SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
AFERIÇÃO DE PRESSÃO
ARTERIAL HUMANA
INTRODUÇÃO
• O fluxo de sangue nas artérias é feito sob pressão pelo
bombeamento do ventrículo esquerdo para a artéria
aorta.
2
PRESSÃO
SISTÓLICA
100 a 140
mmHg
PRESSÃO
DIASTÓLICA
60 a 90
mmHg
INTRODUÇÃO
• A pressão do sangue arterial é regulada por:
• O aumento de qualquer um desses fatores, quando
não compensado pela diminuição de outra variável 
aumento da pressão arterial;
• Mecanismos reguladores ajustam desvios por meio da
retroalimentação negativa;
3
VOLUME
SANGUÍNEO
RESISTÊNCIA
PERIFÉRICA
TOTAL
FREQUÊNCIA
CARDÍACA
INTRODUÇÃO
• Para que a pressão arterial seja mantida dentro dos
limites, são necessários receptores de pressão
especializados: BARRORECEPTORES  receptores
de estiramento localizados no arco da aorta e nos
seios caróticos.
• Aumento da pressão: paredes dessas regiões
arteriais distendem-se, aumentando a frequência dos
potenciais de ação;
• Queda da pressão: redução da frequência dos
potenciais de ação.
4
5
Fig 1: Estruturas envolvidas no reflexo barroreceptor
INTRODUÇÃO
▪ O método auscultatório de medição da pressão arterial
baseia-se na correlação da pressão e dos sons arteriais;
▪ Os sons de Korotkoff são os ruídos provocados pelo
movimento de sangue na artéria e que servirão para a
determinação da pressão sistólica e da pressão diastólica.
6
1º Som de
Korotkoff:
PRESSÂO
SISTÓLICA
2º Som de
Korotkoff:
PRESSÃO
DIASTÓLICA
INTRODUÇÃO
▪ A diferença entre a Pressão Sistólica e a Pressão
Diastólica é conhecida como Pressão de Pulso;
▪ Já a Pressão Arterial Média representa o valor médio da
pressão arterial durante o ciclo cardíaco:
𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝑨𝒓𝒕𝒆𝒓𝒊𝒂𝒍 𝑴é𝒅𝒊𝒂 = 𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝑫𝒊𝒂𝒔𝒕ó𝒍𝒊𝒄𝒂 +
𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝒅𝒆 𝑷𝒖𝒍𝒔𝒐 (𝑷𝑨𝑺 − 𝑷𝑨𝑫)
𝟑
▪ . Esse valor é significante porque ele é a diferença entre
essa pressão e a pressão venosa que impulsiona o
sangue através dos leitos capilares dos órgãos
7
8
Tabela I: Classificação da PA de acordo com a medição casual ou no
consultório à partir de 18 anos de idade
(Fonte: 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial)
OBJETIVOS
1. Aprender a determinar a pressão arterial pelo
método indireto, utilizando o esfigmomanômetro e o
estetoscópio;
2. Analisar a influência de fatores fisiológicos e
patológicos nas variações da pressão arterial.
9
CASUÍSTICA E
MÉTODOS
▪ Casuística:
1. Esfigmomanômetro
2. Estetoscópio
10
CASUÍSTICA E
MÉTODOS
▪ Métodos:
1. Foram formadas duplas de alunos no grupo de
trabalho, atuando um como paciente e o outro como
operador. Foi solicitado ao “paciente” para que se
sentasse confortavelmente;
2. O manguito e o estetoscópio foram preparados: a
válvula da pêra foi fechada e a insuflação de ar foi
procedida para dentro do manguito, até que o
manômetro atingisse a pressão de 160 mmHg;
3. A válvula da pêra foi aberta lentamente; quando houve
a percepção do primeiro ruído, foi observado o valor do
manômetro: esse valor correspondia à PRESSÃO
SISTÓLICA. 11
CASUÍSTICA E
MÉTODOS
4. O esvaziamento lento do manguito continuou, e quando
ocorreu a percepção do último ruído, o valor do
manômetro foi observado: correspondia à PRESSÃO
DIASTÓLICA;
5. Foram obtidos os valores de pressão arterial de todos os
membros do grupo;
6. Utilizando os valores de Pressão Sistólica e Diastólica,
foram calculados a Pressão de Pulso e a Pressão Arterial
Média.
12
13
Matheus Cardassi aferindo a pressão arterial de
Júlia Ferreira
Mariana Tanimoto aferindo a pressão arterial de
Mariana Remiro
14
Júlia Ferreira aferindo a pressão arterial de
Matheus Cardassi
Mariana Remiro aferindo a pressão arterial de
Mariana Tanimoto
15
Matheus Cardassi aferindo a pressão arterial de
Matheus Ferreira
16
ALUNOS
Pressão
Sistólica
Pressão
Diastólica
Pressão
de Pulso
Pressão
Arterial
Média
Júlia
Ferreira
110 mmHg 90 mmHg 20 mmHg
≅ 97
mmHg
Mariana
Tanimoto
110 mmHg 70 mmHg 40 mmHg
≅ 83
mmHg
Mariana
Remiro
110 mmHg 80 mmHg 30 mmHg 90 mmHg
Matheus
Ferreira
180
mmHg
110 mmHg 70 mmHg
≅ 133
mmHg
Matheus
Cardassi
130 mmHg 80 mmHg 50 mmHg
≅ 97
mmHg
RESULTADOS
DISCUSSÃO
▪ Segundo Lopes et al. (2012), a hipertensão arterial
(HA) é uma síndrome de origem multifatorial 
sendo um dos maiores problemas na área de saúde
pública e um grave fator de risco para as doenças
cardiovasculares;
▪ Conceito: Doença sistêmica que envolve alterações
nas estruturas das artérias e do miocárdio + disfunção
endotelial e constrição e da musculatura lisa vascular.
▪ Hipertensão, ou pressão alta, é ter a pressão arterial,
sistematicamente, igual ou maior que 140 mmHg por
90 mmHg;
17
DISCUSSÃO
▪ A pressão se eleva por vários motivos, mas
principalmente porque os vasos nos quais o sangue
circula se contraem;
▪ Se associa a distúrbios metabólicos, alterações funcionais
e/ou estruturais de orgãos-alvo, sendo agravada pela
presença de outros fatores de risco (FR).
▪ Segundo Péres et al. (2003), as doenças crônicas não-
transmissíveis, dentre elas a hipertensão arterial,
apresentaram um aumento significativo nas últimas
décadas, podendo ser atribuído à:
a) Maior longevidade da população;
b) Modificações ocorridas em seu estilo de vida. 18
DISCUSSÃO
▪ Segundo Car et al. (1991), a HA pode acarretar graves
consequências a alguns órgãos alvos vitais, como
coração, cérebro e rins, que uma vez acometidos
podem acarretar seqüelas irreversíveis ou levar à
morte; e como entidade isolada está entre as mais
freqüentes morbidades do adulto.
19Gráfico da variação sanguínea conforme os níveis de atividade
DISCUSSÃO
20
Fatores de Risco
1. IDADE: Associação direta e linear entre
envelhecimento e prevalência de
hipertensão arterial (HA)  alterações na
musculatura lisa e no tecido conjuntivo
dos vasos;
2. EXCESSO DE PESO E OBESIDADE:
Entre 2006 e 2014, houve aumento da
prevalência de excesso de peso (IMC ≥ 25
kg/m²) 52,5% vs 43%. No mesmo
período, obesidade (IMC ≥ 30 kg/m²) de
11,9% para 17,9% (Dados do Vigetel Brasil
2014)
Fonte: Google Imagens
DISCUSSÃO
21
Fatores de Risco
3. INGESTÃO EXCESSIVA DE SAL: O
consumo excessivo de sódio, um dos
principais fatores de risco para HA,
associa-se a eventos cardiovascular (CV)
e renais.
4. INGESTÃO DE ÁLCOOL: Consumo
crônico e elevado de bebidas alcoólicas
aumenta a PA de forma consistente.
Dados do VIGETEL, de 2006 a 2013,
mostram que o consumo abusivo de
bebidas alcoólicas foi maior entre os
jovens.
Fonte: Google Imagens
DISCUSSÃO
22
Fatores de Risco
5. SEDENTARISMO: Em alguns estudos, observou-se
associação significativa entre HA e idade, sexo
masculino, sobrepeso, adiposidade central,
sedentarismo nos momentos de folga e durante o
trabalho, escolaridade inferior a 8 anos e renda per
capita < 3 salários mínimos. Dados da PNS apontam
que indivíduos insuficientemente ativos
representaram 46,0% dos adultos, sendo o
percentual significantemente maior entre as
mulheres (51,5%).
6. GENÉTICA: Estudos brasileiros mostraram forte
impacto da miscigenação, dificultando ainda mais a
identificação de um padrão genético para a elevação
dos níveis pressóricos.
Fonte: Google Imagens
DISCUSSÃO
23
Fatores de Risco
7. SEXO E ETNIA: Na Pesquisa
Nacional de Saúde (PNS) de 2013, a
prevalência de HA autorreferida foi
estatisticamente diferente entre os
sexos, sendo maior entre:
 Mulheres (24,2%)
 Pessoas de raça negra/cor preta
(24,2%)
O estudo Corações do Brasil observou a
seguinte distribuição:
 11,1% na população indegena;
 10% na amarela;
 26,3% na parda/mulata;
 29,4% na branca ;
 34,8% na negra;
Fonte: Google Imagens
DISCUSSÃO
24
Fatores de Risco
8. FATORES SOCIOECONÔMICOS:
Adultos com menor nível de
escolaridade apresentaram a maior
prevalência de HA autorreferida
(31,1%). Assim, há uma menor
prevalência da doença com o
aumento do nível de escolaridade,
sendo este dado relevante.
Fonte: Google Imagens
25
Sintomas
 Sintomas ligados à hipertensão arterial essencial:
• Cefaléia
1. A hipertensão arterial de evolução acelerada (hipertensão maligna) está associada com:
• Sonolência;
• Confusão mental;
• Distúrbio visual;
• Náusea
• Vômito
 Sintomas ligados à hipertensão arterial secundária:
• Feomocromocitoma  tumor na suprarrenal;
• Aldosteronismo primário  os indivíduos hipertensos apresentam sintomas decorrentes
da excessiva perda renal de potássio, determinando fraqueza muscular, poliúria e nictúria;
• Síndrome de Cushing  Sinais e sintomas mais comuns estão relacionados ao excesso de
corticosteroides produzidos: aumento de peso, com a gordura se depositando no tronco e
no pescoço.
26
Sintomas
• Doença renal crônica: Os hipertensos decorrentes de doença renal crônica apresentam
sintomas devido à destruição do parênquima funcional renal. Os sintomas causados
pelas chamadas substâncias tóxicas também melhoram com dieta hipoproteica ou com
diálise. Dentre estas citam-se ureia, creatinina, creatina, etc, que têm seu efeito
principalmente sobre as mucosas do organismo;
• Doença da aorta e artéria renal: Uma ampla pressão de pulso reflete rigidez vascular e
pode ser um fator de risco de doença isquêmica miocárdica;
• Apneia obstrutiva do sono: A sua presença determina dificuldade em controlar a PA,
sendo considerada uma causa de hipertensão arterial resistente.
27
Dieta
o Padrão Alimentar: O padrão dietético DASH (Dietary Approaches to Stop
Hypertension), rico em frutas, hortaliças, fibras, minerais e laticínios com baixos teores
de gordura, tem importante impacto na redução da PA. Os benefícios sobre a PA têm
sido associados  alto consumo de potássio, magnésio e cálcio.
o Redução do consumo de Sódio: O elevado consumo de sódio advindo do sal e de
produtos processados, aliado ao excesso de peso e obesidade, favorece o surgimento e
agravamento dos quadros de hipertensão arterial sistêmica (HAS);
o Ácidos graxos insaturados: Observa-se uma redução da PA com a suplementação de
óleo de peixe (ômega 3) em altas doses diárias e nos idosos. As principais fontes de
ácidos graxos monoinsaturados (oleico) são óleo de oliva, óleo de canola, azeitona,
abacate e oleaginosas;
28
Dieta
o Fibras: As fibras solúveis são representadas pelo farelo de aveia, pectina (frutas) e
pelas gomas. As fibras insolúveis são representadas pela celulose (trigo),
hemicelulose (grãos) e lignina (hortaliças);
o Proteína da soja: As principais fontes de soja na alimentação são: feijão de soja,
tofu, farinha, leite de soja e o concentrado proteico da soja. A substituição
isocalórica de parte da proteína alimentar por um composto de soja associada a
outras medidas promoveu queda da PA em mulheres após a menopausa;
o Oleaginosas: O consumo de oleaginosas pode trazer benefícios à saúde se
integradas a um plano alimentar saudável;
29
Dieta
o Latícinios: O consumo de duas ou mais porções diárias de laticínios magros
correlacionou-se a menor incidência de HAS  maior aporte de cálcio;
o Alho: Tem ação metabólica, podendo atuar na coagulação, aumentando o tempo
de sangramento e promovendo discreta redução de pressão;
o Chá e café: Os polifenóis contidos no café e em alguns tipos de chás têm
potenciais propriedades vasoprotetoras;
o Chocolate amargo: O chocolate amargo (com alto teor de cacau) pode promover
discreta redução da PA, devido às altas concentrações de polifenóis.
30
Tratamento
o Não-medicamentoso: O tratamento não medicamentoso (TNM) da HA envolve
controle ponderal, medidas nutricionais, prática de atividades físicas, cessação do
tabagismo, controle de estresse, dentre outros;
o Medicamentoso: Todos os medicamentos anti-hipertensivos disponíveis podem
ser utilizados desde que sejam observadas as indicações e contraindicações
específicas. Eles podem ser:
1. Diuréticos
2. Agentes de ação central
3. Betabloqueadores
4. Alfabloqueadores
5. Vasodilatadores diretos
6. Bloqueadores dos canais de cálcio
7. Inibidores de enzima conversora de angiotensina
8. Bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II
9. Inibidores diretos da renina
31
Tratamento
1. Diuréticos: Os mecanismos de ação anti-hipertensiva dos DIU relacionam-se
inicialmente aos seus efeitos natriuréticos, com diminuição do volume extracelular;
2. Agentes de ação central: Os agentes alfa-agonistas de ação central agem através
do estímulo dos receptores α2 que estão envolvidos nos mecanismos
simpatoinibitórios. Nem todos são seletivos. Alguns efeitos são: diminuição da
atividade simpática e do reflexo dos barorreceptores, dentre outros;
3. Betabloqueadores: Promovem diminuição inicial do débito cardíaco e da secreção
de renina, havendo readaptação dos barorreceptores e diminuição das
catecolaminas nas sinapses nervosas;
4. Alfabloqueadores: Os medicamentos dessa classe agem como antagonistas
competitivos dos α1 -receptores pós-sinápticos, levando a redução da RVP sem
maiores mudanças no débito cardíaco.
32
Tratamento
5. Vasodilatadores diretos: Atuam diretamente, relaxando a musculatura lisa arterial, levando a
redução da Resistência Vascular Periférica (RVP);
6. Bloqueadores de canais de cálcio: Os BCC agem proporcionando redução da RVP como
consequência da diminuição da quantidade de cálcio no interior das células musculares lisas das
arteríolas, decorrente do bloqueio dos canais de cálcio na membrana dessas células;
7. Inibidores da enzima conversora de angiotensina: São anti-hipertensivos que têm como ação
principal a inibição da enzima conversora de angiotensina I, impedindo a transformação de
angiotensina I em angiotensina II, de ação vasoconstritora;
8. Bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II: Os BRA antagonizam a ação da angiotensina
II por meio do bloqueio dos receptores AT1 , responsáveis pelas ações vasoconstritoras, proliferativas
e estimuladoras da liberação de aldosterona;
9. Inibidores diretos da renina: Alisquireno, promove a inibição direta da ação da renina com
consequente diminuição da formação de angiotensina II.
CONCLUSÃO
▪ A determinação da pressão arterial pelo método
indireto, foi aprendida por todos os membros do
grupo;
▪ As influências de fatores fisiológicos e
patológicos nas variações da pressão arterial
foram analisadas.
33
APROVEITAMENTO
E JUSTIFICATIVA
▪ ( ) Excelente ( X ) Bom ( ) Ruim ( ) Péssimo
▪ A hipertensão arterial sistêmica é um dos problemas
enfrentados pelos dentistas em atendimento em
pacientes. A prevenção é fundamental para se evitar
um quadro emergencial, por isso é necessário aferir a
pressão arterial do paciente. Na maioria das vezes, o
medo e a ansiedade faz com que o paciente libere
adrenalina, aumentando assim a pressão arterial,
trazendo risco ao paciente. Assim, para atender um
paciente hipertenso é preciso cuidado com a
composição da medicação e da anestesia. 34
REFERÊNCIAS
▪ Car MR, Pierin AMG, Aquino VLA. Estudo sobre a presença do processo
educativo no controle da pressão arterial. Rev Esc Enf 1991; 25 (3): 259-69.
▪ Fox SI. Fisiologia Humana. Manole: Rio de Janeiro; 2007.
▪ Lopes LO, Moraes ED. Tratamento não medicamentoso para hipertensão
arterial. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo 2013; 13 (1): 148-55.
▪ Oigman W. Sinais e sintomas em hipertensão arterial. JBM 2014; 102 (5).
▪ Peralta CC, Cabrera MA, Rosa RAC, Vuolo RAC. Fisiologia: base para o
diagnóstico clínico e laboratorial. Boreal: Birigui; 2007.
▪ Péres DS, Magna JM, Viana LA. Portador de hipertensão arterial: atitudes,
crenças, percepções, pensamentos e práticas. Rev Saúde Pública 2003; 37 (5):
635-42.
▪ VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol 2016; 107 (3):
XV-XIX.
35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasresenfe2013
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaresenfe2013
 
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraemaildocavalcante
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurançaRenatbar
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativasresenfe2013
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosfabiana vitoria souto
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemAna Hollanders
 

Mais procurados (20)

Choque
Choque Choque
Choque
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentos
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Insulinoterapia
InsulinoterapiaInsulinoterapia
Insulinoterapia
 

Semelhante a Aferição de pressão arterial

Rev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primáriaRev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primáriaMárcia Loureiro
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaj2012p
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Vinicius Lopes
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonarresenfe2013
 
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
 hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joaoLAC
 
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Hipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor RobsonHipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor Robson
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor RobsonProfessor Robson
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Danilo Alves
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSArquivo-FClinico
 
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdfAula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdfGiza Carla Nitz
 
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertensoAssistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertensoJúlia Silva
 
Medida de PA no RN
Medida de PA no RNMedida de PA no RN
Medida de PA no RNgisa_legal
 

Semelhante a Aferição de pressão arterial (20)

Rev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primáriaRev hipertensão arterial sistêmica primária
Rev hipertensão arterial sistêmica primária
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Revista4 hipertensao2005
Revista4 hipertensao2005Revista4 hipertensao2005
Revista4 hipertensao2005
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
 hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
hipertensao-arterial_-_lac_-_guilherme._joao
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Hipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor RobsonHipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor Robson
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
 
Aula 3 Hipertensão arterial.pptx
Aula 3 Hipertensão arterial.pptxAula 3 Hipertensão arterial.pptx
Aula 3 Hipertensão arterial.pptx
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Iam infarto miocardio -
Iam   infarto miocardio -Iam   infarto miocardio -
Iam infarto miocardio -
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
 
Apresentação hipertensão
Apresentação hipertensãoApresentação hipertensão
Apresentação hipertensão
 
Apresentação hipertensão
Apresentação hipertensãoApresentação hipertensão
Apresentação hipertensão
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Disfuncoes miccionais
Disfuncoes miccionaisDisfuncoes miccionais
Disfuncoes miccionais
 
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdfAula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
 
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertensoAssistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
 
Medida de PA no RN
Medida de PA no RNMedida de PA no RN
Medida de PA no RN
 

Mais de Mariana Remiro

Sistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator RhSistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator RhMariana Remiro
 
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoTs e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoMariana Remiro
 
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMariana Remiro
 
Ética e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeÉtica e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeMariana Remiro
 
Funções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoFunções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoMariana Remiro
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Mariana Remiro
 

Mais de Mariana Remiro (8)

Mucosa oral
Mucosa oralMucosa oral
Mucosa oral
 
Sistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator RhSistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator Rh
 
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoTs e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
 
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
 
Ética e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeÉtica e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúde
 
Funções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoFunções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema Nervoso
 
Fenda labiopalatina
Fenda labiopalatinaFenda labiopalatina
Fenda labiopalatina
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
 

Último

Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfqualidadediagnostico
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDiegoFernandes857616
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfClaudiaAraujo428025
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMayaraStefanydaSilva1
 

Último (8)

Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 

Aferição de pressão arterial

  • 2. INTRODUÇÃO • O fluxo de sangue nas artérias é feito sob pressão pelo bombeamento do ventrículo esquerdo para a artéria aorta. 2 PRESSÃO SISTÓLICA 100 a 140 mmHg PRESSÃO DIASTÓLICA 60 a 90 mmHg
  • 3. INTRODUÇÃO • A pressão do sangue arterial é regulada por: • O aumento de qualquer um desses fatores, quando não compensado pela diminuição de outra variável  aumento da pressão arterial; • Mecanismos reguladores ajustam desvios por meio da retroalimentação negativa; 3 VOLUME SANGUÍNEO RESISTÊNCIA PERIFÉRICA TOTAL FREQUÊNCIA CARDÍACA
  • 4. INTRODUÇÃO • Para que a pressão arterial seja mantida dentro dos limites, são necessários receptores de pressão especializados: BARRORECEPTORES  receptores de estiramento localizados no arco da aorta e nos seios caróticos. • Aumento da pressão: paredes dessas regiões arteriais distendem-se, aumentando a frequência dos potenciais de ação; • Queda da pressão: redução da frequência dos potenciais de ação. 4
  • 5. 5 Fig 1: Estruturas envolvidas no reflexo barroreceptor
  • 6. INTRODUÇÃO ▪ O método auscultatório de medição da pressão arterial baseia-se na correlação da pressão e dos sons arteriais; ▪ Os sons de Korotkoff são os ruídos provocados pelo movimento de sangue na artéria e que servirão para a determinação da pressão sistólica e da pressão diastólica. 6 1º Som de Korotkoff: PRESSÂO SISTÓLICA 2º Som de Korotkoff: PRESSÃO DIASTÓLICA
  • 7. INTRODUÇÃO ▪ A diferença entre a Pressão Sistólica e a Pressão Diastólica é conhecida como Pressão de Pulso; ▪ Já a Pressão Arterial Média representa o valor médio da pressão arterial durante o ciclo cardíaco: 𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝑨𝒓𝒕𝒆𝒓𝒊𝒂𝒍 𝑴é𝒅𝒊𝒂 = 𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝑫𝒊𝒂𝒔𝒕ó𝒍𝒊𝒄𝒂 + 𝑷𝒓𝒆𝒔𝒔ã𝒐 𝒅𝒆 𝑷𝒖𝒍𝒔𝒐 (𝑷𝑨𝑺 − 𝑷𝑨𝑫) 𝟑 ▪ . Esse valor é significante porque ele é a diferença entre essa pressão e a pressão venosa que impulsiona o sangue através dos leitos capilares dos órgãos 7
  • 8. 8 Tabela I: Classificação da PA de acordo com a medição casual ou no consultório à partir de 18 anos de idade (Fonte: 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial)
  • 9. OBJETIVOS 1. Aprender a determinar a pressão arterial pelo método indireto, utilizando o esfigmomanômetro e o estetoscópio; 2. Analisar a influência de fatores fisiológicos e patológicos nas variações da pressão arterial. 9
  • 10. CASUÍSTICA E MÉTODOS ▪ Casuística: 1. Esfigmomanômetro 2. Estetoscópio 10
  • 11. CASUÍSTICA E MÉTODOS ▪ Métodos: 1. Foram formadas duplas de alunos no grupo de trabalho, atuando um como paciente e o outro como operador. Foi solicitado ao “paciente” para que se sentasse confortavelmente; 2. O manguito e o estetoscópio foram preparados: a válvula da pêra foi fechada e a insuflação de ar foi procedida para dentro do manguito, até que o manômetro atingisse a pressão de 160 mmHg; 3. A válvula da pêra foi aberta lentamente; quando houve a percepção do primeiro ruído, foi observado o valor do manômetro: esse valor correspondia à PRESSÃO SISTÓLICA. 11
  • 12. CASUÍSTICA E MÉTODOS 4. O esvaziamento lento do manguito continuou, e quando ocorreu a percepção do último ruído, o valor do manômetro foi observado: correspondia à PRESSÃO DIASTÓLICA; 5. Foram obtidos os valores de pressão arterial de todos os membros do grupo; 6. Utilizando os valores de Pressão Sistólica e Diastólica, foram calculados a Pressão de Pulso e a Pressão Arterial Média. 12
  • 13. 13 Matheus Cardassi aferindo a pressão arterial de Júlia Ferreira Mariana Tanimoto aferindo a pressão arterial de Mariana Remiro
  • 14. 14 Júlia Ferreira aferindo a pressão arterial de Matheus Cardassi Mariana Remiro aferindo a pressão arterial de Mariana Tanimoto
  • 15. 15 Matheus Cardassi aferindo a pressão arterial de Matheus Ferreira
  • 16. 16 ALUNOS Pressão Sistólica Pressão Diastólica Pressão de Pulso Pressão Arterial Média Júlia Ferreira 110 mmHg 90 mmHg 20 mmHg ≅ 97 mmHg Mariana Tanimoto 110 mmHg 70 mmHg 40 mmHg ≅ 83 mmHg Mariana Remiro 110 mmHg 80 mmHg 30 mmHg 90 mmHg Matheus Ferreira 180 mmHg 110 mmHg 70 mmHg ≅ 133 mmHg Matheus Cardassi 130 mmHg 80 mmHg 50 mmHg ≅ 97 mmHg RESULTADOS
  • 17. DISCUSSÃO ▪ Segundo Lopes et al. (2012), a hipertensão arterial (HA) é uma síndrome de origem multifatorial  sendo um dos maiores problemas na área de saúde pública e um grave fator de risco para as doenças cardiovasculares; ▪ Conceito: Doença sistêmica que envolve alterações nas estruturas das artérias e do miocárdio + disfunção endotelial e constrição e da musculatura lisa vascular. ▪ Hipertensão, ou pressão alta, é ter a pressão arterial, sistematicamente, igual ou maior que 140 mmHg por 90 mmHg; 17
  • 18. DISCUSSÃO ▪ A pressão se eleva por vários motivos, mas principalmente porque os vasos nos quais o sangue circula se contraem; ▪ Se associa a distúrbios metabólicos, alterações funcionais e/ou estruturais de orgãos-alvo, sendo agravada pela presença de outros fatores de risco (FR). ▪ Segundo Péres et al. (2003), as doenças crônicas não- transmissíveis, dentre elas a hipertensão arterial, apresentaram um aumento significativo nas últimas décadas, podendo ser atribuído à: a) Maior longevidade da população; b) Modificações ocorridas em seu estilo de vida. 18
  • 19. DISCUSSÃO ▪ Segundo Car et al. (1991), a HA pode acarretar graves consequências a alguns órgãos alvos vitais, como coração, cérebro e rins, que uma vez acometidos podem acarretar seqüelas irreversíveis ou levar à morte; e como entidade isolada está entre as mais freqüentes morbidades do adulto. 19Gráfico da variação sanguínea conforme os níveis de atividade
  • 20. DISCUSSÃO 20 Fatores de Risco 1. IDADE: Associação direta e linear entre envelhecimento e prevalência de hipertensão arterial (HA)  alterações na musculatura lisa e no tecido conjuntivo dos vasos; 2. EXCESSO DE PESO E OBESIDADE: Entre 2006 e 2014, houve aumento da prevalência de excesso de peso (IMC ≥ 25 kg/m²) 52,5% vs 43%. No mesmo período, obesidade (IMC ≥ 30 kg/m²) de 11,9% para 17,9% (Dados do Vigetel Brasil 2014) Fonte: Google Imagens
  • 21. DISCUSSÃO 21 Fatores de Risco 3. INGESTÃO EXCESSIVA DE SAL: O consumo excessivo de sódio, um dos principais fatores de risco para HA, associa-se a eventos cardiovascular (CV) e renais. 4. INGESTÃO DE ÁLCOOL: Consumo crônico e elevado de bebidas alcoólicas aumenta a PA de forma consistente. Dados do VIGETEL, de 2006 a 2013, mostram que o consumo abusivo de bebidas alcoólicas foi maior entre os jovens. Fonte: Google Imagens
  • 22. DISCUSSÃO 22 Fatores de Risco 5. SEDENTARISMO: Em alguns estudos, observou-se associação significativa entre HA e idade, sexo masculino, sobrepeso, adiposidade central, sedentarismo nos momentos de folga e durante o trabalho, escolaridade inferior a 8 anos e renda per capita < 3 salários mínimos. Dados da PNS apontam que indivíduos insuficientemente ativos representaram 46,0% dos adultos, sendo o percentual significantemente maior entre as mulheres (51,5%). 6. GENÉTICA: Estudos brasileiros mostraram forte impacto da miscigenação, dificultando ainda mais a identificação de um padrão genético para a elevação dos níveis pressóricos. Fonte: Google Imagens
  • 23. DISCUSSÃO 23 Fatores de Risco 7. SEXO E ETNIA: Na Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2013, a prevalência de HA autorreferida foi estatisticamente diferente entre os sexos, sendo maior entre:  Mulheres (24,2%)  Pessoas de raça negra/cor preta (24,2%) O estudo Corações do Brasil observou a seguinte distribuição:  11,1% na população indegena;  10% na amarela;  26,3% na parda/mulata;  29,4% na branca ;  34,8% na negra; Fonte: Google Imagens
  • 24. DISCUSSÃO 24 Fatores de Risco 8. FATORES SOCIOECONÔMICOS: Adultos com menor nível de escolaridade apresentaram a maior prevalência de HA autorreferida (31,1%). Assim, há uma menor prevalência da doença com o aumento do nível de escolaridade, sendo este dado relevante. Fonte: Google Imagens
  • 25. 25 Sintomas  Sintomas ligados à hipertensão arterial essencial: • Cefaléia 1. A hipertensão arterial de evolução acelerada (hipertensão maligna) está associada com: • Sonolência; • Confusão mental; • Distúrbio visual; • Náusea • Vômito  Sintomas ligados à hipertensão arterial secundária: • Feomocromocitoma  tumor na suprarrenal; • Aldosteronismo primário  os indivíduos hipertensos apresentam sintomas decorrentes da excessiva perda renal de potássio, determinando fraqueza muscular, poliúria e nictúria; • Síndrome de Cushing  Sinais e sintomas mais comuns estão relacionados ao excesso de corticosteroides produzidos: aumento de peso, com a gordura se depositando no tronco e no pescoço.
  • 26. 26 Sintomas • Doença renal crônica: Os hipertensos decorrentes de doença renal crônica apresentam sintomas devido à destruição do parênquima funcional renal. Os sintomas causados pelas chamadas substâncias tóxicas também melhoram com dieta hipoproteica ou com diálise. Dentre estas citam-se ureia, creatinina, creatina, etc, que têm seu efeito principalmente sobre as mucosas do organismo; • Doença da aorta e artéria renal: Uma ampla pressão de pulso reflete rigidez vascular e pode ser um fator de risco de doença isquêmica miocárdica; • Apneia obstrutiva do sono: A sua presença determina dificuldade em controlar a PA, sendo considerada uma causa de hipertensão arterial resistente.
  • 27. 27 Dieta o Padrão Alimentar: O padrão dietético DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension), rico em frutas, hortaliças, fibras, minerais e laticínios com baixos teores de gordura, tem importante impacto na redução da PA. Os benefícios sobre a PA têm sido associados  alto consumo de potássio, magnésio e cálcio. o Redução do consumo de Sódio: O elevado consumo de sódio advindo do sal e de produtos processados, aliado ao excesso de peso e obesidade, favorece o surgimento e agravamento dos quadros de hipertensão arterial sistêmica (HAS); o Ácidos graxos insaturados: Observa-se uma redução da PA com a suplementação de óleo de peixe (ômega 3) em altas doses diárias e nos idosos. As principais fontes de ácidos graxos monoinsaturados (oleico) são óleo de oliva, óleo de canola, azeitona, abacate e oleaginosas;
  • 28. 28 Dieta o Fibras: As fibras solúveis são representadas pelo farelo de aveia, pectina (frutas) e pelas gomas. As fibras insolúveis são representadas pela celulose (trigo), hemicelulose (grãos) e lignina (hortaliças); o Proteína da soja: As principais fontes de soja na alimentação são: feijão de soja, tofu, farinha, leite de soja e o concentrado proteico da soja. A substituição isocalórica de parte da proteína alimentar por um composto de soja associada a outras medidas promoveu queda da PA em mulheres após a menopausa; o Oleaginosas: O consumo de oleaginosas pode trazer benefícios à saúde se integradas a um plano alimentar saudável;
  • 29. 29 Dieta o Latícinios: O consumo de duas ou mais porções diárias de laticínios magros correlacionou-se a menor incidência de HAS  maior aporte de cálcio; o Alho: Tem ação metabólica, podendo atuar na coagulação, aumentando o tempo de sangramento e promovendo discreta redução de pressão; o Chá e café: Os polifenóis contidos no café e em alguns tipos de chás têm potenciais propriedades vasoprotetoras; o Chocolate amargo: O chocolate amargo (com alto teor de cacau) pode promover discreta redução da PA, devido às altas concentrações de polifenóis.
  • 30. 30 Tratamento o Não-medicamentoso: O tratamento não medicamentoso (TNM) da HA envolve controle ponderal, medidas nutricionais, prática de atividades físicas, cessação do tabagismo, controle de estresse, dentre outros; o Medicamentoso: Todos os medicamentos anti-hipertensivos disponíveis podem ser utilizados desde que sejam observadas as indicações e contraindicações específicas. Eles podem ser: 1. Diuréticos 2. Agentes de ação central 3. Betabloqueadores 4. Alfabloqueadores 5. Vasodilatadores diretos 6. Bloqueadores dos canais de cálcio 7. Inibidores de enzima conversora de angiotensina 8. Bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II 9. Inibidores diretos da renina
  • 31. 31 Tratamento 1. Diuréticos: Os mecanismos de ação anti-hipertensiva dos DIU relacionam-se inicialmente aos seus efeitos natriuréticos, com diminuição do volume extracelular; 2. Agentes de ação central: Os agentes alfa-agonistas de ação central agem através do estímulo dos receptores α2 que estão envolvidos nos mecanismos simpatoinibitórios. Nem todos são seletivos. Alguns efeitos são: diminuição da atividade simpática e do reflexo dos barorreceptores, dentre outros; 3. Betabloqueadores: Promovem diminuição inicial do débito cardíaco e da secreção de renina, havendo readaptação dos barorreceptores e diminuição das catecolaminas nas sinapses nervosas; 4. Alfabloqueadores: Os medicamentos dessa classe agem como antagonistas competitivos dos α1 -receptores pós-sinápticos, levando a redução da RVP sem maiores mudanças no débito cardíaco.
  • 32. 32 Tratamento 5. Vasodilatadores diretos: Atuam diretamente, relaxando a musculatura lisa arterial, levando a redução da Resistência Vascular Periférica (RVP); 6. Bloqueadores de canais de cálcio: Os BCC agem proporcionando redução da RVP como consequência da diminuição da quantidade de cálcio no interior das células musculares lisas das arteríolas, decorrente do bloqueio dos canais de cálcio na membrana dessas células; 7. Inibidores da enzima conversora de angiotensina: São anti-hipertensivos que têm como ação principal a inibição da enzima conversora de angiotensina I, impedindo a transformação de angiotensina I em angiotensina II, de ação vasoconstritora; 8. Bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II: Os BRA antagonizam a ação da angiotensina II por meio do bloqueio dos receptores AT1 , responsáveis pelas ações vasoconstritoras, proliferativas e estimuladoras da liberação de aldosterona; 9. Inibidores diretos da renina: Alisquireno, promove a inibição direta da ação da renina com consequente diminuição da formação de angiotensina II.
  • 33. CONCLUSÃO ▪ A determinação da pressão arterial pelo método indireto, foi aprendida por todos os membros do grupo; ▪ As influências de fatores fisiológicos e patológicos nas variações da pressão arterial foram analisadas. 33
  • 34. APROVEITAMENTO E JUSTIFICATIVA ▪ ( ) Excelente ( X ) Bom ( ) Ruim ( ) Péssimo ▪ A hipertensão arterial sistêmica é um dos problemas enfrentados pelos dentistas em atendimento em pacientes. A prevenção é fundamental para se evitar um quadro emergencial, por isso é necessário aferir a pressão arterial do paciente. Na maioria das vezes, o medo e a ansiedade faz com que o paciente libere adrenalina, aumentando assim a pressão arterial, trazendo risco ao paciente. Assim, para atender um paciente hipertenso é preciso cuidado com a composição da medicação e da anestesia. 34
  • 35. REFERÊNCIAS ▪ Car MR, Pierin AMG, Aquino VLA. Estudo sobre a presença do processo educativo no controle da pressão arterial. Rev Esc Enf 1991; 25 (3): 259-69. ▪ Fox SI. Fisiologia Humana. Manole: Rio de Janeiro; 2007. ▪ Lopes LO, Moraes ED. Tratamento não medicamentoso para hipertensão arterial. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo 2013; 13 (1): 148-55. ▪ Oigman W. Sinais e sintomas em hipertensão arterial. JBM 2014; 102 (5). ▪ Peralta CC, Cabrera MA, Rosa RAC, Vuolo RAC. Fisiologia: base para o diagnóstico clínico e laboratorial. Boreal: Birigui; 2007. ▪ Péres DS, Magna JM, Viana LA. Portador de hipertensão arterial: atitudes, crenças, percepções, pensamentos e práticas. Rev Saúde Pública 2003; 37 (5): 635-42. ▪ VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol 2016; 107 (3): XV-XIX. 35