SlideShare uma empresa Scribd logo
Clara dos anjos   3ª a - 2015
*
*Afonso Henrique de Lima Barreto (1881-1922) nasceu no
Rio de Janeiro no dia 13 de maio. Filho de Joaquim
Henriques de Lima Barreto e Amália Augusta, ambos
mestiços e pobres. Sofreu preconceito a vida toda. Seu
pai era tipógrafo e sua mãe professora primária. Logo
cedo ficou órfão de mãe.
*Estudou no Liceu Popular Niteroiense e concluiu o curso
secundário no Colégio Pedro II, ingressou na Escola
Politécnica do Rio de Janeiro, onde iniciou o curso de
Engenharia. Em 1904 foi obrigado a abandonar o curso,
pois, seu pai havia enlouquecido e o sustento dos três
irmão agora era responsabilidade dele.
*Em 1904 consegue emprego de escrevente copista
na Secretaria de Guerra, ao mesmo tempo que
colabora com quase todos os jornais do Rio de
Janeiro. Ainda estudante já colaborava para a
Revista da Época e para a Quinzena Alegre. Em
1905 passa a escrever no Correio da Manhã, jornal
de grande prestígio.
*Com uma linguagem descuidada, suas obras são
impregnadas da justa preocupação com os fatos
históricos e com os costumes sociais. Torna-se uma
espécie de cronista e um caricaturista se vingando
da hostilidade dos escritores e do público burguês.
Poucos aceitam aqueles contos e romances que
revelavam a vida cotidiana das classes populares,
sem qualquer idealização.
Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015
*
*Em Clara dos Anjos relata-se a estória de
uma pobre mulata, filha de um carteiro de
subúrbio, que apesar das cautelas
excessivas da família, é iludida, seduzida e,
como tantas outras, desprezada, enfim, por
um rapaz de condição social menos humilde
do que a sua. É uma estória onde se tenta
pintar em cores ásperas o drama de tantas
outras raparigas da mesma cor e do mesmo
ambiente.
*O romancista procurou fazer de sua personagem
uma figura apagada, de natureza "amorfa e
pastosa", como se nela quisesse resumir a
fatalidade que persegue tantas criaturas de sua
casta: "A priori", diz, "estão condenadas, e tudo
e todos parecem condenar os seus esforços e os
dos seus para elevar a sua condição moral e
social." É claro que os traços singulares, capazes
de formar um verdadeiro "caráter" romanesco,
dando-lhe relevo próprio e nitidez hão de
esbater-se aqui para melhor se ajustarem à
regra genérica. E Clara dos Anjos torna-se,
assim, menos uma personagem do que um
argumento vivo e um elemento para a denúncia."
*
*Clara dos Anjos: Protagonista e narradora.
Mulata do subúrbio carioca, era admirada
por sua, beleza e inocência. Tinha por
ambição arranjar um belo casamento,
tivera uma vida simples, porém o melhor
que seus pais podiam lhe oferecer.
* Ex:
“Era tratada pelos pais com muito desvelo,
recato e carinho; e, a não ser com a mãe
ou pai, só saía com Dona margarida, uma
viúva muito séria, que morava nas
vizinhanças e ensinava a Clara bordados e
costuras.”
*Marrameque : Semiparalítico, padrinho de
Clara, compadre de Joaquim dos Anjos,
frequentara uma pequena roda de boêmios e
literatos e poetas.
*Ex:
“(...)devido a seu estado de invalidez, de
semi-aleijado e semiparalítico do lado
esquerdo, tinha, entretanto, pertencido a
uma modesta roda de boêmios literatos e
poetas, na qual, a par da poesia e de
coisas de literatura, se discutia muita
política, hábito que lhe fico(...).”
*Cassi Jones: Andava na moda, seduzia as damas
com seu irresistível violão, seguido de
escândalos, nos jornais e nas delegacias. Pelo
fato de sedução em senhoras casadas. Porém a
mãe sempre o defendia.
*Ex:
“Era Cassi um rapaz de pouco menos de
trinta anos, branco, sardento, insignificante,
de rosto e de corpo; e, conquanto fosse
conhecido como consumado "modinhoso",
além de o ser também por outras façanhas
verdadeiramente ignóbeis, não tinha as
melenas do virtuose do violão, nem outro
qualquer traço de capadócio(...).”
*Joaquim dos anjos: carteiro, acredita-se
músico escreveu a polca, valsas, tangos e
acompanhamentos de modinha. polca: siri
sem unhas; valsa: magos do coração.
Tiveram algum sucesso, a ponto de vender
ele a propriedade de cada uma, por
cinquenta mil-réis, a uma casa de músicas.
O seu saber musical era fraco; adivinha
mais do que empregava noções teóricas que
tivesse estudo. Pai de Clara dos Anjos
*Ex:
*“O carteiro Joaquim dos anjos não
era homem de serestas e serenatas;
mas gostava de violão e de
modinhas. Ele mesmo tocava flauta,
instrumento que já foi muito estimado
em outras épocas, não o sendo
atualmente como outrora.”
*Mr. Shays: Chefe da seita bíblica, homem
tenaz cheio de eloquência bíblica faz seus
adeptos ouvir a palavra. Quando os adeptos
se acham preparados põem-se a propagá-la.
*Ex:
“Era Shays Quick ou Quick Shays daquela
raça curiosa de yankees fundadores de
novas seitas cristãs. De quando em
quando, um cidadão protestante dessa
raça que deseja a felicidade de nós outros,
na terra e no céu, à luz de uma sua
interpretação de um ou mais versículos da
Bíblia, funda uma novíssima seita, põe-se a
propagá-la e logo encontra dedicados
adeptos(...).”
*Manuel borges de Azevedo e Salustiana Baeta
de Azevedo: Pais de Cassi. O pai não gostava
dos procedimentos do filho, enquanto a mãe,
cobria-lhe as desfeitas com as proteções.
*“(...) Dona Salustiana, chorando e
jurando a sua inocência, asseverando
que a tal fulana – qualquer das vítimas –
já estava perdida, por esse ou por aquele;
que fora uma cilada que lhe armaram,
para encobrir um mal feito por outrem, e
por o saberem de boa família, etc.,etc.”
*Ex:
“O pai desse Cassi era verdadeiramente
um homem sério. Estreito de ideias,
familiarizado no emprego público, que, há
cerca de trinta anos, exercia, ele tinha
profundos sentimentos morais, que lhe
guiavam a conduta no seu comércio com
os filhos. Nunca fora afetuoso: evitava até
todas as exibições e exageros
sentimentais(...). ”
*Doutor Meneses:
es: O dentista da família. Intermediário dos
bilhetes e cartas de Cassi para Clara. Senhor
Monção - caixeiro vendedor; Belmiro Bernedes &
Cia. - "tocava realejo", era um moço português,
simpático, educado, e bom porte.
*Ex:
*“ - Foi para casa do carteiro. Está tratando
dos dentes da filha e almoça quase sempre
lá. Ele precisava, coitado do Doutor
Meneses! – um homem ilustrado, velho,
doente – quase não comia; era só beber
(...).”
*D.laurentina Jácome: gostava de rezar, ficar
zelando a igreja.
*Ex:
“(...)Dona Laurentina Jácome, uma velha,
sempre metida com rezas e padres,
pensionista do ex Imperador e empregada
numa capelinha da vizinhança, de cuja
limpeza era encarregada, inclusive da
lavagem das toalhas dos altares. . Não
podia conversar outra coisa que não
fossem acontecimentos eclesiásticos e,
quase sempre, os de sua igreja.”
*D. Vicêntina : cartomante.
*Ex:
“(...)Além desta, havia uma digna de
nota: era Dona Vicência. Morava na
vizinhança também e vivia a deitar cartas
e cortar "cousas feitas". O seu
procedimento era inatacável e exercia a
sua profissão de cartomante com toda a
seriedade e convicção.”
*João pintor: Era um cidadão que visitava "os
bíblias" aqueles que pregavam o evangelho.
*Ex:
“Era homem de pouca altura, trazia a
cabeça sempre erguida, testa reta e alta,
queixo forte e largo, olhar firme, debaixo
de seu pince-nez de aros de ouro. “Era
preto retinto, grossos lábios, malares
proeminentes, testa curta dentes muito
bons e muitos claros, longos braços,
manoplas enormes, longas pernas e uns
tais pés que não havia calçado”.
*
*Tempo Psicológico: “(...) Hoje, é raro ver-
se, no Rio de Janeiro, um muro coberto
de hera; entretanto, há trinta anos, nas
laranjeiras, na rua Conde de Bonfim, no
Rio Comprido, no Andaraí, no Engenho
Novo, enfim, em todos os bairros que
foram antigamente estações de repouso
e prazer, encontravam-se, a cada passo,
longos muros cobertos de hera, exalando
melancolia e sugerindo recordações (...)”
* Tempo Cronológico: “(...)Chegou
Cassi Jones à casa de Lafões quase à
noite. Era uma pequena casa, mas
bem tratada e limpa(...)”
*
*Rio de Janeiro: sob o impacto das
mudanças estruturais impostas à cidade,
surgem através de aspectos relevantes para
a constituição do espaço da narrativa. A
idealização do espaço urbano, de seu
planejamento, e as diferentes estratégias
de intervenção que fizeram parte do Rio de
Janeiro, no começo do século XX, pareceu-
nos transformar a cidade em denúncia de
uma sociedade injusta e racista.
*Ex:
“O subúrbio é um refugio dos infelizes.
Os que perderam o emprego, as
fortunas; os que faliram nos negócios,
enfim, todos os que perderam a sua
situação normal vão se alinhar ali (...).”
*
*O narrador é observador e em 3ª pessoa. Em
outras palavras, conta a historia e, ao
mesmo tempo, vai descrevendo as
personagens e o espaço para nós, leitores,
termos informação para formar o perfil
social e psicológico de cada personagem e
também para conseguirmos perceber como
eram os subúrbios.
*Ex:
“[...] O carteiro Joaquim dos Anjos não era
homem de serestas; mas gostava de
violão e de modinhas. Ele mesmo tocava
flauta, instrumento que já foi muito
estimado em outras épocas, não o sendo
atualmente como outrora[...]”
*
*O autor procura usar uma linguagem
simples, aproximando-se da língua falada
da época. O estilo da narrativa é objetivo,
incorporando a linguagem do texto
jornalístico, com frases espontâneas. Foi
muito criticado por escrever desse modo e
mostra a questão social do uso da
linguagem em trechos do livro.
*Ex:
“O violeiro leu o que quis, fechou a
carta e deu ao pobre velho. A sua
resolução já estava tomada. Havia
forçosamente de se entregar que o
arrastava. Ela o havia levado até ali; era
inútil resistir. Entregou a carta a clara.
No dia seguinte, recebeu a resposta.
Entregou-a Cassi. Assim, durante um
mês e tanto, e ele foi o intermediário
dos dois(...).”
*
*Questão racial... que até hoje muitas
pessoas sofrem com o problema de
preconceito racial. e clara sofria com
isso.
*Ex:
“ (...) repugnava-lhe ver o filho
casado com uma criada preta, ou
com uma pobre mulata
costureira(...).“
*
*Preconceito racial-social
*Realismo e naturalismo
*Cultural brasileira
*Ex:
“(...) não haveria um talvez, entre toda
aquela gente de ambos os sexos, que
não fosse indiferente á sua desgraça...
Ora, uma mulatinha, filha de um carteiro!
O que era preciso, tanto a ela como ás
suas iguais, era educar o caráter (...)“
*
*A narrativa literária nos propicia
estabelecer a intersubjetividade entre a
obra, autor e leitor, fato que nos orienta
para o real e que se estabelece de maneira
concreta pela escritura. As múltiplas visões
que uma história pode vir a ter são criadas
nesse momento, projetando aspectos
sociais de dadas culturas que, nesse caso,
mostrado por Clara dos Anjos, assume o
imaginário vivido no Brasil do século
passado,marcado pelo racismo.
*Lima Barreto descrevia, em seus textos, tudo
aquilo que caísse na sua inconformidade com
a sociedade. Em Clara dos Anjos, o autor não
separa a obra literária dos acontecimentos
reais, representando as crenças, o
comportamento e a tradição popular das
pessoas. Barreto faz uma fusão do real com a
ficção, narrando acontecimentos e fatos que
demonstram a situação das famílias cariocas
no início do século XX, atentando para a
maneira de agir de alguns grupos sociais, que
contribuiriam direta ou indiretamente na
formação da nova sociedade que estava por
vir.
*Não é preciso, portanto, mencionar todos os
capítulos desse romance para que se chegue a
uma consideração, aqui já dita, de que Lima
Barreto contempla o imaginário social que se
forma pela base de pessoas comuns,
conseguindo, assim, revelar a busca por uma
sociedade igualitária, embora se mostre
esfacelada e caótica perante o olhar do autor.
*
*http://www.e-biografias.net/lima_barreto/
*http://livroseresumos.com.br/clara-dos-anjos/
*http://www.recantodasletras.com.br/artigos/2436095
*file:///C:/Users/User/Downloads/2438-10109-1-PB.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
Cláudia Heloísa
 
Capitães de Areia
Capitães de AreiaCapitães de Areia
Capitães de Areia
quel.silva
 
São bernardo especial
São bernardo especialSão bernardo especial
São bernardo especial
Ana Batista
 
Capitães da area
Capitães da areaCapitães da area
Capitães da area
Déborah Esteves
 
Trabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefaTrabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefa
1998-0206
 
Outros cantos
Outros cantosOutros cantos
Outros cantos
Ana Batista
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
Ana Batista
 
2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
Octávio Da Matta
 
Capitães da Areia 3ºB - 2011
Capitães da Areia 3ºB - 2011Capitães da Areia 3ºB - 2011
Capitães da Areia 3ºB - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Contos completos de lima barret lima barreto
Contos completos de lima barret   lima barretoContos completos de lima barret   lima barreto
Contos completos de lima barret lima barreto
fernelio
 
Respostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areiaRespostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areia
BriefCase
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
Ana Batista
 
Enquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhandoEnquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhando
Ana Batista
 
Seminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da AreiaSeminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da Areia
Thenysson Gabriel
 
Capitães da areia - Jorge amado
Capitães da areia - Jorge amadoCapitães da areia - Jorge amado
Capitães da areia - Jorge amado
Sabrina Dará
 
Memórias de um sargento de milícias - Fuvest
Memórias de um sargento de milícias - FuvestMemórias de um sargento de milícias - Fuvest
Memórias de um sargento de milícias - Fuvest
Cristina Porini
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Lurdes Augusto
 
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de AlmeidaMemórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
vestibular
 
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Laguat
 

Mais procurados (20)

Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Capitães de Areia
Capitães de AreiaCapitães de Areia
Capitães de Areia
 
São bernardo especial
São bernardo especialSão bernardo especial
São bernardo especial
 
Capitães da area
Capitães da areaCapitães da area
Capitães da area
 
Trabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefaTrabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefa
 
Outros cantos
Outros cantosOutros cantos
Outros cantos
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
 
2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
 
Capitães da Areia 3ºB - 2011
Capitães da Areia 3ºB - 2011Capitães da Areia 3ºB - 2011
Capitães da Areia 3ºB - 2011
 
Contos completos de lima barret lima barreto
Contos completos de lima barret   lima barretoContos completos de lima barret   lima barreto
Contos completos de lima barret lima barreto
 
Respostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areiaRespostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areia
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
 
Enquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhandoEnquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhando
 
Seminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da AreiaSeminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da Areia
 
Capitães da areia - Jorge amado
Capitães da areia - Jorge amadoCapitães da areia - Jorge amado
Capitães da areia - Jorge amado
 
Memórias de um sargento de milícias - Fuvest
Memórias de um sargento de milícias - FuvestMemórias de um sargento de milícias - Fuvest
Memórias de um sargento de milícias - Fuvest
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
 
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de AlmeidaMemórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
 
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
 

Destaque

Barroco
BarrocoBarroco
Cap7 barroco
Cap7 barrocoCap7 barroco
Cap7 barroco
whybells
 
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
andreamanotas1229
 
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
Mariana Klafke
 
Darwnismo e Lamarckismo
Darwnismo e LamarckismoDarwnismo e Lamarckismo
Darwnismo e Lamarckismo
Kamila Joyce
 
O Barroco no Brasil
O Barroco no BrasilO Barroco no Brasil
O Barroco no Brasil
jonatasyuk
 
Prova de sociologa industria cultural 3.doc
Prova de sociologa industria cultural 3.docProva de sociologa industria cultural 3.doc
Prova de sociologa industria cultural 3.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
CEF16
 
O Barroco No Brasil
O Barroco No BrasilO Barroco No Brasil
O Barroco No Brasil
Alessandra Oliveira
 
O barroco
O barrocoO barroco
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
andreamanotas1229
 
22626045 Teatro Epico Bertolt Brecht
22626045  Teatro  Epico  Bertolt  Brecht22626045  Teatro  Epico  Bertolt  Brecht
22626045 Teatro Epico Bertolt Brecht
Ricardo Araujo
 
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
German Velandia
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Arte Educadora
 

Destaque (16)

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Darwin em quadrinhos
Darwin em quadrinhosDarwin em quadrinhos
Darwin em quadrinhos
 
Cap7 barroco
Cap7 barrocoCap7 barroco
Cap7 barroco
 
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
 
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
O teatro épico no Brasil: teatro e política nos anos 1960
 
Darwnismo e Lamarckismo
Darwnismo e LamarckismoDarwnismo e Lamarckismo
Darwnismo e Lamarckismo
 
O Barroco no Brasil
O Barroco no BrasilO Barroco no Brasil
O Barroco no Brasil
 
Prova de sociologa industria cultural 3.doc
Prova de sociologa industria cultural 3.docProva de sociologa industria cultural 3.doc
Prova de sociologa industria cultural 3.doc
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 
O Barroco No Brasil
O Barroco No BrasilO Barroco No Brasil
O Barroco No Brasil
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
 
22626045 Teatro Epico Bertolt Brecht
22626045  Teatro  Epico  Bertolt  Brecht22626045  Teatro  Epico  Bertolt  Brecht
22626045 Teatro Epico Bertolt Brecht
 
Teatro epico
Teatro epicoTeatro epico
Teatro epico
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 

Semelhante a Clara dos anjos 3ª a - 2015

Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
Greice Gomes
 
A escrava isaura
A escrava isaura A escrava isaura
A escrava isaura
Mônica Lins
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
CLAUDEMIRJOSE
 
10 livros essenciais
10 livros essenciais10 livros essenciais
10 livros essenciais
Wallace Truyts
 
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
GabrielLessa19
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
PRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptxPRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptx
Eldária Silva
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
EspaoCriativo4
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
Marlene Cunhada
 
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
Joselma Mendes
 
O romance de 1930
O romance de 1930O romance de 1930
O romance de 1930
alinesantana1422
 
Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas
Vinicius Soco
 
clara_dos_anjos análise PAVE.pptx
clara_dos_anjos análise PAVE.pptxclara_dos_anjos análise PAVE.pptx
clara_dos_anjos análise PAVE.pptx
PabloGabrielKdabra
 
Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia) Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia)
Solange_Suldino
 
Atividade autorregulada
Atividade autorreguladaAtividade autorregulada
Atividade autorregulada
Tatiana Elizabeth
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
7 de Setembro
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
Literatura brasileira
Literatura brasileira Literatura brasileira
Literatura brasileira
Deivedis de Arruda
 
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Daniel Leitão
 

Semelhante a Clara dos anjos 3ª a - 2015 (20)

Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
 
A escrava isaura
A escrava isaura A escrava isaura
A escrava isaura
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
10 livros essenciais
10 livros essenciais10 livros essenciais
10 livros essenciais
 
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
PRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptxPRÉ-MODERNISMO.pptx
PRÉ-MODERNISMO.pptx
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
 
PRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptxPRE-MODERNISMO.pptx
PRE-MODERNISMO.pptx
 
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
 
O romance de 1930
O romance de 1930O romance de 1930
O romance de 1930
 
Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas Memorias Bras Cubas
Memorias Bras Cubas
 
clara_dos_anjos análise PAVE.pptx
clara_dos_anjos análise PAVE.pptxclara_dos_anjos análise PAVE.pptx
clara_dos_anjos análise PAVE.pptx
 
Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia) Machado de Assis (Bibliografia)
Machado de Assis (Bibliografia)
 
Atividade autorregulada
Atividade autorreguladaAtividade autorregulada
Atividade autorregulada
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
Literatura brasileira
Literatura brasileira Literatura brasileira
Literatura brasileira
 
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A cidade e as serras 3ª A 2013
A cidade e as serras 3ª  A 2013A cidade e as serras 3ª  A 2013
A cidade e as serras 3ª A 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino (20)

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Breve histórico
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Til 3ª C - 2013
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Til 3ª B - 2013
 
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
 
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
 
A cidade e as serras 3ª A 2013
A cidade e as serras 3ª  A 2013A cidade e as serras 3ª  A 2013
A cidade e as serras 3ª A 2013
 

Clara dos anjos 3ª a - 2015

  • 2. * *Afonso Henrique de Lima Barreto (1881-1922) nasceu no Rio de Janeiro no dia 13 de maio. Filho de Joaquim Henriques de Lima Barreto e Amália Augusta, ambos mestiços e pobres. Sofreu preconceito a vida toda. Seu pai era tipógrafo e sua mãe professora primária. Logo cedo ficou órfão de mãe. *Estudou no Liceu Popular Niteroiense e concluiu o curso secundário no Colégio Pedro II, ingressou na Escola Politécnica do Rio de Janeiro, onde iniciou o curso de Engenharia. Em 1904 foi obrigado a abandonar o curso, pois, seu pai havia enlouquecido e o sustento dos três irmão agora era responsabilidade dele.
  • 3. *Em 1904 consegue emprego de escrevente copista na Secretaria de Guerra, ao mesmo tempo que colabora com quase todos os jornais do Rio de Janeiro. Ainda estudante já colaborava para a Revista da Época e para a Quinzena Alegre. Em 1905 passa a escrever no Correio da Manhã, jornal de grande prestígio. *Com uma linguagem descuidada, suas obras são impregnadas da justa preocupação com os fatos históricos e com os costumes sociais. Torna-se uma espécie de cronista e um caricaturista se vingando da hostilidade dos escritores e do público burguês. Poucos aceitam aqueles contos e romances que revelavam a vida cotidiana das classes populares, sem qualquer idealização.
  • 6. * *Em Clara dos Anjos relata-se a estória de uma pobre mulata, filha de um carteiro de subúrbio, que apesar das cautelas excessivas da família, é iludida, seduzida e, como tantas outras, desprezada, enfim, por um rapaz de condição social menos humilde do que a sua. É uma estória onde se tenta pintar em cores ásperas o drama de tantas outras raparigas da mesma cor e do mesmo ambiente.
  • 7. *O romancista procurou fazer de sua personagem uma figura apagada, de natureza "amorfa e pastosa", como se nela quisesse resumir a fatalidade que persegue tantas criaturas de sua casta: "A priori", diz, "estão condenadas, e tudo e todos parecem condenar os seus esforços e os dos seus para elevar a sua condição moral e social." É claro que os traços singulares, capazes de formar um verdadeiro "caráter" romanesco, dando-lhe relevo próprio e nitidez hão de esbater-se aqui para melhor se ajustarem à regra genérica. E Clara dos Anjos torna-se, assim, menos uma personagem do que um argumento vivo e um elemento para a denúncia."
  • 8. * *Clara dos Anjos: Protagonista e narradora. Mulata do subúrbio carioca, era admirada por sua, beleza e inocência. Tinha por ambição arranjar um belo casamento, tivera uma vida simples, porém o melhor que seus pais podiam lhe oferecer.
  • 9. * Ex: “Era tratada pelos pais com muito desvelo, recato e carinho; e, a não ser com a mãe ou pai, só saía com Dona margarida, uma viúva muito séria, que morava nas vizinhanças e ensinava a Clara bordados e costuras.”
  • 10. *Marrameque : Semiparalítico, padrinho de Clara, compadre de Joaquim dos Anjos, frequentara uma pequena roda de boêmios e literatos e poetas. *Ex: “(...)devido a seu estado de invalidez, de semi-aleijado e semiparalítico do lado esquerdo, tinha, entretanto, pertencido a uma modesta roda de boêmios literatos e poetas, na qual, a par da poesia e de coisas de literatura, se discutia muita política, hábito que lhe fico(...).”
  • 11. *Cassi Jones: Andava na moda, seduzia as damas com seu irresistível violão, seguido de escândalos, nos jornais e nas delegacias. Pelo fato de sedução em senhoras casadas. Porém a mãe sempre o defendia. *Ex: “Era Cassi um rapaz de pouco menos de trinta anos, branco, sardento, insignificante, de rosto e de corpo; e, conquanto fosse conhecido como consumado "modinhoso", além de o ser também por outras façanhas verdadeiramente ignóbeis, não tinha as melenas do virtuose do violão, nem outro qualquer traço de capadócio(...).”
  • 12. *Joaquim dos anjos: carteiro, acredita-se músico escreveu a polca, valsas, tangos e acompanhamentos de modinha. polca: siri sem unhas; valsa: magos do coração. Tiveram algum sucesso, a ponto de vender ele a propriedade de cada uma, por cinquenta mil-réis, a uma casa de músicas. O seu saber musical era fraco; adivinha mais do que empregava noções teóricas que tivesse estudo. Pai de Clara dos Anjos
  • 13. *Ex: *“O carteiro Joaquim dos anjos não era homem de serestas e serenatas; mas gostava de violão e de modinhas. Ele mesmo tocava flauta, instrumento que já foi muito estimado em outras épocas, não o sendo atualmente como outrora.”
  • 14. *Mr. Shays: Chefe da seita bíblica, homem tenaz cheio de eloquência bíblica faz seus adeptos ouvir a palavra. Quando os adeptos se acham preparados põem-se a propagá-la. *Ex: “Era Shays Quick ou Quick Shays daquela raça curiosa de yankees fundadores de novas seitas cristãs. De quando em quando, um cidadão protestante dessa raça que deseja a felicidade de nós outros, na terra e no céu, à luz de uma sua interpretação de um ou mais versículos da Bíblia, funda uma novíssima seita, põe-se a propagá-la e logo encontra dedicados adeptos(...).”
  • 15. *Manuel borges de Azevedo e Salustiana Baeta de Azevedo: Pais de Cassi. O pai não gostava dos procedimentos do filho, enquanto a mãe, cobria-lhe as desfeitas com as proteções. *“(...) Dona Salustiana, chorando e jurando a sua inocência, asseverando que a tal fulana – qualquer das vítimas – já estava perdida, por esse ou por aquele; que fora uma cilada que lhe armaram, para encobrir um mal feito por outrem, e por o saberem de boa família, etc.,etc.”
  • 16. *Ex: “O pai desse Cassi era verdadeiramente um homem sério. Estreito de ideias, familiarizado no emprego público, que, há cerca de trinta anos, exercia, ele tinha profundos sentimentos morais, que lhe guiavam a conduta no seu comércio com os filhos. Nunca fora afetuoso: evitava até todas as exibições e exageros sentimentais(...). ”
  • 17. *Doutor Meneses: es: O dentista da família. Intermediário dos bilhetes e cartas de Cassi para Clara. Senhor Monção - caixeiro vendedor; Belmiro Bernedes & Cia. - "tocava realejo", era um moço português, simpático, educado, e bom porte. *Ex: *“ - Foi para casa do carteiro. Está tratando dos dentes da filha e almoça quase sempre lá. Ele precisava, coitado do Doutor Meneses! – um homem ilustrado, velho, doente – quase não comia; era só beber (...).”
  • 18. *D.laurentina Jácome: gostava de rezar, ficar zelando a igreja. *Ex: “(...)Dona Laurentina Jácome, uma velha, sempre metida com rezas e padres, pensionista do ex Imperador e empregada numa capelinha da vizinhança, de cuja limpeza era encarregada, inclusive da lavagem das toalhas dos altares. . Não podia conversar outra coisa que não fossem acontecimentos eclesiásticos e, quase sempre, os de sua igreja.”
  • 19. *D. Vicêntina : cartomante. *Ex: “(...)Além desta, havia uma digna de nota: era Dona Vicência. Morava na vizinhança também e vivia a deitar cartas e cortar "cousas feitas". O seu procedimento era inatacável e exercia a sua profissão de cartomante com toda a seriedade e convicção.”
  • 20. *João pintor: Era um cidadão que visitava "os bíblias" aqueles que pregavam o evangelho. *Ex: “Era homem de pouca altura, trazia a cabeça sempre erguida, testa reta e alta, queixo forte e largo, olhar firme, debaixo de seu pince-nez de aros de ouro. “Era preto retinto, grossos lábios, malares proeminentes, testa curta dentes muito bons e muitos claros, longos braços, manoplas enormes, longas pernas e uns tais pés que não havia calçado”.
  • 21. * *Tempo Psicológico: “(...) Hoje, é raro ver- se, no Rio de Janeiro, um muro coberto de hera; entretanto, há trinta anos, nas laranjeiras, na rua Conde de Bonfim, no Rio Comprido, no Andaraí, no Engenho Novo, enfim, em todos os bairros que foram antigamente estações de repouso e prazer, encontravam-se, a cada passo, longos muros cobertos de hera, exalando melancolia e sugerindo recordações (...)”
  • 22. * Tempo Cronológico: “(...)Chegou Cassi Jones à casa de Lafões quase à noite. Era uma pequena casa, mas bem tratada e limpa(...)”
  • 23. * *Rio de Janeiro: sob o impacto das mudanças estruturais impostas à cidade, surgem através de aspectos relevantes para a constituição do espaço da narrativa. A idealização do espaço urbano, de seu planejamento, e as diferentes estratégias de intervenção que fizeram parte do Rio de Janeiro, no começo do século XX, pareceu- nos transformar a cidade em denúncia de uma sociedade injusta e racista.
  • 24. *Ex: “O subúrbio é um refugio dos infelizes. Os que perderam o emprego, as fortunas; os que faliram nos negócios, enfim, todos os que perderam a sua situação normal vão se alinhar ali (...).”
  • 25. * *O narrador é observador e em 3ª pessoa. Em outras palavras, conta a historia e, ao mesmo tempo, vai descrevendo as personagens e o espaço para nós, leitores, termos informação para formar o perfil social e psicológico de cada personagem e também para conseguirmos perceber como eram os subúrbios.
  • 26. *Ex: “[...] O carteiro Joaquim dos Anjos não era homem de serestas; mas gostava de violão e de modinhas. Ele mesmo tocava flauta, instrumento que já foi muito estimado em outras épocas, não o sendo atualmente como outrora[...]”
  • 27. * *O autor procura usar uma linguagem simples, aproximando-se da língua falada da época. O estilo da narrativa é objetivo, incorporando a linguagem do texto jornalístico, com frases espontâneas. Foi muito criticado por escrever desse modo e mostra a questão social do uso da linguagem em trechos do livro.
  • 28. *Ex: “O violeiro leu o que quis, fechou a carta e deu ao pobre velho. A sua resolução já estava tomada. Havia forçosamente de se entregar que o arrastava. Ela o havia levado até ali; era inútil resistir. Entregou a carta a clara. No dia seguinte, recebeu a resposta. Entregou-a Cassi. Assim, durante um mês e tanto, e ele foi o intermediário dos dois(...).”
  • 29. * *Questão racial... que até hoje muitas pessoas sofrem com o problema de preconceito racial. e clara sofria com isso. *Ex: “ (...) repugnava-lhe ver o filho casado com uma criada preta, ou com uma pobre mulata costureira(...).“
  • 30. * *Preconceito racial-social *Realismo e naturalismo *Cultural brasileira *Ex: “(...) não haveria um talvez, entre toda aquela gente de ambos os sexos, que não fosse indiferente á sua desgraça... Ora, uma mulatinha, filha de um carteiro! O que era preciso, tanto a ela como ás suas iguais, era educar o caráter (...)“
  • 31. * *A narrativa literária nos propicia estabelecer a intersubjetividade entre a obra, autor e leitor, fato que nos orienta para o real e que se estabelece de maneira concreta pela escritura. As múltiplas visões que uma história pode vir a ter são criadas nesse momento, projetando aspectos sociais de dadas culturas que, nesse caso, mostrado por Clara dos Anjos, assume o imaginário vivido no Brasil do século passado,marcado pelo racismo.
  • 32. *Lima Barreto descrevia, em seus textos, tudo aquilo que caísse na sua inconformidade com a sociedade. Em Clara dos Anjos, o autor não separa a obra literária dos acontecimentos reais, representando as crenças, o comportamento e a tradição popular das pessoas. Barreto faz uma fusão do real com a ficção, narrando acontecimentos e fatos que demonstram a situação das famílias cariocas no início do século XX, atentando para a maneira de agir de alguns grupos sociais, que contribuiriam direta ou indiretamente na formação da nova sociedade que estava por vir.
  • 33. *Não é preciso, portanto, mencionar todos os capítulos desse romance para que se chegue a uma consideração, aqui já dita, de que Lima Barreto contempla o imaginário social que se forma pela base de pessoas comuns, conseguindo, assim, revelar a busca por uma sociedade igualitária, embora se mostre esfacelada e caótica perante o olhar do autor.