SlideShare uma empresa Scribd logo
Messias Miranda Junior
messias.miranda@yahoo.com.br
Unidade Itapetininga - SP
RECEPTORES DE ANTÍGENOS E
MOLÉCULAS ACESSÓRIAS DOS
LINFÓCITOS T
LINFÓCITOS
Células com função de defesa contra infecções;
Únicas células do corpo capazes de reconhecer e distinguir diferentes determinantes
antigênicos;
Especificidade e memória;
Linfócitos T reconhecem o antígeno ligado ao MHC através dos receptores de células
T (TCR) - semelhante às Igs
O S L I N F Ó CI TO S T P O S S U E M R E C E P TO RE S E M S U A M E M B R A NA C O M
F U N Ç Õ E S E S P E C Í FI C AS N A R E S P O S TA I M U N O LÓ G I CA :
R E C O N H E CI M E N TO E S P E C Í FI C O D O A N T Í G E NO , T R A N S D U Ç Ã O D E
S I N A I S E A D E S Ã O I N T E R C E LU L AR .
O T C R É O R E C E P TO R D E M E M B RA N A R E S P O NS Á V E L P E L O
R E C O N H E CI M E N TO D O A N T Í G E NO A P R E S E N TA DO P E L O M H C
O T C R É F O R M A DO P O R D U A S C A D E I A S P O L I P E P TÍ DI C A S C O M U M A
R E G I Ã O N T E R M I N A L VA R I Á V E L, U M D O M Í NI O I G C O N S TA N T E , U M A
R E G I Ã O T R A N S M E M B R ÂN I C A E U M C U R TO D O M Í NI O I N T R A
C I TO P LA S MÁ TI C O .
TCR αβ
T C R : p r e s e nt e n a s c é l u l a s T C D 4 + e C D 8 + ;
P o s s ui u m a r e g i ã o c o n s t a nt e ( C ) e u m a r e g i ã o v a r i á v e l ( V ) ;
P o s s ui u m a c a d e i a α l f a e u m a c a d e i a β e t a ;
R e g i ã o V: v a r i a bi l i da d e d o s T C R s
O T C R N Ã O É S E C R E TA DO , É A N C O R A D O N A M E M B R A NA D O S
L I N F Ó CI TO S T A O N D E FA R Á O R E C O N H E CI M E N TO D O C O M P L E X O
P E P TÍ D E O - M HC ( S I N A P S E I M U N O L Ó G IC A )
A S P R O T E Í N A S C D 3 E S T Ã O A S S O C I A D AS D E F O R M A N Ã O C O VA L E N TE
A O H E T E R O DÍ M E R O D O T C R E Q U A N D O E S T E R E C O N H E CE O
P E P TÍ D E O A S S O C I A D O A O M H C , E S TA S P R O T E Í N A S T R A N S D U Z E M O S
S I N A I S Q U E L E VA M À AT I VA Ç Ã O D O LT
MOLÉCULAS ACESSÓRIAS DE CÉLULAS T
• LIGAM-SE ESPECIFICAMENTE A OUTRAS MOLÉCULAS NA MEMBRANA DE APCS,
CÉLULAS ENDOTELIAIS E MATRIZ EXTRACELULAR;
• NÃO APRESENTAM REGIÕES VARIÁVEIS E NÃO SÃO POLIMÓRFICAS;
• ESTÃO ENVOLVIDAS COM O PROCESSO DE SINALIZAÇÃO PARA O INTERIOR DOS
LINFÓCITOS E NA ATIVAÇÃO/REGULAÇÃO DA RESPOSTA IMUNE;
• RELACIONADAS AO AUMENTO DA ADESÃO LINFÓCITO T/APC E PASSAGEM PARA
LINFÓCITOS PARA O TECIDO E RETENÇÃO DAS CÉLULAS NESSES.
MOLÉCULAS ACESSÓRIAS DE CÉLULAS T
CD4 E CD8
RESPONSÁVEIS PELA ESTABILIZAÇÃO DO COMPLEXO PEPTÍDEO-MHC-TCR,
PARTICIPANDO DA TRANSDUÇÃO DE SINAL APÓS O RECONHECIMENTO DO ANTÍGENO
(PRIMEIRO SINAL)
PARTICIPAM DE FORMA CRUCIAL DO PROCESSO DE MATURAÇÃO DOS LINFÓCITOS T
G L I CO P RO T E ÍN A S T R A N S M E M B R ÂN I CA S
P E R T E N C E N TE S A S U P E R FA M ÍLI A D A S I M U N O G LU BI N A S .
CO-RECEPTORES (CD4 OU CD8)
Principal função:
Transduzir sinal no momento do reconhecimento do antígeno;
Reforçar a ligação entre os linfócitos T e as APC’s
CD28 E CTLA-4
• CD28 – QUANDO SE LIGA A B7-1/B7-2 NA APC, É RESPONSÁVEL PELO SEGUNDO SINAL,
COMPLETANDO A ATIVAÇÃO DO LINFÓCITO;
• CTLA-4 – PRESENTE NA MEMBRANA DE LINFÓCITOS T ATIVADOS, TAMBÉM SE LIGAM A
B7-1/B7-2 NA MEMBRANA DE APCS, INIBINDO A ATIVAÇÃO DO LINFÓCITO, E
PARTICIPANDO DESSA FORMA DA REGULAÇÃO DA RESPOSTA IMUNOLÓGICA.
CD28 e CTLA-4
• CD28 NO LINFÓCITO T NÃO ATIVADO SE LIGA A B7-1 OU B7-2 NA APC – ATIVAÇÃO
• CTLA-4 NO LINFÓCITO T JÁ ATIVADO LIGA-SE A B7-1 OU B7-2 NA APC – REGULAÇÃO
• OUTRA MOLÉCULA REGULADORA – PD-L1, QUE SE LIGA A PD-1 NO LINFÓCITO B E T -
REGULAÇÃO
CD45 E CD2
• CD45 POSSUE DUAS ISOFORMAS PRINCIPAIS, CD45RA (LINFÓCITOS T VIRGENS) E CD45RO
(LINFÓCITOS T DE MEMÓRIA). SUAS FUNÇÕES NÃO ESTÃO AINDA ESCLARECIDAS, PODENDO
ESTAR ENVOLVIDOS COM A MATURAÇÃO E ATIVAÇÃO DO LINFÓCITO T;
•LFA-3 DA APC LIGA-SE AO CD2 NO LINFÓCITO, PROMOVENDO TANTO A ADESÃO
INTERCELULAR QUANTO A SINALIZAÇÃO, INDUZINDO A PRODUÇÃO DE CITOCINAS.
INTEGRINAS
• OS DOMÍNIOS EXTRACELULARES DAS INTEGRINAS LIGAM-SE AO CITOESQUELETO E A
OUTRAS INTEGRINAS NA MEMBRANA DE APCS E CÉLULAS ENDOTELIAIS;
• INDUZEM A ADESÃO DO LINFÓCITO T ÀS APCS, ÀS CÉLULAS ENDOTELIAIS E À MATRIZ
EXTRACELULAR.
INTEGRINAS
• OCORRE AUMENTO DE AFINIDADE DAS INTEGRINAS DO LINFÓCITO T APÓS O
RECONHECIMENTO DO PEPTÍDEO E EM RESPOSTA A AÇÃO DE QUIMIOCINAS.
• OCORRE AUMENTO DE EXPRESSÃO DE INTEGRINAS NOS LINFÓCITOS T ATIVADOS.
• SÃO RESPONSÁVEIS PELA RETENÇÃO DOS LINFÓCITOS NOS TECIDOS LINFÓIDES E NOS
SÍTIOS PERIFÉRICOS AONDE ESTEJA OCORRENDO PROCESSO INFLAMATÓRIO
OUTRAS MOLÉCULAS ACESSÓRIAS
IMPORTANTES
CD44 – expressa principalmente pelos linfócitos T de memória e é responsável pela
retenção dessas células nos tecidos com processo inflamatório
CD40 Ligante (CD40L) – liga-se ao CD40, ativando essas células (macrófagos,
dendríticas, Linf. B) - fundamental para a produção de anticorpos por Linf. B e para a
ativação da fagocitose em macrófagos
Ligante de FAS (FASL): é expresso na superfície das células T CD8+ e se acopla a
molécula de FAS das células-alvo, que resulta na apoptose das células-alvo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenosProcessamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
Ricardo Portela
 
Imunidades das mucosas
Imunidades das mucosasImunidades das mucosas
Imunidades das mucosas
LABIMUNO UFBA
 
PPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas molecularesPPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas moleculares
Denise Turini Gonzales Marioto
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
Raimundo Tostes
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
mfernandamb
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
Ricardo Portela
 
Cascata de coagulação
Cascata de coagulaçãoCascata de coagulação
Cascata de coagulação
Rutxizita
 
Antígenos
AntígenosAntígenos
Antígenos
LABIMUNO UFBA
 
Fatores de virulência
Fatores de virulênciaFatores de virulência
Fatores de virulência
dapab
 
Glicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - FarmacologiaGlicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - Farmacologia
Raphael Machado
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
Gildo Crispim
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
Arquivo-FClinico
 
ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
Ricardo Portela
 
Receptores linfócitos
Receptores linfócitosReceptores linfócitos
Receptores linfócitos
LABIMUNO UFBA
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
LABIMUNO UFBA
 
Aula Mhc Apc E Interaes Celula
Aula Mhc Apc E Interaes CelulaAula Mhc Apc E Interaes Celula
Aula Mhc Apc E Interaes Celula
P Victor
 

Mais procurados (20)

Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenosProcessamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
 
Imunidades das mucosas
Imunidades das mucosasImunidades das mucosas
Imunidades das mucosas
 
PPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas molecularesPPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas moleculares
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
 
Cascata de coagulação
Cascata de coagulaçãoCascata de coagulação
Cascata de coagulação
 
Antígenos
AntígenosAntígenos
Antígenos
 
Fatores de virulência
Fatores de virulênciaFatores de virulência
Fatores de virulência
 
Glicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - FarmacologiaGlicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - Farmacologia
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
 
ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
 
Receptores linfócitos
Receptores linfócitosReceptores linfócitos
Receptores linfócitos
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Aula Mhc Apc E Interaes Celula
Aula Mhc Apc E Interaes CelulaAula Mhc Apc E Interaes Celula
Aula Mhc Apc E Interaes Celula
 

Destaque

Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
Messias Miranda
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Messias Miranda
 
Immune system
Immune systemImmune system
Immune system
carmencrivii
 
N06 Receptores Para Antigenos
N06 Receptores Para AntigenosN06 Receptores Para Antigenos
N06 Receptores Para Antigenos
Amortentia
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
Messias Miranda
 
Respostas imunes mediadas por células
Respostas imunes mediadas por célulasRespostas imunes mediadas por células
Respostas imunes mediadas por células
Guilherme Schmitt de Andrade
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
Messias Miranda
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Helena Amaral
 
Resposta inata
Resposta inataResposta inata
Resposta inata
LABIMUNO UFBA
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Fases de la cicatrizacion normal
Fases de la cicatrizacion normalFases de la cicatrizacion normal
Fases de la cicatrizacion normal
Ernesto Lopez
 
Cicatrización
CicatrizaciónCicatrización
Imunidade natural parte 2
Imunidade natural   parte 2Imunidade natural   parte 2
Imunidade natural parte 2
biomedunifil
 

Destaque (13)

Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Immune system
Immune systemImmune system
Immune system
 
N06 Receptores Para Antigenos
N06 Receptores Para AntigenosN06 Receptores Para Antigenos
N06 Receptores Para Antigenos
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
 
Respostas imunes mediadas por células
Respostas imunes mediadas por célulasRespostas imunes mediadas por células
Respostas imunes mediadas por células
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Resposta inata
Resposta inataResposta inata
Resposta inata
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Fases de la cicatrizacion normal
Fases de la cicatrizacion normalFases de la cicatrizacion normal
Fases de la cicatrizacion normal
 
Cicatrización
CicatrizaciónCicatrización
Cicatrización
 
Imunidade natural parte 2
Imunidade natural   parte 2Imunidade natural   parte 2
Imunidade natural parte 2
 

Semelhante a Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t

PATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINAS
PATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINASPATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINAS
PATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINAS
IPN
 
Sle & saf
Sle & safSle & saf
Sle & saf
pauloalambert
 
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabiapatologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
IPN
 
Rc nestor cordoba.pptx
Rc nestor cordoba.pptxRc nestor cordoba.pptx
Rc nestor cordoba.pptx
mercacmes
 
Evaluacion de los sistemas tecnologicos
Evaluacion de los sistemas tecnologicosEvaluacion de los sistemas tecnologicos
Evaluacion de los sistemas tecnologicos
serch125
 
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdfclave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
CarollDelLourdeLarco
 
Consumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem Social
Consumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem SocialConsumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem Social
Consumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem Social
Vanessa Ruffatto Gregoviski
 
Relatório aula prática de Toxicologia
Relatório aula prática de ToxicologiaRelatório aula prática de Toxicologia
Relatório aula prática de Toxicologia
Karen Zanferrari
 
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºaCaça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Luiz Carlos
 
1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.
1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.
1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.
Ricardo Reyes Chilpa. Instituto de Química. UNAM
 
Anatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptxAnatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptx
Julio López
 
Histología del sistema circulatorio.pdf
Histología del sistema circulatorio.pdfHistología del sistema circulatorio.pdf
Histología del sistema circulatorio.pdf
Ivana Ramírez
 
Membrana Plásmatica - Transporte.pdf
Membrana Plásmatica - Transporte.pdfMembrana Plásmatica - Transporte.pdf
Membrana Plásmatica - Transporte.pdf
JonathasAureliano1
 
Formato004
Formato004Formato004
Formato004
Carlos Peña
 
Seminario micro geral_biotecnologia
Seminario micro geral_biotecnologiaSeminario micro geral_biotecnologia
Seminario micro geral_biotecnologia
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
2012. xxix congreso nacional de bioquímica.
2012. xxix congreso nacional de bioquímica.2012. xxix congreso nacional de bioquímica.
2012. xxix congreso nacional de bioquímica.
Ricardo Reyes Chilpa. Instituto de Química. UNAM
 
Como aprender a fazer um empreendedorismo.pdf
Como aprender a fazer  um empreendedorismo.pdfComo aprender a fazer  um empreendedorismo.pdf
Como aprender a fazer um empreendedorismo.pdf
luisalbuquerque2009
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Criterios de em poser mac donald
Criterios de em  poser  mac donaldCriterios de em  poser  mac donald
Criterios de em poser mac donald
virgiliolazaro2
 
Londres 2012
Londres 2012Londres 2012
Londres 2012
ricarm5
 

Semelhante a Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t (20)

PATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINAS
PATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINASPATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINAS
PATOLOGIA DEL METABOLISMO DE CARBOHIDRATOS, PROTEINAS Y PURINAS
 
Sle & saf
Sle & safSle & saf
Sle & saf
 
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabiapatologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
patologia hemodinamica, neoplasias, amibiasis, criptococcosis y rabia
 
Rc nestor cordoba.pptx
Rc nestor cordoba.pptxRc nestor cordoba.pptx
Rc nestor cordoba.pptx
 
Evaluacion de los sistemas tecnologicos
Evaluacion de los sistemas tecnologicosEvaluacion de los sistemas tecnologicos
Evaluacion de los sistemas tecnologicos
 
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdfclave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
clave-azul-y-clave-roja-1221776080170833-9.pdf
 
Consumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem Social
Consumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem SocialConsumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem Social
Consumo de Álcool por Universitários e Aprendizagem Social
 
Relatório aula prática de Toxicologia
Relatório aula prática de ToxicologiaRelatório aula prática de Toxicologia
Relatório aula prática de Toxicologia
 
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºaCaça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
 
1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.
1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.
1988. el uso de las hormonas vegetales en la agricultura mexicana.
 
Anatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptxAnatomia Ocular.pptx
Anatomia Ocular.pptx
 
Histología del sistema circulatorio.pdf
Histología del sistema circulatorio.pdfHistología del sistema circulatorio.pdf
Histología del sistema circulatorio.pdf
 
Membrana Plásmatica - Transporte.pdf
Membrana Plásmatica - Transporte.pdfMembrana Plásmatica - Transporte.pdf
Membrana Plásmatica - Transporte.pdf
 
Formato004
Formato004Formato004
Formato004
 
Seminario micro geral_biotecnologia
Seminario micro geral_biotecnologiaSeminario micro geral_biotecnologia
Seminario micro geral_biotecnologia
 
2012. xxix congreso nacional de bioquímica.
2012. xxix congreso nacional de bioquímica.2012. xxix congreso nacional de bioquímica.
2012. xxix congreso nacional de bioquímica.
 
Como aprender a fazer um empreendedorismo.pdf
Como aprender a fazer  um empreendedorismo.pdfComo aprender a fazer  um empreendedorismo.pdf
Como aprender a fazer um empreendedorismo.pdf
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Criterios de em poser mac donald
Criterios de em  poser  mac donaldCriterios de em  poser  mac donald
Criterios de em poser mac donald
 
Londres 2012
Londres 2012Londres 2012
Londres 2012
 

Mais de Messias Miranda

Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Messias Miranda
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
Messias Miranda
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
Messias Miranda
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
Messias Miranda
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
Messias Miranda
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Messias Miranda
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Messias Miranda
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Messias Miranda
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
Messias Miranda
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Messias Miranda
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
Messias Miranda
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Messias Miranda
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Messias Miranda
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Messias Miranda
 

Mais de Messias Miranda (17)

Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 

Último

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 

Último (8)

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t

  • 1. Messias Miranda Junior messias.miranda@yahoo.com.br Unidade Itapetininga - SP RECEPTORES DE ANTÍGENOS E MOLÉCULAS ACESSÓRIAS DOS LINFÓCITOS T
  • 2. LINFÓCITOS Células com função de defesa contra infecções; Únicas células do corpo capazes de reconhecer e distinguir diferentes determinantes antigênicos; Especificidade e memória; Linfócitos T reconhecem o antígeno ligado ao MHC através dos receptores de células T (TCR) - semelhante às Igs
  • 3. O S L I N F Ó CI TO S T P O S S U E M R E C E P TO RE S E M S U A M E M B R A NA C O M F U N Ç Õ E S E S P E C Í FI C AS N A R E S P O S TA I M U N O LÓ G I CA : R E C O N H E CI M E N TO E S P E C Í FI C O D O A N T Í G E NO , T R A N S D U Ç Ã O D E S I N A I S E A D E S Ã O I N T E R C E LU L AR .
  • 4. O T C R É O R E C E P TO R D E M E M B RA N A R E S P O NS Á V E L P E L O R E C O N H E CI M E N TO D O A N T Í G E NO A P R E S E N TA DO P E L O M H C
  • 5. O T C R É F O R M A DO P O R D U A S C A D E I A S P O L I P E P TÍ DI C A S C O M U M A R E G I Ã O N T E R M I N A L VA R I Á V E L, U M D O M Í NI O I G C O N S TA N T E , U M A R E G I Ã O T R A N S M E M B R ÂN I C A E U M C U R TO D O M Í NI O I N T R A C I TO P LA S MÁ TI C O .
  • 6. TCR αβ T C R : p r e s e nt e n a s c é l u l a s T C D 4 + e C D 8 + ; P o s s ui u m a r e g i ã o c o n s t a nt e ( C ) e u m a r e g i ã o v a r i á v e l ( V ) ; P o s s ui u m a c a d e i a α l f a e u m a c a d e i a β e t a ; R e g i ã o V: v a r i a bi l i da d e d o s T C R s
  • 7. O T C R N Ã O É S E C R E TA DO , É A N C O R A D O N A M E M B R A NA D O S L I N F Ó CI TO S T A O N D E FA R Á O R E C O N H E CI M E N TO D O C O M P L E X O P E P TÍ D E O - M HC ( S I N A P S E I M U N O L Ó G IC A )
  • 8. A S P R O T E Í N A S C D 3 E S T Ã O A S S O C I A D AS D E F O R M A N Ã O C O VA L E N TE A O H E T E R O DÍ M E R O D O T C R E Q U A N D O E S T E R E C O N H E CE O P E P TÍ D E O A S S O C I A D O A O M H C , E S TA S P R O T E Í N A S T R A N S D U Z E M O S S I N A I S Q U E L E VA M À AT I VA Ç Ã O D O LT
  • 9. MOLÉCULAS ACESSÓRIAS DE CÉLULAS T • LIGAM-SE ESPECIFICAMENTE A OUTRAS MOLÉCULAS NA MEMBRANA DE APCS, CÉLULAS ENDOTELIAIS E MATRIZ EXTRACELULAR; • NÃO APRESENTAM REGIÕES VARIÁVEIS E NÃO SÃO POLIMÓRFICAS; • ESTÃO ENVOLVIDAS COM O PROCESSO DE SINALIZAÇÃO PARA O INTERIOR DOS LINFÓCITOS E NA ATIVAÇÃO/REGULAÇÃO DA RESPOSTA IMUNE; • RELACIONADAS AO AUMENTO DA ADESÃO LINFÓCITO T/APC E PASSAGEM PARA LINFÓCITOS PARA O TECIDO E RETENÇÃO DAS CÉLULAS NESSES.
  • 11. CD4 E CD8 RESPONSÁVEIS PELA ESTABILIZAÇÃO DO COMPLEXO PEPTÍDEO-MHC-TCR, PARTICIPANDO DA TRANSDUÇÃO DE SINAL APÓS O RECONHECIMENTO DO ANTÍGENO (PRIMEIRO SINAL) PARTICIPAM DE FORMA CRUCIAL DO PROCESSO DE MATURAÇÃO DOS LINFÓCITOS T
  • 12. G L I CO P RO T E ÍN A S T R A N S M E M B R ÂN I CA S P E R T E N C E N TE S A S U P E R FA M ÍLI A D A S I M U N O G LU BI N A S . CO-RECEPTORES (CD4 OU CD8) Principal função: Transduzir sinal no momento do reconhecimento do antígeno; Reforçar a ligação entre os linfócitos T e as APC’s
  • 13. CD28 E CTLA-4 • CD28 – QUANDO SE LIGA A B7-1/B7-2 NA APC, É RESPONSÁVEL PELO SEGUNDO SINAL, COMPLETANDO A ATIVAÇÃO DO LINFÓCITO; • CTLA-4 – PRESENTE NA MEMBRANA DE LINFÓCITOS T ATIVADOS, TAMBÉM SE LIGAM A B7-1/B7-2 NA MEMBRANA DE APCS, INIBINDO A ATIVAÇÃO DO LINFÓCITO, E PARTICIPANDO DESSA FORMA DA REGULAÇÃO DA RESPOSTA IMUNOLÓGICA.
  • 14. CD28 e CTLA-4 • CD28 NO LINFÓCITO T NÃO ATIVADO SE LIGA A B7-1 OU B7-2 NA APC – ATIVAÇÃO • CTLA-4 NO LINFÓCITO T JÁ ATIVADO LIGA-SE A B7-1 OU B7-2 NA APC – REGULAÇÃO • OUTRA MOLÉCULA REGULADORA – PD-L1, QUE SE LIGA A PD-1 NO LINFÓCITO B E T - REGULAÇÃO
  • 15. CD45 E CD2 • CD45 POSSUE DUAS ISOFORMAS PRINCIPAIS, CD45RA (LINFÓCITOS T VIRGENS) E CD45RO (LINFÓCITOS T DE MEMÓRIA). SUAS FUNÇÕES NÃO ESTÃO AINDA ESCLARECIDAS, PODENDO ESTAR ENVOLVIDOS COM A MATURAÇÃO E ATIVAÇÃO DO LINFÓCITO T; •LFA-3 DA APC LIGA-SE AO CD2 NO LINFÓCITO, PROMOVENDO TANTO A ADESÃO INTERCELULAR QUANTO A SINALIZAÇÃO, INDUZINDO A PRODUÇÃO DE CITOCINAS.
  • 16. INTEGRINAS • OS DOMÍNIOS EXTRACELULARES DAS INTEGRINAS LIGAM-SE AO CITOESQUELETO E A OUTRAS INTEGRINAS NA MEMBRANA DE APCS E CÉLULAS ENDOTELIAIS; • INDUZEM A ADESÃO DO LINFÓCITO T ÀS APCS, ÀS CÉLULAS ENDOTELIAIS E À MATRIZ EXTRACELULAR.
  • 17. INTEGRINAS • OCORRE AUMENTO DE AFINIDADE DAS INTEGRINAS DO LINFÓCITO T APÓS O RECONHECIMENTO DO PEPTÍDEO E EM RESPOSTA A AÇÃO DE QUIMIOCINAS. • OCORRE AUMENTO DE EXPRESSÃO DE INTEGRINAS NOS LINFÓCITOS T ATIVADOS. • SÃO RESPONSÁVEIS PELA RETENÇÃO DOS LINFÓCITOS NOS TECIDOS LINFÓIDES E NOS SÍTIOS PERIFÉRICOS AONDE ESTEJA OCORRENDO PROCESSO INFLAMATÓRIO
  • 18. OUTRAS MOLÉCULAS ACESSÓRIAS IMPORTANTES CD44 – expressa principalmente pelos linfócitos T de memória e é responsável pela retenção dessas células nos tecidos com processo inflamatório CD40 Ligante (CD40L) – liga-se ao CD40, ativando essas células (macrófagos, dendríticas, Linf. B) - fundamental para a produção de anticorpos por Linf. B e para a ativação da fagocitose em macrófagos Ligante de FAS (FASL): é expresso na superfície das células T CD8+ e se acopla a molécula de FAS das células-alvo, que resulta na apoptose das células-alvo