SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Instrumentos de avaliação
dos indicadores de Saúde
da Pessoa Idosa: uma
experiência exitosa
CENÁRIO DO ENVELHECIMENTO DO
MUNICÍPIO DE FORTALEZA
 Em Fortaleza à população idosa nos últimos dez anos,
apresentou um crescimento de 48,3%. No Censo 2000 a
população com 60 anos ou mais somava 160.231, em 2010
estava 237.775.
 O município de Fortaleza tem 92 Unidades de Atenção
Primária à Saúde, com um total 350 Equipes da Estratégia Saúde
da Família – 50% de cobertura, 157 equipes da Estratégia
Agentes Comunitários de Saúde, 250 Equipes de Saúde Bucal e
2.482 Agentes Comunitários de Saúde.
DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA
Ações estratégicas com base nas diretrizes contidas na Política
Nacional de Saúde da Pessoa Idosa e nas metas propostas no
Pacto pela Vida de 2006.
Organização, avaliação e monitoramento dos cuidados prestados
às pessoas idosas na atenção primária de saúde, tendo em vista
não haver instrumentos padronizados na saúde do idoso (nas
esferas estadual e federal), como em outros programas.
Implantação de assessorias técnicas do idoso nas 6 Regionais de
saúde de Fortaleza.
 Reuniões sistemáticas para apresentação e discussão dos
indicadores de saúde, formação de grupos, processos, denúncias,
participação de conselho dos direitos da pessoa idosa, dentre
outros.
OBJETIVOS
Instituir um Assessor Técnico em cada Regional de Saúde e um
Responsável Técnico pela saúde do idoso nas 92 Unidades de
Atenção Primaria à Saúde -UAPS no município de Fortaleza;
Construir um mapa de indicadores de saúde da pessoa idosa em
cada Regional de Saúde de Fortaleza;
Analisar os indicadores de saúde da pessoa idosa no município de
Fortaleza;
DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO E ESTRATÉGIAS DE AÇÃO –
RECURSOS E ACOMPANHAMENTO, AVALIAÇÃO E
MONITORAMENTO
Elaboração de instrumento contendo os indicadores de saúde da
pessoa idosa;
Reuniões sistemáticas com o grupo de trabalho do idoso (GT);
Rodas mensais com os Técnicos responsáveis pela saúde do idoso
das 6 Regionais de Saúde;
Visitas sistemáticas da Assessora Técnica de Atenção ao idoso aos
territórios das 6 Regionais de Saúde;
Implantação da sala de situação da pessoa idosa em cada
Regional de Saúde;
RESULTADOS
RELAÇÃO DOS ASSESSORES TÉCNICOS PELA SAÚDE DO IDOSO DAS REGIONAIS DE
SAÚDE
REGIONAL NOME DO
ASSESSOR
TELEFONE E MAIL
REGIONAL I
REGIONAL II
REGIONAL III
REGIONAL IV
REGIONAL V
REGIONAL VI
RESULTADOS
RELAÇÃO DOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA SAÚDE DO IDOSO DAS
UNIDADES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE- UAPS
REGIONAL I
UAPS NOME DO TÉCNICO TELEFONE E MAIL
Nº de idosos
Cadastrado (>
60 anos)
Nº de idosos
Hipertensos
acompanhados
Nº de idosos
Diabéticos
acompanhados
Nº de idosos
acamados
Nº de
prevenção
Ginecológica
em idosas
Nº de casos de
DST/AIDS em
idosos
Nº de idosos
participantes
em grupos
Nº de idosos
acompanhados
na Saúde
Mental
Nº de idosos
acompanhados
na Terapia
Comunitária
Nº de idosos
atendidos na
Saúde Bucal
Nº de idosos
com TB
notificados no
mês
Nº de idosos
com Hanseníase
notificados no
mês
Nº de
notificação por
violência e
maus tratos
Nº de idosos
vacinados
Nº de idosos que
moram sozinhos
Nº de
cuidadores de
idosos
Nº de idosos
com
Alzheimer
Nº de idosos
com Parkinson
Mês/Ano :_____________ UAPS/ Regional:____________________________
Responsável Técnico_______________________________________________
CONSOLIDADO MENSAL SAÚDE DO IDOSO
VISITA DOMICILIARES REALIZADAS À PESSOA IDOSA
Equipe Saúde da Família Nº de visitas
Médico
Enfermeiro(a)
Dentista
Téc. Ou Aux. De Enfermagem
ACS
ASB
Equipe NASF
Equipe CAPS
SECRETARIA REGIONAL V
MAPA CONSOLIDADO DOS IDOSOS-MAIO/2013
UNIDADE DE ATENÇÃO
PRIMÁRIA DE SAÚDE
I.C. I.H.A. I.D.A. I.A. C.Ginec. DST/HIV P.Grupo S.M. VISITADOS S. BUCAL
UAPS ABNER CAVALCANTE 1.143 439 160 69 03 12 559
UAPS ARGEU HERBSTER 65 384 140 132 16 105 10.86
UAPS DOM LUSTOSA 1.034 497 138 102 04 02 1.152
UAPS EDMILSON PINHEIRO 962 527 151 31 10 03 489
UAPS FERNANDO DIOGENES 737 134 57 327
UAPS GALBA DE ARAÚJO 26 554 246 46 58 03 693 01
UAPS GRACILIANO MUNIZ 200 152 123 13 15 02 09 12
UAPS GUARANY MONT’ALVERNE 1.094 102 30 95 64 641 13
UAPS JOÃO ELISIO 505 123 56 68 13 1.643
UAPS JOSÉ PARACAMPOS 870 560 38
UAPS JOSÉ WALTER 680 149 72 94 85 1.434
UAPS JURANDIR PICANÇO
UAPS LUCIANO TORRES DE MELO 1.032 555 302 86 23 1.083 18
UAPS LUIZA TÁVORA 300 162 54 10 06 16 09 38
UAPS MACIEL DE BRITO 1.648 705 435 92 12 106 15 262
UAPS PARQUE SÃO JOSÉ 400 270 180 60 20 62 285
UAPS PEDRO CELESTINO
UAPS SIQUEIRA 367 65 11 24 428
UAPS VIVIANE BENEVIDES 441 383 144 55 02 590 413
UAPS ZÉLIA CORREIA 1.526 774 215 101 19 01 01 1.638
TOTAL
LEGENDA: I.C = IDOSO CADASTRADO
I.H.A = IDOSO HIPETENSO
I.D.A = IDOSO DIABETICO
I.A = IDOSO ACAMADO
PREVENÇÃO GINECOLÓGICA
PARTICIPANTE DE GRUPO
IDOSOS VISITADOS
O MUNICÍPIO DE FORTALEZA
Fonte: IBGE, censo demográfico, 2010
VI
OCEANO ATLÂNTICO
OCEANO ATLÂNTICO
II
IV
MONDUBI
M
V
I
III
SER I
372.965
37.004
2.200
SER II
341.942
49.332
1.794
SER III
373.384
37.786
1.347
SER IV
284.911
34.985
961
SER V
496.589
42.252
2.006
SER VI
478.308
41.071
2.029
UNIDADE DE SAÚDE – SER I ENDEREÇO BAIRRO
1. CSF FLORESTA Rua Ten. José Barreira, 251- 60.336-040 Álvaro Weyne
2. CSF LINEU JUCÁ Rua Vila Velha, 101- 60.331-291 Barra do Ceará
3. CSF FERNANDO FAÇANHA Rua Rio Tocantins, s/n- 60.340-110 Jd. Iracema
4. CSF CARLOS RIBEIRO Rua Jacinto Matos, 944- 60.310-210 Jacarecanga
5. CSF. DR. PAULO DE MELO MACHADO Rua Bernardo Porto, 497- 60.320-570 Monte Castelo
6. CSF JOÃO MEDEIROS DE LIMA Av. I, 982 – 60.348-140 Vila Velha
7. CSF PROF. REBOUÇAS MACAMBIRA Rua Creuza Rocha, s/n- 60.346-350 Jd. Guanabara
8. CSF VIRGÍLIO TÁVORA Av. Monsenhor Hélio Campos, s/n- 60.336-800 Cristo Redentor
9. CSF GUIOMAR ARRUDA Rua Gal Costa Matos, 06- 60.310-690 Pirambu
10. CSF FCº DOMINGOS DA SILVA Av. Castelo Branco, 4707- 60.312-060 Barra do Ceará
11. CSF CASEMIRO LIMA FILHO Av. Francisco Sá, 6449- 60.310-003 Barra do Ceará
12. HDGGM – BARRA DO CEARÁ Av. I, 1130 – 60.347-780 Vila Velha
SECRETARIA EXECUTIVA REGIONAL I
VILA VELHA
BARRA DO CEARÁ
JARDIM
IRACEMA
JARDIM
GUANABARA
CRISTO
REDENTOR
FLORESTA
ÁLVARO
WEYNE
VILA
ELLERY
PIRAMBU
CARLITO
PAMPLONA
JACARECANGA
MOURA BRASIL
FARIAS
BRITO
ALAGADIÇO
SÃO
GERARDO
MONTE
CASTELO
LEGENDA:
7
3
5
6
2
11
10 8
9
4
12
1
12
POTENCIAL DE APLICABILIDADE EM OUTROS
TERRITÓRIOS/MUNICÍPIOS/ESTADOS.
 Acreditamos que a metodologia utilizada pode ser
aplicada em todo território nacional. Tendo em vista a
relevância das informações e dos indicadores contidos
nos instrumentos apresentados;
 Assim também como a otimização do monitoramento,
avaliação e planejamento das ações estratégicas na
atenção primária de saúde, objetivando contribuir com a
melhoria da qualidade de vida da pessoa idosa nos seus
diversos cenários de cuidado.
SUSTENTABILIDADE/ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR A
CONTINUIDADE DO TRABALHO
 Realização de seminários, cursos de aperfeiçoamento, reuniões e
oficinas promovidas pela esfera municipal e estadual;
 Distribuição da Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa;
 Distribuição do Caderno de Atenção Básica Envelhecimento e
Saúde da Pessoa Idosa – Nº 19 – distribuídos para os profissionais
das UAPS;
 Distribuição de Material Educativo.
 Reuniões sistemáticas do GT local e regional.
SUSTENTABILIDADE/ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR A
CONTINUIDADE DO TRABALHO
 Articulação intersetorial na promoção e prevenção de agravos
(Notificação de violência contra pessoa idosa, Processos da
ouvidoria e Promotoria pública);
 Supervisão nas Unidades de Atenção Primária à Saúde-UAPS, por
meio de instrumentos dos dados referentes aos idosos
(Consolidado mensal da saúde do idoso e Cadastramento de
grupo de idosos);
 Participação dos NASF na promoção de grupos, eventos,
desenvolvimento de atividades físicas, lúdicas e orientações em
saúde abordando diversos temas;
COMENTÁRIOS E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
 Os indicadores de saúde nos aproximam da realidade da
assistência ao idoso, em seus diversos cenários( centros de
saúde, domicílio, grupos de idosos e outros serviços);
 Os profissionais da Estratégia Saúde da Família e Núcleo de Apoio
à Saúde da Família-NASF, sentem-se mais seguros e valorizados.
Comprometem-se com mais propriedade na promoção,
prevenção de doenças e agravos à saúde da pessoa idosa.
OBRIGADA
Gerídice Lorna Andrade de Moraes
Doutora em Promoção da Saúde – UFC
Gerontóloga Titulada pela SBGG
Assessora Técnica da Célula de Atenção Primária
de Saúde – Fortaleza-Ce
geridice@uol.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familiakarensuelen
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaRuth Milhomem
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.luzienne moraes
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherKarina Pereira
 
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Leonardo Savassi
 
Níveis de atenção a saúde
Níveis de atenção a saúdeNíveis de atenção a saúde
Níveis de atenção a saúdeCleitonAlves54
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeFelipe Assan Remondi
 
Pacto pela saude
Pacto pela saudePacto pela saude
Pacto pela saudekarensuelen
 
Plano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idosoPlano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idosoEvailson Santos
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da MulherNeto Pontes
 

Mais procurados (20)

Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUS
 
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
 
SUS para Concursos
SUS para ConcursosSUS para Concursos
SUS para Concursos
 
Rede cegonha ppt
Rede cegonha pptRede cegonha ppt
Rede cegonha ppt
 
Níveis de atenção a saúde
Níveis de atenção a saúdeNíveis de atenção a saúde
Níveis de atenção a saúde
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
PlanificaSUS
PlanificaSUSPlanificaSUS
PlanificaSUS
 
Pacto pela saude
Pacto pela saudePacto pela saude
Pacto pela saude
 
Plano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idosoPlano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idoso
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 

Destaque

Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012
Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012
Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012Marcio Palheta
 
Capítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizados
Capítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizadosCapítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizados
Capítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizadosMarcio Palheta
 
Trabalhando com Threads em JAVA
Trabalhando com Threads em JAVATrabalhando com Threads em JAVA
Trabalhando com Threads em JAVAMarcio Palheta
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeArare Carvalho Júnior
 
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007Márcia Rocha
 
Introdução ao Python
Introdução ao PythonIntrodução ao Python
Introdução ao PythonMarcio Palheta
 
REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE AVALIAÇÃO
REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE  AVALIAÇÃOREFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE  AVALIAÇÃO
REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE AVALIAÇÃOEleandro Araújo
 
Implementação de Sockets em JAVA
Implementação de Sockets em JAVAImplementação de Sockets em JAVA
Implementação de Sockets em JAVAMarcio Palheta
 
Weka em aplicações java
Weka em aplicações javaWeka em aplicações java
Weka em aplicações javaMarcio Palheta
 
Capítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no device
Capítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no deviceCapítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no device
Capítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no deviceMarcio Palheta
 
Capítulo 09 - Serviços em Background
Capítulo 09 - Serviços em BackgroundCapítulo 09 - Serviços em Background
Capítulo 09 - Serviços em BackgroundMarcio Palheta
 
indicadores hospitalares
indicadores hospitalaresindicadores hospitalares
indicadores hospitalaresInformaGroup
 
Capítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiers
Capítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiersCapítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiers
Capítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiersMarcio Palheta
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialArare Carvalho Júnior
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no temporoseanecordeiro
 
Capítulo 10 - Sincronização de dados usando JSON
Capítulo 10 - Sincronização de dados usando JSONCapítulo 10 - Sincronização de dados usando JSON
Capítulo 10 - Sincronização de dados usando JSONMarcio Palheta
 

Destaque (20)

Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012
Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012
Palestra ministrada na Feira Norte do Estudante 2012
 
Capítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizados
Capítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizadosCapítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizados
Capítulo 08 - desenvolvimento de layouts customizados
 
Qualidade em serviços de saúde indicadores
Qualidade em serviços de saúde indicadoresQualidade em serviços de saúde indicadores
Qualidade em serviços de saúde indicadores
 
Trabalhando com Threads em JAVA
Trabalhando com Threads em JAVATrabalhando com Threads em JAVA
Trabalhando com Threads em JAVA
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
 
Introdução ao Python
Introdução ao PythonIntrodução ao Python
Introdução ao Python
 
Curriculum lattes
Curriculum lattesCurriculum lattes
Curriculum lattes
 
REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE AVALIAÇÃO
REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE  AVALIAÇÃOREFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE  AVALIAÇÃO
REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO DE AVALIAÇÃO
 
Cv em power point atualizado
Cv em power point atualizadoCv em power point atualizado
Cv em power point atualizado
 
Implementação de Sockets em JAVA
Implementação de Sockets em JAVAImplementação de Sockets em JAVA
Implementação de Sockets em JAVA
 
Weka em aplicações java
Weka em aplicações javaWeka em aplicações java
Weka em aplicações java
 
Capítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no device
Capítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no deviceCapítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no device
Capítulo 07 - Acesso a câmera e arquivos armazenados no device
 
Capítulo 09 - Serviços em Background
Capítulo 09 - Serviços em BackgroundCapítulo 09 - Serviços em Background
Capítulo 09 - Serviços em Background
 
indicadores hospitalares
indicadores hospitalaresindicadores hospitalares
indicadores hospitalares
 
Capítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiers
Capítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiersCapítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiers
Capítulo 11 - Melhorando a usabilidade com qualifiers
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
 
Capítulo 10 - Sincronização de dados usando JSON
Capítulo 10 - Sincronização de dados usando JSONCapítulo 10 - Sincronização de dados usando JSON
Capítulo 10 - Sincronização de dados usando JSON
 
Indicadores Hospitalares
Indicadores HospitalaresIndicadores Hospitalares
Indicadores Hospitalares
 

Semelhante a Monitoramento da saúde da pessoa idosa em Fortaleza

200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CE
200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CE200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CE
200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CEFrancisco Luz
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Simone Everton
 
Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Iranildo Ribeiro
 
Relatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdf
Relatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdfRelatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdf
Relatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdfgaby792241
 
Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS
Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS  Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS
Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS nagelasouza1
 
Livro vigilancia-em-saude
Livro vigilancia-em-saudeLivro vigilancia-em-saude
Livro vigilancia-em-saudetaniatalles2
 
Pes rbsp vol33-suplemento1_2009
Pes   rbsp vol33-suplemento1_2009Pes   rbsp vol33-suplemento1_2009
Pes rbsp vol33-suplemento1_2009Moni Carneiro
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa RosaBi_Oliveira
 
Mapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgm
Mapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgmMapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgm
Mapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgmAngelicaCostaMeirele2
 
PRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionais
PRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionaisPRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionais
PRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionaisProf. Marcus Renato de Carvalho
 
1332103379 protocolos parte i
1332103379 protocolos parte i1332103379 protocolos parte i
1332103379 protocolos parte iEduardo Moioli
 
Pacto Social do Nordeste - Nordeste Acolhe
Pacto Social do Nordeste - Nordeste AcolhePacto Social do Nordeste - Nordeste Acolhe
Pacto Social do Nordeste - Nordeste AcolheEliane Aquino
 

Semelhante a Monitoramento da saúde da pessoa idosa em Fortaleza (20)

200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CE
200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CE200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CE
200314-Exposição SecSaúde Câmara de Paracuru-CE
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]
 
Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013
 
Relatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdf
Relatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdfRelatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdf
Relatório de Atividades Desenvolvidas 2023.pdf
 
Cartilha da saude
Cartilha da saudeCartilha da saude
Cartilha da saude
 
Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS
Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS  Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS
Melhora da atenção a saúde dos idosos na UBS
 
Livro vigilancia-em-saude
Livro vigilancia-em-saudeLivro vigilancia-em-saude
Livro vigilancia-em-saude
 
Pes rbsp vol33-suplemento1_2009
Pes   rbsp vol33-suplemento1_2009Pes   rbsp vol33-suplemento1_2009
Pes rbsp vol33-suplemento1_2009
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
 
Apresentação conferência 2011
Apresentação conferência 2011 Apresentação conferência 2011
Apresentação conferência 2011
 
Manual promoprev
Manual promoprevManual promoprev
Manual promoprev
 
Mapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgm
Mapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgmMapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgm
Mapas Mentais - SUS.pdfjjjgfhffhfhfbfhfhfgjgm
 
Sintonia da saúde 29-11-17
Sintonia da saúde 29-11-17Sintonia da saúde 29-11-17
Sintonia da saúde 29-11-17
 
PRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionais
PRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionaisPRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionais
PRÉ-NATAL do PARCEIRO - Guia do Ministério da Saúde para profissionais
 
U3 caderneta
U3 cadernetaU3 caderneta
U3 caderneta
 
1332103379 protocolos parte i
1332103379 protocolos parte i1332103379 protocolos parte i
1332103379 protocolos parte i
 
Pacto Social do Nordeste - Nordeste Acolhe
Pacto Social do Nordeste - Nordeste AcolhePacto Social do Nordeste - Nordeste Acolhe
Pacto Social do Nordeste - Nordeste Acolhe
 
00011428
0001142800011428
00011428
 
00000893
0000089300000893
00000893
 
Pacto pelu sus
Pacto pelu susPacto pelu sus
Pacto pelu sus
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 

Monitoramento da saúde da pessoa idosa em Fortaleza

  • 1.
  • 2. Instrumentos de avaliação dos indicadores de Saúde da Pessoa Idosa: uma experiência exitosa
  • 3. CENÁRIO DO ENVELHECIMENTO DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA  Em Fortaleza à população idosa nos últimos dez anos, apresentou um crescimento de 48,3%. No Censo 2000 a população com 60 anos ou mais somava 160.231, em 2010 estava 237.775.  O município de Fortaleza tem 92 Unidades de Atenção Primária à Saúde, com um total 350 Equipes da Estratégia Saúde da Família – 50% de cobertura, 157 equipes da Estratégia Agentes Comunitários de Saúde, 250 Equipes de Saúde Bucal e 2.482 Agentes Comunitários de Saúde.
  • 4. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA Ações estratégicas com base nas diretrizes contidas na Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa e nas metas propostas no Pacto pela Vida de 2006. Organização, avaliação e monitoramento dos cuidados prestados às pessoas idosas na atenção primária de saúde, tendo em vista não haver instrumentos padronizados na saúde do idoso (nas esferas estadual e federal), como em outros programas. Implantação de assessorias técnicas do idoso nas 6 Regionais de saúde de Fortaleza.  Reuniões sistemáticas para apresentação e discussão dos indicadores de saúde, formação de grupos, processos, denúncias, participação de conselho dos direitos da pessoa idosa, dentre outros.
  • 5. OBJETIVOS Instituir um Assessor Técnico em cada Regional de Saúde e um Responsável Técnico pela saúde do idoso nas 92 Unidades de Atenção Primaria à Saúde -UAPS no município de Fortaleza; Construir um mapa de indicadores de saúde da pessoa idosa em cada Regional de Saúde de Fortaleza; Analisar os indicadores de saúde da pessoa idosa no município de Fortaleza;
  • 6. DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO E ESTRATÉGIAS DE AÇÃO – RECURSOS E ACOMPANHAMENTO, AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO Elaboração de instrumento contendo os indicadores de saúde da pessoa idosa; Reuniões sistemáticas com o grupo de trabalho do idoso (GT); Rodas mensais com os Técnicos responsáveis pela saúde do idoso das 6 Regionais de Saúde; Visitas sistemáticas da Assessora Técnica de Atenção ao idoso aos territórios das 6 Regionais de Saúde; Implantação da sala de situação da pessoa idosa em cada Regional de Saúde;
  • 7. RESULTADOS RELAÇÃO DOS ASSESSORES TÉCNICOS PELA SAÚDE DO IDOSO DAS REGIONAIS DE SAÚDE REGIONAL NOME DO ASSESSOR TELEFONE E MAIL REGIONAL I REGIONAL II REGIONAL III REGIONAL IV REGIONAL V REGIONAL VI
  • 8. RESULTADOS RELAÇÃO DOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA SAÚDE DO IDOSO DAS UNIDADES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE- UAPS REGIONAL I UAPS NOME DO TÉCNICO TELEFONE E MAIL
  • 9. Nº de idosos Cadastrado (> 60 anos) Nº de idosos Hipertensos acompanhados Nº de idosos Diabéticos acompanhados Nº de idosos acamados Nº de prevenção Ginecológica em idosas Nº de casos de DST/AIDS em idosos Nº de idosos participantes em grupos Nº de idosos acompanhados na Saúde Mental Nº de idosos acompanhados na Terapia Comunitária Nº de idosos atendidos na Saúde Bucal Nº de idosos com TB notificados no mês Nº de idosos com Hanseníase notificados no mês Nº de notificação por violência e maus tratos Nº de idosos vacinados Nº de idosos que moram sozinhos Nº de cuidadores de idosos Nº de idosos com Alzheimer Nº de idosos com Parkinson Mês/Ano :_____________ UAPS/ Regional:____________________________ Responsável Técnico_______________________________________________ CONSOLIDADO MENSAL SAÚDE DO IDOSO
  • 10. VISITA DOMICILIARES REALIZADAS À PESSOA IDOSA Equipe Saúde da Família Nº de visitas Médico Enfermeiro(a) Dentista Téc. Ou Aux. De Enfermagem ACS ASB Equipe NASF Equipe CAPS
  • 11. SECRETARIA REGIONAL V MAPA CONSOLIDADO DOS IDOSOS-MAIO/2013 UNIDADE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE I.C. I.H.A. I.D.A. I.A. C.Ginec. DST/HIV P.Grupo S.M. VISITADOS S. BUCAL UAPS ABNER CAVALCANTE 1.143 439 160 69 03 12 559 UAPS ARGEU HERBSTER 65 384 140 132 16 105 10.86 UAPS DOM LUSTOSA 1.034 497 138 102 04 02 1.152 UAPS EDMILSON PINHEIRO 962 527 151 31 10 03 489 UAPS FERNANDO DIOGENES 737 134 57 327 UAPS GALBA DE ARAÚJO 26 554 246 46 58 03 693 01 UAPS GRACILIANO MUNIZ 200 152 123 13 15 02 09 12 UAPS GUARANY MONT’ALVERNE 1.094 102 30 95 64 641 13 UAPS JOÃO ELISIO 505 123 56 68 13 1.643 UAPS JOSÉ PARACAMPOS 870 560 38 UAPS JOSÉ WALTER 680 149 72 94 85 1.434 UAPS JURANDIR PICANÇO UAPS LUCIANO TORRES DE MELO 1.032 555 302 86 23 1.083 18 UAPS LUIZA TÁVORA 300 162 54 10 06 16 09 38 UAPS MACIEL DE BRITO 1.648 705 435 92 12 106 15 262 UAPS PARQUE SÃO JOSÉ 400 270 180 60 20 62 285 UAPS PEDRO CELESTINO UAPS SIQUEIRA 367 65 11 24 428 UAPS VIVIANE BENEVIDES 441 383 144 55 02 590 413 UAPS ZÉLIA CORREIA 1.526 774 215 101 19 01 01 1.638 TOTAL LEGENDA: I.C = IDOSO CADASTRADO I.H.A = IDOSO HIPETENSO I.D.A = IDOSO DIABETICO I.A = IDOSO ACAMADO PREVENÇÃO GINECOLÓGICA PARTICIPANTE DE GRUPO IDOSOS VISITADOS
  • 12. O MUNICÍPIO DE FORTALEZA Fonte: IBGE, censo demográfico, 2010 VI OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ATLÂNTICO II IV MONDUBI M V I III SER I 372.965 37.004 2.200 SER II 341.942 49.332 1.794 SER III 373.384 37.786 1.347 SER IV 284.911 34.985 961 SER V 496.589 42.252 2.006 SER VI 478.308 41.071 2.029
  • 13. UNIDADE DE SAÚDE – SER I ENDEREÇO BAIRRO 1. CSF FLORESTA Rua Ten. José Barreira, 251- 60.336-040 Álvaro Weyne 2. CSF LINEU JUCÁ Rua Vila Velha, 101- 60.331-291 Barra do Ceará 3. CSF FERNANDO FAÇANHA Rua Rio Tocantins, s/n- 60.340-110 Jd. Iracema 4. CSF CARLOS RIBEIRO Rua Jacinto Matos, 944- 60.310-210 Jacarecanga 5. CSF. DR. PAULO DE MELO MACHADO Rua Bernardo Porto, 497- 60.320-570 Monte Castelo 6. CSF JOÃO MEDEIROS DE LIMA Av. I, 982 – 60.348-140 Vila Velha 7. CSF PROF. REBOUÇAS MACAMBIRA Rua Creuza Rocha, s/n- 60.346-350 Jd. Guanabara 8. CSF VIRGÍLIO TÁVORA Av. Monsenhor Hélio Campos, s/n- 60.336-800 Cristo Redentor 9. CSF GUIOMAR ARRUDA Rua Gal Costa Matos, 06- 60.310-690 Pirambu 10. CSF FCº DOMINGOS DA SILVA Av. Castelo Branco, 4707- 60.312-060 Barra do Ceará 11. CSF CASEMIRO LIMA FILHO Av. Francisco Sá, 6449- 60.310-003 Barra do Ceará 12. HDGGM – BARRA DO CEARÁ Av. I, 1130 – 60.347-780 Vila Velha SECRETARIA EXECUTIVA REGIONAL I VILA VELHA BARRA DO CEARÁ JARDIM IRACEMA JARDIM GUANABARA CRISTO REDENTOR FLORESTA ÁLVARO WEYNE VILA ELLERY PIRAMBU CARLITO PAMPLONA JACARECANGA MOURA BRASIL FARIAS BRITO ALAGADIÇO SÃO GERARDO MONTE CASTELO LEGENDA: 7 3 5 6 2 11 10 8 9 4 12 1 12
  • 14. POTENCIAL DE APLICABILIDADE EM OUTROS TERRITÓRIOS/MUNICÍPIOS/ESTADOS.  Acreditamos que a metodologia utilizada pode ser aplicada em todo território nacional. Tendo em vista a relevância das informações e dos indicadores contidos nos instrumentos apresentados;  Assim também como a otimização do monitoramento, avaliação e planejamento das ações estratégicas na atenção primária de saúde, objetivando contribuir com a melhoria da qualidade de vida da pessoa idosa nos seus diversos cenários de cuidado.
  • 15. SUSTENTABILIDADE/ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR A CONTINUIDADE DO TRABALHO  Realização de seminários, cursos de aperfeiçoamento, reuniões e oficinas promovidas pela esfera municipal e estadual;  Distribuição da Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa;  Distribuição do Caderno de Atenção Básica Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa – Nº 19 – distribuídos para os profissionais das UAPS;  Distribuição de Material Educativo.  Reuniões sistemáticas do GT local e regional.
  • 16. SUSTENTABILIDADE/ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR A CONTINUIDADE DO TRABALHO  Articulação intersetorial na promoção e prevenção de agravos (Notificação de violência contra pessoa idosa, Processos da ouvidoria e Promotoria pública);  Supervisão nas Unidades de Atenção Primária à Saúde-UAPS, por meio de instrumentos dos dados referentes aos idosos (Consolidado mensal da saúde do idoso e Cadastramento de grupo de idosos);  Participação dos NASF na promoção de grupos, eventos, desenvolvimento de atividades físicas, lúdicas e orientações em saúde abordando diversos temas;
  • 17. COMENTÁRIOS E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES  Os indicadores de saúde nos aproximam da realidade da assistência ao idoso, em seus diversos cenários( centros de saúde, domicílio, grupos de idosos e outros serviços);  Os profissionais da Estratégia Saúde da Família e Núcleo de Apoio à Saúde da Família-NASF, sentem-se mais seguros e valorizados. Comprometem-se com mais propriedade na promoção, prevenção de doenças e agravos à saúde da pessoa idosa.
  • 18. OBRIGADA Gerídice Lorna Andrade de Moraes Doutora em Promoção da Saúde – UFC Gerontóloga Titulada pela SBGG Assessora Técnica da Célula de Atenção Primária de Saúde – Fortaleza-Ce geridice@uol.com.br