SlideShare uma empresa Scribd logo
CULTURA DO TOMATE : Lycopersicon esculentum Mill.
Resumo do Livro: Manual de Culturas Hortícolas, Vol. 2, Domingos Almeida, 2006.
Apontamentos de Alexandre Garcia Santaella.
É uma das nove espécies que constituem o género Lycopersicon, um dos menores da
família Solanaceae. A espécies é originária da costa ocidental da América do Sul, entre
Equador e Chile. Contudo sua domesticação somente ocorre no México, pelos Maias.
As primeiras plantas introduzidas na Europa tinham cor amarela, por isso sendo
chamadas na Itália por pomodoro.
MORFOLOGIA:
Planta herbácea com estatura arbustiva perene, cultivada como anual. Quando semeada
no solo as raízes podem atingir até 1,5 m de profundidade, porém cerca de 75% das
raízes se concentram nos primeiros 45cm. Quando transplantadas são mais superficiais e
de origem adventícia.
Em estufas utilizam cultivares de crescimento indeterminado, correspondem a plantas
que produzem flores durante todo seu ciclo. Já em plantações horto-industriais as
plantas cultivadas são do tipo determinada, em que as flores são produzidas em uma
época e é realizada somente uma colheita.
A inflorescência é do tipo cimeira bíparas, contendo de 5-12 flores, com mautaração da
base ao ápice do cacho (escorpióide). A polinização é autogâmica, porém depende da
presença do polinizador para deposição do pólen no estigma. Temperaturas elevadas
levam ao abortamento floral. O fruto resultante da polinização é dependente do
número de sementes formadas, quanto maior a quantidade maior o peso do fruto. Frutos
são resultado do desenvolvimento dos ovários pluriloculares, sendo o tomatinho cereja
bilocular.
CLASSIFICAÇÃO DOS CULTIVARES:
Podem ser classificados quanto á:
Ciclo: Curto: 90 a 100 dias
Médio: 100-120
Longo: >120 dias.
Tipologia do fruto:
- Redondo: calibre grande, frutos carnudos, de forma aproximadamente esférica
e com costelas +/- evidentes. Colhe-se individualmente.
- Roma ou chucha: Oblongo de colheita individual.
- Cocktail: de pequeno diâmetro, 35-45mm, 2-4 lóculos, colhidos em cachos.
- Cereja: redondos ou ovoídes, de calibre entre 15-35 mm. 10-30g, de 2 -4
lóculos.
- Coração de boi: carnudos, de cultivares antigas, multiloculares, com costelas
bem definidas
SEMENTES E GERMINAÇÃO:
Temperatura óptima para germinação entre 18-30ºC. Acima de 35ºC e abaixo de 10ºC a
germinação é deficiente. As sementes necessitam de 90-100 graus dias para germinar
sem apresentar anormalidades, ou seja levam 6 dias a temperatura de 25ºC.
Giberelinas e auxinas favorecem a germinação. Ácido abscíssico inibe a germinação.
DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO:
Tem um período muito curto, sendo que as flores podem passar a surgir apartir da 3º
folha verdadeira. Ou seja dura cerca de quatro semanas.
FLORAÇÃO:
Não exige condições ambientais específicas, contudo a floração é favorecida por
termoperíodos diários de 10ºC. O surgimento da primeira inflorescência é controlado
geneticamente, ou seja varia de cultivar para cultivar. Alta incidência de radiação solar
diminui a necessidade de folhas para o aparecimento da primeira inflorescência.
As flores se abrem pela manhã, contudo a liberação pólen só ocorre duas horas após a
abertura da flor. Contudo o estigma permanece receptivo durante 7 dias e até mesmo 16
h antes de se abrir a flor. O pólen quando estocado entre 18-25ºC mantém-se viável de
2-5dias após a antese.
O fruto cresce de forma sigmoidal, as primeiras duas semanas de divisão celular lenta,
seguido de uma fase exponencial de 3-5 semanas e termina com a fase de desaceleração
das duas semanas finais de crescimento.
ACIDENTES FISIOLÓGICOS:
Necrose apical: deficiência localizada de cálcio. São várias e complexas as interacções
que levam a esta deficiência.
Fruto oco: ocorre em condições de baixa luminosidade. Favorecido por excesso de N,
enquanto o excesso de K inibe sua ocorrência.
Fendilhamento: formam-se rachaduras. Está relacionado com o aumento da pressão
radicular e diminuição da transpiração da planta.
Mancha imatura: ocorre em condições de excesso de vigor vegetativo, caracterizada por
uma mancha de cor esverdeada.
Escaldão: Ocorre devido a incidência directa de raios solares sobre o fruto ainda verde.
Caso o fruto atinja temperaturas acima de 50ºC por mais de 10 minutos, é o suficiente
para ocorrer o escaldão.
EXIGÊNCIAS CLIMÁTICAS:
O tomate é uma planta de estação quente e sensível a geadas. Contudo a ampla gama de
cultivares, esta cultura pode ser plantada em regiões que fiquem até 110 dias sem
geadas.
O crescimento é óptimo em temperaturas diurnas de 22-25ºC e nocturnas de 15-18ºC. A
temperatura mínima para o crescimento é de 8ºC e máxima de 32ºC. A temperatura
óptima para floração ocorre a 21ºC, porém não é um factor determinante na floração. A
temperatura ótima para maturação dos frutos ocorre entre 15-22ºC e para o vingamento
entre 18-24ºC. A polinização é deficiente em temperaturas inferiores a 10ºC, superiores
a 37ºC o crescimento do tubo polínico não ocorre a as flores abortam.
A humidade adequada em estufas gira em torno de 70-80%, superiores a 90% favorece
a incidência de doenças.
PREFERÊNCIAS EDÁFICAS:
Adapta-se bem a solos profundos, de textura franca ou areno-argilosa. Não tolera
encharcamento no solo. Possui uma sensibilidade moderada a salinidade, altos valores
de salinidade do solo diminuem a produtividade e favorecem a qualidade do fruto. O pH
ideal do solo é entre 5,5 e 7,0.
TECNOLOGIA DA CULTURA EM ESTUFA NO SOLO:
Preparação do terreno: A desinfestação química faz parte do processo e deve ser
efectuada periodicamente. A mobilização deve permitir incorporar a fertilização a
fundo edeixar o terreno nivelado, permitindo melhor arejamento do solo e infiltração da
água.
Instalação: A cultura em estufa deve ser instalada por transplantação. Quando a cultura
é instlada no inverno, as plantas são mais compactas e com inflorescência precoce.
Culturas instaladas no verão as plantas são mais esguias, entrenós mais longos,
inflorescência com menos flores e mais tardias.
Plantação e compassos: No solo em estufas a entrelinha varia de 70-125 cm e entre
plantas de 35-60cm.
Fertilização: A absorção de NPK aumenta muito no inicio do vingamento dos frutos.
Par uma maior qualidade de frutos deve ser feita adubação na razão de N:K2O na
ordem de 1:2 e 1:3. Adubação azotada promove maior crescimento dos frutos.
Água e rega: Após transplantação deve ser feita rega abundante para evitar a crise de
transplantação. A planta é sensível a falta de água em vários estádio de
desenvolvimento.
Poda e tutoragem: Quando a planta atinge dois metros de altura realiza-se a desponta
que favorece a antecipação da produção, aumento do calibre dos frutos e encurtamento
do ciclo. Em outros casos é mais favorável dobrar o ápice sob o arame.
Polinização: Em estufa é vantajoso a utilização de colmeias para promover maior
frutificação e número de sementes por fruto. A instalação de 1 colmeia a cada 1000m2
é
recomendada para o início da floração. Posteriormente com o aumento de flores por
planta pode aumentar par 2 colmeias na mesma área.
Estufas de tamanho diminuto não é recomendado a instalação da colmeia, devido ao
pequeno número de planta numa mesma área pode ocasionar em muitas visitas em uma
mesma flor, levando a danificá-la.
A polinização pode ser feita por vibradores eléctricos especializados ou blowers, que
atuam por ventilação. A utilização destes aparelhos requerem uma grande mão de obra e
tempo de actuação, porém levam a uma maior quantidade de sementes por frutos,
consequentemente um aumento de peso dos frutos.
Outras operações: Pode-se efectuar a retirada das folhas inferiores para favorecer a
maturação dos e melhorar o arejamento da cultura. Podar os cachos é um alternativa
para favorecer o calibre e uniformidade dos frutos.
Colheita: Colheita em estufas ocorre manualmente e os rendimentos alcançam de 90-
150t/ha.
TOMATE CULTIVADO SEM SOLO (EM SUBSTRATO)
Entre os substratos mais utilizados são lã de rocha, perlite, fibra de coco, misturas de
turfa e casca de pinheiro. A solução nutritiva adequada deve ser escolhida de acordo
com a fase em que a cultura se encontra, sendo regulada com base na CE (condutividade
elétrica) e pH.
Como regras de fertirega do tomate temos:
-Aumentar a concentração de Ca em 40mg/ml em situações de
evapotranspiração elevada.
-Manter a concentração de K ligeiramente inferior a de Ca.
- Reduzir o teor de K sempre que a água estiver um teor de sólidos elevado.
- Antes de se instalar a cultura no substrato deve-se satura o mesmo com solução
nutritiva com CE entre 2,5 e 3,0 e pH entre 5,5 e 6,0.
- A solução deve variar de acordo como estádio de desenvolvimento da cultura e
época do ano. Estações frias deve-se elevar a CE e aumentar o N, para promover um
maior vigor entre as plantas que crescerão menos, devido as baixas temperaturas. Já em
estações quentes deve-se diminuir a CE e o N, pois as plantas apresentam maior vigor
devido a temperatura não necessitando de maiores quantidades de nutrientes.
- A frequência de regas deve-se adequar as condições meteorológicas. Sendo
baseada na evapotranspiração potencial da cultura.
PÓS-COLHEITA:
A classificação do tomate é feita com base na cor e no tamanho do fruto. Os frutos
avariados (que apresentem podridões, sujeiras, cicatrizes, fendas ou pisaduras) são
excluídos comercialmente. O calibre mínimo para comercialização é de 35mm para
frutos redondos e sulcados e de 30mm para oblongos. O tomate cereja não apresenta
tamanho mínimo para comercialização.
É uma fruta susceptível a danos por frio. Para o fruto maduro 8-10ºC com umidade de
90-95% são as melhores condições de para um curto período de armazenamento. Não há
grades vantagens na utilização de atmosfera controlada para conservação do tomate.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho videira
Trabalho videiraTrabalho videira
Trabalho videira
Luís Filipe Marinho
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
Agricultura Sao Paulo
 
Abacaxi
AbacaxiAbacaxi
Abacaxi
Sarah Noleto
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
Guia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeasGuia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeas
Emerson Silva
 
Cultura de videira 1
Cultura de videira 1Cultura de videira 1
Cultura de videira 1
Carlos Adriano Rosa
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
Sabrina Nascimento
 
Substratos para orquídeas
Substratos para orquídeasSubstratos para orquídeas
Substratos para orquídeas
Andreza Da Rocha Costa
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
Killer Max
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
Killer Max
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Ariana Francielle
 
Cactos e Suculentas
Cactos e SuculentasCactos e Suculentas
Cactos e Suculentas
Marcus Corradini
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
Sara Cabral
 
Propagação de rosas
Propagação de rosasPropagação de rosas
Apostila Orquídeas
Apostila OrquídeasApostila Orquídeas
Apostila Orquídeas
Pupi Crystel
 
Calagem e Adubação do Pepino
Calagem e Adubação do PepinoCalagem e Adubação do Pepino
Calagem e Adubação do Pepino
Rural Pecuária
 
Pimenta Capsicum
Pimenta CapsicumPimenta Capsicum
Pimenta Capsicum
Tayza Taveira
 
Plantio da cenoura
Plantio da cenouraPlantio da cenoura
Plantio da cenoura
Kelwin Souza
 
3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada
Lucas Couto de Oliveira
 

Mais procurados (20)

Trabalho videira
Trabalho videiraTrabalho videira
Trabalho videira
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
 
Abacaxi
AbacaxiAbacaxi
Abacaxi
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Guia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeasGuia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeas
 
Cultura de videira 1
Cultura de videira 1Cultura de videira 1
Cultura de videira 1
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
Substratos para orquídeas
Substratos para orquídeasSubstratos para orquídeas
Substratos para orquídeas
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
Cactos e Suculentas
Cactos e SuculentasCactos e Suculentas
Cactos e Suculentas
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
 
Propagação de rosas
Propagação de rosasPropagação de rosas
Propagação de rosas
 
Apostila Orquídeas
Apostila OrquídeasApostila Orquídeas
Apostila Orquídeas
 
Calagem e Adubação do Pepino
Calagem e Adubação do PepinoCalagem e Adubação do Pepino
Calagem e Adubação do Pepino
 
Pimenta Capsicum
Pimenta CapsicumPimenta Capsicum
Pimenta Capsicum
 
Plantio da cenoura
Plantio da cenouraPlantio da cenoura
Plantio da cenoura
 
3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada
 

Semelhante a Cultura do tomate alexandre garcia santaella

Litchia
LitchiaLitchia
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
rickriordan
 
Cultivo de morangos
Cultivo de morangosCultivo de morangos
Cultivo de morangos
marcosrscrok
 
Banana- Clima e Solo .pptx
Banana- Clima e Solo .pptxBanana- Clima e Solo .pptx
Banana- Clima e Solo .pptx
LuisAurelio5
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
Philipe Assunção
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
Denifer Teixeira
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
Amanda Letícia
 
Multiplicação de Mudas de Mandioca.pdf
Multiplicação de Mudas de Mandioca.pdfMultiplicação de Mudas de Mandioca.pdf
Multiplicação de Mudas de Mandioca.pdf
Etiene10
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Cultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na GuinéCultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na Guiné
Cantacunda
 
Cultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na GuinéCultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na Guiné
Cantacunda
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Como plantar seus próprios temperos? Manual Sodexo
Como plantar seus próprios temperos? Manual SodexoComo plantar seus próprios temperos? Manual Sodexo
Como plantar seus próprios temperos? Manual Sodexo
Sodexo Beneficios e Incentivos
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
Denifer Teixeira
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
Carla Pádua Martins
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
CarlosEvaristo5
 
Circ 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milhoCirc 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milho
Gabrielen Dias
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Reichard Felipe Kampmann
 

Semelhante a Cultura do tomate alexandre garcia santaella (20)

Litchia
LitchiaLitchia
Litchia
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
Cultivo de morangos
Cultivo de morangosCultivo de morangos
Cultivo de morangos
 
Banana- Clima e Solo .pptx
Banana- Clima e Solo .pptxBanana- Clima e Solo .pptx
Banana- Clima e Solo .pptx
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
 
Multiplicação de Mudas de Mandioca.pdf
Multiplicação de Mudas de Mandioca.pdfMultiplicação de Mudas de Mandioca.pdf
Multiplicação de Mudas de Mandioca.pdf
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Cultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na GuinéCultura do amendoim na Guiné
Cultura do amendoim na Guiné
 
Cultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na GuinéCultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na Guiné
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
 
Como plantar seus próprios temperos? Manual Sodexo
Como plantar seus próprios temperos? Manual SodexoComo plantar seus próprios temperos? Manual Sodexo
Como plantar seus próprios temperos? Manual Sodexo
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
 
Circ 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milhoCirc 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milho
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
 

Último

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Cultura do tomate alexandre garcia santaella

  • 1. CULTURA DO TOMATE : Lycopersicon esculentum Mill. Resumo do Livro: Manual de Culturas Hortícolas, Vol. 2, Domingos Almeida, 2006. Apontamentos de Alexandre Garcia Santaella. É uma das nove espécies que constituem o género Lycopersicon, um dos menores da família Solanaceae. A espécies é originária da costa ocidental da América do Sul, entre Equador e Chile. Contudo sua domesticação somente ocorre no México, pelos Maias. As primeiras plantas introduzidas na Europa tinham cor amarela, por isso sendo chamadas na Itália por pomodoro. MORFOLOGIA: Planta herbácea com estatura arbustiva perene, cultivada como anual. Quando semeada no solo as raízes podem atingir até 1,5 m de profundidade, porém cerca de 75% das raízes se concentram nos primeiros 45cm. Quando transplantadas são mais superficiais e de origem adventícia. Em estufas utilizam cultivares de crescimento indeterminado, correspondem a plantas que produzem flores durante todo seu ciclo. Já em plantações horto-industriais as plantas cultivadas são do tipo determinada, em que as flores são produzidas em uma época e é realizada somente uma colheita. A inflorescência é do tipo cimeira bíparas, contendo de 5-12 flores, com mautaração da base ao ápice do cacho (escorpióide). A polinização é autogâmica, porém depende da presença do polinizador para deposição do pólen no estigma. Temperaturas elevadas levam ao abortamento floral. O fruto resultante da polinização é dependente do número de sementes formadas, quanto maior a quantidade maior o peso do fruto. Frutos são resultado do desenvolvimento dos ovários pluriloculares, sendo o tomatinho cereja bilocular. CLASSIFICAÇÃO DOS CULTIVARES: Podem ser classificados quanto á: Ciclo: Curto: 90 a 100 dias Médio: 100-120
  • 2. Longo: >120 dias. Tipologia do fruto: - Redondo: calibre grande, frutos carnudos, de forma aproximadamente esférica e com costelas +/- evidentes. Colhe-se individualmente. - Roma ou chucha: Oblongo de colheita individual. - Cocktail: de pequeno diâmetro, 35-45mm, 2-4 lóculos, colhidos em cachos. - Cereja: redondos ou ovoídes, de calibre entre 15-35 mm. 10-30g, de 2 -4 lóculos. - Coração de boi: carnudos, de cultivares antigas, multiloculares, com costelas bem definidas SEMENTES E GERMINAÇÃO: Temperatura óptima para germinação entre 18-30ºC. Acima de 35ºC e abaixo de 10ºC a germinação é deficiente. As sementes necessitam de 90-100 graus dias para germinar sem apresentar anormalidades, ou seja levam 6 dias a temperatura de 25ºC. Giberelinas e auxinas favorecem a germinação. Ácido abscíssico inibe a germinação. DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO: Tem um período muito curto, sendo que as flores podem passar a surgir apartir da 3º folha verdadeira. Ou seja dura cerca de quatro semanas. FLORAÇÃO: Não exige condições ambientais específicas, contudo a floração é favorecida por termoperíodos diários de 10ºC. O surgimento da primeira inflorescência é controlado geneticamente, ou seja varia de cultivar para cultivar. Alta incidência de radiação solar diminui a necessidade de folhas para o aparecimento da primeira inflorescência. As flores se abrem pela manhã, contudo a liberação pólen só ocorre duas horas após a abertura da flor. Contudo o estigma permanece receptivo durante 7 dias e até mesmo 16 h antes de se abrir a flor. O pólen quando estocado entre 18-25ºC mantém-se viável de 2-5dias após a antese.
  • 3. O fruto cresce de forma sigmoidal, as primeiras duas semanas de divisão celular lenta, seguido de uma fase exponencial de 3-5 semanas e termina com a fase de desaceleração das duas semanas finais de crescimento. ACIDENTES FISIOLÓGICOS: Necrose apical: deficiência localizada de cálcio. São várias e complexas as interacções que levam a esta deficiência. Fruto oco: ocorre em condições de baixa luminosidade. Favorecido por excesso de N, enquanto o excesso de K inibe sua ocorrência. Fendilhamento: formam-se rachaduras. Está relacionado com o aumento da pressão radicular e diminuição da transpiração da planta. Mancha imatura: ocorre em condições de excesso de vigor vegetativo, caracterizada por uma mancha de cor esverdeada. Escaldão: Ocorre devido a incidência directa de raios solares sobre o fruto ainda verde. Caso o fruto atinja temperaturas acima de 50ºC por mais de 10 minutos, é o suficiente para ocorrer o escaldão. EXIGÊNCIAS CLIMÁTICAS: O tomate é uma planta de estação quente e sensível a geadas. Contudo a ampla gama de cultivares, esta cultura pode ser plantada em regiões que fiquem até 110 dias sem geadas. O crescimento é óptimo em temperaturas diurnas de 22-25ºC e nocturnas de 15-18ºC. A temperatura mínima para o crescimento é de 8ºC e máxima de 32ºC. A temperatura óptima para floração ocorre a 21ºC, porém não é um factor determinante na floração. A temperatura ótima para maturação dos frutos ocorre entre 15-22ºC e para o vingamento entre 18-24ºC. A polinização é deficiente em temperaturas inferiores a 10ºC, superiores a 37ºC o crescimento do tubo polínico não ocorre a as flores abortam. A humidade adequada em estufas gira em torno de 70-80%, superiores a 90% favorece a incidência de doenças. PREFERÊNCIAS EDÁFICAS:
  • 4. Adapta-se bem a solos profundos, de textura franca ou areno-argilosa. Não tolera encharcamento no solo. Possui uma sensibilidade moderada a salinidade, altos valores de salinidade do solo diminuem a produtividade e favorecem a qualidade do fruto. O pH ideal do solo é entre 5,5 e 7,0. TECNOLOGIA DA CULTURA EM ESTUFA NO SOLO: Preparação do terreno: A desinfestação química faz parte do processo e deve ser efectuada periodicamente. A mobilização deve permitir incorporar a fertilização a fundo edeixar o terreno nivelado, permitindo melhor arejamento do solo e infiltração da água. Instalação: A cultura em estufa deve ser instalada por transplantação. Quando a cultura é instlada no inverno, as plantas são mais compactas e com inflorescência precoce. Culturas instaladas no verão as plantas são mais esguias, entrenós mais longos, inflorescência com menos flores e mais tardias. Plantação e compassos: No solo em estufas a entrelinha varia de 70-125 cm e entre plantas de 35-60cm. Fertilização: A absorção de NPK aumenta muito no inicio do vingamento dos frutos. Par uma maior qualidade de frutos deve ser feita adubação na razão de N:K2O na ordem de 1:2 e 1:3. Adubação azotada promove maior crescimento dos frutos. Água e rega: Após transplantação deve ser feita rega abundante para evitar a crise de transplantação. A planta é sensível a falta de água em vários estádio de desenvolvimento. Poda e tutoragem: Quando a planta atinge dois metros de altura realiza-se a desponta que favorece a antecipação da produção, aumento do calibre dos frutos e encurtamento do ciclo. Em outros casos é mais favorável dobrar o ápice sob o arame. Polinização: Em estufa é vantajoso a utilização de colmeias para promover maior frutificação e número de sementes por fruto. A instalação de 1 colmeia a cada 1000m2 é recomendada para o início da floração. Posteriormente com o aumento de flores por planta pode aumentar par 2 colmeias na mesma área.
  • 5. Estufas de tamanho diminuto não é recomendado a instalação da colmeia, devido ao pequeno número de planta numa mesma área pode ocasionar em muitas visitas em uma mesma flor, levando a danificá-la. A polinização pode ser feita por vibradores eléctricos especializados ou blowers, que atuam por ventilação. A utilização destes aparelhos requerem uma grande mão de obra e tempo de actuação, porém levam a uma maior quantidade de sementes por frutos, consequentemente um aumento de peso dos frutos. Outras operações: Pode-se efectuar a retirada das folhas inferiores para favorecer a maturação dos e melhorar o arejamento da cultura. Podar os cachos é um alternativa para favorecer o calibre e uniformidade dos frutos. Colheita: Colheita em estufas ocorre manualmente e os rendimentos alcançam de 90- 150t/ha. TOMATE CULTIVADO SEM SOLO (EM SUBSTRATO) Entre os substratos mais utilizados são lã de rocha, perlite, fibra de coco, misturas de turfa e casca de pinheiro. A solução nutritiva adequada deve ser escolhida de acordo com a fase em que a cultura se encontra, sendo regulada com base na CE (condutividade elétrica) e pH. Como regras de fertirega do tomate temos: -Aumentar a concentração de Ca em 40mg/ml em situações de evapotranspiração elevada. -Manter a concentração de K ligeiramente inferior a de Ca. - Reduzir o teor de K sempre que a água estiver um teor de sólidos elevado. - Antes de se instalar a cultura no substrato deve-se satura o mesmo com solução nutritiva com CE entre 2,5 e 3,0 e pH entre 5,5 e 6,0. - A solução deve variar de acordo como estádio de desenvolvimento da cultura e época do ano. Estações frias deve-se elevar a CE e aumentar o N, para promover um maior vigor entre as plantas que crescerão menos, devido as baixas temperaturas. Já em
  • 6. estações quentes deve-se diminuir a CE e o N, pois as plantas apresentam maior vigor devido a temperatura não necessitando de maiores quantidades de nutrientes. - A frequência de regas deve-se adequar as condições meteorológicas. Sendo baseada na evapotranspiração potencial da cultura. PÓS-COLHEITA: A classificação do tomate é feita com base na cor e no tamanho do fruto. Os frutos avariados (que apresentem podridões, sujeiras, cicatrizes, fendas ou pisaduras) são excluídos comercialmente. O calibre mínimo para comercialização é de 35mm para frutos redondos e sulcados e de 30mm para oblongos. O tomate cereja não apresenta tamanho mínimo para comercialização. É uma fruta susceptível a danos por frio. Para o fruto maduro 8-10ºC com umidade de 90-95% são as melhores condições de para um curto período de armazenamento. Não há grades vantagens na utilização de atmosfera controlada para conservação do tomate.