SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Enfermeira Giza Carla Nitz
Especialista em Urgência e Emergência
Doenças Cardiovasculares
Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
As disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Estas
podem ser:
 Origem congênita: já nasce com a doença, como a
deficiência na formação de válvulas cardíacas;
 Infecciosa: produzida por bactérias que acometem as vias
aéreas superiores,
 Doenças reumáticas infecciosas ou crônico-degenerativas:
que não apresentam uma causa definida e,
conseqüentemente, não têm cura, mas podem ser
controladas.
Tais disfunções, quando não controladas, geram complicações
e se transformam nas principais causas de morte no Brasil e no
mundo.
Doenças crônico-degenerativas:
 Hipertensão arterial,
 Angina do peito,
 Infarto agudo do miocárdio,
 Acidente vascular cerebral,
 Insuficiência vascular periférica, entre outras.
Fatores de risco:
A história familiar, a idade, o sexo e a raça, associados a fatores
de risco relacionados ao estilo de vida das pessoas, como dieta
rica em sal, gordura, carboidratos, uso do álcool, do fumo e de
outras drogas, bem como o estresse da vida moderna.
A base da formação das doenças crônico-degenerativas,
ligadas às disfunções circulatórias, tem como ponto inicial
as alterações dos vasos sangüíneos:
Com o envelhecimento, as artérias vão perdendo sua
elasticidade, tornando-se mais endurecidas. Associado
aos fatores de risco, poderá antecipar o endurecimento
precoce das artérias (arteriosclerose), como também
propiciar a deposição de placas de gorduras em seu
interior (ateromas) causando a aterosclerose. Estas
alterações levam à oclusão parcial ou total das artérias e
até o seu rompimento.
Definição:
 Pressão sistólica (máxima) em repouso de 140
mmHg ou mais.
 Pressão diastólica (mínima) em repouso de 90
mmHg ou mais.
Principais causas:
 Hereditariedade;
 Influências renais;
 Fatores cardíacos e vasculares;
 Sistema nervoso (hiperatividade);
 substâncias hormonais vasoativas;
 Meio ambiente (mudanças de hábito de vida e de
condições gerais inerentes);
 Condições clínicas associadas (obesidade, tabagismo,
diabetes mellitus, alcoolismo, etc)..
Sintomas:
A hipertensão tem sido denominada de “assassino
silencioso”, porque, em geral, ela não produz
sintomas durante muitos anos (até ocorrer lesão de
um órgão vital).
Cuidados de enfermagem:
 Avaliar pressão arterial quando necessário, até estabilização
da mesma;
 Avaliar pulsação periférica
 Observar sinais de insuficiência cardíaca (taquicardia,
agitação, cianose, Dispnéia, extremidades frias).
 Orientar o paciente quanto à necessidade de repouso
durante a dor;
 Oferecer ambiente tranqüilo e organizar o atendimento, de
modo a oferecer períodos de descanso.
 Verificar a PA diariamente nos mesmos horários e com o
paciente em repouso;
 Orientar a evitar excesso de atividade física;
 Oferecer dieta leve, fracionada, hipossódica, hipolipídica;
Existem dois tipos de hipertensão arterial:
hipertensão primária, hoje chamada de
hipertensão arterial sistêmica, e secundária. A
hipertensão sistêmica corresponde a 90% dos
casos e se caracteriza por não haver uma
causa conhecida, enquanto os 10% restantes
correspondem à hipertensão secundária,
onde é possível identificar uma causa, como,
por exemplo, problemas renais, tumores de
supra-renal e algumas doenças endócrinas.
O diagnóstico é feito através da medida da
pressão arterial, porém uma medida isolada
não é suficiente, sendo recomendado duas
ou mais medidas em momentos diferentes,
quando da suspeita de hipertensão arterial.
As medidas devem ser obtidas em ambos os
braços, com a pessoa nas posições - sentada
e deitada.
Até poucos anos atrás, o tratamento do
hipertenso era centrado no uso da
medicação. À medida que foi sendo
estudada a correlação com os fatores de
risco citados, anteriormente, iniciou-se uma
nova abordagem, valorizando as mudanças
de estilo de vida, associadas ou não ao uso
de medicamentos.
É recomendado que o hipertenso grau I (leve)
seja controlado mediante:
 Dieta equilibrada,
 Diminuição da ingestão de sal,
 prática de atividade física regular,
 Controle do peso corporal,
 Abandono do consumo de cigarros
 Álcool
 Drogas
O hipertenso grau II e III (moderado e grave),
além do controle dos fatores de risco
modificáveis, necessitará da utilização de
medicamentos para o resto da vida.
Quatro grupos de medicamentos são utilizados no
tratamento da hipertensão:
 Diuréticos,
 Betabloqueadores,
 Bloqueadores de cálcio.
 Inibidores da enzima conversora de angiotensina,
A prescrição do medicamento depende da idade
do portador, das doenças associadas, do custo, dos
efeitos colaterais, da experiência clínica e da
organização do serviço de saúde.
Tratamento não-medicamentoso
Objetivo: a prevenção de complicações
(lesões de órgão alvo), não abandonar os
cuidados e adotar um estilo de vida
saudável.
Sintomas:
 Dor no peito,
 Cefaléia occipital e matinal,
 Escotomas,
 Irritabilidade,
 Cansaço aos esforços,
 Tonturas
 Dispnéia.
 Edema nos membros superiores e inferiores ao final do dia,
A hipertensão pode estar presente sem qualquer sintoma
associado (assintomático).
Os cuidados com as pessoas hipertensas :
 Controle da pressão arterial,
 Uso correto da medicação
prescrita,
 Incentivo à prática de
atividades físicas e mentais.
Fatores de risco modificáveis, com adoção de um estilo
de vida saudável:
 Estresse;
 Glicose e
 Colesterol alto,
 Sedentarismo,
 Obesidade,
 Consumo excessivo de sal,
 Álcool,
 Fumo
 Drogas ilícitas.
Os programas educacionais e de assistência ao
hipertenso têm obtido resultados satisfatórios,
possibilitando um controle adequado apenas em
nível ambulatorial, diminuindo o índice de
hospitalização e prevenindo as complicações
cardíacas. Hoje, quando um hipertenso chega a
hospitalizar-se, o motivo mais comum :
 Elevação súbita da pressão arterial (crise
hipertensiva),
 Manifestações de lesões crônicas decorrentes da
hipertensão não-controlada.
Atividades:
1. Qual é a origem das disfunções circulatórias?
2. Quais os principais fatores de risco para
doenças crônico degenerativas?
3. Qual a definição para hipertensão HAS?
4. Quais os principais sintomas relacionados a
HAS?
5. Quais os cuidados de enfermagem para HAS?
6. Como é feito o diagnóstico para HAS?
7. Porque a hipertensão arterial é considerada
uma doença silenciosa?
8. Quais os fatores de risco modificáveis que
podem controlar a pressão arterial com a
adoção de um estilo de vida saudável?
Referência:
• Henry JB. Diagnósticos clínicos e tratamento por métodos
laboratoriais.18 ed. São paulo : Manole; 1995.
• Santello JL, Mion D. Captopril Associado a Hidroclorotiazida
no tratamento dahipertensão levee moderada: estudo
multicêntrico brasileiro . Arq Bras Cardiol 1998; 71(5) : 713-
716.
• Relman D. Tratado de MedicinaInterna. 22 ed. Rio de
Janeiro : Elsevier; 2005.
• Sociedade Brasileira de Cardiologia;Sociedade Brasileira
de Hipertensão. DiretrizesBrasileiras REV. BRAS. GERIATRIA E
GERONTOLOGIA; 2006;
• . Jobim EFC. Hipertensão arterial no idoso: classificação e
peculiaridades. Rev Bras Clin Méd 2008; 6: 250-253.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf

Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
Ellen Santos
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
Marcelo Nascimento
 
A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...
A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...
A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...
Pill Reminder
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
fabriciofigueiredo
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
Walquiria Dutra
 
Jean o que é hipertensão
Jean o que é hipertensãoJean o que é hipertensão
Jean o que é hipertensão
Jean Moreira
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
Laboratório Sérgio Franco
 
Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...
Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...
Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...
DiegoEstrela5
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
intro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptxintro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptx
GustavoWallace10
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
j2012p
 
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
Vilma Rodrigues
 
Cartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetesCartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetes
Cristina Germano
 
Cartilha sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha sobre hipertensão arterial e diabetesCartilha sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha sobre hipertensão arterial e diabetes
Cristina Germano
 
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
Amanda Fernandes Carvalho
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
André Guedes
 
crisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptx
crisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptxcrisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptx
crisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptx
RonaldLima31
 
Hipercolesterolemia
HipercolesterolemiaHipercolesterolemia
Hipercolesterolemia
Laboratório Sérgio Franco
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
Walquer Sobrinho
 
Tema de vida joni
Tema de vida   joniTema de vida   joni
Tema de vida joni
LeandroMarques2009
 

Semelhante a Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf (20)

Hipertensao arterial
Hipertensao arterialHipertensao arterial
Hipertensao arterial
 
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial SistêmicaHAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
HAS - Hipertensão Arterial Sistêmica
 
A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...
A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...
A dieta para hipertensos princípios e práticas fundamentais para o controlo...
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Jean o que é hipertensão
Jean o que é hipertensãoJean o que é hipertensão
Jean o que é hipertensão
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...
Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...
Afecções do Sistema Cardiovascular e Endócrino no idoso e a Assistência de En...
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
intro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptxintro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptx
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
 
Cartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetesCartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha pacs2.1.1 sobre hipertensão arterial e diabetes
 
Cartilha sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha sobre hipertensão arterial e diabetesCartilha sobre hipertensão arterial e diabetes
Cartilha sobre hipertensão arterial e diabetes
 
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
crisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptx
crisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptxcrisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptx
crisehipertensiva-150712133642-lva1-app6891.pptx
 
Hipercolesterolemia
HipercolesterolemiaHipercolesterolemia
Hipercolesterolemia
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Tema de vida joni
Tema de vida   joniTema de vida   joni
Tema de vida joni
 

Mais de Giza Carla Nitz

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 

Mais de Giza Carla Nitz (20)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 

Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf

  • 1. Professora Enfermeira Giza Carla Nitz Especialista em Urgência e Emergência
  • 3. As disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Estas podem ser:  Origem congênita: já nasce com a doença, como a deficiência na formação de válvulas cardíacas;  Infecciosa: produzida por bactérias que acometem as vias aéreas superiores,  Doenças reumáticas infecciosas ou crônico-degenerativas: que não apresentam uma causa definida e, conseqüentemente, não têm cura, mas podem ser controladas. Tais disfunções, quando não controladas, geram complicações e se transformam nas principais causas de morte no Brasil e no mundo.
  • 4. Doenças crônico-degenerativas:  Hipertensão arterial,  Angina do peito,  Infarto agudo do miocárdio,  Acidente vascular cerebral,  Insuficiência vascular periférica, entre outras. Fatores de risco: A história familiar, a idade, o sexo e a raça, associados a fatores de risco relacionados ao estilo de vida das pessoas, como dieta rica em sal, gordura, carboidratos, uso do álcool, do fumo e de outras drogas, bem como o estresse da vida moderna.
  • 5. A base da formação das doenças crônico-degenerativas, ligadas às disfunções circulatórias, tem como ponto inicial as alterações dos vasos sangüíneos: Com o envelhecimento, as artérias vão perdendo sua elasticidade, tornando-se mais endurecidas. Associado aos fatores de risco, poderá antecipar o endurecimento precoce das artérias (arteriosclerose), como também propiciar a deposição de placas de gorduras em seu interior (ateromas) causando a aterosclerose. Estas alterações levam à oclusão parcial ou total das artérias e até o seu rompimento.
  • 6. Definição:  Pressão sistólica (máxima) em repouso de 140 mmHg ou mais.  Pressão diastólica (mínima) em repouso de 90 mmHg ou mais.
  • 7. Principais causas:  Hereditariedade;  Influências renais;  Fatores cardíacos e vasculares;  Sistema nervoso (hiperatividade);  substâncias hormonais vasoativas;  Meio ambiente (mudanças de hábito de vida e de condições gerais inerentes);  Condições clínicas associadas (obesidade, tabagismo, diabetes mellitus, alcoolismo, etc)..
  • 8. Sintomas: A hipertensão tem sido denominada de “assassino silencioso”, porque, em geral, ela não produz sintomas durante muitos anos (até ocorrer lesão de um órgão vital).
  • 9. Cuidados de enfermagem:  Avaliar pressão arterial quando necessário, até estabilização da mesma;  Avaliar pulsação periférica  Observar sinais de insuficiência cardíaca (taquicardia, agitação, cianose, Dispnéia, extremidades frias).  Orientar o paciente quanto à necessidade de repouso durante a dor;  Oferecer ambiente tranqüilo e organizar o atendimento, de modo a oferecer períodos de descanso.  Verificar a PA diariamente nos mesmos horários e com o paciente em repouso;  Orientar a evitar excesso de atividade física;  Oferecer dieta leve, fracionada, hipossódica, hipolipídica;
  • 10. Existem dois tipos de hipertensão arterial: hipertensão primária, hoje chamada de hipertensão arterial sistêmica, e secundária. A hipertensão sistêmica corresponde a 90% dos casos e se caracteriza por não haver uma causa conhecida, enquanto os 10% restantes correspondem à hipertensão secundária, onde é possível identificar uma causa, como, por exemplo, problemas renais, tumores de supra-renal e algumas doenças endócrinas.
  • 11. O diagnóstico é feito através da medida da pressão arterial, porém uma medida isolada não é suficiente, sendo recomendado duas ou mais medidas em momentos diferentes, quando da suspeita de hipertensão arterial. As medidas devem ser obtidas em ambos os braços, com a pessoa nas posições - sentada e deitada.
  • 12. Até poucos anos atrás, o tratamento do hipertenso era centrado no uso da medicação. À medida que foi sendo estudada a correlação com os fatores de risco citados, anteriormente, iniciou-se uma nova abordagem, valorizando as mudanças de estilo de vida, associadas ou não ao uso de medicamentos.
  • 13. É recomendado que o hipertenso grau I (leve) seja controlado mediante:  Dieta equilibrada,  Diminuição da ingestão de sal,  prática de atividade física regular,  Controle do peso corporal,  Abandono do consumo de cigarros  Álcool  Drogas
  • 14. O hipertenso grau II e III (moderado e grave), além do controle dos fatores de risco modificáveis, necessitará da utilização de medicamentos para o resto da vida.
  • 15. Quatro grupos de medicamentos são utilizados no tratamento da hipertensão:  Diuréticos,  Betabloqueadores,  Bloqueadores de cálcio.  Inibidores da enzima conversora de angiotensina, A prescrição do medicamento depende da idade do portador, das doenças associadas, do custo, dos efeitos colaterais, da experiência clínica e da organização do serviço de saúde.
  • 16. Tratamento não-medicamentoso Objetivo: a prevenção de complicações (lesões de órgão alvo), não abandonar os cuidados e adotar um estilo de vida saudável.
  • 17. Sintomas:  Dor no peito,  Cefaléia occipital e matinal,  Escotomas,  Irritabilidade,  Cansaço aos esforços,  Tonturas  Dispnéia.  Edema nos membros superiores e inferiores ao final do dia, A hipertensão pode estar presente sem qualquer sintoma associado (assintomático).
  • 18. Os cuidados com as pessoas hipertensas :  Controle da pressão arterial,  Uso correto da medicação prescrita,  Incentivo à prática de atividades físicas e mentais.
  • 19. Fatores de risco modificáveis, com adoção de um estilo de vida saudável:  Estresse;  Glicose e  Colesterol alto,  Sedentarismo,  Obesidade,  Consumo excessivo de sal,  Álcool,  Fumo  Drogas ilícitas.
  • 20. Os programas educacionais e de assistência ao hipertenso têm obtido resultados satisfatórios, possibilitando um controle adequado apenas em nível ambulatorial, diminuindo o índice de hospitalização e prevenindo as complicações cardíacas. Hoje, quando um hipertenso chega a hospitalizar-se, o motivo mais comum :  Elevação súbita da pressão arterial (crise hipertensiva),  Manifestações de lesões crônicas decorrentes da hipertensão não-controlada.
  • 21. Atividades: 1. Qual é a origem das disfunções circulatórias? 2. Quais os principais fatores de risco para doenças crônico degenerativas? 3. Qual a definição para hipertensão HAS? 4. Quais os principais sintomas relacionados a HAS? 5. Quais os cuidados de enfermagem para HAS? 6. Como é feito o diagnóstico para HAS? 7. Porque a hipertensão arterial é considerada uma doença silenciosa? 8. Quais os fatores de risco modificáveis que podem controlar a pressão arterial com a adoção de um estilo de vida saudável?
  • 22. Referência: • Henry JB. Diagnósticos clínicos e tratamento por métodos laboratoriais.18 ed. São paulo : Manole; 1995. • Santello JL, Mion D. Captopril Associado a Hidroclorotiazida no tratamento dahipertensão levee moderada: estudo multicêntrico brasileiro . Arq Bras Cardiol 1998; 71(5) : 713- 716. • Relman D. Tratado de MedicinaInterna. 22 ed. Rio de Janeiro : Elsevier; 2005. • Sociedade Brasileira de Cardiologia;Sociedade Brasileira de Hipertensão. DiretrizesBrasileiras REV. BRAS. GERIATRIA E GERONTOLOGIA; 2006; • . Jobim EFC. Hipertensão arterial no idoso: classificação e peculiaridades. Rev Bras Clin Méd 2008; 6: 250-253.