SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade Eduvale de Avaré 
Workshop de Biotecnologia 
Diagnóstico Laboratorial de Doenças 
Infecciosas e Parasitárias 
Dr. MMeessssiiaass MMiirraannddaa JJuunniioorr 
mmeessssiiaass__mmiirraannddaa@@yyaahhoooo..ccoomm..bbrr
MATERIAIS BIOLÓGICOS 
Sangue 
Urina 
Fezes 
Escarro 
Cortes teciduais
“O SANGUE É UM TECIDO FORMADO DE ESTRUTURAS 
CÉLULARES E NÃO CELULARES EM SUSPENÇÃO NO MEIO 
LÍQUIDO, O PLASMA”
HEMOGRAMA COMPLETO 
Leucograma 
Contagem global 
Contagem diferencial 
Morfologia 
HHEEMMOOGGRRAAMMAA 
Plaquetas 
Quantificação 
Eritrograma 
Hemoglobina 
Hematócrito 
Morfologia 
Contagem
CONFECÇÃO DO ESFREGAÇO SANGUÍNEO
AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA 
AUTOMAÇÃO X ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS 
BIOTECNOLOGIA
LEUCOGRAMA: 
NEUTRÓFILOS SEGMENTADOS 
• Granulócitos leucócitos mais comuns no sangue (55- 
65%); 
• Têm núcleo segmentado, com 2 a 5 lobos; 
• Apresentam atividade fagocitária, é a célula principal 
da resposta imunológica aguda 
NEUTRÓFILOS BASTONETES 
• (3-6%);
LEUCOGRAMA: 
EOSINÓFILOS 
• Correspondem a 1-4% do total de leucócitos, e 
são distinguíveis pelos seus grânulos 
acidofílicos (vermelho/laranja); 
• Possui núcleo lobulado; 
• São ativados frente a uma infecção parasitária. 
BASÓFILOS 
•Compreendem menos de 1% do total de leucócitos e 
são distinguidos pelos grânulos azul escuro 
específicos proeminentes que contém histamina, e 
heparina; 
•O núcleo está usualmente obscurecido pelo 
densidade dos grânulos; 
•Geralmente estão envolvidos em processos alérgicos.
LEUCOGRAMA: 
MONÓCITOS 
•São as maiores células vistas no esfregaço 
sangüíneo e constituem 4 a 8% dos leucócitos; 
•Podem sair da corrente sangüínea e se tornar 
macrófagos tissulares. 
LINFÓCITOS 
• É uma célula arredondada ou ovalada com núcleo 
que ocupa a maior parte da célula. O nucléolo pode 
estar presente, mas a cromatina densa impede a 
distinção; 
• Participam da resposta imune adquirida.
ANTICORPOS 
Fab 
Fc 
DIAGNÓSTICO DIRETO X DIAGNÓSTICO INDIRETO
DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 
DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS 
ISOLAMENTO, CULTURA E IDENTIFICAÇÃO
Métodos Clássicas de Identificação Bacteriana 
ISOLAMENTO PRIMÁRIO EM MEIO NÃO SELETIVO 
(Condições de Temperatura e Atmosfera adequadas) 
Características da colônia 
Coloração de Gram 
Análise das características 
morfológicas e tintoriais 
Provas Bioquímicas de 
Identificação
MEIO DE CULTURA SELETIVO
Características da Colônia 
Tamanho 
Pequeno 
Médio 
Grande 
Densidade = transparente, opaca e translúcida 
Consistência = brilhante, cremosa, seca ou mucóide 
Cor = cinza, branca, amarela, rosa, esverdeada, negra, incolor, creme etc.
PREPARAÇÃO DA AAMMOOSSTTRRAA EEMM LLAABBOORRAATTÓÓRRIIOO 
Isolamento de bactérias em amostras clínicas – Método de Esgotamento. 
Identificação microbiológica 
características morfológicas 
Violeta de Genciana 
Lugol 
Álcool/Acetona 
Safranina 
Identificação (Características morfológicas e tintoriais)
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL 
Provas para identificação de vias metabólicas utilizadas pelos 
microrganismos: 
-Teste da coagulase; 
- Teste da catalase; 
- Fermentação; 
- Amilase; 
- Citrato.... 
USO DE TABELAS DE IDENTIFICAÇÃO
ANTIBIOGRAMA E RESISTÊNCIA MICROBIANA
MÉTODOS MOLECULARES 
REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO EM CADEIA 
(PCR)
MÉTODOS MOLECULARES 
REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO EM CADEIA 
(PCR) 
5’ Gene X 3’ 
3’ 5’ 
5’ 
3’ 
5’ 
9922ooCC 
54oC 
3’ 5’ 
5’ 
3’ 
5’ 72oC 
3’ 5’
MÉTODOS MOLECULARES 
ELETROFORESE DE DNA
DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 
DOENÇAS CAUSADAS POR PARASITAS (EPF) 
EXAME MACROSCÓPICO DAS FEZES 
• Pesquisa de proglotes; 
• Vermes adultos; 
• Consistência; 
• Presença de sangue; 
• Restos alimentares. 
Taenia sp.
MÉTODO DIRETO 
• Método fácil e barato; 
• Permite visualizar protozoários (trofozoítas e cistos) e helmintos (ovos, larvas e 
proglotes); 
TÉCNICA 
• Colocar pequena porção de fezes em uma lâmina de microscopia. (diluir em 
salina se necessário); 
• Adicionar lugol e cobrir com lamínula; 
• Examinar ao microscópio. 
MÉTODO DE HOFFMAN 
• Método de sedimentação espontânea (mínimo 2 horas); 
• Permite o encontro de larvas, helmintos e cistos e protozoários; 
• Mais utilizado nos laboratórios de rotina.
MÉTODO DE HOFFMAN
TÉCNICA DA FITA GOMADA OU SWAB ANAL 
(Enterobius vermiculares – oxiúrus) 
Técnica deve ser realizada ao amanhecer, antes do paciente fazer higiene anal; 
TÉCNICA 
• Colocar uma fita adesiva transparente sobre o fundo de um tubo de ensaio, 
com o lado adesivo para fora; 
• Abrir a prega anal e encostar a face adesiva várias vezes na região perianal; 
• Fixar a fita em lâmina; 
• Observar ao microscópio. 
Enterobius vermicularis
ANÁLISE MICROSCÓPICA EPF
DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 
DOENÇAS CAUSADAS POR VIRUS 
• Hepatites virais; 
• HIV; 
• Sífilis; 
• Grande variedade de diagnósticos: 
• Quantificação de anticorpos totais; 
• Quantificação de IgM e IgG; 
• Determinação semi quantitativa: 
• Determinação de carga viral. 
• Normas do ministério da saúde. 
DIAGNÓSTICO INDIRETO X DIAGNÓSTICO DIRETO
TESTES RÁPIDOS 
Resultado em poucos minutos; 
Sensibilidade e especificidade elevada; 
Uso restrito: situações em que o diagnóstico é essencial para a conduta imediata 
(gestantes, acidente ocupacional).
Teste com alta sensibilidade (habilidade de detectar 
quantidades mínimas do Ag ou Ac pesquisados; 
Teste com alta especificidade (característica que 
indica que o teste em questão identificará somente o 
Ag ou Ac desejado) – menor risco de falsos-positivos; 
Permite que várias amostras sejam testadas ao 
mesmo tempo; 
Realização relativamente rápida e simples.
1) Um Ac conhecido é adicionado à placa e 
se liga à sua superfície; 
2) Lavagens são feitas para retirar os Ac 
livres; 
3) Adiciona-se a solução com o Ag a ser 
pesquisado e este, caso presente, se liga 
aos Ac nos poços; 
4) Realiza-se lavagens para retirar o Ag não 
capturado; 
5) Adiciona-se conjugado específico para o Ag 
procurado; 
6) Novas lavagens retiram o conjugado 
livre; 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Y 
Conjugado 
Y 
Y 
Antígeno 
Anticorpo Cromógeno 
7) O cromógeno é adicionado, e se o 
cromógeno for oxidado pela ação da reação 
enzimática, haverá desenvolvimento de cor; 
8) Realizar a leitura no leitor de ELISA.
Y 
Y 
Y 
YY 
YY 
Y 
Y 
Y 
Y 
YY 
YY 
Y 
Conjugado 
Y 
Y 
Antígeno 
Anticorpo Cromógeno 
1) Inicialmente, o Ag é adicionado à placa e se 
adere à superfície dos poços; 
2) Em seguida, são realizadas lavagens para a 
retirada do Ag livre nos poços; 
3) A solução a ser pesquisada é adicionada. 
Caso contenha Acs específicos contra os Ags 
presentes na placa, estes se ligarão aos Ags; 
4) Uma nova série de lavagens é realizada 
para retirar os Acs que não se ligaram aos 
Ags 
5) É então adicionado o conjugado, que se 
liga aos Acs 
6) Uma nova lavagem retira o conjugado livre 
7) O cromógeno é adicionado, e se o 
cromógeno for oxidado pela ação da reação 
enzimática, haverá desenvolvimento de cor; 
8) Realizar a leitura no leitor de ELISA.
Faculdade Eduvale de Avaré 
Workshop de Biotecnologia 
Diagnóstico Laboratorial de Doenças 
Infecciosas e Parasitárias 
Dr. MMeessssiiaass MMiirraannddaa JJuunniioorr 
mmeessssiiaass__mmiirraannddaa@@yyaahhoooo..ccoomm..bbrr 
Cerqueira Cesar -SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Células e Tecidos
Células e TecidosCélulas e Tecidos
Células e Tecidos
LABIMUNO UFBA
 
Imunodiagnostico
ImunodiagnosticoImunodiagnostico
Imunodiagnostico
Taillany Caroline
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
HIAGO SANTOS
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
João Marcos
 
Imunodiagnóstico
ImunodiagnósticoImunodiagnóstico
Imunodiagnóstico
LABIMUNO UFBA
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
Jamile Vitória
 
Cocos Gram positivos
Cocos Gram positivosCocos Gram positivos
Cocos Gram positivos
Rodrigo Caixeta
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
Ricardo Portela
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Mario Gandra
 
Slide codigo de ética biomedico
Slide codigo de ética biomedicoSlide codigo de ética biomedico
Slide codigo de ética biomedico
Damianacamila
 
Imunodiagnóstico de doenças infecciosas
Imunodiagnóstico de doenças infecciosasImunodiagnóstico de doenças infecciosas
Imunodiagnóstico de doenças infecciosas
Sandra Lago Moraes
 
Fisiologia Gastrointestinal - Resumo
Fisiologia Gastrointestinal - ResumoFisiologia Gastrointestinal - Resumo
Fisiologia Gastrointestinal - Resumo
Centro Universitário Ages
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
Publicações Weinmann
 
Anticorpos Função
Anticorpos FunçãoAnticorpos Função
Anticorpos Função
LABIMUNO UFBA
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
Julio Dutra
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Tecido óSseo
Tecido óSseoTecido óSseo
Tecido óSseo
Natalianeto
 
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
Maxwell Castro
 
Introdução a patologia veterinária
Introdução a patologia veterináriaIntrodução a patologia veterinária
Introdução a patologia veterinária
Marília Gomes
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
Messias Miranda
 

Mais procurados (20)

Células e Tecidos
Células e TecidosCélulas e Tecidos
Células e Tecidos
 
Imunodiagnostico
ImunodiagnosticoImunodiagnostico
Imunodiagnostico
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
Imunodiagnóstico
ImunodiagnósticoImunodiagnóstico
Imunodiagnóstico
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Cocos Gram positivos
Cocos Gram positivosCocos Gram positivos
Cocos Gram positivos
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
 
Slide codigo de ética biomedico
Slide codigo de ética biomedicoSlide codigo de ética biomedico
Slide codigo de ética biomedico
 
Imunodiagnóstico de doenças infecciosas
Imunodiagnóstico de doenças infecciosasImunodiagnóstico de doenças infecciosas
Imunodiagnóstico de doenças infecciosas
 
Fisiologia Gastrointestinal - Resumo
Fisiologia Gastrointestinal - ResumoFisiologia Gastrointestinal - Resumo
Fisiologia Gastrointestinal - Resumo
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Anticorpos Função
Anticorpos FunçãoAnticorpos Função
Anticorpos Função
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
 
Tecido óSseo
Tecido óSseoTecido óSseo
Tecido óSseo
 
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.Exames laboratoriais   uma visão geral - maxwell castro.
Exames laboratoriais uma visão geral - maxwell castro.
 
Introdução a patologia veterinária
Introdução a patologia veterináriaIntrodução a patologia veterinária
Introdução a patologia veterinária
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 

Semelhante a Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias

Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Messias Miranda
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Messias Miranda
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
Tamara Garcia
 
Artigo bioterra v15_n2_09
Artigo bioterra v15_n2_09Artigo bioterra v15_n2_09
Artigo bioterra v15_n2_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Teste elisa
Teste elisa Teste elisa
Teste elisa
dbarrosr
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
Estela Costa
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
Jeronimo Oliveira
 
Citotoxicidade
CitotoxicidadeCitotoxicidade
Citotoxicidade
Marcio Campiao
 
ICSA17 - ELISA
ICSA17 - ELISAICSA17 - ELISA
ICSA17 - ELISA
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
Ricardo Portela
 
Biossegurana
BiosseguranaBiossegurana
Biossegurana
Claudio Cruz Santos
 
Sedimentoscopia - contaminantes/artefatos
Sedimentoscopia - contaminantes/artefatosSedimentoscopia - contaminantes/artefatos
Sedimentoscopia - contaminantes/artefatos
Fernanda Clara
 
Apresentação do Estágio - André A.
Apresentação do Estágio - André A.Apresentação do Estágio - André A.
Apresentação do Estágio - André A.
André Andrejewski
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
LABIMUNO UFBA
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
LABIMUNO UFBA
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
Ivson Cassiano
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
Rosimeire Areias
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Claysson Xavier
 
Método Elisa
Método ElisaMétodo Elisa
Método Elisa
Francisco Evaldo
 
Análises da urina
Análises da urinaAnálises da urina
Análises da urina
giovani
 

Semelhante a Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias (20)

Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
 
Artigo bioterra v15_n2_09
Artigo bioterra v15_n2_09Artigo bioterra v15_n2_09
Artigo bioterra v15_n2_09
 
Teste elisa
Teste elisa Teste elisa
Teste elisa
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
 
Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2Relatorio de estagio 2
Relatorio de estagio 2
 
Citotoxicidade
CitotoxicidadeCitotoxicidade
Citotoxicidade
 
ICSA17 - ELISA
ICSA17 - ELISAICSA17 - ELISA
ICSA17 - ELISA
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
 
Biossegurana
BiosseguranaBiossegurana
Biossegurana
 
Sedimentoscopia - contaminantes/artefatos
Sedimentoscopia - contaminantes/artefatosSedimentoscopia - contaminantes/artefatos
Sedimentoscopia - contaminantes/artefatos
 
Apresentação do Estágio - André A.
Apresentação do Estágio - André A.Apresentação do Estágio - André A.
Apresentação do Estágio - André A.
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Método Elisa
Método ElisaMétodo Elisa
Método Elisa
 
Análises da urina
Análises da urinaAnálises da urina
Análises da urina
 

Mais de Messias Miranda

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Messias Miranda
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
Messias Miranda
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Messias Miranda
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
Messias Miranda
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
Messias Miranda
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
Messias Miranda
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
Messias Miranda
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Messias Miranda
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
Messias Miranda
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
Messias Miranda
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
Messias Miranda
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
Messias Miranda
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Messias Miranda
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Messias Miranda
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Messias Miranda
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
Messias Miranda
 
Enzimas
EnzimasEnzimas

Mais de Messias Miranda (20)

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (9)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias

  • 1. Faculdade Eduvale de Avaré Workshop de Biotecnologia Diagnóstico Laboratorial de Doenças Infecciosas e Parasitárias Dr. MMeessssiiaass MMiirraannddaa JJuunniioorr mmeessssiiaass__mmiirraannddaa@@yyaahhoooo..ccoomm..bbrr
  • 2. MATERIAIS BIOLÓGICOS Sangue Urina Fezes Escarro Cortes teciduais
  • 3. “O SANGUE É UM TECIDO FORMADO DE ESTRUTURAS CÉLULARES E NÃO CELULARES EM SUSPENÇÃO NO MEIO LÍQUIDO, O PLASMA”
  • 4.
  • 5. HEMOGRAMA COMPLETO Leucograma Contagem global Contagem diferencial Morfologia HHEEMMOOGGRRAAMMAA Plaquetas Quantificação Eritrograma Hemoglobina Hematócrito Morfologia Contagem
  • 7. AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO X ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS BIOTECNOLOGIA
  • 8. LEUCOGRAMA: NEUTRÓFILOS SEGMENTADOS • Granulócitos leucócitos mais comuns no sangue (55- 65%); • Têm núcleo segmentado, com 2 a 5 lobos; • Apresentam atividade fagocitária, é a célula principal da resposta imunológica aguda NEUTRÓFILOS BASTONETES • (3-6%);
  • 9. LEUCOGRAMA: EOSINÓFILOS • Correspondem a 1-4% do total de leucócitos, e são distinguíveis pelos seus grânulos acidofílicos (vermelho/laranja); • Possui núcleo lobulado; • São ativados frente a uma infecção parasitária. BASÓFILOS •Compreendem menos de 1% do total de leucócitos e são distinguidos pelos grânulos azul escuro específicos proeminentes que contém histamina, e heparina; •O núcleo está usualmente obscurecido pelo densidade dos grânulos; •Geralmente estão envolvidos em processos alérgicos.
  • 10. LEUCOGRAMA: MONÓCITOS •São as maiores células vistas no esfregaço sangüíneo e constituem 4 a 8% dos leucócitos; •Podem sair da corrente sangüínea e se tornar macrófagos tissulares. LINFÓCITOS • É uma célula arredondada ou ovalada com núcleo que ocupa a maior parte da célula. O nucléolo pode estar presente, mas a cromatina densa impede a distinção; • Participam da resposta imune adquirida.
  • 11. ANTICORPOS Fab Fc DIAGNÓSTICO DIRETO X DIAGNÓSTICO INDIRETO
  • 12. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS ISOLAMENTO, CULTURA E IDENTIFICAÇÃO
  • 13. Métodos Clássicas de Identificação Bacteriana ISOLAMENTO PRIMÁRIO EM MEIO NÃO SELETIVO (Condições de Temperatura e Atmosfera adequadas) Características da colônia Coloração de Gram Análise das características morfológicas e tintoriais Provas Bioquímicas de Identificação
  • 14. MEIO DE CULTURA SELETIVO
  • 15. Características da Colônia Tamanho Pequeno Médio Grande Densidade = transparente, opaca e translúcida Consistência = brilhante, cremosa, seca ou mucóide Cor = cinza, branca, amarela, rosa, esverdeada, negra, incolor, creme etc.
  • 16. PREPARAÇÃO DA AAMMOOSSTTRRAA EEMM LLAABBOORRAATTÓÓRRIIOO Isolamento de bactérias em amostras clínicas – Método de Esgotamento. Identificação microbiológica características morfológicas Violeta de Genciana Lugol Álcool/Acetona Safranina Identificação (Características morfológicas e tintoriais)
  • 17. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Provas para identificação de vias metabólicas utilizadas pelos microrganismos: -Teste da coagulase; - Teste da catalase; - Fermentação; - Amilase; - Citrato.... USO DE TABELAS DE IDENTIFICAÇÃO
  • 19. MÉTODOS MOLECULARES REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO EM CADEIA (PCR)
  • 20. MÉTODOS MOLECULARES REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO EM CADEIA (PCR) 5’ Gene X 3’ 3’ 5’ 5’ 3’ 5’ 9922ooCC 54oC 3’ 5’ 5’ 3’ 5’ 72oC 3’ 5’
  • 22. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DOENÇAS CAUSADAS POR PARASITAS (EPF) EXAME MACROSCÓPICO DAS FEZES • Pesquisa de proglotes; • Vermes adultos; • Consistência; • Presença de sangue; • Restos alimentares. Taenia sp.
  • 23. MÉTODO DIRETO • Método fácil e barato; • Permite visualizar protozoários (trofozoítas e cistos) e helmintos (ovos, larvas e proglotes); TÉCNICA • Colocar pequena porção de fezes em uma lâmina de microscopia. (diluir em salina se necessário); • Adicionar lugol e cobrir com lamínula; • Examinar ao microscópio. MÉTODO DE HOFFMAN • Método de sedimentação espontânea (mínimo 2 horas); • Permite o encontro de larvas, helmintos e cistos e protozoários; • Mais utilizado nos laboratórios de rotina.
  • 25.
  • 26. TÉCNICA DA FITA GOMADA OU SWAB ANAL (Enterobius vermiculares – oxiúrus) Técnica deve ser realizada ao amanhecer, antes do paciente fazer higiene anal; TÉCNICA • Colocar uma fita adesiva transparente sobre o fundo de um tubo de ensaio, com o lado adesivo para fora; • Abrir a prega anal e encostar a face adesiva várias vezes na região perianal; • Fixar a fita em lâmina; • Observar ao microscópio. Enterobius vermicularis
  • 28. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DOENÇAS CAUSADAS POR VIRUS • Hepatites virais; • HIV; • Sífilis; • Grande variedade de diagnósticos: • Quantificação de anticorpos totais; • Quantificação de IgM e IgG; • Determinação semi quantitativa: • Determinação de carga viral. • Normas do ministério da saúde. DIAGNÓSTICO INDIRETO X DIAGNÓSTICO DIRETO
  • 29. TESTES RÁPIDOS Resultado em poucos minutos; Sensibilidade e especificidade elevada; Uso restrito: situações em que o diagnóstico é essencial para a conduta imediata (gestantes, acidente ocupacional).
  • 30. Teste com alta sensibilidade (habilidade de detectar quantidades mínimas do Ag ou Ac pesquisados; Teste com alta especificidade (característica que indica que o teste em questão identificará somente o Ag ou Ac desejado) – menor risco de falsos-positivos; Permite que várias amostras sejam testadas ao mesmo tempo; Realização relativamente rápida e simples.
  • 31. 1) Um Ac conhecido é adicionado à placa e se liga à sua superfície; 2) Lavagens são feitas para retirar os Ac livres; 3) Adiciona-se a solução com o Ag a ser pesquisado e este, caso presente, se liga aos Ac nos poços; 4) Realiza-se lavagens para retirar o Ag não capturado; 5) Adiciona-se conjugado específico para o Ag procurado; 6) Novas lavagens retiram o conjugado livre; Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Conjugado Y Y Antígeno Anticorpo Cromógeno 7) O cromógeno é adicionado, e se o cromógeno for oxidado pela ação da reação enzimática, haverá desenvolvimento de cor; 8) Realizar a leitura no leitor de ELISA.
  • 32. Y Y Y YY YY Y Y Y Y YY YY Y Conjugado Y Y Antígeno Anticorpo Cromógeno 1) Inicialmente, o Ag é adicionado à placa e se adere à superfície dos poços; 2) Em seguida, são realizadas lavagens para a retirada do Ag livre nos poços; 3) A solução a ser pesquisada é adicionada. Caso contenha Acs específicos contra os Ags presentes na placa, estes se ligarão aos Ags; 4) Uma nova série de lavagens é realizada para retirar os Acs que não se ligaram aos Ags 5) É então adicionado o conjugado, que se liga aos Acs 6) Uma nova lavagem retira o conjugado livre 7) O cromógeno é adicionado, e se o cromógeno for oxidado pela ação da reação enzimática, haverá desenvolvimento de cor; 8) Realizar a leitura no leitor de ELISA.
  • 33.
  • 34. Faculdade Eduvale de Avaré Workshop de Biotecnologia Diagnóstico Laboratorial de Doenças Infecciosas e Parasitárias Dr. MMeessssiiaass MMiirraannddaa JJuunniioorr mmeessssiiaass__mmiirraannddaa@@yyaahhoooo..ccoomm..bbrr Cerqueira Cesar -SP