SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
MarcosVeigaresponde10perguntassobre
ControleePrevenção
deMastiteBovina
PATROCÍNIO
ControleePrevençãodeMastiteBovina
MarcosVeigaresponde10perguntassobre
ControleePrevençãodeMastiteBovina
A mastite continua sendo uma das doenças que mais causam prejuízos
para a pecuária leiteira em nível mundial. Não é sem razão que esta doença
é uma das mais pesquisadas e tem recebido grande atenção da pesquisa e
da busca por soluções.
Para auxiliar aqueles que têm dúvidas no momento de definir os melhores
métodos de controle e prevenção da mastite bovina, selecionamos algumas
perguntas respondidas por Marcos Veiga, professor da FMVZ-USP e um dos
maiores especialistas no assunto.
Marcos Veiga médico veterinário, mestre em Nutrição
Animal pela FMVZ-USP e doutor em Ciência dos Alimentos
pela Universidade de São Paulo. Desde 2001, é Professor
Associado 3 do Departamento de Nutrição e Produção
Animal da FMVZ-USP e bolsista de Produtividade em
Pesquisa - CNPq PQ 2, desde março/2010. Foi Presidente
do Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite (CBQL) de
2009 a 2011. Atua na área de Medicina Veterinária, com
ênfase em Qualidade do Leite, Controle de Mastite e
Nutrição de vaca leiteira.
ControleePrevençãodeMastiteBovina
1. Estive em um evento da área e o palestrante comentou que o animal deve
ter uma quantidade mínima de células somáticas para manter uma resposta
primária frente à invasão de algum micro-organismo, e a quantidade
relatada foi de aproximadamente 75 mil células/ml. Em outra situação, outro
profissional afirmou que não há a necessidade de uma quantidade mínima
de células, podendo inclusive ser uma quantidade muita baixa e, o que
importa, é a capacidade da vaca em responder de forma rápida e eficiente
frente à invasão do micro-organismo. Diante dos relatos desses dois
profissionais da área, qual seria o de melhor fundamento?
Marcos Veiga- “Este é um tema
bastante debatido e, realmente,
existem opiniões diferentes sobre
este assunto. Em termos de estudos
científico, eu não conheço nenhum
estudo que determina que a CCS
mínima da vaca é 75 mil cel/ml. Isto
me parece mais um chute do que
uma informação científica. Em 2012, no encontro anual do Conselho
Nacional de Mastite dos EUA este tema foi debatido e o pesquisador Dr.
Larry Fox, deixou claro que o que importa do ponto de vista da capacidade
de resposta da vaca não é a contagem de células somáticas em si, mas sim,
a capacidade de migração de células de defesa para a glândula mamária
quando existe um desafio. Sendo assim, é possível vacas com CCS muito
baixas, mas, que se estiverem com o sistema imune de forma adequada, vão
responder quando houver um desafio. ”
ControleePrevençãodeMastiteBovina
2. Marcos, me recordo que li em um material anos atrás que ao fazer o teste
de CMT no rebanho poderíamos avaliar os resultados por meio do percentual
de quartos positivos ao teste. Se não estiver enganado tinha os seguintes
valores: abaixo de 5% de quartos positivos o nível é bom, de 5 a 15%
intermediário, acima de 15% indesejável. Seria mesmo esta relação e ainda
se pratica este parâmetro? Ainda sobre a CMT, no material cita a realização
do teste 4 dias pós-parto para avaliar a cura na secagem. Em outa parte fala
de CCS mais alta neste pós-parto com redução de 8 a 14 dias. Fazendo o
teste então com 4 dias poderia haver alguma interferência resultando em
falso positivo?
Marcos Veiga- “Quando se usa o
CMT, eu recomendo que seja feito o
cálculo com base na vaca, ou seja,
qual a porcentagem de vacas com
pelo menos um quarto com CMT
acima de uma cruz (+). Neste caso, a
minha recomendação é usar a meta
de ter menos de 15% de vacas com
CMT positivo.
Sobre o momento de fazer o CMT pós-parto, existem estudos que
recomendam a realização acima de 45 dias pós-parto. Mesmo usando o
CMT neste período, existe uma boa % de acerto, pois o CMT uma cruz (+) na
média identifica vacas com >500.000 cel/ml. Ou seja, o CMT é muito bom
para identificar vacas com alta CCS, mas não tem boa precisão para
identificar vacas com CCS abaixo de 500.000 cel/ml. Sendo assim, as vacas
com CMT +, mesmo na primeira semana após o parto, têm uma alta chance
(>75%) de ter uma infecção intramamária.”
ControleePrevençãodeMastiteBovina
3. Prezado Marcos Veiga, gostaria de saber qual é o melhor produto para
pré-dipping: iodo, clorexidina ou ácido lático? E também qual é o melhor para
o pós-dipping?
4. Sei que não é o foco do curso a mastite em novilhas, porém, esse
problema vem se tornando frequente. Quais são os principais motivos dessa
ocorrência? E quais são as medidas de controle e estratégias a se tomar
nestes casos tanto para mastite contagiosa quanto para a mastite
ambiental?
Marcos Veiga- “A escolha do pré e pós-dipping depende basicamente do que
o produtor tem de maior prioridade. Basicamente, o produto mais barato
seria o cloro. No entanto, o uso do cloro requer a necessidade de diluição na
fazenda (pode ocorrer problema de água contaminada e de erro de diluição)
e seria necessário usar luvas, pois alguns ordenhares podem ter problema
de reação (alergia) ao cloro. Por outro lado, pode ser sim uma opção, mas
precisa de cuidados para evitar erros de uso.
Outra opção mais segura seria os produtos à base de iodo, que já são
prontos para o uso, mas de forma geral são mais caros do que o os produtos
à base de cloro. Na minha opinião, todos estes produtos apresentados
podem ser boas opções para pré-dipping e pós-dipping, mas atualmente o
produto mais usado é o iodo, por ser um produto muito estável e bastante
seguro. ”
ControleePrevençãodeMastiteBovina
Marcos Veiga- “A ocorrência de mastite em novilhas (mesmo antes do parto)
é bastante comum e em algumas fazendas. Os estudos sobre as possíveis
origens da mastite em novilhas indicam que as possíveis fontes de
transmissão destes casos são: 1) mamada cruzada entre bezerras durante o
aleitamento (com o uso de leite de descarte ou com o uso de leite sem
pasteurizar), 2) transmissão por picada de mosca na extremidade do teto ou
por lesões ou ferimentos na extremidade dos tetos. Dentre as medidas de
controle e prevenção, pode-se citar: a) evitar que as bezerras tenham
contato entre si durante o aleitamento, b) pasteurizar o leite para
aleitamento, c) controle de moscas e melhorias de higiene e do ambiente das
bezerras.
Se houver uma prevalência de novilhas com alta CCS (acima de 20%),
pode-se fazer o tratamento de vaca seca para novilhas, sendo recomendado
a aplicação de uma bisnaga por teto aos 60 dias da data prevista do parto.
Outra alternativa seria o uso de uma bisnaga para tratamento durante a
lactação aos 14 dias antes do parto (quando já passou o período
recomendado de uso do tratamento de vaca seca). O tratamento tem uma
alta eficácia e poderia ser uma alternativa para fazendas com problemas de
mastite em novilhas.”
Marcos Veiga- “A mastite causada por S. aureus é do tipo contagiosa, o que
significa que a transmissão ocorre de vaca para vaca durante a ordenha.
Sendo assim, uma forma de evitar a transmissão seria pela linha de ordenha
(ordenhar por último ou de forma separada em conjunto de ordenha
separado) as vacas positivas para S. aureus. Não necessita de uma
separação física em outro retiro, mas sim uma linha de ordenha para
5. Gostaria de saber se procede a informação que um médico veterinário
passou para mim com relação às vacas infectadas por S.aureus (colocar em
itálico todos os S.aureus ). Medida urgente: ordenhar os animais em um
retiro separado dos animais não infectados e providenciar o descarte dos
mesmos, pois não há tratamento eficaz no controle desse agente.
ControleePrevençãodeMastiteBovina
ordenhar as vacas sadias antes das vacas doentes.
Isso significa que é necessário que seja feita a cultura de todas as vacas,
com pelo menos 3 coletas por vaca, para ter certeza de que uma vaca é
realmente negativa. Este procedimento somente deve ser adotado para
rebanhos que têm como objetivo um controle mais rígido de S. aureus ou em
razão de uma elevada prevalência deste agente.
Em relação ao tratamento, é uma simplificação muito grande dizer que
mastite causada por S. aureus não tem cura. Na verdade, seria mais correto
dizer que este tipo de mastite tem uma taxa de cura menor, o que significa
que as terapias mais convencionais têm cura baixa. Fizemos estudo com
tratamento de S. aureus com terapia combinada (intramamario por 5 dias +
injetável a base de enrofloxacina por 3 dias) e a taxa de cura foi de 70% para
mastite subclínica em vacas com mastite crônica. Outra opção é aguardar a
secagem e realizar a terapia da vaca seca associada com tratamento
injetável no momento da secagem. A minha recomendação para descarte
seria somente para vacas com histórico de mastite crônica (mais de 23
casos clínicos.”
6. Professor Marcos, normalmente, qual o tempo de funcionamento, ou
melhor, qual o tempo de permanência na liberação de ocitocina na vaca
durante a ordenha?
Marcos Veiga- “O tempo de vida médio da ocitocina é de 34 minutos. Ou
seja, depois que atinge um pico de concentração, a ocitocina é degradada
pela metade a cada 3 minutos. Geralmente, o tempo de ação da ocitocina é
de 56 minutos durante a ordenha.
Sendo assim, o tempo ideal de colocação das teteiras é recomendado de 60
a 90 segundos depois do início da estimulação dos tetos. Quando este
tempo é maior do que 3 minutos, existe prejuízo na ordenha”.
7. Sabemos que o vácuo é
importante na prevenção da
mastite, e quanto às
teteiras? Instalei algumas
teteiras triangulares
ventiladas na ordenha e
elas são muito boas, pois
não deixam o peito da vaca
molhado de leite após a
ordenha. Elas tiram muito
rápido o leite e não temos
ControleePrevençãodeMastiteBovina
extratores. Esse tempo que fica ordenhando a vaca sem leite propicia o
aumento da mastite?
Marcos Veiga- “Um dos riscos de ter lesão de extremidade dos tetos
(hiperqueratose) é a sobreordenha. Ou seja, o equipamento estar
ordenhando a vaca sem fluxo de leite. Sendo assim, o recomendado é que
depois que termine o fluxo de leite, o vácuo seja desligado e o conjunto de
teteiras retirado. Em média a ordenha de uma vaca demora de 4 a 6 minutos,
mas se a vaca tiver uma produção menor ou estiver em final de lactação
pode ser mais rápido ainda.
Atualmente, a recomendação de leite que sobra após a ordenha é de cerca
de 400 ml por vaca. Ou seja, depois da ordenha não há a necessidade de
tentar retirar até a última gota, pois nesse caso vai ocorrer a sobreordenha.
Em sistemas de ordenha sem extrator automático, os ordenhadores devem
ser treinados para evitar a sobreordenha.”
ControleePrevençãodeMastiteBovina
8. Caro Marcos, os antibióticos IMMs combinados com anti-inflamatórios
são muito difundidos entre os produtores. Ao meu ver os ATBs empregados
nestas formulações, geralmente neomicina e bacitracina, não possuem boa
eficiência. Contudo o ordenhador relata a cura, que novamente na minha
visão, é devido ao efeito do anti-inflamatório empregado e não a cura
microbiológica em si. Com isto gostaria de saber: qual a eficiência destes
ATBs, a base de neomicina e bactracina, em formulações IMMs? E se minha
percepção está correta em relação à estas apresentações.
Marcos Veiga- “As formulações de uso intramamário para tratamento de
mastite têm duas linhas bem distintas, sendo que uma tem a inclusão de
anti-inflamatórios corticoides+antibiótico e outra somente antibiótico. Não
conheço estudos que compararam a mesma formulação com e sem
anti-inflamatório e, portanto, posso responder com base na minha opinião.
A argumentação das empresas que usam produtos com anti-inflamatório é
que esta formulação aumenta/acelera a redução dos sintomas clínicos,
enquanto que as empresas que não tem anti-inflamatório indicam que pode
ocorrer mascaramento pela cura clínica, mas sem cura microbiológica.
Como não temos estudos sobre isso, fica a critério de quem indica o
tratamento.
Pessoalmente, eu acho que o uso de produtos com anti-inflamatório na
formulação tem efeito positivo em mastite grau 2 (moderada), na qual existe
um inchaço do úbere, o que pode sim contribuir para redução do inchaço. Na
mastite grau 1 (leve), a presença do anti-inflamatório não faz muita
diferença no resultado, pois não tem inchaço no úbere. Deve-se destacar
que o que determina a cura microbiológica é a ação do antibiótico em
conjunto com a ação do sistema imune da vaca. Como o anti-inflamatório
dos produtos intramamários esta em baixa dosagem, não teria o efeito de
depressão do sistema imune de forma sistêmica.
Não temos muitos estudos sobre a eficácia dos produtos comerciais
ControleePrevençãodeMastiteBovina
disponíveis no Brasil. Acho isso uma deficiência e as empresas deveriam
dedicar recursos para desenvolver estudos com uma boa base científica.
Outro ponto que considero importante é que a percepção da cura da mastite
normalmente é somente visual, por parte do produtor, ou seja, considera-se
que curou quando os sintomas desaparecem (cura clínica), no entanto, se a
mastite voltar no mesmo quarto em até 14 dias após o término do
tratamento, temos uma falha de tratamento e não uma cura clínica. O melhor
seria ter os dados de cura microbiológica, mas em razão do custo e da
dificuldade de coleta de amostras (14 e 21 dias depois do tratamento), ela
somente é feita em estudos científicos.”
9. Qual a melhor hora para secar uma vaca? Quais critérios devemos
selecionar?
Marcos Veiga- “Acho que a resposta para sua questão depende do sistema
de produção e do objetivo do produtor. Eu colocaria alguns comentários
sobre estas situações:
1) O sistema de secagem mais tradicional é com 60 dias antes da data
prevista do parto. Desta forma, o critério é basicamente o período de
gestação da vaca.
2) Alguns rebanhos podem fazer este período mais curto, até 45 dias antes
da data do parto. Esta seria uma forma de aproveitar mais duas semanas de
lactação da vaca, buscando otimizar a produção de leite. Este tipo de manejo
somente tem vantagem se as vacas estiverem com alta produção para
justificar a permanência no lote de lactação.
3) É possível antecipar a secagem das vacas (período secos mais longos),
quando a vaca tem baixa produção, alta CCS e já se encontra prenha. Este
seria um manejo para tentar aumentar a taxa de cura e reduzir a % de vacas
com CCS alta, mas deve ser feito somente em parte das vacas com estas
características e quando não compensa fazer o tratamento na secagem.
ControleePrevençãodeMastiteBovina
10. Caro professor Marcos, tenho praticado secagem intermitente em meu
rebanho de ovinos. Com o material do curso, achei mais prática a secagem
abrupta, pois consome menos mão de obra e, se entendi direito, o aumento
da pressão interna do úbere inibe a produção do leite. Gostaria de sua
opinião: qual o melhor método?
Marcos Veiga- “Interrupção das ordenhas na secagem abrupta ou a redução
da frequência de ordenhas na secagem intermitente reduz o estímulo para a
produção de hormônios galactopoiéticos, que mantêm a produção de leite
(os dois hormônios principais são prolactina e somatotropina).
Sendo assim, mesmo após a interrupção das ordenha, a vaca produz leite
por 23 dias, mas em razão do aumento da pressão intramamária e do menor
estímulo hormonal, após 34 dias inicia-se a reabsorção do volume de leite
da glândula.
Na minha opinião, os dois tipos de secagem podem funcionar, mas a
secagem intermitente dá mais trabalho, pois envolve a mudança de
frequência de ordenhas e a separação da vaca. Acho que o conceito deve
ser o mesmo para as ovelhas.”
ControleePrevençãodeMastiteBovina
Para saber mais sobre este tema que é fundamental para a pecuária leiteira,
participe do curso online “Aumente o lucro pelo controle e prevenção da
mastite bovina” com o professor Marcos Veiga.
http://www.educapoint.com.br/curso/mastite/
Além de acessar um material completo e atualizado durante todo o período
do curso, os alunos poderão enviar suas dúvidas para serem respondidas
pelo professor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovinaRaphaella Huhu
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaPatrícia Oliver
 
Cria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corteCria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corteAllen Ferreira
 
Apresentação tendencias na nutrição caes e gatos
Apresentação tendencias na nutrição caes e gatosApresentação tendencias na nutrição caes e gatos
Apresentação tendencias na nutrição caes e gatosJoaozoo
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leitegarciagotaeficiente
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneKiller Max
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesRicardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasRicardo Portela
 
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De CriaçãoZootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De CriaçãoSilvano Rodrigues
 
Deformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosDeformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosPedro Augusto
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosKiller Max
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosRicardo Portela
 

Mais procurados (20)

Pelagem dos Equídeos
Pelagem dos Equídeos Pelagem dos Equídeos
Pelagem dos Equídeos
 
Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovina
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamaria
 
Cria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corteCria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corte
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Apresentação tendencias na nutrição caes e gatos
Apresentação tendencias na nutrição caes e gatosApresentação tendencias na nutrição caes e gatos
Apresentação tendencias na nutrição caes e gatos
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
Cow behaviour & signals
Cow behaviour & signalsCow behaviour & signals
Cow behaviour & signals
 
Manual de Ordenha
Manual de OrdenhaManual de Ordenha
Manual de Ordenha
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
 
Codornas
CodornasCodornas
Codornas
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
 
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De CriaçãoZootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
 
Deformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosDeformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinos
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
 
Eqüídeos
EqüídeosEqüídeos
Eqüídeos
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
 

Destaque

Mastite vacas
Mastite vacasMastite vacas
Mastite vacasFmodri3
 
Manual de Ordenha Manual de Bovinos
Manual de Ordenha Manual de BovinosManual de Ordenha Manual de Bovinos
Manual de Ordenha Manual de BovinosSérgio Amaral
 
Pcr para o diagnóstico da mastite bovina
Pcr para o diagnóstico da mastite bovinaPcr para o diagnóstico da mastite bovina
Pcr para o diagnóstico da mastite bovinaMarília Gomes
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoDaniel Mol
 
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23equipeagroplus
 
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevençãoMastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevençãoLeonardo Gravina
 
Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointBeefPoint
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Alarindo Salvador Dos Santos
 
Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1UTAD
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAlvaro Galdos
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSDennis Moliterno
 
Storyboardrotinaordenha
StoryboardrotinaordenhaStoryboardrotinaordenha
StoryboardrotinaordenhaUTAD
 
Artigo israel
Artigo israelArtigo israel
Artigo israelAgriPoint
 
Apresentação monografia
Apresentação monografiaApresentação monografia
Apresentação monografiaguest4f4d85f
 
E book-formulacao
E book-formulacaoE book-formulacao
E book-formulacaoAgriPoint
 
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionaisApostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionaisPortal Canal Rural
 
Instrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieriInstrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieriPortal Canal Rural
 
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014Portal Canal Rural
 

Destaque (20)

Mastite vacas
Mastite vacasMastite vacas
Mastite vacas
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Manual de Ordenha Manual de Bovinos
Manual de Ordenha Manual de BovinosManual de Ordenha Manual de Bovinos
Manual de Ordenha Manual de Bovinos
 
Mastite bovina fisio ii
Mastite bovina fisio iiMastite bovina fisio ii
Mastite bovina fisio ii
 
Pcr para o diagnóstico da mastite bovina
Pcr para o diagnóstico da mastite bovinaPcr para o diagnóstico da mastite bovina
Pcr para o diagnóstico da mastite bovina
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
 
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
 
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevençãoMastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
 
Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpoint
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
 
Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
 
Storyboardrotinaordenha
StoryboardrotinaordenhaStoryboardrotinaordenha
Storyboardrotinaordenha
 
Artigo israel
Artigo israelArtigo israel
Artigo israel
 
Apresentação monografia
Apresentação monografiaApresentação monografia
Apresentação monografia
 
E book-formulacao
E book-formulacaoE book-formulacao
E book-formulacao
 
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionaisApostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
 
Instrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieriInstrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieri
 
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
 

Semelhante a Controle de Mastite: 10 perguntas sobre prevenção e controle da doença

Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite LarissaFerreira258
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerrasAgriPoint
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de BezerrasAgriPoint
 
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLIE-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLIAgriPoint
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaAlice Melo Candido
 
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfE-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfDeborah689757
 
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovinaA importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovinaRural Pecuária
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosAgroTalento
 
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerrosConfira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerrosAgroTalento
 
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimentoManual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimentoSérgio Amaral
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxFranciscoFlorencio6
 
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?Rural Pecuária
 
Como reduzir a taxa de mortalidade de suínos
Como reduzir a taxa de mortalidade de suínosComo reduzir a taxa de mortalidade de suínos
Como reduzir a taxa de mortalidade de suínosRafael Portinho
 
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptxMAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptxMeryslandeMoreira1
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Cristian Carla de Campos
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasEuSaúde
 

Semelhante a Controle de Mastite: 10 perguntas sobre prevenção e controle da doença (20)

Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
 
Encarte 6º ponto_af
Encarte 6º ponto_afEncarte 6º ponto_af
Encarte 6º ponto_af
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras
 
Encarte 3º ponto_af
Encarte 3º ponto_afEncarte 3º ponto_af
Encarte 3º ponto_af
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
 
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLIE-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenha
 
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfE-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
 
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovinaA importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
 
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerrosConfira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerros
 
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimentoManual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
Fertilidade: o sêmen deve ser considerado o vilão?
 
Como reduzir a taxa de mortalidade de suínos
Como reduzir a taxa de mortalidade de suínosComo reduzir a taxa de mortalidade de suínos
Como reduzir a taxa de mortalidade de suínos
 
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptxMAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 

Mais de AgriPoint

Abordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAbordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAgriPoint
 
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVARESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVAAgriPoint
 
Relatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaRelatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaAgriPoint
 
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...AgriPoint
 
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaBoletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaAgriPoint
 
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) AgriPoint
 
Iniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - NutriçãoIniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - NutriçãoAgriPoint
 
Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020AgriPoint
 
Manual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinManual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinAgriPoint
 
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...AgriPoint
 
Manual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinManual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinAgriPoint
 
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteManual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteAgriPoint
 
A internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoA internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoAgriPoint
 
E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoAgriPoint
 
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICOAgriPoint
 
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados AgriPoint
 
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...AgriPoint
 
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...AgriPoint
 
Material Lallemand
Material Lallemand Material Lallemand
Material Lallemand AgriPoint
 

Mais de AgriPoint (20)

Abordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAbordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastites
 
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVARESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
 
Relatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaRelatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite Clínica
 
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
 
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaBoletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
 
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
 
Iniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - NutriçãoIniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - Nutrição
 
Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020
 
Manual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinManual técnico - Boostin
Manual técnico - Boostin
 
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
 
Manual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinManual Técnico Boostin
Manual Técnico Boostin
 
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteManual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
 
A internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoA internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informação
 
E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transição
 
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
 
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
 
Top100 2018
Top100 2018Top100 2018
Top100 2018
 
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
 
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
 
Material Lallemand
Material Lallemand Material Lallemand
Material Lallemand
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdfSoluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdfSabrinaPrado11
 
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - AtualizadoCatálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - AtualizadoWagnerSouza717812
 
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccssDespertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccssGuilhermeMelo381677
 
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.JosineiPeres
 
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptxDesenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptxCoca Pitzer
 

Último (6)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdfSoluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
 
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - AtualizadoCatálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
 
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccssDespertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
 
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
 
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptxDesenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
 

Controle de Mastite: 10 perguntas sobre prevenção e controle da doença

  • 2. ControleePrevençãodeMastiteBovina MarcosVeigaresponde10perguntassobre ControleePrevençãodeMastiteBovina A mastite continua sendo uma das doenças que mais causam prejuízos para a pecuária leiteira em nível mundial. Não é sem razão que esta doença é uma das mais pesquisadas e tem recebido grande atenção da pesquisa e da busca por soluções. Para auxiliar aqueles que têm dúvidas no momento de definir os melhores métodos de controle e prevenção da mastite bovina, selecionamos algumas perguntas respondidas por Marcos Veiga, professor da FMVZ-USP e um dos maiores especialistas no assunto. Marcos Veiga médico veterinário, mestre em Nutrição Animal pela FMVZ-USP e doutor em Ciência dos Alimentos pela Universidade de São Paulo. Desde 2001, é Professor Associado 3 do Departamento de Nutrição e Produção Animal da FMVZ-USP e bolsista de Produtividade em Pesquisa - CNPq PQ 2, desde março/2010. Foi Presidente do Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite (CBQL) de 2009 a 2011. Atua na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Qualidade do Leite, Controle de Mastite e Nutrição de vaca leiteira.
  • 3. ControleePrevençãodeMastiteBovina 1. Estive em um evento da área e o palestrante comentou que o animal deve ter uma quantidade mínima de células somáticas para manter uma resposta primária frente à invasão de algum micro-organismo, e a quantidade relatada foi de aproximadamente 75 mil células/ml. Em outra situação, outro profissional afirmou que não há a necessidade de uma quantidade mínima de células, podendo inclusive ser uma quantidade muita baixa e, o que importa, é a capacidade da vaca em responder de forma rápida e eficiente frente à invasão do micro-organismo. Diante dos relatos desses dois profissionais da área, qual seria o de melhor fundamento? Marcos Veiga- “Este é um tema bastante debatido e, realmente, existem opiniões diferentes sobre este assunto. Em termos de estudos científico, eu não conheço nenhum estudo que determina que a CCS mínima da vaca é 75 mil cel/ml. Isto me parece mais um chute do que uma informação científica. Em 2012, no encontro anual do Conselho Nacional de Mastite dos EUA este tema foi debatido e o pesquisador Dr. Larry Fox, deixou claro que o que importa do ponto de vista da capacidade de resposta da vaca não é a contagem de células somáticas em si, mas sim, a capacidade de migração de células de defesa para a glândula mamária quando existe um desafio. Sendo assim, é possível vacas com CCS muito baixas, mas, que se estiverem com o sistema imune de forma adequada, vão responder quando houver um desafio. ”
  • 4. ControleePrevençãodeMastiteBovina 2. Marcos, me recordo que li em um material anos atrás que ao fazer o teste de CMT no rebanho poderíamos avaliar os resultados por meio do percentual de quartos positivos ao teste. Se não estiver enganado tinha os seguintes valores: abaixo de 5% de quartos positivos o nível é bom, de 5 a 15% intermediário, acima de 15% indesejável. Seria mesmo esta relação e ainda se pratica este parâmetro? Ainda sobre a CMT, no material cita a realização do teste 4 dias pós-parto para avaliar a cura na secagem. Em outa parte fala de CCS mais alta neste pós-parto com redução de 8 a 14 dias. Fazendo o teste então com 4 dias poderia haver alguma interferência resultando em falso positivo? Marcos Veiga- “Quando se usa o CMT, eu recomendo que seja feito o cálculo com base na vaca, ou seja, qual a porcentagem de vacas com pelo menos um quarto com CMT acima de uma cruz (+). Neste caso, a minha recomendação é usar a meta de ter menos de 15% de vacas com CMT positivo. Sobre o momento de fazer o CMT pós-parto, existem estudos que recomendam a realização acima de 45 dias pós-parto. Mesmo usando o CMT neste período, existe uma boa % de acerto, pois o CMT uma cruz (+) na média identifica vacas com >500.000 cel/ml. Ou seja, o CMT é muito bom para identificar vacas com alta CCS, mas não tem boa precisão para identificar vacas com CCS abaixo de 500.000 cel/ml. Sendo assim, as vacas com CMT +, mesmo na primeira semana após o parto, têm uma alta chance (>75%) de ter uma infecção intramamária.”
  • 5. ControleePrevençãodeMastiteBovina 3. Prezado Marcos Veiga, gostaria de saber qual é o melhor produto para pré-dipping: iodo, clorexidina ou ácido lático? E também qual é o melhor para o pós-dipping? 4. Sei que não é o foco do curso a mastite em novilhas, porém, esse problema vem se tornando frequente. Quais são os principais motivos dessa ocorrência? E quais são as medidas de controle e estratégias a se tomar nestes casos tanto para mastite contagiosa quanto para a mastite ambiental? Marcos Veiga- “A escolha do pré e pós-dipping depende basicamente do que o produtor tem de maior prioridade. Basicamente, o produto mais barato seria o cloro. No entanto, o uso do cloro requer a necessidade de diluição na fazenda (pode ocorrer problema de água contaminada e de erro de diluição) e seria necessário usar luvas, pois alguns ordenhares podem ter problema de reação (alergia) ao cloro. Por outro lado, pode ser sim uma opção, mas precisa de cuidados para evitar erros de uso. Outra opção mais segura seria os produtos à base de iodo, que já são prontos para o uso, mas de forma geral são mais caros do que o os produtos à base de cloro. Na minha opinião, todos estes produtos apresentados podem ser boas opções para pré-dipping e pós-dipping, mas atualmente o produto mais usado é o iodo, por ser um produto muito estável e bastante seguro. ”
  • 6. ControleePrevençãodeMastiteBovina Marcos Veiga- “A ocorrência de mastite em novilhas (mesmo antes do parto) é bastante comum e em algumas fazendas. Os estudos sobre as possíveis origens da mastite em novilhas indicam que as possíveis fontes de transmissão destes casos são: 1) mamada cruzada entre bezerras durante o aleitamento (com o uso de leite de descarte ou com o uso de leite sem pasteurizar), 2) transmissão por picada de mosca na extremidade do teto ou por lesões ou ferimentos na extremidade dos tetos. Dentre as medidas de controle e prevenção, pode-se citar: a) evitar que as bezerras tenham contato entre si durante o aleitamento, b) pasteurizar o leite para aleitamento, c) controle de moscas e melhorias de higiene e do ambiente das bezerras. Se houver uma prevalência de novilhas com alta CCS (acima de 20%), pode-se fazer o tratamento de vaca seca para novilhas, sendo recomendado a aplicação de uma bisnaga por teto aos 60 dias da data prevista do parto. Outra alternativa seria o uso de uma bisnaga para tratamento durante a lactação aos 14 dias antes do parto (quando já passou o período recomendado de uso do tratamento de vaca seca). O tratamento tem uma alta eficácia e poderia ser uma alternativa para fazendas com problemas de mastite em novilhas.” Marcos Veiga- “A mastite causada por S. aureus é do tipo contagiosa, o que significa que a transmissão ocorre de vaca para vaca durante a ordenha. Sendo assim, uma forma de evitar a transmissão seria pela linha de ordenha (ordenhar por último ou de forma separada em conjunto de ordenha separado) as vacas positivas para S. aureus. Não necessita de uma separação física em outro retiro, mas sim uma linha de ordenha para 5. Gostaria de saber se procede a informação que um médico veterinário passou para mim com relação às vacas infectadas por S.aureus (colocar em itálico todos os S.aureus ). Medida urgente: ordenhar os animais em um retiro separado dos animais não infectados e providenciar o descarte dos mesmos, pois não há tratamento eficaz no controle desse agente.
  • 7. ControleePrevençãodeMastiteBovina ordenhar as vacas sadias antes das vacas doentes. Isso significa que é necessário que seja feita a cultura de todas as vacas, com pelo menos 3 coletas por vaca, para ter certeza de que uma vaca é realmente negativa. Este procedimento somente deve ser adotado para rebanhos que têm como objetivo um controle mais rígido de S. aureus ou em razão de uma elevada prevalência deste agente. Em relação ao tratamento, é uma simplificação muito grande dizer que mastite causada por S. aureus não tem cura. Na verdade, seria mais correto dizer que este tipo de mastite tem uma taxa de cura menor, o que significa que as terapias mais convencionais têm cura baixa. Fizemos estudo com tratamento de S. aureus com terapia combinada (intramamario por 5 dias + injetável a base de enrofloxacina por 3 dias) e a taxa de cura foi de 70% para mastite subclínica em vacas com mastite crônica. Outra opção é aguardar a secagem e realizar a terapia da vaca seca associada com tratamento injetável no momento da secagem. A minha recomendação para descarte seria somente para vacas com histórico de mastite crônica (mais de 23 casos clínicos.” 6. Professor Marcos, normalmente, qual o tempo de funcionamento, ou melhor, qual o tempo de permanência na liberação de ocitocina na vaca durante a ordenha? Marcos Veiga- “O tempo de vida médio da ocitocina é de 34 minutos. Ou seja, depois que atinge um pico de concentração, a ocitocina é degradada pela metade a cada 3 minutos. Geralmente, o tempo de ação da ocitocina é de 56 minutos durante a ordenha. Sendo assim, o tempo ideal de colocação das teteiras é recomendado de 60 a 90 segundos depois do início da estimulação dos tetos. Quando este tempo é maior do que 3 minutos, existe prejuízo na ordenha”.
  • 8. 7. Sabemos que o vácuo é importante na prevenção da mastite, e quanto às teteiras? Instalei algumas teteiras triangulares ventiladas na ordenha e elas são muito boas, pois não deixam o peito da vaca molhado de leite após a ordenha. Elas tiram muito rápido o leite e não temos ControleePrevençãodeMastiteBovina extratores. Esse tempo que fica ordenhando a vaca sem leite propicia o aumento da mastite? Marcos Veiga- “Um dos riscos de ter lesão de extremidade dos tetos (hiperqueratose) é a sobreordenha. Ou seja, o equipamento estar ordenhando a vaca sem fluxo de leite. Sendo assim, o recomendado é que depois que termine o fluxo de leite, o vácuo seja desligado e o conjunto de teteiras retirado. Em média a ordenha de uma vaca demora de 4 a 6 minutos, mas se a vaca tiver uma produção menor ou estiver em final de lactação pode ser mais rápido ainda. Atualmente, a recomendação de leite que sobra após a ordenha é de cerca de 400 ml por vaca. Ou seja, depois da ordenha não há a necessidade de tentar retirar até a última gota, pois nesse caso vai ocorrer a sobreordenha. Em sistemas de ordenha sem extrator automático, os ordenhadores devem ser treinados para evitar a sobreordenha.”
  • 9. ControleePrevençãodeMastiteBovina 8. Caro Marcos, os antibióticos IMMs combinados com anti-inflamatórios são muito difundidos entre os produtores. Ao meu ver os ATBs empregados nestas formulações, geralmente neomicina e bacitracina, não possuem boa eficiência. Contudo o ordenhador relata a cura, que novamente na minha visão, é devido ao efeito do anti-inflamatório empregado e não a cura microbiológica em si. Com isto gostaria de saber: qual a eficiência destes ATBs, a base de neomicina e bactracina, em formulações IMMs? E se minha percepção está correta em relação à estas apresentações. Marcos Veiga- “As formulações de uso intramamário para tratamento de mastite têm duas linhas bem distintas, sendo que uma tem a inclusão de anti-inflamatórios corticoides+antibiótico e outra somente antibiótico. Não conheço estudos que compararam a mesma formulação com e sem anti-inflamatório e, portanto, posso responder com base na minha opinião. A argumentação das empresas que usam produtos com anti-inflamatório é que esta formulação aumenta/acelera a redução dos sintomas clínicos, enquanto que as empresas que não tem anti-inflamatório indicam que pode ocorrer mascaramento pela cura clínica, mas sem cura microbiológica. Como não temos estudos sobre isso, fica a critério de quem indica o tratamento. Pessoalmente, eu acho que o uso de produtos com anti-inflamatório na formulação tem efeito positivo em mastite grau 2 (moderada), na qual existe um inchaço do úbere, o que pode sim contribuir para redução do inchaço. Na mastite grau 1 (leve), a presença do anti-inflamatório não faz muita diferença no resultado, pois não tem inchaço no úbere. Deve-se destacar que o que determina a cura microbiológica é a ação do antibiótico em conjunto com a ação do sistema imune da vaca. Como o anti-inflamatório dos produtos intramamários esta em baixa dosagem, não teria o efeito de depressão do sistema imune de forma sistêmica. Não temos muitos estudos sobre a eficácia dos produtos comerciais
  • 10. ControleePrevençãodeMastiteBovina disponíveis no Brasil. Acho isso uma deficiência e as empresas deveriam dedicar recursos para desenvolver estudos com uma boa base científica. Outro ponto que considero importante é que a percepção da cura da mastite normalmente é somente visual, por parte do produtor, ou seja, considera-se que curou quando os sintomas desaparecem (cura clínica), no entanto, se a mastite voltar no mesmo quarto em até 14 dias após o término do tratamento, temos uma falha de tratamento e não uma cura clínica. O melhor seria ter os dados de cura microbiológica, mas em razão do custo e da dificuldade de coleta de amostras (14 e 21 dias depois do tratamento), ela somente é feita em estudos científicos.” 9. Qual a melhor hora para secar uma vaca? Quais critérios devemos selecionar? Marcos Veiga- “Acho que a resposta para sua questão depende do sistema de produção e do objetivo do produtor. Eu colocaria alguns comentários sobre estas situações: 1) O sistema de secagem mais tradicional é com 60 dias antes da data prevista do parto. Desta forma, o critério é basicamente o período de gestação da vaca. 2) Alguns rebanhos podem fazer este período mais curto, até 45 dias antes da data do parto. Esta seria uma forma de aproveitar mais duas semanas de lactação da vaca, buscando otimizar a produção de leite. Este tipo de manejo somente tem vantagem se as vacas estiverem com alta produção para justificar a permanência no lote de lactação. 3) É possível antecipar a secagem das vacas (período secos mais longos), quando a vaca tem baixa produção, alta CCS e já se encontra prenha. Este seria um manejo para tentar aumentar a taxa de cura e reduzir a % de vacas com CCS alta, mas deve ser feito somente em parte das vacas com estas características e quando não compensa fazer o tratamento na secagem.
  • 11. ControleePrevençãodeMastiteBovina 10. Caro professor Marcos, tenho praticado secagem intermitente em meu rebanho de ovinos. Com o material do curso, achei mais prática a secagem abrupta, pois consome menos mão de obra e, se entendi direito, o aumento da pressão interna do úbere inibe a produção do leite. Gostaria de sua opinião: qual o melhor método? Marcos Veiga- “Interrupção das ordenhas na secagem abrupta ou a redução da frequência de ordenhas na secagem intermitente reduz o estímulo para a produção de hormônios galactopoiéticos, que mantêm a produção de leite (os dois hormônios principais são prolactina e somatotropina). Sendo assim, mesmo após a interrupção das ordenha, a vaca produz leite por 23 dias, mas em razão do aumento da pressão intramamária e do menor estímulo hormonal, após 34 dias inicia-se a reabsorção do volume de leite da glândula. Na minha opinião, os dois tipos de secagem podem funcionar, mas a secagem intermitente dá mais trabalho, pois envolve a mudança de frequência de ordenhas e a separação da vaca. Acho que o conceito deve ser o mesmo para as ovelhas.”
  • 12. ControleePrevençãodeMastiteBovina Para saber mais sobre este tema que é fundamental para a pecuária leiteira, participe do curso online “Aumente o lucro pelo controle e prevenção da mastite bovina” com o professor Marcos Veiga. http://www.educapoint.com.br/curso/mastite/ Além de acessar um material completo e atualizado durante todo o período do curso, os alunos poderão enviar suas dúvidas para serem respondidas pelo professor.