SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 129
Baixar para ler offline
1
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho
Ortopedista
Médico do Trabalho
Perito Médico do INSS
2
Diferenças de abordagens
Anatomia
Epidemiologia
Diagnóstico
História Clínica
Exame Físico
Exames complementares
Tratamento
Prevenção
3Dra. Elizabeth Genovese
4Dra. Elizabeth Genovese
5
Diferenças de Abordagens
Médico Assistente
Médico do Trabalho
Médico Perito do INSS
Juiz do Trabalho
6
Médico Assistente
Clínico geral
Ortopedista
Reumatologista
Fisiatra
Neurocirurgião
Fisioterapeuta
Osteopata
Quiropata
7
Médico do Trabalho
Resolução 1488/98 – CFM
Súmula 282/TST – Atestados Médicos
Prontuário médico: protocolo para avaliação
clínica ocupacional
Controle do absenteísmo
8
Médico Perito do INSS
Lei 8.213/91
Art. 59: auxílio-doença
Art. 89 e 92: reabilitação profissional
NTEP: Lei 10.666/03, Lei 11.430/06, Decreto
6.042/07 e INs
9
Art. 92. Concluído o processo de habilitação
ou reabilitação social e profissional, a
Previdência Social emitirá certificado
individual, indicando as atividades que
poderão ser exercidas pelo beneficiário,
nada impedindo que este exerça outra
atividade para a qual se capacitar.
10
Juiz do Trabalho: tendência de aceitar
que doenças decorrentes da idade sejam
consideradas doenças ocupacionais
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 11
12
13
14
15
16
17
18
19
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 20
21
Em mEm méédiadia 65% a 80% da popula65% a 80% da populaçção mundialão mundial
desenvolve lombalgia em algum momento de suadesenvolve lombalgia em algum momento de sua
vidavida. Os altos custos associados ao tratamento. Os altos custos associados ao tratamento
da lombalgia relacionamda lombalgia relacionam--se aos pacientes comse aos pacientes com
dor crônicador crônica –– ausência de melhora dos sintomasausência de melhora dos sintomas
em 06 a 08 semanas do inem 06 a 08 semanas do iníício do tratamentocio do tratamento
((Borestein D.G: Epidemiology, etiology, diagnosticBorestein D.G: Epidemiology, etiology, diagnostic
evaluation and treatment of low back pain Curr.evaluation and treatment of low back pain Curr.
Opin. Rheumatol: 12;143Opin. Rheumatol: 12;143--49 2000);49 2000);
22
Horal, em 1969, num inquérito realizado na cidade de
Gotemburgo, Suécia, constatou que 65% da
população adulta teve, antes da aposentadoria, pelo
menos um episódio de dor na região lombar.
Nachemson, em 1976, analisando essa mesma
cidade, já num período de maior industrialização,
afirma que a incidência subiu para 80% (Horal, J. The
clinical appearance of low-back pain disorders in city
de Gotemburg, Sweden, Acta. Orthop. Scand. Supp.
188,1869. Nachemson, A.L. The lumbar Spine: na
orthopedic challenge. Spine 1:59,1976);
23
O risco de ciatalgia aumentou significativamente
com o aumento do peso em homens com idade
entre 50 e 64 anos (Heliovaara J. Occupational
stress, previous injury increase risk of low back
syndromes. Journal of Musculoskeletal Medicine
1991;December:45);
24
Estudos oficiais americanos mostram que
empregados com mais de seis meses de
ausência ao serviço por problemas de coluna só
têm 50% de probabilidade de voltar ao emprego e
ter o seu rendimento completo anterior. Depois de
um ano esse percentual cai para 25% e depois de
dois anos, é quase nulo (Wood, P.H.N.; Bdley
B.M. Back pain in the community. Clin. Rheum.
Dis. 6:3,1980);
25
Helfet e Gruebel-Lee mostraram que quando uma
laceração penetra no anel externo, uma tentativa
de cura é feita pelo crescimento interno do tecido
de granulação. Extremidades descobertas do
Nervo Sinovertebral têm sido identificadas neste
tecido de granulação. Estes nervos podem ser
receptores de dor, o que explicaria a dor
discogênica na ausência da herniação (Helfet Aj,
Gruebel-Lee DM. Disorders of the Lumbar Spine.
Philadelphia:JB Lippincott, 1978:46-47,72);
26
A pressão intradiscal dentro do núcleo pulposo é
mais baixa quando o paciente está deitado e é
mais alta quando o paciente está sentado em
uma posição flexionada... essas pressões variam
entre 25 e 275 à medida que a pessoa move-se
da posição deitada para a postura sentada
flexionada (Nachemson et al.,The lumbar spine,
an arthopaedic challenge. Spine, 1976; 1(1):59-
69);
27
Apesar do aparecimento de inúmeras técnicas
sofisticadas de exames auxiliares, permanece a
grande incógnita de se localizar os fatores
etiológicos e o local exato em que surge a dor na
coluna vertebral (Anderson, J.A.D. Back pain in
industry. In: Jayson, M. (ed) – The lumbar spine
and back pain. N. York, Grune Stratton, 1976).
28
...apesar das dificuldades, é fundamental que se
procure esclarecer as causas da lombalgia e da
lombociatalgia, pois o sucesso do tratamento
depende do acerto do diagnóstico causal, e um
rótulo meramente sindrômico não é satisfatório.
Não basta preencher o prontuário com a sigla e o
CID de lombalgia e lombociatalgia, prescrever
analgésico e/ou AINE e mandar o doente para
casa.
29
Pior ainda é pedir radiografias, tomografias,
cintilografias e até ressonância nuclear
magnética antes de elaborar um raciocínio
clínico visando a uma etiologia específica. Mais
que isso, é preciso saber o porquê de se pedir,
quando pedir e até como pedir o exame.
Medicina Baseada em Evidências
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 30
Dra Elizabeth Genovese 31
32
Prontuário Médico
História Clínica
Interrogatório Básico
Bandeiras Vermelhas: dor noturna (tumores), fraturas,
suspeita de processos inflamatórios (doenças reumáticas,
p.ex.)
Bandeiras Amarelas: possível comorbidade
psiquiátrica, relação com supervisores e chefias,
problemas familiares, lombalgia anterior com recuperação
demorada
33
Idade, sexo, estado civil
Profissão (empregado?; desempregado?; contribuinte
individual?; existem pendências trabalhistas?)
Fatores psicológicos e psicossociais relacionados ao
trabalho (insatisfação com o trabalho?; trabalho sem
motivação?; avaliação negativa de chefias?)
Antecedentes pessoais, antecedentes familiares,
atividades de lazer
34
Dor
Qual o tipo de dor?
Qual a localização da dor?
Qual a irradiação da dor – existe correspondência
com dermátomos específicos?
Qual o horário de aparecimento da dor?
Qual a relação entre a dor, atividade corporal e o
repouso?
A dor está associada a queixas sistêmicas?
35Dra. Elizabeth Genovese
36
Queixas emocionais associadas às dores na
coluna
Dor que vai da cabeça até a coluna
Dor na perna inteira
Sensação de que a perna caiu, que a perna não
pertence ao corpo
A dor não pára nunca
Excessiva intolerância aos medicamentos e à
fisioterapia
Procura de pronto-socorro hospitalar para simples
lombalgia
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 37
38
Inspeção
Sinal do talhe
Manobra de Adams
Encurtamentos de MMII
Palpação
Sinal de Cobb
Estudo da mobilidade articular
Coluna
CCF / joelhos / pés
Estudo da força muscular
39
Testes especiais
Teste de Lasègue
Teste de Bragard
Teste de Bechterew
Teste do estiramento do nervo femoral
Teste de Patrick / Fabere
Teste da compressão e distração das
sacroilíacas
40
Testes de simulação
Sinais de Waddell
Teste de Hoover
Teste de Burns
41
42
43
44
45
46
47
!
48
49
50
51
52
53
54
55
56
" #
57
58
$
59
# %#" #
60
61
$ & ' ()*
62
63
64
+ , #-
65
$#
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 66
67
Hiperalgesia
superficial, generalizada e não-específica
distribuição não-anatômica
Pontos dolorosos
pressão aplicada no vértex produz dor na região
lombar baixa
rotação passiva e simultânea dos ombros e da pelve
produz dor na região lombar baixa
68
Estiramento
exame de Lasègue positivo na posição supina e
negativo na posição sentada
Sinais locais
reflexos musculares menos intensos durante os
exames musculares
problemas sensoriais não-anatômicos
Respostas exageradas
verbalização excessiva, expressão de muita dor
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 69
70
Radiografia convencional
Tomografia computadorizada
Ressonância nuclear magnética
Mielografia
Discografia
Cintilografia óssea
71Dra. Elizabeth Genovese
72
Radiografia Simples
Não devem ser solicitadas nos pacientes com lombalgia
aguda mecânica;
Nas situações em que ocorrer persistência das
manifestações clínicas por mais de quatro semanas
realiza-se incidências de frente e perfil;
Caso haja suspeita de um processo inflamatório,
infeccioso, neoplásico ou fratura a radiografia simples de
frente e perfil deve ser solicitada na primeira consulta.
73
Alterações radiológicas da coluna que podem estar
associadas a sintomatologia clínica (White / Nachemson)
Muito provavelmente
Espondilolistese (moderada ou severa)
Diminuição acentuada de vários espaços intervertebrais
Cifose congênita
Escoliose severa
Espondilite anquilosante
Cifose juvenil (doença de Shewermann)
74
Muito improvavelmente
Spina bífida oculta
Ângulo lombossacral agudo
Dimimuição discreta de só um espaço intervertebral e
espondilose degenerativa
Artrose, subluxação e tropismo das facetas articulares
Calcificação do disco (exceção da coluna torácica)
Vértebras extranumerárias (tanto na cervical, dorsal ou
lombar)
Sacralização da lombar
Hiperlordose moderada
Herniação intervertebral (nódulos de Schmol)
Ossículos acessórios em qualquer região
75
Questionável
Espondilose severa
Espondilolistese
Cifose (severa)
Escoliose (discreta e moderada)
Retrolistese da cervical, dorsal ou lombar
Escoliose lombar (acima de 80 graus Cobb)
Hiperlordose (severa)
76
Tomografia Computadorizada
Deve ser solicitada nas lombalgias agudas com evolução
atípica, ou quando ocorrer evolução insatisfatória, de causa
indeterminada, após quatro semanas de tratamento clínico;
Permite avaliar lesões discais, alterações degenerativas dos
planaltos vertebrais e das articulações interapofisárias
posteriores;
Permite avaliar a forma e diâmetro do canal vertebral, recessos
laterais e forames de conjugação intervertebrais;
77
A sua principal vantagem é permitir a definição dos
contornos ósseos, sendo neste aspecto superior a
ressonância nuclear magnética (fraturas vertebrais,
espondilólise e lesões ósseas por neoplasias ou
infecção);
Exame de menor custo financeiro que a ressonância
nuclear magnética, porém expõe o paciente à radiação
nuclear ionizante.
78
Ressonância Nuclear Magnética
Também pode ser solicitada nas lombalgias agudas com
evolução atípica, ou caso haja evolução insatisfatória,
sem determinação do diagnóstico após quatro semanas
de tratamento clínico;
Permite amplo campo de visão, demonstrando
anatomicamente estruturas não ósseas (partes moles),
como o disco intervertebral, a medula espinhal, raízes
nervosas, ligamentos e o tecido sinovial;
79
É um exame de alto custo financeiro, porém não utiliza
radiação ionizante, sendo inócuo inclusive para
gestantes;
Exame de escolha para o estudo das hérnias de disco e
processos degenerativos;
Demonstra precocemente alterações estruturais da
medula óssea.
80
Mielografia dinâmica e mielotomografia
computadorizada
São exames invasivos, que devem ser indicados apenas
nos casos em que as imagens adquiridas pela tomografia
computadorizada e a ressonância nuclear magnética não
forem esclarecedoras, nas situações de compressão
neural;
A mielografia quando associada a radiografias dinâmicas
fornece informações adicionais na estenose do canal
vertebral e foraminal, quando mais de um nível e
acometido.
81
Discografia
É um método invasivo de indicação muito restrita, que
pode ser realizado para identificar o provável disco
responsável pelo processo álgico, quando a ressonância
nuclear magnética indicar o acometimento de dois ou
mais discos ("black discs").
82
Cintilografia óssea
Não tem indicação na lombalgia mecânica aguda, porém
é um exame muito sensível para a detecção precoce de
espondilólise pós-traumática, lesões tumorais e
infecciosas.
83
Eletroneuromiografia
Não deve ser realizada nas lombalgias agudas, crônicas
e nas lombociatalgias agudas;
Pode ser indicada nas afecções do sistema nervoso
periférico, fornecendo informações quanto à presença de
compressões agudas ou crônicas das raízes nervosas,
bem como de sua viabilidade
84
Exames laboratoriais
Sem importância nas lombalgias mecânicas, porém
necessários no diagnóstico diferencial de doenças
sistêmicas
Estrutura óssea ++ Espondilite ++
Artrose facetária +++ Deformidades +++
Prolapso de disco - Tumor +++
Disco sintomático
(sem prolapso)
- Estenose central +
Trauma +++ Estenose lateral (+)
. / 0 #
85
Estrutura óssea - Espondilite -
Artrose facetária - Deformidades -
Prolapso de disco ++ Tumor +
Disco sintomático
(sem prolapso)
- Estenose central +++
Trauma + Estenose lateral -
. #
86
Estrutura óssea +++ Espondilite ++
Artrose facetária +++ Deformidades -
Prolapso de disco +++ Tumor +++
Disco sintomático
(sem prolapso)
- Estenose central +++
Trauma +++ Estenose lateral +++
. #
87
Estrutura óssea ++ Espondilite +++
Artrose facetária ++ Deformidades -
Prolapso de disco +++ Tumor +++
Disco sintomático
(sem prolapso)
(+) Estenose central +++
Trauma +++ Estenose lateral +++
. /1 #
88
/2 /1
Estrutura óssea ++ - +++ ++
Artrose facetária +++ - +++ ++
Prolapso de disco - ++ +++ +++
Disco sintomático
(sem prolapso)
- - - (+)
Trauma +++ + +++ +++
. 0 3 4
89
/2 /1 5
Espondilite ++ - ++ +++
Deformidades +++ - - -
Tumor +++ + +++ +++
Estenose central + +++ +++ +++
Estenose lateral (+) - +++ +++
. 0 3 4
90
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 91
92
“A dor lombar não deve ser considerada como
sendo somente um problema médico.”
93
Tratamento: eminentemente conservador
Tratamento Cirúrgico
Hérnia de disco c/ déficit neurológico grave agudo (primeiras
3 semanas)
Hérnia de disco que não melhora após 90 dias de
adequado tratamento conservador
Síndrome da cauda eqüina (emergencial)
Estenose do canal (caso a caso)
Espondilólise e espondilolistese (que não tem melhora com
tratamento conservador).
94
95
Mayer et al. afirmam que a lombalgia relacionada à
unidade funcional motora da coluna (mecânico-
degenerativa) evoluirá para cura em 70% dos
casos, com volta às atividades normais em 4
semanas, independentemente do tratamento
realizado; 30% desses pacientes podem evoluir
com quadros de reativação e 5 a 8% podem evoluir
com síndrome incapacitante de dor lombar crônica.
96
Nachemson refere que a lombalgia crônica continua
sendo um grande desafio na medicina, pela alta
prevalência, dificuldades para o diagnóstico
etiológico, relação com atividades funcionais,
grande influência dos fatores culturais, sociais e
psicológicos de detecção trabalhosa e um grande
número de pacientes que ainda evoluem com
resposta ruim aos vários tipos de abordagem
terapêutica, mantendo a queixa de dor permanente
e progressivamente incapacitante.
97
Crawford et al. citam que na prática clínica diária não se
pode esquecer a modulação individual da dor, dada
pelos fatores psicológicos (dados comprovados pelas
alterações de neurotransmissores – serotonina e
opióides – no líquido cerebroespinhal).
Os principais fatores preditivos para evolução da
lombalgia até a fase crônica são: passividade (rezar para
conseguir se curar), insatisfações pessoal e profissional,
depressão, comportamento inadequado perante a
doença, ansiedade, estresse e baixo nível educacional
(Burton et al. / Psychosocial predictors of outcome in
acute and sub chronic low back trouble. Spine, 20:722-
728,1995).
98
Medicina Baseada em Evidências
A – grandes ensaios clínicos aleatorizados e meta-análises
B – estudos clínicos e observacionais bem desenhados
C – relatos e séries de casos clínicos
D – publicações baseadas em consensos e opiniões de
especialistas
I – evidências insuficientes
R: recomendado NR: não recomendado
99
Exames complementares
Rx de rotina em lombalgias não específicas: NR (C)
RNM nas primeiras seis semanas de dor radicular:
NR (C)
Discografia nas lombalgias agudas, subagudas e
crônicas: NR (C)
Mielografia ou TC com mielografia em casos de
implantes metálicos que contra-indicam a RNM,
estenose de canal e ocorrências pós-cirúrgicas
específicas: R (I)
100
Cintilografia óssea de rotina: NR (I)
Ultra-sonografia: NR (I)
ENMG: R (C), mas apenas nos casos em que a
TC e a RNM são não conclusivas e há dor
irradiada para a perna
ENMG em sintomas isolados na perna: NR (C)
ENMG de superfície: NR (I)
Termografia: NR (I)
101
Medicamentos
AINE em lombalgia aguda: R (A)
AINE em lombalgia subaguda e crônica e em
pós-operatório: R (B)
AINE em casos de dor radicular (incluindo
ciática): R (C)
Paracetamol em lombalgia (se há contra-
indicação para o uso de AINE): R (C)
102
Inibidores da recuperação da norepinefrina em
lombalgia crônica: R (A)
Inibidores da recuperação da norepinefrina em
dor radicular: R (C)
Inibidores seletivos da recuperação da
serotonina (paroxetinas) para lombalgia
crônica: NR (A)
Antidepressivos para lombalgia aguda ou
subaguda: NR (I)
103
Relaxantes musculares para lombalgias leves a
moderadas: NR (I)
Relaxantes musculares para lombalgias
moderadas a severas: R (B)
Opióides de rotina: NR (C)
Corticosteróides: NR (B)
Cremes e pomadas: NR (I)
104
Injeção epidural:
síndromes radiculares severas: R (I)
na ausência de síndrome radicular significativa
(em fases aguda, subaguda e crônica): NR (C)
Infiltração de trigger points:
lombalgia aguda: NR (I)
lombalgia sub aguda e crônica: R (C)
105
Repouso (em cama)
Na lombalgia aguda: NR (A) – obs: associado
com alta morbidade
Na lombalgia subaguda e crônica:
moderadamente: NR (B)
Nas radiculopatias: NR (C)
106
Fisioterapia
Calor local: R (C)
Ultra-som: NR (I)
Infra-vermelho: NR (I)
TENS (na lombalgia aguda e subaguda e dor
radicular aguda): NR (I)
TENS (na lombalgia crônica e na dor radicular
crônica): R (C)
Iontoforese, estimulação galvânica: NR (I)
107
Massagem em lombalgia aguda e na dor
radicular crônica: R (I)
Massagens para lombalgias subagudas e
crônicas (associadas com exercícios aeróbicos
e de fortalecimento): R (C)
108
Acupuntura
lombalgia aguda, subaguda e dor radicular: NR (I)
lombalgia crônica: R (C)
Yoga
lombalgia aguda e subaguda: NR (I)
lombalgia com mais de um ano de evolução, em
pacientes altamente motivados: R (C)
109
Exercícios aeróbicos
nas lombalgias aguda, subaguda e crônica,
principalmente: R (A)
no pós-opratório de cirurgia da coluna
lombar: R (I)
110
Exercícios de alongamento muscular
localizados, associados com exercícios
aeróbicos: R (C)
Exercícios de alongamento muscular isolados
(sem associação com exercícios
aeróbicos): NR (C)
Alongamentos musculares agressivos na
lombalgia aguda: NR (I)
111
Exercícios de fortalecimento muscular
específicos (para estabilização da coluna):
nas lombalgias aguda, subaguda e crônica
e no pós-operatório: R (C)
Exercícios de fortalecimento muscular
abdominal para lombalgias: NR (I)
112
Postura para dormir – a que o paciente achar
mais confortável: R (I)
Utilização de produtos comerciais específicos:
lombalgias aguda, subaguda e crônica: NR (I)
113
Tratamento cirúrgico
Discectomia (após 4 a 6 semanas, em casos
selecionados de radiculopatias, se houve falha
do tratamento conservador): R (B)
Descompressão (em casos de estenose de canal,
se houve falha com o tratamento conservador):
R (B)
114
Recuperação da função
O princípio básico de todos os programas
individualmente traçados é ajudar o paciente
portador de lombalgia a lidar com a dor e a
retornar ao nível de função requerido para suas
necessidades diárias e laborais.
115
Toda tentativa para manter o paciente em nível
máximo de atividade, incluindo atividade no
trabalho, deve ser feita, uma vez que isso é de
interesse do paciente a curto e a longo prazos.
Dra. Elizabeth Genovese
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 116
117
1 – Mudança de estilo de vida
Posturas
Sedentarismo
Obesidade
Tabagismo
2 – Correção de ambientes inseguros
3 – Adequações ergonômicas
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 118
119
“O ser humano não é filho de empilhadeira com
guindaste”
Dr. Hudson Couto
120
A Ergonomia se constitui na principal forma de
se evitar as lombalgias no trabalho. A rigor,
pode-se estimar, sem qualquer medo de erro,
que a adoção de medidas de Ergonomia é
capaz de reduzir em pelo menos 80% a
incidência das dores lombares. Mais
surpreendente é que a grande maioria das
medidas é de baixíssimo custo.
121
122
123
124
125
126
127
128
5
Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 129
Obrigado
hugoleonardo@jknet.com.br
(38) 3531-5155 / 3531-3103 / 8825-4329
3531-1321 (INSS)
(palestras in company)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalAvaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalNatha Fisioterapia
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiorespauloalambert
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril acAndré Cipriano
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIRenan Malaquias
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamneseNadjane Barros Costa
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasCaio Gonçalves de Souza
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese próteseeduardo alves medina
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Rosely Mota
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyDavid Sadigursky
 

Mais procurados (20)

Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
 
Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014
 
ARTRITE REUMATÓIDE
ARTRITE REUMATÓIDEARTRITE REUMATÓIDE
ARTRITE REUMATÓIDE
 
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalAvaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
 
Coluna Lombar
Coluna LombarColuna Lombar
Coluna Lombar
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
 
Neuropatia diabética
Neuropatia diabéticaNeuropatia diabética
Neuropatia diabética
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)
 
Biomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozeloBiomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozelo
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 

Semelhante a Lombalgia

dorlombar.pdf
dorlombar.pdfdorlombar.pdf
dorlombar.pdfzLazaro
 
1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdfMisslenyHaruna
 
Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013pauloalambert
 
Artigos mais saude capsulite adesiva
Artigos mais saude   capsulite adesivaArtigos mais saude   capsulite adesiva
Artigos mais saude capsulite adesivagvirtual
 
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?Dr. Rafael Higashi
 
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnelTratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túneladrianomedico
 
Palestra dor aguda
Palestra dor agudaPalestra dor aguda
Palestra dor agudaMário Mello
 
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha colunaxvia
 
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Arquivo-FClinico
 
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Arquivo-FClinico
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarJunio Alves
 
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Andre Magalhaes
 
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_biccaSedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_biccaKaká Quadros
 

Semelhante a Lombalgia (20)

dorlombar.pdf
dorlombar.pdfdorlombar.pdf
dorlombar.pdf
 
1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf
 
caso clinico 1.pptx
caso clinico 1.pptxcaso clinico 1.pptx
caso clinico 1.pptx
 
Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013
 
Artigos mais saude capsulite adesiva
Artigos mais saude   capsulite adesivaArtigos mais saude   capsulite adesiva
Artigos mais saude capsulite adesiva
 
Coluna vertebral
Coluna vertebralColuna vertebral
Coluna vertebral
 
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
 
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnelTratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnel
 
Palestra dor aguda
Palestra dor agudaPalestra dor aguda
Palestra dor aguda
 
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha coluna
 
Cartilha coluna
Cartilha colunaCartilha coluna
Cartilha coluna
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
 
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
 
Modulo 23
Modulo 23Modulo 23
Modulo 23
 
Dor Pós Operatória
Dor Pós OperatóriaDor Pós Operatória
Dor Pós Operatória
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
 
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
 
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_biccaSedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
Sedacao analgesia oncologia_dr_marcos_bicca
 

Mais de adrianomedico

Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraadrianomedico
 
Um ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraUm ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraadrianomedico
 
Tratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueiraTratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueiraadrianomedico
 
Saiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantilSaiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantiladrianomedico
 
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusProblemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusadrianomedico
 
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...adrianomedico
 
Para quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaPara quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaadrianomedico
 
Gagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoGagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoadrianomedico
 
Gagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoGagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoadrianomedico
 
Gagueira não é emocional
Gagueira não é emocionalGagueira não é emocional
Gagueira não é emocionaladrianomedico
 
Gagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseGagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseadrianomedico
 
Gagueira e disfluência geral
Gagueira e disfluência   geralGagueira e disfluência   geral
Gagueira e disfluência geraladrianomedico
 
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemGagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemadrianomedico
 
Gagueira estudo molecular dos genes g
Gagueira   estudo molecular dos genes gGagueira   estudo molecular dos genes g
Gagueira estudo molecular dos genes gadrianomedico
 
Gagueira disfluência
Gagueira   disfluênciaGagueira   disfluência
Gagueira disfluênciaadrianomedico
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normaladrianomedico
 
Gagueira a teoria na prática
Gagueira   a teoria na práticaGagueira   a teoria na prática
Gagueira a teoria na práticaadrianomedico
 

Mais de adrianomedico (20)

Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueira
 
Um ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraUm ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueira
 
Tratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueiraTratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueira
 
Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.
 
Saiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantilSaiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantil
 
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusProblemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
 
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
 
Para quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaPara quem a escola gagueja
Para quem a escola gagueja
 
Genes da gagueira
Genes da gagueiraGenes da gagueira
Genes da gagueira
 
Gagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoGagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamento
 
Gagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoGagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamento
 
Gagueira não é emocional
Gagueira não é emocionalGagueira não é emocional
Gagueira não é emocional
 
Gagueira infantil
Gagueira infantilGagueira infantil
Gagueira infantil
 
Gagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseGagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da base
 
Gagueira e disfluência geral
Gagueira e disfluência   geralGagueira e disfluência   geral
Gagueira e disfluência geral
 
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemGagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
 
Gagueira estudo molecular dos genes g
Gagueira   estudo molecular dos genes gGagueira   estudo molecular dos genes g
Gagueira estudo molecular dos genes g
 
Gagueira disfluência
Gagueira   disfluênciaGagueira   disfluência
Gagueira disfluência
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normal
 
Gagueira a teoria na prática
Gagueira   a teoria na práticaGagueira   a teoria na prática
Gagueira a teoria na prática
 

Lombalgia

  • 1. 1 Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho Ortopedista Médico do Trabalho Perito Médico do INSS
  • 2. 2 Diferenças de abordagens Anatomia Epidemiologia Diagnóstico História Clínica Exame Físico Exames complementares Tratamento Prevenção
  • 5. 5 Diferenças de Abordagens Médico Assistente Médico do Trabalho Médico Perito do INSS Juiz do Trabalho
  • 7. 7 Médico do Trabalho Resolução 1488/98 – CFM Súmula 282/TST – Atestados Médicos Prontuário médico: protocolo para avaliação clínica ocupacional Controle do absenteísmo
  • 8. 8 Médico Perito do INSS Lei 8.213/91 Art. 59: auxílio-doença Art. 89 e 92: reabilitação profissional NTEP: Lei 10.666/03, Lei 11.430/06, Decreto 6.042/07 e INs
  • 9. 9 Art. 92. Concluído o processo de habilitação ou reabilitação social e profissional, a Previdência Social emitirá certificado individual, indicando as atividades que poderão ser exercidas pelo beneficiário, nada impedindo que este exerça outra atividade para a qual se capacitar.
  • 10. 10 Juiz do Trabalho: tendência de aceitar que doenças decorrentes da idade sejam consideradas doenças ocupacionais
  • 11. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 11
  • 12. 12
  • 13. 13
  • 14. 14
  • 15. 15
  • 16. 16
  • 17. 17
  • 18. 18
  • 19. 19
  • 20. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 20
  • 21. 21 Em mEm méédiadia 65% a 80% da popula65% a 80% da populaçção mundialão mundial desenvolve lombalgia em algum momento de suadesenvolve lombalgia em algum momento de sua vidavida. Os altos custos associados ao tratamento. Os altos custos associados ao tratamento da lombalgia relacionamda lombalgia relacionam--se aos pacientes comse aos pacientes com dor crônicador crônica –– ausência de melhora dos sintomasausência de melhora dos sintomas em 06 a 08 semanas do inem 06 a 08 semanas do iníício do tratamentocio do tratamento ((Borestein D.G: Epidemiology, etiology, diagnosticBorestein D.G: Epidemiology, etiology, diagnostic evaluation and treatment of low back pain Curr.evaluation and treatment of low back pain Curr. Opin. Rheumatol: 12;143Opin. Rheumatol: 12;143--49 2000);49 2000);
  • 22. 22 Horal, em 1969, num inquérito realizado na cidade de Gotemburgo, Suécia, constatou que 65% da população adulta teve, antes da aposentadoria, pelo menos um episódio de dor na região lombar. Nachemson, em 1976, analisando essa mesma cidade, já num período de maior industrialização, afirma que a incidência subiu para 80% (Horal, J. The clinical appearance of low-back pain disorders in city de Gotemburg, Sweden, Acta. Orthop. Scand. Supp. 188,1869. Nachemson, A.L. The lumbar Spine: na orthopedic challenge. Spine 1:59,1976);
  • 23. 23 O risco de ciatalgia aumentou significativamente com o aumento do peso em homens com idade entre 50 e 64 anos (Heliovaara J. Occupational stress, previous injury increase risk of low back syndromes. Journal of Musculoskeletal Medicine 1991;December:45);
  • 24. 24 Estudos oficiais americanos mostram que empregados com mais de seis meses de ausência ao serviço por problemas de coluna só têm 50% de probabilidade de voltar ao emprego e ter o seu rendimento completo anterior. Depois de um ano esse percentual cai para 25% e depois de dois anos, é quase nulo (Wood, P.H.N.; Bdley B.M. Back pain in the community. Clin. Rheum. Dis. 6:3,1980);
  • 25. 25 Helfet e Gruebel-Lee mostraram que quando uma laceração penetra no anel externo, uma tentativa de cura é feita pelo crescimento interno do tecido de granulação. Extremidades descobertas do Nervo Sinovertebral têm sido identificadas neste tecido de granulação. Estes nervos podem ser receptores de dor, o que explicaria a dor discogênica na ausência da herniação (Helfet Aj, Gruebel-Lee DM. Disorders of the Lumbar Spine. Philadelphia:JB Lippincott, 1978:46-47,72);
  • 26. 26 A pressão intradiscal dentro do núcleo pulposo é mais baixa quando o paciente está deitado e é mais alta quando o paciente está sentado em uma posição flexionada... essas pressões variam entre 25 e 275 à medida que a pessoa move-se da posição deitada para a postura sentada flexionada (Nachemson et al.,The lumbar spine, an arthopaedic challenge. Spine, 1976; 1(1):59- 69);
  • 27. 27 Apesar do aparecimento de inúmeras técnicas sofisticadas de exames auxiliares, permanece a grande incógnita de se localizar os fatores etiológicos e o local exato em que surge a dor na coluna vertebral (Anderson, J.A.D. Back pain in industry. In: Jayson, M. (ed) – The lumbar spine and back pain. N. York, Grune Stratton, 1976).
  • 28. 28 ...apesar das dificuldades, é fundamental que se procure esclarecer as causas da lombalgia e da lombociatalgia, pois o sucesso do tratamento depende do acerto do diagnóstico causal, e um rótulo meramente sindrômico não é satisfatório. Não basta preencher o prontuário com a sigla e o CID de lombalgia e lombociatalgia, prescrever analgésico e/ou AINE e mandar o doente para casa.
  • 29. 29 Pior ainda é pedir radiografias, tomografias, cintilografias e até ressonância nuclear magnética antes de elaborar um raciocínio clínico visando a uma etiologia específica. Mais que isso, é preciso saber o porquê de se pedir, quando pedir e até como pedir o exame. Medicina Baseada em Evidências
  • 30. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 30
  • 32. 32 Prontuário Médico História Clínica Interrogatório Básico Bandeiras Vermelhas: dor noturna (tumores), fraturas, suspeita de processos inflamatórios (doenças reumáticas, p.ex.) Bandeiras Amarelas: possível comorbidade psiquiátrica, relação com supervisores e chefias, problemas familiares, lombalgia anterior com recuperação demorada
  • 33. 33 Idade, sexo, estado civil Profissão (empregado?; desempregado?; contribuinte individual?; existem pendências trabalhistas?) Fatores psicológicos e psicossociais relacionados ao trabalho (insatisfação com o trabalho?; trabalho sem motivação?; avaliação negativa de chefias?) Antecedentes pessoais, antecedentes familiares, atividades de lazer
  • 34. 34 Dor Qual o tipo de dor? Qual a localização da dor? Qual a irradiação da dor – existe correspondência com dermátomos específicos? Qual o horário de aparecimento da dor? Qual a relação entre a dor, atividade corporal e o repouso? A dor está associada a queixas sistêmicas?
  • 36. 36 Queixas emocionais associadas às dores na coluna Dor que vai da cabeça até a coluna Dor na perna inteira Sensação de que a perna caiu, que a perna não pertence ao corpo A dor não pára nunca Excessiva intolerância aos medicamentos e à fisioterapia Procura de pronto-socorro hospitalar para simples lombalgia
  • 37. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 37
  • 38. 38 Inspeção Sinal do talhe Manobra de Adams Encurtamentos de MMII Palpação Sinal de Cobb Estudo da mobilidade articular Coluna CCF / joelhos / pés Estudo da força muscular
  • 39. 39 Testes especiais Teste de Lasègue Teste de Bragard Teste de Bechterew Teste do estiramento do nervo femoral Teste de Patrick / Fabere Teste da compressão e distração das sacroilíacas
  • 40. 40 Testes de simulação Sinais de Waddell Teste de Hoover Teste de Burns
  • 41. 41
  • 42. 42
  • 43. 43
  • 44. 44
  • 45. 45
  • 46. 46
  • 47. 47 !
  • 48. 48
  • 49. 49
  • 50. 50
  • 51. 51
  • 52. 52
  • 53. 53
  • 54. 54
  • 55. 55
  • 57. 57
  • 58. 58 $
  • 60. 60
  • 61. 61 $ & ' ()*
  • 62. 62
  • 63. 63
  • 65. 65 $#
  • 66. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 66
  • 67. 67 Hiperalgesia superficial, generalizada e não-específica distribuição não-anatômica Pontos dolorosos pressão aplicada no vértex produz dor na região lombar baixa rotação passiva e simultânea dos ombros e da pelve produz dor na região lombar baixa
  • 68. 68 Estiramento exame de Lasègue positivo na posição supina e negativo na posição sentada Sinais locais reflexos musculares menos intensos durante os exames musculares problemas sensoriais não-anatômicos Respostas exageradas verbalização excessiva, expressão de muita dor
  • 69. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 69
  • 70. 70 Radiografia convencional Tomografia computadorizada Ressonância nuclear magnética Mielografia Discografia Cintilografia óssea
  • 72. 72 Radiografia Simples Não devem ser solicitadas nos pacientes com lombalgia aguda mecânica; Nas situações em que ocorrer persistência das manifestações clínicas por mais de quatro semanas realiza-se incidências de frente e perfil; Caso haja suspeita de um processo inflamatório, infeccioso, neoplásico ou fratura a radiografia simples de frente e perfil deve ser solicitada na primeira consulta.
  • 73. 73 Alterações radiológicas da coluna que podem estar associadas a sintomatologia clínica (White / Nachemson) Muito provavelmente Espondilolistese (moderada ou severa) Diminuição acentuada de vários espaços intervertebrais Cifose congênita Escoliose severa Espondilite anquilosante Cifose juvenil (doença de Shewermann)
  • 74. 74 Muito improvavelmente Spina bífida oculta Ângulo lombossacral agudo Dimimuição discreta de só um espaço intervertebral e espondilose degenerativa Artrose, subluxação e tropismo das facetas articulares Calcificação do disco (exceção da coluna torácica) Vértebras extranumerárias (tanto na cervical, dorsal ou lombar) Sacralização da lombar Hiperlordose moderada Herniação intervertebral (nódulos de Schmol) Ossículos acessórios em qualquer região
  • 75. 75 Questionável Espondilose severa Espondilolistese Cifose (severa) Escoliose (discreta e moderada) Retrolistese da cervical, dorsal ou lombar Escoliose lombar (acima de 80 graus Cobb) Hiperlordose (severa)
  • 76. 76 Tomografia Computadorizada Deve ser solicitada nas lombalgias agudas com evolução atípica, ou quando ocorrer evolução insatisfatória, de causa indeterminada, após quatro semanas de tratamento clínico; Permite avaliar lesões discais, alterações degenerativas dos planaltos vertebrais e das articulações interapofisárias posteriores; Permite avaliar a forma e diâmetro do canal vertebral, recessos laterais e forames de conjugação intervertebrais;
  • 77. 77 A sua principal vantagem é permitir a definição dos contornos ósseos, sendo neste aspecto superior a ressonância nuclear magnética (fraturas vertebrais, espondilólise e lesões ósseas por neoplasias ou infecção); Exame de menor custo financeiro que a ressonância nuclear magnética, porém expõe o paciente à radiação nuclear ionizante.
  • 78. 78 Ressonância Nuclear Magnética Também pode ser solicitada nas lombalgias agudas com evolução atípica, ou caso haja evolução insatisfatória, sem determinação do diagnóstico após quatro semanas de tratamento clínico; Permite amplo campo de visão, demonstrando anatomicamente estruturas não ósseas (partes moles), como o disco intervertebral, a medula espinhal, raízes nervosas, ligamentos e o tecido sinovial;
  • 79. 79 É um exame de alto custo financeiro, porém não utiliza radiação ionizante, sendo inócuo inclusive para gestantes; Exame de escolha para o estudo das hérnias de disco e processos degenerativos; Demonstra precocemente alterações estruturais da medula óssea.
  • 80. 80 Mielografia dinâmica e mielotomografia computadorizada São exames invasivos, que devem ser indicados apenas nos casos em que as imagens adquiridas pela tomografia computadorizada e a ressonância nuclear magnética não forem esclarecedoras, nas situações de compressão neural; A mielografia quando associada a radiografias dinâmicas fornece informações adicionais na estenose do canal vertebral e foraminal, quando mais de um nível e acometido.
  • 81. 81 Discografia É um método invasivo de indicação muito restrita, que pode ser realizado para identificar o provável disco responsável pelo processo álgico, quando a ressonância nuclear magnética indicar o acometimento de dois ou mais discos ("black discs").
  • 82. 82 Cintilografia óssea Não tem indicação na lombalgia mecânica aguda, porém é um exame muito sensível para a detecção precoce de espondilólise pós-traumática, lesões tumorais e infecciosas.
  • 83. 83 Eletroneuromiografia Não deve ser realizada nas lombalgias agudas, crônicas e nas lombociatalgias agudas; Pode ser indicada nas afecções do sistema nervoso periférico, fornecendo informações quanto à presença de compressões agudas ou crônicas das raízes nervosas, bem como de sua viabilidade
  • 84. 84 Exames laboratoriais Sem importância nas lombalgias mecânicas, porém necessários no diagnóstico diferencial de doenças sistêmicas
  • 85. Estrutura óssea ++ Espondilite ++ Artrose facetária +++ Deformidades +++ Prolapso de disco - Tumor +++ Disco sintomático (sem prolapso) - Estenose central + Trauma +++ Estenose lateral (+) . / 0 # 85
  • 86. Estrutura óssea - Espondilite - Artrose facetária - Deformidades - Prolapso de disco ++ Tumor + Disco sintomático (sem prolapso) - Estenose central +++ Trauma + Estenose lateral - . # 86
  • 87. Estrutura óssea +++ Espondilite ++ Artrose facetária +++ Deformidades - Prolapso de disco +++ Tumor +++ Disco sintomático (sem prolapso) - Estenose central +++ Trauma +++ Estenose lateral +++ . # 87
  • 88. Estrutura óssea ++ Espondilite +++ Artrose facetária ++ Deformidades - Prolapso de disco +++ Tumor +++ Disco sintomático (sem prolapso) (+) Estenose central +++ Trauma +++ Estenose lateral +++ . /1 # 88
  • 89. /2 /1 Estrutura óssea ++ - +++ ++ Artrose facetária +++ - +++ ++ Prolapso de disco - ++ +++ +++ Disco sintomático (sem prolapso) - - - (+) Trauma +++ + +++ +++ . 0 3 4 89
  • 90. /2 /1 5 Espondilite ++ - ++ +++ Deformidades +++ - - - Tumor +++ + +++ +++ Estenose central + +++ +++ +++ Estenose lateral (+) - +++ +++ . 0 3 4 90
  • 91. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 91
  • 92. 92 “A dor lombar não deve ser considerada como sendo somente um problema médico.”
  • 93. 93 Tratamento: eminentemente conservador Tratamento Cirúrgico Hérnia de disco c/ déficit neurológico grave agudo (primeiras 3 semanas) Hérnia de disco que não melhora após 90 dias de adequado tratamento conservador Síndrome da cauda eqüina (emergencial) Estenose do canal (caso a caso) Espondilólise e espondilolistese (que não tem melhora com tratamento conservador).
  • 94. 94
  • 95. 95 Mayer et al. afirmam que a lombalgia relacionada à unidade funcional motora da coluna (mecânico- degenerativa) evoluirá para cura em 70% dos casos, com volta às atividades normais em 4 semanas, independentemente do tratamento realizado; 30% desses pacientes podem evoluir com quadros de reativação e 5 a 8% podem evoluir com síndrome incapacitante de dor lombar crônica.
  • 96. 96 Nachemson refere que a lombalgia crônica continua sendo um grande desafio na medicina, pela alta prevalência, dificuldades para o diagnóstico etiológico, relação com atividades funcionais, grande influência dos fatores culturais, sociais e psicológicos de detecção trabalhosa e um grande número de pacientes que ainda evoluem com resposta ruim aos vários tipos de abordagem terapêutica, mantendo a queixa de dor permanente e progressivamente incapacitante.
  • 97. 97 Crawford et al. citam que na prática clínica diária não se pode esquecer a modulação individual da dor, dada pelos fatores psicológicos (dados comprovados pelas alterações de neurotransmissores – serotonina e opióides – no líquido cerebroespinhal). Os principais fatores preditivos para evolução da lombalgia até a fase crônica são: passividade (rezar para conseguir se curar), insatisfações pessoal e profissional, depressão, comportamento inadequado perante a doença, ansiedade, estresse e baixo nível educacional (Burton et al. / Psychosocial predictors of outcome in acute and sub chronic low back trouble. Spine, 20:722- 728,1995).
  • 98. 98 Medicina Baseada em Evidências A – grandes ensaios clínicos aleatorizados e meta-análises B – estudos clínicos e observacionais bem desenhados C – relatos e séries de casos clínicos D – publicações baseadas em consensos e opiniões de especialistas I – evidências insuficientes R: recomendado NR: não recomendado
  • 99. 99 Exames complementares Rx de rotina em lombalgias não específicas: NR (C) RNM nas primeiras seis semanas de dor radicular: NR (C) Discografia nas lombalgias agudas, subagudas e crônicas: NR (C) Mielografia ou TC com mielografia em casos de implantes metálicos que contra-indicam a RNM, estenose de canal e ocorrências pós-cirúrgicas específicas: R (I)
  • 100. 100 Cintilografia óssea de rotina: NR (I) Ultra-sonografia: NR (I) ENMG: R (C), mas apenas nos casos em que a TC e a RNM são não conclusivas e há dor irradiada para a perna ENMG em sintomas isolados na perna: NR (C) ENMG de superfície: NR (I) Termografia: NR (I)
  • 101. 101 Medicamentos AINE em lombalgia aguda: R (A) AINE em lombalgia subaguda e crônica e em pós-operatório: R (B) AINE em casos de dor radicular (incluindo ciática): R (C) Paracetamol em lombalgia (se há contra- indicação para o uso de AINE): R (C)
  • 102. 102 Inibidores da recuperação da norepinefrina em lombalgia crônica: R (A) Inibidores da recuperação da norepinefrina em dor radicular: R (C) Inibidores seletivos da recuperação da serotonina (paroxetinas) para lombalgia crônica: NR (A) Antidepressivos para lombalgia aguda ou subaguda: NR (I)
  • 103. 103 Relaxantes musculares para lombalgias leves a moderadas: NR (I) Relaxantes musculares para lombalgias moderadas a severas: R (B) Opióides de rotina: NR (C) Corticosteróides: NR (B) Cremes e pomadas: NR (I)
  • 104. 104 Injeção epidural: síndromes radiculares severas: R (I) na ausência de síndrome radicular significativa (em fases aguda, subaguda e crônica): NR (C) Infiltração de trigger points: lombalgia aguda: NR (I) lombalgia sub aguda e crônica: R (C)
  • 105. 105 Repouso (em cama) Na lombalgia aguda: NR (A) – obs: associado com alta morbidade Na lombalgia subaguda e crônica: moderadamente: NR (B) Nas radiculopatias: NR (C)
  • 106. 106 Fisioterapia Calor local: R (C) Ultra-som: NR (I) Infra-vermelho: NR (I) TENS (na lombalgia aguda e subaguda e dor radicular aguda): NR (I) TENS (na lombalgia crônica e na dor radicular crônica): R (C) Iontoforese, estimulação galvânica: NR (I)
  • 107. 107 Massagem em lombalgia aguda e na dor radicular crônica: R (I) Massagens para lombalgias subagudas e crônicas (associadas com exercícios aeróbicos e de fortalecimento): R (C)
  • 108. 108 Acupuntura lombalgia aguda, subaguda e dor radicular: NR (I) lombalgia crônica: R (C) Yoga lombalgia aguda e subaguda: NR (I) lombalgia com mais de um ano de evolução, em pacientes altamente motivados: R (C)
  • 109. 109 Exercícios aeróbicos nas lombalgias aguda, subaguda e crônica, principalmente: R (A) no pós-opratório de cirurgia da coluna lombar: R (I)
  • 110. 110 Exercícios de alongamento muscular localizados, associados com exercícios aeróbicos: R (C) Exercícios de alongamento muscular isolados (sem associação com exercícios aeróbicos): NR (C) Alongamentos musculares agressivos na lombalgia aguda: NR (I)
  • 111. 111 Exercícios de fortalecimento muscular específicos (para estabilização da coluna): nas lombalgias aguda, subaguda e crônica e no pós-operatório: R (C) Exercícios de fortalecimento muscular abdominal para lombalgias: NR (I)
  • 112. 112 Postura para dormir – a que o paciente achar mais confortável: R (I) Utilização de produtos comerciais específicos: lombalgias aguda, subaguda e crônica: NR (I)
  • 113. 113 Tratamento cirúrgico Discectomia (após 4 a 6 semanas, em casos selecionados de radiculopatias, se houve falha do tratamento conservador): R (B) Descompressão (em casos de estenose de canal, se houve falha com o tratamento conservador): R (B)
  • 114. 114 Recuperação da função O princípio básico de todos os programas individualmente traçados é ajudar o paciente portador de lombalgia a lidar com a dor e a retornar ao nível de função requerido para suas necessidades diárias e laborais.
  • 115. 115 Toda tentativa para manter o paciente em nível máximo de atividade, incluindo atividade no trabalho, deve ser feita, uma vez que isso é de interesse do paciente a curto e a longo prazos. Dra. Elizabeth Genovese
  • 116. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 116
  • 117. 117 1 – Mudança de estilo de vida Posturas Sedentarismo Obesidade Tabagismo 2 – Correção de ambientes inseguros 3 – Adequações ergonômicas
  • 118. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 118
  • 119. 119 “O ser humano não é filho de empilhadeira com guindaste” Dr. Hudson Couto
  • 120. 120 A Ergonomia se constitui na principal forma de se evitar as lombalgias no trabalho. A rigor, pode-se estimar, sem qualquer medo de erro, que a adoção de medidas de Ergonomia é capaz de reduzir em pelo menos 80% a incidência das dores lombares. Mais surpreendente é que a grande maioria das medidas é de baixíssimo custo.
  • 121. 121
  • 122. 122
  • 123. 123
  • 124. 124
  • 125. 125
  • 126. 126
  • 127. 127
  • 128. 128 5
  • 129. Dr. Hugo Leonardo Miranda Coelho 129 Obrigado hugoleonardo@jknet.com.br (38) 3531-5155 / 3531-3103 / 8825-4329 3531-1321 (INSS) (palestras in company)