SlideShare uma empresa Scribd logo
FISIOPATOLOGIA DA DIABETES
MELLITUS
Eduarda Pujoni
Greice Melo
Letícia Barbosa
Naiara Dorigueto
FACULDADE PRESDENTE ANTÔNIO CARLOS
CURSO DE FARMÁCIA
DIABETES MELLITUS
• Grupo de doenças metabólicas caracterizadas por HIPERGLICEMIA e
associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários
órgãos (olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sanguíneos)
• Fisiopalogia é a ciência médica que estuda os mecanismos, as
causas que levam ao aparecimento de determinadas doenças.
INTRODUÇÃO
• A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que existam 350
milhões de pessoas com daibetes, o dobro das que havia em 1980.
Na China, há 90 milhões de casos; na Índia, 61,3 milhões; nos
Estados Unidos, 25,8 milhões; no México, 10,3 milhões. Em 2010,
o censo do IBGE encontrou no Brasil cerca de 12 milhões.
Fisiologia
• O fígado é o principal órgão responsável pela regulação da
glicemia;
• Pode rapidamente captar e liberar glicose em função da
concentração desta no sangue;
Pâncreas:
• Células alfa - produzem o glucagon (polipepitídeo). Hormônio
importante no metabolismo dos hidratos de carbono e aumenta
a glicemia (nível de glicose no sangue)
• Células beta – produzem a insulina, hormônio responsável
pela redução da taxa de glicemia no sangue
Fisiologia diabetes mellitus
• A insulina é um hormônio
de armazenamento que é
secretada por células beta.
• Quando uma pessoa
ingere uma refeição, a
secreção de insulina
aumenta e movimenta a
glicose do sangue para o
músculo, fígado e células
adiposas para a produção
de energia.
Nas células beta, a insulina:
• Transporta e metaboliza a glicose para energia,
• Estimula o armazenamento de glicose no fígado e músculo
(na forma de glicogênio),
• Sinaliza ao fígado para interromper a liberação de glicose,
• Estimula o armazenamento de lipídios da dieta no tecido
adiposo,
• Acelera o transporte de aminoácidos (derivados de proteína
nutricional) para as células.
Classificação
Tipo I:
• Doença autoimune, caracterizada pela destruição das células
beta produtoras de insulina;
• Geralmente se inicia na infância e adolescência
• Supressão total de produção de insulina
• Pacientes insulinodependentes
PREDISPOSIÇÃO GENÉTICA + FATORES AMBIENTAIS
“QUEBRA”
TOLERÂNCIA IMUNOLÓGICA
ATIVAÇÃO CÉLS. T CD4
ESPECÍFICAS
ATIVAÇÃO:
• CÉLS. B (B)
• CÉLS. NK (NK)
• CÉLS. CD8+ (T-CD8+)
• MACRÓFAGOS (M)
AUTO-
IMUNIDADE
CELULAR E
HUMORAL
T-CD4+
T-CD8+
M
NK
B
IL-1ß
TNF-
INF-
ILHOTAS
LANGHERHANS
INSULITE
CÉLULA BETA
MENOR PRODUÇÃO INSULINA
DIABETES
Ataque Imune Contra Células Beta
Infiltração das ilhotas por células mononucleares que
antecede a doença clínica e persiste por semanas ou
meses antes que uma destruição significativa das células
beta ocorra
INSULITE
No curso da insulite os macrófagos e células T ativadas
secretam mediadores solúveis (citocinas, óxido nítrico,
radicais livres do oxigênio), que provavelmente contribuem
para a disfunção e morte da célula beta.
Mononucleares
Fatores Fisiopatológicos
• Auto-imunidade
• Fatores ambientais
• Suscetibilidade Genética
• Vírus, Bactérias
• Albumina Bovina
• Toxinas
• Estresse
• Pico entre 10 -14 anos
• Brancos
• Prevalência de 0,25 %
• Homens mais afetados
• + 90 % - HLA – DR3, -DR4
(associação negativa com DR2
• Associação com genótipos (troca de
aa)
Tipo II:
• Síndrome heterogênea que resulta de defeitos na secreção e na ação
da insulina, sendo que a patogênese de ambos os mecanismos está
relacionada a fatores genéticos e ambientais
• Produção contínua de insulina pelo pâncreas;
• Resistência insulínica (diminuição da capacidade de absorção da
glicose pelas células musculares e adiposas) ;
• Possui um importante fator hereditário e grande relação com a
obesidade e o sedentarismo;
• O início ocorre geralmente na vida adulta (após os 40 anos).
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
Gestacional:
• Qualquer intolerância a carboidratos, resultando em
hiperglicemia, com início ou diagnóstico na gestação.
• Ocorre elevação de hormônios contra-reguladores da insulina,
pelo estresse fisiológico da gravidez e a fatores predeterminantes.
• O principal hormônio relacionado com a resistência à insulina é o
lactogênico placentário.
Principais sintomas do diabetes tipo 1:
• Poliúria;
• Polifagia;
• Polidipsia;
• perda de peso;
• Fraqueza;
• Fadiga;
• Nervosismo;
• mudanças de humor;
• náusea e vômito;
Principais sintomas do diabetes tipo 2:
• infecções frequentes;
• alteração visual (visão embaçada);
• dificuldade na cicatrização de feridas;
• formigamento nos pés e furúnculos.
Fisiologia diabetes mellitus
Diferenças Básicas Entre DM 1 e 2
DM 1
• Doença Auto-Imune
• Deficiência Insulina
• Jovens, Adolescentes
• Insulite
• Auto-Anticorpos
• Indivíduos Magros
• Cetoacidose (Início)
• Início Abrupto (Polis)
DM 2
• 90 % S. Metabólica
• Resistência Insulínica e
Deficiência
• Indivíduos Meia Idade
• Depósito Amilóide nas Ilhotas
• Obesidade (85 %)
• S. Hiperosmolar
• Início Geralmente Lento
COMPLICAÇÕES
• HTA (hipertensão arterial);
• DCV (doença cardiovascular);
• Nefropatia;
• Obesidade;
• Amputações;
• Cetoacidose diabética;
• Cegueira;
• Coma diabético (a glicemia sobe o
suficiente para causar alterações da
consciência).
• Aterosclerose - placas de gordura no sangue;
• Retinopatia diabética - danos na retina;
• Tromboses e coágulos na corrente sanguínea;
• Problemas dermatológicos;
• Gangrena é uma complicação de uma necrose isquémica
DIAGNÓSTICO
• Glicose;
• Curva Glicêmica;
• Glicemia de jejum;
• Glicemia Pós-Prandial;
• Hemoglobina Glicosada;
• Considerar história familiar; patologias crônico-vasculares)
• Baseia-se na presença de sinais clínicos de diabetes
(poliúria/nictúria/polifagia/polidipsia/emagrecimento rápido) juntamente
com elevações significativas da glicemia de jejum: 126mg/dl no sangue
total ou 140mg/dl no plasma/soro.
• Níveis glicêmicos aumentam em mais de uma determinação, com
ausência parcial ou total dos sintomas.
• Glicemia aleatória - 120 mg/dl em mais de uma ocasião.
• Glicemia de jejum normal ou quase normal e TOTG de 2h 200mg/dl
DIAGNÓSTICO
Fisiologia diabetes mellitus
Tratamento: Diabetes mellitus tipo 1
O tratamento normalmente é feito com injeções de insulina. Dentre as
quais destacam:
•Insulina regular;
•Insulina NPH;
• Análogo de insulina;
•Pré-mistura.
Aplicador, glicosímetro e insulina são essenciais para
paciente com diabetes tipo 1.
INSULINAS TIPO DE AÇÃO PERFIL DE AÇÃO
INÍCIO PICO DURAÇÃO
EFETIVA
DURAÇÃO
MÁXIMA
Aspart/
Lispro
Ultra-rápida 5-15 m 1-2 h 3-4 h 4-6 h
Regular Rápida (R) 30-60 m 2-4 h 3-6 h 6-10 h
NPH/lenta Intermediária 1-2 h 4-8 h 10-16 h 14-18 h
Ultralenta Prolongada 2-4 h Não
previsíve
l
18-20 h 20-24 h
Detemir
/Glargina
Prolongada 1-3 h - 20-24h
• CIIS- Sistema de infusão continua de insulina
Bomba de insulina
PREVENÇÃO
Diabetes mellitus tipo 1
Não há nenhuma forma de prevenir o diabetes tipo 1. Porém, alguns
hábitos saudáveis podem ajudar a prevenir ou reduzir as
complicações associadas a doença:
• Entender o diabetes;
• Adotar uma vida saudável;
• Praticar exercícios físicos;
• Monitorar periodicamente os níveis de glicemia no sangue;
• Tomar a medicação quando prescrita pelo médico.
Controle
•VACINAÇÃO- Gripe e Doença pneumocócica
São recomendadas para indivíduos que possuem diabetes,
principalmente se tiverem também problemas renais e cardíacos
associados.
•MONITORIZAÇÃO- Pressão arterial e colesterol
As pessoa com diabetes tendem a ter maiores dificuldades em
controlar a sua pressão arterial e o colesterol. Por isso, é importante
haver o monitoramento diário.
Tratamento: Diabetes mellitus tipo 2
As classes de medicamentos denominadas Agentes Antidiabéticos orais
têm a finalidade de baixar a glicemia e mantê-la normal.
Essas classes medicamentos podem ser divididas em:
• Sulfonilureais e Metiglinidas: Medicamentos que aumentam a secreção
de insulina;
• Biguanidas: Medicamentos que reduzem a produção hepática de
glicose com menor ação sensibilizadora da ação insulínica;
• Inibidores da Alfaglicosidase: Medicamentos que retardam a absorção
de carboidratos;
MEDICAMENTOS:
•Glitazonas: Medicamentos que aumentam à sensibilidade da
insulina em músculo, adipócito e hepatócito;
• (Inibidores da DPP-IV) Gliptinas: Medicamentos que aumentam os
níveis de GLP-1, com o aumento da síntese e secreção de insulina,
além da redução de glucagon;
• Mimético e análogo do GLP-1: Efeitos acima relatados em
resposta a dose farmacológica do análogo do GLP-1 com ação;
A Metformina é o antidiabético da classe
das Biguanidas mais utilizado o
tratamento da diabetes mellitus tipo 2 no
Brasil.
TERAPÊUTICA ORAL:DIABETES TIPO 2
Fisiologia diabetes mellitus
PREVENÇÃO
Diabetes mellitus tipo 2
O diabetes tipo 2 pode ser prevenido adotando simples medidas
diárias:
• Controle de peso;
• Redução da ingestão de carboidratos e lipídios;
• Praticar atividades físicas regurlamente;
• Evitar o estresse;
• Evitar o uso de bedidas e cigarros;
• Consultar o médico regurlarmente.
Referências
CINARA, M. Diabetes tipo 1: sintomas, tratamento e causas. Disponível em:
<http://www.minhavida.com.br/saude/temas/diabetes-tipo-1 > Acesso em 20 nov.
2016.
CINARA, M. Diabetes tipo 2: sintomas, tratamento e causas. Disponível em:
<http://www.minhavida.com.br/saude/temas/diabetes-tipo-2 > Acesso em 21 nov.
2016.
OLIVEIRA, J. E.; MILECH, A.; Diabetes Mellitus: clínica, diagnóstico, tratamento
multidisciplinar. São Paulo: Editora Atheneu, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DIABETES
DIABETESDIABETES
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
Sérgio Franco - CDPI
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
Ellen Santos
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
Andréa Dantas
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Denise Selegato
 
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatriaFisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Emília Delesderrier Franco
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
Cíntia Costa
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Cassyano Correr
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Danilo Alves
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Cetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaCetoacidose Diabética
Cetoacidose Diabética
Joyce Wadna
 
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Isabellagr
 
2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS
2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS
2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS
Leonardo Savassi
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
Leonardo Souza
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
Renato Santos
 
Tratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes MellitusTratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes Mellitus
Liga Acadêmica de Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Mel Medina
 

Mais procurados (20)

DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatriaFisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
Cetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaCetoacidose Diabética
Cetoacidose Diabética
 
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
 
2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS
2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS
2015 - Escala de Risco Familiar de Coelho e Savassi e o e-SUS
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
 
Tratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes MellitusTratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes Mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Semelhante a Fisiologia diabetes mellitus

Paciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemiaPaciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemia
Gabriella Lourenço
 
Diabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapiaDiabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapia
Berenice Cristina Silva Cristina
 
Programa Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para DiabetesPrograma Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para Diabetes
Lucio Mauro Marques de Almeida
 
Diabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo IIDiabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo II
Larah Oliveira
 
Tratamento do diabetes mellitus
Tratamento do diabetes mellitusTratamento do diabetes mellitus
Tratamento do diabetes mellitus
Mariana Albuquerque
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Marco Enomoto
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
diabetes.pptx
diabetes.pptxdiabetes.pptx
diabetes.pptx
JordaniGugel
 
Cartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetesCartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetes
Roberto Silva
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
bioemanuel
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
alimentacao
 
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagemDiabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Mayza De Jesus Milhomem
 
Enfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdf
Enfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdfEnfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdf
Enfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdf
JoanaDarcDeSiqueira
 
guide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdfguide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdf
João Carvalho Silva
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
BIBFJ
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
BIBFJ
 
Seminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitusSeminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitus
Artemosfera Cia de Artes
 
Dossier diabetes
Dossier diabetesDossier diabetes
Dossier diabetes
Catia Pais
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Luciane Santana
 

Semelhante a Fisiologia diabetes mellitus (20)

Paciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemiaPaciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemia
 
Diabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapiaDiabetes mine curso insulinoterapia
Diabetes mine curso insulinoterapia
 
Programa Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para DiabetesPrograma Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para Diabetes
 
Diabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo IIDiabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo II
 
Tratamento do diabetes mellitus
Tratamento do diabetes mellitusTratamento do diabetes mellitus
Tratamento do diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
diabetes.pptx
diabetes.pptxdiabetes.pptx
diabetes.pptx
 
Cartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetesCartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagemDiabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
Diabetes mellitus bioquimica e fisiopatologia Cuidados de enfermagem
 
Enfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdf
Enfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdfEnfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdf
Enfermagem Clnica Mdulo 4 diabetes etc.pdf
 
guide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdfguide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdf
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
 
Seminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitusSeminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitus
 
Dossier diabetes
Dossier diabetesDossier diabetes
Dossier diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 

Mais de Eduarda P.

Testes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doençasTestes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doenças
Eduarda P.
 
H influenzae e klebsiella
H influenzae e klebsiella   H influenzae e klebsiella
H influenzae e klebsiella
Eduarda P.
 
Caixa de emergencia
Caixa de emergenciaCaixa de emergencia
Caixa de emergencia
Eduarda P.
 
Avaliaçao sensorial em doce de leite
Avaliaçao  sensorial em doce de leiteAvaliaçao  sensorial em doce de leite
Avaliaçao sensorial em doce de leite
Eduarda P.
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
Eduarda P.
 
Biopirataria
BiopiratariaBiopirataria
Biopirataria
Eduarda P.
 
Optica geometrica[1]
Optica geometrica[1]Optica geometrica[1]
Optica geometrica[1]
Eduarda P.
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
Eduarda P.
 
Slide taiga
Slide  taigaSlide  taiga
Slide taiga
Eduarda P.
 

Mais de Eduarda P. (9)

Testes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doençasTestes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doenças
 
H influenzae e klebsiella
H influenzae e klebsiella   H influenzae e klebsiella
H influenzae e klebsiella
 
Caixa de emergencia
Caixa de emergenciaCaixa de emergencia
Caixa de emergencia
 
Avaliaçao sensorial em doce de leite
Avaliaçao  sensorial em doce de leiteAvaliaçao  sensorial em doce de leite
Avaliaçao sensorial em doce de leite
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Biopirataria
BiopiratariaBiopirataria
Biopirataria
 
Optica geometrica[1]
Optica geometrica[1]Optica geometrica[1]
Optica geometrica[1]
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Slide taiga
Slide  taigaSlide  taiga
Slide taiga
 

Último

Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
danieloliveiracruz00
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
PaulaAndrade240290
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
MeryliseSouza
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
Beatriz Meneses
 
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
ThiagoTavares52632
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
flbroering
 

Último (6)

Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
 
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
 

Fisiologia diabetes mellitus

  • 1. FISIOPATOLOGIA DA DIABETES MELLITUS Eduarda Pujoni Greice Melo Letícia Barbosa Naiara Dorigueto FACULDADE PRESDENTE ANTÔNIO CARLOS CURSO DE FARMÁCIA
  • 2. DIABETES MELLITUS • Grupo de doenças metabólicas caracterizadas por HIPERGLICEMIA e associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos (olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sanguíneos) • Fisiopalogia é a ciência médica que estuda os mecanismos, as causas que levam ao aparecimento de determinadas doenças.
  • 3. INTRODUÇÃO • A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que existam 350 milhões de pessoas com daibetes, o dobro das que havia em 1980. Na China, há 90 milhões de casos; na Índia, 61,3 milhões; nos Estados Unidos, 25,8 milhões; no México, 10,3 milhões. Em 2010, o censo do IBGE encontrou no Brasil cerca de 12 milhões.
  • 4. Fisiologia • O fígado é o principal órgão responsável pela regulação da glicemia; • Pode rapidamente captar e liberar glicose em função da concentração desta no sangue; Pâncreas: • Células alfa - produzem o glucagon (polipepitídeo). Hormônio importante no metabolismo dos hidratos de carbono e aumenta a glicemia (nível de glicose no sangue) • Células beta – produzem a insulina, hormônio responsável pela redução da taxa de glicemia no sangue
  • 6. • A insulina é um hormônio de armazenamento que é secretada por células beta. • Quando uma pessoa ingere uma refeição, a secreção de insulina aumenta e movimenta a glicose do sangue para o músculo, fígado e células adiposas para a produção de energia.
  • 7. Nas células beta, a insulina: • Transporta e metaboliza a glicose para energia, • Estimula o armazenamento de glicose no fígado e músculo (na forma de glicogênio), • Sinaliza ao fígado para interromper a liberação de glicose, • Estimula o armazenamento de lipídios da dieta no tecido adiposo, • Acelera o transporte de aminoácidos (derivados de proteína nutricional) para as células.
  • 8. Classificação Tipo I: • Doença autoimune, caracterizada pela destruição das células beta produtoras de insulina; • Geralmente se inicia na infância e adolescência • Supressão total de produção de insulina • Pacientes insulinodependentes
  • 9. PREDISPOSIÇÃO GENÉTICA + FATORES AMBIENTAIS “QUEBRA” TOLERÂNCIA IMUNOLÓGICA ATIVAÇÃO CÉLS. T CD4 ESPECÍFICAS ATIVAÇÃO: • CÉLS. B (B) • CÉLS. NK (NK) • CÉLS. CD8+ (T-CD8+) • MACRÓFAGOS (M) AUTO- IMUNIDADE CELULAR E HUMORAL T-CD4+ T-CD8+ M NK B IL-1ß TNF- INF- ILHOTAS LANGHERHANS INSULITE CÉLULA BETA MENOR PRODUÇÃO INSULINA DIABETES Ataque Imune Contra Células Beta
  • 10. Infiltração das ilhotas por células mononucleares que antecede a doença clínica e persiste por semanas ou meses antes que uma destruição significativa das células beta ocorra INSULITE No curso da insulite os macrófagos e células T ativadas secretam mediadores solúveis (citocinas, óxido nítrico, radicais livres do oxigênio), que provavelmente contribuem para a disfunção e morte da célula beta. Mononucleares
  • 11. Fatores Fisiopatológicos • Auto-imunidade • Fatores ambientais • Suscetibilidade Genética • Vírus, Bactérias • Albumina Bovina • Toxinas • Estresse • Pico entre 10 -14 anos • Brancos • Prevalência de 0,25 % • Homens mais afetados • + 90 % - HLA – DR3, -DR4 (associação negativa com DR2 • Associação com genótipos (troca de aa)
  • 12. Tipo II: • Síndrome heterogênea que resulta de defeitos na secreção e na ação da insulina, sendo que a patogênese de ambos os mecanismos está relacionada a fatores genéticos e ambientais • Produção contínua de insulina pelo pâncreas; • Resistência insulínica (diminuição da capacidade de absorção da glicose pelas células musculares e adiposas) ; • Possui um importante fator hereditário e grande relação com a obesidade e o sedentarismo; • O início ocorre geralmente na vida adulta (após os 40 anos).
  • 15. Gestacional: • Qualquer intolerância a carboidratos, resultando em hiperglicemia, com início ou diagnóstico na gestação. • Ocorre elevação de hormônios contra-reguladores da insulina, pelo estresse fisiológico da gravidez e a fatores predeterminantes. • O principal hormônio relacionado com a resistência à insulina é o lactogênico placentário.
  • 16. Principais sintomas do diabetes tipo 1: • Poliúria; • Polifagia; • Polidipsia; • perda de peso; • Fraqueza; • Fadiga; • Nervosismo; • mudanças de humor; • náusea e vômito; Principais sintomas do diabetes tipo 2: • infecções frequentes; • alteração visual (visão embaçada); • dificuldade na cicatrização de feridas; • formigamento nos pés e furúnculos.
  • 18. Diferenças Básicas Entre DM 1 e 2 DM 1 • Doença Auto-Imune • Deficiência Insulina • Jovens, Adolescentes • Insulite • Auto-Anticorpos • Indivíduos Magros • Cetoacidose (Início) • Início Abrupto (Polis) DM 2 • 90 % S. Metabólica • Resistência Insulínica e Deficiência • Indivíduos Meia Idade • Depósito Amilóide nas Ilhotas • Obesidade (85 %) • S. Hiperosmolar • Início Geralmente Lento
  • 19. COMPLICAÇÕES • HTA (hipertensão arterial); • DCV (doença cardiovascular); • Nefropatia; • Obesidade; • Amputações; • Cetoacidose diabética; • Cegueira; • Coma diabético (a glicemia sobe o suficiente para causar alterações da consciência).
  • 20. • Aterosclerose - placas de gordura no sangue; • Retinopatia diabética - danos na retina; • Tromboses e coágulos na corrente sanguínea; • Problemas dermatológicos; • Gangrena é uma complicação de uma necrose isquémica
  • 21. DIAGNÓSTICO • Glicose; • Curva Glicêmica; • Glicemia de jejum; • Glicemia Pós-Prandial; • Hemoglobina Glicosada;
  • 22. • Considerar história familiar; patologias crônico-vasculares) • Baseia-se na presença de sinais clínicos de diabetes (poliúria/nictúria/polifagia/polidipsia/emagrecimento rápido) juntamente com elevações significativas da glicemia de jejum: 126mg/dl no sangue total ou 140mg/dl no plasma/soro. • Níveis glicêmicos aumentam em mais de uma determinação, com ausência parcial ou total dos sintomas. • Glicemia aleatória - 120 mg/dl em mais de uma ocasião. • Glicemia de jejum normal ou quase normal e TOTG de 2h 200mg/dl DIAGNÓSTICO
  • 24. Tratamento: Diabetes mellitus tipo 1 O tratamento normalmente é feito com injeções de insulina. Dentre as quais destacam: •Insulina regular; •Insulina NPH; • Análogo de insulina; •Pré-mistura. Aplicador, glicosímetro e insulina são essenciais para paciente com diabetes tipo 1.
  • 25. INSULINAS TIPO DE AÇÃO PERFIL DE AÇÃO INÍCIO PICO DURAÇÃO EFETIVA DURAÇÃO MÁXIMA Aspart/ Lispro Ultra-rápida 5-15 m 1-2 h 3-4 h 4-6 h Regular Rápida (R) 30-60 m 2-4 h 3-6 h 6-10 h NPH/lenta Intermediária 1-2 h 4-8 h 10-16 h 14-18 h Ultralenta Prolongada 2-4 h Não previsíve l 18-20 h 20-24 h Detemir /Glargina Prolongada 1-3 h - 20-24h
  • 26. • CIIS- Sistema de infusão continua de insulina Bomba de insulina
  • 27. PREVENÇÃO Diabetes mellitus tipo 1 Não há nenhuma forma de prevenir o diabetes tipo 1. Porém, alguns hábitos saudáveis podem ajudar a prevenir ou reduzir as complicações associadas a doença: • Entender o diabetes; • Adotar uma vida saudável; • Praticar exercícios físicos; • Monitorar periodicamente os níveis de glicemia no sangue; • Tomar a medicação quando prescrita pelo médico.
  • 28. Controle •VACINAÇÃO- Gripe e Doença pneumocócica São recomendadas para indivíduos que possuem diabetes, principalmente se tiverem também problemas renais e cardíacos associados. •MONITORIZAÇÃO- Pressão arterial e colesterol As pessoa com diabetes tendem a ter maiores dificuldades em controlar a sua pressão arterial e o colesterol. Por isso, é importante haver o monitoramento diário.
  • 29. Tratamento: Diabetes mellitus tipo 2 As classes de medicamentos denominadas Agentes Antidiabéticos orais têm a finalidade de baixar a glicemia e mantê-la normal. Essas classes medicamentos podem ser divididas em: • Sulfonilureais e Metiglinidas: Medicamentos que aumentam a secreção de insulina; • Biguanidas: Medicamentos que reduzem a produção hepática de glicose com menor ação sensibilizadora da ação insulínica; • Inibidores da Alfaglicosidase: Medicamentos que retardam a absorção de carboidratos;
  • 30. MEDICAMENTOS: •Glitazonas: Medicamentos que aumentam à sensibilidade da insulina em músculo, adipócito e hepatócito; • (Inibidores da DPP-IV) Gliptinas: Medicamentos que aumentam os níveis de GLP-1, com o aumento da síntese e secreção de insulina, além da redução de glucagon; • Mimético e análogo do GLP-1: Efeitos acima relatados em resposta a dose farmacológica do análogo do GLP-1 com ação; A Metformina é o antidiabético da classe das Biguanidas mais utilizado o tratamento da diabetes mellitus tipo 2 no Brasil.
  • 33. PREVENÇÃO Diabetes mellitus tipo 2 O diabetes tipo 2 pode ser prevenido adotando simples medidas diárias: • Controle de peso; • Redução da ingestão de carboidratos e lipídios; • Praticar atividades físicas regurlamente; • Evitar o estresse; • Evitar o uso de bedidas e cigarros; • Consultar o médico regurlarmente.
  • 34. Referências CINARA, M. Diabetes tipo 1: sintomas, tratamento e causas. Disponível em: <http://www.minhavida.com.br/saude/temas/diabetes-tipo-1 > Acesso em 20 nov. 2016. CINARA, M. Diabetes tipo 2: sintomas, tratamento e causas. Disponível em: <http://www.minhavida.com.br/saude/temas/diabetes-tipo-2 > Acesso em 21 nov. 2016. OLIVEIRA, J. E.; MILECH, A.; Diabetes Mellitus: clínica, diagnóstico, tratamento multidisciplinar. São Paulo: Editora Atheneu, 2006.