SlideShare uma empresa Scribd logo
Til 3ª C 2013
Biografia de José de
Alencar• José de Alencar foi romancista,
jornalista, advogado e político
brasileiro. Foi um dos maiores
representantes da corrente
literária indianista. Destacou-
se na carreira literária com a
publicação do romance "O
Guarani",. Seu romance "O
Guarani" serviu de inspiração
ao músico Carlos Gomes, que
compôs a ópera O Guarani.
• José de Alencar consolidou o romance
brasileiro, ao escrever movido por
sentimento de missão patriótica. José de
Alencar criou uma literatura nacionalista
onde se evidencia uma maneira de sentir e
pensar tipicamente brasileiras. Suas obras
são especialmente bem sucedidas quando o
autor transporta a tradição indígena para a
ficção. Tão grande foi a preocupação de José
de Alencar em retratar sua terra e seu povo
que muitas das páginas de seus romances
relatam mitos, lendas, tradições, festas
religiosas, usos e costumes observados
pessoalmente por ele, com o intuito de, cada
vez mais, abrasileirar seus textos.
• José de Alencar (1829-1877) nasceu em Mecejana,
Ceará no dia 1 de maio de 1829. Filho de José
Martiniano de Alencar, senador do império, e de Ana
Josefina. Em 1838 mudam-se para o Rio de Janeiro.
Com 10 anos de idade ingressa no Colégio de Instrução
Elementar. Com 14 anos vai para São Paulo, onde
termina o curso secundário e ingressa na Faculdade de
Direito do Largo de São Francisco.
• Em 1847 escreve seu primeiro romance "Os
Contrabandistas". Em 1950 conclui o curso de Direito.
Pouco exerceu a profissão. Ingressou no Correio
Mercantil em 1854. Na seção "Ao Correr da Pena"
escreve os acontecimentos sociais, as estreias de peças
teatrais, os novos livros e as questões políticas. Em
1856 passa a ser o redator chefe do Diário do Rio de
Janeiro, onde em 1 de janeiro de 1857 publica o
romance "O Guarani", em forma de folhetim,
alcançando enorme sucesso, e logo é editado em livro.
• Em 1858 abandona o jornalismo para ser chefe da
Secretaria do Ministério da Justiça, onde chega à
Consultoria. Recebe o título de Conselheiro. Nessa
mesma época é professor de Direito Mercantil. Foi
eleito deputado pelo Ceará em 1861, pelo partido
Conservador, sendo reeleito em quatro
legislaturas. Na visita a sua terra Natal, se encanta
com a lenda de "Iracema", e a transforma em livro.
• Famoso, a ponto de ser aclamado por Machado de
Assis como "o chefe da literatura nacional", José
de Alencar morreu aos 48 anos no Rio de Janeiro
vítima da tuberculose, em 12 de dezembro de
1877, deixando seis filhos, inclusive Mário de
Alencar, que seguiria a carreira de letras do pai.
Resumo do Enredo
Besita, moça pobre, porém das mais belas da região, é
objeto de desejo tanto de Luis Galvão, jovem fazendeiro,
quanto de Jão, um órfão que foi criado junto com Luis
Galvão. A moça corresponde ao amor do rico fazendeiro,
mas este não tem interesse em desposar Besita, pois ela
é pobre.
Influenciada por seu pai, Besita acaba casando-se com
Ribeiro. Esse, logo após a noite de núpcias, parte em
viagem para resolver problemas relacionados a uma
herança de família e ficam anos afastados. Durante o
período em que Ribeiro não se encontra pela região, Luis
procura Besita, que o recebe achando tratar-se de seu
marido. Desse encontro nasce Berta.
Uma tarde, Ribeiro retorna e, ao encontrar sua
esposa com uma filha, descontrola-se e assassina
Besita. Jão não consegue evitar a morte dela, mas
consegue salvar Berta, que passa a viver com nhá
Tudinha e seu filho Miguel. Zana, uma negra que vivia
com Besita, enlouquece após presenciar o assassinato
desta. Jão torna-se capanga dos ricos da região,
cometendo várias mortes e tornando-se o temido o
Jão Fera.
Quinze anos depois de assassinar sua esposa, Ribeiro
retorna irreconhecível e com o nome de Barroso.
Com o propósito de vingar-se de Luis Galvão, ele
contrata Jão Fera, que não o reconhece. Porém, Berta
descobre os intentos de Ribeiro e consegue salvar
Luis.
Em uma segunda tentativa, dessa vez com a ajuda de
alguns escravos da Fazenda das Palmas, Ribeiro
incendeia o canavial. Ao tentar apagar o fogo sozinho,
Luis leva uma pancada na cabeça. Quando está para
ser lançado ao canavial em chamas, Luis é salvo por
Jão, que mata os responsáveis pelo incêndio, com
exceção de Ribeiro.
Após isso, Jão Fera é preso em Campinas. Sabendo da
ausência desses, Ribeiro planeja outra vingança, dessa
vez contra Berta. Aproxima-se dela, que está com
Zana, mas nesse momento chega Jão (que tinha se
libertado) e mata Ribeiro de forma violenta. Brás,
sobrinho de Luis com problemas mentais, leva Berta
para ver a cena. Ela foge horrorizada e João, sabendo
que a moça o desprezava a partir de então, entrega-
se a polícia.
Convém neste ponto relatar a relação entre
Brás e Berta. O jovem Brás possui problemas
mentais e é completamente excluído em sua
família. Apesar de Brás ser apaixonado por
Berta, ela não pode corresponder aos
sentimentos do rapaz, resolvendo então
ensinar o abecedário e rezas a ele. Porém, o
menino tem grandes dificuldades em aprender,
tendo apenas decorado o acento "til", que o
encantava. Para facilitar o aprendizado, Berta
se autonomeia Til e passa a ensinar Brás
relacionando cada coisa com nomes de
pessoas que ele conhecia.
Em certo momento, Luis decide contar toda a
verdade para sua esposa, D. Ermelinda. Em um
primeiro momento ela se entristece, mas depois
passa a apoiar o marido e decide que ele deve
reconhecer Berta como filha. Dessa forma, os dois a
procuram e contam tudo, omitindo as partes
desagradáveis.
Jão foge mais uma vez da prisão e vai procurar
Berta. Desconfiada que Luis Galvão e sua esposa
escondem algo, ela implora a Jão que conte toda a
verdade sobre a história de sua mãe Besita, o que
Jão faz. Berta se emociona com a história e abraça
Jão, dizendo que ele sempre cuidou dela, sendo,
então, seu pai.
Luis quer que Berta vá morar com ele, mas ela
nega e pede que ele leve Miguel. Todos
partem e Berta fica na fazenda com Jão Fera e
Brás.
Personagens
• Berta, Inhá ou Til: é a personagem principal
do livro, filha bastarda de um fazendeiro
com uma pobre moça da vila. Til foi criada
por nhá Tudinha. Altruísta preocupa-se com
todos, é caridosa e não se afasta das
pessoas marginalizadas. A dualidade dessa
personagem fica explícita no modo como é
chamada: Miguel a trata por “Inhá”, e Brás
a trata por “Til”.
Miguel: é irmão de criação de Berta, filho de
nhá Tudinha, jovem que se mostra desde o
principio apaixonado por Inhá.
Luis Galvão: é o dono da Fazenda
Palmas, muito jovial e alegre, que na
juventude foi homem de muitas
aventuras amorosas e enrascadas –
numa dessas desonrou Besita recém-
casada com Barroso a qual ficou
grávida– sempre protegida por seu
camarada (“especie de capanga”) Jão
Fera.
Linda: é filha de Luis Galvão e D.
Ermelinda, menina educada aos moldes
da corte, mas que junto ao irmão Afonso
faz amizade com os jovens simples Berta e
Miguel.
• Afonso: irmão de Linda, possui o mesmo
espirito alegre e conquistador do pai
Luis, acaba gostando de Berta (sem
saber ser esta seu irmão de sangue).
Jão Fera ou Bugre - terrível homem, de
feições assustadoras e fama de matador
(que na verdade é), segundo uma
interpretação do livro podemos
considerar que a vida o tornou assim (foi
cheio de desilusões e sofrimentos).
• Brás - um sobrinho de Luis Galvão,
sofria de ataques epiléticos e era
retardada mental, na casa grande sua
presença era desprezada. Ele
apaixonou-se por Berta que nunca o
destratara e propôs-se a ensinar-lhe o
abecedário e rezas.
Zana – negra que trabalhava para Besita e
presenciou toda a historia de Berta e do
assassinato de sua mãe, por isso
enlouquecera e todos os dias repetia suas
ações no dia da morte de Besita
(reproduzindo os fatos daquele fatídico
dia).
• Barroso ou Ribeiro – casou-se
com Besita, mas na noite de
núpcias a abandonou para
resolver negócios relacionados a
uma herança que recebera.
D. Ermelinda – esposa de Luis Galvão,
muito elegante e educada, mas não
muito bela. Ao descobrir sobre o
passado de seu marido se entristece,
mas quando ele confessa (no final do
romance) ela o apoia a reconhecer
Berta como filha.
Tempo
• O tempo é
predominantemente
psicológico, ou seja, o
romance não segue uma
narrativa linear e o narrador
manipula o tempo conforme
as circunstâncias. Assim, o
narrador pode ir ao passado e
ao futuro sem obedecer a ás
ordens do tempo cronológico.
Espaço
•
A ação de "Til" ocorre na Fazenda das Palmas, localizada
na região de Campinas, interior do estado de São Paulo, e
transcorre temporariamente a partir de 1826.
• O livro é dividido em duas partes. A primeira serve como
apresentação das personagens e das tramas e é nela que
conhecemos Berta, personagem central do romance e
típico arquétipo da heroína romântica. Nessa primeira
metade da obra, o que mais chama a atenção é a
contrariedade do comportamento de Berta (cujo apelido
é Til): sempre movida por boas intenções, ela usa de sua
influência e bondade para manipular as outras
personagens.
• Já na segunda metade do romance temos o
desembaraço das tramas apresentadas e suas
revelações. Os cenários deixam de ter uma
descrição objetiva e material para adquirir um
significado mais subjetivo, relacionado ao passado
oculto das personagens. É nessa parte do livro que
acompanhamos Berta em seu descobrimento sobre
a morte de sua mãe e suas consequências. Em um
final surpreendente, Berta abre mão de sua própria
felicidade em prol das demais personagens.
Foco narrativo
• O romance é narrado em terceira
pessoa e o narrador é onisciente
neutro, ou seja, ele conhece todos os
pensamentos e planos das
personagens e os revela ao leitor,
mas não há intromissões autorais
diretas (o autor falando com uma
voz impessoal, na terceira pessoa,
dentro do próprio romance). A
característica principal da onisciência
é que o narrador sempre descreverá
a narrativa, mesmo em uma cena, da
forma como ele a vê, e não como
suas personagens a veem.
Estilo
• O estilo de Alencar em Til não é diferente daquele
já experimentado em outras obras como Iracema: é
carregado de sentimentalismo, muitas descrições e
uso exagerado de adjetivos.
• Uso de neologismos e palavras regionais.
• A leitura provoca no leitor sentimentos
controversa: conformismo, piedade, indignação,
raiva e até mesmo o paradoxo de satisfação por
uma vingança.
•
• O viço da saúde rebentava-lhes no encarnado das
faces, mais a veludadas que a açucena escarlate
recém-aberto ali com os orvalhos da noite fresco
sorrisos dos lábios, como nos olhos lúmpidos e
brilhantes, brotava-lhes a seiva d’alma. Ela,
pequena, esbelta, ligeira, buliçosa, saltitava sobre
a relva, gárrula e cintilante do prazer de pular e
correr: saciando-se na delícia inefável de se
difundir pela criação e sentir-se flor no regaço
daquela natureza luxuriante.
•
Verossimilhança
• Valorização do interior do país
• História do Brasil fazendeiros, capangas,
escravos, lavouras de cana e café.
Em seus romances regionalistas, José de Alencar
tenta caracterizar melhor os grupos sociais do
Brasil do século XIX detalhando melhor alguns
aspectos culturais. Dessa forma, vemos em Til os
costumes, festas e comemorações dos negros,
que dançavam animadamente nas senzalas, e do
povo rural. Essa vivacidade da vida no campo
contrasta diretamente com o abandono e
marginalização que sofrem esse povo.
Apesar de Alencar defender uma ideia de que o campo
é que é uma área propícia para se desenvolver uma
cultura autenticamente brasileira, ele sabe que o
futuro se dará nas cidades. Tanto que, ao final de Til,
todas as personagens vão embora para a cidade e
Berta, que em sua bondade resolve ficar para amparar
os marginalizados (Jão, Brás e Zana), resta sozinha:
“Como as flores que nascem nos despenhadeiros e
algares, onde não penetram os esplendores da
natureza, a alma de Berta fora criada para perfumar os
abismos da miséria, que se cavam nas almas,
subvertidas pela desgraça. Era a flor da caridade, alma
sóror”.
Movimento literário
Características do Romantismo presentes na
obra.
•Valorização dos elementos da cultura em
formação
•Enaltecimento da pátria
•Idealização da natureza
- Subjetivismo
A literatura romântica teve um papel social
importantíssimo no processo de independência do
Brasil. Alencar, consciente da função social da
literatura, buscou em seus romances traçar um retrato
no tempo (romances indianistas e históricos) e no
espaço (romances regionalistas e urbanos). Dessa
forma, podemos dizer que "Til", como um dos mais
destacados romances regionalistas de Alencar, é um
retrato do Brasil rural do século XIX.
Porém, como autor romântico, Alencar não deixa de
idealizar a realidade, em maior ou em menor grau, em
todas as suas obras. Assim, tanto nos romances
históricos, quanto nos indianistas e regionalistas, temos
em comum o desejo de fuga da realidade presente
para outros tempos e outros lugares mais felizes.
Conclusão
• O texto é muito bom e interessante, fala
do cotidiano numa fazenda do interior
paulista do século XIX. Berta, também
conhecida pelo apelido Til, é a típica
heroína romântica de alma bondosa que
se sacrifica em prol de todos.
Nome:Caio Gabriel Nº 09
Nome:Cheyenne Ferreira Nº 10
Nome:Debora Atilio Nº 12 3ºC
Nome:Matheus Oliveira Nº 22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Til jose de alencar
Til jose de alencarTil jose de alencar
Til jose de alencar
Antonio Brito
 
Trabalho portugues til !
Trabalho portugues til !Trabalho portugues til !
Trabalho portugues til !
Alef Santana
 
O guarani- José de Alencar; Ficha Literária
O guarani- José de Alencar; Ficha LiteráriaO guarani- José de Alencar; Ficha Literária
O guarani- José de Alencar; Ficha Literária
Rafael Leite
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
xtryui
 
A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)
Francisco Rodrigo Jr.
 
A escrava isaura
A escrava isaura A escrava isaura
A escrava isaura
Mônica Lins
 
Trabalho sobre o livro a escrava isaura
Trabalho sobre o livro a escrava isauraTrabalho sobre o livro a escrava isaura
Trabalho sobre o livro a escrava isaura
Maylson Barros
 
O Guarani
O GuaraniO Guarani
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Trabalho Livro A Escrava Isaura
Trabalho Livro A Escrava Isaura Trabalho Livro A Escrava Isaura
Trabalho Livro A Escrava Isaura
Paulo Henrique Santos
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
Cláudia Heloísa
 
Trabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefaTrabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefa
1998-0206
 
Livro Iracema Jose de alencar
Livro Iracema Jose de alencarLivro Iracema Jose de alencar
Livro Iracema Jose de alencar
thaahmendesbq
 
Capitães da Areia
Capitães da AreiaCapitães da Areia
Capitães da Areia
_EsterLopesBR
 
O guarani
O guaraniO guarani
O guarani
Sarah Delgado
 
Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)
colegio elite
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Aniela Condak
 
Capitães da Areia, Jorge Amado
Capitães da Areia,  Jorge AmadoCapitães da Areia,  Jorge Amado
Capitães da Areia, Jorge Amado
Daniele dos Santos Souza Onodera
 
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordemFuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Yuri Augustus
 

Mais procurados (20)

Til jose de alencar
Til jose de alencarTil jose de alencar
Til jose de alencar
 
Trabalho portugues til !
Trabalho portugues til !Trabalho portugues til !
Trabalho portugues til !
 
O guarani- José de Alencar; Ficha Literária
O guarani- José de Alencar; Ficha LiteráriaO guarani- José de Alencar; Ficha Literária
O guarani- José de Alencar; Ficha Literária
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)
 
A escrava isaura
A escrava isaura A escrava isaura
A escrava isaura
 
Trabalho sobre o livro a escrava isaura
Trabalho sobre o livro a escrava isauraTrabalho sobre o livro a escrava isaura
Trabalho sobre o livro a escrava isaura
 
O Guarani
O GuaraniO Guarani
O Guarani
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Til 3ª C - 2013
 
Trabalho Livro A Escrava Isaura
Trabalho Livro A Escrava Isaura Trabalho Livro A Escrava Isaura
Trabalho Livro A Escrava Isaura
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
Trabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefaTrabalho de português 2ª tarefa
Trabalho de português 2ª tarefa
 
Livro Iracema Jose de alencar
Livro Iracema Jose de alencarLivro Iracema Jose de alencar
Livro Iracema Jose de alencar
 
Capitães da Areia
Capitães da AreiaCapitães da Areia
Capitães da Areia
 
O guarani
O guaraniO guarani
O guarani
 
Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Capitães da Areia, Jorge Amado
Capitães da Areia,  Jorge AmadoCapitães da Areia,  Jorge Amado
Capitães da Areia, Jorge Amado
 
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordemFuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
Fuvest unicamp 2013 olimpo em ordem
 

Semelhante a Til 3ª C 2013

Til
TilTil
jose de alencar
jose de alencarjose de alencar
jose de alencar
030577
 
Til jose de alencar 2
Til   jose de alencar 2Til   jose de alencar 2
Til jose de alencar 2
rafabebum
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CICLivro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Maria J
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
Ana Batista
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Esau e jaco 1
Esau e jaco 1Esau e jaco 1
Esau e jaco 1
Gean Bonatto
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
Ana Batista
 
Til – josé de alencar
Til – josé de alencarTil – josé de alencar
Til – josé de alencar
Ana Beatriz G Kroehn
 
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Daniel Leitão
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
Reberth Siqueira
 
Negrinha 3ª B - 2011
Negrinha 3ª B  -  2011Negrinha 3ª B  -  2011
Monteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima BarretoMonteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima Barreto
CristhianeGuimaraes
 
Primeira Manhã - Dalcídio Jurandir
Primeira Manhã - Dalcídio JurandirPrimeira Manhã - Dalcídio Jurandir
Primeira Manhã - Dalcídio Jurandir
pibidletrasifpa
 
Bernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarãesBernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarães
030577
 
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
São bernardo especial
São bernardo especialSão bernardo especial
São bernardo especial
Ana Batista
 
A moreninha, iracema jaqueline
A moreninha, iracema  jaquelineA moreninha, iracema  jaqueline
A moreninha, iracema jaqueline
teresakashino
 

Semelhante a Til 3ª C 2013 (20)

Til
TilTil
Til
 
jose de alencar
jose de alencarjose de alencar
jose de alencar
 
Til jose de alencar 2
Til   jose de alencar 2Til   jose de alencar 2
Til jose de alencar 2
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CICLivro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Esau e jaco 1
Esau e jaco 1Esau e jaco 1
Esau e jaco 1
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
 
Til – josé de alencar
Til – josé de alencarTil – josé de alencar
Til – josé de alencar
 
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
 
Negrinha 3ª B - 2011
Negrinha 3ª B  -  2011Negrinha 3ª B  -  2011
Negrinha 3ª B - 2011
 
Monteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima BarretoMonteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima Barreto
 
Primeira Manhã - Dalcídio Jurandir
Primeira Manhã - Dalcídio JurandirPrimeira Manhã - Dalcídio Jurandir
Primeira Manhã - Dalcídio Jurandir
 
Bernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarãesBernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarães
 
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
Romantismo romancistas
 
São bernardo especial
São bernardo especialSão bernardo especial
São bernardo especial
 
A moreninha, iracema jaqueline
A moreninha, iracema  jaquelineA moreninha, iracema  jaqueline
A moreninha, iracema jaqueline
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A cidade e as serras 3ª A 2013
A cidade e as serras 3ª  A 2013A cidade e as serras 3ª  A 2013
A cidade e as serras 3ª A 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino (20)

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Breve histórico
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
 
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A -  2013
Viagens na minha terra - Almeida Garret - 3ª A - 2013
 
A cidade e as serras 3ª A 2013
A cidade e as serras 3ª  A 2013A cidade e as serras 3ª  A 2013
A cidade e as serras 3ª A 2013
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
 

Til 3ª C 2013

  • 2. Biografia de José de Alencar• José de Alencar foi romancista, jornalista, advogado e político brasileiro. Foi um dos maiores representantes da corrente literária indianista. Destacou- se na carreira literária com a publicação do romance "O Guarani",. Seu romance "O Guarani" serviu de inspiração ao músico Carlos Gomes, que compôs a ópera O Guarani.
  • 3. • José de Alencar consolidou o romance brasileiro, ao escrever movido por sentimento de missão patriótica. José de Alencar criou uma literatura nacionalista onde se evidencia uma maneira de sentir e pensar tipicamente brasileiras. Suas obras são especialmente bem sucedidas quando o autor transporta a tradição indígena para a ficção. Tão grande foi a preocupação de José de Alencar em retratar sua terra e seu povo que muitas das páginas de seus romances relatam mitos, lendas, tradições, festas religiosas, usos e costumes observados pessoalmente por ele, com o intuito de, cada vez mais, abrasileirar seus textos.
  • 4. • José de Alencar (1829-1877) nasceu em Mecejana, Ceará no dia 1 de maio de 1829. Filho de José Martiniano de Alencar, senador do império, e de Ana Josefina. Em 1838 mudam-se para o Rio de Janeiro. Com 10 anos de idade ingressa no Colégio de Instrução Elementar. Com 14 anos vai para São Paulo, onde termina o curso secundário e ingressa na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. • Em 1847 escreve seu primeiro romance "Os Contrabandistas". Em 1950 conclui o curso de Direito. Pouco exerceu a profissão. Ingressou no Correio Mercantil em 1854. Na seção "Ao Correr da Pena" escreve os acontecimentos sociais, as estreias de peças teatrais, os novos livros e as questões políticas. Em 1856 passa a ser o redator chefe do Diário do Rio de Janeiro, onde em 1 de janeiro de 1857 publica o romance "O Guarani", em forma de folhetim, alcançando enorme sucesso, e logo é editado em livro.
  • 5. • Em 1858 abandona o jornalismo para ser chefe da Secretaria do Ministério da Justiça, onde chega à Consultoria. Recebe o título de Conselheiro. Nessa mesma época é professor de Direito Mercantil. Foi eleito deputado pelo Ceará em 1861, pelo partido Conservador, sendo reeleito em quatro legislaturas. Na visita a sua terra Natal, se encanta com a lenda de "Iracema", e a transforma em livro. • Famoso, a ponto de ser aclamado por Machado de Assis como "o chefe da literatura nacional", José de Alencar morreu aos 48 anos no Rio de Janeiro vítima da tuberculose, em 12 de dezembro de 1877, deixando seis filhos, inclusive Mário de Alencar, que seguiria a carreira de letras do pai.
  • 6. Resumo do Enredo Besita, moça pobre, porém das mais belas da região, é objeto de desejo tanto de Luis Galvão, jovem fazendeiro, quanto de Jão, um órfão que foi criado junto com Luis Galvão. A moça corresponde ao amor do rico fazendeiro, mas este não tem interesse em desposar Besita, pois ela é pobre. Influenciada por seu pai, Besita acaba casando-se com Ribeiro. Esse, logo após a noite de núpcias, parte em viagem para resolver problemas relacionados a uma herança de família e ficam anos afastados. Durante o período em que Ribeiro não se encontra pela região, Luis procura Besita, que o recebe achando tratar-se de seu marido. Desse encontro nasce Berta.
  • 7. Uma tarde, Ribeiro retorna e, ao encontrar sua esposa com uma filha, descontrola-se e assassina Besita. Jão não consegue evitar a morte dela, mas consegue salvar Berta, que passa a viver com nhá Tudinha e seu filho Miguel. Zana, uma negra que vivia com Besita, enlouquece após presenciar o assassinato desta. Jão torna-se capanga dos ricos da região, cometendo várias mortes e tornando-se o temido o Jão Fera. Quinze anos depois de assassinar sua esposa, Ribeiro retorna irreconhecível e com o nome de Barroso. Com o propósito de vingar-se de Luis Galvão, ele contrata Jão Fera, que não o reconhece. Porém, Berta descobre os intentos de Ribeiro e consegue salvar Luis.
  • 8. Em uma segunda tentativa, dessa vez com a ajuda de alguns escravos da Fazenda das Palmas, Ribeiro incendeia o canavial. Ao tentar apagar o fogo sozinho, Luis leva uma pancada na cabeça. Quando está para ser lançado ao canavial em chamas, Luis é salvo por Jão, que mata os responsáveis pelo incêndio, com exceção de Ribeiro. Após isso, Jão Fera é preso em Campinas. Sabendo da ausência desses, Ribeiro planeja outra vingança, dessa vez contra Berta. Aproxima-se dela, que está com Zana, mas nesse momento chega Jão (que tinha se libertado) e mata Ribeiro de forma violenta. Brás, sobrinho de Luis com problemas mentais, leva Berta para ver a cena. Ela foge horrorizada e João, sabendo que a moça o desprezava a partir de então, entrega- se a polícia.
  • 9. Convém neste ponto relatar a relação entre Brás e Berta. O jovem Brás possui problemas mentais e é completamente excluído em sua família. Apesar de Brás ser apaixonado por Berta, ela não pode corresponder aos sentimentos do rapaz, resolvendo então ensinar o abecedário e rezas a ele. Porém, o menino tem grandes dificuldades em aprender, tendo apenas decorado o acento "til", que o encantava. Para facilitar o aprendizado, Berta se autonomeia Til e passa a ensinar Brás relacionando cada coisa com nomes de pessoas que ele conhecia.
  • 10. Em certo momento, Luis decide contar toda a verdade para sua esposa, D. Ermelinda. Em um primeiro momento ela se entristece, mas depois passa a apoiar o marido e decide que ele deve reconhecer Berta como filha. Dessa forma, os dois a procuram e contam tudo, omitindo as partes desagradáveis. Jão foge mais uma vez da prisão e vai procurar Berta. Desconfiada que Luis Galvão e sua esposa escondem algo, ela implora a Jão que conte toda a verdade sobre a história de sua mãe Besita, o que Jão faz. Berta se emociona com a história e abraça Jão, dizendo que ele sempre cuidou dela, sendo, então, seu pai.
  • 11. Luis quer que Berta vá morar com ele, mas ela nega e pede que ele leve Miguel. Todos partem e Berta fica na fazenda com Jão Fera e Brás.
  • 12. Personagens • Berta, Inhá ou Til: é a personagem principal do livro, filha bastarda de um fazendeiro com uma pobre moça da vila. Til foi criada por nhá Tudinha. Altruísta preocupa-se com todos, é caridosa e não se afasta das pessoas marginalizadas. A dualidade dessa personagem fica explícita no modo como é chamada: Miguel a trata por “Inhá”, e Brás a trata por “Til”. Miguel: é irmão de criação de Berta, filho de nhá Tudinha, jovem que se mostra desde o principio apaixonado por Inhá.
  • 13. Luis Galvão: é o dono da Fazenda Palmas, muito jovial e alegre, que na juventude foi homem de muitas aventuras amorosas e enrascadas – numa dessas desonrou Besita recém- casada com Barroso a qual ficou grávida– sempre protegida por seu camarada (“especie de capanga”) Jão Fera. Linda: é filha de Luis Galvão e D. Ermelinda, menina educada aos moldes da corte, mas que junto ao irmão Afonso faz amizade com os jovens simples Berta e Miguel.
  • 14. • Afonso: irmão de Linda, possui o mesmo espirito alegre e conquistador do pai Luis, acaba gostando de Berta (sem saber ser esta seu irmão de sangue). Jão Fera ou Bugre - terrível homem, de feições assustadoras e fama de matador (que na verdade é), segundo uma interpretação do livro podemos considerar que a vida o tornou assim (foi cheio de desilusões e sofrimentos).
  • 15. • Brás - um sobrinho de Luis Galvão, sofria de ataques epiléticos e era retardada mental, na casa grande sua presença era desprezada. Ele apaixonou-se por Berta que nunca o destratara e propôs-se a ensinar-lhe o abecedário e rezas. Zana – negra que trabalhava para Besita e presenciou toda a historia de Berta e do assassinato de sua mãe, por isso enlouquecera e todos os dias repetia suas ações no dia da morte de Besita (reproduzindo os fatos daquele fatídico dia).
  • 16. • Barroso ou Ribeiro – casou-se com Besita, mas na noite de núpcias a abandonou para resolver negócios relacionados a uma herança que recebera. D. Ermelinda – esposa de Luis Galvão, muito elegante e educada, mas não muito bela. Ao descobrir sobre o passado de seu marido se entristece, mas quando ele confessa (no final do romance) ela o apoia a reconhecer Berta como filha.
  • 17. Tempo • O tempo é predominantemente psicológico, ou seja, o romance não segue uma narrativa linear e o narrador manipula o tempo conforme as circunstâncias. Assim, o narrador pode ir ao passado e ao futuro sem obedecer a ás ordens do tempo cronológico.
  • 18. Espaço • A ação de "Til" ocorre na Fazenda das Palmas, localizada na região de Campinas, interior do estado de São Paulo, e transcorre temporariamente a partir de 1826. • O livro é dividido em duas partes. A primeira serve como apresentação das personagens e das tramas e é nela que conhecemos Berta, personagem central do romance e típico arquétipo da heroína romântica. Nessa primeira metade da obra, o que mais chama a atenção é a contrariedade do comportamento de Berta (cujo apelido é Til): sempre movida por boas intenções, ela usa de sua influência e bondade para manipular as outras personagens.
  • 19. • Já na segunda metade do romance temos o desembaraço das tramas apresentadas e suas revelações. Os cenários deixam de ter uma descrição objetiva e material para adquirir um significado mais subjetivo, relacionado ao passado oculto das personagens. É nessa parte do livro que acompanhamos Berta em seu descobrimento sobre a morte de sua mãe e suas consequências. Em um final surpreendente, Berta abre mão de sua própria felicidade em prol das demais personagens.
  • 20. Foco narrativo • O romance é narrado em terceira pessoa e o narrador é onisciente neutro, ou seja, ele conhece todos os pensamentos e planos das personagens e os revela ao leitor, mas não há intromissões autorais diretas (o autor falando com uma voz impessoal, na terceira pessoa, dentro do próprio romance). A característica principal da onisciência é que o narrador sempre descreverá a narrativa, mesmo em uma cena, da forma como ele a vê, e não como suas personagens a veem.
  • 21. Estilo • O estilo de Alencar em Til não é diferente daquele já experimentado em outras obras como Iracema: é carregado de sentimentalismo, muitas descrições e uso exagerado de adjetivos. • Uso de neologismos e palavras regionais. • A leitura provoca no leitor sentimentos controversa: conformismo, piedade, indignação, raiva e até mesmo o paradoxo de satisfação por uma vingança. •
  • 22. • O viço da saúde rebentava-lhes no encarnado das faces, mais a veludadas que a açucena escarlate recém-aberto ali com os orvalhos da noite fresco sorrisos dos lábios, como nos olhos lúmpidos e brilhantes, brotava-lhes a seiva d’alma. Ela, pequena, esbelta, ligeira, buliçosa, saltitava sobre a relva, gárrula e cintilante do prazer de pular e correr: saciando-se na delícia inefável de se difundir pela criação e sentir-se flor no regaço daquela natureza luxuriante. •
  • 23. Verossimilhança • Valorização do interior do país • História do Brasil fazendeiros, capangas, escravos, lavouras de cana e café.
  • 24. Em seus romances regionalistas, José de Alencar tenta caracterizar melhor os grupos sociais do Brasil do século XIX detalhando melhor alguns aspectos culturais. Dessa forma, vemos em Til os costumes, festas e comemorações dos negros, que dançavam animadamente nas senzalas, e do povo rural. Essa vivacidade da vida no campo contrasta diretamente com o abandono e marginalização que sofrem esse povo.
  • 25. Apesar de Alencar defender uma ideia de que o campo é que é uma área propícia para se desenvolver uma cultura autenticamente brasileira, ele sabe que o futuro se dará nas cidades. Tanto que, ao final de Til, todas as personagens vão embora para a cidade e Berta, que em sua bondade resolve ficar para amparar os marginalizados (Jão, Brás e Zana), resta sozinha: “Como as flores que nascem nos despenhadeiros e algares, onde não penetram os esplendores da natureza, a alma de Berta fora criada para perfumar os abismos da miséria, que se cavam nas almas, subvertidas pela desgraça. Era a flor da caridade, alma sóror”.
  • 26. Movimento literário Características do Romantismo presentes na obra. •Valorização dos elementos da cultura em formação •Enaltecimento da pátria •Idealização da natureza - Subjetivismo
  • 27. A literatura romântica teve um papel social importantíssimo no processo de independência do Brasil. Alencar, consciente da função social da literatura, buscou em seus romances traçar um retrato no tempo (romances indianistas e históricos) e no espaço (romances regionalistas e urbanos). Dessa forma, podemos dizer que "Til", como um dos mais destacados romances regionalistas de Alencar, é um retrato do Brasil rural do século XIX. Porém, como autor romântico, Alencar não deixa de idealizar a realidade, em maior ou em menor grau, em todas as suas obras. Assim, tanto nos romances históricos, quanto nos indianistas e regionalistas, temos em comum o desejo de fuga da realidade presente para outros tempos e outros lugares mais felizes.
  • 28. Conclusão • O texto é muito bom e interessante, fala do cotidiano numa fazenda do interior paulista do século XIX. Berta, também conhecida pelo apelido Til, é a típica heroína romântica de alma bondosa que se sacrifica em prol de todos.
  • 29. Nome:Caio Gabriel Nº 09 Nome:Cheyenne Ferreira Nº 10 Nome:Debora Atilio Nº 12 3ºC Nome:Matheus Oliveira Nº 22