SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Educação em Saúde no
SUS Betim: desafios e
perspectivas
Leonardo C M Savassi
RT de Educação em Saúde – SMS Betim.
Médico de Família e Comunidade, Pediatra,
Doutor em Educação em Saúde
OBJETIVOS DE HOJE
- Discutir a Educação em Saúde no âmbito do SUS
Betim
- Discutir a Andragogia e a Educação em Saúde no
campo da prática.
- Discutir algumas ferramentas de Educação em Saúde
na Atenção Primária
CRONOGRAMA DE HOJE
- Dinâmica: como se aprende e como se ensina
- Exposição dialogada: a andragogia.
- Leitura de Texto + Dinâmica: tendências pedagógicas
- Exposição dialogada: Educação em Saúde para
adultos
- Exposição dialogada: Educação em Saúde na Atenção
Primária
DESA- SUS Betim
Abril, 2014
A EDUCAÇÃO NA
SAÚDE NO
ÂMBITO DO
SUS BETIM
Dinâmica
• Tempo: 45 minutos.
– 15 min para a dinâmica
– 30 min discussão
• Grupos de 4 pessoas
– Um cozinheiro
– Um aprendiz
– Dois observadores externos
Teoria de Aprendizagem de Adulto
1. Algumas pesquisas afirmam que estudantes
adultos, após 72 horas,,lembram:
• 90% do que fazem;
• 75% do que vêem;
• 10% do que ouvem!
( Knowles - 1980 ))
Teoria de Aprendizagem de Adulto
2. Adultos são motivados a
aprender à medida em
que experimentam que
suas necessidades e
seus interesses serão
satisfeitos.
Teoria de Aprendizagem de Adulto
3. A orientação de
aprendizagem está
centrada nas
necessidades e
experiências do
aprendiz e
consequentemente
uma compreensão de
contexto.
Teoria de Aprendizagem de Adulto
4. Os adultos têm uma
profunda necessidade de
serem autodirigidos, o
que torna essencial um
trabalho de
compartilhamento do
plano de aprendizagem e
solução de problemas.
Teoria de Aprendizagem de Adulto
5. As diferenças individuais entre
as pessoas e a experiência
acumulada devem ser
consideradas, logo a
educação de adultos deve
considerar as diferenças de
estilo, tempo, lugar, contexto
e ritmo para que ocorra a
aprendizagem.
Dinâmica
• Tempo: 01 hora.
– Leitura do texto de PEREIRA, ALF.
– 20 min para a dinâmica
– 40 min discussão
• Grupos de 4 pessoas
– Cada grupo apresentará uma das quatro
tendências pedagógicas
Educação em Saúde
Educação: o que é?
• Processo de desenvolvimento da capacidade
física, intelectual e moral do ser humano, visando a sua
melhor integração individual e social.
• Construção de conhecimento através do processo de
ensino-aprendizagem em espaços formais e não formais
de ensino, como escola, museus, comunidades
• Prática social que prepara as pessoas para a vida em
comunidade
• Processo de desenvolvimento de consciência crítica que
estimula a ação para mudança
SCHALL, VT
Educação em Saúde: o que é?
• Processo capaz de desenvolver no indivíduo/
população consciência crítica das causas dos
problemas de saúde, e possibilitar a sua
participação para superá-los, na posição de
sujeito, cidadão, co-responsável pelas ações e
serviços de saúde, exercendo o controle social
sobre esses serviços.
• Educação permanente: profissionais de saúde
SCHALL, VT
Educação em Saúde
Saúde, Doença e Comportamento: o contexto em
mudança
• Maior causa de morte nos EEUU são d. crônicas,
onde sofrimento e morte prematura podem ser
evitados por alterações positivas no
comportamento
• O perfil da situação de saúde do Brasil é de tripla
carga de doenças, pela presença concomitante
das doenças infecciosas e carenciais, das causas
externas e das doenças crônicas. (Frenk, 2006)
GLANZ, K.
MENDES, EV.
Educação em Saúde
Comportamento em saúde
• É a preocupação central da educação em
saúde. Mudanças positivas informadas no
comportamento em saúde são tipicamente os
objetivos finais dos programs de educação em
saúde.
• Os esforços educativos em saúde deveriam ser
avaliadas sob seus efeitos sobre o
comportamento saudável.
GLANZ, K.
Educação em Saúde
Comportamento em saúde
• O comportamento em saúde é afetado por
múltiplos níveis de influência:
1. intrapessoais ou fatores individuais;
2. interpessoais;
3. institucionais ou organizacionais;
4. comunitários e
5. de políticas públicas.
GLANZ, K.
Educação em Saúde
Inclui não só atividades instrutivas e outras
estratégias para mudar o comportamento em
saúde, mas também esforços
organizativos, diretrizes políticas, suporte
econômico, atividades ambientais, mídia de
massa, e programas de nível comunitário.
GLANZ, K.
Educação em Saúde
Área do conhecimento desde 1919 (EEUU), mas há apenas
2 décadas cresceram suas publicações
• Falta sistematização e maior divulgação de sua produção
e seu potencial.
• Campo eclético, amálgama de abordagens, métodos e
estratégias, advindos das áreas das ciências
sociais, humanas e da saúde.
• Perspectivas teóricas, práticas e metodologias da
psicologia, sociologia, antropologia, comunicação e
marketing, e depende da epidemiologia, estatística e
medicina, sobretudo saúde coletiva.
GLANZ, K.
Educação em Saúde
Locais para educação em saúde
• Locais: todos.
• Ambientes relevantes para ES contemporânea:
– Consultórios
– Escolas
– Comunidades
– Ambientes de trabalho
– Locais de cuidado a saúde
– Domicílios
SCHALL, VT; GLANZ, K.
Educação em Saúde
Público-alvo para educação em saúde
• Educação em saúde só é efetiva com o entendimento
do público alvo.
• Este consiste em pessoas alcançáveis como indivíduos,
grupos, comunidades,através de organizações, como
entidades sócio-políticas ou em combinação destes.
• Quatro dimensões podem caracterizar as potenciais
audiências : Características sócio-demográficas; Fundo
Étnico ou Racial; Estágios do ciclo de vida; Status de
doença e riscos específicos.
GLANZ, K.
Teorias da Educação em Saúde
Theoria: ciências e atividades preocupadas no conhecimento
per se.
Praxis: meios nos quais comumente falamos em ação ou
fazer.
teoria e pesquisa não são o campo dos acadêmicos
assim como prática não é somente o campo do clínico
GLANZ, K.
Pergunta
• É possível avaliar comportamentos em saúde?
• É possível avaliar se uma pessoa está pronta
para a mudança de comportamento?
• Comportamento é algo mensurável?
10 minutos de debate
SAVASSI, LCM
Modelo de Crenças em Saúde
Modelo Transteorético
Pré-contemplação (I wont) – Não considera a possibilidade de
mudar, nem se preocupa com a questão.
Contemplação (I might) – Admite o problema, é ambivalente e considera
adotar mudanças eventualmente.
Preparação (I will) – Inicia algumas mudanças, planeja, cria condições
para mudar, revisa tentativas passadas.
Ação (I am) – Implementa mudanças ambientais e
comportamentais, investe tempo e energia na execução da mudança.
Manutenção (I have) – Processo de continuidade do trabalho iniciado
com a ação, para manter os ganhos e prevenir a recaída.
Recaída – Falha na manutenção e retomada do hábito ou comportamento
anterior – retorno a qualquer dos estágios anteriores.
Lapso – Falha na manutenção, mas sem a retomada do hábito.
Prochaska e DiClementi (1982)
Modelo Transteorético
Greene (1998)
Estimativa da intenção de mudança
(Pergunta exemplo) Eu preciso de sua opinião sincera sobre sua mudança de
consumo de gorduras. Você quase sempre evita alimentos ricos em gordura?
(ex. manteiga, margarina, óleo, molhos para salada, carne gordurosa,
frituras, sorvete, etc.)
(1) Não, e não pretendo começar a evitar nos próximos 6 meses (Pré-
Contemplação)
(2) Não, mas pretendo começar a evitar nos próximos 6 meses
(Contemplação)
(3) Não, mas pretendo começar a evitar nos próximos 30 dias (Preparação)
(4) Sim, tenho evitado, mas há menos de 6 meses (Ação)
(5) Sim, tenho evitado há mais de 6 meses (Manutenção)
Entrevista motivacional
ESTÁGIOS TAREFAS MOTIVACIONAIS
Pré-contemplação
Levantar dúvidas – aumentar a percepção da pessoa
sobre os riscos e os problemas do comportamento atual
Contemplação
“Inclinar a balança” – evocar as razões para a mudança,
os riscos de não mudar; fortalecer a autossuficiência da
pessoa para a mudança do comportamento atual
Preparação
Ajudar a pessoa a definir a melhor linha de ação a ser
seguida na busca da mudança
Ação Ajudar a pessoa a dar passos rumo à mudança
Manutenção
Ajudar a pessoa a identificar e a utilizar estratégias de
prevenção da recaída
Recaída
Ajudar a pessoa a renovar os processos de
contemplação, preparação e ação, sem que ela fique
imobilizada ou desmoralizada devido à recaída
Prochaska e DiClementi (1982)
Pergunta
• Como trabalhar práticas educativas e de
promoção da saúde com a população e num
ambiente de prática real de saúde?
• Planeje uma atividade na qual você residente
terá um papel relevante.
10 minutos de debate
GRUPOS OPERATIVOS
Uma das principais ferramentas para
promoção da saúde, prevenção (primária
ou secundária) de doenças e integralidade
é o trabalho em grupo.
DIAS, RB
TEORIA
A teoria e técnica de grupos operativos, foi desenvolvida por
Enrique Pichon-Rivière (1907-1977), psiquiatra e psicanalista
de origem suíça, que viveu na Argentina desde seus 4 anos de
idade.
O fenômeno disparador da técnica de grupos operativos foi
agreve do pessoal de enfermagem no hospital psiquiátrico De
Las Mercês, em Rosário, onde desempenhava atividades
clínicas e docentes.
Para superar a situação crítica, ele colocou os pacientes
menos comprometidos para assistir aos mais comprometidos.
Observou que ambos, subgrupos, apresentaram significativas
melhoras de seus quadros clínicos. DIAS, RB
TEORIA
O novo processo de comunicação estabelecido entre os
pacientes e a ruptura de papéis estereotipados - o de
quem é cuidado, para o de quem cuida - foram os
elementos referenciais do processo de evolução desses
enfermos.
Intrigado com esse resultado passou a estudar os
fenômenos grupais a partir dos postulados:
- da psicanálise,
- da teoria de campo de Kurt Lewin e
- da teoria de Comunicação e Interação.
DIAS, RB
TEORIA
Pichon Riviére (1945), definiu grupo operativo como:
“Um conjunto de pessoas com um objetivo
em comum".
Os grupos operativos trabalham na dialética do ensinar-
aprender;
O trabalho em grupo proporciona uma interação entre as
pessoas, onde elas tanto aprendem como também são
sujeitos do saber, mesmo que seja apenas pelo fato da
sua experiência de vida;
Dessa forma, ao mesmo tempo em que aprendem,
ensinam também.
DIAS, RB
CARACTERÍSTICAS:
• Os integrantes deverão estar reunidos em torno de um
mesmo interesse;
• O grupo se constitui como uma nova identidade;
• São discriminadas as identidades individuais;
• Algum tipo de vínculo entre os integrantes.
DIAS, RB
CAMPO GRUPAL DINÂMICO:
6 FENÔMENOS
–Ressonância;
–Fenômeno do espelho;
–Função de continente;
–Fenômeno da pertencência;
–Discriminação e
–Comunicação.
DIAS, RB
1) A ressonância, que é um fenômeno comunicacional, onde a
fala trazida por um membro do grupo vai ressoar em
outro, transmitindo um significado afetivo equivalente, e
assim, sucessivamente.
2) O fenômeno do espelho, conhecido como galeria dos
espelhos, onde cada um pode ser refletido nos, e pelos outros; o
que nada mais é, do que a questão da identificação, onde o
indivíduo se reconhece sendo reconhecido pelo outro, e assim
vai formando a sua identidade;
3) A função de "continente", ou seja, o grupo coeso exerce a
função de ser continente das angústias e necessidades de cada
um de seus integrantes.
CAMPO GRUPAL DINÂMICO:
DIAS, RB
CAMPO GRUPAL DINÂMICO:
4) O fenômeno da pertencência, " o quanto cada indivíduo
necessita, de forma vital, ser reconhecido pelos demais do
grupo como alguém que, de fato, pertence ao grupo. E
também alude à necessidade de que cada um reconheça o
outro como alguém que tem o direito de ser diferente e
emancipado dele"
5) A discriminação, que é a capacidade de fazer a diferença
entre o que pertence ao sujeito e o que é do outro;
6) A comunicação, seja ela verbal ou não-verbal, fenômeno
essencial em qualquer grupo onde mensagens são enviadas
e recebidas, podendo haver distorção e reações da parte de
todos os membros do grupo .
DIAS, RB
OBJETIVOS E INTEGRANTES
VÍNCULO
– Grupos vinculados por patologia;
(HAS, Diabetes, Asma, saúde mental, desnutrição,
dependência química, etc)
– Grupos de promoção da saúde, formados por fases do
ciclo de vida;
(gestantes, puericultura, adolescentes, climatério, terceira
idade, etc)
– Grupos heterogêneos.
DIAS, RB
ENCONTROS
– Grupos vinculados por patologia;
Intervalos entre as reuniões de 2 a 3 meses.
– Grupos de promoção da saúde, formados por fases do
ciclo de vida;
Menos intervalo entre as reuniões (geralmente mensais),
os participantes podem variar.
– Grupos heterogêneos;
Números de encontros pré-estabelecidos com menor
intervalo entre as reuniões, os participantes são os
mesmos do inicio ao fim.
DIAS, RB
DICAS E CONSIDERAÇÕES
– Tamanho do grupo:
A principio se trabalha com grupos pequenos de 15-25
indivíduos;
– Local de trabalho:
Espaço físico adequado;
– Definir contrato de trabalho para as reuniões, horários
pré-estabelecidos de inicio e termino, periodicidade e
freqüência, não aceitar membros que estão faltando
muito.
DIAS, RB
Os grupos operativos são ferramentas de
incorporação do saber caracterizados pela
horizontalidade do saber, e da
responsabilização do usuário como agente
ativo da mudança de hábitos.
“A TRADUÇÃO MAIS PURA DA PROMOÇÃO DA
SAÚDE” (DIAS, RB)
DIAS, RB
Pergunta
Como trabalhar práticas educativas e de
promoção da saúde com a população e com o
foco no aprendizado (do residente) ao mesmo
tempo?
DESA Betim
OBRIGADO
LEONARDO C M SAVASSI
Educação na Saúde
lsavassi@yahoo.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Sanny Pereira
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaMario Gandra
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSPRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSFisioterapeuta
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeJesiele Spindler
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemfnanda
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópiaKarla Toledo
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisMario Gandra
 

Mais procurados (20)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDEEDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSPRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Sus
SusSus
Sus
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
psf
psfpsf
psf
 
O trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúdeO trabalho em equipe na saúde
O trabalho em equipe na saúde
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 

Destaque (16)

Aula_intervencoes_coletivas
Aula_intervencoes_coletivasAula_intervencoes_coletivas
Aula_intervencoes_coletivas
 
Reflexões acerca do conceito de saúde
Reflexões acerca do conceito de saúdeReflexões acerca do conceito de saúde
Reflexões acerca do conceito de saúde
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupo Operativo
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
 
TCC A importância dos grupos de autoajuda no acompanhamento terapêutico de ...
TCC   A importância dos grupos de autoajuda no acompanhamento terapêutico de ...TCC   A importância dos grupos de autoajuda no acompanhamento terapêutico de ...
TCC A importância dos grupos de autoajuda no acompanhamento terapêutico de ...
 
Seminário educação em saúde
Seminário   educação em saúdeSeminário   educação em saúde
Seminário educação em saúde
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
 
Saude
SaudeSaude
Saude
 
Saude
SaudeSaude
Saude
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
 
Conceito saude
Conceito saudeConceito saude
Conceito saude
 
Oficinas em dinamica_de_grupo
Oficinas em dinamica_de_grupoOficinas em dinamica_de_grupo
Oficinas em dinamica_de_grupo
 
Educação em saúde
Educação em saúdeEducação em saúde
Educação em saúde
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
 
Pichón rivière
Pichón rivièrePichón rivière
Pichón rivière
 

Semelhante a Educacao em Saude - RMSF Betim

Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Leonardo Savassi
 
UFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamento
UFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamentoUFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamento
UFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamentoLeonardo Savassi
 
2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOP2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOPLeonardo Savassi
 
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da SaúdeAula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da Saúdegerontopedia
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene DentalRômulo Augusto
 
Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)Leonardo Savassi
 
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
Aula 2 educação e metodologias pedagógicasAula 2 educação e metodologias pedagógicas
Aula 2 educação e metodologias pedagógicasCaroline Piske
 
5. GoP e educação e saúde
5. GoP e educação e saúde5. GoP e educação e saúde
5. GoP e educação e saúdeLeonardo Savassi
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
Educação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitosEducação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitosGabriela Montargil
 
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da SaúdeAula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúdegerontopedia
 
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVelAjudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVela20061577
 
Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...
Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...
Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...Universidade Federal de Uberlândia
 
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarLiteracia em Saúde
 
Educac3a7c3a3o e-sac3bade-marcelo
Educac3a7c3a3o e-sac3bade-marceloEducac3a7c3a3o e-sac3bade-marcelo
Educac3a7c3a3o e-sac3bade-marceloJoão Bosco Campos
 

Semelhante a Educacao em Saude - RMSF Betim (20)

Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
 
UFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamento
UFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamentoUFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamento
UFOP (2015) Educação em saúde e mudança de comportamento
 
2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOP2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOP
 
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da SaúdeAula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
 
Semana da qualidade de vida
Semana da qualidade de vidaSemana da qualidade de vida
Semana da qualidade de vida
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
 
Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)
 
Saude bucal1.ppt odonto soc
Saude bucal1.ppt odonto socSaude bucal1.ppt odonto soc
Saude bucal1.ppt odonto soc
 
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
Aula 2 educação e metodologias pedagógicasAula 2 educação e metodologias pedagógicas
Aula 2 educação e metodologias pedagógicas
 
Livro unico laura
Livro unico lauraLivro unico laura
Livro unico laura
 
5. GoP e educação e saúde
5. GoP e educação e saúde5. GoP e educação e saúde
5. GoP e educação e saúde
 
Saude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdfSaude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdf
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
Educação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitosEducação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitos
 
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da SaúdeAula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
 
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVelAjudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
 
Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...
Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...
Seminário da matéria de Organização dos estudos acadêmicos- Agente comunitári...
 
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
 
Educac3a7c3a3o e-sac3bade-marcelo
Educac3a7c3a3o e-sac3bade-marceloEducac3a7c3a3o e-sac3bade-marcelo
Educac3a7c3a3o e-sac3bade-marcelo
 

Mais de Leonardo Savassi

Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Leonardo Savassi
 
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...Leonardo Savassi
 
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptxLeonardo Savassi
 
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da CriançaVentilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da CriançaLeonardo Savassi
 
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFCAtencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFCLeonardo Savassi
 
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e ComunidadeAula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e ComunidadeLeonardo Savassi
 
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)Leonardo Savassi
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Leonardo Savassi
 
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...Leonardo Savassi
 
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...Leonardo Savassi
 
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
2017   2 vd aula disciplina mfc ufop2017   2 vd aula disciplina mfc ufop
2017 2 vd aula disciplina mfc ufopLeonardo Savassi
 
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufopLeonardo Savassi
 
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - DesafiosLeonardo Savassi
 
Princípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionadosPrincípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionadosLeonardo Savassi
 
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmasMedicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmasLeonardo Savassi
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...Leonardo Savassi
 
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vdIaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vdLeonardo Savassi
 
Habilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistasHabilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistasLeonardo Savassi
 

Mais de Leonardo Savassi (20)

Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
 
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
 
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
 
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da CriançaVentilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
 
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFCAtencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
 
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e ComunidadeAula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
 
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
 
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
 
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
 
2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento
 
2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo
 
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
2017   2 vd aula disciplina mfc ufop2017   2 vd aula disciplina mfc ufop
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
 
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
 
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
 
Princípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionadosPrincípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionados
 
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmasMedicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
 
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vdIaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
 
Habilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistasHabilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistas
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 

Último (20)

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 

Educacao em Saude - RMSF Betim

  • 1. Educação em Saúde no SUS Betim: desafios e perspectivas Leonardo C M Savassi RT de Educação em Saúde – SMS Betim. Médico de Família e Comunidade, Pediatra, Doutor em Educação em Saúde
  • 2. OBJETIVOS DE HOJE - Discutir a Educação em Saúde no âmbito do SUS Betim - Discutir a Andragogia e a Educação em Saúde no campo da prática. - Discutir algumas ferramentas de Educação em Saúde na Atenção Primária
  • 3. CRONOGRAMA DE HOJE - Dinâmica: como se aprende e como se ensina - Exposição dialogada: a andragogia. - Leitura de Texto + Dinâmica: tendências pedagógicas - Exposição dialogada: Educação em Saúde para adultos - Exposição dialogada: Educação em Saúde na Atenção Primária
  • 4. DESA- SUS Betim Abril, 2014 A EDUCAÇÃO NA SAÚDE NO ÂMBITO DO SUS BETIM
  • 5. Dinâmica • Tempo: 45 minutos. – 15 min para a dinâmica – 30 min discussão • Grupos de 4 pessoas – Um cozinheiro – Um aprendiz – Dois observadores externos
  • 6. Teoria de Aprendizagem de Adulto 1. Algumas pesquisas afirmam que estudantes adultos, após 72 horas,,lembram: • 90% do que fazem; • 75% do que vêem; • 10% do que ouvem! ( Knowles - 1980 ))
  • 7. Teoria de Aprendizagem de Adulto 2. Adultos são motivados a aprender à medida em que experimentam que suas necessidades e seus interesses serão satisfeitos.
  • 8. Teoria de Aprendizagem de Adulto 3. A orientação de aprendizagem está centrada nas necessidades e experiências do aprendiz e consequentemente uma compreensão de contexto.
  • 9. Teoria de Aprendizagem de Adulto 4. Os adultos têm uma profunda necessidade de serem autodirigidos, o que torna essencial um trabalho de compartilhamento do plano de aprendizagem e solução de problemas.
  • 10. Teoria de Aprendizagem de Adulto 5. As diferenças individuais entre as pessoas e a experiência acumulada devem ser consideradas, logo a educação de adultos deve considerar as diferenças de estilo, tempo, lugar, contexto e ritmo para que ocorra a aprendizagem.
  • 11. Dinâmica • Tempo: 01 hora. – Leitura do texto de PEREIRA, ALF. – 20 min para a dinâmica – 40 min discussão • Grupos de 4 pessoas – Cada grupo apresentará uma das quatro tendências pedagógicas
  • 13. Educação: o que é? • Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral do ser humano, visando a sua melhor integração individual e social. • Construção de conhecimento através do processo de ensino-aprendizagem em espaços formais e não formais de ensino, como escola, museus, comunidades • Prática social que prepara as pessoas para a vida em comunidade • Processo de desenvolvimento de consciência crítica que estimula a ação para mudança SCHALL, VT
  • 14. Educação em Saúde: o que é? • Processo capaz de desenvolver no indivíduo/ população consciência crítica das causas dos problemas de saúde, e possibilitar a sua participação para superá-los, na posição de sujeito, cidadão, co-responsável pelas ações e serviços de saúde, exercendo o controle social sobre esses serviços. • Educação permanente: profissionais de saúde SCHALL, VT
  • 15. Educação em Saúde Saúde, Doença e Comportamento: o contexto em mudança • Maior causa de morte nos EEUU são d. crônicas, onde sofrimento e morte prematura podem ser evitados por alterações positivas no comportamento • O perfil da situação de saúde do Brasil é de tripla carga de doenças, pela presença concomitante das doenças infecciosas e carenciais, das causas externas e das doenças crônicas. (Frenk, 2006) GLANZ, K. MENDES, EV.
  • 16. Educação em Saúde Comportamento em saúde • É a preocupação central da educação em saúde. Mudanças positivas informadas no comportamento em saúde são tipicamente os objetivos finais dos programs de educação em saúde. • Os esforços educativos em saúde deveriam ser avaliadas sob seus efeitos sobre o comportamento saudável. GLANZ, K.
  • 17. Educação em Saúde Comportamento em saúde • O comportamento em saúde é afetado por múltiplos níveis de influência: 1. intrapessoais ou fatores individuais; 2. interpessoais; 3. institucionais ou organizacionais; 4. comunitários e 5. de políticas públicas. GLANZ, K.
  • 18. Educação em Saúde Inclui não só atividades instrutivas e outras estratégias para mudar o comportamento em saúde, mas também esforços organizativos, diretrizes políticas, suporte econômico, atividades ambientais, mídia de massa, e programas de nível comunitário. GLANZ, K.
  • 19. Educação em Saúde Área do conhecimento desde 1919 (EEUU), mas há apenas 2 décadas cresceram suas publicações • Falta sistematização e maior divulgação de sua produção e seu potencial. • Campo eclético, amálgama de abordagens, métodos e estratégias, advindos das áreas das ciências sociais, humanas e da saúde. • Perspectivas teóricas, práticas e metodologias da psicologia, sociologia, antropologia, comunicação e marketing, e depende da epidemiologia, estatística e medicina, sobretudo saúde coletiva. GLANZ, K.
  • 20. Educação em Saúde Locais para educação em saúde • Locais: todos. • Ambientes relevantes para ES contemporânea: – Consultórios – Escolas – Comunidades – Ambientes de trabalho – Locais de cuidado a saúde – Domicílios SCHALL, VT; GLANZ, K.
  • 21. Educação em Saúde Público-alvo para educação em saúde • Educação em saúde só é efetiva com o entendimento do público alvo. • Este consiste em pessoas alcançáveis como indivíduos, grupos, comunidades,através de organizações, como entidades sócio-políticas ou em combinação destes. • Quatro dimensões podem caracterizar as potenciais audiências : Características sócio-demográficas; Fundo Étnico ou Racial; Estágios do ciclo de vida; Status de doença e riscos específicos. GLANZ, K.
  • 22. Teorias da Educação em Saúde Theoria: ciências e atividades preocupadas no conhecimento per se. Praxis: meios nos quais comumente falamos em ação ou fazer. teoria e pesquisa não são o campo dos acadêmicos assim como prática não é somente o campo do clínico GLANZ, K.
  • 23. Pergunta • É possível avaliar comportamentos em saúde? • É possível avaliar se uma pessoa está pronta para a mudança de comportamento? • Comportamento é algo mensurável? 10 minutos de debate
  • 24. SAVASSI, LCM Modelo de Crenças em Saúde
  • 25. Modelo Transteorético Pré-contemplação (I wont) – Não considera a possibilidade de mudar, nem se preocupa com a questão. Contemplação (I might) – Admite o problema, é ambivalente e considera adotar mudanças eventualmente. Preparação (I will) – Inicia algumas mudanças, planeja, cria condições para mudar, revisa tentativas passadas. Ação (I am) – Implementa mudanças ambientais e comportamentais, investe tempo e energia na execução da mudança. Manutenção (I have) – Processo de continuidade do trabalho iniciado com a ação, para manter os ganhos e prevenir a recaída. Recaída – Falha na manutenção e retomada do hábito ou comportamento anterior – retorno a qualquer dos estágios anteriores. Lapso – Falha na manutenção, mas sem a retomada do hábito. Prochaska e DiClementi (1982)
  • 26. Modelo Transteorético Greene (1998) Estimativa da intenção de mudança (Pergunta exemplo) Eu preciso de sua opinião sincera sobre sua mudança de consumo de gorduras. Você quase sempre evita alimentos ricos em gordura? (ex. manteiga, margarina, óleo, molhos para salada, carne gordurosa, frituras, sorvete, etc.) (1) Não, e não pretendo começar a evitar nos próximos 6 meses (Pré- Contemplação) (2) Não, mas pretendo começar a evitar nos próximos 6 meses (Contemplação) (3) Não, mas pretendo começar a evitar nos próximos 30 dias (Preparação) (4) Sim, tenho evitado, mas há menos de 6 meses (Ação) (5) Sim, tenho evitado há mais de 6 meses (Manutenção)
  • 27. Entrevista motivacional ESTÁGIOS TAREFAS MOTIVACIONAIS Pré-contemplação Levantar dúvidas – aumentar a percepção da pessoa sobre os riscos e os problemas do comportamento atual Contemplação “Inclinar a balança” – evocar as razões para a mudança, os riscos de não mudar; fortalecer a autossuficiência da pessoa para a mudança do comportamento atual Preparação Ajudar a pessoa a definir a melhor linha de ação a ser seguida na busca da mudança Ação Ajudar a pessoa a dar passos rumo à mudança Manutenção Ajudar a pessoa a identificar e a utilizar estratégias de prevenção da recaída Recaída Ajudar a pessoa a renovar os processos de contemplação, preparação e ação, sem que ela fique imobilizada ou desmoralizada devido à recaída Prochaska e DiClementi (1982)
  • 28. Pergunta • Como trabalhar práticas educativas e de promoção da saúde com a população e num ambiente de prática real de saúde? • Planeje uma atividade na qual você residente terá um papel relevante. 10 minutos de debate
  • 30. Uma das principais ferramentas para promoção da saúde, prevenção (primária ou secundária) de doenças e integralidade é o trabalho em grupo. DIAS, RB
  • 31. TEORIA A teoria e técnica de grupos operativos, foi desenvolvida por Enrique Pichon-Rivière (1907-1977), psiquiatra e psicanalista de origem suíça, que viveu na Argentina desde seus 4 anos de idade. O fenômeno disparador da técnica de grupos operativos foi agreve do pessoal de enfermagem no hospital psiquiátrico De Las Mercês, em Rosário, onde desempenhava atividades clínicas e docentes. Para superar a situação crítica, ele colocou os pacientes menos comprometidos para assistir aos mais comprometidos. Observou que ambos, subgrupos, apresentaram significativas melhoras de seus quadros clínicos. DIAS, RB
  • 32. TEORIA O novo processo de comunicação estabelecido entre os pacientes e a ruptura de papéis estereotipados - o de quem é cuidado, para o de quem cuida - foram os elementos referenciais do processo de evolução desses enfermos. Intrigado com esse resultado passou a estudar os fenômenos grupais a partir dos postulados: - da psicanálise, - da teoria de campo de Kurt Lewin e - da teoria de Comunicação e Interação. DIAS, RB
  • 33. TEORIA Pichon Riviére (1945), definiu grupo operativo como: “Um conjunto de pessoas com um objetivo em comum". Os grupos operativos trabalham na dialética do ensinar- aprender; O trabalho em grupo proporciona uma interação entre as pessoas, onde elas tanto aprendem como também são sujeitos do saber, mesmo que seja apenas pelo fato da sua experiência de vida; Dessa forma, ao mesmo tempo em que aprendem, ensinam também. DIAS, RB
  • 34. CARACTERÍSTICAS: • Os integrantes deverão estar reunidos em torno de um mesmo interesse; • O grupo se constitui como uma nova identidade; • São discriminadas as identidades individuais; • Algum tipo de vínculo entre os integrantes. DIAS, RB
  • 35. CAMPO GRUPAL DINÂMICO: 6 FENÔMENOS –Ressonância; –Fenômeno do espelho; –Função de continente; –Fenômeno da pertencência; –Discriminação e –Comunicação. DIAS, RB
  • 36. 1) A ressonância, que é um fenômeno comunicacional, onde a fala trazida por um membro do grupo vai ressoar em outro, transmitindo um significado afetivo equivalente, e assim, sucessivamente. 2) O fenômeno do espelho, conhecido como galeria dos espelhos, onde cada um pode ser refletido nos, e pelos outros; o que nada mais é, do que a questão da identificação, onde o indivíduo se reconhece sendo reconhecido pelo outro, e assim vai formando a sua identidade; 3) A função de "continente", ou seja, o grupo coeso exerce a função de ser continente das angústias e necessidades de cada um de seus integrantes. CAMPO GRUPAL DINÂMICO: DIAS, RB
  • 37. CAMPO GRUPAL DINÂMICO: 4) O fenômeno da pertencência, " o quanto cada indivíduo necessita, de forma vital, ser reconhecido pelos demais do grupo como alguém que, de fato, pertence ao grupo. E também alude à necessidade de que cada um reconheça o outro como alguém que tem o direito de ser diferente e emancipado dele" 5) A discriminação, que é a capacidade de fazer a diferença entre o que pertence ao sujeito e o que é do outro; 6) A comunicação, seja ela verbal ou não-verbal, fenômeno essencial em qualquer grupo onde mensagens são enviadas e recebidas, podendo haver distorção e reações da parte de todos os membros do grupo . DIAS, RB
  • 38. OBJETIVOS E INTEGRANTES VÍNCULO – Grupos vinculados por patologia; (HAS, Diabetes, Asma, saúde mental, desnutrição, dependência química, etc) – Grupos de promoção da saúde, formados por fases do ciclo de vida; (gestantes, puericultura, adolescentes, climatério, terceira idade, etc) – Grupos heterogêneos. DIAS, RB
  • 39. ENCONTROS – Grupos vinculados por patologia; Intervalos entre as reuniões de 2 a 3 meses. – Grupos de promoção da saúde, formados por fases do ciclo de vida; Menos intervalo entre as reuniões (geralmente mensais), os participantes podem variar. – Grupos heterogêneos; Números de encontros pré-estabelecidos com menor intervalo entre as reuniões, os participantes são os mesmos do inicio ao fim. DIAS, RB
  • 40. DICAS E CONSIDERAÇÕES – Tamanho do grupo: A principio se trabalha com grupos pequenos de 15-25 indivíduos; – Local de trabalho: Espaço físico adequado; – Definir contrato de trabalho para as reuniões, horários pré-estabelecidos de inicio e termino, periodicidade e freqüência, não aceitar membros que estão faltando muito. DIAS, RB
  • 41. Os grupos operativos são ferramentas de incorporação do saber caracterizados pela horizontalidade do saber, e da responsabilização do usuário como agente ativo da mudança de hábitos. “A TRADUÇÃO MAIS PURA DA PROMOÇÃO DA SAÚDE” (DIAS, RB) DIAS, RB
  • 42. Pergunta Como trabalhar práticas educativas e de promoção da saúde com a população e com o foco no aprendizado (do residente) ao mesmo tempo?
  • 43. DESA Betim OBRIGADO LEONARDO C M SAVASSI Educação na Saúde lsavassi@yahoo.com