SlideShare uma empresa Scribd logo
HIPERTENSÃO ARTERIAL Prof. Francisco Robson da Costa Lima
HAS: Epidemiologia Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e diabetes mellitus (DM): São os principais fatores de risco para a população, no que se refere aos problemas cardiovasculares, sendo as principais causas de morbi-mortalidade na população brasileira.
Ocorre em cerca de 20% da população adulta (com idade = ou maior de 20 anos) Relaciona-se com 80% dos casos de acidente vascular cerebral (AVC) e com 60% dos casos de doença isquêmica do coração. Cerca de 60 a 80% dos casos podem ser tratados na rede básica de saúde , ou seja, onde atuamos! HAS: Epidemiologia Fonte: Ministério da Saúde
HAS e DM: aspectos comuns Doenças crônicas, sem cura, mas com controle; Podem ser assintomáticas, principalmente, no início; Necessitam acompanhamento eficaz e permanente pelas equipes de saúde; Fatores de risco: obesidade, dislipidemias (colesterol alto), sedentarismo, história familiar;
HAS e DM: aspectos comuns Necessidade de mudança de hábitos de vida; Complicações crônicas podem ser evitadas se as doenças forem mantidas sob controle; Medicamentos que podem piorar estas doenças: corticosteróides, descongestionantes nasais, anticoncepcionais orais, antidepressivos, álcool, cocaína; Há possibilidade da associação das duas patologias em 50% dos casos.
Mas afinal, o que é HAS? Pressão Arterial:   O coração bombeia o sangue para os  demais órgãos do corpo por meio de tubos chamados artérias. Quando o sangue é bombeado, ele é "empurrado” contra a parede dos vasos sangüíneos. Esta tensão gerada na parede das artérias é denominada pressão arterial.
Mas afinal, o que é HAS? HAS:  A hipertensão arterial ou “pressão alta” é a  elevação da pressão arterial para números iguais ou maiores que 140/90 mm/Hg . Esta elevação anormal pode causar lesões em diferentes órgãos do corpo humano, tais como cérebro, olhos, coração e rins.
Valores de Pressão Arterial Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia    110    180 Estágio 3 Classificação da Pressão Arterial – adultos > 18 anos < 90    140 Hipertensão Sistólica isolada 100 – 109 160 – 179 Estágio 2 90 – 99 140 – 159 Estágio 1 Hipertensão 85 – 89 130 – 139 Normal alta <85 <130 Normal < 80 < 120 Ótima Diastólica (mmHg) Sistólica (mmHg)
Responda! Uma pressão verificada várias vezes 130 x 93 mmHg é considerada normal? Verdadeiro Falso
Responda! Uma pressão verificada várias vezes 142 x 80 mmHg é considerada alta? Verdadeiro Falso
Como a pressão arterial se altera durante o dia? A pressão arterial varia durante o dia dependendo da sua atividade.  Aumenta quando: você se exercita, quando está excitado ou nervoso e em dias muito frios; Diminui quando: você está relaxado, quando você dorme e em dias muito quentes.  Até mesmo a postura – sentado ou em pé – influencia a pressão arterial.  Este é o motivo pelo qual os profissionais da saúde devem medir várias vezes a pressão arterial dos pacientes para firmarem corretamente o diagnóstico de hipertensão arterial.
Que fatores podem estar relacionados à pressão alta? História familiar Idade Raça  Obesidade  Sal em pessoas predispostas Diabetes Abuso de álcool  Vida sedentária Cigarro Estresse
 
CARLOS ESTRELA 62 anos, farmacêutico  Circunferência da cintura:  114 cm Glicemia:  105 mg/dl  Triglicérides:  198 mg/dl  HDL   (colesterol bom):  32 mg/dl  Comentário:  A circunferência da cintura de Estrela está muito acima da ideal. O acúmulo de tecido adiposo na região abdominal reflete-se diretamente na glicemia, nos níveis de triglicérides e de HDL, o colesterol bom – alterações metabólicas que o levaram ao diabetes e a um infarto  Caso clínico
A pressão alta está se tornando também uma doença das crianças, porque elas estão engordando e comendo muito sal (sanduíches, pipocas, biscoitos, etc.) Obesidade infantil
 
 
 
 
Não se podem desprezar os efeitos do LDL, o mau colesterol. Mas, estudos recentes defendem agora que o mais importante é aumentar os níveis de HDL, o colesterol do bem  O sangue revela
Quando uma artéria entope... Lesões nas paredes dos vasos que irrigam o coração servem de depósito para placas de gordura. O acúlumo dessas placas pode bloquear o fluxo sanguíneo  ...e quando ela se rompe... A foto abaixo capta uma hemorragia no momento do infarto. A pressão alta provoca erosão nas paredes internas dos vasos sangüíneos. Em alguns casos, eles estouram
Cuidado pode ser um infarto! Procure logo um pronto-socorro se aparecer no peito uma dor aguda. Nos casos de infarto, ela costuma vir junto com a sensação de peso no coração e falta de  ar – e pode estender-se ao pescoço e aos braços, que às vezes ficam dormentes
Como está sua pressão arterial? E a dos pacientes  do seu Posto de Saúde? O único meio de saber é a verificação de sua pressão arterial por um profissional da área de saúde. Cada vez que você medir sua pressão arterial, anote no cartão de controle. Estimule os pacientes a fazerem o mesmo!
É bom cuidar disso! Antes de Medir a Pressão Arterial: Evitar fumar; Evitar ingerir bebidas com cafeína; Evitar ingerir bebidas alcoólicas; Estar em repouso de pelo menos 5 minutos; Esvaziar a bexiga. Você pode informar seus pacientes sobre estes cuidados! Auxilie-os quando forem medir a pressão arterial!
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 1.  Colocar o indivíduo em local calmo com o braço apoiado a nível do coração e deixando-o à vontade, permitindo 5 minutos de repouso. Usar sempre o mesmo braço para a medida; 2.   Localizar o manômetro de modo a visualizar claramente os valores da medida;
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 3.  Envolver a braçadeira, suave e confortavelmente, em torno do braço, centralizando o manguito sobre a artéria braquial. Manter a margem inferior da braçadeira 2,5cm acima da dobra do cotovelo. Encontrar o centro do manguito dobrando-o ao meio;
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 4.  Determinar o nível máximo de insuflação palpando o pulso braquial até seu desaparecimento, registrando o valor ( pressão sistólica palpada ) e aumentando mais 30 mmHg; 5.  Desinsuflar rapidamente o manguito e esperar de 15 a 30 segundos antes de insuflá-lo de novo;
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 6.  Posicionar o estetoscópio sobre a artéria braquial palpada abaixo do manguito na fossa antecubital. Deve ser aplicado com leve pressão assegurando o contato com a pele em todos os pontos. As olivas devem estar voltadas para frente;
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 7. Fechar a válvula da pera e insuflar o manguito rapidamente até 30 mmHg acima da  pressão sistólica palpada  registrada; 8.   Desinsuflar o manguito de modo que a pressão caia de 2 a 3 mmHg por segundo;
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 9.  Identificar a  Pressão Sistólica  (máxima) em mmHg, observando no manômetro o ponto correspondente ao primeiro batimento regular audível (sons de Korotkoff);
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 10. Identificar a  Pressão Diastólica  (mínima) em mmHg, observando no manômetro o ponto correspondente ao último batimento regular audível. Desinsuflar totalmente o aparelho com atenção voltada ao completo desaparecimento dos batimentos;
Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 11. Esperar de 1 a 2 minutos para permitir a liberação do sangue. Repetir a medida no mesmo braço anotando os valores observados;
Como verificar a pressão arterial? 12.  Registrar a posição do paciente, o braço usado para a medida e os menores valores de  pressão arterial Sistólica e Diastólica  encontrados em mmHg. Retirar o aparelho do braço e guardá-lo cuidadosamente afim de evitar danos.  Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia
APONTE OS ERROS DA MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL NA FOTO ABAIXO:  1. Braço sem apoio  3. Examinador posiciona o instrumento ao nível abaixo do coração  2. Tamanho da braçadeira em desacordo com o do braço  4.  A margem inferior da braçadeira não está 2,5cm acima da dobra do cotovelo
Controlando e prevenindo a Hipertensão Medir a pressão arterial, uma vez ao mês, mesmo que não apresente sintomas; Deixar de fumar; Diminuir o uso de álcool; Manter o peso ideal; Fazer exercícios físicos sob orientação médica ; Evitar alimentos ricos em gorduras;
Controlando e prevenindo a Hipertensão Diminuir o sal nos alimentos. Evitar embutidos, enlatados e temperos prontos; Evitar o estresse. Enfrente melhor a vida; Tomar seus remédios conforme prescrito. Caso você sinta algo diferente após a ingestão, informe à equipe de saúde;  Comparecer às consultas marcadas, para seguimento adequado; Participar de grupos de hipertensos.
Visita domiciliar a  uma paciente  hipertensa PSF
É bom saber: Uma das maiores causas de insucesso no tratamento da HAS (também do DM) é a não adesão ao tratamento, ou seja: o paciente não segue corretamente as recomendações dadas pela equipe de saúde, não tomando os remédios, não cuidando da dieta, não fazendo atividades físicas, fumando, tomando bebidas alcoólicas...
Paciente hipertensa e diabética descompensada, com lesão em borda do nariz há 1 mês Caso clínico
Paciente hipertensa e diabética descompensada, com 1º pododáctilo esquerdo amputado
Paciente hipertensa e diabética descompensada, com Tinha pedis
É bom saber: É importante que a equipe de saúde da família  acompanhe e estimule a adesão destes pacientes ao tratamento!
Paciente hipertensa e diabética descompensada, recebendo profilaxia anti-tetânica
Estimule os pacientes a cuidarem de sua saúde.  Oriente-os  a medir a pressão arterial, periodicamente, ou conforme receitado, no posto de saúde.
SE VOCÊ NÃO TEM, CUIDE PARA EVITAR. SE VOCÊ TEM, CUIDE PARA CONTROLAR. PRESSÃO ALTA (hipertensão arterial)
Webgincana http://professorrobsoncosta.blogspot.com/
Lembre-se que promoção de saúde e prevenção de doenças são os maiores aliados para se viver com saúde e com qualidade. Por isso, siga as regras básicas de hábitos de vida saudáveis e estimule os pacientes e as pessoas que você conhece a fazerem o mesmo. Seja feliz! Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Danilo Alves
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
Nome Sobrenome
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
alimentacao
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
Ellen Santos
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
Laboratório Sérgio Franco
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VIAula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
Professor Robson
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
Fernanda Marinho
 
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Sandra Flôr
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
Karina Pereira
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
mhm1979
 
hipertensão arterial-1.pptx
hipertensão arterial-1.pptxhipertensão arterial-1.pptx
hipertensão arterial-1.pptx
KarineRibeiro57
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
Renata Nobre
 
Pressão arterial
Pressão arterialPressão arterial
Pressão arterial
VIPFISIOPERSONAL
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterial
Mariana Remiro
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
Luana Santos
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
Marcelo Nascimento
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 

Mais procurados (20)

Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VIAula Hipertensão Arterial Paab VI
Aula Hipertensão Arterial Paab VI
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
 
hipertensão arterial-1.pptx
hipertensão arterial-1.pptxhipertensão arterial-1.pptx
hipertensão arterial-1.pptx
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Pressão arterial
Pressão arterialPressão arterial
Pressão arterial
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterial
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 

Semelhante a Hipertensão - Professor Robson

Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
fabriciofigueiredo
 
Hipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completoHipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completo
Tookmed
 
4674033
46740334674033
hipertensao_arterial
hipertensao_arterialhipertensao_arterial
hipertensao_arterial
catianelameida
 
Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2
catianelameida
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
Juliana Borges
 
Guia ha
Guia haGuia ha
Guia ha
KarenSouza61
 
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmicaAula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
DieslleyAmorim1
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
Denise Selegato
 
O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?
O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?
O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?
Clínica Lares
 
HipertensãO
HipertensãOHipertensãO
HipertensãO
Marco Enomoto
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
Maria LuciaFlucinhab Pimentel
 
Cartilha pressao alta
Cartilha pressao altaCartilha pressao alta
Cartilha pressao alta
karol_ribeiro
 
assistência de enfermagem 02.pptx
assistência de enfermagem 02.pptxassistência de enfermagem 02.pptx
assistência de enfermagem 02.pptx
AyrtonMedeiros1
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
James Abrantes
 
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes HipertensosManual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Sérgio Amaral
 
SINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptxSINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptx
EvertonMonteiro19
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
leidianerodrigues35
 
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
SterSoares1
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
LealSafety
 

Semelhante a Hipertensão - Professor Robson (20)

Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
 
Hipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completoHipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completo
 
4674033
46740334674033
4674033
 
hipertensao_arterial
hipertensao_arterialhipertensao_arterial
hipertensao_arterial
 
Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Guia ha
Guia haGuia ha
Guia ha
 
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmicaAula sobre Hipertensão arterial sistêmica
Aula sobre Hipertensão arterial sistêmica
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
 
O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?
O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?
O QUE É PRESSÃO ARTERIAL?
 
HipertensãO
HipertensãOHipertensãO
HipertensãO
 
Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
 
Cartilha pressao alta
Cartilha pressao altaCartilha pressao alta
Cartilha pressao alta
 
assistência de enfermagem 02.pptx
assistência de enfermagem 02.pptxassistência de enfermagem 02.pptx
assistência de enfermagem 02.pptx
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes HipertensosManual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
 
SINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptxSINAIS VITAIS unip.pptx
SINAIS VITAIS unip.pptx
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
 
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
 

Mais de Professor Robson

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
Professor Robson
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
Professor Robson
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Professor Robson
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Professor Robson
 

Mais de Professor Robson (20)

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
 

Hipertensão - Professor Robson

  • 1. HIPERTENSÃO ARTERIAL Prof. Francisco Robson da Costa Lima
  • 2. HAS: Epidemiologia Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e diabetes mellitus (DM): São os principais fatores de risco para a população, no que se refere aos problemas cardiovasculares, sendo as principais causas de morbi-mortalidade na população brasileira.
  • 3. Ocorre em cerca de 20% da população adulta (com idade = ou maior de 20 anos) Relaciona-se com 80% dos casos de acidente vascular cerebral (AVC) e com 60% dos casos de doença isquêmica do coração. Cerca de 60 a 80% dos casos podem ser tratados na rede básica de saúde , ou seja, onde atuamos! HAS: Epidemiologia Fonte: Ministério da Saúde
  • 4. HAS e DM: aspectos comuns Doenças crônicas, sem cura, mas com controle; Podem ser assintomáticas, principalmente, no início; Necessitam acompanhamento eficaz e permanente pelas equipes de saúde; Fatores de risco: obesidade, dislipidemias (colesterol alto), sedentarismo, história familiar;
  • 5. HAS e DM: aspectos comuns Necessidade de mudança de hábitos de vida; Complicações crônicas podem ser evitadas se as doenças forem mantidas sob controle; Medicamentos que podem piorar estas doenças: corticosteróides, descongestionantes nasais, anticoncepcionais orais, antidepressivos, álcool, cocaína; Há possibilidade da associação das duas patologias em 50% dos casos.
  • 6. Mas afinal, o que é HAS? Pressão Arterial: O coração bombeia o sangue para os demais órgãos do corpo por meio de tubos chamados artérias. Quando o sangue é bombeado, ele é &quot;empurrado” contra a parede dos vasos sangüíneos. Esta tensão gerada na parede das artérias é denominada pressão arterial.
  • 7. Mas afinal, o que é HAS? HAS: A hipertensão arterial ou “pressão alta” é a elevação da pressão arterial para números iguais ou maiores que 140/90 mm/Hg . Esta elevação anormal pode causar lesões em diferentes órgãos do corpo humano, tais como cérebro, olhos, coração e rins.
  • 8. Valores de Pressão Arterial Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia  110  180 Estágio 3 Classificação da Pressão Arterial – adultos > 18 anos < 90  140 Hipertensão Sistólica isolada 100 – 109 160 – 179 Estágio 2 90 – 99 140 – 159 Estágio 1 Hipertensão 85 – 89 130 – 139 Normal alta <85 <130 Normal < 80 < 120 Ótima Diastólica (mmHg) Sistólica (mmHg)
  • 9. Responda! Uma pressão verificada várias vezes 130 x 93 mmHg é considerada normal? Verdadeiro Falso
  • 10. Responda! Uma pressão verificada várias vezes 142 x 80 mmHg é considerada alta? Verdadeiro Falso
  • 11. Como a pressão arterial se altera durante o dia? A pressão arterial varia durante o dia dependendo da sua atividade. Aumenta quando: você se exercita, quando está excitado ou nervoso e em dias muito frios; Diminui quando: você está relaxado, quando você dorme e em dias muito quentes. Até mesmo a postura – sentado ou em pé – influencia a pressão arterial. Este é o motivo pelo qual os profissionais da saúde devem medir várias vezes a pressão arterial dos pacientes para firmarem corretamente o diagnóstico de hipertensão arterial.
  • 12. Que fatores podem estar relacionados à pressão alta? História familiar Idade Raça Obesidade Sal em pessoas predispostas Diabetes Abuso de álcool Vida sedentária Cigarro Estresse
  • 13.  
  • 14. CARLOS ESTRELA 62 anos, farmacêutico Circunferência da cintura: 114 cm Glicemia: 105 mg/dl Triglicérides: 198 mg/dl HDL (colesterol bom): 32 mg/dl Comentário: A circunferência da cintura de Estrela está muito acima da ideal. O acúmulo de tecido adiposo na região abdominal reflete-se diretamente na glicemia, nos níveis de triglicérides e de HDL, o colesterol bom – alterações metabólicas que o levaram ao diabetes e a um infarto Caso clínico
  • 15. A pressão alta está se tornando também uma doença das crianças, porque elas estão engordando e comendo muito sal (sanduíches, pipocas, biscoitos, etc.) Obesidade infantil
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20. Não se podem desprezar os efeitos do LDL, o mau colesterol. Mas, estudos recentes defendem agora que o mais importante é aumentar os níveis de HDL, o colesterol do bem O sangue revela
  • 21. Quando uma artéria entope... Lesões nas paredes dos vasos que irrigam o coração servem de depósito para placas de gordura. O acúlumo dessas placas pode bloquear o fluxo sanguíneo ...e quando ela se rompe... A foto abaixo capta uma hemorragia no momento do infarto. A pressão alta provoca erosão nas paredes internas dos vasos sangüíneos. Em alguns casos, eles estouram
  • 22. Cuidado pode ser um infarto! Procure logo um pronto-socorro se aparecer no peito uma dor aguda. Nos casos de infarto, ela costuma vir junto com a sensação de peso no coração e falta de ar – e pode estender-se ao pescoço e aos braços, que às vezes ficam dormentes
  • 23. Como está sua pressão arterial? E a dos pacientes do seu Posto de Saúde? O único meio de saber é a verificação de sua pressão arterial por um profissional da área de saúde. Cada vez que você medir sua pressão arterial, anote no cartão de controle. Estimule os pacientes a fazerem o mesmo!
  • 24. É bom cuidar disso! Antes de Medir a Pressão Arterial: Evitar fumar; Evitar ingerir bebidas com cafeína; Evitar ingerir bebidas alcoólicas; Estar em repouso de pelo menos 5 minutos; Esvaziar a bexiga. Você pode informar seus pacientes sobre estes cuidados! Auxilie-os quando forem medir a pressão arterial!
  • 25. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 1.  Colocar o indivíduo em local calmo com o braço apoiado a nível do coração e deixando-o à vontade, permitindo 5 minutos de repouso. Usar sempre o mesmo braço para a medida; 2.   Localizar o manômetro de modo a visualizar claramente os valores da medida;
  • 26. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 3.  Envolver a braçadeira, suave e confortavelmente, em torno do braço, centralizando o manguito sobre a artéria braquial. Manter a margem inferior da braçadeira 2,5cm acima da dobra do cotovelo. Encontrar o centro do manguito dobrando-o ao meio;
  • 27. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 4.  Determinar o nível máximo de insuflação palpando o pulso braquial até seu desaparecimento, registrando o valor ( pressão sistólica palpada ) e aumentando mais 30 mmHg; 5.  Desinsuflar rapidamente o manguito e esperar de 15 a 30 segundos antes de insuflá-lo de novo;
  • 28. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 6.  Posicionar o estetoscópio sobre a artéria braquial palpada abaixo do manguito na fossa antecubital. Deve ser aplicado com leve pressão assegurando o contato com a pele em todos os pontos. As olivas devem estar voltadas para frente;
  • 29. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 7. Fechar a válvula da pera e insuflar o manguito rapidamente até 30 mmHg acima da pressão sistólica palpada registrada; 8.   Desinsuflar o manguito de modo que a pressão caia de 2 a 3 mmHg por segundo;
  • 30. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 9.  Identificar a Pressão Sistólica (máxima) em mmHg, observando no manômetro o ponto correspondente ao primeiro batimento regular audível (sons de Korotkoff);
  • 31. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 10. Identificar a Pressão Diastólica (mínima) em mmHg, observando no manômetro o ponto correspondente ao último batimento regular audível. Desinsuflar totalmente o aparelho com atenção voltada ao completo desaparecimento dos batimentos;
  • 32. Como verificar a pressão arterial? Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia 11. Esperar de 1 a 2 minutos para permitir a liberação do sangue. Repetir a medida no mesmo braço anotando os valores observados;
  • 33. Como verificar a pressão arterial? 12.  Registrar a posição do paciente, o braço usado para a medida e os menores valores de pressão arterial Sistólica e Diastólica encontrados em mmHg. Retirar o aparelho do braço e guardá-lo cuidadosamente afim de evitar danos. Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia
  • 34. APONTE OS ERROS DA MEDIDA DA PRESSÃO ARTERIAL NA FOTO ABAIXO: 1. Braço sem apoio 3. Examinador posiciona o instrumento ao nível abaixo do coração 2. Tamanho da braçadeira em desacordo com o do braço 4. A margem inferior da braçadeira não está 2,5cm acima da dobra do cotovelo
  • 35. Controlando e prevenindo a Hipertensão Medir a pressão arterial, uma vez ao mês, mesmo que não apresente sintomas; Deixar de fumar; Diminuir o uso de álcool; Manter o peso ideal; Fazer exercícios físicos sob orientação médica ; Evitar alimentos ricos em gorduras;
  • 36. Controlando e prevenindo a Hipertensão Diminuir o sal nos alimentos. Evitar embutidos, enlatados e temperos prontos; Evitar o estresse. Enfrente melhor a vida; Tomar seus remédios conforme prescrito. Caso você sinta algo diferente após a ingestão, informe à equipe de saúde; Comparecer às consultas marcadas, para seguimento adequado; Participar de grupos de hipertensos.
  • 37. Visita domiciliar a uma paciente hipertensa PSF
  • 38. É bom saber: Uma das maiores causas de insucesso no tratamento da HAS (também do DM) é a não adesão ao tratamento, ou seja: o paciente não segue corretamente as recomendações dadas pela equipe de saúde, não tomando os remédios, não cuidando da dieta, não fazendo atividades físicas, fumando, tomando bebidas alcoólicas...
  • 39. Paciente hipertensa e diabética descompensada, com lesão em borda do nariz há 1 mês Caso clínico
  • 40. Paciente hipertensa e diabética descompensada, com 1º pododáctilo esquerdo amputado
  • 41. Paciente hipertensa e diabética descompensada, com Tinha pedis
  • 42. É bom saber: É importante que a equipe de saúde da família acompanhe e estimule a adesão destes pacientes ao tratamento!
  • 43. Paciente hipertensa e diabética descompensada, recebendo profilaxia anti-tetânica
  • 44. Estimule os pacientes a cuidarem de sua saúde. Oriente-os a medir a pressão arterial, periodicamente, ou conforme receitado, no posto de saúde.
  • 45. SE VOCÊ NÃO TEM, CUIDE PARA EVITAR. SE VOCÊ TEM, CUIDE PARA CONTROLAR. PRESSÃO ALTA (hipertensão arterial)
  • 47. Lembre-se que promoção de saúde e prevenção de doenças são os maiores aliados para se viver com saúde e com qualidade. Por isso, siga as regras básicas de hábitos de vida saudáveis e estimule os pacientes e as pessoas que você conhece a fazerem o mesmo. Seja feliz! Obrigado!