo
Unidades de medidas de tempoUnidades de medidas de tempo
Unidades de medidas de tempo
Angela Costa
 
Grandeza Física e Medições
Grandeza Física e MediçõesGrandeza Física e Medições
Grandeza Física e Medições
eufisica
 
O tempo e a história
O  tempo e a históriaO  tempo e a história
O tempo e a história
Debora Barros
 
Origem das medidas de tempo
Origem das medidas de tempoOrigem das medidas de tempo
Origem das medidas de tempo
cassiadcarvalho
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
Vânia Franco
 
1ª aula de física
1ª aula de física1ª aula de física
1ª aula de física
Wladimir Parente
 

Destaque (20)

A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
Máquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James WattMáquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James Watt
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporteEvolução dos meios de transporte
Evolução dos meios de transporte
 
Medição do trabalho
Medição do trabalhoMedição do trabalho
Medição do trabalho
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
 
Unidades de medidas
Unidades de medidasUnidades de medidas
Unidades de medidas
 
Unidades de tempo
Unidades de tempoUnidades de tempo
Unidades de tempo
 
Treinamento Medição
Treinamento MediçãoTreinamento Medição
Treinamento Medição
 
O TEMPO
O TEMPOO TEMPO
O TEMPO
 
Unidades de medidas de tempo
Unidades de medidas de tempoUnidades de medidas de tempo
Unidades de medidas de tempo
 
Grandeza Física e Medições
Grandeza Física e MediçõesGrandeza Física e Medições
Grandeza Física e Medições
 
O tempo e a história
O  tempo e a históriaO  tempo e a história
O tempo e a história
 
Origem das medidas de tempo
Origem das medidas de tempoOrigem das medidas de tempo
Origem das medidas de tempo
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
1ª aula de física
1ª aula de física1ª aula de física
1ª aula de física
 

Semelhante a Slides revolução industrial

Rev. industrial
Rev. industrialRev. industrial
Rev. industrial
Valkuiria Andrade
 
6ano. Atividade grupo 10
6ano. Atividade grupo 106ano. Atividade grupo 10
6ano. Atividade grupo 10
Joao Paulo
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
Professor
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
Débora Sales
 
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Magno Rodrigues
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Italo Alan
 
As origens domundo atual 8º ano.
As origens domundo atual 8º ano.As origens domundo atual 8º ano.
As origens domundo atual 8º ano.
Professor
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
João José Ferreira Tojal
 
A atividade industrial
A atividade industrialA atividade industrial
A atividade industrial
rillaryalvesj
 
5 alterações na industria
5  alterações na industria5  alterações na industria
5 alterações na industria
Mayjö .
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
João José Ferreira Tojal
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
Italo Alan
 
1. industrialização
1. industrialização1. industrialização
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
Artur Lara
 
9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.
Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 
Industrialização.pdf
Industrialização.pdfIndustrialização.pdf
Industrialização.pdf
MeninoMimoso
 
Atividade grupo 10
Atividade grupo 10Atividade grupo 10
Atividade grupo 10
Joao Paulo
 
grupo 10
 grupo 10 grupo 10
grupo 10
Joao Paulo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Isabella Silva
 
F1 módulo 29 e módulo 30 - indústria - lousa digital (1)
F1   módulo 29 e  módulo 30 - indústria - lousa digital (1)F1   módulo 29 e  módulo 30 - indústria - lousa digital (1)
F1 módulo 29 e módulo 30 - indústria - lousa digital (1)
ristf
 

Semelhante a Slides revolução industrial (20)

Rev. industrial
Rev. industrialRev. industrial
Rev. industrial
 
6ano. Atividade grupo 10
6ano. Atividade grupo 106ano. Atividade grupo 10
6ano. Atividade grupo 10
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
 
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
 
As origens domundo atual 8º ano.
As origens domundo atual 8º ano.As origens domundo atual 8º ano.
As origens domundo atual 8º ano.
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
 
A atividade industrial
A atividade industrialA atividade industrial
A atividade industrial
 
5 alterações na industria
5  alterações na industria5  alterações na industria
5 alterações na industria
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
 
1. industrialização
1. industrialização1. industrialização
1. industrialização
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
 
9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 02 - Globalização e Indústria - Um longo processo.
 
Industrialização.pdf
Industrialização.pdfIndustrialização.pdf
Industrialização.pdf
 
Atividade grupo 10
Atividade grupo 10Atividade grupo 10
Atividade grupo 10
 
grupo 10
 grupo 10 grupo 10
grupo 10
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
F1 módulo 29 e módulo 30 - indústria - lousa digital (1)
F1   módulo 29 e  módulo 30 - indústria - lousa digital (1)F1   módulo 29 e  módulo 30 - indústria - lousa digital (1)
F1 módulo 29 e módulo 30 - indústria - lousa digital (1)
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino (20)

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Breve histórico
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Til 3ª C - 2013
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Til 3ª B - 2013
 
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 

Slides revolução industrial

  • 1. E. E. “Profa. Irene Dias Ribeiro” Profa. Cristiane Aparecida Simões Setembro/2013
  • 3. Processo contínuo que perdura até os dias atuais
  • 4. A paisagem sofreu alterações Fábricas Muitos desperdícios Chaminés Altas Deitavam permanentemente fumo negro por causa da combustão do carvão Surgiu a poluição Cidades Eram ruidosas Cresceram muito rapidamente
  • 5. A revolução industrial mudou a paisagem
  • 6. Condições para existência da Revolução Industrial
  • 7. • Aconteceu principalmente com a exploração do mundo colonial Existência Acumulação de de capital matérias primas Mercados consumido res • Tornou-se necessário criar mercados consumidores para absorver a produção. • A produção industrial pressupõe produção de artigos de consumo em massa. Mão-deobra disponível • Fator fundamental, o trabalhador deve ser expropriado dos meios de produção
  • 8.
  • 9. Linha de montagem Linha de produção
  • 10.
  • 11.
  • 12. 1ª Revolução Industrial 1760 - 1860 • As indústrias aparecem principalmente na Inglaterra; • O carvão era o principal combustível; • Predomínio da Indústria Têxtil; • Utilização de ferro na construção de máquinas; • Péssimas condições de trabalho devido ao fortalecimento dos sindicatos.
  • 13. Divisão Internacional do Trabalho Capitalismo Industrial Metrópoles – Países Industrializados Bens Manufaturados Colônias • Gêneros agrícolas • Produtos da Pecuária • Matérias-primas do extrativismo mineral
  • 14. 2ª Revolução Industrial 1860 - 1945 • Expansão industrial às demais nações (França, Bélgica, Holanda, Itália, Alemanha, Japão, E. U.A.); • Utilização do petróleo como principal combustível e da energia elétrica como força motriz; • Diversificação industrial: setores eletroeletrônico, químico, metalúrgico, etc... • Substituição do ferro pelo aço; • Melhoria nas condições de trabalho devido ao fortalecimento dos sindicatos.
  • 15. Divisão Internacional do Trabalho Clássica – Capitalismo monopoísta e Financeiro (DIT clássica) Países Industrializados . Bens manufaturados . Investimentos Países não-industrializados
  • 16. 3ª Revolução Industrial 1945 aos dias atuais • Ampliação da Capacidade produtiva em quantidade e qualidade; • Notável avanço tecnológico em setores da informática, engenharia genética, robótica, biotecnológica, armamentos, telecomunicações, etc. • Rápida absolêscência de produtos e setores industriais; • Padronização dos hábitos de consumo.
  • 17. Nova Divisão Internacional de Trabalho Mundo Globalizado • • • • • • Países Desenvolvidos Bens industrializados de maior valor agregado, que apresentam componentes de alta tecnologia Investimentos na produção e no mercado financeiro Empréstimos Conhecimento tecnológico Desenvolvimento da tecnologia dos novos produtos e marketing Terceirização da produção nos países subdesenvolvidos • • • • Países Subdesenvolvidos Industrializados Matérias-primas agropecuárias e da atividade extrativa (mineral, vegetal e animal) Lucros dos investimentos (juros das aplicações), remessa de lucros das empresas multinacio nais, royalities pagos pelo uso das patentes dos produtos pela utilização de tecnologia importada Bens industrializados que, majoritariamente, apresentam baixo nível tecnológico Produção de mercadorias para multinacionais em empresas subcontratadas
  • 18.
  • 19.
  • 20. Taylorismo • Sistema de organização do trabalho concebido por Frederick Winslow Taylor (1856 – 1915); • Objetivo: alcançar o máximo de produção e rendimento com o mínimo de tempo e de esforço; • Esta prática leva ao controle de movimentos, mínimos que sejam, das máquinas e trabalhadores, visando eliminar movimentos desnecessários e nocivos ao processo de produção.
  • 22. Fordismo • Conjunto das teorias sobre administração industrial, criadas pelo industrial e fabricante de automóveis norte-americano Henry Ford (1863-1947); • No fordismo , os funcionários permanecem parados na linha de produção, estáticos em seus postos de trabalho.
  • 23. Henry Ford e seu filho num modelo T Linha de produção de carros