SlideShare uma empresa Scribd logo
MORFOLOGIA VEGETAL
Morfologia da Raiz
 Coifa: Células produzidas na
zona meristemática. Função
proteger a extremidade da raiz.
 Zona Meristemática: células
em constante mitose. Determina o
crescimento das raízes em
comprimento.
 Zona Lisa ou de
alongamento. Crescimento das
raízes.
 Zona Pilífera: Células
epidérmicas formam os pelos
absorventes de água e sais
minerais.
 Colo: Zona de transição entra a
raiz e o caule.
 Zona suberosa: local de onde
partem as raízes secundárias.
Tipos de raízes
 Tuberosas: funcionam
como órgãos de reservas
nutritivas, principalmente
do amido.
 Ex: cenoura, beterraba,
batata-doce
Tipos de raízes
 Respiratórias /
Pneumatófotos:
Ocorrem em vegetais de
terrenos alagadiços e
pobres em nitrogênio:
 Ex: manguezais
Tipos de raízes
 Sugadoras ou
Hastórios: São raízes
de vegetais parasitas que
penetram até os vasos
condutores (floema) para
sugar-lhes a seiva.
 A estrutura responsável
pela fixação e absorção é
o apressório.
 Ex:Erva-de-passarinho,
cipó-chumbo.
Tipos de raízes
 Raízes Tabulares:
Achatadas verticalmente,
ocorrem sobre a
superfície do solo antes
de mergulharem nele.
Tem a função de
aumentar a estabilidade
de vegetais de grande
porte e aumentam a
superfície respiratória.
Tipos de raízes
 Raízes de suporte ou
escora / adventícias:
Partem diretamente do
caule e tem por função
aumentar a base de
sustentação do vegetal.
 Ocorrem principalmente em
terrenos alagadiços.
 Adventícias (milho,
samambaias, cana-de-
açúcar.
Tipos de raízes
 Raízes Aéreas: Ocorrem
em plantas epífitas, sem
parasitá-las. Algumas
apresentam um
revestimento chamado
velame ou vel, com a
capacidade de absorver a
umidade do ar.
 Ex: Orquídeas e sumarés.
CAULE
 Atua como estrutura de ligação
entre as raízes e as folhas.
Apresentam os vasos
condutores de seiva. Tem
ainda as funções de:
sustentação de ramos, folhas e
frutos. Em alguns casos
podem fazer a respiração,
fotossíntese e o
armazenamento de nutrientes.
Apresentam gemas ou botões
caulinares.
 Existem dois tipos: Gemas
apicais e Laterais:
TIPOS DE CAULE
 AÉREOS:
 Tronco: caule bem
desenvolvido, ereto,
lenhoso e ramificado,
característico
angiospermas
dicotiledôneas e de
gimnospermas como o
pinheiro-do-paraná
TIPOS DE CAULE
 Haste: Caule mole,
geralmente verde e
ramificado, flexível e
delicado. A haste é
própria de ervas, como a
funcho erva Santa
Bárbara.

TIPOS DE CAULE
 Estipe: caule cilíndrico sem
ramificações, com folhas
emergindo apenas de sua
extremidade apical
 Ex: Palmito, babaçu, acaí.
TIPOS DE CAULE
 Colmo: são
caules não
ramificados,
apresentando
nós e enternós
bem nítidos, ao
contrário dos
estipes.
 Ex: Bambu,
cana-de-
açúcar.
TIPOS DE CAULE
 Estolhão: São caules que
rastejam sobre o solo. Em
alguns casos, emitem
raízes adventícias nos nós,
na superfície de contato
com o solo.
Algumas trepadeiras podem apresentar
caules desse tipo, como é o caso do
maracujá, que possui um caule volúvel.
Ex: Morangueiro
TIPOS DE CAULE
 Caules Subterrâneos:
 Rizoma: Esse tipo de caule
se desenvolve
paralelamente à superfície
do solo.
 Do rizoma podem surgir
várias folhas aéreas.
 Ex: Samambaia e a
bananeira.
TIPOS DE CAULE
 Tubérculo: Caules que
armazenam substâncias
nutritivas.
 Apresentam gemas laterais
bem visíveis, das quais
podem surgir ou brotar
novas plantas.
 Ex: Batata-inglesa e o
inhame.
TIPOS DE CAULE
 Bulbos: São estruturas
complexas, formadas pelo
caule e por folhas
subterrâneas modificads.
 Bulbo simples: cebola, que
possui uma parte central
“prato” do qual partem as
folhas. Da porção inferior
parem as raízes.
 Bulbo composto: é o alho,
em que cada dente
corresponde a um pequeno
bulbo.
FOLHAS
 A folha é um órgão especialmente adaptado à transpiração, gutação,
respiração e fotossíntese.
 São classificadas quando à duração em perenes “ folhas persistentes como a
laranjeira” e caducas como a macieira, nesses vegetais as folhas caem e
deixam uma cicatriz denominadas camada de abcisão.
 Uma folha completa possui: limbo, pecíolo, bainha e estípulas.
Estrutura das folhas
 Limbo: porção laminar
com nervuras bem
visíveis, na extremidade
livre (ápice) e uma
extremidade presa ao
pecíolo (base). O limbo
pode ser dividido em
diversas partes, possui
aspecto de pequenas
folhas denominadas
folíolos, sendo no caso
chamadas de folhas
compostas.
Estrutura das folhas
 Pecíolo: é a região
cilíndrica e flexível que
sustenta as folhas.
Estrutura das folhas
 Bainha: é a parque prende o pecíolo ao caule, basal.
Bainha
Estrutura das folhas
 Estípulas:
Duas
expansões
laterais
laminares
de cada
lado do
ponto de
inserção do
pecíolo.
http://www.upm.es/sfs/E.U.I.T.%20Agricola/FicherosEstaticosImagenes/Departam
entos/Biologia/Hojas/Hoja118.jpg
Estrutura das folhas
 Algumas folhas podem ou
não apresentar todas as
partes características de
uma folha completa. As
mais comuns são:
 Pecioladas: folhas que se
inserem diretamente ao
caule, não apresentando
bainha. Comuns nas
angiospermas
dicotiledôneas.
Estrutura das folhas
 Sésseis: São folhas pouco
comuns na natureza. Não
possuem pecíolo nem
bainha e a inserção ao
caule é feita diretamente
pela base da nervura
central do limbo. O
exemplo mais claro é a
folha do tabaco.
Estrutura das folhas
 Invaginantes: A bainha
envolve diretamente o
caule, não apresentando
pecíolo.
 O caso mais clássico é o
da folha do milho.
Outras estruturas da folha
 As folhas podem ser
classificadas
principalmente pelas
nervuras:
 Paralelinérvias:
nervuras paralelas
típicas das
monocotiledôneas.
 Peninérvias:
nervuras ramificadas
presentes
principalmente em
dicotiledôneas.
Adaptações das folhas:
 As adaptações
morfológicas
especiais das folhas
permitem que elas
desempenhem outras
funções além das
que já vimos.
 Algumas dessas
adaptações são:
 Cotilédones:
formações
embrionárias ricas
em reservas
nutritivas
Adaptações das folhas:
 Gavinhas: podem ser
folhas modificadas,
originadas pelo
alongamento do pecíolo e
da nervura central, servindo
para a fixação do vegetal.
 Podemos observá-las em
muitas plantas trepadeiras.
 Espinhos: são folhas que
reduziram a sua superfície
como proteção contra a
transpiração excessiva e
para proteção contra os
animais.
Adaptações das folhas:
 Brácteas: são folha existentes na base das flores. Quando
coloridas, atuam na atração de polinizadores.
 Ex: antúrio e bico-de-papagaio.
Adaptações das folhas:
 Catáfilos: São folhas reduzidas que protegem as gemas
caulinares. Em alguns casos como a cebola e o alho, são
bastante desenvolvidas e armazenam substâncias nutritivas.
Adaptações das folhas:
 Insetívoras ou carnívoras: mostram diversas adaptações para a captura
de insetos. Possuem diversos formatos aptos a capturar as possíveis
presas.
 Folhas em forma de urna (Sarracenia sp).
 Folhas dotadas de cerdas ou tentáculos (Drosera sp).
FRUTO
 Órgão encontrado somente nas angiospermas, com a finalidade
protetora, mas acima de tudo, de dispersão das sementes. Portanto,
suas características estão adaptadas ao tipo de dispersor, assim
como, observado nas flores.
 Os frutos são considerados também órgãos reprodutores. São
originados após a fecundação, a partir do ovário floral. Qualquer
órgão semelhante, desenvolvido a partir de qualquer outra parte
floral será denominado de PSEUDOFRUTO.
Partes de um fruto:
epicarpo (1), endocarpo (2) e mesocarpo (3)
1
2
3
CLASSIFICAÇÃO DOS FRUTOS SIMPLES:
FRUTOS
CARNOSOS
BAGA - contém várias sementes
DRUPA - contém só uma semente
SECOS
INDEISCENTES
(não se abrem quando maduros)
DEISCENTES
(se abrem quando maduros)
FRUTOS CARNOSOS DO TIPO BAGA:
FRUTOS CARNOSOS DO TIPO DRUPA:
FRUTOS SECOS INDEISCENTES:
Cariopse ou grão -
Milho
Sâmara - Tipuana
PSEUDOFRUTOS: Órgãos originados a partir
de outra parte floral que não seja o ovário
Pedúnculo floral Receptáculo floral
Pseudofruto
composto
- Óvulo fecundado
- Partes:
*Tegumento
*Amêndoa: formada por:
Embrião – produto da fecundação da oosfera.
Cotilédones – folhas embrionárias, originadas do zigoto
Albúmen ou endosperma – tecido de reserva
SEMENTE:
ABSORÇÃO E
TRANSPORTE
FISIOLOGIA VEGETAL
Fisiologia Vegetal
 É um ramo da botânica
que estuda as funções
dos vários órgãos que
uma planta apresenta.
 Absorção de transporte
de seiva bruta:
 A entrada de água
ocorrem principalmente
pela zona pilífera.
 A água entra por osmose
e os minerais por
transporte ativo.
Transporte de seiva bruta
 1 –A água por osmose
chega move-se através
das células vivas até o
xilema, assim como os
minerais (transporte
ativo).
 2 – Através dos pelos
absorventes a água
movimenta-se por entre
as paredes das células
epidérmicas e corcicais
até à endoderme, onde
é barrada pelas estrias
de Caspary). Os
minerais fluem até à
endoderme
Transporte de seiva bruta
 A seqüência do caminho
percorrido pela seiva
bruta até o xilema é:
 Pelos absorventes
 Epiderme
 Córtex
 Endoderme
 Periciclo.
Transporte de seiva bruta
 Para que as plantas
desenvolvam
normalmente há
necessidade de:
 Macronutrientes:
(precisam em maior
quantidade) - nitrogênio,
fósforo, potássio, cálcio,
enxofre, magnésio.
 Micronutrientes: (menor
quantidade) – ferro, cloro,
cobre, boro, zinco,
manganês e o molibdênio.
Transporte de Seivas nos Vegetais
 Nas plantas vasculares existem tecidos
especializados na condução de substâncias
úteis ao vegetal:
 Lenho ou xilema: transporte de seiva bruta.
 Líber ou floema: conduz a seiva elaborada
produzida na fotossíntese.
Transporte de substâncias:
 Ocorre que o xilema é
apenas um tubo
condutor, que nada pode
fazer para que a água
possa chegar à uma
altura de 100m por
exemplo.
 Existem dois mecanismos
para explicar o transporte
da seiva bruta das raízes
até a folha:
 Pressão positiva da
raiz
 Teoria da Tensão-
Coesão
TEORIA DA TENSÃO COESÃO
 A transpiração põe em movimento este
transporte.
 A perda de água traduz-se num déficit que
cria uma força de tensão que se propaga
ao xilema e deste às células da raiz,
promovendo a absorção de água ao nível
da raiz.
 As moléculas de água, por ação de forças
de coesão, unem-se por pontes de
hidrogênio, facilitando a sua ascensão em
coluna no xilema.
 Por ação de forças de adesão,
estabelecem-se ligações entre as paredes
do xilema e as moléculas de água, que
também facilitam a ascensão da coluna de
água.
 A coluna contínua em que a água ascende
nos vasos xilémicos é denominada corrente
de transpiração.
Resumindo

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MorfologiaVegetal.ppt

Morfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raízMorfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raíz
letyap
 
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
VERONICA47548
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
le_firmino
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
Cristóvão Lopes
 
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Raiz, caule e folha   aula alex pptRaiz, caule e folha   aula alex ppt
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Gaspar Neto
 
Folha agronomia
Folha  agronomiaFolha  agronomia
Folha agronomia
Henrique Zini
 
Raiz 97
Raiz 97Raiz 97
Raiz 97
profatatiana
 
7º ano reino plantae 1
7º ano    reino plantae 17º ano    reino plantae 1
7º ano reino plantae 1
Simone Maia
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
Priscila Belintani
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Carol Castro
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
jonathacioly
 
Biologia
BiologiaBiologia
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
Vitor Morais
 
reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
Brígida Menário
 
Organologia vegetal
Organologia vegetalOrganologia vegetal
Organologia vegetal
Colégios particulares
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
Joaquim André
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
Joaquim André
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
ISJ
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
E E JOÃO PINHEIRO
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
Railenne De Oliveira Celestino
 

Semelhante a MorfologiaVegetal.ppt (20)

Morfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raízMorfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raíz
 
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
 
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Raiz, caule e folha   aula alex pptRaiz, caule e folha   aula alex ppt
Raiz, caule e folha aula alex ppt
 
Folha agronomia
Folha  agronomiaFolha  agronomia
Folha agronomia
 
Raiz 97
Raiz 97Raiz 97
Raiz 97
 
7º ano reino plantae 1
7º ano    reino plantae 17º ano    reino plantae 1
7º ano reino plantae 1
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
 
reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
 
Organologia vegetal
Organologia vegetalOrganologia vegetal
Organologia vegetal
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 

Mais de Sabrina Nascimento

Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Sabrina Nascimento
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
Sabrina Nascimento
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
Sabrina Nascimento
 
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do soloMétodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
Sabrina Nascimento
 
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Sabrina Nascimento
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
Sabrina Nascimento
 
Aplicação de Biossólidos
Aplicação de BiossólidosAplicação de Biossólidos
Aplicação de Biossólidos
Sabrina Nascimento
 
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
Sabrina Nascimento
 
Erodibilidade do solo
Erodibilidade do soloErodibilidade do solo
Erodibilidade do solo
Sabrina Nascimento
 

Mais de Sabrina Nascimento (10)

Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
 
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do soloMétodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
 
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
Aplicação de Biossólidos
Aplicação de BiossólidosAplicação de Biossólidos
Aplicação de Biossólidos
 
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
 
Erodibilidade do solo
Erodibilidade do soloErodibilidade do solo
Erodibilidade do solo
 

Último

Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdfAula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
PriscilaLira27
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 

Último (9)

Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdfAula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
Aula 09 - Uso da pedometria no mapeamento de solos.pdf
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 

MorfologiaVegetal.ppt

  • 2. Morfologia da Raiz  Coifa: Células produzidas na zona meristemática. Função proteger a extremidade da raiz.  Zona Meristemática: células em constante mitose. Determina o crescimento das raízes em comprimento.  Zona Lisa ou de alongamento. Crescimento das raízes.  Zona Pilífera: Células epidérmicas formam os pelos absorventes de água e sais minerais.  Colo: Zona de transição entra a raiz e o caule.  Zona suberosa: local de onde partem as raízes secundárias.
  • 3. Tipos de raízes  Tuberosas: funcionam como órgãos de reservas nutritivas, principalmente do amido.  Ex: cenoura, beterraba, batata-doce
  • 4. Tipos de raízes  Respiratórias / Pneumatófotos: Ocorrem em vegetais de terrenos alagadiços e pobres em nitrogênio:  Ex: manguezais
  • 5. Tipos de raízes  Sugadoras ou Hastórios: São raízes de vegetais parasitas que penetram até os vasos condutores (floema) para sugar-lhes a seiva.  A estrutura responsável pela fixação e absorção é o apressório.  Ex:Erva-de-passarinho, cipó-chumbo.
  • 6. Tipos de raízes  Raízes Tabulares: Achatadas verticalmente, ocorrem sobre a superfície do solo antes de mergulharem nele. Tem a função de aumentar a estabilidade de vegetais de grande porte e aumentam a superfície respiratória.
  • 7. Tipos de raízes  Raízes de suporte ou escora / adventícias: Partem diretamente do caule e tem por função aumentar a base de sustentação do vegetal.  Ocorrem principalmente em terrenos alagadiços.  Adventícias (milho, samambaias, cana-de- açúcar.
  • 8. Tipos de raízes  Raízes Aéreas: Ocorrem em plantas epífitas, sem parasitá-las. Algumas apresentam um revestimento chamado velame ou vel, com a capacidade de absorver a umidade do ar.  Ex: Orquídeas e sumarés.
  • 9. CAULE  Atua como estrutura de ligação entre as raízes e as folhas. Apresentam os vasos condutores de seiva. Tem ainda as funções de: sustentação de ramos, folhas e frutos. Em alguns casos podem fazer a respiração, fotossíntese e o armazenamento de nutrientes. Apresentam gemas ou botões caulinares.  Existem dois tipos: Gemas apicais e Laterais:
  • 10. TIPOS DE CAULE  AÉREOS:  Tronco: caule bem desenvolvido, ereto, lenhoso e ramificado, característico angiospermas dicotiledôneas e de gimnospermas como o pinheiro-do-paraná
  • 11. TIPOS DE CAULE  Haste: Caule mole, geralmente verde e ramificado, flexível e delicado. A haste é própria de ervas, como a funcho erva Santa Bárbara. 
  • 12. TIPOS DE CAULE  Estipe: caule cilíndrico sem ramificações, com folhas emergindo apenas de sua extremidade apical  Ex: Palmito, babaçu, acaí.
  • 13. TIPOS DE CAULE  Colmo: são caules não ramificados, apresentando nós e enternós bem nítidos, ao contrário dos estipes.  Ex: Bambu, cana-de- açúcar.
  • 14. TIPOS DE CAULE  Estolhão: São caules que rastejam sobre o solo. Em alguns casos, emitem raízes adventícias nos nós, na superfície de contato com o solo. Algumas trepadeiras podem apresentar caules desse tipo, como é o caso do maracujá, que possui um caule volúvel. Ex: Morangueiro
  • 15. TIPOS DE CAULE  Caules Subterrâneos:  Rizoma: Esse tipo de caule se desenvolve paralelamente à superfície do solo.  Do rizoma podem surgir várias folhas aéreas.  Ex: Samambaia e a bananeira.
  • 16. TIPOS DE CAULE  Tubérculo: Caules que armazenam substâncias nutritivas.  Apresentam gemas laterais bem visíveis, das quais podem surgir ou brotar novas plantas.  Ex: Batata-inglesa e o inhame.
  • 17. TIPOS DE CAULE  Bulbos: São estruturas complexas, formadas pelo caule e por folhas subterrâneas modificads.  Bulbo simples: cebola, que possui uma parte central “prato” do qual partem as folhas. Da porção inferior parem as raízes.  Bulbo composto: é o alho, em que cada dente corresponde a um pequeno bulbo.
  • 18. FOLHAS  A folha é um órgão especialmente adaptado à transpiração, gutação, respiração e fotossíntese.  São classificadas quando à duração em perenes “ folhas persistentes como a laranjeira” e caducas como a macieira, nesses vegetais as folhas caem e deixam uma cicatriz denominadas camada de abcisão.  Uma folha completa possui: limbo, pecíolo, bainha e estípulas.
  • 19. Estrutura das folhas  Limbo: porção laminar com nervuras bem visíveis, na extremidade livre (ápice) e uma extremidade presa ao pecíolo (base). O limbo pode ser dividido em diversas partes, possui aspecto de pequenas folhas denominadas folíolos, sendo no caso chamadas de folhas compostas.
  • 20. Estrutura das folhas  Pecíolo: é a região cilíndrica e flexível que sustenta as folhas.
  • 21. Estrutura das folhas  Bainha: é a parque prende o pecíolo ao caule, basal. Bainha
  • 22. Estrutura das folhas  Estípulas: Duas expansões laterais laminares de cada lado do ponto de inserção do pecíolo. http://www.upm.es/sfs/E.U.I.T.%20Agricola/FicherosEstaticosImagenes/Departam entos/Biologia/Hojas/Hoja118.jpg
  • 23. Estrutura das folhas  Algumas folhas podem ou não apresentar todas as partes características de uma folha completa. As mais comuns são:  Pecioladas: folhas que se inserem diretamente ao caule, não apresentando bainha. Comuns nas angiospermas dicotiledôneas.
  • 24. Estrutura das folhas  Sésseis: São folhas pouco comuns na natureza. Não possuem pecíolo nem bainha e a inserção ao caule é feita diretamente pela base da nervura central do limbo. O exemplo mais claro é a folha do tabaco.
  • 25. Estrutura das folhas  Invaginantes: A bainha envolve diretamente o caule, não apresentando pecíolo.  O caso mais clássico é o da folha do milho.
  • 26. Outras estruturas da folha  As folhas podem ser classificadas principalmente pelas nervuras:  Paralelinérvias: nervuras paralelas típicas das monocotiledôneas.  Peninérvias: nervuras ramificadas presentes principalmente em dicotiledôneas.
  • 27. Adaptações das folhas:  As adaptações morfológicas especiais das folhas permitem que elas desempenhem outras funções além das que já vimos.  Algumas dessas adaptações são:  Cotilédones: formações embrionárias ricas em reservas nutritivas
  • 28. Adaptações das folhas:  Gavinhas: podem ser folhas modificadas, originadas pelo alongamento do pecíolo e da nervura central, servindo para a fixação do vegetal.  Podemos observá-las em muitas plantas trepadeiras.  Espinhos: são folhas que reduziram a sua superfície como proteção contra a transpiração excessiva e para proteção contra os animais.
  • 29. Adaptações das folhas:  Brácteas: são folha existentes na base das flores. Quando coloridas, atuam na atração de polinizadores.  Ex: antúrio e bico-de-papagaio.
  • 30. Adaptações das folhas:  Catáfilos: São folhas reduzidas que protegem as gemas caulinares. Em alguns casos como a cebola e o alho, são bastante desenvolvidas e armazenam substâncias nutritivas.
  • 31. Adaptações das folhas:  Insetívoras ou carnívoras: mostram diversas adaptações para a captura de insetos. Possuem diversos formatos aptos a capturar as possíveis presas.  Folhas em forma de urna (Sarracenia sp).  Folhas dotadas de cerdas ou tentáculos (Drosera sp).
  • 32. FRUTO  Órgão encontrado somente nas angiospermas, com a finalidade protetora, mas acima de tudo, de dispersão das sementes. Portanto, suas características estão adaptadas ao tipo de dispersor, assim como, observado nas flores.  Os frutos são considerados também órgãos reprodutores. São originados após a fecundação, a partir do ovário floral. Qualquer órgão semelhante, desenvolvido a partir de qualquer outra parte floral será denominado de PSEUDOFRUTO.
  • 33. Partes de um fruto: epicarpo (1), endocarpo (2) e mesocarpo (3) 1 2 3
  • 34. CLASSIFICAÇÃO DOS FRUTOS SIMPLES: FRUTOS CARNOSOS BAGA - contém várias sementes DRUPA - contém só uma semente SECOS INDEISCENTES (não se abrem quando maduros) DEISCENTES (se abrem quando maduros)
  • 35. FRUTOS CARNOSOS DO TIPO BAGA:
  • 36. FRUTOS CARNOSOS DO TIPO DRUPA:
  • 37. FRUTOS SECOS INDEISCENTES: Cariopse ou grão - Milho Sâmara - Tipuana
  • 38. PSEUDOFRUTOS: Órgãos originados a partir de outra parte floral que não seja o ovário Pedúnculo floral Receptáculo floral Pseudofruto composto
  • 39. - Óvulo fecundado - Partes: *Tegumento *Amêndoa: formada por: Embrião – produto da fecundação da oosfera. Cotilédones – folhas embrionárias, originadas do zigoto Albúmen ou endosperma – tecido de reserva SEMENTE:
  • 41. Fisiologia Vegetal  É um ramo da botânica que estuda as funções dos vários órgãos que uma planta apresenta.  Absorção de transporte de seiva bruta:  A entrada de água ocorrem principalmente pela zona pilífera.  A água entra por osmose e os minerais por transporte ativo.
  • 42. Transporte de seiva bruta  1 –A água por osmose chega move-se através das células vivas até o xilema, assim como os minerais (transporte ativo).  2 – Através dos pelos absorventes a água movimenta-se por entre as paredes das células epidérmicas e corcicais até à endoderme, onde é barrada pelas estrias de Caspary). Os minerais fluem até à endoderme
  • 43. Transporte de seiva bruta  A seqüência do caminho percorrido pela seiva bruta até o xilema é:  Pelos absorventes  Epiderme  Córtex  Endoderme  Periciclo.
  • 44. Transporte de seiva bruta  Para que as plantas desenvolvam normalmente há necessidade de:  Macronutrientes: (precisam em maior quantidade) - nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, enxofre, magnésio.  Micronutrientes: (menor quantidade) – ferro, cloro, cobre, boro, zinco, manganês e o molibdênio.
  • 45. Transporte de Seivas nos Vegetais  Nas plantas vasculares existem tecidos especializados na condução de substâncias úteis ao vegetal:  Lenho ou xilema: transporte de seiva bruta.  Líber ou floema: conduz a seiva elaborada produzida na fotossíntese.
  • 46. Transporte de substâncias:  Ocorre que o xilema é apenas um tubo condutor, que nada pode fazer para que a água possa chegar à uma altura de 100m por exemplo.  Existem dois mecanismos para explicar o transporte da seiva bruta das raízes até a folha:  Pressão positiva da raiz  Teoria da Tensão- Coesão
  • 47. TEORIA DA TENSÃO COESÃO  A transpiração põe em movimento este transporte.  A perda de água traduz-se num déficit que cria uma força de tensão que se propaga ao xilema e deste às células da raiz, promovendo a absorção de água ao nível da raiz.  As moléculas de água, por ação de forças de coesão, unem-se por pontes de hidrogênio, facilitando a sua ascensão em coluna no xilema.  Por ação de forças de adesão, estabelecem-se ligações entre as paredes do xilema e as moléculas de água, que também facilitam a ascensão da coluna de água.  A coluna contínua em que a água ascende nos vasos xilémicos é denominada corrente de transpiração.