SlideShare uma empresa Scribd logo
17/04/14
CONCEITUAÇÃOCONCEITUAÇÃO
A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condiçãoA hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição
clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados eclínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e
sustentados de pressão arterial (PA). Associa-sesustentados de pressão arterial (PA). Associa-se
frequentemente a alterações funcionais e/ou estruturaisfrequentemente a alterações funcionais e/ou estruturais
dos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasosdos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasos
sanguíneos) e as alterações metabólicas, comsanguíneos) e as alterações metabólicas, com
consequente aumento do risco de eventosconsequente aumento do risco de eventos
cardiovasculares fatais e não-fatais.cardiovasculares fatais e não-fatais.
3
Como um fator de risco a hipertensão contribui para aComo um fator de risco a hipertensão contribui para a
velocidade em que a placa aterosclerótica se acumula dentrovelocidade em que a placa aterosclerótica se acumula dentro
das paredes artérias, levando a um aumento da tensãodas paredes artérias, levando a um aumento da tensão
sanguínea nossanguínea nos vasos, capaz de comprometer a irrigaçãovasos, capaz de comprometer a irrigação
tecidual e provocar danos aos órgãos – alvo, como o coração,tecidual e provocar danos aos órgãos – alvo, como o coração,
rins, cérebro e olhos. As consequências usuais da hipertensãorins, cérebro e olhos. As consequências usuais da hipertensão
prolongada e descontrolada são o infarto do miocárdio,prolongada e descontrolada são o infarto do miocárdio,
insuficiência cardíaca, insuficiência renal, acidentes vascularesinsuficiência cardíaca, insuficiência renal, acidentes vasculares
cerebrais e comprometimento da visão.cerebrais e comprometimento da visão.
4
D o r e s d e c a b e ç a , h e m o r r a g i a n a s a l ,
c a n s a ç o e x c e s s i v o , p o d e m s e r a l g u n s .
Q u a n t o à s c o n s e q u ê n c i a s a l g u m a s
p o d e m s e r b a s t a n t e g r a v e s t a i s c o m o :
Acidente vascular cerebral, crise
isquemica transitória, manifestada
por alterações na visão ou na fala,
tontura, fraqueza, uma queda
súbita ou paralisia temporária em
um lado (hemiplegia).
5
A hipertensão é maisA hipertensão é mais
comum em pessoascomum em pessoas
da raça negrada raça negra
Algumas pessoas herdam aAlgumas pessoas herdam a
predisposição à hipertensãopredisposição à hipertensão
arterial, que pode apresentar-searterial, que pode apresentar-se
em vários membros de umaem vários membros de uma
família.família.
O envelhecimentoO envelhecimento
aumenta o risco daaumenta o risco da
hipertensão arterialhipertensão arterial
em ambos os sexos.em ambos os sexos.
6
7
Não esta diretamente ligado áNão esta diretamente ligado á
hipertensão arterial, porém é um fatorhipertensão arterial, porém é um fator
de risco em doença cardiovasculares.de risco em doença cardiovasculares.
(Cloreto de sódio), pode facilitar e(Cloreto de sódio), pode facilitar e
agravar a hipertensão.agravar a hipertensão.
8
O uso abusivo de bebidasO uso abusivo de bebidas
alcoólicas se associa aalcoólicas se associa a
hipertensão arterial.hipertensão arterial.
A vida sedentária contribui para oA vida sedentária contribui para o
excesso de peso.excesso de peso.
9
Excesso de trabalho,Excesso de trabalho,
angustia, preocupações eangustia, preocupações e
ansiedade, podem seransiedade, podem ser
responsáveis pela elevaçãoresponsáveis pela elevação
da pressão arterial.da pressão arterial.
10
Não medicamentosoNão medicamentoso
ou mudanças no estiloou mudanças no estilo
de vida.de vida.
MedicamentosoMedicamentoso
11
o Criança;
o Idosos;
o Obesos;
o Gestantes.
12
Classificação Percentil* para PAS e PAD Frequência de medida da pressão
arterial
Normal PA < percentil 90. Reavaliar na próxima consulta
medica agendada.
Limítrofe PA entre percentis 90 a 95 ou se PA
exceder 120/80 mmHg sempre <
percentil 90 ate < percentil 95.
Reavaliar em 6 meses.
Hipertensão estagio 1 Percentil 95 a 99 mais 5 mmHg. Paciente assintomático: reavaliar
em 1 a 2 semanas; se hipertensão
confirmada encaminhar para
avaliação diagnostica. Paciente
sintomático: encaminhar para
avaliacao diagnostica
Hipertensão estagio 2 PA > percentil 99 mais 5 mmHg. Encaminhar para avaliação
diagnostica.
Hipertensão do avental branco PA > percentil 95 em ambulatório
ou
consultório e PA normal em
ambientes não-relacionados a
pratica clinica
Tabela 1 – Classificação da pressão arterial para crianças e adolescentes (modificado do The Fourth
Report on the Diagnosis, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure in Children and Adolescents).
* Para idade, sexo e percentil de estatura
Sitolica Diastolica Seguimento
< 130 < 85 Reavaliar em 1 ano
Estimular mudanças de estilo de
vida
130–139 85–89 Reavaliar em 6 meses***
Insistir em mudanças do estilo
de vida
140–159 90–99 Confirmar em 2 meses***
Considerar MAPA/MRPA
160–179 100–109 Confirmar em 1 mes***
Considerar MAPA/MRPA
≥ 180 ≥ 110 Intervenção medicamentosa
imediata ou reavaliar em 1
semana***
Tabela 2 – Recomendações para o seguimento: prazos máximos para reavaliação
*Modificar o esquema de seguimento de acordo com a condição clínica do paciente.
** Se as pressões sistólicas ou diastólicas forem de estágios diferentes, o seguimento recomendado deve ser
definido pelo maior nível de pressão.
*** Considerar intervenção de acordo com a situação clínica do paciente (fatores de risco maiores, doenças
associadas e lesão em órgãos-alvo).
Classificação Pressao sistolica (mmHg) Pressao diastolica (mmHg)
Ótima < 120 < 80
Normal < 130 < 85
Limítrofe* 130–139 85–89
Hipertensão estagio 1 140–159 90–99
Hipertensão estagio 2 160–179 100–109
Hipertensão estagio 3 ≥ 180 ≥ 110
Hipertensão sistólica isolada ≥ 140 < 90
Tabela 3 - Classificação da pressão arterial de acordo com a medida casual no consultório (> 18 anos).
Quando as pressões sistólica e diastólica situam-se em categorias diferentes, a maior deve ser utilizada para
classificação da pressão arterial.
* Pressão normal-alta ou pré-hipertensão são termos que se equivalem na literatura.
oEfeito do avental branco;
oHipertensão;
oNormotensão verdadeira;
oHipertensão sistólica isolada;
oHipertensão do avental branco;
oHipertensão mascarada.
16
17
OCORAÇÃOTRABLHA EMDOIS TEMPOSOCORAÇÃOTRABLHA EMDOIS TEMPOS
Quando se dilata
(sístole)
enche-se de sangue
Quando se contrai
(diástole)
expulsa o sangue
SÍSTOLE DIASTOLE
Graças a esses movimentos de contração e dilatação o sangue circulaGraças a esses movimentos de contração e dilatação o sangue circula
permanentemente pelos vasos sanguíneos (artérias e veias).permanentemente pelos vasos sanguíneos (artérias e veias).
18
MáximaMáxima
MínimaMínima
Chamada de sistólica, é exercida peloChamada de sistólica, é exercida pelo
batimento cardíaco no memento em quebatimento cardíaco no memento em que
o ventrículo esquerdo ejeta o sangueo ventrículo esquerdo ejeta o sangue
através da artéria aorta. O termo sistólicaatravés da artéria aorta. O termo sistólica
refere-se a sístole que é a fase derefere-se a sístole que é a fase de
contração do ventrículo esquerdo dacontração do ventrículo esquerdo da
ejeção de um volume de sangue (debitoejeção de um volume de sangue (debito
cardíaco).cardíaco).
Chamada de diastólica, é aChamada de diastólica, é a
pressão que estápressão que está
continuamente presente nascontinuamente presente nas
artérias, na fase deartérias, na fase de
relaxamento (diástole) erelaxamento (diástole) e
enchimento do ventrículo.enchimento do ventrículo.
19
O s a n g u e c i r c u l a p e l o c o r p o
h u m a n o g r a ç a s a o e f e i t o
i m p u l s o r d o c o r a ç ã o . . .
. . . Q u e a t u a c o m o s e
f o s s e u m a b o m b a .
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s
20
Os níveis pressóricos considerados ÓTIMOS são 120/80 mmHgOs níveis pressóricos considerados ÓTIMOS são 120/80 mmHg
Segundo as V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão ArterialSegundo as V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
oHipertensão sistólica isolada (HSI);
oHipertrofia ventricular esquerda;
oSíndrome metabólica (SM);
oDiabéticos;
oDoença arterial periférica (DAP);
oCurva J.
22
23
São necessários de 3 a 6São necessários de 3 a 6
aferições elevadas realizadasaferições elevadas realizadas
em dias diferentes, o pacienteem dias diferentes, o paciente
considerado hipertenso é aqueleconsiderado hipertenso é aquele
que apresenta a sua pressãoque apresenta a sua pressão
arterial elevada frequentementearterial elevada frequentemente
e durante vários períodos do dia.e durante vários períodos do dia.
Primeiro, para o indivíduo saber se é hipertenso,Primeiro, para o indivíduo saber se é hipertenso,
basta medir sua pressão arterialbasta medir sua pressão arterial .
24
Sendo hipertenso,
com um tratamento
adequado, pode-se
controlar a
pressão arterial
levando o paciente
a ter uma vida
absolutamente
normal.
Esse tratamento poderá
estender-se por
toda a vida.
Nos casos em que o
indivíduo não
possa curar-se.
25
A Alimentação é um
fator muito importante
no tratamento e
prevenção da
hipertensão.
26
SEGUNDO:
Reduzir a ingestão
de alimentos com
muitas calorias e
diminuir os
alimentos ricos em
gordura animal.
PRA COMEÇAR:
Fugir do sal.Fugir do sal.
27
TERCEIRO:
Prefirir alimentos
frescos. E que
tenham pouco sal.
QUARTO:
Relaxar!
Muitas pessoas
conseguem
controlar sua
pressão apenas
com alimentação
apropriada.
28
- Frutas frescas e sucos;
- Verduras frescas;
- Aves;
- Pescados;
- Carnes magras;
- Cereais.
RECOMENDADOS
ALIMENTOS
29
N Ã O R E C O M E N D A D O S
- F r i t u r a s
- C r e m e d e l e i t e
- M a i o n e s e
- F r i o s
- E m b u t i d o s ( s a l s i c h a ,
l i n g u i ç a , p r e s u n t o ,
m o r t a d e l a , s a l a m e ,
c o p a , e t c . )
- B a n h a
- E n l a t a d o s
A L I M E N T O S
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 30
D e v e - s e p a r a r t o t a l m e n t e
d e u s a r b e b i d a a l c o ó l i c a .
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 31
32
N o t e b e m , o s e x e r c íc i o s f ís i c o s
d e v e m s e r o r i e n t a d o s p e l o
m é d i c o p a r a q u e n ã o s e j a m
p r e j u d i c i a i s .
E x e r c íc i o s q u e e x i j a m g r a n d e s
e s f o r ç o s f ís i c o s n ã o s ã o
r e c o m e n d a d o s .
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 33
PRATIQUE
Caminhada pelo bairro...Caminhada pelo bairro...
34
P o r s i s ó , e l e s n ã o
d i m i n u e m a t e n s ã o
a r t e r i a l , m a s
c o n t r i b u e m p a r a r e d u z i r
o e x c e s s o d e p e s o .
C o n s e r v a r o b o m
e s t a d o d o c o r a ç ã o
e a r t é r i a s , a l i v i a r
o e s t r e s s e f a v o r e c e r
o r e l a x a m e n t o .
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 35
36
Derrame
Cerebral
Diminuição
da visão
por lesões
na retina
Lesão
nas
artérias
Dano sério
nos rins
Desgaste
acelerado
no coração
por Doenças
no Coração
(infarto, insuficiência
cardíaca e arritmias)
37
“ A u m e n t o d a m a s s a
m u s c u l a r d o c o r a ç ã o . “
I S T O É R U I M !
C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L TA
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 38
39
C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L TA
“ D a n o s é r i o n o s r i n s . “
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 40
C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L T A
“ A u m e n t a o r i s c o d e d e r r a m e “
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 41
C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L TA
“ D i m i n u i ç ã o d a v i s ã o . “
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 42
P a r a f i n a l i z a r,
f a l a r e m o s s o b r e
o s m e d i c a m e n t o s
q u e d e v e r ã o s e r
i n d i c a d o s p e l o m é d i c o ,
p o i s c a d a c a s o
é u m c a s o .
N ã o v á t o m a r r e m é d i o s
q u e d i m i n u e m
a p r e s s ã o a r t e r i a l
p o r c o n t a p r ó p r i a , h é i n ?
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 43
Objetivos
O objetivo primordial do tratamento da
hipertensão arterial é a redução da morbidade
e da mortalidade cardiovasculares. Assim, os
anti-hipertensivos devem não só reduzir a
pressão arterial, mas também os eventos
cardiovasculares fatais e não fatais, e, se
possível, a taxa de mortalidade.
44
o Ser eficaz por via oral.Ser eficaz por via oral.
o Ser bem tolerado.Ser bem tolerado.
o Permitir a administração em menor número possível dePermitir a administração em menor número possível de
tomadas diárias, com preferência para dose única diária.tomadas diárias, com preferência para dose única diária.
o Iniciar com as menores doses efetivas preconizadas paraIniciar com as menores doses efetivas preconizadas para
cada situação clínica, podendo ser aumentadascada situação clínica, podendo ser aumentadas
gradativamente. Deve-se levar em conta quanto maior agradativamente. Deve-se levar em conta quanto maior a
dose, maiores serão as probabilidades de efeitosdose, maiores serão as probabilidades de efeitos
adversos.adversos.
o Pode-se considerar o uso combinado de medicamentosPode-se considerar o uso combinado de medicamentos
anti-hipertensivos em pacientes com hipertensão emanti-hipertensivos em pacientes com hipertensão em
estágios II e III que, na maioria das vezes, não respondem àestágios II e III que, na maioria das vezes, não respondem à
monoterapia.monoterapia.
45
Diuréticos
O mecanismo de ação anti-hipertensiva dos
diuréticos se relaciona inicialmente aos seus
efeitos diuréticos e natriuréticos, com
diminuição do volume extracelular.
Principais reações adversas
Hipopotassemia, por vezes acompanhada de
hipomagnesemia, que pode induzir arritmias
ventriculares, e hiperuricemia.
Ex.: Hidroclorotiazida 46
Inibidores adrenérgicos
Ação central
Atuam estimulando os receptores alfa-2
adrenérgicos pré-sinápticos no sistema
nervoso central, reduzindo o tônus
simpático, como fazem a alfa metildopa, a
clonidina e o guanabenzo e/ou os inibidores
dos receptores imidazolidinicos, como
moxonidina e a rilmenidina.
Ex: Alfametildopa
47
Betabloqueadores
Seu mecanismo anti-hipertensivo envolve diminuição
inicial do debito cardíaco, redução da secreção de
renina, readaptação dos barorreceptores e diminuição
das catecolaminas nas sinapses nervosas.
Principais reações adversas
Broncoespasmo, bradicardia , distúrbios da condução
atrioventricular, vasoconstrição periférica, insônia,
pesadelos, depressão psíquica, astenia e disfunção
sexual.
EX: Atenolol 48
Alfabloqueadores
Apresentam efeito hipotensor discreto a longo
prazo como monoterapia, devendo, portanto, ser
associados com outros anti-hipertensivos. Podem
induzir ao aparecimento de tolerância, o que exige
o uso de doses gradativamente crescentes.
Principais reações adversas
Hipotensão postural, mais evidente com a primeira
dose, sobretudo se a dose inicial for alta,
palpitações e, eventualmente, astenia.
Ex: Doxazosina
49
Vasodilatadores diretos
Atuam sobre a musculatura da parede vascular,
promovendo relaxamento muscular com
consequente vasodilatação e redução da
resistência vascular periférica. São utilizados em
associação com diuréticos e/ou betabloqueadores.
Principais reações adversas
Pela vasodilatação arterial direta, promovem
retenção hídrica e taquicardia reflexa, o que
contraindica seu uso como monoterapia.
EX: Hidralazina 50
Antagonistas dos canais de cálcio
A ação anti-hipertensiva decorre da redução da
resistência vascular periférica por diminuição da
concentração de cálcio nas células musculares lisas
vasculares.
Principais reações adversas
Cefaleia, tontura, rubor facial – mais frequente
com diidropiridinicos de curta ação – e edema de
extremidades, sobretudo maleolar.
EX: Anlodipino
51
Inibidores da enzima conversora da
angiotensina
Agem fundamentalmente pela inibição da enzima
conversora da angiotensina (ECA), bloqueando a
transformação da angiotensina I em II no sangue e nos
tecidos, embora outros fatores possam estar envolvidos
nesse mecanismo de ação.
Principais reações adversas
Tosse seca, alteração do paladar e, mais raramente,
reações de hipersensibilidade com erupção cutânea e
edema angioneurotico.
Ex: Captopril 52
Bloqueadores dos receptores AT1 da
angiotensina II
Bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II (BRA
II) antagonizam a ação da angiotensina II por meio do
bloqueio especifico de seus receptores AT1. São eficazes
no tratamento da hipertensão.
Principais reações adversas
Os bloqueadores do receptor AT1 apresentam bom perfil de
tolerabilidade. Foram relatadas tontura e, raramente, reação
de hipersensibilidade cutânea (“rash”). As precauções para
seu uso são semelhantes as descritas para os IECA.
Ex:Ex: Losartana 53
Inibidores diretos da renina
Alisquireno, único representante da classe atualmente
disponível para uso clinico, promove uma inibição direta da
ação da renina com consequente diminuição da formação de
angiotensina
Principais reações adversas
Apresentam boa tolerabilidade. “Rash” cutâneo, diarreia
(especialmente com doses elevadas, acima de 300 mg/dia),
aumento de CPK e tosse são os eventos mais frequentes,
porem em geral com incidência inferior a 1%. Seu uso e
contraindicado na gravidez.
Ex:Ex: Alisquireno 54
55
56
F a t o r e s i m p o r t a n t e s n a a d e s ã o
a o t r a t a m e n t o
F a t o r e s i m p o r t a n t e s n a a d e s ã o
a o t r a t a m e n t o
2 ) R e l a c i o n a d o s à s m e d i d a s
h i g i e n o - d i e t é t i c a s :
3 ) R e l a c i o n a d o s a o m e d i c a m e n to :
D i e t a h i p o s s ó d i c a
R e d u ç ã o d o p e s o c o r p o r a l
A p r á t i c a d i á r i a d e e x e r c íc i o
A i m p o r t â n c i a d a t r a n q u i l i d a d e
O u s o d i s c r e t o d o á l c o o lN ú m e r o e x a g e r a d o d e m e d i c a m e n t o s
N ú m e r o e x a g e r a d o d e c o m p r i m i d o s
N e c e s s i d a d e d e t r a t a m e n t o p r o l o n g a d o
E x i s t ê n c i a d e e f e i t o s c o la t e r a i s
P r e ç o e l e v a d o d o m e d i c a m e n t o
1 ) R e l a c i o n a d o s a o m é d i c o :
R e l a ç ã o m é d i c o - p a c i e n t e d i f íc i l
I m p o s i ç ã o d e e s q u e m a s t e r a p ê u t i c o s
c o m p l e x o s
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 57
F a t o r e s i m p o r t a n te s n a a d e s ã o
a o t r a t a m e n t o
F a t o r e s i m p o r t a n te s n a a d e s ã o
a o t r a t a m e n t o
5 ) R e l a c i o n a d o s à i n s t i t u i ç ã o :
6 ) R e l a c i o n a d o s a o p a c i e n t e :
G r a n d e d i s t â n c i a d o d o m i c íl i o
L o n g o i n t e r v a l o e n t r e a s c o n s u l t a s
M u d a n ç a f r e q ü e n t e d e m é d i c o
E s p e r a s m u i t o p r o l o n g a d a s
M a u a t e n d i m e n t oB a i x o p a d r ã o c u l t u r a l e d e e d u c a ç ã o
I g n o r â n c i a s o b r e a s c o n s e q ü ê n c i a s
d a h i p e r t e n s ã o
A u s ê n c i a d e a p o i o f a m i l ia r
I m p r e s s ã o d e j á e s t a r c u r a d o
4 ) R e l a c i o n a d o s à d o e n ç a :
A u s ê n c i a d e s i n t o m a s n a s h i p e r -
t e n s õ e s l i m ít r o f e , l e v e a m o d e r a d a
A u s ê n c i a d e c o n s e q ü ê n c i a s a c u r t o
p r a z o
M I N I S T É R I O D A S A Ú D E
C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 58
59
o Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de
Diabetes e Hipertensão Arteiral Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e Diabetes
mellitus (DM): protocolo. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.96 p. il.
(Cadernos de atenção Básica, 7).
o Brunner & Suddarth, tratado de enfermagem médico – cirúrgica / [editores]
Suzanne C. Smeltzer...[et al.]. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
o Doenges, Marilynn., 1922 – Diagnóstico de Enfermagem: Intervenções,
Prioridades, Fundamentos / revisão técnica Sônia Regina de Souza. – Rio de
Janeiro : Guanabara Koogan, 2010.
o GIORGI, Dante Marcelo A.. Revista de Hipertensão: Diretrizes Brasileira de
Hipertensão VI. Ed. Sociedade Brasileira de Hipertensão. Janeiro, Fevereiro e
Março de 2010 Ano 13, Volume 13, Número 1.
o www.apah.org.br
o www.eusou12por8.com.br
o http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2006/VDiretriz-HA.pdf
o http://www.consensos.med.br/
o O hospital: manual do ambiente hospitalar. 3. ed. Curitiba: Os autores, 2009.
Hipertensão Arterial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
Professor Robson
 
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Hipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor RobsonHipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor Robson
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Professor Robson
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
joselene beatriz
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
Fernanda Marinho
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
mhm1979
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
Laboratório Sérgio Franco
 
Trabalho hipertensão arterial 1
Trabalho   hipertensão arterial 1Trabalho   hipertensão arterial 1
Trabalho hipertensão arterial 1
R.C.T
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
LUNATH
 
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Sandra Flôr
 
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas FontesHiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
Ellen Santos
 
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VIAula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
Professor Robson
 
Hipertensão arterial em idosos
Hipertensão arterial em idososHipertensão arterial em idosos
Hipertensão arterial em idosos
Tassia Lemos
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
alimentacao
 
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor RobsonPressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Professor Robson
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
Ellen Santos
 

Mais procurados (20)

Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
 
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Hipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor RobsonHipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor Robson
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Trabalho hipertensão arterial 1
Trabalho   hipertensão arterial 1Trabalho   hipertensão arterial 1
Trabalho hipertensão arterial 1
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
 
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas FontesHiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
 
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VIAula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
 
Hipertensão arterial em idosos
Hipertensão arterial em idososHipertensão arterial em idosos
Hipertensão arterial em idosos
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor RobsonPressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
 

Destaque

Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
cipasap
 
Tratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA
Tratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICATratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA
Tratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA
Marco Aguiar
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
lidypvh
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
guest30e4af
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Marco Enomoto
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãO
Jose Eduardo
 
hipertensao_arterial
hipertensao_arterialhipertensao_arterial
hipertensao_arterial
catianelameida
 
Hipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão altaHipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão alta
karol_ribeiro
 
Trabalho saúde coletiva (1)
Trabalho saúde coletiva (1)Trabalho saúde coletiva (1)
Trabalho saúde coletiva (1)
Luzia Alves
 
V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão ArterialV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
Professor Robson
 
WebGincana Hipertensão
WebGincana HipertensãoWebGincana Hipertensão
WebGincana Hipertensão
rlimonete
 
HipertensãO
HipertensãOHipertensãO
HipertensãO
Marco Enomoto
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
CNProf
 
Obesidade Infantil
Obesidade InfantilObesidade Infantil
Obesidade Infantil
guest2fcfae
 
Alimentacao infantil cristiane_machado
Alimentacao infantil cristiane_machadoAlimentacao infantil cristiane_machado
Alimentacao infantil cristiane_machado
Flavio Chaves
 
Prevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: EducaçãoPrevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: Educação
Elcos&Ulcus - Sociedade Feridas
 
Slide curso mães
Slide curso mães Slide curso mães
Slide curso mães
Agricultura Sao Paulo
 
Habitos alimentares e prevenção de doenças
Habitos alimentares e prevenção de doençasHabitos alimentares e prevenção de doenças
Habitos alimentares e prevenção de doenças
SuseGonzalez
 
Alimentação nas crianças
Alimentação nas criançasAlimentação nas crianças
Alimentação nas crianças
2014 Petanca
 

Destaque (20)

Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
 
Tratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA
Tratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICATratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA
Tratamento da HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãO
 
hipertensao_arterial
hipertensao_arterialhipertensao_arterial
hipertensao_arterial
 
Hipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão altaHipertensão arterial ou pressão alta
Hipertensão arterial ou pressão alta
 
Trabalho saúde coletiva (1)
Trabalho saúde coletiva (1)Trabalho saúde coletiva (1)
Trabalho saúde coletiva (1)
 
V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão ArterialV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
 
WebGincana Hipertensão
WebGincana HipertensãoWebGincana Hipertensão
WebGincana Hipertensão
 
HipertensãO
HipertensãOHipertensãO
HipertensãO
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 
Obesidade Infantil
Obesidade InfantilObesidade Infantil
Obesidade Infantil
 
Alimentacao infantil cristiane_machado
Alimentacao infantil cristiane_machadoAlimentacao infantil cristiane_machado
Alimentacao infantil cristiane_machado
 
Prevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: EducaçãoPrevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: Educação
 
Slide curso mães
Slide curso mães Slide curso mães
Slide curso mães
 
Habitos alimentares e prevenção de doenças
Habitos alimentares e prevenção de doençasHabitos alimentares e prevenção de doenças
Habitos alimentares e prevenção de doenças
 
Alimentação nas crianças
Alimentação nas criançasAlimentação nas crianças
Alimentação nas crianças
 
Pé diabético
Pé diabéticoPé diabético
Pé diabético
 

Semelhante a Hipertensão Arterial

Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
fabriciofigueiredo
 
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Lana Delly Nascimento
 
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptxHIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
CarlaAlves362153
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
Marcelo Nascimento
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
Juliana Borges
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
naragirao
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
leidianerodrigues35
 
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmicaAula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
DieslleyAmorim1
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
Denise Selegato
 
Hipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completoHipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completo
Tookmed
 
Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas
Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas AlternativasCuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas
Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas
Filipe Moreira
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
guestdb29f
 
29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico
Thiago Paulino
 
Rev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primáriaRev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primária
Márcia Loureiro
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
Arquivo-FClinico
 
Fluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robson
Fluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robsonFluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robson
Fluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robson
Professor Robson
 
Hipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdfHipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdf
juniorcef
 
Hipertensão infantil
Hipertensão infantilHipertensão infantil
Hipertensão infantil
Elidicrésia Oliveira
 
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
coordraspi
 
Enfcardio02
Enfcardio02Enfcardio02
Enfcardio02
Claudio Viegas
 

Semelhante a Hipertensão Arterial (20)

Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
 
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
Hipertensão-caso clínico,conceito, estrutura anatômica afetada,etiologia,acha...
 
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptxHIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
HIPERTENSO_ARTERIAL_SISTMICA.pptx
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
 
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmicaAula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
 
Hipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completoHipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completo
 
Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas
Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas AlternativasCuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas
Cuidados Básicos de Saúde e Medicinas Alternativas
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
 
29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico
 
Rev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primáriaRev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primária
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
 
Fluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robson
Fluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robsonFluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robson
Fluxograma para manejo da hipertensão arterial professor robson
 
Hipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdfHipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdf
 
Hipertensão infantil
Hipertensão infantilHipertensão infantil
Hipertensão infantil
 
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
 
Enfcardio02
Enfcardio02Enfcardio02
Enfcardio02
 

Mais de ivanaferraz

Puberdade
PuberdadePuberdade
Puberdade
ivanaferraz
 
Choque
Choque   Choque
Choque
ivanaferraz
 
Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)
Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)
Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)
ivanaferraz
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
ivanaferraz
 
O Que é Hipertensão Arterial
O Que é Hipertensão ArterialO Que é Hipertensão Arterial
O Que é Hipertensão Arterial
ivanaferraz
 
Curtir Sem Drogas
Curtir Sem DrogasCurtir Sem Drogas
Curtir Sem Drogas
ivanaferraz
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
ivanaferraz
 
Panfleto - Importância da Vacinação para a Criança
Panfleto - Importância da Vacinação para a CriançaPanfleto - Importância da Vacinação para a Criança
Panfleto - Importância da Vacinação para a Criança
ivanaferraz
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
ivanaferraz
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagem
ivanaferraz
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
ivanaferraz
 
Cirrose Hepática
Cirrose HepáticaCirrose Hepática
Cirrose Hepática
ivanaferraz
 
Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)
Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)
Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)
ivanaferraz
 
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vidaProjeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
ivanaferraz
 
Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.
Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.
Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.
ivanaferraz
 
SUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em ConstruçãoSUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em Construção
ivanaferraz
 
NOAS 01/2001
NOAS 01/2001NOAS 01/2001
NOAS 01/2001
ivanaferraz
 
Higiene é Saúde
Higiene é SaúdeHigiene é Saúde
Higiene é Saúde
ivanaferraz
 
Estudo Ecológico
Estudo EcológicoEstudo Ecológico
Estudo Ecológico
ivanaferraz
 
Estágios da Mortee
Estágios da MorteeEstágios da Mortee
Estágios da Mortee
ivanaferraz
 

Mais de ivanaferraz (20)

Puberdade
PuberdadePuberdade
Puberdade
 
Choque
Choque   Choque
Choque
 
Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)
Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)
Doenças sexualmente transmissiveis (DST's)
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
O Que é Hipertensão Arterial
O Que é Hipertensão ArterialO Que é Hipertensão Arterial
O Que é Hipertensão Arterial
 
Curtir Sem Drogas
Curtir Sem DrogasCurtir Sem Drogas
Curtir Sem Drogas
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Panfleto - Importância da Vacinação para a Criança
Panfleto - Importância da Vacinação para a CriançaPanfleto - Importância da Vacinação para a Criança
Panfleto - Importância da Vacinação para a Criança
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagem
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Cirrose Hepática
Cirrose HepáticaCirrose Hepática
Cirrose Hepática
 
Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)
Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)
Metodo da Amenorreia da Lactaçao (LAM)
 
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vidaProjeto promoção a saude e qualidade_de_vida
Projeto promoção a saude e qualidade_de_vida
 
Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.
Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.
Sexualide, Gravidez e Abortamento na Adolescência.
 
SUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em ConstruçãoSUS Um Processo Social em Construção
SUS Um Processo Social em Construção
 
NOAS 01/2001
NOAS 01/2001NOAS 01/2001
NOAS 01/2001
 
Higiene é Saúde
Higiene é SaúdeHigiene é Saúde
Higiene é Saúde
 
Estudo Ecológico
Estudo EcológicoEstudo Ecológico
Estudo Ecológico
 
Estágios da Mortee
Estágios da MorteeEstágios da Mortee
Estágios da Mortee
 

Hipertensão Arterial

  • 2.
  • 3. CONCEITUAÇÃOCONCEITUAÇÃO A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condiçãoA hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados eclínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-sesustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou estruturaisfrequentemente a alterações funcionais e/ou estruturais dos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasosdos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasos sanguíneos) e as alterações metabólicas, comsanguíneos) e as alterações metabólicas, com consequente aumento do risco de eventosconsequente aumento do risco de eventos cardiovasculares fatais e não-fatais.cardiovasculares fatais e não-fatais. 3
  • 4. Como um fator de risco a hipertensão contribui para aComo um fator de risco a hipertensão contribui para a velocidade em que a placa aterosclerótica se acumula dentrovelocidade em que a placa aterosclerótica se acumula dentro das paredes artérias, levando a um aumento da tensãodas paredes artérias, levando a um aumento da tensão sanguínea nossanguínea nos vasos, capaz de comprometer a irrigaçãovasos, capaz de comprometer a irrigação tecidual e provocar danos aos órgãos – alvo, como o coração,tecidual e provocar danos aos órgãos – alvo, como o coração, rins, cérebro e olhos. As consequências usuais da hipertensãorins, cérebro e olhos. As consequências usuais da hipertensão prolongada e descontrolada são o infarto do miocárdio,prolongada e descontrolada são o infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, insuficiência renal, acidentes vascularesinsuficiência cardíaca, insuficiência renal, acidentes vasculares cerebrais e comprometimento da visão.cerebrais e comprometimento da visão. 4
  • 5. D o r e s d e c a b e ç a , h e m o r r a g i a n a s a l , c a n s a ç o e x c e s s i v o , p o d e m s e r a l g u n s . Q u a n t o à s c o n s e q u ê n c i a s a l g u m a s p o d e m s e r b a s t a n t e g r a v e s t a i s c o m o : Acidente vascular cerebral, crise isquemica transitória, manifestada por alterações na visão ou na fala, tontura, fraqueza, uma queda súbita ou paralisia temporária em um lado (hemiplegia). 5
  • 6. A hipertensão é maisA hipertensão é mais comum em pessoascomum em pessoas da raça negrada raça negra Algumas pessoas herdam aAlgumas pessoas herdam a predisposição à hipertensãopredisposição à hipertensão arterial, que pode apresentar-searterial, que pode apresentar-se em vários membros de umaem vários membros de uma família.família. O envelhecimentoO envelhecimento aumenta o risco daaumenta o risco da hipertensão arterialhipertensão arterial em ambos os sexos.em ambos os sexos. 6
  • 7. 7
  • 8. Não esta diretamente ligado áNão esta diretamente ligado á hipertensão arterial, porém é um fatorhipertensão arterial, porém é um fator de risco em doença cardiovasculares.de risco em doença cardiovasculares. (Cloreto de sódio), pode facilitar e(Cloreto de sódio), pode facilitar e agravar a hipertensão.agravar a hipertensão. 8
  • 9. O uso abusivo de bebidasO uso abusivo de bebidas alcoólicas se associa aalcoólicas se associa a hipertensão arterial.hipertensão arterial. A vida sedentária contribui para oA vida sedentária contribui para o excesso de peso.excesso de peso. 9
  • 10. Excesso de trabalho,Excesso de trabalho, angustia, preocupações eangustia, preocupações e ansiedade, podem seransiedade, podem ser responsáveis pela elevaçãoresponsáveis pela elevação da pressão arterial.da pressão arterial. 10
  • 11. Não medicamentosoNão medicamentoso ou mudanças no estiloou mudanças no estilo de vida.de vida. MedicamentosoMedicamentoso 11
  • 12. o Criança; o Idosos; o Obesos; o Gestantes. 12
  • 13. Classificação Percentil* para PAS e PAD Frequência de medida da pressão arterial Normal PA < percentil 90. Reavaliar na próxima consulta medica agendada. Limítrofe PA entre percentis 90 a 95 ou se PA exceder 120/80 mmHg sempre < percentil 90 ate < percentil 95. Reavaliar em 6 meses. Hipertensão estagio 1 Percentil 95 a 99 mais 5 mmHg. Paciente assintomático: reavaliar em 1 a 2 semanas; se hipertensão confirmada encaminhar para avaliação diagnostica. Paciente sintomático: encaminhar para avaliacao diagnostica Hipertensão estagio 2 PA > percentil 99 mais 5 mmHg. Encaminhar para avaliação diagnostica. Hipertensão do avental branco PA > percentil 95 em ambulatório ou consultório e PA normal em ambientes não-relacionados a pratica clinica Tabela 1 – Classificação da pressão arterial para crianças e adolescentes (modificado do The Fourth Report on the Diagnosis, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure in Children and Adolescents). * Para idade, sexo e percentil de estatura
  • 14. Sitolica Diastolica Seguimento < 130 < 85 Reavaliar em 1 ano Estimular mudanças de estilo de vida 130–139 85–89 Reavaliar em 6 meses*** Insistir em mudanças do estilo de vida 140–159 90–99 Confirmar em 2 meses*** Considerar MAPA/MRPA 160–179 100–109 Confirmar em 1 mes*** Considerar MAPA/MRPA ≥ 180 ≥ 110 Intervenção medicamentosa imediata ou reavaliar em 1 semana*** Tabela 2 – Recomendações para o seguimento: prazos máximos para reavaliação *Modificar o esquema de seguimento de acordo com a condição clínica do paciente. ** Se as pressões sistólicas ou diastólicas forem de estágios diferentes, o seguimento recomendado deve ser definido pelo maior nível de pressão. *** Considerar intervenção de acordo com a situação clínica do paciente (fatores de risco maiores, doenças associadas e lesão em órgãos-alvo).
  • 15. Classificação Pressao sistolica (mmHg) Pressao diastolica (mmHg) Ótima < 120 < 80 Normal < 130 < 85 Limítrofe* 130–139 85–89 Hipertensão estagio 1 140–159 90–99 Hipertensão estagio 2 160–179 100–109 Hipertensão estagio 3 ≥ 180 ≥ 110 Hipertensão sistólica isolada ≥ 140 < 90 Tabela 3 - Classificação da pressão arterial de acordo com a medida casual no consultório (> 18 anos). Quando as pressões sistólica e diastólica situam-se em categorias diferentes, a maior deve ser utilizada para classificação da pressão arterial. * Pressão normal-alta ou pré-hipertensão são termos que se equivalem na literatura.
  • 16. oEfeito do avental branco; oHipertensão; oNormotensão verdadeira; oHipertensão sistólica isolada; oHipertensão do avental branco; oHipertensão mascarada. 16
  • 17. 17
  • 18. OCORAÇÃOTRABLHA EMDOIS TEMPOSOCORAÇÃOTRABLHA EMDOIS TEMPOS Quando se dilata (sístole) enche-se de sangue Quando se contrai (diástole) expulsa o sangue SÍSTOLE DIASTOLE Graças a esses movimentos de contração e dilatação o sangue circulaGraças a esses movimentos de contração e dilatação o sangue circula permanentemente pelos vasos sanguíneos (artérias e veias).permanentemente pelos vasos sanguíneos (artérias e veias). 18
  • 19. MáximaMáxima MínimaMínima Chamada de sistólica, é exercida peloChamada de sistólica, é exercida pelo batimento cardíaco no memento em quebatimento cardíaco no memento em que o ventrículo esquerdo ejeta o sangueo ventrículo esquerdo ejeta o sangue através da artéria aorta. O termo sistólicaatravés da artéria aorta. O termo sistólica refere-se a sístole que é a fase derefere-se a sístole que é a fase de contração do ventrículo esquerdo dacontração do ventrículo esquerdo da ejeção de um volume de sangue (debitoejeção de um volume de sangue (debito cardíaco).cardíaco). Chamada de diastólica, é aChamada de diastólica, é a pressão que estápressão que está continuamente presente nascontinuamente presente nas artérias, na fase deartérias, na fase de relaxamento (diástole) erelaxamento (diástole) e enchimento do ventrículo.enchimento do ventrículo. 19
  • 20. O s a n g u e c i r c u l a p e l o c o r p o h u m a n o g r a ç a s a o e f e i t o i m p u l s o r d o c o r a ç ã o . . . . . . Q u e a t u a c o m o s e f o s s e u m a b o m b a . M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 20
  • 21. Os níveis pressóricos considerados ÓTIMOS são 120/80 mmHgOs níveis pressóricos considerados ÓTIMOS são 120/80 mmHg Segundo as V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão ArterialSegundo as V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial
  • 22. oHipertensão sistólica isolada (HSI); oHipertrofia ventricular esquerda; oSíndrome metabólica (SM); oDiabéticos; oDoença arterial periférica (DAP); oCurva J. 22
  • 23. 23
  • 24. São necessários de 3 a 6São necessários de 3 a 6 aferições elevadas realizadasaferições elevadas realizadas em dias diferentes, o pacienteem dias diferentes, o paciente considerado hipertenso é aqueleconsiderado hipertenso é aquele que apresenta a sua pressãoque apresenta a sua pressão arterial elevada frequentementearterial elevada frequentemente e durante vários períodos do dia.e durante vários períodos do dia. Primeiro, para o indivíduo saber se é hipertenso,Primeiro, para o indivíduo saber se é hipertenso, basta medir sua pressão arterialbasta medir sua pressão arterial . 24
  • 25. Sendo hipertenso, com um tratamento adequado, pode-se controlar a pressão arterial levando o paciente a ter uma vida absolutamente normal. Esse tratamento poderá estender-se por toda a vida. Nos casos em que o indivíduo não possa curar-se. 25
  • 26. A Alimentação é um fator muito importante no tratamento e prevenção da hipertensão. 26
  • 27. SEGUNDO: Reduzir a ingestão de alimentos com muitas calorias e diminuir os alimentos ricos em gordura animal. PRA COMEÇAR: Fugir do sal.Fugir do sal. 27
  • 28. TERCEIRO: Prefirir alimentos frescos. E que tenham pouco sal. QUARTO: Relaxar! Muitas pessoas conseguem controlar sua pressão apenas com alimentação apropriada. 28
  • 29. - Frutas frescas e sucos; - Verduras frescas; - Aves; - Pescados; - Carnes magras; - Cereais. RECOMENDADOS ALIMENTOS 29
  • 30. N Ã O R E C O M E N D A D O S - F r i t u r a s - C r e m e d e l e i t e - M a i o n e s e - F r i o s - E m b u t i d o s ( s a l s i c h a , l i n g u i ç a , p r e s u n t o , m o r t a d e l a , s a l a m e , c o p a , e t c . ) - B a n h a - E n l a t a d o s A L I M E N T O S M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 30
  • 31. D e v e - s e p a r a r t o t a l m e n t e d e u s a r b e b i d a a l c o ó l i c a . M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 31
  • 32. 32
  • 33. N o t e b e m , o s e x e r c íc i o s f ís i c o s d e v e m s e r o r i e n t a d o s p e l o m é d i c o p a r a q u e n ã o s e j a m p r e j u d i c i a i s . E x e r c íc i o s q u e e x i j a m g r a n d e s e s f o r ç o s f ís i c o s n ã o s ã o r e c o m e n d a d o s . M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 33
  • 35. P o r s i s ó , e l e s n ã o d i m i n u e m a t e n s ã o a r t e r i a l , m a s c o n t r i b u e m p a r a r e d u z i r o e x c e s s o d e p e s o . C o n s e r v a r o b o m e s t a d o d o c o r a ç ã o e a r t é r i a s , a l i v i a r o e s t r e s s e f a v o r e c e r o r e l a x a m e n t o . M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 35
  • 36. 36
  • 37. Derrame Cerebral Diminuição da visão por lesões na retina Lesão nas artérias Dano sério nos rins Desgaste acelerado no coração por Doenças no Coração (infarto, insuficiência cardíaca e arritmias) 37
  • 38. “ A u m e n t o d a m a s s a m u s c u l a r d o c o r a ç ã o . “ I S T O É R U I M ! C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L TA M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 38
  • 39. 39
  • 40. C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L TA “ D a n o s é r i o n o s r i n s . “ M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 40
  • 41. C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L T A “ A u m e n t a o r i s c o d e d e r r a m e “ M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 41
  • 42. C O N S E Q U Ê N C I A D A P R E S S Ã O A L TA “ D i m i n u i ç ã o d a v i s ã o . “ M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 42
  • 43. P a r a f i n a l i z a r, f a l a r e m o s s o b r e o s m e d i c a m e n t o s q u e d e v e r ã o s e r i n d i c a d o s p e l o m é d i c o , p o i s c a d a c a s o é u m c a s o . N ã o v á t o m a r r e m é d i o s q u e d i m i n u e m a p r e s s ã o a r t e r i a l p o r c o n t a p r ó p r i a , h é i n ? M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 43
  • 44. Objetivos O objetivo primordial do tratamento da hipertensão arterial é a redução da morbidade e da mortalidade cardiovasculares. Assim, os anti-hipertensivos devem não só reduzir a pressão arterial, mas também os eventos cardiovasculares fatais e não fatais, e, se possível, a taxa de mortalidade. 44
  • 45. o Ser eficaz por via oral.Ser eficaz por via oral. o Ser bem tolerado.Ser bem tolerado. o Permitir a administração em menor número possível dePermitir a administração em menor número possível de tomadas diárias, com preferência para dose única diária.tomadas diárias, com preferência para dose única diária. o Iniciar com as menores doses efetivas preconizadas paraIniciar com as menores doses efetivas preconizadas para cada situação clínica, podendo ser aumentadascada situação clínica, podendo ser aumentadas gradativamente. Deve-se levar em conta quanto maior agradativamente. Deve-se levar em conta quanto maior a dose, maiores serão as probabilidades de efeitosdose, maiores serão as probabilidades de efeitos adversos.adversos. o Pode-se considerar o uso combinado de medicamentosPode-se considerar o uso combinado de medicamentos anti-hipertensivos em pacientes com hipertensão emanti-hipertensivos em pacientes com hipertensão em estágios II e III que, na maioria das vezes, não respondem àestágios II e III que, na maioria das vezes, não respondem à monoterapia.monoterapia. 45
  • 46. Diuréticos O mecanismo de ação anti-hipertensiva dos diuréticos se relaciona inicialmente aos seus efeitos diuréticos e natriuréticos, com diminuição do volume extracelular. Principais reações adversas Hipopotassemia, por vezes acompanhada de hipomagnesemia, que pode induzir arritmias ventriculares, e hiperuricemia. Ex.: Hidroclorotiazida 46
  • 47. Inibidores adrenérgicos Ação central Atuam estimulando os receptores alfa-2 adrenérgicos pré-sinápticos no sistema nervoso central, reduzindo o tônus simpático, como fazem a alfa metildopa, a clonidina e o guanabenzo e/ou os inibidores dos receptores imidazolidinicos, como moxonidina e a rilmenidina. Ex: Alfametildopa 47
  • 48. Betabloqueadores Seu mecanismo anti-hipertensivo envolve diminuição inicial do debito cardíaco, redução da secreção de renina, readaptação dos barorreceptores e diminuição das catecolaminas nas sinapses nervosas. Principais reações adversas Broncoespasmo, bradicardia , distúrbios da condução atrioventricular, vasoconstrição periférica, insônia, pesadelos, depressão psíquica, astenia e disfunção sexual. EX: Atenolol 48
  • 49. Alfabloqueadores Apresentam efeito hipotensor discreto a longo prazo como monoterapia, devendo, portanto, ser associados com outros anti-hipertensivos. Podem induzir ao aparecimento de tolerância, o que exige o uso de doses gradativamente crescentes. Principais reações adversas Hipotensão postural, mais evidente com a primeira dose, sobretudo se a dose inicial for alta, palpitações e, eventualmente, astenia. Ex: Doxazosina 49
  • 50. Vasodilatadores diretos Atuam sobre a musculatura da parede vascular, promovendo relaxamento muscular com consequente vasodilatação e redução da resistência vascular periférica. São utilizados em associação com diuréticos e/ou betabloqueadores. Principais reações adversas Pela vasodilatação arterial direta, promovem retenção hídrica e taquicardia reflexa, o que contraindica seu uso como monoterapia. EX: Hidralazina 50
  • 51. Antagonistas dos canais de cálcio A ação anti-hipertensiva decorre da redução da resistência vascular periférica por diminuição da concentração de cálcio nas células musculares lisas vasculares. Principais reações adversas Cefaleia, tontura, rubor facial – mais frequente com diidropiridinicos de curta ação – e edema de extremidades, sobretudo maleolar. EX: Anlodipino 51
  • 52. Inibidores da enzima conversora da angiotensina Agem fundamentalmente pela inibição da enzima conversora da angiotensina (ECA), bloqueando a transformação da angiotensina I em II no sangue e nos tecidos, embora outros fatores possam estar envolvidos nesse mecanismo de ação. Principais reações adversas Tosse seca, alteração do paladar e, mais raramente, reações de hipersensibilidade com erupção cutânea e edema angioneurotico. Ex: Captopril 52
  • 53. Bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II Bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II (BRA II) antagonizam a ação da angiotensina II por meio do bloqueio especifico de seus receptores AT1. São eficazes no tratamento da hipertensão. Principais reações adversas Os bloqueadores do receptor AT1 apresentam bom perfil de tolerabilidade. Foram relatadas tontura e, raramente, reação de hipersensibilidade cutânea (“rash”). As precauções para seu uso são semelhantes as descritas para os IECA. Ex:Ex: Losartana 53
  • 54. Inibidores diretos da renina Alisquireno, único representante da classe atualmente disponível para uso clinico, promove uma inibição direta da ação da renina com consequente diminuição da formação de angiotensina Principais reações adversas Apresentam boa tolerabilidade. “Rash” cutâneo, diarreia (especialmente com doses elevadas, acima de 300 mg/dia), aumento de CPK e tosse são os eventos mais frequentes, porem em geral com incidência inferior a 1%. Seu uso e contraindicado na gravidez. Ex:Ex: Alisquireno 54
  • 55. 55
  • 56. 56
  • 57. F a t o r e s i m p o r t a n t e s n a a d e s ã o a o t r a t a m e n t o F a t o r e s i m p o r t a n t e s n a a d e s ã o a o t r a t a m e n t o 2 ) R e l a c i o n a d o s à s m e d i d a s h i g i e n o - d i e t é t i c a s : 3 ) R e l a c i o n a d o s a o m e d i c a m e n to : D i e t a h i p o s s ó d i c a R e d u ç ã o d o p e s o c o r p o r a l A p r á t i c a d i á r i a d e e x e r c íc i o A i m p o r t â n c i a d a t r a n q u i l i d a d e O u s o d i s c r e t o d o á l c o o lN ú m e r o e x a g e r a d o d e m e d i c a m e n t o s N ú m e r o e x a g e r a d o d e c o m p r i m i d o s N e c e s s i d a d e d e t r a t a m e n t o p r o l o n g a d o E x i s t ê n c i a d e e f e i t o s c o la t e r a i s P r e ç o e l e v a d o d o m e d i c a m e n t o 1 ) R e l a c i o n a d o s a o m é d i c o : R e l a ç ã o m é d i c o - p a c i e n t e d i f íc i l I m p o s i ç ã o d e e s q u e m a s t e r a p ê u t i c o s c o m p l e x o s M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 57
  • 58. F a t o r e s i m p o r t a n te s n a a d e s ã o a o t r a t a m e n t o F a t o r e s i m p o r t a n te s n a a d e s ã o a o t r a t a m e n t o 5 ) R e l a c i o n a d o s à i n s t i t u i ç ã o : 6 ) R e l a c i o n a d o s a o p a c i e n t e : G r a n d e d i s t â n c i a d o d o m i c íl i o L o n g o i n t e r v a l o e n t r e a s c o n s u l t a s M u d a n ç a f r e q ü e n t e d e m é d i c o E s p e r a s m u i t o p r o l o n g a d a s M a u a t e n d i m e n t oB a i x o p a d r ã o c u l t u r a l e d e e d u c a ç ã o I g n o r â n c i a s o b r e a s c o n s e q ü ê n c i a s d a h i p e r t e n s ã o A u s ê n c i a d e a p o i o f a m i l ia r I m p r e s s ã o d e j á e s t a r c u r a d o 4 ) R e l a c i o n a d o s à d o e n ç a : A u s ê n c i a d e s i n t o m a s n a s h i p e r - t e n s õ e s l i m ít r o f e , l e v e a m o d e r a d a A u s ê n c i a d e c o n s e q ü ê n c i a s a c u r t o p r a z o M I N I S T É R I O D A S A Ú D E C o o r d e n a ç ã o d e D o e n ç a s C r ô n ic o - D e g e n e r a t iv a s 58
  • 59. 59
  • 60. o Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Diabetes e Hipertensão Arteiral Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e Diabetes mellitus (DM): protocolo. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.96 p. il. (Cadernos de atenção Básica, 7). o Brunner & Suddarth, tratado de enfermagem médico – cirúrgica / [editores] Suzanne C. Smeltzer...[et al.]. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. o Doenges, Marilynn., 1922 – Diagnóstico de Enfermagem: Intervenções, Prioridades, Fundamentos / revisão técnica Sônia Regina de Souza. – Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 2010. o GIORGI, Dante Marcelo A.. Revista de Hipertensão: Diretrizes Brasileira de Hipertensão VI. Ed. Sociedade Brasileira de Hipertensão. Janeiro, Fevereiro e Março de 2010 Ano 13, Volume 13, Número 1. o www.apah.org.br o www.eusou12por8.com.br o http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2006/VDiretriz-HA.pdf o http://www.consensos.med.br/ o O hospital: manual do ambiente hospitalar. 3. ed. Curitiba: Os autores, 2009.