SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
2
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
Alexandre M. Pedroso,
Engenheiro agrônomo formado pela ESALQ/USP., Ph.D. em Ciência Animal e Pastagens, com
Pós-Doutorado em Nutrição de Ruminantes. Foi pesquisador da EMBRAPA Pecuária Sudeste
e atualmente é consultor associado da Cowtech Consultoria e Planejamento, prestando serviços
para empresas do mercado de nutrição de bovinos e para fazendas produtoras de leite.
Rodrigo deAlmeida,
Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal do Paraná, responsável pelas
disciplinas de Produção de Bovinos de Leite e Corte e Técnicas Avançadas em Formulação de
Rações. É Médico Veterinário formado pela UFPR, realizou mestrado em melhoramento animal
pelaMcGillUniversity,Montreal,CanadáedoutoradoemnutriçãoderuminantespelaESALQ/USP.
Atua também como consultor na área de nutrição de bovinos em propriedades leiteiras do Paraná
e em confinamentos de bovinos de corte no Centro-Oeste.
Introdução
O chamado Período de Transição, que compreende as 3-4 semanas antes do parto e as 3-4
semanas pós-parto, é a fase mais estressante da vida produtiva de uma vaca leiteira. O correto
manejodorebanhonesseperíodoéfundamentalparaqueasvacaspossamterumavidaprodutiva
longa e eficiente. Erros de manejo nessa fase além de comprometerem a produção de leite,
contribuem para piorar os índices reprodutivos e aumentar o índice de descarte de vacas no início
da lactação. É imprescindível que nessa fase as vacas recebam toda atenção para que possam ter
um parto tranquilo e um início de lactação isento de problemas, com boa produção de leite e bom
desempenho reprodutivo.
NaprimeiraediçãodoCursoOnline“Manejoealimentaçãodevacasemtransição”,osmaisde100
alunos participantes tiveram a oportunidade de tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto, através
do fórum.
Fizemos uma seleção de 20 perguntas e respostas do fórum para este e-book informativo.
3
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
Professor:Alexandre M. Pedroso
Você deve simular quanto a vaca produziria a mais se você retardar a secagem e contabilizar o
quanto isso significaria em receita, versus o custo de alimentação e manejo dessa vaca nesse
período.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Vou sugerir uma conta simplista que alguns produtores que atendo usam com frequência...
Vamos dizer que o custo alimentar de uma vaca em lactação é de R$14,00.vaca.dia e de R$4,00.
vaca.diaéocustoalimentardeumavacaseca.AdiferençaentreosdoiscustosédeR$10,00.vaca.
dia. Se o preço líquido do litro de leite que recebe é por exemplo de R$1,00 por L, isto significa que
se a vaca prestes a secar está produzindo acima de 10L, vale a pena mantê-la em lactação por
mais alguns dias ou semanas (desde que um período seco mínimo de 45 dias seja respeitado).
1- Gostaria que explicassem melhor a questão de estudar a viabilidade econômica de se
manter uma vaca produzindo ao invés de secá-la?
Professor:Alexandre M. Pedroso
O ideal é que as vacas não ganhem e nem percam peso durante o período seco. A meta é
restabelecer o ECC (Escore de Condição Corporal) durante a lactação, para que a vaca chegue à
secagem com o escore adequado para a parição.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Perfeito Alexandre, concordo integralmente com sua resposta! As vacas já deveriam secar com o
mesmo ECC que devem apresentar ao parto; 3,0 a 3,5, numa escala de 1 a 5 pontos.
2- O que podemos esperar em ganho de peso corporal em vacas no período seco? E
em que condições nutricionais há maior facilidade para este ganho satisfatório?
4
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
Professor:Alexandre M. Pedroso
Sim, da mesma forma que para vacas. A redução de consumo e o aumento na demanda por
nutrientes se dá da mesma forma que para vacas, possivelmente numa intensidade menor, mas
se a novilha se mostrar uma boa produtora de leite, pode haver tantos problemas quanto em uma
vaca adulta.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Concordo que há necessidade de fazer um manejo pré-parto também para as novilhas, mas
se a sua pergunta fosse se há ou não necessidade de fornecer dietas aniônicas para novilhas,
não temos um consenso na literatura. Muitos afirmam que as novilhas pouco se beneficiam das
dietas aniônicas, mesmo porque dificilmente uma primípara terá hipocalcemia. Além disso, dietas
aniônicasdeprimemoconsumoeistoéaindamaisprejudicialparafêmeasjovens.Masgeralmente
comoacabamosmantendoasnovilhaseasvacasnomesmolotepré-partoacabamosfornecendo
dietas aniônicas para todos os animais.
3- Há necessidade de fazer manejo pré-parto em novilhas?
Professor:Alexandre M. Pedroso
Mais importante do que os valores absolutos é acompanhar a variação do ECC. É preciso ter
um treinamento básico na técnica de avaliação do ECC, mas é relativamente simples. Eu vou
disponibilizar um material adicional para ajuda-lo com isso.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Concordo com oAlexandre, um material de apoio como texto complementar pode ajudar, mas, 20
anos atrás quando comecei a fazer avaliações de ECC, o que mais me ajudou foi fazer avaliações
com profissionais de maior experiência, ex-professores, etc. O ideal neste caso é fazer a avaliação
estando sozinho e depois comparar seus escores com as avaliações do seu colega de maior
experiência. É assim que tento ensinar meus alunos hoje!
E uma última dica: sempre contenham as vacas nos canzis e toquem nas vacas (principalmente
íleo, ísquio e inserção da cauda). Nunca façam ECC a distância ou usando fotos!
4- Qual é a dica para uma boa avaliação do Escore de Condição Corporal (ECC)? Como
eu posso ter a segurança que na minha avaliação as vacas estão com o ECC correto?
5
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
5-Professores,vivendocommuitoscasosdeanimaisaoextremo,comescorescorporais
tanto altos, perto de 4 quanto muito baixos 2,5; 2,8 etc. Sempre tive alguns problemas
com esses animais como por exemplo retenção de placenta, parto distócico, entre
outros. Sempre observei maiores problemas em animais com escore alto demais ou
baixo demais. Há correlação desses casos com o escore corporal?
6- Tratando dos cuidados que devemos ter com os animais recém-paridos, criamos
lotes pós-parto imediato em práticas rotineiras nas propriedades assistidas. Na opinião e
conhecimento de ambos qual seria o período recomendado para que os animais fiquem
nesse lote tendo mais atenção (CMS, temperatura corporal...)?
Professor:Alexandre M. Pedroso
Arelação é direta.Animais com ECC muito elevado apresentarão consumo ainda mais deprimido
no final da gestação e início da lactação, o que dentre outros problemas prejudica o sistema
imune, abrindo as portas para essas ocorrências que você citou. As vacas com ECC muito baixo
não possuem reservas suficientes para sustentar a demanda, e também ficarão mais sujeitas
aos distúrbios metabólicos pós-parto. Pela minha experiência, os problemas de vacas com ECC
excessivo são maiores.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Concordo 100% com as palavras doAlexandre e não tenho mais nada a acrescentar.
Professor:Alexandre M. Pedroso
Eu costumo recomendar lotes pós-parto de 3-4 semanas. É uma estratégia que produz benefícios
inestimáveis.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Sua pergunta é relevante e acho que depende da época do ano e do número de partos previstos.
Ou seja, quando há muitos partos concentrados numa determinada época, não adianta manter
3-4 semanas de permanência dos animais neste lote de recém-paridas e sacrificar o conforto dos
animais por conta da sobrepopulação.Acho que é crítico manter os animais neste lote e monitorá-
los de perto por no mínimo 10 a 14 dias. Estender este período de 2 para 3-4 semanas somente
se a propriedade tiver instalações confortáveis para todos os animais. Outro ponto relevante é que
normalmente esta dieta das recém-paridas é menos energética e se mantivemos os animais neste
loteporaté30dias,poderemosestar”segurando”aproduçãodestasvacas.Estaéaminhaopinião,
mas reconheço que este assunto é polêmico e que há técnicos que pensam diferente de mim.
6
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
7-Professores,emrelaçãoàquantidadedeureiautilizadanadieta,podemosnosbasear
em 1% da matéria-prima seca total? Poderia comentar alguma coisa sobre a quantidade
adequada de ureia a ser utilizada sem causar danos à saúde animal.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Dietas com adição de ureia pecuária não necessariamente causarão piora no desempenho
reprodutivo.Seadietaforbemequilibrada,comosníveisadequadosdecarboidratosnãoestruturais
(amido),aureiachegaráaorúmen,seráconvertidaemamônia(NH3),eesteNH3seráutilizadapela
microbiota para a síntese de proteína microbiana. O que está comprovado é que níveis excessivos
de ureia no leite causam sim um prejuízo reprodutivo, pois provocam uma ligeira redução do pH
uterino, diminuindo as chances do embrião recém-formado se fixar à parede uterina.
Professor:Alexandre M. Pedroso
Esse valor de 1% da MS (matéria seca) total, via de regra, é seguro. Mas é fundamental adaptar
corretamente os animais, fazendo a introdução gradual da ureia - começar com 50g ao dia e
aumentarumpoucopordiaatéatingiradosefinal,depoisde7-10dias.Eujátrabalheiatécom250g/
vaca/dia,semproblemas.Ofundamentaléomanejodaalimentação,essaquantidadetemqueser
fracionada e muito bem misturada à dieta total ou ao concentrado. E para não haver problemas, é
imprescindível que a dieta tenha níveis adequados de CNF (carboidratos não fibrosos) para que os
microrganismos ruminais tenham energia suficiente para utilizar adequadamente a ureia.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Deinício,ressaltoqueconcordointegralmentecomarespostadoAlexandre.Naminhaexperiência
em rebanhos leiteiros aqui no PR, dificilmente trabalho com inclusões superiores a 100 g/vaca/dia,
porqueháumaprecauçãogeneralizadaentreosprodutoresquetrabalho,jáqueainclusãodeureia
nadietapodeaumentarasconcentraçõesdenitrogênioureiconoplasmaenoleite,oquepodepor
sua vez trazer prejuízos à fertilidade, como já discutimos em outras discussões deste fórum. Outra
razão é que boa parte das gramíneas usadas aqui no sul já possuem alta degradabilidade ruminal
e a ureia pecuária é 100% degradável. Ou seja, as dietas aqui do sul já apresentam um alto teor
de PDR (proteína degradável no rúmen) e o que precisamos são fontes de PNDR (proteína não
degradável no rúmen).
7
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
8- No caso de encontrarmos um rebanho leiteiro onde 40% vacas em lactação estejam
em BEN (balanço energético negativo) e com os ECC em torno de 2,5, qual seriam as
medidas mais eficientes a serem tomadas, visando diminuir os problemas recentes e
futuros? Como deveria ser administrada esta situação?
Professor: Rodrigo deAlmeida
Teríamos algumas opções; por exemplo, primeiro eu checaria o nível de energia da dieta e
possivelmente aumentaria a inclusão de concentrado na dieta. Segundo: se a quantidade de
concentrado já for alta, pensaria na inclusão de alguma fonte lipídica, como caroço de algodão,
grão de soja integral ou gordura protegida. Terceiro: se for o caso, eu retardaria a aplicação de bST
nestas vacas. E por fim, eu manteria estas vacas por mais tempo no Lote 1 de vacas de mais alta
produção, para que elas possam recuperar seu escore antes de migrarem para um lote de menos
leite.Talvez eu tenha me esquecido de alguma alternativa, mas no momento estas parecem ser as
melhores opções.
9- Prezados professores, pensando em ECC de animais em lactação, qual seria o ideal
pensando em animais em pastejo? Mesmo melhorando a suplementação energética da
dieta, observo que o escore dos animais fica mais baixo, até onde podemos chegar e
quais os impactos possíveis?
Professor:Alexandre M. Pedroso
OsparâmetrosdeECCabordadosaquinocursovalemtambémparavacasempastejo.Oprincipal
limitante ao desempenho geral das vacas nesses sistemas é o consumo de pasto, e se você relata
que mesmo aumentando a suplementação energética (imagino que via concentrado) não observa
melhoranoECC,issoésinaldequeasvacasnãoestãoconsumindotodoopastodequeprecisam.
Esse é um grande desafio do manejo de sistemas de produção em pastagens, e tudo passa pelo
manejo do processo de pastejo de forma a oferecer às vacas a melhor forragem possível. Se as
vacasnãoconseguiremreporadequadamenteoECCaolongodalactaçãoechegaremàsecagem
e ao parto com poucas reservas corporais certamente terão seu desempenho comprometido na
lactação seguinte.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Sobre sua pergunta dos parâmetros de ECC para vacas em pastejo, concordo 100% com a
resposta doAlexandre e não tenho mais nada a acrescentar.
8
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
10- Caros professores, ouvimos muito sobre o uso de produtos que julgam ter ”bons”
resultados em nossos animais, mas pouco é falado sobre esses produtos.Amonensina
sódicaéumdeles,dizemquemelhoraaeficiênciaalimentardosanimais,etc.Gostariade
saberseissoémitoouverdadeequaissãoosprincipaisbenefíciosdousodamonensina
que podemos observar? Posso usar monensina em qualquer animal?
Professor: Rodrigo deAlmeida
Você tem razão em afirmar que, há muitos aditivos no mercado de nutrição de bovinos leiteiros,
muitosdelessemeficáciacomprovada.Amonensinaporoutrolado,éprovavelmenteoaditivocom
maior volume de dados comprovando sua eficácia e sua alta relação benefício: custo. No texto
complementar disponibilizado no módulo 5 deste curso, o mecanismo de ação é detalhado; peço
que dê uma olhada. Sim, a monensina melhora a eficiência alimentar de bovinos leiteiros, tanto
de novilhas em crescimento, quanto de vacas em lactação ou secas. Não, não é um mito atribuir
a monensina tais benefícios. Sim, podemos usar monensina em todas as categorias animais.
Por último, quero voltara salientar que minha única restrição do uso da monensina é evitar altas
dosagens, pois neste caso o consumo de MS será muito deprimido.
11- Gostaria de saber o posicionamento de vocês, quanto ao agrupamento de lotes pré
e pós-parto, para melhor desempenho no início da lactação? Com intuito de diminuir a
hierarquia e competição por alimentação e camas.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Logicamente o número exato de lotes vai depender do tamanho do rebanho, mas idealmente para
rebanhos de tamanho mediano a grande, minha sugestão seria agrupar as vacas em lactação em
pelo menos 4 lotes:-Lote de Vacas Recém-Paridas (do dia do parto até 2-3 semanas pós-parto)
-Lote de Vacas deAlta Produção
-Lote de Vacas de Média e Baixa Produção
-Lote de Primíparas
Idealmente neste caso eu formularia uma dieta para cada lote, mas para facilitar o manejo não
considero um absurdo fornecer a mesma dieta das vacas de alta produção para as primíparas, já
que basicamente elas comem menos.
Para as vacas secas, bastariam 2 lotes:
9
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
-Lote 1 de vacas secas (da secagem até 21 dias antes do parto)
-Lote 2 de vacas secas (últimas 3 semanas pré-parto)
Professor:Alexandre M. Pedroso
Concordo100%comasrecomendaçõesdoProf.Rodrigo.Costumotrabalharseguindoosmesmos
critérios.
Professor:Alexandre M. Pedroso
É isso mesmo. O uso das dietas aniônicas deve ser restrito às 3- 4 semanas antes do parto. Esse
tema será discutido em maior profundidade ao longo do curso.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Sobre seu questionamento que o uso de sal aniônico acima de 4 semanas pode já não fazer mais
efeito, francamente nunca li nada a respeito. Reiterando o que respondi anteriormente, acho que
a suplementação de dietas aniônicas deve ser limitada às últimas 3 semanas pré-parto por uma
questão econômica e por uma questão de eficácia.
12- Parece que o uso de sais aniônicos acima de 4 semanas pode não fazer mais efeito.
Isto é verdade?
Professor:Alexandre M. Pedroso
Para os rebanhos com os quais trabalho, costumamos fazer as dietas de novilhas em final de
gestaçãocomcercade13-13,5%PB.Viaderegra,trabalhamoscomanimaisbemmenoresqueas
novilhas típicas dos EUAe Canadá, desta forma é preciso ajustar as dietas. Outro ponto a pensar,
équeointeresseépelaquantidadetotaldeproteínametabolizável(PM)disponívelparaosanimais
e, não há um teor fixo de PB (proteína bruta) que proporcione uma determinada disponibilidade de
PM. Minha preocupação sempre é em atender os requerimentos por PM. O Prof. Rodrigo trabalha
13- No módulo 1, existe uma recomendação genérica de 12,5 - 13,5% de PB na dieta
do início do período seco. Esta recomendação condiz com as recomendações do
NRC (2001), contudo o livro recomenda para novilhas um teor mais elevado nas dietas
variando de 14-15% de PB devido ao menor consumo em relação às vacas multíparas
e, ao crescimento mais pronunciado da glândula mamária. Esta recomendação do livro
é aceitável atualmente?
10
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
com rebanhos no sul e talvez possa trazer mais elementos para essa discussão.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Embora eu concorde com oAlexandre que devemos evitar a ”tentação” de apresentar números em
PB e devemos discutir em PM, aqui no PR eu tendo a usar valores de PB um pouco mais altos do
que os mencionados pelo Alexandre, algo mais próximo a 14%PB na dieta de novilhas prenhas,
principalmente quando elas têm idade prevista ao 1º parto aos 23-24 meses e particularmente no
caso de rebanhos que usam mais intensivamente as genéticas americana e canadense, onde o
tamanho dos animais é de fato maior (exatamente como mencionou oAlexandre).
Vocêtemrazãoemnosalertarquenovilhasfaltando60diasparaparirtêmexigênciasnutricionaisum
pouco diferentes do que vacas faltando 60 dias para parir, mas na prática, em rebanhos pequenos
e médios, e impraticável separar os 2 lotes. Por fim, também sou um pouco descrente quanto à
eficácia da suplementação de fontes de PNDR e aminoácidos protegidos para vacas no período
seco. Talvez seja ignorância minha, mas acredito que raríssimos rebanhos brasileiros poderiam se
beneficiar deste tipo de suplementação! Temos muitas outras coisas mais prioritárias nesta fase.
14-QualénecessidadedeingestãodiáriadeproteínaeNDT(nutrientesdigestíveistotais)
para novilhas no pré-parto? O que posso interpretar quando as glândulas mamárias e
umbigo ficam extremamente inflamados no parto?
Professor:Alexandre M. Pedroso
Asdietasnopré-partovãocontercercade65-70%NDTe13-14%PB,destacandoqueoimportante
é atender os requerimentos dos animais por proteína metabolizável. Com relação à sua outra
questão,temoquenãopossaajudarmuito.TalvezoProf.Rodrigo,queéMédicoVeterinário,possa
dar maiores informações.
Professor: Rodrigo deAlmeida
A primeira parte da pergunta já foi respondida pelo Alexandre. Quando a glândula mamária e
o umbigo ficam muito inflamados no parto chamamos esta ocorrência de edema puerperal ou
simplesmente edema pré-parto.Aocorrência é muito maior nas novilhas do que nas vacas adultas,
mas em ambos os casos sua ocorrência pode ser minimizada com a suplementação de dietas
aniônicas (mais uma vantagem deste tipo de suplementação).
11
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
15- Na maioria das propriedades do interior do estado de Goiás, o trato é feito em cocho
coletivo, onde se trata de um número elevado de vacas, no espaço físico pequeno,
ocasionandoumacompetiçãonaalimentação,stress,alémdefraturas,lesões,ferimentos.
O que é recomendado nesse caso para eliminar esses problemas. Cocho individual,
lotes de tratamento?
16- Com base nesses conceitos que vocês citaram o que me dizem de pastagem
rotacionada para vacas no pré-parto, tenho capins com teores de proteína acima de
15%, o que poderia faltar para esses animais poderia ser composto por um concentrado
de menor valor comercial? Como seria esse concentrado?
Professor: Rodrigo deAlmeida
Seestascondiçõesquevocêrelatousãoparavacasnoiníciodoperíodoseco,definitivamentevocê
tem um problema, mas se são para vacas no período pré-parto, você tem um GRANDE problema.
Para espaçamento de cocho para vacas em lactação ou para vacas secas recomendamos 70 cm/
vaca,masparavacasnoperíodoperiparto(lotespré-partoerecém-paridas)asrecomendaçõesmais
atuais são de 1,0 m/vaca. Vacas neste período não podem ter absolutamente nenhuma limitação
de consumo! Não acho necessário, termos cochos individuais; basta seguir estas recomendações.
Professor:Alexandre M. Pedroso
Nada a acrescentar, concordo 100% com as colocações do Prof. Rodrigo.
Professor:Alexandre M. Pedroso
Épossívelmanejarasvacasemsistemarotacionado,masomódulodepastejotemqueproporcionar
ótimas condições de conforto para as vacas em pré-parto. Topografia deve ser plana, deve haver
grande disponibilidade de sombras, em locais secos e limpos, deve haver água disponível nos
piquetes, áreas de descanso e corredores, boa oferta de forragem. Além disso, nos dias que
antecedemopartoasvacasdevempermaneceremlocalquefaciliteomonitoramentoepermitaum
parto tranquilo. O ideal é ter um piquete maternidade. Particularmente, eu prefiro manejar as vacas
no pré-parto oferecendo dieta total no cocho, o que permite um controle muito melhor do consumo,
de forma que é possível identificar rapidamente possíveis problemas e fazer intervenções mais
precisas.
Com relação à qualidade da forragem, num pasto com 15% PB a única necessidade de
suplementação será alguma fonte de energia para atender os requerimentos, além dos minerais,
é claro. O ideal é ter laudo de análise dessa forragem para poder formular corretamente a dieta
dessas vacas.
12
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
Professor: Rodrigo deAlmeida
O Alexandre é a pessoa mais indicada para responder sua pergunta sobre pastagem rotacionada
para vacas no pré-parto; concordo integralmente com a resposta dele. Só gostaria de adicionar
ao comentário que muitas pastagens novas e cheias de brotos e de áreas fortemente adubadas
certamente têm altíssimas concentrações de potássio na sua composição, o que pode anular por
completo qualquer possível ação do sal aniônico. É só um alerta e algo para pensar, ok?
17-Após a secagem dos animais, por quanto tempo ainda tenho que passá-las na sala
de ordenha para monitorar a saúde do úbere?
Professor:Alexandre M. Pedroso
Passar as vacas secas pela sala de ordenha é uma questão de manejo de cada fazenda, não uma
necessidade. Esse monitoramento da sanidade do úbere deve ser feito constantemente. Após a
secagem, a glândula mamária acumula até 75-80% de sua produção diária, atingindo o acúmulo
máximo de leite entre 2 a 3 dias após a secagem. Depois disso, a tendência é que o volume
do úbere comece a diminuir. Se o manejo e o tratamento dos quartos funcionais com antibiótico
intramamário forem adequados, a incidência de problemas será bem reduzida, mas é preciso ficar
atento ao comportamento das vacas, como: ocorrência de febre, inchaço anormal e prolongado do
úbere, etc.
Professor: Rodrigo deAlmeida
Para me auxiliar na sua resposta, pedi auxílio ao médico veterinário Sandro Viechnieski, gerente e
umdossóciosproprietáriosdaFazendaIguaçu-StarMilk,nosudoestedoPR.Seguesuaresposta:
“O ideal e correto é NÃO passar a vaca na sala de ordenha pois isto estimula a produção de leite.
O correto é observar o animal por mais 5 dias no próprio lote de vacas secas. Por isto uma boa
alternativa é o uso de selante de tetos junto com o antibiótico na secagem. Precisamos observar
neste animal apenas se está tendo um aumento no volume do úbere em algum dos quartos.”
Espero que a resposta do Sandro tenha atendido suas expectativas.
18-Professores,eunãocompreendiofatodetercomoformadeprevenirahipocalcemia
a redução nos níveis dietéticos de (cálcio) Ca no pré-parto, sendo que, como tratamento
suporte para vacas já caídas seria a aplicação de cálcio injetável IV. Como se explica
isso?
Professor:Alexandre M. Pedroso
O processo parece complexo, mas na verdade é simples. Vou tentar resumir aqui.
13
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
O metabolismo de Ca é regulado por diferentes fatores. As vacas não conseguem ingerir a
quantidade de Ca necessária para atender à demanda no início da lactação, nem que o teor desse
elemento seja elevado na dieta. A saída é estimular a mobilização de Ca nas reservas ósseas,
para que esse elemento esteja disponível para as vacas quando a demanda surgir. Isso se faz
causando uma leve acidose metabólica – com o uso das dietas aniônicas - ou reduzindo a oferta
de Ca no pré-parto, de forma que o organismo da vaca seja obrigado a mobilizar o Ca dos ossos
paraatenderademanda.Noiníciodalactação,quandoesseprocessodemobilizaçãojáestiverem
pleno funcionamento, volta-se a elevar os teores de Ca na dieta, de forma que as vacas possam ter
o suprimento adequado desse elemento no sangue.
19- Prezados professores, muitos nutricionistas usam como ferramenta o adensamento
energético da dieta logo no pós-parto com a inclusão de gordura protegida que é
composta basicamente pelos ácidos graxos essenciais (linolênico e linoleico), porém, a
respostaprodutivaàsuplementaçãocomfonteslipídicasébastantevariável,comrelação
à produção. No entanto, a utilização desta fonte alternativa de energia vem aumentando
e trazendo bons resultados com relação a características reprodutivas no pós-parto.
Gostaria de saber seus posicionamentos ou ideias sobre o adensamento energético?
Professor: Rodrigo deAlmeida
Sobre a suplementação de gordura protegida (na verdade, sais cálcicos de ácidos graxos) no
período pós-parto, percebo que há duas correntes distintas; um primeiro grupo que recomenda
a suplementação destas gorduras protegidas, por conta do suposto benefício na reprodução e,
um segundo grupo que não recomenda este tipo de suplementação, por conta do decréscimo no
consumo de MS tipicamente observado quando suplementamos fontes de gordura. Não sei qual é
a opinião do colegaAlexandre, mas eu sou mais simpático ao segundo grupo, ou seja, tipicamente
não recomendo a suplementação de gordura protegida logo no início da lactação. Quero deixar
claro que acredito nos benefícios da suplementação com gordura protegida, mas prefiro iniciar a
suplementação após 3-4 semanas pós-parto, quando o consumo de MS já é um pouco mais alto.
Por fim quero frisar um ponto básico, mas, importante; se o objetivo na suplementação de gordura
é a melhoria na reprodução, devemos usar sais cálcicos de ácidos graxos de óleo de soja e não
de óleo de palma, porque afinal o nosso interesse é aumentar o aporte dos ácidos graxos linoleico
e linolênico, que são encontrados em satisfatórias concentrações somente na gordura protegida
produzida com óleo de soja.
Professor:Alexandre M. Pedroso
Conceitualmente eu concordo com o Prof. Rodrigo, é preferível não arriscar comprometer o
consumo de matéria seca fornecendo gordura para as recém-paridas. Há dados recentes de
pesquisa da ESALQ mostrando um grande benefício do fornecimento de sais de cálcio a partir
14
20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição
de 15 dias de lactação, e eu pretendo testar esse manejo em breve aqui na EMBRAPA e numa
fazendacomercial.Aprincípioosprodutosàbasedegorduradepalmadeveminterferirmenoscom
consumo e digestibilidade de fibras por apresentarem perfil de ácidos graxos mais saturados, mas
temos que testar isso mais vezes.
20- Gostaria de saber quais seriam as recomendações para o uso de colina protegida?
Começaria no pré-parto (21 antes da parição prevista) e iria até quantos dias pós-parto?
Professor:Alexandre M. Pedroso
Se for usar a colina protegida a recomendação é por todo o período de transição - 3 semanas
antes até 3 semanas após o parto. Para vacas de alta produção, pode ser interessante prolongar
o fornecimento um pouco mais para minimizar os efeitos da mobilização excessiva de gordura no
início da lactação
Professor: Rodrigo deAlmeida
Mais uma vez concordo 100% com a resposta do Alexandre. Para a colina funcionar ela dever
ser suplementada no pré e no pós-parto! É importante chamar a atenção deste ponto porque a
suplementaçãocomcolinaécaraeporissonamaioriadosrebanhosquevisito,acolinasomenteé
suplementadaemumdosdoisperíodos!Custaametade,masmuitasvezesobenefíciodesaparece!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Minicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativaMinicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativaSilia Negreiros
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalPortal Canal Rural
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosKiller Max
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Aviculturamatheush
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteAllen Ferreira
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteMarília Gomes
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneKiller Max
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos cortemvezzone
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosKiller Max
 
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosPráticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosMichel Oliveira
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite LarissaFerreira258
 
Manejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteManejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteFabrício Farias
 
Mastite vacas
Mastite vacasMastite vacas
Mastite vacasFmodri3
 
Aula de embutidos cópia
Aula de embutidos   cópiaAula de embutidos   cópia
Aula de embutidos cópiaedson1962
 
Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNayara Michelle
 
Aula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leiteAula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leiteFabio Freitas
 

Mais procurados (20)

Minicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativaMinicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativa
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina final
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corte
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
Manual de Ordenha
Manual de OrdenhaManual de Ordenha
Manual de Ordenha
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosPráticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
 
Manejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteManejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corte
 
Mastite vacas
Mastite vacasMastite vacas
Mastite vacas
 
Aula de embutidos cópia
Aula de embutidos   cópiaAula de embutidos   cópia
Aula de embutidos cópia
 
Bovinos de corte
Bovinos de corteBovinos de corte
Bovinos de corte
 
Poedeiras
PoedeirasPoedeiras
Poedeiras
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
 
Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
 
Aula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leiteAula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leite
 

Destaque

Cria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corteCria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corteAllen Ferreira
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaAgriPoint
 
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteirosCriação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteirosMarília Gomes
 
Ebook bezerras-baixa
Ebook bezerras-baixaEbook bezerras-baixa
Ebook bezerras-baixaAgriPoint
 
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraanarosapovoa
 
Manual de nascimento de bezerros
Manual de nascimento de bezerrosManual de nascimento de bezerros
Manual de nascimento de bezerrosPortal Canal Rural
 
Tecnologias DSM Tortuga, Interleite Nordeste 2014
Tecnologias DSM Tortuga,  Interleite Nordeste 2014Tecnologias DSM Tortuga,  Interleite Nordeste 2014
Tecnologias DSM Tortuga, Interleite Nordeste 2014Felipe Lins
 
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao BezerrosBeefPoint
 
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroCartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroRafael Soares Dias
 
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?AgriPoint
 
Ebook vendas-baixa
Ebook vendas-baixaEbook vendas-baixa
Ebook vendas-baixaAgriPoint
 
Cáculo lotação intermitente tarefa 12
Cáculo lotação intermitente tarefa 12Cáculo lotação intermitente tarefa 12
Cáculo lotação intermitente tarefa 12Cristina Basso
 
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerrosConfira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerrosAgroTalento
 
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de BovinosManual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de BovinosSérgio Amaral
 
Auxiliar de veterinário nicole
Auxiliar de veterinário nicoleAuxiliar de veterinário nicole
Auxiliar de veterinário nicoleJosé Palma
 
Estacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corteEstacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corteExagro
 
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leiteManipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leiteIf-Leite Qualidade do Leite
 

Destaque (20)

Cria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corteCria de bezerros de corte
Cria de bezerros de corte
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
 
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteirosCriação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
 
Ebook bezerras-baixa
Ebook bezerras-baixaEbook bezerras-baixa
Ebook bezerras-baixa
 
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
 
Manual de nascimento de bezerros
Manual de nascimento de bezerrosManual de nascimento de bezerros
Manual de nascimento de bezerros
 
Tecnologias DSM Tortuga, Interleite Nordeste 2014
Tecnologias DSM Tortuga,  Interleite Nordeste 2014Tecnologias DSM Tortuga,  Interleite Nordeste 2014
Tecnologias DSM Tortuga, Interleite Nordeste 2014
 
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
 
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroCartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
 
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
 
Ebook vendas-baixa
Ebook vendas-baixaEbook vendas-baixa
Ebook vendas-baixa
 
Cáculo lotação intermitente tarefa 12
Cáculo lotação intermitente tarefa 12Cáculo lotação intermitente tarefa 12
Cáculo lotação intermitente tarefa 12
 
Ebook ilp
Ebook ilpEbook ilp
Ebook ilp
 
B340 m apostila
B340 m   apostilaB340 m   apostila
B340 m apostila
 
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerrosConfira manual de boas práticas de manejo de bezerros
Confira manual de boas práticas de manejo de bezerros
 
Emater mg alimentacao_gado_leiteiro
Emater mg alimentacao_gado_leiteiroEmater mg alimentacao_gado_leiteiro
Emater mg alimentacao_gado_leiteiro
 
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de BovinosManual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
 
Auxiliar de veterinário nicole
Auxiliar de veterinário nicoleAuxiliar de veterinário nicole
Auxiliar de veterinário nicole
 
Estacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corteEstacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corte
 
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leiteManipulação do teor e da composição da gordura e  proteína do leite
Manipulação do teor e da composição da gordura e proteína do leite
 

Semelhante a E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI

MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASAgriPoint
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastiteAgriPoint
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de BezerrasAgriPoint
 
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfE-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfDeborah689757
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerrasAgriPoint
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCristovão Filho
 
Educação alimentar de cães e gatos.ppt ok
Educação alimentar de cães e gatos.ppt okEducação alimentar de cães e gatos.ppt ok
Educação alimentar de cães e gatos.ppt okJoaozoo
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalLarissaFerreira258
 
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore BacuriDesempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore BacuriANCP Ribeirão Preto
 
Nutricia Cares about Training_O universo das GORDURAS
Nutricia Cares about Training_O universo das GORDURASNutricia Cares about Training_O universo das GORDURAS
Nutricia Cares about Training_O universo das GORDURASNutricia Portugal
 
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matosLeite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matosGraciela Luongo
 
E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoAgriPoint
 
Tudo sobre papa de filhotes
Tudo sobre papa de filhotes Tudo sobre papa de filhotes
Tudo sobre papa de filhotes Alcon Pet
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Juliane Stivanin da Silva
 
E book-formulacao
E book-formulacaoE book-formulacao
E book-formulacaoAgriPoint
 
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptxAULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptxNathaliaCastro58
 
Manual de Manejo de Matrizes Ross
Manual de Manejo de Matrizes Ross Manual de Manejo de Matrizes Ross
Manual de Manejo de Matrizes Ross Sérgio Amaral
 

Semelhante a E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI (20)

MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastite
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
 
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfE-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteira
 
Educação alimentar de cães e gatos.ppt ok
Educação alimentar de cães e gatos.ppt okEducação alimentar de cães e gatos.ppt ok
Educação alimentar de cães e gatos.ppt ok
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animal
 
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore BacuriDesempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
 
Nutricia Cares about Training_O universo das GORDURAS
Nutricia Cares about Training_O universo das GORDURASNutricia Cares about Training_O universo das GORDURAS
Nutricia Cares about Training_O universo das GORDURAS
 
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matosLeite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
 
Alimentação no lactante
Alimentação no lactanteAlimentação no lactante
Alimentação no lactante
 
Colostragem material tecnico
Colostragem  material  tecnicoColostragem  material  tecnico
Colostragem material tecnico
 
E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transição
 
Encarte 6º ponto_af
Encarte 6º ponto_afEncarte 6º ponto_af
Encarte 6º ponto_af
 
Tudo sobre papa de filhotes
Tudo sobre papa de filhotes Tudo sobre papa de filhotes
Tudo sobre papa de filhotes
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
 
E book-formulacao
E book-formulacaoE book-formulacao
E book-formulacao
 
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptxAULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
 
Manual de Manejo de Matrizes Ross
Manual de Manejo de Matrizes Ross Manual de Manejo de Matrizes Ross
Manual de Manejo de Matrizes Ross
 

Mais de AgriPoint

Abordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAbordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAgriPoint
 
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVARESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVAAgriPoint
 
Relatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaRelatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaAgriPoint
 
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...AgriPoint
 
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaBoletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaAgriPoint
 
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) AgriPoint
 
Iniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - NutriçãoIniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - NutriçãoAgriPoint
 
Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020AgriPoint
 
Manual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinManual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinAgriPoint
 
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...AgriPoint
 
Manual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinManual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinAgriPoint
 
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteManual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteAgriPoint
 
A internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoA internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoAgriPoint
 
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICOAgriPoint
 
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados AgriPoint
 
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...AgriPoint
 
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...AgriPoint
 
Material Lallemand
Material Lallemand Material Lallemand
Material Lallemand AgriPoint
 

Mais de AgriPoint (20)

Abordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastitesAbordagem inovadora no tratamento das mastites
Abordagem inovadora no tratamento das mastites
 
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVARESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
RESUMO DE MERCADO: PREÇOS NOMINAIS - CADEIA PRODUTIVA
 
Relatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite ClínicaRelatório de Chance de Mastite Clínica
Relatório de Chance de Mastite Clínica
 
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
REGULAMENTO E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E COMPRA POR LEILÕES PROMOVIDOS POR E...
 
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. MamáriaBoletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
Boletim Técnico Vol. 1 - Verminoses x Desenv. Gl. Mamária
 
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP) INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
INTERNATIONAL WORKSHOP ON ADVANCES OF PROBIOTICS AND PREBIOTICS (IWAPP)
 
Iniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - NutriçãoIniciando no Leite - Nutrição
Iniciando no Leite - Nutrição
 
Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020Ebook - Top100 2020
Ebook - Top100 2020
 
Manual técnico - Boostin
Manual técnico - BoostinManual técnico - Boostin
Manual técnico - Boostin
 
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
CASAMENTO DE INTERESSES: A utilização de Essential traz benefícios financeiro...
 
Manual Técnico Boostin
Manual Técnico BoostinManual Técnico Boostin
Manual Técnico Boostin
 
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leiteManual de Resíduos de Antibióticos no leite
Manual de Resíduos de Antibióticos no leite
 
A internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informaçãoA internet como disseminadora da informação
A internet como disseminadora da informação
 
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
 
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
Unopar - Guia para o consumidor de leite e derivados
 
Top100 2018
Top100 2018Top100 2018
Top100 2018
 
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
Ebook Minerphos - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas...
 
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
Ebook - Como minimizar prejuízos referentes a acidose e micotoxinas do seu re...
 
Material Lallemand
Material Lallemand Material Lallemand
Material Lallemand
 
Material
MaterialMaterial
Material
 

E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI

  • 1.
  • 2. 2 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição Alexandre M. Pedroso, Engenheiro agrônomo formado pela ESALQ/USP., Ph.D. em Ciência Animal e Pastagens, com Pós-Doutorado em Nutrição de Ruminantes. Foi pesquisador da EMBRAPA Pecuária Sudeste e atualmente é consultor associado da Cowtech Consultoria e Planejamento, prestando serviços para empresas do mercado de nutrição de bovinos e para fazendas produtoras de leite. Rodrigo deAlmeida, Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal do Paraná, responsável pelas disciplinas de Produção de Bovinos de Leite e Corte e Técnicas Avançadas em Formulação de Rações. É Médico Veterinário formado pela UFPR, realizou mestrado em melhoramento animal pelaMcGillUniversity,Montreal,CanadáedoutoradoemnutriçãoderuminantespelaESALQ/USP. Atua também como consultor na área de nutrição de bovinos em propriedades leiteiras do Paraná e em confinamentos de bovinos de corte no Centro-Oeste. Introdução O chamado Período de Transição, que compreende as 3-4 semanas antes do parto e as 3-4 semanas pós-parto, é a fase mais estressante da vida produtiva de uma vaca leiteira. O correto manejodorebanhonesseperíodoéfundamentalparaqueasvacaspossamterumavidaprodutiva longa e eficiente. Erros de manejo nessa fase além de comprometerem a produção de leite, contribuem para piorar os índices reprodutivos e aumentar o índice de descarte de vacas no início da lactação. É imprescindível que nessa fase as vacas recebam toda atenção para que possam ter um parto tranquilo e um início de lactação isento de problemas, com boa produção de leite e bom desempenho reprodutivo. NaprimeiraediçãodoCursoOnline“Manejoealimentaçãodevacasemtransição”,osmaisde100 alunos participantes tiveram a oportunidade de tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto, através do fórum. Fizemos uma seleção de 20 perguntas e respostas do fórum para este e-book informativo.
  • 3. 3 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição Professor:Alexandre M. Pedroso Você deve simular quanto a vaca produziria a mais se você retardar a secagem e contabilizar o quanto isso significaria em receita, versus o custo de alimentação e manejo dessa vaca nesse período. Professor: Rodrigo deAlmeida Vou sugerir uma conta simplista que alguns produtores que atendo usam com frequência... Vamos dizer que o custo alimentar de uma vaca em lactação é de R$14,00.vaca.dia e de R$4,00. vaca.diaéocustoalimentardeumavacaseca.AdiferençaentreosdoiscustosédeR$10,00.vaca. dia. Se o preço líquido do litro de leite que recebe é por exemplo de R$1,00 por L, isto significa que se a vaca prestes a secar está produzindo acima de 10L, vale a pena mantê-la em lactação por mais alguns dias ou semanas (desde que um período seco mínimo de 45 dias seja respeitado). 1- Gostaria que explicassem melhor a questão de estudar a viabilidade econômica de se manter uma vaca produzindo ao invés de secá-la? Professor:Alexandre M. Pedroso O ideal é que as vacas não ganhem e nem percam peso durante o período seco. A meta é restabelecer o ECC (Escore de Condição Corporal) durante a lactação, para que a vaca chegue à secagem com o escore adequado para a parição. Professor: Rodrigo deAlmeida Perfeito Alexandre, concordo integralmente com sua resposta! As vacas já deveriam secar com o mesmo ECC que devem apresentar ao parto; 3,0 a 3,5, numa escala de 1 a 5 pontos. 2- O que podemos esperar em ganho de peso corporal em vacas no período seco? E em que condições nutricionais há maior facilidade para este ganho satisfatório?
  • 4. 4 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição Professor:Alexandre M. Pedroso Sim, da mesma forma que para vacas. A redução de consumo e o aumento na demanda por nutrientes se dá da mesma forma que para vacas, possivelmente numa intensidade menor, mas se a novilha se mostrar uma boa produtora de leite, pode haver tantos problemas quanto em uma vaca adulta. Professor: Rodrigo deAlmeida Concordo que há necessidade de fazer um manejo pré-parto também para as novilhas, mas se a sua pergunta fosse se há ou não necessidade de fornecer dietas aniônicas para novilhas, não temos um consenso na literatura. Muitos afirmam que as novilhas pouco se beneficiam das dietas aniônicas, mesmo porque dificilmente uma primípara terá hipocalcemia. Além disso, dietas aniônicasdeprimemoconsumoeistoéaindamaisprejudicialparafêmeasjovens.Masgeralmente comoacabamosmantendoasnovilhaseasvacasnomesmolotepré-partoacabamosfornecendo dietas aniônicas para todos os animais. 3- Há necessidade de fazer manejo pré-parto em novilhas? Professor:Alexandre M. Pedroso Mais importante do que os valores absolutos é acompanhar a variação do ECC. É preciso ter um treinamento básico na técnica de avaliação do ECC, mas é relativamente simples. Eu vou disponibilizar um material adicional para ajuda-lo com isso. Professor: Rodrigo deAlmeida Concordo com oAlexandre, um material de apoio como texto complementar pode ajudar, mas, 20 anos atrás quando comecei a fazer avaliações de ECC, o que mais me ajudou foi fazer avaliações com profissionais de maior experiência, ex-professores, etc. O ideal neste caso é fazer a avaliação estando sozinho e depois comparar seus escores com as avaliações do seu colega de maior experiência. É assim que tento ensinar meus alunos hoje! E uma última dica: sempre contenham as vacas nos canzis e toquem nas vacas (principalmente íleo, ísquio e inserção da cauda). Nunca façam ECC a distância ou usando fotos! 4- Qual é a dica para uma boa avaliação do Escore de Condição Corporal (ECC)? Como eu posso ter a segurança que na minha avaliação as vacas estão com o ECC correto?
  • 5. 5 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição 5-Professores,vivendocommuitoscasosdeanimaisaoextremo,comescorescorporais tanto altos, perto de 4 quanto muito baixos 2,5; 2,8 etc. Sempre tive alguns problemas com esses animais como por exemplo retenção de placenta, parto distócico, entre outros. Sempre observei maiores problemas em animais com escore alto demais ou baixo demais. Há correlação desses casos com o escore corporal? 6- Tratando dos cuidados que devemos ter com os animais recém-paridos, criamos lotes pós-parto imediato em práticas rotineiras nas propriedades assistidas. Na opinião e conhecimento de ambos qual seria o período recomendado para que os animais fiquem nesse lote tendo mais atenção (CMS, temperatura corporal...)? Professor:Alexandre M. Pedroso Arelação é direta.Animais com ECC muito elevado apresentarão consumo ainda mais deprimido no final da gestação e início da lactação, o que dentre outros problemas prejudica o sistema imune, abrindo as portas para essas ocorrências que você citou. As vacas com ECC muito baixo não possuem reservas suficientes para sustentar a demanda, e também ficarão mais sujeitas aos distúrbios metabólicos pós-parto. Pela minha experiência, os problemas de vacas com ECC excessivo são maiores. Professor: Rodrigo deAlmeida Concordo 100% com as palavras doAlexandre e não tenho mais nada a acrescentar. Professor:Alexandre M. Pedroso Eu costumo recomendar lotes pós-parto de 3-4 semanas. É uma estratégia que produz benefícios inestimáveis. Professor: Rodrigo deAlmeida Sua pergunta é relevante e acho que depende da época do ano e do número de partos previstos. Ou seja, quando há muitos partos concentrados numa determinada época, não adianta manter 3-4 semanas de permanência dos animais neste lote de recém-paridas e sacrificar o conforto dos animais por conta da sobrepopulação.Acho que é crítico manter os animais neste lote e monitorá- los de perto por no mínimo 10 a 14 dias. Estender este período de 2 para 3-4 semanas somente se a propriedade tiver instalações confortáveis para todos os animais. Outro ponto relevante é que normalmente esta dieta das recém-paridas é menos energética e se mantivemos os animais neste loteporaté30dias,poderemosestar”segurando”aproduçãodestasvacas.Estaéaminhaopinião, mas reconheço que este assunto é polêmico e que há técnicos que pensam diferente de mim.
  • 6. 6 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição 7-Professores,emrelaçãoàquantidadedeureiautilizadanadieta,podemosnosbasear em 1% da matéria-prima seca total? Poderia comentar alguma coisa sobre a quantidade adequada de ureia a ser utilizada sem causar danos à saúde animal. Professor: Rodrigo deAlmeida Dietas com adição de ureia pecuária não necessariamente causarão piora no desempenho reprodutivo.Seadietaforbemequilibrada,comosníveisadequadosdecarboidratosnãoestruturais (amido),aureiachegaráaorúmen,seráconvertidaemamônia(NH3),eesteNH3seráutilizadapela microbiota para a síntese de proteína microbiana. O que está comprovado é que níveis excessivos de ureia no leite causam sim um prejuízo reprodutivo, pois provocam uma ligeira redução do pH uterino, diminuindo as chances do embrião recém-formado se fixar à parede uterina. Professor:Alexandre M. Pedroso Esse valor de 1% da MS (matéria seca) total, via de regra, é seguro. Mas é fundamental adaptar corretamente os animais, fazendo a introdução gradual da ureia - começar com 50g ao dia e aumentarumpoucopordiaatéatingiradosefinal,depoisde7-10dias.Eujátrabalheiatécom250g/ vaca/dia,semproblemas.Ofundamentaléomanejodaalimentação,essaquantidadetemqueser fracionada e muito bem misturada à dieta total ou ao concentrado. E para não haver problemas, é imprescindível que a dieta tenha níveis adequados de CNF (carboidratos não fibrosos) para que os microrganismos ruminais tenham energia suficiente para utilizar adequadamente a ureia. Professor: Rodrigo deAlmeida Deinício,ressaltoqueconcordointegralmentecomarespostadoAlexandre.Naminhaexperiência em rebanhos leiteiros aqui no PR, dificilmente trabalho com inclusões superiores a 100 g/vaca/dia, porqueháumaprecauçãogeneralizadaentreosprodutoresquetrabalho,jáqueainclusãodeureia nadietapodeaumentarasconcentraçõesdenitrogênioureiconoplasmaenoleite,oquepodepor sua vez trazer prejuízos à fertilidade, como já discutimos em outras discussões deste fórum. Outra razão é que boa parte das gramíneas usadas aqui no sul já possuem alta degradabilidade ruminal e a ureia pecuária é 100% degradável. Ou seja, as dietas aqui do sul já apresentam um alto teor de PDR (proteína degradável no rúmen) e o que precisamos são fontes de PNDR (proteína não degradável no rúmen).
  • 7. 7 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição 8- No caso de encontrarmos um rebanho leiteiro onde 40% vacas em lactação estejam em BEN (balanço energético negativo) e com os ECC em torno de 2,5, qual seriam as medidas mais eficientes a serem tomadas, visando diminuir os problemas recentes e futuros? Como deveria ser administrada esta situação? Professor: Rodrigo deAlmeida Teríamos algumas opções; por exemplo, primeiro eu checaria o nível de energia da dieta e possivelmente aumentaria a inclusão de concentrado na dieta. Segundo: se a quantidade de concentrado já for alta, pensaria na inclusão de alguma fonte lipídica, como caroço de algodão, grão de soja integral ou gordura protegida. Terceiro: se for o caso, eu retardaria a aplicação de bST nestas vacas. E por fim, eu manteria estas vacas por mais tempo no Lote 1 de vacas de mais alta produção, para que elas possam recuperar seu escore antes de migrarem para um lote de menos leite.Talvez eu tenha me esquecido de alguma alternativa, mas no momento estas parecem ser as melhores opções. 9- Prezados professores, pensando em ECC de animais em lactação, qual seria o ideal pensando em animais em pastejo? Mesmo melhorando a suplementação energética da dieta, observo que o escore dos animais fica mais baixo, até onde podemos chegar e quais os impactos possíveis? Professor:Alexandre M. Pedroso OsparâmetrosdeECCabordadosaquinocursovalemtambémparavacasempastejo.Oprincipal limitante ao desempenho geral das vacas nesses sistemas é o consumo de pasto, e se você relata que mesmo aumentando a suplementação energética (imagino que via concentrado) não observa melhoranoECC,issoésinaldequeasvacasnãoestãoconsumindotodoopastodequeprecisam. Esse é um grande desafio do manejo de sistemas de produção em pastagens, e tudo passa pelo manejo do processo de pastejo de forma a oferecer às vacas a melhor forragem possível. Se as vacasnãoconseguiremreporadequadamenteoECCaolongodalactaçãoechegaremàsecagem e ao parto com poucas reservas corporais certamente terão seu desempenho comprometido na lactação seguinte. Professor: Rodrigo deAlmeida Sobre sua pergunta dos parâmetros de ECC para vacas em pastejo, concordo 100% com a resposta doAlexandre e não tenho mais nada a acrescentar.
  • 8. 8 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição 10- Caros professores, ouvimos muito sobre o uso de produtos que julgam ter ”bons” resultados em nossos animais, mas pouco é falado sobre esses produtos.Amonensina sódicaéumdeles,dizemquemelhoraaeficiênciaalimentardosanimais,etc.Gostariade saberseissoémitoouverdadeequaissãoosprincipaisbenefíciosdousodamonensina que podemos observar? Posso usar monensina em qualquer animal? Professor: Rodrigo deAlmeida Você tem razão em afirmar que, há muitos aditivos no mercado de nutrição de bovinos leiteiros, muitosdelessemeficáciacomprovada.Amonensinaporoutrolado,éprovavelmenteoaditivocom maior volume de dados comprovando sua eficácia e sua alta relação benefício: custo. No texto complementar disponibilizado no módulo 5 deste curso, o mecanismo de ação é detalhado; peço que dê uma olhada. Sim, a monensina melhora a eficiência alimentar de bovinos leiteiros, tanto de novilhas em crescimento, quanto de vacas em lactação ou secas. Não, não é um mito atribuir a monensina tais benefícios. Sim, podemos usar monensina em todas as categorias animais. Por último, quero voltara salientar que minha única restrição do uso da monensina é evitar altas dosagens, pois neste caso o consumo de MS será muito deprimido. 11- Gostaria de saber o posicionamento de vocês, quanto ao agrupamento de lotes pré e pós-parto, para melhor desempenho no início da lactação? Com intuito de diminuir a hierarquia e competição por alimentação e camas. Professor: Rodrigo deAlmeida Logicamente o número exato de lotes vai depender do tamanho do rebanho, mas idealmente para rebanhos de tamanho mediano a grande, minha sugestão seria agrupar as vacas em lactação em pelo menos 4 lotes:-Lote de Vacas Recém-Paridas (do dia do parto até 2-3 semanas pós-parto) -Lote de Vacas deAlta Produção -Lote de Vacas de Média e Baixa Produção -Lote de Primíparas Idealmente neste caso eu formularia uma dieta para cada lote, mas para facilitar o manejo não considero um absurdo fornecer a mesma dieta das vacas de alta produção para as primíparas, já que basicamente elas comem menos. Para as vacas secas, bastariam 2 lotes:
  • 9. 9 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição -Lote 1 de vacas secas (da secagem até 21 dias antes do parto) -Lote 2 de vacas secas (últimas 3 semanas pré-parto) Professor:Alexandre M. Pedroso Concordo100%comasrecomendaçõesdoProf.Rodrigo.Costumotrabalharseguindoosmesmos critérios. Professor:Alexandre M. Pedroso É isso mesmo. O uso das dietas aniônicas deve ser restrito às 3- 4 semanas antes do parto. Esse tema será discutido em maior profundidade ao longo do curso. Professor: Rodrigo deAlmeida Sobre seu questionamento que o uso de sal aniônico acima de 4 semanas pode já não fazer mais efeito, francamente nunca li nada a respeito. Reiterando o que respondi anteriormente, acho que a suplementação de dietas aniônicas deve ser limitada às últimas 3 semanas pré-parto por uma questão econômica e por uma questão de eficácia. 12- Parece que o uso de sais aniônicos acima de 4 semanas pode não fazer mais efeito. Isto é verdade? Professor:Alexandre M. Pedroso Para os rebanhos com os quais trabalho, costumamos fazer as dietas de novilhas em final de gestaçãocomcercade13-13,5%PB.Viaderegra,trabalhamoscomanimaisbemmenoresqueas novilhas típicas dos EUAe Canadá, desta forma é preciso ajustar as dietas. Outro ponto a pensar, équeointeresseépelaquantidadetotaldeproteínametabolizável(PM)disponívelparaosanimais e, não há um teor fixo de PB (proteína bruta) que proporcione uma determinada disponibilidade de PM. Minha preocupação sempre é em atender os requerimentos por PM. O Prof. Rodrigo trabalha 13- No módulo 1, existe uma recomendação genérica de 12,5 - 13,5% de PB na dieta do início do período seco. Esta recomendação condiz com as recomendações do NRC (2001), contudo o livro recomenda para novilhas um teor mais elevado nas dietas variando de 14-15% de PB devido ao menor consumo em relação às vacas multíparas e, ao crescimento mais pronunciado da glândula mamária. Esta recomendação do livro é aceitável atualmente?
  • 10. 10 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição com rebanhos no sul e talvez possa trazer mais elementos para essa discussão. Professor: Rodrigo deAlmeida Embora eu concorde com oAlexandre que devemos evitar a ”tentação” de apresentar números em PB e devemos discutir em PM, aqui no PR eu tendo a usar valores de PB um pouco mais altos do que os mencionados pelo Alexandre, algo mais próximo a 14%PB na dieta de novilhas prenhas, principalmente quando elas têm idade prevista ao 1º parto aos 23-24 meses e particularmente no caso de rebanhos que usam mais intensivamente as genéticas americana e canadense, onde o tamanho dos animais é de fato maior (exatamente como mencionou oAlexandre). Vocêtemrazãoemnosalertarquenovilhasfaltando60diasparaparirtêmexigênciasnutricionaisum pouco diferentes do que vacas faltando 60 dias para parir, mas na prática, em rebanhos pequenos e médios, e impraticável separar os 2 lotes. Por fim, também sou um pouco descrente quanto à eficácia da suplementação de fontes de PNDR e aminoácidos protegidos para vacas no período seco. Talvez seja ignorância minha, mas acredito que raríssimos rebanhos brasileiros poderiam se beneficiar deste tipo de suplementação! Temos muitas outras coisas mais prioritárias nesta fase. 14-QualénecessidadedeingestãodiáriadeproteínaeNDT(nutrientesdigestíveistotais) para novilhas no pré-parto? O que posso interpretar quando as glândulas mamárias e umbigo ficam extremamente inflamados no parto? Professor:Alexandre M. Pedroso Asdietasnopré-partovãocontercercade65-70%NDTe13-14%PB,destacandoqueoimportante é atender os requerimentos dos animais por proteína metabolizável. Com relação à sua outra questão,temoquenãopossaajudarmuito.TalvezoProf.Rodrigo,queéMédicoVeterinário,possa dar maiores informações. Professor: Rodrigo deAlmeida A primeira parte da pergunta já foi respondida pelo Alexandre. Quando a glândula mamária e o umbigo ficam muito inflamados no parto chamamos esta ocorrência de edema puerperal ou simplesmente edema pré-parto.Aocorrência é muito maior nas novilhas do que nas vacas adultas, mas em ambos os casos sua ocorrência pode ser minimizada com a suplementação de dietas aniônicas (mais uma vantagem deste tipo de suplementação).
  • 11. 11 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição 15- Na maioria das propriedades do interior do estado de Goiás, o trato é feito em cocho coletivo, onde se trata de um número elevado de vacas, no espaço físico pequeno, ocasionandoumacompetiçãonaalimentação,stress,alémdefraturas,lesões,ferimentos. O que é recomendado nesse caso para eliminar esses problemas. Cocho individual, lotes de tratamento? 16- Com base nesses conceitos que vocês citaram o que me dizem de pastagem rotacionada para vacas no pré-parto, tenho capins com teores de proteína acima de 15%, o que poderia faltar para esses animais poderia ser composto por um concentrado de menor valor comercial? Como seria esse concentrado? Professor: Rodrigo deAlmeida Seestascondiçõesquevocêrelatousãoparavacasnoiníciodoperíodoseco,definitivamentevocê tem um problema, mas se são para vacas no período pré-parto, você tem um GRANDE problema. Para espaçamento de cocho para vacas em lactação ou para vacas secas recomendamos 70 cm/ vaca,masparavacasnoperíodoperiparto(lotespré-partoerecém-paridas)asrecomendaçõesmais atuais são de 1,0 m/vaca. Vacas neste período não podem ter absolutamente nenhuma limitação de consumo! Não acho necessário, termos cochos individuais; basta seguir estas recomendações. Professor:Alexandre M. Pedroso Nada a acrescentar, concordo 100% com as colocações do Prof. Rodrigo. Professor:Alexandre M. Pedroso Épossívelmanejarasvacasemsistemarotacionado,masomódulodepastejotemqueproporcionar ótimas condições de conforto para as vacas em pré-parto. Topografia deve ser plana, deve haver grande disponibilidade de sombras, em locais secos e limpos, deve haver água disponível nos piquetes, áreas de descanso e corredores, boa oferta de forragem. Além disso, nos dias que antecedemopartoasvacasdevempermaneceremlocalquefaciliteomonitoramentoepermitaum parto tranquilo. O ideal é ter um piquete maternidade. Particularmente, eu prefiro manejar as vacas no pré-parto oferecendo dieta total no cocho, o que permite um controle muito melhor do consumo, de forma que é possível identificar rapidamente possíveis problemas e fazer intervenções mais precisas. Com relação à qualidade da forragem, num pasto com 15% PB a única necessidade de suplementação será alguma fonte de energia para atender os requerimentos, além dos minerais, é claro. O ideal é ter laudo de análise dessa forragem para poder formular corretamente a dieta dessas vacas.
  • 12. 12 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição Professor: Rodrigo deAlmeida O Alexandre é a pessoa mais indicada para responder sua pergunta sobre pastagem rotacionada para vacas no pré-parto; concordo integralmente com a resposta dele. Só gostaria de adicionar ao comentário que muitas pastagens novas e cheias de brotos e de áreas fortemente adubadas certamente têm altíssimas concentrações de potássio na sua composição, o que pode anular por completo qualquer possível ação do sal aniônico. É só um alerta e algo para pensar, ok? 17-Após a secagem dos animais, por quanto tempo ainda tenho que passá-las na sala de ordenha para monitorar a saúde do úbere? Professor:Alexandre M. Pedroso Passar as vacas secas pela sala de ordenha é uma questão de manejo de cada fazenda, não uma necessidade. Esse monitoramento da sanidade do úbere deve ser feito constantemente. Após a secagem, a glândula mamária acumula até 75-80% de sua produção diária, atingindo o acúmulo máximo de leite entre 2 a 3 dias após a secagem. Depois disso, a tendência é que o volume do úbere comece a diminuir. Se o manejo e o tratamento dos quartos funcionais com antibiótico intramamário forem adequados, a incidência de problemas será bem reduzida, mas é preciso ficar atento ao comportamento das vacas, como: ocorrência de febre, inchaço anormal e prolongado do úbere, etc. Professor: Rodrigo deAlmeida Para me auxiliar na sua resposta, pedi auxílio ao médico veterinário Sandro Viechnieski, gerente e umdossóciosproprietáriosdaFazendaIguaçu-StarMilk,nosudoestedoPR.Seguesuaresposta: “O ideal e correto é NÃO passar a vaca na sala de ordenha pois isto estimula a produção de leite. O correto é observar o animal por mais 5 dias no próprio lote de vacas secas. Por isto uma boa alternativa é o uso de selante de tetos junto com o antibiótico na secagem. Precisamos observar neste animal apenas se está tendo um aumento no volume do úbere em algum dos quartos.” Espero que a resposta do Sandro tenha atendido suas expectativas. 18-Professores,eunãocompreendiofatodetercomoformadeprevenirahipocalcemia a redução nos níveis dietéticos de (cálcio) Ca no pré-parto, sendo que, como tratamento suporte para vacas já caídas seria a aplicação de cálcio injetável IV. Como se explica isso? Professor:Alexandre M. Pedroso O processo parece complexo, mas na verdade é simples. Vou tentar resumir aqui.
  • 13. 13 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição O metabolismo de Ca é regulado por diferentes fatores. As vacas não conseguem ingerir a quantidade de Ca necessária para atender à demanda no início da lactação, nem que o teor desse elemento seja elevado na dieta. A saída é estimular a mobilização de Ca nas reservas ósseas, para que esse elemento esteja disponível para as vacas quando a demanda surgir. Isso se faz causando uma leve acidose metabólica – com o uso das dietas aniônicas - ou reduzindo a oferta de Ca no pré-parto, de forma que o organismo da vaca seja obrigado a mobilizar o Ca dos ossos paraatenderademanda.Noiníciodalactação,quandoesseprocessodemobilizaçãojáestiverem pleno funcionamento, volta-se a elevar os teores de Ca na dieta, de forma que as vacas possam ter o suprimento adequado desse elemento no sangue. 19- Prezados professores, muitos nutricionistas usam como ferramenta o adensamento energético da dieta logo no pós-parto com a inclusão de gordura protegida que é composta basicamente pelos ácidos graxos essenciais (linolênico e linoleico), porém, a respostaprodutivaàsuplementaçãocomfonteslipídicasébastantevariável,comrelação à produção. No entanto, a utilização desta fonte alternativa de energia vem aumentando e trazendo bons resultados com relação a características reprodutivas no pós-parto. Gostaria de saber seus posicionamentos ou ideias sobre o adensamento energético? Professor: Rodrigo deAlmeida Sobre a suplementação de gordura protegida (na verdade, sais cálcicos de ácidos graxos) no período pós-parto, percebo que há duas correntes distintas; um primeiro grupo que recomenda a suplementação destas gorduras protegidas, por conta do suposto benefício na reprodução e, um segundo grupo que não recomenda este tipo de suplementação, por conta do decréscimo no consumo de MS tipicamente observado quando suplementamos fontes de gordura. Não sei qual é a opinião do colegaAlexandre, mas eu sou mais simpático ao segundo grupo, ou seja, tipicamente não recomendo a suplementação de gordura protegida logo no início da lactação. Quero deixar claro que acredito nos benefícios da suplementação com gordura protegida, mas prefiro iniciar a suplementação após 3-4 semanas pós-parto, quando o consumo de MS já é um pouco mais alto. Por fim quero frisar um ponto básico, mas, importante; se o objetivo na suplementação de gordura é a melhoria na reprodução, devemos usar sais cálcicos de ácidos graxos de óleo de soja e não de óleo de palma, porque afinal o nosso interesse é aumentar o aporte dos ácidos graxos linoleico e linolênico, que são encontrados em satisfatórias concentrações somente na gordura protegida produzida com óleo de soja. Professor:Alexandre M. Pedroso Conceitualmente eu concordo com o Prof. Rodrigo, é preferível não arriscar comprometer o consumo de matéria seca fornecendo gordura para as recém-paridas. Há dados recentes de pesquisa da ESALQ mostrando um grande benefício do fornecimento de sais de cálcio a partir
  • 14. 14 20 perguntas sobre: Manejo e alimentação de vacas em transição de 15 dias de lactação, e eu pretendo testar esse manejo em breve aqui na EMBRAPA e numa fazendacomercial.Aprincípioosprodutosàbasedegorduradepalmadeveminterferirmenoscom consumo e digestibilidade de fibras por apresentarem perfil de ácidos graxos mais saturados, mas temos que testar isso mais vezes. 20- Gostaria de saber quais seriam as recomendações para o uso de colina protegida? Começaria no pré-parto (21 antes da parição prevista) e iria até quantos dias pós-parto? Professor:Alexandre M. Pedroso Se for usar a colina protegida a recomendação é por todo o período de transição - 3 semanas antes até 3 semanas após o parto. Para vacas de alta produção, pode ser interessante prolongar o fornecimento um pouco mais para minimizar os efeitos da mobilização excessiva de gordura no início da lactação Professor: Rodrigo deAlmeida Mais uma vez concordo 100% com a resposta do Alexandre. Para a colina funcionar ela dever ser suplementada no pré e no pós-parto! É importante chamar a atenção deste ponto porque a suplementaçãocomcolinaécaraeporissonamaioriadosrebanhosquevisito,acolinasomenteé suplementadaemumdosdoisperíodos!Custaametade,masmuitasvezesobenefíciodesaparece!