SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 
SERVIÇO PÚBLICO 
FEDERAL 
IMPLANTAÇÃO DA CULTURA 
DO FEIJOEIRO 
Prof. Laerton
CLIMA 
 Fatores climáticos que mais influenciam na 
produção de feijão: temperatura, precipitação 
pluvial e a radiação solar. 
 A planta de feijão pode ser considerada 
fotoneutra.
CLIMA 
 Temperaturas abaixo de 0 ºC (inverno 
na região Sul) e altas temperaturas e 
umidade relativa do ar inviabilizam o 
cultivo de feijão na Região Sul na 
época de inverno e limitam no Norte. 
 O feijão é mais suscetível à deficiência 
hídrica durante a floração e o estádio 
inicial de formação das vagens.
SOLO 
 O feijoeiro não se desenvolve bem em solos 
encharcados e ácidos. 
 Devem ser evitados os terrenos muito 
inclinados, porque seu cultivo favorece a 
erosão. 
 Adotar técnicas de conservação do solo 
como o plantio em nível ou terraços.
SOLO 
 A rotação de culturas é outra prática que deve 
ser feita visando à melhoria das condições 
físicas, químicas e biológicas do solo. 
 O feijoeiro é uma planta que responde bem a 
adubação verde e orgânica. 
 Efeitos semelhantes aos da adubação verde 
são obtidos com a aplicação de estercos, 
compostos e tortas.
Preparo do solo 
 Preparo convencional; 
 Preparo mínimo; 
 Plantio direto. 
Dentro de cada método existem diversos 
sistemas de preparos ou sequências de 
operações que podem ser empregadas.
Preparo do solo – 
SISTEMA CONVENCIONAL 
ARAÇÃO – arado de disco ou 
aiveca; 
GRADAGEM – grades aradoras: 
 Após a aração 
 Antes da semeadura
Operação de preparo do solo
Preparo do solo – CULTIVO MÍNIMO 
 Sistema reduzido de preparo do solo; 
 O cultivo mínimo é um sistema entre o 
convencional e o plantio direto. 
 No cultivo mínimo, o preparo do solo é 
minimizado pelo menor uso de máquinas. Há um 
revolvimento mínimo do solo e a manutenção 
dos resíduos vegetais, utilizando-se, apenas, 
escarificação e gradagens leves.
Preparo do solo – 
SISTEMA DE PLANTIO DIRETO 
 O plantio direto pressupõe a utilização 
de equipamentos especiais e o uso de 
herbicida específico de pós-emergência. 
 Bons resultados foram relatados quando 
se plantou a cultura em sequência a 
trigo, aveia, soja e arroz.
SEMEADURA 
ESPAÇAMENTO E QUANTIDADE E QUALIDADE DE 
SEMENTES 
 O espaçamento mais recomendado :50 a 60 centímetros 
Outros espaçamentos
SEMEADURA 
 12 a 15 sementes por metro linear, de modo a ter-se, 
na colheita, ao redor de 10 plantas por metro. 
 O espaçamento deve variar segundo os cultivares, 
sejam determinados ou indeterminados.
SEMEADURA 
 Qualidade das sementes (tratamento com 
inseticidas e fungicidas) : evitar transmissão de 
doenças e garantia de germinação. 
 Uso de sementes melhoradas. 
 Ensaios de pesquisa mostraram aumentos de 
até 15% na produtividade somente com o uso 
de sementes escolhidas.
CALAGEM 
 Contribui para aumentar a produtividade do feijão, não 
só pela correção do solo, mas também por aumentar 
a eficiência da adubação. 
 Deve ser recomendada com base na análise química 
do solo e realizada cerca de 60 dias antes do plantio. 
 Quanto mais profunda for a incorporação do calcário 
(CaCO3) , melhor será o resultado da aplicação. 
 Poder tampão do solo (capacidade que o solo tem 
de resistir a mudanças bruscas de pH).
ADUBAÇÃO MINERAL 
 Somente 10 a 15% dos produtores, segundo pesquisa 
realizada pela Embrapa, usam fertilizantes e corretivos. 
 A adubação deve ser feita com base na análise do solo. 
Recomendações 
Nitrogênio : 30 – 40 Kg/ha, sendo 1/3 no plantio e 2/3 
em cobertura. 
Fósforo (P) : aplicado todo no plantio 
Potássio (K) : pode ou não ser parcelado.
ADUBAÇÃO MINERAL 
A dosagem de P e K é recomendada com base nos resultados da análise do solo, 
utilizando a tabela seguinte: 
Classe Teor de P no 
solo (mg dm-3) 
Dosagem: 
P2O5 (kg/ha) 
Teor de K no 
solo (mg dm-3) 
Dosagem: 
K2O (kg/ha) 
Baixa 0,0 a 3,0 60 0,0 a 2,0 40 
Média 3,1 a 6,0 40 20,0 a 40,0 30 
Alta 6,1 a 10,0 20 40,0 a 60,0 20 
Muito alta > 10 *** > 60 *** 
Fonte: Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais, 
1999.
SINTOMAS VISUAIS DE 
DEFICIÊNCIA NUTRICIONAIS 
 NITROGÊNIO: Clorose nos folíolos das folhas 
mais velhas com posterior necrose e queda.
FÓSFORO: folhas inferiores com coloração 
verde pálida e as superiores com tons verde 
mais escuro. Caule – mais curtos e finos
 POTÁSSIO: Clorose marginal nos folíolos das folhas mais 
velhas que evoluem entre as nervuras. Menor crescimento 
– caule, área foliar e nº de folhas.
CÁLCIO: folhas com clorose parcial intensa e menor 
crescimento da planta. Morte dos pontos de 
crescimento, murchamento do caule, pecíolo e brotos
MAGNÉSIO: folhas mais velhas com clorose interneval 
que progride do centro para as bordas do folíolo.
ENXOFRE: folíolos mais novos com clorose 
generalizada. Plantas atrofiadas – caules finos.
BORO: Folhas retorcidas, espessas, nervuras com 
tonalidades verde-claro. Pontos necróticos e secamento 
dos pontos de crescimento.
COBRE: Folhas novas com tonalidades mais escuras – 
enrugamento das bordas e curvamento da ponta do limbo 
para baixo.
ZINCO: encurtamento dos internódios, folha de 
tamanho reduzido, folíolos em formato de lança.
ADUBAÇÃO VERDE E/OU 
ORGÂNICA 
 É a incorporação de uma massa verde, 
visando o fornecimento de nutrientes para o 
feijão. 
 É pouco usada por ocupar a área que seria 
destinada ao plantio do feijão. 
 Plantas utilizadas como adubo verde 
- mucuna 
- crotalária 
- feijão de porco
ADUBAÇÃO VERDE E/OU 
ORGÂNICA 
 Algumas plantas usadas como adubos verdes 
ainda apresentam efeitos Alelopáticos. 
 Crotalária diminui o ataque de nematoides. 
 Efetuar o plantio em torno de 10 dias após a 
incorporação do adubo verde. 
 Deixar o material cortado na superfície do solo 
secando por um período de 2 a 3 dias antes da 
incorporação, para que possa perder umidade.
ADUBAÇÃO VERDE
ADUBAÇÃO VERDE 
 É a incorporação ao solo de plantas 
especialmente cultivadas para esse fim ou de 
outras vegetações cortadas quando ainda 
verdes para serem incorporadas. 
 Essas plantas protegem o solo contra a ação 
direta da chuva e quando 
incorporadas,melhoram as propriedades físicas 
e químicas do solo, pelo incremento de matéria 
orgânica.
PLANTAS COM POTENCIAL DE 
UTILIZAÇÃO COMO ADUBO VERDE 
Crotalária 
Feijão de Porco
PLANTAS COM POTENCIAL DE 
UTILIZAÇÃO COMO ADUBO VERDE 
Feijão Guandu Mucuna preta
PLANTAS COM POTENCIAL DE 
UTILIZAÇÃO COMO ADUBO VERDE 
Soja perene Lab Lab
ADUBAÇÃO ORGÂNICA
ADUBAÇÃO ORGÂNICA 
Matéria Orgânica 
Substância ou material de origem 
vegetal ou animal existente no solo 
independente do seu grau de 
decomposição. 
Húmus 
Fração da matéria orgânica em seu 
mais 
alto grau de transformação.
Qual a importância da utilização 
dos adubos orgânicos? 
• Fonte de nutrientes lenta e duradoura 
• Melhora consideravelmente as características 
físicas, químicas e biológicas do solo 
• Utilização de resíduos cujo 
descarte causaria impactos 
ambientais
Exemplos: 
• Uso de vinhaça e torta de filtro, resíduos 
importantes da agroindústria canavieira, 
representam importantes aportes de matéria 
orgânica , potássio e fósforo; 
• A manutenção da palhada sobre o solo também 
garante importante reciclagem de nutrientes, 
principalmente de potássio e nitrogênio; 
• Utilização de estercos bovinos na agricultura, 
principalmente em hortas, jardins, etc.
Efeitos nas propriedades físicas do solo 
Resíduos orgânicos 
Densidade do solo 
Poros de tamanho grande 
Entrada de ar 
Drenagem de água
ESTRUTURAÇÃO 
Solo destruturado(esquerda) 
e solo bem granulado (direita). 
A matéria 
orgânica 
funciona como 
agente 
cimentante das 
partículas e sua 
incorporação 
libera 
substâncias 
orgânicas que 
funcionam como 
elementos 
aglutinantes das 
partículas
 ESTRUTURAÇÃO 
 A matéria orgânica dá mais liga aos solos 
arenosos, tornando-os mais bem arranjados, 
mais estruturados, e reduz a coesão dos 
argilosos, fazendo com que fiquem mais 
“leves”. 
 Com menor densidade e solo estruturado, a 
compactação é diminuída e as raízes têm 
ambiente mais favorável para o seu 
crescimento.
 AERAÇÃO E DRENAGEM DO SOLO 
 Promovendo a agregação e a estruturação, 
são formados poros com melhor distribuição de 
tamanho, facilitando a circulação do ar e da 
água. 
 A infiltração da água da chuva é aumentada.
RETENÇÃO DE ÁGUA 
 Indiretamente: MO aumenta a capacidade de infiltração da 
água devido às melhorias das condições físicas do horizonte 
superficial do solo; 
 Diretamente: grande capacidade específica de retenção de 
água. 
Quanto maior a capacidade de infiltração da água , menor é o 
escorrimento de água pela superfície formando a enxurrada e 
menor as perdas por erosão; 
A evaporação da água dos solos serão reduzidas pela presença 
da MO.
 FORNECIMENTO DE NUTRIENTES 
 Os resíduos de plantas e de animais contêm 
quantidades variáveis de elementos minerais, 
como o fósforo, o magnésio, o cálcio, o enxofre 
e micronutrientes. 
 À medida que a matéria orgânica se decompõe, 
estes elementos tornam-se disponíveis para as 
plantas em crescimento.
FIXAÇÃO BIOLÓGICA DE 
NITROGÊNIO 
 Simbiose entre a planta e com bactérias. 
 No caso específico do feijão, a simbiose pode 
ocorrer com as seguintes espécies de 
bactéria: Rhizobium leguminosarum phaseoli, 
R tropici, R. gallicum e R. giardinii. 
 Nodulação das raízes
FIXAÇÃO BIOLÓGICA DE 
NITROGÊNIO 
 Depende das condições fisiológicas da planta 
hospedeira : fornecimento de energia para a bactéria 
realizar eficientemente este processo. 
 Além da calagem, é importante proceder a correção do 
solo com os demais nutrientes. 
 Fósforo : fornecimento de energia para o processo de 
FBN. 
 Molibidênio: constituinte estrutural da nitrogenase
CULTIVARES 
 Regiões do Brasil – preferência do tipo 
de grãos consumido; 
 Várias cultivares plantadas no Centro- 
Oeste são oriundas da Embrapa Arroz 
e Feijão; 
 Existem hoje no Brasil sete tipos de 
feijão de caráter comercial 
SE DIFEREM PRINCIPALMENTE PELA COR E TAMANHO
Carioca - coloração bege com 
estrias marrons 
Preto – grão pequeno, consumido na 
região Sul e nos Estados do Espírito 
Santo e Rio de Janeiro.
Rosinha - coloração rosa 
claro, grão pequeno. É 
consumido principalmente 
nos Estados de Goiás, Mato 
Grosso, Pará e São Paulo. 
Roxinho - grão como pequeno, 
coloração arroxeada e é 
consumido principalmente nos 
Estados de Goiás e Minas 
Gerais.
Mulatinho - consumido na região 
Nordeste do país, coloração 
bege claro, grão pequeno. 
Rajado - bege claro com estrias roxas, 
grãos graúdo. É consumido 
principalmente na região Sul e nos 
Estados de Minas Gerais e São Paulo. 
Manteigão (jalo) - coloração amarelo, 
grãos graúdo. É consumido principalmente 
nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, 
Pará e Goiás.
Tipos feijão especiais - visando 
exportação 
Branco 
Cramberry 
Dark Red Kidney
TRATOS CULTURAIS 
 A lavoura deve ser mantida no limpo, livre de ervas 
daninhas pelo menos até o início do florescimento. 
 Um preparado eficiente do solo, com uma gradagem 
imediatamente antes do plantio, retarda a 
germinação das sementes de ervas daninhas. 
 O controle de ervas daninhas pode ser preventivo, 
cultural, mecânico e químico (uso de herbicidas).
IRRIGAÇÃO 
 Mais utilizada no cultivo de feijão de 3ª 
safra. 
 Custo dos equipamentos elevado. 
 Bons preços alcançados pelo produto no 
mercado.
IRRIGAÇÃO 
 QUANTIDADE DE ÁGUA: de acordo com a 
evatranspiração da cultura; 
 Cuidados com as doenças foliares! 
 Podem ser utilizados diversos sistemas de 
irrigação, como aspersão, sulcos e subirrigação.
Subirrigação Irrigação por sulcos 
Aspersão
COLHEITA 
 A colheita deve ser iniciada quando as hastes 
estiverem em estado adiantado de secagem e 
quando a maioria das folhas estiverem caídas. 
 Consequências do atraso na colheita 
 perda da qualidade comercial do produto, por 
ocorrência de carunchos ou micro-organismos, 
 deiscência das vagens excessivamente secas.
TRILHAGEM 
 Trilhagem : separação dos grãos da palhada. 
Métodos 
 Utilização de trilhadoras acopladas ao trator 
 Bateção à vara 
 Passagem do trator de rodas por cima das plantas. 
 Uso máquinas recolhedoras que levantam o feijão 
enleirado que, depois de trilhado e limpo, é 
entregue ensacado.
ARMAZENAMENTO 
 Armazenar com umidade em torno de 12%. 
 O armazenamento deve ser feito preferencialmente 
em local escuro e ventilado, pois o feijão não pode 
ficar exposto à luz e nem ao calor, porque perde a 
qualidade em pouco tempo. 
 Podem seu usados silos subterrâneos revestidos 
com polietileno, onde o feijão é armazenado 
ensacado ou a granel.
Educar é ensinar a pensar sozinho!!! 
Prof. Laerton 
laerton.leite@bol.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Geagra UFG
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
Ítalo Arrais
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
Geagra UFG
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
Geagra UFG
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
AgriculturaSustentavel
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Geagra UFG
 
Calagem e gessagem
Calagem e gessagemCalagem e gessagem
Calagem e gessagem
Pedro Lacerda
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
Geagra UFG
 
Gessagem
GessagemGessagem
Gessagem
Geagra UFG
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
Geagra UFG
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
Killer Max
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
Calagem e gessagem
Calagem e gessagemCalagem e gessagem
Calagem e gessagem
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
 
Gessagem
GessagemGessagem
Gessagem
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 

Destaque

Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
Killer Max
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
Willian Passos
 
A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU)
 A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU) A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU)
A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU)
Virna Salgado Barra
 
ApresentaçãO AlimentaçãO
ApresentaçãO AlimentaçãOApresentaçãO AlimentaçãO
ApresentaçãO AlimentaçãO
jcantunes
 
A cultura do_feij_o
A cultura do_feij_oA cultura do_feij_o
A cultura do_feij_o
Monique Batista Carpenedo
 
Apresentação feijao paty e vinicius
Apresentação feijao   paty e viniciusApresentação feijao   paty e vinicius
Apresentação feijao paty e vinicius
Vinicius Vieira Cursino
 
Apresentação de extensão rural
Apresentação de extensão ruralApresentação de extensão rural
Apresentação de extensão rural
x x
 
Nordeste: Agreste
Nordeste:  AgresteNordeste:  Agreste
Nordeste: Agreste
Silvana Cacho
 
Plantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de AmendoimPlantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de Amendoim
Agricultura Sao Paulo
 

Destaque (11)

Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
 
A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU)
 A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU) A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU)
A GEOGRAFIA VAI AO ACAMPAMENTO (LAGEA-UFU)
 
ApresentaçãO AlimentaçãO
ApresentaçãO AlimentaçãOApresentaçãO AlimentaçãO
ApresentaçãO AlimentaçãO
 
A cultura do_feij_o
A cultura do_feij_oA cultura do_feij_o
A cultura do_feij_o
 
Apresentação feijao paty e vinicius
Apresentação feijao   paty e viniciusApresentação feijao   paty e vinicius
Apresentação feijao paty e vinicius
 
Apresentação de extensão rural
Apresentação de extensão ruralApresentação de extensão rural
Apresentação de extensão rural
 
Nordeste: Agreste
Nordeste:  AgresteNordeste:  Agreste
Nordeste: Agreste
 
Plantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de AmendoimPlantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de Amendoim
 

Semelhante a Implantação da Cultura do Feijão

Solos
SolosSolos
Solos
Ione Rocha
 
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
Emlur
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
MariaRibeiro194699
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Reichard Felipe Kampmann
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
Fattore
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
Carla Pádua Martins
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Análise de solos
Análise de solosAnálise de solos
Análise de solos
mvezzone
 
Análise de solos
Análise de solosAnálise de solos
Análise de solos
mvezzone
 
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubaçãoApostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
Tayza Taveira
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
Tayza Taveira
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
elianeac
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
Az. O.
 
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
Unidade 5 cap 2   terras cultivávelUnidade 5 cap 2   terras cultivável
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
ISJ
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
IFMT - Campus Juína
 
degradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânica
degradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânicadegradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânica
degradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânica
igorss46
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
Sabrina Nascimento
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
Fabiano França
 

Semelhante a Implantação da Cultura do Feijão (20)

Solos
SolosSolos
Solos
 
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Análise de solos
Análise de solosAnálise de solos
Análise de solos
 
Análise de solos
Análise de solosAnálise de solos
Análise de solos
 
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubaçãoApostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
 
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
Unidade 5 cap 2   terras cultivávelUnidade 5 cap 2   terras cultivável
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
degradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânica
degradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânicadegradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânica
degradação dos solos, agricultura sustentável e agricultura orgânica
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 

Mais de Killer Max

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissora
Killer Max
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentais
Killer Max
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
Killer Max
 
Vacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseVacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e brucelose
Killer Max
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
Killer Max
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Killer Max
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
Killer Max
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de Estágio
Killer Max
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Killer Max
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
Killer Max
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no Tocantins
Killer Max
 
Força Eletromagnética
Força EletromagnéticaForça Eletromagnética
Força Eletromagnética
Killer Max
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
Killer Max
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
Killer Max
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Killer Max
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Killer Max
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
Killer Max
 

Mais de Killer Max (20)

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissora
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentais
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Vacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseVacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e brucelose
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de Estágio
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no Tocantins
 
Força Eletromagnética
Força EletromagnéticaForça Eletromagnética
Força Eletromagnética
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 

Último

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

Implantação da Cultura do Feijão

  • 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL IMPLANTAÇÃO DA CULTURA DO FEIJOEIRO Prof. Laerton
  • 2. CLIMA  Fatores climáticos que mais influenciam na produção de feijão: temperatura, precipitação pluvial e a radiação solar.  A planta de feijão pode ser considerada fotoneutra.
  • 3. CLIMA  Temperaturas abaixo de 0 ºC (inverno na região Sul) e altas temperaturas e umidade relativa do ar inviabilizam o cultivo de feijão na Região Sul na época de inverno e limitam no Norte.  O feijão é mais suscetível à deficiência hídrica durante a floração e o estádio inicial de formação das vagens.
  • 4. SOLO  O feijoeiro não se desenvolve bem em solos encharcados e ácidos.  Devem ser evitados os terrenos muito inclinados, porque seu cultivo favorece a erosão.  Adotar técnicas de conservação do solo como o plantio em nível ou terraços.
  • 5. SOLO  A rotação de culturas é outra prática que deve ser feita visando à melhoria das condições físicas, químicas e biológicas do solo.  O feijoeiro é uma planta que responde bem a adubação verde e orgânica.  Efeitos semelhantes aos da adubação verde são obtidos com a aplicação de estercos, compostos e tortas.
  • 6. Preparo do solo  Preparo convencional;  Preparo mínimo;  Plantio direto. Dentro de cada método existem diversos sistemas de preparos ou sequências de operações que podem ser empregadas.
  • 7. Preparo do solo – SISTEMA CONVENCIONAL ARAÇÃO – arado de disco ou aiveca; GRADAGEM – grades aradoras:  Após a aração  Antes da semeadura
  • 9. Preparo do solo – CULTIVO MÍNIMO  Sistema reduzido de preparo do solo;  O cultivo mínimo é um sistema entre o convencional e o plantio direto.  No cultivo mínimo, o preparo do solo é minimizado pelo menor uso de máquinas. Há um revolvimento mínimo do solo e a manutenção dos resíduos vegetais, utilizando-se, apenas, escarificação e gradagens leves.
  • 10. Preparo do solo – SISTEMA DE PLANTIO DIRETO  O plantio direto pressupõe a utilização de equipamentos especiais e o uso de herbicida específico de pós-emergência.  Bons resultados foram relatados quando se plantou a cultura em sequência a trigo, aveia, soja e arroz.
  • 11.
  • 12. SEMEADURA ESPAÇAMENTO E QUANTIDADE E QUALIDADE DE SEMENTES  O espaçamento mais recomendado :50 a 60 centímetros Outros espaçamentos
  • 13. SEMEADURA  12 a 15 sementes por metro linear, de modo a ter-se, na colheita, ao redor de 10 plantas por metro.  O espaçamento deve variar segundo os cultivares, sejam determinados ou indeterminados.
  • 14. SEMEADURA  Qualidade das sementes (tratamento com inseticidas e fungicidas) : evitar transmissão de doenças e garantia de germinação.  Uso de sementes melhoradas.  Ensaios de pesquisa mostraram aumentos de até 15% na produtividade somente com o uso de sementes escolhidas.
  • 15. CALAGEM  Contribui para aumentar a produtividade do feijão, não só pela correção do solo, mas também por aumentar a eficiência da adubação.  Deve ser recomendada com base na análise química do solo e realizada cerca de 60 dias antes do plantio.  Quanto mais profunda for a incorporação do calcário (CaCO3) , melhor será o resultado da aplicação.  Poder tampão do solo (capacidade que o solo tem de resistir a mudanças bruscas de pH).
  • 16. ADUBAÇÃO MINERAL  Somente 10 a 15% dos produtores, segundo pesquisa realizada pela Embrapa, usam fertilizantes e corretivos.  A adubação deve ser feita com base na análise do solo. Recomendações Nitrogênio : 30 – 40 Kg/ha, sendo 1/3 no plantio e 2/3 em cobertura. Fósforo (P) : aplicado todo no plantio Potássio (K) : pode ou não ser parcelado.
  • 17. ADUBAÇÃO MINERAL A dosagem de P e K é recomendada com base nos resultados da análise do solo, utilizando a tabela seguinte: Classe Teor de P no solo (mg dm-3) Dosagem: P2O5 (kg/ha) Teor de K no solo (mg dm-3) Dosagem: K2O (kg/ha) Baixa 0,0 a 3,0 60 0,0 a 2,0 40 Média 3,1 a 6,0 40 20,0 a 40,0 30 Alta 6,1 a 10,0 20 40,0 a 60,0 20 Muito alta > 10 *** > 60 *** Fonte: Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais, 1999.
  • 18. SINTOMAS VISUAIS DE DEFICIÊNCIA NUTRICIONAIS  NITROGÊNIO: Clorose nos folíolos das folhas mais velhas com posterior necrose e queda.
  • 19. FÓSFORO: folhas inferiores com coloração verde pálida e as superiores com tons verde mais escuro. Caule – mais curtos e finos
  • 20.  POTÁSSIO: Clorose marginal nos folíolos das folhas mais velhas que evoluem entre as nervuras. Menor crescimento – caule, área foliar e nº de folhas.
  • 21.
  • 22. CÁLCIO: folhas com clorose parcial intensa e menor crescimento da planta. Morte dos pontos de crescimento, murchamento do caule, pecíolo e brotos
  • 23. MAGNÉSIO: folhas mais velhas com clorose interneval que progride do centro para as bordas do folíolo.
  • 24. ENXOFRE: folíolos mais novos com clorose generalizada. Plantas atrofiadas – caules finos.
  • 25.
  • 26. BORO: Folhas retorcidas, espessas, nervuras com tonalidades verde-claro. Pontos necróticos e secamento dos pontos de crescimento.
  • 27. COBRE: Folhas novas com tonalidades mais escuras – enrugamento das bordas e curvamento da ponta do limbo para baixo.
  • 28. ZINCO: encurtamento dos internódios, folha de tamanho reduzido, folíolos em formato de lança.
  • 29. ADUBAÇÃO VERDE E/OU ORGÂNICA  É a incorporação de uma massa verde, visando o fornecimento de nutrientes para o feijão.  É pouco usada por ocupar a área que seria destinada ao plantio do feijão.  Plantas utilizadas como adubo verde - mucuna - crotalária - feijão de porco
  • 30. ADUBAÇÃO VERDE E/OU ORGÂNICA  Algumas plantas usadas como adubos verdes ainda apresentam efeitos Alelopáticos.  Crotalária diminui o ataque de nematoides.  Efetuar o plantio em torno de 10 dias após a incorporação do adubo verde.  Deixar o material cortado na superfície do solo secando por um período de 2 a 3 dias antes da incorporação, para que possa perder umidade.
  • 32. ADUBAÇÃO VERDE  É a incorporação ao solo de plantas especialmente cultivadas para esse fim ou de outras vegetações cortadas quando ainda verdes para serem incorporadas.  Essas plantas protegem o solo contra a ação direta da chuva e quando incorporadas,melhoram as propriedades físicas e químicas do solo, pelo incremento de matéria orgânica.
  • 33. PLANTAS COM POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO COMO ADUBO VERDE Crotalária Feijão de Porco
  • 34. PLANTAS COM POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO COMO ADUBO VERDE Feijão Guandu Mucuna preta
  • 35. PLANTAS COM POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO COMO ADUBO VERDE Soja perene Lab Lab
  • 37. ADUBAÇÃO ORGÂNICA Matéria Orgânica Substância ou material de origem vegetal ou animal existente no solo independente do seu grau de decomposição. Húmus Fração da matéria orgânica em seu mais alto grau de transformação.
  • 38. Qual a importância da utilização dos adubos orgânicos? • Fonte de nutrientes lenta e duradoura • Melhora consideravelmente as características físicas, químicas e biológicas do solo • Utilização de resíduos cujo descarte causaria impactos ambientais
  • 39. Exemplos: • Uso de vinhaça e torta de filtro, resíduos importantes da agroindústria canavieira, representam importantes aportes de matéria orgânica , potássio e fósforo; • A manutenção da palhada sobre o solo também garante importante reciclagem de nutrientes, principalmente de potássio e nitrogênio; • Utilização de estercos bovinos na agricultura, principalmente em hortas, jardins, etc.
  • 40. Efeitos nas propriedades físicas do solo Resíduos orgânicos Densidade do solo Poros de tamanho grande Entrada de ar Drenagem de água
  • 41. ESTRUTURAÇÃO Solo destruturado(esquerda) e solo bem granulado (direita). A matéria orgânica funciona como agente cimentante das partículas e sua incorporação libera substâncias orgânicas que funcionam como elementos aglutinantes das partículas
  • 42.  ESTRUTURAÇÃO  A matéria orgânica dá mais liga aos solos arenosos, tornando-os mais bem arranjados, mais estruturados, e reduz a coesão dos argilosos, fazendo com que fiquem mais “leves”.  Com menor densidade e solo estruturado, a compactação é diminuída e as raízes têm ambiente mais favorável para o seu crescimento.
  • 43.  AERAÇÃO E DRENAGEM DO SOLO  Promovendo a agregação e a estruturação, são formados poros com melhor distribuição de tamanho, facilitando a circulação do ar e da água.  A infiltração da água da chuva é aumentada.
  • 44. RETENÇÃO DE ÁGUA  Indiretamente: MO aumenta a capacidade de infiltração da água devido às melhorias das condições físicas do horizonte superficial do solo;  Diretamente: grande capacidade específica de retenção de água. Quanto maior a capacidade de infiltração da água , menor é o escorrimento de água pela superfície formando a enxurrada e menor as perdas por erosão; A evaporação da água dos solos serão reduzidas pela presença da MO.
  • 45.  FORNECIMENTO DE NUTRIENTES  Os resíduos de plantas e de animais contêm quantidades variáveis de elementos minerais, como o fósforo, o magnésio, o cálcio, o enxofre e micronutrientes.  À medida que a matéria orgânica se decompõe, estes elementos tornam-se disponíveis para as plantas em crescimento.
  • 46. FIXAÇÃO BIOLÓGICA DE NITROGÊNIO  Simbiose entre a planta e com bactérias.  No caso específico do feijão, a simbiose pode ocorrer com as seguintes espécies de bactéria: Rhizobium leguminosarum phaseoli, R tropici, R. gallicum e R. giardinii.  Nodulação das raízes
  • 47. FIXAÇÃO BIOLÓGICA DE NITROGÊNIO  Depende das condições fisiológicas da planta hospedeira : fornecimento de energia para a bactéria realizar eficientemente este processo.  Além da calagem, é importante proceder a correção do solo com os demais nutrientes.  Fósforo : fornecimento de energia para o processo de FBN.  Molibidênio: constituinte estrutural da nitrogenase
  • 48. CULTIVARES  Regiões do Brasil – preferência do tipo de grãos consumido;  Várias cultivares plantadas no Centro- Oeste são oriundas da Embrapa Arroz e Feijão;  Existem hoje no Brasil sete tipos de feijão de caráter comercial SE DIFEREM PRINCIPALMENTE PELA COR E TAMANHO
  • 49. Carioca - coloração bege com estrias marrons Preto – grão pequeno, consumido na região Sul e nos Estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro.
  • 50. Rosinha - coloração rosa claro, grão pequeno. É consumido principalmente nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Pará e São Paulo. Roxinho - grão como pequeno, coloração arroxeada e é consumido principalmente nos Estados de Goiás e Minas Gerais.
  • 51. Mulatinho - consumido na região Nordeste do país, coloração bege claro, grão pequeno. Rajado - bege claro com estrias roxas, grãos graúdo. É consumido principalmente na região Sul e nos Estados de Minas Gerais e São Paulo. Manteigão (jalo) - coloração amarelo, grãos graúdo. É consumido principalmente nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Pará e Goiás.
  • 52. Tipos feijão especiais - visando exportação Branco Cramberry Dark Red Kidney
  • 53. TRATOS CULTURAIS  A lavoura deve ser mantida no limpo, livre de ervas daninhas pelo menos até o início do florescimento.  Um preparado eficiente do solo, com uma gradagem imediatamente antes do plantio, retarda a germinação das sementes de ervas daninhas.  O controle de ervas daninhas pode ser preventivo, cultural, mecânico e químico (uso de herbicidas).
  • 54. IRRIGAÇÃO  Mais utilizada no cultivo de feijão de 3ª safra.  Custo dos equipamentos elevado.  Bons preços alcançados pelo produto no mercado.
  • 55. IRRIGAÇÃO  QUANTIDADE DE ÁGUA: de acordo com a evatranspiração da cultura;  Cuidados com as doenças foliares!  Podem ser utilizados diversos sistemas de irrigação, como aspersão, sulcos e subirrigação.
  • 56. Subirrigação Irrigação por sulcos Aspersão
  • 57. COLHEITA  A colheita deve ser iniciada quando as hastes estiverem em estado adiantado de secagem e quando a maioria das folhas estiverem caídas.  Consequências do atraso na colheita  perda da qualidade comercial do produto, por ocorrência de carunchos ou micro-organismos,  deiscência das vagens excessivamente secas.
  • 58. TRILHAGEM  Trilhagem : separação dos grãos da palhada. Métodos  Utilização de trilhadoras acopladas ao trator  Bateção à vara  Passagem do trator de rodas por cima das plantas.  Uso máquinas recolhedoras que levantam o feijão enleirado que, depois de trilhado e limpo, é entregue ensacado.
  • 59. ARMAZENAMENTO  Armazenar com umidade em torno de 12%.  O armazenamento deve ser feito preferencialmente em local escuro e ventilado, pois o feijão não pode ficar exposto à luz e nem ao calor, porque perde a qualidade em pouco tempo.  Podem seu usados silos subterrâneos revestidos com polietileno, onde o feijão é armazenado ensacado ou a granel.
  • 60. Educar é ensinar a pensar sozinho!!! Prof. Laerton laerton.leite@bol.com.br