SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Biografia da autora
Marina Danés é professora
do Departamento de Zootecnia da
Universidade Federal de Lavras
(UFLA) e atual coordenadora do
núcleo de extensão UFLALEITE.
Com PhD em Dairy Science pela
University of Wisconsin, Marina é
Engenheira Agrônoma formada pela
Esalq, onde também concluiu seu
mestrado em Ciência Animal e
Pastagens.
Foto: Marina Danés
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Introdução
Nutrição de vacas leiteiras é um dos ramos mais estudados dentro
da produção de leite, visto que tem relação com diversos outros fatores,
como volume de produção, composição do leite, reprodução e bem-estar.
Segundo Marcelo Machado, gerente técnico da DSM, a nutrição representa
de 40 a 80% dos custos de produção da atividade e ser eficiente nesta
área traz impactos maiores e mais rápidos no sistema.
As perdas financeiras decorrentes de um manejo nutricional mal
realizado podem ocorrer devido a dois cenários principais: falta de
atendimento às demandas de todos ou alguns nutrientes (fibra, energia,
proteína, minerais, vitaminas e aditivos) ou exagero deles. As duas formas
oneram o sistema. “A falta irá causar baixa produtividade, alta incidência de
doenças e baixa eficiência reprodutiva, todos com impactos financeiros
diretos. O excesso causará desperdício, poluição ambiental e aumento de
doenças”, explicou o técnico.
Mais especificamente, o
aporte incorreto de
nutrientes afeta diretamente
o volume produzido e os
componentes do leite.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Energia e proteína influenciam na síntese de elementos no úbere,
como a lactose, e esta, por sua vez, influencia em produção de volume total.
O balanceamento de fibras e proteína da dieta pode ajudar na produção
dos outros sólidos do leite: gordura e proteína. Além disso, em todos os
componentes há também influência direta de minerais, vitaminas e aditivos.
“Tudo isso deve ser explorado com foco, pois na atual conjuntura de custos e
preços/bonificações do Brasil, podem trazer bom retorno sobre o
investimento.
A Contagem de Células Somáticas (CCS), por exemplo, um
indicador de mastite, é diretamente afetada por antioxidantes, como Zinco,
Selênio, Vitamina E e Vitamina A”, ponderou.
Além de oferecer os nutrientes corretos e em quantidade
adequada, outros aspectos de manejo são fundamentais. Entre eles estão:
separar os animais em lotes, realizar a pesagem de leite dos animais no
mínimo mensalmente, analisar os alimentos
e trabalhar com genética condizente
com a realidade do sistema de
produção. O equilíbrio entre
nutrição, genética e manejo, de
acordo com o gerente técnico da
DSM, é a chave para o sucesso.
Foto: Marcelo Machado
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Como último ponto, e talvez o mais importante, Marcelo
recomenda: “Contrate um técnico e confie nele. É essencial o conhecimento
técnico em um negócio tão variável e melindroso como o leite”.
Diante de um assunto tão complexo, para auxiliar aqueles que
estão começando a estudar ou estão iniciando a produção leiteira,
elaboramos para você, contando com o apoio da DSM, essa cartilha que traz
os principais conceitos e dicas para um bom manejo nutricional de vacas
leiteiras. O conteúdo foi escrito pela Prof. Marina Danés, do Departamento
de Zootecnia da UFLA, especialista no assunto.
Aproveite!
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
A vaca come porque dá leite ou dá leite porque come?
Vacas leiteiras comem porque dão leite! Isso porque foram
melhoradas geneticamente por décadas para priorizarem a produção de leite
e a partição de nutrientes para glândula mamária. Portanto, para aproveitar
toda essa “vontade” que a vaca tem para produzir leite, temos que garantir o
aporte dos nutrientes que ela precisa. No entanto, isso não significa colocar
nutrientes em excesso na dieta, só por garantia. A nutrição impacta
fortemente o custo de produção do leite e todo nutriente que não
estiver virando leite e saúde para a vaca, está poluindo o ambiente e
desperdiçando dinheiro do produtor. Por isso, é importante conhecer um
pouco os conceitos nutricionais e os fatores que interferem no sucesso (ou
fracasso) da nutrição em uma propriedade leiteira.
Quais nutrientes a vaca precisa e como oferecer cada um deles?
Os principais nutrientes de qualquer dieta são carboidratos,
proteínas, lipídeos (esses três conhecidos como macronutrientes), minerais
e vitaminas (conhecidos como micronutrientes). O nutriente que mais ocupa
espaço na dieta é o carboidrato (70-80% da dieta). Os carboidratos são a
principal fonte de energia para o animal e podem ser divididos em dois tipos:
carboidratos fibrosos (CF), também conhecidos como fibra, e carboidratos
não fibrosos (CNF).
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
De um modo geral, a principal fonte de CF é a forragem da dieta.
Os CF são parte da parede celular dos vegetais, presente em maior
proporção na parte vegetativa da planta. A capacidade do animal ruminante
em digerir esses CF é uma importante vantagem evolutiva, pois permite que
ele consiga extrair energia de um material abundante no planeta (parede
celular vegetal) e que monogástricos não têm a capacidade de digerir em
quantidades significativas. O ruminante consegue fazer a digestão extensiva
desse material por causa dos microrganismos ruminais. Por isso, é
essencial que a dieta dos ruminantes garanta o bom funcionamento do
rúmen. Coincidentemente (ou não!), os principais responsáveis por manter o
rúmen saudável são justamente os CF.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
A fibra presente nos volumosos (quando não está picada muito fina)
exige que o animal mastigue bastante e essa mastigação aumenta a
produção de saliva. A saliva, por sua vez, leva ao rúmen bicarbonato e água,
que diluem e neutralizam os ácidos graxos voláteis (AGV) produzidos pela
digestão microbiana dos carboidratos no rúmen. Quando o animal mastiga
pouco, por causa de pouca forragem na dieta ou forragem muito picada, a
produção de saliva é insuficiente, os AGV se acumulam e podem causar
acidose ruminal, um distúrbio metabólico que prejudica o consumo, o
desempenho e a longevidade dos animais. Além disso, em vacas leiteiras, a
acidose ruminal causa depressão da gordura no leite. Inclusive, o teor de
gordura no leite (medido individualmente) e a relação entre gordura e
proteína são bons indicativos de saúde ruminal. Por isso, é essencial que
dietas de vacas leiteiras tenham quantidades suficientes de fibra longa na
dieta para promover mastigação e salivação.
Os CF são uma importante fonte de energia para o animal,
correspondendo a 35-45% da dieta (nas análises de alimentos, os CF
estão representados pela fibra insolúvel em detergente neutro, ou FDN). No
entanto, são carboidratos de difícil digestão, mesmo para os
microrganismos. A degradação é lenta e menos extensiva do que a dos CNF.
Os CNF são carboidratos de conteúdo celular, como amido e açúcares,
presente em maior proporção na semente das plantas.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
As principais fontes de CNF na dieta são os grãos de cereais, como
milho e sorgo, e alguns coprodutos da indústria, como polpa cítrica e o
melaço. Os CNF são de rápida degradação ruminal quase totalmente
digestíveis, sendo ótimas fontes de energia para produção de leite.
Geralmente, dietas para vacas em lactação contém entre 30 e 40% de
CNF, e quanto maior a produção da vaca, maior será sua necessidade
de CNF na dieta. No entanto, essa rápida e extensa degradação ruminal
causa elevada produção de AGV, o que aumentam as chances de acidose
ruminal. Por isso, quanto maior a proporção de CNF na dieta, maior atenção
deve ser dada ao tamanho de partícula da forragem para garantir
mastigação e salivação suficientes para permitir a neutralização desses AGV
e garantir a saúde do rúmen.
O segundo macronutriente que mais
ocupa espaço na dieta é a proteína
(15-18%). A proteína da dieta tem
duas funções principais: fornecer
nitrogênio para os
microrganismos ruminais e
aminoácidos para o animal. A
exigência dos microrganismos é
atendida pela fração da proteína da
dieta que degrada no rúmen, o que
chamamos de proteína degradada
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
no rúmen, ou PDR. Esse nitrogênio é essencial para o crescimento dos
microrganismos e para que eles consigam digerir os carboidratos da dieta.
Quando falta PDR, a digestão de carboidratos é prejudicada e isso pode
causar um enchimento ruminal que acaba inibindo o consumo,
principalmente se o animal estiver recebendo forragem de baixa qualidade.
Isso porque a fibra dessa forragem é de difícil digestão e fica ocupando
espaço no rúmen, causando enchimento ruminal e impedindo que o animal
consuma mais. Dessa forma, indiretamente, a proteína da dieta interfere
também no aporte de energia ao animal, visto que sua deficiência prejudica o
funcionamento dos microrganismos e pode reduzir consumo de alimentos. É
possível utilizar os valores de nitrogênio ureico do leite (NUL) para verificar a
adequação do nível de PDR na dieta e essa é uma ferramenta interessante
que deve ser bem explorada para ajustes nutricionais.
A fração da proteína do alimento que não foi digerida no rúmen,
chamada de proteína não degradada no rúmen, ou PNDR, é a que vai
fornecer aminoácidos para o animal. Além da PNDR, as exigências do
animal ruminante são atendidas também pela proteína microbiana (a própria
massa de microrganismos que passa do rúmen para o intestino junto com o
alimento). Sendo assim, a PNDR e a proteína microbiana são digeridas no
intestino e seus aminoácidos são absorvidos para realizar a função principal
de síntese de proteína nos tecidos do animal.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
No caso das vacas leiteiras, além da mantença da vaca, esses
aminoácidos são utilizados para produzir a proteína do leite. Por isso, caso
ocorra uma limitação de aminoácidos, ou um perfil inadequado dos
aminoácidos absorvidos, é comum se observar queda no teor de proteína do
leite.
A fonte mais “famosa” de proteína na dieta é o farelo de soja (com
aproximadamente 50% de proteína bruta) e seu perfil de aminoácidos é
muito adequado para produção de proteína do leite. Mas existem muitas
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
outras opções de concentrados proteicos disponíveis no mercado, como
caroço de algodão, farelo de algodão, farelo de amendoim, e co-produtos
industriais como resíduo de cervejaria, resíduo de destilaria, farelo de glúten
de milho, entre outros.
A ureia também pode ser utilizada como fonte de PDR (ela é
totalmente degradada no rúmen e NÃO é uma fonte de aminoácido para o
animal), desde que os devidos cuidados para evitar intoxicação sejam
tomados. Algumas forragens também são ricas em proteína. Pastos tropicais
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
bem manejados e adubados com nitrogênio podem atingir níveis muito altos
de proteína bruta, acima de 16%. Por outro lado, a silagem de milho e a
cana de açúcar apresentam teores muito baixos de proteína. Fica evidente
que, dependendo da forragem utilizada, o concentrado deve ser ajustado
para que a proteína não seja limitante ou ofertada em excesso. Em sistemas
de pastejo bem manejados, essa troca de forragens ocorre entre as
estações de chuva (pasto rico em proteína) e seca (silagem de milho ou
cana, pobres em proteína) e, por isso, o concentrado não pode ser o mesmo
nessas duas épocas.
O terceiro macronutriente é o lipídeo, também conhecido como a
gordura da dieta. Os lipídeos, assim como os carboidratos, são fontes
de energia para o animal. Os ingredientes que fornecem carboidratos e
proteína, já mencionados nos parágrafos acima, também carregam em sua
composição os ácidos graxos, principal fonte de lipídeo para o animal. Então,
sem acrescentar nenhum ingrediente especificamente para fornecer mais
gordura, a dieta terá um teor de gordura (medida na análise de alimentos
como extrato etéreo, EE) ao redor de 3-4%. Para elevar o teor de EE para
acima disso, os ingredientes utilizados como fonte suplementar de lipídeos
são os óleos vegetais, produtos comerciais com gordura saturada e/ou
protegida, sementes de oleaginosas, como os grãos de soja e concentrados
como o caroço de algodão.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Vacas de alta produção precisam de muita energia e, com o
falamos no tópico de carboidratos, existe um limite máximo para se incluir
CNF na dieta, acima do qual a acidose ruminal é inevitável. Quando a
energia ainda não é suficiente mesmo com o limite máximo de CNF, o lipídeo
suplementar aumenta a densidade energética da dieta. Além disso, a
inclusão de lipídeos pode reduzir a necessidade de CNF, já que os lipídeos
possuem mais energia do que os carboidratos e como não são fermentados
no rúmen não causam acidose ruminal. Em situações de estresse térmico,
sua inclusão também é vantajosa pois a digestão de lipídeos gera menor
calor metabólico do que a digestão de carboidratos.
Lipídeos em excesso
podem prejudicar os microrganismos
ruminais e, por isso, o EE da dieta
não deve passar de 6-7%. No
entanto, elevar o teor de EE para
acima dos níveis basais só se
justifica para vacas de elevada
produção ou em situações de
estresse térmico, pois as fontes de
lipídeos suplementares costumam
ser mais caras.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Por fim, os micronutrientes se referem aos minerais e vitaminas,
que são exigidos em menor quantidade na dieta do que os macronutrientes.
Os minerais e vitaminas participam de diversas funções no organismo do
animal como estrutura (por exemplo cálcio e fósforo), co-fatores enzimáticos,
sinalizadores celulares, imunidade, entre outras.
Apesar da exigência desses nutrientes ser em menor quantidade, a
deficiência de minerais ou vitaminas causa grandes prejuízos, muitas
vezes de forma “invisível”. Invisível porque antes de chegar em um nível
crítico de deficiência, em que o animal apresenta sintomas clínicos, a
deficiência subclínica causa limitação do desempenho e da saúde. Todos os
ingredientes da dieta já mencionados até aqui carregam minerais e vitaminas
em sua composição, mas não em quantidade ou proporções ideais para as
exigências dos animais. É por isso que a dieta também precisa de um núcleo
mineral ou vitamínico. A escolha de uma empresa idônea para avaliar as
necessidades de cada propriedade e fornecer o núcleo mais adequado para
a situação é de extrema importância e pode ser um fator chave para o
sucesso do sistema produtivo.
Conhecer os nutrientes e formular a dieta adequada é suficiente?
Não! Infelizmente, formular dietas perfeitas não garante o
desempenho adequado das vacas nem o melhor uso dos recursos
nutricionais.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
A nutrição envolve, além da formulação, práticas de manejo
alimentar que promovem padronização e monitoramento dos processos e
redução da variabilidade e desperdício.
O primeiro passo para formular dietas é coletar informações sobre
os alimentos disponíveis na propriedade e os animais que serão
alimentados. Os alimentos devem ser analisados frequentemente para
que a composição real seja utilizada na formulação. Alguns ingredientes
secos, como milho moído e farelo de soja, sofrem pouca variação e a análise
pode ser mais eventual. No entanto, alimentos úmidos como forragens,
grãos reidratados, ou coprodutos industriais como resíduo de cervejaria são
muito mais variáveis e exigem análises mais frequentes.
Além disso, o fato desses ingredientes serem heterogêneos exige
uma amostragem bem feita para garantir que o que foi mandado para o
laboratório seja representativo
do que está sendo
oferecido aos animais.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Geralmente, os laboratórios oferecem orientações sobre como
amostrar cada tipo de alimento, empacotar e enviar a amostra para que a
composição seja alterada o mínimo possível. A composição das forragens
é extremamente importante, já que elas ocupam pelo menos metade da
dieta.
Otimizar o consumo de nutrientes vindos das forragens é uma
estratégia para produção mais rentável, pois geralmente esses alimentos
sãop roduzidos na fazenda a menor custo por kg do que os concentrados
comprados de fora.
Em sistemas de produção em pastagens, os concentrados muitas
vezes são adquiridos prontos, com níveis altíssimos de proteína bruta (22-
24%), sem que a composição do pasto seja analisada. Isso é um grande
desperdício de nutriente (proteína, que quando excretada na urina contamina
o ambiente) e dinheiro. Pastos tropicais bem manejados e adubados podem
chegar a 20% de proteína bruta, exigindo concentrados com 8-14% de
proteína. Por isso, para garantir o melhor uso dos recursos, é essencial que
o pasto seja amostrado e analisado com frequência durante a estação
chuvosa.
Da mesma forma, as características dos animais precisam ser
levantadas. Produção e composição do leite, dias em lactação e peso
corporal são variáveis relativamente fáceis de serem medidas e essenciais
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
para a formulação da dieta. De nada adianta formular uma dieta para valores
estimados ou, ainda pior, chutados. Obviamente, os animais não são
alimentados individualmente, então o valor médio de cada variável para o
grupo de animais deve ser usado na formulação. E aí entra outra prática de
manejo alimentar importante: o agrupamento das vacas.
Quando todas as vacas são alimentadas em um único grupo, existe
uma grande variabilidade nas características dos animais. Vacas em início
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
de lactação, produzindo muito, mobilizando gordura corporal, tentando
emprenhar, junto com vacas em final de lactação, prenhas, produzindo
menos e direcionando nutrientes para reposição da condição corporal. Lotes
heterogêneos impõem obstáculos para a formulação da dieta. Se
formularmos para atender as vacas mais exigentes do lote, as que produzem
menos vão engordar demais. Além disso, existe uma hierarquia social
entre as vacas, em que as dominadas (geralmente as primíparas) ficam
com dificuldade de acesso ao cocho. Quando formulamos para os valores
médios, as vacas mais produtivas do lote podem ficar limitadas.
Uma forma de contornar esses obstáculos é dividir as vacas em
lotes menores e mais homogêneos de acordo com características
produtivas e/ou hierárquicas. Geralmente, as vacas são divididas de acordo
com o estágio de lactação e/ou paridade (primíparas vs multíparas).
Obviamente, o número de lotes depende do que é possível fazer nas
instalações da propriedade. Além disso, a divisão em lotes acarreta também
no maior número de dietas (ou concentrados) sendo misturados, o que
aumenta a chance de erros quando o manejo não é bom. Inclusive, essa é
uma das principais razões pelas quais muitas fazendas, principalmente muito
grandes, utilizam dietas únicas. Com lotes mais homogêneos e informações
atualizadas dos animais e alimentos, a formulação da dieta fica bem mais
precisa.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Partimos então para as práticas que buscam garantir que a dieta
consumida seja o mais próximo possível da formulada. O primeiro ponto
que pode prejudicar esse processo é a mistura dos ingredientes. As
quantidades definidas na formulação devem ser seguidas consistentemente
e a mistura deve ser muito bem feita para que a dieta (ou o concentrado)
fique homogênea, diminuindo a chance das vacas selecionarem o que
querem comer. Vale lembrar que a dieta é formulada em quantidades de
matéria seca (MS) e, na fazenda, a mistura é feita em matéria natural. O teor
de MS dos alimentos úmidos (forragens, silagem de grãos reidratados,
coprodutos úmidos, etc) varia muito e isso precisa ser medido
constantemente para que a quantidade de matéria natural seja ajustada na
dieta. Medir o teor de MS dos ingredientes úmidos deve ser uma prática
no mínimo semanal na propriedade e isso pode ser feito de forma simples,
com auxílio de um micro-ondas ou air fryer e uma balança.
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
Com a pesagem correta dos ingredientes e a mistura bem feita,
a dieta oferecida aos animais é próxima da dieta formulada, com pouca
variação. Isso já é um ótimo começo. Agora o próximo passo é buscar
garantir que todas as vacas do lote consigam consumir a mesma dieta. Além
do agrupamento correto, evitando diferenças grandes em hierarquia que
mantenham as vacas dominadas longe do cocho, respeitar o espaçamento
mínimo de cocho por animal é essencial para minimizar a diferença na
composição do alimento consumido. Cada tipo de instalação e situação
alimentar exige um espaçamento de cocho mínimo e o produtor deve buscar
recomendações para sua situação específica.
Outra informação importante para conferir o que as vacas de fato
comeram é o consumo de alimento, que pode ser mensurado pela diferença
de peso entre o ofertado e a sobra. Mesmo sendo uma medida do lote, é de
extrema importância para fazer ajustes na dieta, garantir que não está
faltando comida e monitorar o inventário de ingredientes na propriedade.
Outra vantagem é que, ao
recolher as sobras, o encarregado pode
conferir o aspecto visual deste material
para compará-lo com o aspecto da dieta
oferecida. Quando esses dois materiais
Iniciando no leite – Nutrição / 2020
estão muito diferentes, é outro indicativo de seleção pelos animais e a
mistura deve ser ajustada.
Por fim, apesar de todo manejo alimentar ser trabalhado em grupos
de animais, é possível monitorar as vacas individualmente de forma
visual, principalmente em rebanhos menores. O vazio dos animais pode ser
monitorado após as alimentações e, com a ajuda de um guia de escore de
rúmen, inferências podem ser feitas sobre o quanto esses animais
consumiram. Da mesma forma, o escore das fezes também pode ser
indicativo de problemas nutricionais, como acidose ruminal, e pode ser
monitorado individualmente ou no lote. Apesar de úteis, essas duas
ferramentas são menos informativas do que a análise de leite. Avaliar a
composição do leite de cada vaca e como ela muda com o avanço da
lactação e após mudanças na alimentação é uma ótima maneira de
monitorar o plano nutricional da propriedade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraHugomar Elicker
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASAgriPoint
 
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno. Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno. Karen Zanferrari
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteMarília Gomes
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Glaucia Moraes
 
Aditivos em ruminantes bromatologia
Aditivos em ruminantes   bromatologiaAditivos em ruminantes   bromatologia
Aditivos em ruminantes bromatologiaRoger Moreira
 
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira bPf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira bJefferson Pastuszak
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicosPortal Canal Rural
 
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...AgroTalento
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite LarissaFerreira258
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinosPelo Siro
 
6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criaçãorafaeladp
 

Mais procurados (20)

Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
 
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno. Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 
Aditivos em ruminantes bromatologia
Aditivos em ruminantes   bromatologiaAditivos em ruminantes   bromatologia
Aditivos em ruminantes bromatologia
 
Cartilha bem estar animal - publico externo -
Cartilha bem estar animal -  publico externo -Cartilha bem estar animal -  publico externo -
Cartilha bem estar animal - publico externo -
 
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira bPf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
 
Minerais.pptx
Minerais.pptxMinerais.pptx
Minerais.pptx
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
 
Manual de Ordenha
Manual de OrdenhaManual de Ordenha
Manual de Ordenha
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
 
6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criação
 
Agrocurso alimentos
Agrocurso alimentosAgrocurso alimentos
Agrocurso alimentos
 
Gado corte
Gado corteGado corte
Gado corte
 
Melhoramento genetico (brazil)
Melhoramento genetico (brazil)Melhoramento genetico (brazil)
Melhoramento genetico (brazil)
 

Semelhante a Iniciando no Leite - Nutrição

qualidade do leite
qualidade do leitequalidade do leite
qualidade do leiteguestb24543c
 
qualidade do leite
qualidade do leitequalidade do leite
qualidade do leiteguestb24543c
 
Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)
Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)
Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)Dioneia Everling
 
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?AgriPoint
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Composição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corte
Composição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corteComposição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corte
Composição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corteUlisses Nilo Landi
 
O-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdf
O-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdfO-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdf
O-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdfrnetosilvaharsenal96
 
Alimentacao para-bebes-vegetarianos
Alimentacao para-bebes-vegetarianosAlimentacao para-bebes-vegetarianos
Alimentacao para-bebes-vegetarianosBellemSousa
 
Produção eficiente de leite em pasto de qualidade
Produção eficiente de leite em pasto de qualidadeProdução eficiente de leite em pasto de qualidade
Produção eficiente de leite em pasto de qualidadeRural Pecuária
 
A importancia dos cuidados com alimentação
A importancia dos cuidados com alimentaçãoA importancia dos cuidados com alimentação
A importancia dos cuidados com alimentaçãoMarisa Galdi Lapa
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Juliane Stivanin da Silva
 

Semelhante a Iniciando no Leite - Nutrição (20)

milk1
milk1milk1
milk1
 
qualidade do leite
qualidade do leitequalidade do leite
qualidade do leite
 
qualidade do leite
qualidade do leitequalidade do leite
qualidade do leite
 
Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)
Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)
Agronegocio alimentos e_alimentacao_de_ruminantes_2019 (2)
 
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
 
Artigo TéCnico 1
Artigo TéCnico 1Artigo TéCnico 1
Artigo TéCnico 1
 
Artigo soja i
Artigo soja iArtigo soja i
Artigo soja i
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
MILK POINT 3
MILK POINT 3MILK POINT 3
MILK POINT 3
 
Milk
MilkMilk
Milk
 
Composição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corte
Composição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corteComposição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corte
Composição dos alimentos e exigências nutricionais de bovinos de corte
 
O-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdf
O-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdfO-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdf
O-leite-bovino-que-produzimos-e-consumimos.pdf
 
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
 
Alimentacao para-bebes-vegetarianos
Alimentacao para-bebes-vegetarianosAlimentacao para-bebes-vegetarianos
Alimentacao para-bebes-vegetarianos
 
Produção eficiente de leite em pasto de qualidade
Produção eficiente de leite em pasto de qualidadeProdução eficiente de leite em pasto de qualidade
Produção eficiente de leite em pasto de qualidade
 
A importancia dos cuidados com alimentação
A importancia dos cuidados com alimentaçãoA importancia dos cuidados com alimentação
A importancia dos cuidados com alimentação
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
 
Doc145 vacasleiteiras 1 (1)
Doc145 vacasleiteiras 1 (1)Doc145 vacasleiteiras 1 (1)
Doc145 vacasleiteiras 1 (1)
 
Aula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentarAula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentar
 

Mais de AgriPoint

Abordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAbordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAgriPoint
 
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVARESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVAAgriPoint
 
Relatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaRelatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaAgriPoint
 
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...AgriPoint
 
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaBoletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaAgriPoint
 
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) AgriPoint
 
Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020AgriPoint
 
Manual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinManual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinAgriPoint
 
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...AgriPoint
 
Manual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinManual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinAgriPoint
 
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteManual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteAgriPoint
 
A internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoA internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoAgriPoint
 
E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoAgriPoint
 
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICOAgriPoint
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de BezerrasAgriPoint
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerrasAgriPoint
 
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados AgriPoint
 
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...AgriPoint
 
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...AgriPoint
 

Mais de AgriPoint (20)

Abordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAbordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastites
 
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVARESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
 
Relatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaRelatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite Clínica
 
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
 
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaBoletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
 
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
 
Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020
 
Manual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinManual técnico - Boostin
Manual técnico - Boostin
 
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
 
Manual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinManual Técnico Boostin
Manual Técnico Boostin
 
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteManual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
 
A internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoA internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informação
 
E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transição
 
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras
 
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
 
Top100 2018
Top100 2018Top100 2018
Top100 2018
 
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
 
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
 

Iniciando no Leite - Nutrição

  • 1.
  • 2. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Biografia da autora Marina Danés é professora do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e atual coordenadora do núcleo de extensão UFLALEITE. Com PhD em Dairy Science pela University of Wisconsin, Marina é Engenheira Agrônoma formada pela Esalq, onde também concluiu seu mestrado em Ciência Animal e Pastagens. Foto: Marina Danés
  • 3. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Introdução Nutrição de vacas leiteiras é um dos ramos mais estudados dentro da produção de leite, visto que tem relação com diversos outros fatores, como volume de produção, composição do leite, reprodução e bem-estar. Segundo Marcelo Machado, gerente técnico da DSM, a nutrição representa de 40 a 80% dos custos de produção da atividade e ser eficiente nesta área traz impactos maiores e mais rápidos no sistema. As perdas financeiras decorrentes de um manejo nutricional mal realizado podem ocorrer devido a dois cenários principais: falta de atendimento às demandas de todos ou alguns nutrientes (fibra, energia, proteína, minerais, vitaminas e aditivos) ou exagero deles. As duas formas oneram o sistema. “A falta irá causar baixa produtividade, alta incidência de doenças e baixa eficiência reprodutiva, todos com impactos financeiros diretos. O excesso causará desperdício, poluição ambiental e aumento de doenças”, explicou o técnico. Mais especificamente, o aporte incorreto de nutrientes afeta diretamente o volume produzido e os componentes do leite.
  • 4. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Energia e proteína influenciam na síntese de elementos no úbere, como a lactose, e esta, por sua vez, influencia em produção de volume total. O balanceamento de fibras e proteína da dieta pode ajudar na produção dos outros sólidos do leite: gordura e proteína. Além disso, em todos os componentes há também influência direta de minerais, vitaminas e aditivos. “Tudo isso deve ser explorado com foco, pois na atual conjuntura de custos e preços/bonificações do Brasil, podem trazer bom retorno sobre o investimento. A Contagem de Células Somáticas (CCS), por exemplo, um indicador de mastite, é diretamente afetada por antioxidantes, como Zinco, Selênio, Vitamina E e Vitamina A”, ponderou. Além de oferecer os nutrientes corretos e em quantidade adequada, outros aspectos de manejo são fundamentais. Entre eles estão: separar os animais em lotes, realizar a pesagem de leite dos animais no mínimo mensalmente, analisar os alimentos e trabalhar com genética condizente com a realidade do sistema de produção. O equilíbrio entre nutrição, genética e manejo, de acordo com o gerente técnico da DSM, é a chave para o sucesso. Foto: Marcelo Machado
  • 5. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Como último ponto, e talvez o mais importante, Marcelo recomenda: “Contrate um técnico e confie nele. É essencial o conhecimento técnico em um negócio tão variável e melindroso como o leite”. Diante de um assunto tão complexo, para auxiliar aqueles que estão começando a estudar ou estão iniciando a produção leiteira, elaboramos para você, contando com o apoio da DSM, essa cartilha que traz os principais conceitos e dicas para um bom manejo nutricional de vacas leiteiras. O conteúdo foi escrito pela Prof. Marina Danés, do Departamento de Zootecnia da UFLA, especialista no assunto. Aproveite!
  • 6. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 A vaca come porque dá leite ou dá leite porque come? Vacas leiteiras comem porque dão leite! Isso porque foram melhoradas geneticamente por décadas para priorizarem a produção de leite e a partição de nutrientes para glândula mamária. Portanto, para aproveitar toda essa “vontade” que a vaca tem para produzir leite, temos que garantir o aporte dos nutrientes que ela precisa. No entanto, isso não significa colocar nutrientes em excesso na dieta, só por garantia. A nutrição impacta fortemente o custo de produção do leite e todo nutriente que não estiver virando leite e saúde para a vaca, está poluindo o ambiente e desperdiçando dinheiro do produtor. Por isso, é importante conhecer um pouco os conceitos nutricionais e os fatores que interferem no sucesso (ou fracasso) da nutrição em uma propriedade leiteira. Quais nutrientes a vaca precisa e como oferecer cada um deles? Os principais nutrientes de qualquer dieta são carboidratos, proteínas, lipídeos (esses três conhecidos como macronutrientes), minerais e vitaminas (conhecidos como micronutrientes). O nutriente que mais ocupa espaço na dieta é o carboidrato (70-80% da dieta). Os carboidratos são a principal fonte de energia para o animal e podem ser divididos em dois tipos: carboidratos fibrosos (CF), também conhecidos como fibra, e carboidratos não fibrosos (CNF).
  • 7. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 De um modo geral, a principal fonte de CF é a forragem da dieta. Os CF são parte da parede celular dos vegetais, presente em maior proporção na parte vegetativa da planta. A capacidade do animal ruminante em digerir esses CF é uma importante vantagem evolutiva, pois permite que ele consiga extrair energia de um material abundante no planeta (parede celular vegetal) e que monogástricos não têm a capacidade de digerir em quantidades significativas. O ruminante consegue fazer a digestão extensiva desse material por causa dos microrganismos ruminais. Por isso, é essencial que a dieta dos ruminantes garanta o bom funcionamento do rúmen. Coincidentemente (ou não!), os principais responsáveis por manter o rúmen saudável são justamente os CF.
  • 8. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 A fibra presente nos volumosos (quando não está picada muito fina) exige que o animal mastigue bastante e essa mastigação aumenta a produção de saliva. A saliva, por sua vez, leva ao rúmen bicarbonato e água, que diluem e neutralizam os ácidos graxos voláteis (AGV) produzidos pela digestão microbiana dos carboidratos no rúmen. Quando o animal mastiga pouco, por causa de pouca forragem na dieta ou forragem muito picada, a produção de saliva é insuficiente, os AGV se acumulam e podem causar acidose ruminal, um distúrbio metabólico que prejudica o consumo, o desempenho e a longevidade dos animais. Além disso, em vacas leiteiras, a acidose ruminal causa depressão da gordura no leite. Inclusive, o teor de gordura no leite (medido individualmente) e a relação entre gordura e proteína são bons indicativos de saúde ruminal. Por isso, é essencial que dietas de vacas leiteiras tenham quantidades suficientes de fibra longa na dieta para promover mastigação e salivação. Os CF são uma importante fonte de energia para o animal, correspondendo a 35-45% da dieta (nas análises de alimentos, os CF estão representados pela fibra insolúvel em detergente neutro, ou FDN). No entanto, são carboidratos de difícil digestão, mesmo para os microrganismos. A degradação é lenta e menos extensiva do que a dos CNF. Os CNF são carboidratos de conteúdo celular, como amido e açúcares, presente em maior proporção na semente das plantas.
  • 9.
  • 10. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 As principais fontes de CNF na dieta são os grãos de cereais, como milho e sorgo, e alguns coprodutos da indústria, como polpa cítrica e o melaço. Os CNF são de rápida degradação ruminal quase totalmente digestíveis, sendo ótimas fontes de energia para produção de leite. Geralmente, dietas para vacas em lactação contém entre 30 e 40% de CNF, e quanto maior a produção da vaca, maior será sua necessidade de CNF na dieta. No entanto, essa rápida e extensa degradação ruminal causa elevada produção de AGV, o que aumentam as chances de acidose ruminal. Por isso, quanto maior a proporção de CNF na dieta, maior atenção deve ser dada ao tamanho de partícula da forragem para garantir mastigação e salivação suficientes para permitir a neutralização desses AGV e garantir a saúde do rúmen. O segundo macronutriente que mais ocupa espaço na dieta é a proteína (15-18%). A proteína da dieta tem duas funções principais: fornecer nitrogênio para os microrganismos ruminais e aminoácidos para o animal. A exigência dos microrganismos é atendida pela fração da proteína da dieta que degrada no rúmen, o que chamamos de proteína degradada
  • 11. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 no rúmen, ou PDR. Esse nitrogênio é essencial para o crescimento dos microrganismos e para que eles consigam digerir os carboidratos da dieta. Quando falta PDR, a digestão de carboidratos é prejudicada e isso pode causar um enchimento ruminal que acaba inibindo o consumo, principalmente se o animal estiver recebendo forragem de baixa qualidade. Isso porque a fibra dessa forragem é de difícil digestão e fica ocupando espaço no rúmen, causando enchimento ruminal e impedindo que o animal consuma mais. Dessa forma, indiretamente, a proteína da dieta interfere também no aporte de energia ao animal, visto que sua deficiência prejudica o funcionamento dos microrganismos e pode reduzir consumo de alimentos. É possível utilizar os valores de nitrogênio ureico do leite (NUL) para verificar a adequação do nível de PDR na dieta e essa é uma ferramenta interessante que deve ser bem explorada para ajustes nutricionais. A fração da proteína do alimento que não foi digerida no rúmen, chamada de proteína não degradada no rúmen, ou PNDR, é a que vai fornecer aminoácidos para o animal. Além da PNDR, as exigências do animal ruminante são atendidas também pela proteína microbiana (a própria massa de microrganismos que passa do rúmen para o intestino junto com o alimento). Sendo assim, a PNDR e a proteína microbiana são digeridas no intestino e seus aminoácidos são absorvidos para realizar a função principal de síntese de proteína nos tecidos do animal.
  • 12. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 No caso das vacas leiteiras, além da mantença da vaca, esses aminoácidos são utilizados para produzir a proteína do leite. Por isso, caso ocorra uma limitação de aminoácidos, ou um perfil inadequado dos aminoácidos absorvidos, é comum se observar queda no teor de proteína do leite. A fonte mais “famosa” de proteína na dieta é o farelo de soja (com aproximadamente 50% de proteína bruta) e seu perfil de aminoácidos é muito adequado para produção de proteína do leite. Mas existem muitas
  • 13. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 outras opções de concentrados proteicos disponíveis no mercado, como caroço de algodão, farelo de algodão, farelo de amendoim, e co-produtos industriais como resíduo de cervejaria, resíduo de destilaria, farelo de glúten de milho, entre outros. A ureia também pode ser utilizada como fonte de PDR (ela é totalmente degradada no rúmen e NÃO é uma fonte de aminoácido para o animal), desde que os devidos cuidados para evitar intoxicação sejam tomados. Algumas forragens também são ricas em proteína. Pastos tropicais
  • 14. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 bem manejados e adubados com nitrogênio podem atingir níveis muito altos de proteína bruta, acima de 16%. Por outro lado, a silagem de milho e a cana de açúcar apresentam teores muito baixos de proteína. Fica evidente que, dependendo da forragem utilizada, o concentrado deve ser ajustado para que a proteína não seja limitante ou ofertada em excesso. Em sistemas de pastejo bem manejados, essa troca de forragens ocorre entre as estações de chuva (pasto rico em proteína) e seca (silagem de milho ou cana, pobres em proteína) e, por isso, o concentrado não pode ser o mesmo nessas duas épocas. O terceiro macronutriente é o lipídeo, também conhecido como a gordura da dieta. Os lipídeos, assim como os carboidratos, são fontes de energia para o animal. Os ingredientes que fornecem carboidratos e proteína, já mencionados nos parágrafos acima, também carregam em sua composição os ácidos graxos, principal fonte de lipídeo para o animal. Então, sem acrescentar nenhum ingrediente especificamente para fornecer mais gordura, a dieta terá um teor de gordura (medida na análise de alimentos como extrato etéreo, EE) ao redor de 3-4%. Para elevar o teor de EE para acima disso, os ingredientes utilizados como fonte suplementar de lipídeos são os óleos vegetais, produtos comerciais com gordura saturada e/ou protegida, sementes de oleaginosas, como os grãos de soja e concentrados como o caroço de algodão.
  • 15. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Vacas de alta produção precisam de muita energia e, com o falamos no tópico de carboidratos, existe um limite máximo para se incluir CNF na dieta, acima do qual a acidose ruminal é inevitável. Quando a energia ainda não é suficiente mesmo com o limite máximo de CNF, o lipídeo suplementar aumenta a densidade energética da dieta. Além disso, a inclusão de lipídeos pode reduzir a necessidade de CNF, já que os lipídeos possuem mais energia do que os carboidratos e como não são fermentados no rúmen não causam acidose ruminal. Em situações de estresse térmico, sua inclusão também é vantajosa pois a digestão de lipídeos gera menor calor metabólico do que a digestão de carboidratos. Lipídeos em excesso podem prejudicar os microrganismos ruminais e, por isso, o EE da dieta não deve passar de 6-7%. No entanto, elevar o teor de EE para acima dos níveis basais só se justifica para vacas de elevada produção ou em situações de estresse térmico, pois as fontes de lipídeos suplementares costumam ser mais caras.
  • 16. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Por fim, os micronutrientes se referem aos minerais e vitaminas, que são exigidos em menor quantidade na dieta do que os macronutrientes. Os minerais e vitaminas participam de diversas funções no organismo do animal como estrutura (por exemplo cálcio e fósforo), co-fatores enzimáticos, sinalizadores celulares, imunidade, entre outras. Apesar da exigência desses nutrientes ser em menor quantidade, a deficiência de minerais ou vitaminas causa grandes prejuízos, muitas vezes de forma “invisível”. Invisível porque antes de chegar em um nível crítico de deficiência, em que o animal apresenta sintomas clínicos, a deficiência subclínica causa limitação do desempenho e da saúde. Todos os ingredientes da dieta já mencionados até aqui carregam minerais e vitaminas em sua composição, mas não em quantidade ou proporções ideais para as exigências dos animais. É por isso que a dieta também precisa de um núcleo mineral ou vitamínico. A escolha de uma empresa idônea para avaliar as necessidades de cada propriedade e fornecer o núcleo mais adequado para a situação é de extrema importância e pode ser um fator chave para o sucesso do sistema produtivo. Conhecer os nutrientes e formular a dieta adequada é suficiente? Não! Infelizmente, formular dietas perfeitas não garante o desempenho adequado das vacas nem o melhor uso dos recursos nutricionais.
  • 17. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 A nutrição envolve, além da formulação, práticas de manejo alimentar que promovem padronização e monitoramento dos processos e redução da variabilidade e desperdício. O primeiro passo para formular dietas é coletar informações sobre os alimentos disponíveis na propriedade e os animais que serão alimentados. Os alimentos devem ser analisados frequentemente para que a composição real seja utilizada na formulação. Alguns ingredientes secos, como milho moído e farelo de soja, sofrem pouca variação e a análise pode ser mais eventual. No entanto, alimentos úmidos como forragens, grãos reidratados, ou coprodutos industriais como resíduo de cervejaria são muito mais variáveis e exigem análises mais frequentes. Além disso, o fato desses ingredientes serem heterogêneos exige uma amostragem bem feita para garantir que o que foi mandado para o laboratório seja representativo do que está sendo oferecido aos animais.
  • 18. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Geralmente, os laboratórios oferecem orientações sobre como amostrar cada tipo de alimento, empacotar e enviar a amostra para que a composição seja alterada o mínimo possível. A composição das forragens é extremamente importante, já que elas ocupam pelo menos metade da dieta. Otimizar o consumo de nutrientes vindos das forragens é uma estratégia para produção mais rentável, pois geralmente esses alimentos sãop roduzidos na fazenda a menor custo por kg do que os concentrados comprados de fora. Em sistemas de produção em pastagens, os concentrados muitas vezes são adquiridos prontos, com níveis altíssimos de proteína bruta (22- 24%), sem que a composição do pasto seja analisada. Isso é um grande desperdício de nutriente (proteína, que quando excretada na urina contamina o ambiente) e dinheiro. Pastos tropicais bem manejados e adubados podem chegar a 20% de proteína bruta, exigindo concentrados com 8-14% de proteína. Por isso, para garantir o melhor uso dos recursos, é essencial que o pasto seja amostrado e analisado com frequência durante a estação chuvosa. Da mesma forma, as características dos animais precisam ser levantadas. Produção e composição do leite, dias em lactação e peso corporal são variáveis relativamente fáceis de serem medidas e essenciais
  • 19. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 para a formulação da dieta. De nada adianta formular uma dieta para valores estimados ou, ainda pior, chutados. Obviamente, os animais não são alimentados individualmente, então o valor médio de cada variável para o grupo de animais deve ser usado na formulação. E aí entra outra prática de manejo alimentar importante: o agrupamento das vacas. Quando todas as vacas são alimentadas em um único grupo, existe uma grande variabilidade nas características dos animais. Vacas em início
  • 20. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 de lactação, produzindo muito, mobilizando gordura corporal, tentando emprenhar, junto com vacas em final de lactação, prenhas, produzindo menos e direcionando nutrientes para reposição da condição corporal. Lotes heterogêneos impõem obstáculos para a formulação da dieta. Se formularmos para atender as vacas mais exigentes do lote, as que produzem menos vão engordar demais. Além disso, existe uma hierarquia social entre as vacas, em que as dominadas (geralmente as primíparas) ficam com dificuldade de acesso ao cocho. Quando formulamos para os valores médios, as vacas mais produtivas do lote podem ficar limitadas. Uma forma de contornar esses obstáculos é dividir as vacas em lotes menores e mais homogêneos de acordo com características produtivas e/ou hierárquicas. Geralmente, as vacas são divididas de acordo com o estágio de lactação e/ou paridade (primíparas vs multíparas). Obviamente, o número de lotes depende do que é possível fazer nas instalações da propriedade. Além disso, a divisão em lotes acarreta também no maior número de dietas (ou concentrados) sendo misturados, o que aumenta a chance de erros quando o manejo não é bom. Inclusive, essa é uma das principais razões pelas quais muitas fazendas, principalmente muito grandes, utilizam dietas únicas. Com lotes mais homogêneos e informações atualizadas dos animais e alimentos, a formulação da dieta fica bem mais precisa.
  • 21. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Partimos então para as práticas que buscam garantir que a dieta consumida seja o mais próximo possível da formulada. O primeiro ponto que pode prejudicar esse processo é a mistura dos ingredientes. As quantidades definidas na formulação devem ser seguidas consistentemente e a mistura deve ser muito bem feita para que a dieta (ou o concentrado) fique homogênea, diminuindo a chance das vacas selecionarem o que querem comer. Vale lembrar que a dieta é formulada em quantidades de matéria seca (MS) e, na fazenda, a mistura é feita em matéria natural. O teor de MS dos alimentos úmidos (forragens, silagem de grãos reidratados, coprodutos úmidos, etc) varia muito e isso precisa ser medido constantemente para que a quantidade de matéria natural seja ajustada na dieta. Medir o teor de MS dos ingredientes úmidos deve ser uma prática no mínimo semanal na propriedade e isso pode ser feito de forma simples, com auxílio de um micro-ondas ou air fryer e uma balança.
  • 22. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 Com a pesagem correta dos ingredientes e a mistura bem feita, a dieta oferecida aos animais é próxima da dieta formulada, com pouca variação. Isso já é um ótimo começo. Agora o próximo passo é buscar garantir que todas as vacas do lote consigam consumir a mesma dieta. Além do agrupamento correto, evitando diferenças grandes em hierarquia que mantenham as vacas dominadas longe do cocho, respeitar o espaçamento mínimo de cocho por animal é essencial para minimizar a diferença na composição do alimento consumido. Cada tipo de instalação e situação alimentar exige um espaçamento de cocho mínimo e o produtor deve buscar recomendações para sua situação específica. Outra informação importante para conferir o que as vacas de fato comeram é o consumo de alimento, que pode ser mensurado pela diferença de peso entre o ofertado e a sobra. Mesmo sendo uma medida do lote, é de extrema importância para fazer ajustes na dieta, garantir que não está faltando comida e monitorar o inventário de ingredientes na propriedade. Outra vantagem é que, ao recolher as sobras, o encarregado pode conferir o aspecto visual deste material para compará-lo com o aspecto da dieta oferecida. Quando esses dois materiais
  • 23. Iniciando no leite – Nutrição / 2020 estão muito diferentes, é outro indicativo de seleção pelos animais e a mistura deve ser ajustada. Por fim, apesar de todo manejo alimentar ser trabalhado em grupos de animais, é possível monitorar as vacas individualmente de forma visual, principalmente em rebanhos menores. O vazio dos animais pode ser monitorado após as alimentações e, com a ajuda de um guia de escore de rúmen, inferências podem ser feitas sobre o quanto esses animais consumiram. Da mesma forma, o escore das fezes também pode ser indicativo de problemas nutricionais, como acidose ruminal, e pode ser monitorado individualmente ou no lote. Apesar de úteis, essas duas ferramentas são menos informativas do que a análise de leite. Avaliar a composição do leite de cada vaca e como ela muda com o avanço da lactação e após mudanças na alimentação é uma ótima maneira de monitorar o plano nutricional da propriedade.