SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução à
Cultura do Feijão
Larissa Gonçalves Silva
A Cultura
Classificação botânica
 Reino= Vegetal
 Classe= Dicotyledoneae
 Ordem= Rosales
 Família= Leguminosae (Fabaceae)
 Subfamília= Papilionoideae
 Tribo= Phaseoleae
 Gênero= Phaseolus L.
 Espécie= Phaseolus vulgares L.
Origem
Os feijões estão entre os alimentos mais antigos,
estando nos primeiros registros da história da
humanidade.
 Eram cultivados no antigo Egito e na Grécia, sendo,
também, cultuados como símbolo da vida.
Os antigos romanos usavam extensivamente feijões
nas suas festas gastronômicas, utilizando-os até
mesmo como pagamento de apostas.
Fonte: EuroChannel
Fonte: SuperInteressante
O gênero Phaseolus originou-se nas Américas.
Aproximadamente 55 espécies, das quais apenas cinco
são cultivados.
 Feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris); Feijão de lima
(P. lunatus); P. polyanthus; Feijão Ayocote (P.
coccineus) e o feijão tepari (P. acutifolius).
Sendo o feijoeiro-comum, a mais importante, por ser
a espécie cultivada mais antiga e também a mais
utilizada nos cinco continentes.
Domesticação
Aceita-se dois centros principais da domesticação do
feijão e um terceiro de menos expressão.
1º Localiza-se na região central do das Américas,
principalmente no México.
Onde se originou a maioria das cultivares de grãos
pequenos como o carioca.
O 2º localiza-se no norte da Argentina e sul do Peru,
de onde originaram cultivares de sementes grandes,
semelhante ao cultivar Jalo.
A terceira localiza-se na Colômbia, originando a
Faseolina, principal proteína de reserva da semente de
feijão.
Fonte: Embrapa Arroz e Feijão
Cultivares
Na escolha da cultivar a ser plantada atenta-se para:
Produtividade.
Resistência ou tolerância às principais doenças e
pragas da região.
Cor, tamanho e brilho do grão.
Aceitação comercial do tipo de grão pelo mercado
consumidor.
Preferência do consumo nas
regiões Brasileiras
O feijão preto é mais popular no Rio Grande do Sul,
Santa Catarina, sul e leste do Paraná, Rio de Janeiro,
sudeste de Minas Gerais e sul do Espírito Santo.
Os feijões de grão tipo carioca são aceitos em
praticamente todo o Brasil.
O feijão mulatinho é mais aceito na Região Nordeste
e os tipos roxo e rosinha são mais populares nos
Estados de Minas Gerais e Goiás.
Propriedades Nutricionais
O feijão proporciona nutrientes essenciais ao
organismo como proteínas, ferro, cálcio, vitaminas
(principalmente do complexo B), carboidratos e
fibras.
Indicado para o combate de doenças como o diabetes,
obesidade, doenças cardiovasculares e até mesmo
neoplasias.
Rico em minerais, ferro e zinco.
Fonte: Feijão do plantio a colheita
Características Gerais
O feijão é uma planta de clima tropical;
Temperatura: Em torno de 25ºC (18º a 30ºC);
Fotoperíodo: A planta de feijão pode ser considerada
foto neutra, que não depende do fotoperíodo para
florescer.
Déficit Hídrico
Mais suscetível à deficiência hídrica durante a
floração e o estádio inicial de formação das vagens.
Período crítico, 15 dias antes da floração;
Entretanto, um período seco, da maturação fisiológica
da semente até a colheita, contribui para a obtenção
de um produto de boa qualidade.
Solo
De modo geral, a planta do feijoeiro exige:
Solos férteis;
Areno-argilosos;
Com bom teor de matéria orgânica;
Bem arejados;
pH em torno de 6,0 (5,0 a 6,5).
Safras do Feijão
Safra das águas: Plantio entre os meses de agosto e
novembro e a colheita entre novembro e abril. É a
maior das três safras, em produção e rendimento.
Safra de inverno: Cultiva-se o feijão irrigado. A
plantação ocorre entre abril e julho e a colheita entre
agosto e outubro.
Safra da seca: Plantio entre janeiro e março e colheita
entre abril e julho.
Contribui com mais de 50% da produção, representa
a maior área de cultivo na produção nacional de
feijão, cerca de 48% da área plantada.
No entanto, apresenta a menor produtividade quando
comparada às outras safras.
Safras do Feijão
Produção Mundial
Situou-se em torno de 16,8 milhões de toneladas;
Ocupando uma área de 23,2 milhões de hectares;
Cerca de 65,1% da produção foram oriundos de
apenas sete países, sendo a Índia responsável por
15,3% e o Brasil, 14,6%.
Produção Nacional
Obrigada!
Larissa Gonçalves Silva
Laririzzie@mail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
AgriculturaSustentavel
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
ValderlandiaOliveira1
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Gustavo Avila
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
Geagra UFG
 
Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia
UNIVAG
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
Saul Ramos
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
Geagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
Paula Borges
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURAINTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
 
Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURAINTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
 

Semelhante a INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO

Apresentação feijao paty e vinicius
Apresentação feijao   paty e viniciusApresentação feijao   paty e vinicius
Apresentação feijao paty e vinicius
Vinicius Vieira Cursino
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Trabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria Fernanda
Trabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria FernandaTrabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria Fernanda
Trabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria Fernanda
Igor Idealli Gonçalves
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal
Giovanna Martins
 
Mat primas parte1
Mat primas parte1Mat primas parte1
Mat primas parte1
Dália Cascalheira
 
Pera.
Pera.Pera.
Slides
SlidesSlides
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptxAULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
DaiaraMendes
 
Beterraba
BeterrabaBeterraba
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
éltoon yagami
 
Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia  Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia
Eduardo
 
Resumo arroz
Resumo arrozResumo arroz
Resumo arroz
Tiago Habitzreiter
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
Andréa Vasconcelos
 
Estilo brasileiro de comer
Estilo brasileiro de comerEstilo brasileiro de comer
Estilo brasileiro de comer
pauloweimann
 
Arroz
ArrozArroz
Arroz
Cadriolo
 
Comida brasileira
Comida brasileiraComida brasileira
Comida brasileira
mucamaba
 
Aula soja
Aula sojaAula soja
Aula soja
Janielly Costa
 
Soja.pptx
Soja.pptxSoja.pptx
Soja.pptx
Daniel949544
 
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
Dac moda ano internacional das leguminosas   2016Dac moda ano internacional das leguminosas   2016
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
cgtsfumec
 
Anexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementesAnexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementes
Ednaldo Tavares Tavares
 

Semelhante a INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO (20)

Apresentação feijao paty e vinicius
Apresentação feijao   paty e viniciusApresentação feijao   paty e vinicius
Apresentação feijao paty e vinicius
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Trabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria Fernanda
Trabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria FernandaTrabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria Fernanda
Trabalho milho- Edenilson, Kalil, Igor, Anne, Keven e Maria Fernanda
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal
 
Mat primas parte1
Mat primas parte1Mat primas parte1
Mat primas parte1
 
Pera.
Pera.Pera.
Pera.
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptxAULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
 
Beterraba
BeterrabaBeterraba
Beterraba
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia  Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia
 
Resumo arroz
Resumo arrozResumo arroz
Resumo arroz
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
 
Estilo brasileiro de comer
Estilo brasileiro de comerEstilo brasileiro de comer
Estilo brasileiro de comer
 
Arroz
ArrozArroz
Arroz
 
Comida brasileira
Comida brasileiraComida brasileira
Comida brasileira
 
Aula soja
Aula sojaAula soja
Aula soja
 
Soja.pptx
Soja.pptxSoja.pptx
Soja.pptx
 
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
Dac moda ano internacional das leguminosas   2016Dac moda ano internacional das leguminosas   2016
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
 
Anexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementesAnexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementes
 

Mais de Geagra UFG

APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
Geagra UFG
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 

Último

Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 

Último (11)

Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 

INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO

  • 1. Introdução à Cultura do Feijão Larissa Gonçalves Silva
  • 2. A Cultura Classificação botânica  Reino= Vegetal  Classe= Dicotyledoneae  Ordem= Rosales  Família= Leguminosae (Fabaceae)  Subfamília= Papilionoideae  Tribo= Phaseoleae  Gênero= Phaseolus L.  Espécie= Phaseolus vulgares L.
  • 3. Origem Os feijões estão entre os alimentos mais antigos, estando nos primeiros registros da história da humanidade.  Eram cultivados no antigo Egito e na Grécia, sendo, também, cultuados como símbolo da vida. Os antigos romanos usavam extensivamente feijões nas suas festas gastronômicas, utilizando-os até mesmo como pagamento de apostas.
  • 6. O gênero Phaseolus originou-se nas Américas. Aproximadamente 55 espécies, das quais apenas cinco são cultivados.  Feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris); Feijão de lima (P. lunatus); P. polyanthus; Feijão Ayocote (P. coccineus) e o feijão tepari (P. acutifolius). Sendo o feijoeiro-comum, a mais importante, por ser a espécie cultivada mais antiga e também a mais utilizada nos cinco continentes.
  • 7. Domesticação Aceita-se dois centros principais da domesticação do feijão e um terceiro de menos expressão. 1º Localiza-se na região central do das Américas, principalmente no México. Onde se originou a maioria das cultivares de grãos pequenos como o carioca.
  • 8. O 2º localiza-se no norte da Argentina e sul do Peru, de onde originaram cultivares de sementes grandes, semelhante ao cultivar Jalo. A terceira localiza-se na Colômbia, originando a Faseolina, principal proteína de reserva da semente de feijão.
  • 9.
  • 10. Fonte: Embrapa Arroz e Feijão
  • 11.
  • 12. Cultivares Na escolha da cultivar a ser plantada atenta-se para: Produtividade. Resistência ou tolerância às principais doenças e pragas da região. Cor, tamanho e brilho do grão. Aceitação comercial do tipo de grão pelo mercado consumidor.
  • 13. Preferência do consumo nas regiões Brasileiras O feijão preto é mais popular no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, sul e leste do Paraná, Rio de Janeiro, sudeste de Minas Gerais e sul do Espírito Santo. Os feijões de grão tipo carioca são aceitos em praticamente todo o Brasil. O feijão mulatinho é mais aceito na Região Nordeste e os tipos roxo e rosinha são mais populares nos Estados de Minas Gerais e Goiás.
  • 14. Propriedades Nutricionais O feijão proporciona nutrientes essenciais ao organismo como proteínas, ferro, cálcio, vitaminas (principalmente do complexo B), carboidratos e fibras. Indicado para o combate de doenças como o diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares e até mesmo neoplasias. Rico em minerais, ferro e zinco.
  • 15. Fonte: Feijão do plantio a colheita
  • 16.
  • 17. Características Gerais O feijão é uma planta de clima tropical; Temperatura: Em torno de 25ºC (18º a 30ºC); Fotoperíodo: A planta de feijão pode ser considerada foto neutra, que não depende do fotoperíodo para florescer.
  • 18. Déficit Hídrico Mais suscetível à deficiência hídrica durante a floração e o estádio inicial de formação das vagens. Período crítico, 15 dias antes da floração; Entretanto, um período seco, da maturação fisiológica da semente até a colheita, contribui para a obtenção de um produto de boa qualidade.
  • 19. Solo De modo geral, a planta do feijoeiro exige: Solos férteis; Areno-argilosos; Com bom teor de matéria orgânica; Bem arejados; pH em torno de 6,0 (5,0 a 6,5).
  • 20. Safras do Feijão Safra das águas: Plantio entre os meses de agosto e novembro e a colheita entre novembro e abril. É a maior das três safras, em produção e rendimento. Safra de inverno: Cultiva-se o feijão irrigado. A plantação ocorre entre abril e julho e a colheita entre agosto e outubro.
  • 21. Safra da seca: Plantio entre janeiro e março e colheita entre abril e julho. Contribui com mais de 50% da produção, representa a maior área de cultivo na produção nacional de feijão, cerca de 48% da área plantada. No entanto, apresenta a menor produtividade quando comparada às outras safras. Safras do Feijão
  • 22.
  • 23.
  • 24. Produção Mundial Situou-se em torno de 16,8 milhões de toneladas; Ocupando uma área de 23,2 milhões de hectares; Cerca de 65,1% da produção foram oriundos de apenas sete países, sendo a Índia responsável por 15,3% e o Brasil, 14,6%.
  • 26.
  • 27.